Your SlideShare is downloading. ×
0
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94

1,721

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,721
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Cotação da pergunta 2: 5 correspondências certas 4 3 2 1 = = = = = 3 2 1,5 1 0,5
  • 2. 1.1 O uso das aspas em «desaprender» (l. 6) assinala a) o uso poético do verbo. b) a ironia do autor. c) a frequência da ação. d) a invulgaridade da ação.
  • 3. Tratava-se ainda de uma nova aprendizagem que consistia em «desaprender» tudo quanto fora convencionalmente aprendido.
  • 4. 1.2 O recurso estilístico concretizado na expressão «complexa ‘simplicidade’» (l. 7) é a) a antítese. b) a hipérbole. c) o paradoxo. (oxímoro) cfr. p. 351 d) a metáfora.
  • 5. 1.3 No segmento «o intérprete sensível das grandes depressões nervosas» (ll. 12-13) possui/possuem valor restritivo a) os adjetivos «sensível» e «grandes». b) os adjetivos «grandes» e «nervosas». c) todos os adjetivos. d) apenas o adjetivo «sensível».
  • 6. 1.4 O constituinte sublinhado em «Alberto Caeiro, desejando-se um simples homem da natureza» (ll. 26-27) desempenha a função sintática de a) predicativo do complemento direto. b) predicativo do sujeito. c) complemento do nome. d) complemento direto.
  • 7. Alberto Caeiro, desejando-se um simples homem da natureza, inteiramente desligado dos valores da cultura, pretendeu … Suj V CD Predicativo do complemento direto Eu desejo-me um simples homem da natureza Eu quero-o [Caeiro] deseja-se um simples homem da natureza Ele considera-o um simples homem da natureza um simples homem da natureza
  • 8. Estudar em ‘funções sintáticas’ ou em ‘predicativo do complemento direto’
  • 9. 1.5 O elemento linguístico «que» sublinhado na passagem «Ricardo Reis, por seu turno, não mais desejou que viver segundo o ensinamento de todas as culturas, sinteticamente recolhidas numa sabedoria que vem de longe» (ll. 32-34) é a) uma conjunção subordinativa completiva. b) uma conjunção subordinativa causal. c) uma conjunção subordinativa consecutiva. d) um pronome relativo.
  • 10. Ricardo Reis, por seu turno, não mais desejou que viver segundo o ensinamento [conjunção comparativa] de todas as culturas, sinteticamente recolhidas numa sabedoria que vem de [pronome relativo] longe.
  • 11. pronome relativo numa sabedoria que vem de longe. antecedente oração sub. adjetiva relativa restritiva
  • 12. Pronomes relativos Variáveis Singular Plural Masculino Feminino Masculino o qual a qual os quais as quais Invariáveis que quem Feminino
  • 13. Outras palavras relativas Advérbio relativo onde Determinantes relativos cujo, cuja, cujos, cujas Quantificadores relativos quanto, quanta, quantos, quantas
  • 14. Orações subordinadas relativas Adjetivas relativas A amiga a quem dei uma prenda está ali. A aldeia onde moraste afundou-se. Gosto de casas cujas paredes sejam azuis. Substantivas relativas (sem antecedente) Quem mora ali é sortudo. Onde vives não há pirâmides. Dou-te quantas estaladas queiras.
  • 15. 1.6 O conector «Em suma» (l. 34), introduz, no contexto, um nexo a) comparativo. b) conclusivo. c) consecutivo. d) causal.
  • 16. 1.7 O termo «ininterrupto» (l. 40) é usado com o sentido de a) breve. b) contínuo. c) interrupto. d) profícuo. (= ‘interrompido’) (= ‘proveitoso, útil’)
  • 17. 2. Faz corresponder a cada segmento textual da coluna A um único segmento textual da coluna B, de modo a obteres uma afirmação adequada ao sentido do texto. Utiliza cada letra e cada número apenas uma vez. a.= 1; b. = 8; c. = 4; d. 3; e. 2. a. = 2; b. = 1; c. = 5; d. 4; e. 3.
  • 18. a. Com o uso do pronome «Isto» (l. 3), 1. o enunciador recupera sinteticamente o processo anteriormente descrito. Isto = recusar toda a metafísica e cantar a natureza de modo mais objetivo, sem ver nas coisas senão o que aparentam
  • 19. b. Com o recurso ao conector «por sua vez» (ll. 15-16), 8. o enunciador introduz uma sequencialização. Enquanto, Álvaro de Campos… Ricardo Reis, por sua vez, …
  • 20. c. Com a utilização da expressão «o Horácio do nosso tempo» (ll. 18-19), 4. o enunciador predica algo sobre o sujeito. [Ricardo Reis] é o Horácio do nosso tempo
  • 21. d. Com o recurso ao pronome «as» (l. 37), 3. o enunciador serve-se de um correferente para evitar a repetição do nome. «a arte de» é sempre assumida como uma espécie de «máscara»; e, quanto aos figurantes que as ostentam,
  • 22. e. Com o uso do advérbio conectivo «todavia» (l. 40), 2. o enunciador insere uma ligação adversativa.
  • 23. Conjunção vs. Advérbio conectivo Fui à FJS, / apanhei chuva, / mas gostei da peça. * Fui à FJS, / apanhei chuva, / gostei mas da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / todavia gostei da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / gostei, todavia, da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / porém gostei da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / gostei, porém, da peça.
  • 24. Conectores adversativos Conjunção — mas Advérbios conectivos (e locução adverbial conectiva) — porém, todavia, contudo, no entanto
  • 25. Conectores conclusivos Conjunção — logo Advérbios conectivos (e locuções adverbiais conectivas) — portanto, assim, por isso, por consequência, por conseguinte, em suma
  • 26. Proximamente, vamos rever classes de palavras. Relancear, por favor, no blogue: caderno suplementar ao manual (folhas verdes) já posto o ano passado; páginas de gramática(s) que venha a pôr agora (sobre ‘classes de palavras’).
  • 27. prefixação: invulgar, sorrir, desconhecer sufixação: chatice, totalidade, igualmente chinfrineira, sintonizar.
  • 28. prefixação e sufixação: desprevenido, desagradável. parassíntese: adormecer, transbordar.
  • 29. conversão: [um] chato, [o] acordar, [os] Já Fumega (< já fumega) derivação não afixal: visita, gajo, transtorno, troca. «visita», «transtorno» e «troca» = deverbais.
  • 30. composição morfológica: aeromodelismo, filatelia, psicólogo, telenovela. composição morfossintática: caixa-de-óculos, passatempo.
  • 31. 1. morfossintáticos. 2. morfológicos. 3. morfossintáticos. 4. morfossintáticos.
  • 32. 1. bares-discoteca; bombas-relógio; peixes-espada; couves-flor; palavraschave; homens-rã
  • 33. 2. autocarros; filosofias; agriculturas; videoconferências; telespetadores; afroamericanos
  • 34. 3. autarcas-deputados; cirurgiõesdentistas; surdos-mudos; trabalhadoresestudantes; caixeiros-viajantes; tradutores-revisores
  • 35. 4. bate-chapas; salva-vidas; abre-latas; tira-nódoas; saca-rolhas; limpa-vidros
  • 36. 1. Quando o primeiro elemento é o núcleo (e o segundo, embora nome, é uma espécie de característica adjetiva), é esse o elemento que flexiona.
  • 37. 2. Se a palavra for composta por dois radicais ou um radical e uma palavra, só há flexão no final.
  • 38. 3. Sendo o composto formado por dois adjetivos ou nomes animados, ambos os constituintes se flexionam.
  • 39. 4. Quando se combinam um verbo e um nome, só este se flexiona.
  • 40. «Nem sempre se pode ter tudo» (l. 1) | SENTenciador
  • 41. «a pobre não emprestes, a rico não devas, a frade não prometas» (ll. 5-6) | SENTenciador
  • 42. «porém sosseguemos» (ll. 5-6) | aparentemente | HOModiegético
  • 43. «Haveremos convento.» (l. 6) | OMNisciente (ou aparentemente HOModiegético)
  • 44. «El-rei foi a Mafra escolher o sítio onde há de ser levantado o convento.» (l. 7) | HETerodiegético
  • 45. «um homem pode ser grande voador, mas é-lhe muito conveniente que saia bacharel, licenciado e doutor, e então, ainda que não voe, o consideram» (ll. 1315) | REFlexivo
  • 46. «estava a abegoaria em abandono, dispersos pelo chão os materiais que não valera a pena arrumar, ninguém adivinharia o que ali se andara perpetrando» (ll. 17-20) | HETerodiegético
  • 47. «com todas as disposições, licenças e matriculações necessárias, partiu o padre Bartolomeu Lourenço para Coimbra» (ll. 25-28) levemente | IRÓNico
  • 48. «Até à vila de Mafra, aonde primeiro vai, não tem a viagem história, salvo a das pessoas que por estes lugares moram» (ll. 29-32) | OMNisciente
  • 49. Em «Cem homens e cem formigas» são referidos três espaços (descontando já a Holanda e, claro, a alusão a Alcobaça): Alto da Vela (Mafra); São Sebastião da Pedreira; Coimbra. Explica como são vistos estes locais no texto e o seu enquadramento no enredo do romance, associando-os ao simbolismo que possam ter, num comentário de cerca de cento e cinquenta palavras.
  • 50. TPC [Durante esta semana, o tepecê consistirá no comentário-análise (em torno de Memorial e canção) que anunciara como tepecê da última ou penúltima aula e cujas instruções estão em Gaveta de Nuvens desde sexta-feira. Não deixes de lê-las. Gostaria que uma primeira versão desse texto me fosse entregue ou enviada ainda dentro desta semana.]
  • 51. Ver bem as instruções e o meu exemplo. Além do que está nas instruções: Referências completas (como faço eu); Preferir os vídeos originais (versões editadas por populares, com letras, imagens, etc.).

×