Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94

3,968 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,968
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3,257
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94

  1. 1. Cotação da pergunta 2: 5 correspondências certas 4 3 2 1 = = = = = 3 2 1,5 1 0,5
  2. 2. 1.1 O uso das aspas em «desaprender» (l. 6) assinala a) o uso poético do verbo. b) a ironia do autor. c) a frequência da ação. d) a invulgaridade da ação.
  3. 3. Tratava-se ainda de uma nova aprendizagem que consistia em «desaprender» tudo quanto fora convencionalmente aprendido.
  4. 4. 1.2 O recurso estilístico concretizado na expressão «complexa ‘simplicidade’» (l. 7) é a) a antítese. b) a hipérbole. c) o paradoxo. (oxímoro) cfr. p. 351 d) a metáfora.
  5. 5. 1.3 No segmento «o intérprete sensível das grandes depressões nervosas» (ll. 12-13) possui/possuem valor restritivo a) os adjetivos «sensível» e «grandes». b) os adjetivos «grandes» e «nervosas». c) todos os adjetivos. d) apenas o adjetivo «sensível».
  6. 6. 1.4 O constituinte sublinhado em «Alberto Caeiro, desejando-se um simples homem da natureza» (ll. 26-27) desempenha a função sintática de a) predicativo do complemento direto. b) predicativo do sujeito. c) complemento do nome. d) complemento direto.
  7. 7. Alberto Caeiro, desejando-se um simples homem da natureza, inteiramente desligado dos valores da cultura, pretendeu … Suj V CD Predicativo do complemento direto Eu desejo-me um simples homem da natureza Eu quero-o [Caeiro] deseja-se um simples homem da natureza Ele considera-o um simples homem da natureza um simples homem da natureza
  8. 8. Estudar em ‘funções sintáticas’ ou em ‘predicativo do complemento direto’
  9. 9. 1.5 O elemento linguístico «que» sublinhado na passagem «Ricardo Reis, por seu turno, não mais desejou que viver segundo o ensinamento de todas as culturas, sinteticamente recolhidas numa sabedoria que vem de longe» (ll. 32-34) é a) uma conjunção subordinativa completiva. b) uma conjunção subordinativa causal. c) uma conjunção subordinativa consecutiva. d) um pronome relativo.
  10. 10. Ricardo Reis, por seu turno, não mais desejou que viver segundo o ensinamento [conjunção comparativa] de todas as culturas, sinteticamente recolhidas numa sabedoria que vem de [pronome relativo] longe.
  11. 11. pronome relativo numa sabedoria que vem de longe. antecedente oração sub. adjetiva relativa restritiva
  12. 12. Pronomes relativos Variáveis Singular Plural Masculino Feminino Masculino o qual a qual os quais as quais Invariáveis que quem Feminino
  13. 13. Outras palavras relativas Advérbio relativo onde Determinantes relativos cujo, cuja, cujos, cujas Quantificadores relativos quanto, quanta, quantos, quantas
  14. 14. Orações subordinadas relativas Adjetivas relativas A amiga a quem dei uma prenda está ali. A aldeia onde moraste afundou-se. Gosto de casas cujas paredes sejam azuis. Substantivas relativas (sem antecedente) Quem mora ali é sortudo. Onde vives não há pirâmides. Dou-te quantas estaladas queiras.
  15. 15. 1.6 O conector «Em suma» (l. 34), introduz, no contexto, um nexo a) comparativo. b) conclusivo. c) consecutivo. d) causal.
  16. 16. 1.7 O termo «ininterrupto» (l. 40) é usado com o sentido de a) breve. b) contínuo. c) interrupto. d) profícuo. (= ‘interrompido’) (= ‘proveitoso, útil’)
  17. 17. 2. Faz corresponder a cada segmento textual da coluna A um único segmento textual da coluna B, de modo a obteres uma afirmação adequada ao sentido do texto. Utiliza cada letra e cada número apenas uma vez. a.= 1; b. = 8; c. = 4; d. 3; e. 2. a. = 2; b. = 1; c. = 5; d. 4; e. 3.
  18. 18. a. Com o uso do pronome «Isto» (l. 3), 1. o enunciador recupera sinteticamente o processo anteriormente descrito. Isto = recusar toda a metafísica e cantar a natureza de modo mais objetivo, sem ver nas coisas senão o que aparentam
  19. 19. b. Com o recurso ao conector «por sua vez» (ll. 15-16), 8. o enunciador introduz uma sequencialização. Enquanto, Álvaro de Campos… Ricardo Reis, por sua vez, …
  20. 20. c. Com a utilização da expressão «o Horácio do nosso tempo» (ll. 18-19), 4. o enunciador predica algo sobre o sujeito. [Ricardo Reis] é o Horácio do nosso tempo
  21. 21. d. Com o recurso ao pronome «as» (l. 37), 3. o enunciador serve-se de um correferente para evitar a repetição do nome. «a arte de» é sempre assumida como uma espécie de «máscara»; e, quanto aos figurantes que as ostentam,
  22. 22. e. Com o uso do advérbio conectivo «todavia» (l. 40), 2. o enunciador insere uma ligação adversativa.
  23. 23. Conjunção vs. Advérbio conectivo Fui à FJS, / apanhei chuva, / mas gostei da peça. * Fui à FJS, / apanhei chuva, / gostei mas da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / todavia gostei da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / gostei, todavia, da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / porém gostei da peça. Fui à FJS, / apanhei chuva, / gostei, porém, da peça.
  24. 24. Conectores adversativos Conjunção — mas Advérbios conectivos (e locução adverbial conectiva) — porém, todavia, contudo, no entanto
  25. 25. Conectores conclusivos Conjunção — logo Advérbios conectivos (e locuções adverbiais conectivas) — portanto, assim, por isso, por consequência, por conseguinte, em suma
  26. 26. Proximamente, vamos rever classes de palavras. Relancear, por favor, no blogue: caderno suplementar ao manual (folhas verdes) já posto o ano passado; páginas de gramática(s) que venha a pôr agora (sobre ‘classes de palavras’).
  27. 27. prefixação: invulgar, sorrir, desconhecer sufixação: chatice, totalidade, igualmente chinfrineira, sintonizar.
  28. 28. prefixação e sufixação: desprevenido, desagradável. parassíntese: adormecer, transbordar.
  29. 29. conversão: [um] chato, [o] acordar, [os] Já Fumega (< já fumega) derivação não afixal: visita, gajo, transtorno, troca. «visita», «transtorno» e «troca» = deverbais.
  30. 30. composição morfológica: aeromodelismo, filatelia, psicólogo, telenovela. composição morfossintática: caixa-de-óculos, passatempo.
  31. 31. 1. morfossintáticos. 2. morfológicos. 3. morfossintáticos. 4. morfossintáticos.
  32. 32. 1. bares-discoteca; bombas-relógio; peixes-espada; couves-flor; palavraschave; homens-rã
  33. 33. 2. autocarros; filosofias; agriculturas; videoconferências; telespetadores; afroamericanos
  34. 34. 3. autarcas-deputados; cirurgiõesdentistas; surdos-mudos; trabalhadoresestudantes; caixeiros-viajantes; tradutores-revisores
  35. 35. 4. bate-chapas; salva-vidas; abre-latas; tira-nódoas; saca-rolhas; limpa-vidros
  36. 36. 1. Quando o primeiro elemento é o núcleo (e o segundo, embora nome, é uma espécie de característica adjetiva), é esse o elemento que flexiona.
  37. 37. 2. Se a palavra for composta por dois radicais ou um radical e uma palavra, só há flexão no final.
  38. 38. 3. Sendo o composto formado por dois adjetivos ou nomes animados, ambos os constituintes se flexionam.
  39. 39. 4. Quando se combinam um verbo e um nome, só este se flexiona.
  40. 40. «Nem sempre se pode ter tudo» (l. 1) | SENTenciador
  41. 41. «a pobre não emprestes, a rico não devas, a frade não prometas» (ll. 5-6) | SENTenciador
  42. 42. «porém sosseguemos» (ll. 5-6) | aparentemente | HOModiegético
  43. 43. «Haveremos convento.» (l. 6) | OMNisciente (ou aparentemente HOModiegético)
  44. 44. «El-rei foi a Mafra escolher o sítio onde há de ser levantado o convento.» (l. 7) | HETerodiegético
  45. 45. «um homem pode ser grande voador, mas é-lhe muito conveniente que saia bacharel, licenciado e doutor, e então, ainda que não voe, o consideram» (ll. 1315) | REFlexivo
  46. 46. «estava a abegoaria em abandono, dispersos pelo chão os materiais que não valera a pena arrumar, ninguém adivinharia o que ali se andara perpetrando» (ll. 17-20) | HETerodiegético
  47. 47. «com todas as disposições, licenças e matriculações necessárias, partiu o padre Bartolomeu Lourenço para Coimbra» (ll. 25-28) levemente | IRÓNico
  48. 48. «Até à vila de Mafra, aonde primeiro vai, não tem a viagem história, salvo a das pessoas que por estes lugares moram» (ll. 29-32) | OMNisciente
  49. 49. Em «Cem homens e cem formigas» são referidos três espaços (descontando já a Holanda e, claro, a alusão a Alcobaça): Alto da Vela (Mafra); São Sebastião da Pedreira; Coimbra. Explica como são vistos estes locais no texto e o seu enquadramento no enredo do romance, associando-os ao simbolismo que possam ter, num comentário de cerca de cento e cinquenta palavras.
  50. 50. TPC [Durante esta semana, o tepecê consistirá no comentário-análise (em torno de Memorial e canção) que anunciara como tepecê da última ou penúltima aula e cujas instruções estão em Gaveta de Nuvens desde sexta-feira. Não deixes de lê-las. Gostaria que uma primeira versão desse texto me fosse entregue ou enviada ainda dentro desta semana.]
  51. 51. Ver bem as instruções e o meu exemplo. Além do que está nas instruções: Referências completas (como faço eu); Preferir os vídeos originais (versões editadas por populares, com letras, imagens, etc.).

×