• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
 

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152

on

  • 117 views

 

Statistics

Views

Total Views
117
Views on SlideShare
63
Embed Views
54

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

3 Embeds 54

http://gavetadenuvens.blogspot.pt 52
http://gavetadenuvens.blogspot.com.br 1
http://gavetadenuvens.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152 Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152 Presentation Transcript

    • Senhor = Deus marinheiros Os Lusíadas
    • certas coisas fala os onde
    • [retoma da pergunta] vs. frases completas mas nossas
    • O título estabelece uma relação óbvia com o assunto do texto […] A ligação que pode ser feita entre o título e o assunto do texto é que este poema é uma oração dirigida a Deus […]
    • Prece «prece» «Prece» vv. 5 v. 5 vv. 5-7 » v. 5 », v. 5 » — v. 5
    • deus Deus O poema trata-se de Tratam-se de Trata-se de
    • 1. O poema «Prece», que integra a segunda parte de Mensagem, «Mar Português», corresponde a uma súplica do sujeito poético a uma entidade superior, um «Senhor» (v. 1), a quem pede auxílio para que se renove «a chama do esforço» (v. 10) que permitirá alterar a realidade presente e conquistar momentos gloriosos, como os que fizeram parte do passado do povo português.
    • 2. Existe claramente uma oposição entre o passado e o presente, uma vez que, naquele tempo, apesar das «tormenta(s)» (v. 2), havia «vontade» (v. 2) e «vida» (v. 5), mas, no presente, apenas restam «a noite» (v. 1), o «silêncio hostil» (v. 3) e a «saudade» (v. 4). Ainda assim, perante a dura e triste realidade, o sujeito poético ainda transmite a esperança num esforço que faça rejuvenescer a pátria e reacenda «a chama» (v. 10) da vida.
    • 3. Na última estrofe, o sujeito poético manifesta a sua esperança e a sua fé, pois acredita que ainda é possível revigorar a pátria e recuperar a grandeza perdida, conquistando a «Distância» (v. 11), ou seja, o ideal que outrora foi representado pela conquista marítima e que, agora, associa ao Quinto Império e ao orgulho de ser português.
    • 4. O sujeito poético utiliza a primeira pessoa do plural («nos”, v. 3, «nós», v. 5, «conquistemos», v. 11, e «nossa», v. 12) para se assumir como membro de uma coletividade. Falando e pedindo ajuda em nome do povo português, incita também os restantes lusitanos a realizar um esforço comum para que se torne possível conquistar a «Distância». Esta estratégia linguística reforça o tom intimista do texto.
    • Real > Réis 1$000 (= mil-réis) | 800$000 (= oitocentos mil-réis) 1.000$000 (= um milhão de réis = um conto de réis)
    • Relanceando as páginas iniciais (manual, 242-244; Felizmente, 15-21), comenta os sentimentos das personagens que intervêm relativamente a Gomes Freire.
    • O general Gomes Freire de Andrade é percecionado pelos populares presentes, à exceção de Vicente, como alguém merecedor de admiração. O grupo escuta atentamente as palavras do Antigo Soldado, para quem Gomes Freire é um «herói», e Manuel deposita nele as esperanças de resgate da situação de miséria em que vivem (l. 72). Vicente, pelo contrário, deprecia o general, não enquanto pessoa, mas como representante da classe militar, que despreza, por considerar que não pode, nem quer libertá-los da vida de pobreza em que se encontram (ll. 74-85).
    • Podemos dizer que Mensagem é uma versão moderna, espiritualizada e profética de Os Lusíadas. Porém, ao contrário das epopeias clássicas, o poema de Pessoa oscila entre o pendor épico e uma dimensão marcadamente subjetiva / instrospetiva, mais típica da poesia lírica. Com efeito, o estilo é, muitas vezes, o de quem escreve «à beira-mágoa» (como se diz no único poema do livro que não tem título) e, por isso, o melhor modo de classificar Mensagem é como poema épico-lírico.
    • As três partes de Mensagem correspondem a três momentos do Império Português: nascimento, realização e morte. No entanto, esta última parte supõe um ressurgimento / renascimento (um novo império, no fundo). A figura do Encoberto, o regressado D. Sebastião, alude ao desastre de Alcácer Quibir, mas simboliza sobretudo a esperança de um novo império. O último verso do livro, «É a hora!», exprime esse apelo à mobilização da pátria.
    • Na primeira parte, «Brasão», temos uma galeria das figuras da formação da nacionalidade. Na segunda, percorrem-se os heróis da fase da expansão; na terceira, há mais elementos simbólicos / proféticos do que verdadeiras personalidades.
    • Mensagem foi publicada em 1934, tendo Pessoa morrido em Novembro de 1935. É o único livro escrito em português que Pessoa publicou em vida. Os vários poemas que o constituem têm datas diversas: por exemplo, a segunda parte, «Mar Português», inclui textos muito anteriores aos começos do Estado Novo (dos textos desta segunda parte lemos em aula o homónimo «Mar Português», «O Infante», «Horizonte», «O Mostrengo» e «Prece»). As datas desses poemas
    • correspondem, em geral, à época do sidonismo, o que se pode relacionar com o entusiasmo nacionalista que neles se sente. Já os poemas da terceira parte foram escritos não muito antes do concurso a que o livro se destinava.
    • Trazer a folha entregue na aula passada com grelha para leitura de Felizmente
    • Prazos das tarefas, desta vez, são mesmo para cumprir.
    • Na quinta/sexta: dissertação sobre livro lido. Na segunda/terça: trabalho sobre poema de Cesário. Recitações não começarão logo no início da semana (logo a 26).