Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127

on

  • 260 views

 

Statistics

Views

Total Views
260
Views on SlideShare
169
Embed Views
91

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

2 Embeds 91

http://gavetadenuvens.blogspot.pt 85
http://gavetadenuvens.blogspot.com.br 6

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127 Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127 Presentation Transcript

    • No «Memorial» O «Memorial do Convento» Memorial do Convento Em Memorial do Convento Memorial do Convento Em Memorial do Convento Em Memorial
    • Mistificação = ‘embuste’, ‘mentira’ Mitificação = ‘tornar mito, exaltação’ Mitologia Mito
    • Memorial = romance (talvez romance histórico) «Epopeia» é aceitável apenas como como metáfora
    • Relativo caráter épico de Memorial do Convento tem subjacente um herói coletivo (o povo português, os humildes); glorifica feitos (o esforço do povo, pelo menos);
    • viagem; vários planos; vários géneros dentro de um só; intervenções mágicas;
    • história como bitola, como referência; desmedida de certos episódios (transporte da pedra; voo da passarola). in media res; narração.
    • 70 E calcula agora quão miseráveis e quão perdidos andaríamos todos, por climas e mares desconhecidos, e sob céus inclementes, inimigos da natureza humana; já tão quebrantados pelas privações e tempestades, e tão cansados do longo esperar, quanto dispostos a desesperar de todo,
    • 71 vendo já putrefactos e avariados os mantimentos, tornados nocivos e perniciosos para os nossos enfraquecidos organismos, e não colhendo, além disso, uma alegria que nos alimentasse a esperança, embora iludindo-nos! Cuidas tu que, se este grupo de militares, que me acompanha, não fosse português, porventura persistiria tanto tempo na obediência ao seu rei e ao seu comandante?
    • 72 Cuidas que se não teriam já revoltado contra o seu capitão, se ele os contrariasse, fazendo-se piratas, levados pelo desespero, pela fome e pela cólera? Grandemente experimentados estão eles já, por certo, visto que nem as grandes fadigas a que têm sido submetidos os fizeram desviar daquela alta virtude portuguesa que consiste na firme lealdade e na obediência.
    • 86 Podes agora avaliar, ó rei, se houve um dia no mundo homens que se atrevessem a semelhante expedição. Supões acaso que tanto Eneias como Ulisses houvessem dilatado a tal ponto as suas viagens? Ousou alguém, por mais versos que a seu respeito se escrevessem, ver, do profundo mar, a oitava parte do que eu tenho visto a poder de valor e de ciência, e do que espero ver ainda?
    • 89 deixem-nos fantasiar e inventar ventos soltos dos odres, Calipsos enamoradas, Harpias que lhes conspurquem a comida, e descidas aos ; que, por muito que se aperfeiçoem nessas mentirosas fábulas, tão bem delineadas, as verdades e cruas que eu venho de contar sobrepujam todos esses sublimes poemas».
    • 90 Todos os ouvintes, extasiados, pendiam ainda da boca do eloquente Capitão quando ele pôs termo à extensa narração dos altos, grandes e sublimes feitos dos portugueses. Então, o rei de Melinde elogiou o ânimo nobilíssimo dos reis de Portugal, notabilizados em tantas guerras, e a histórica valentia, a lealdade de coração e a nobreza do povo português.
    • 92 Quão doce não é o louvor e a justa glória dos nossos feitos, quando os vemos proclamados! Todo o homem de nobre sentimentos se esforça por vencer ou igualar em fama os antepassados ilustres. As emulações produzidas pela história dos outros dão lugar, muitas vezes, a gloriosos feitos. A quem se propõe à prática de obras valiosas, muito o incita e estimula o louvor alheio.
    • 93, 1-4 Alexandre Magno tinha em menos apreço os feitos gloriosos de Aquiles na guerra que os maviosos versos do seu cantor. Só a estes encarecia e fazia jus.
    • 94, 1-4 Vasco da Gama esforçou-se por mostrar que essas antigas expedições navais exalçadas por todo mundo não merecem tamanha glória e tão alta fama como a sua, que assombrou o céu e a terra.
    • 95, 1-6 A terra portuguesa produz também Cipiões, Césares, Alexandres e Augustos; mas não lhes concede, a esses heróis, aqueles dotes cuja falta os torna rudes e incultos. Octaviano, entre as mais angustiosas conjunturas, compunha versos eruditos e formosos.
    • 97 Enfim, não houve general romano, grego, ou mesmo bárbaro, que não fosse ao mesmo tempo ilustrado e sabedor; só entre os portugueses não acontece assim. Não o digo sem vergonha; porque o motivo de não serem muitos heróis portugueses cantados em poemas é não serem os versos apreciados por eles, pois que quem desconhece a arte poética não pode amá-la.
    • 99 Pode o nosso Gama agradecer às Musas portuguesas o intenso amor da pátria que as levou a dar aos seus descendentes fama e nomeada, cantando os seus gloriosos e bélicos trabalhos; visto que nem ele, nem quem da sua geração usa o seu nome, usufrui tanto a amizade de Calíope, ou das ninfas do Tejo, que estas se dignassem abandonar as telas de oiro para o glorificarem.
    • 1.1 (p. 174) = est. 89, v. 8.
    • 1.1 A forma verbal «imagina» encontra- se no modo imperativo e introduz uma sequência discursiva em que Vasco da Gama apela à capacidade imaginativa do rei para que ele possa conceber como reais todas as privações e todos os perigos que caracterizaram a viagem dos portugueses.
    • 1.2 A expressão é repetida ao longo do texto para chamar a atenção do rei para o carácter extraordinário das ações e vivências dos marinheiros, capazes de suscitarem dúvidas quanto à sua veracidade, dada a sua excecionalidade.
    • 1.2.1 Para o mesmo efeito contribuem as interrogações retóricas presentes nas estâncias 71,72 e 86, a adjetivação múltipla e expressiva (est. 70, vv. 1-3; 71, vv. 1-2) e as enumerações (est. 70, v. 3; est. 72, v. 4).
    • 1.3 Ambas as estâncias destacam o carácter heroico das ações dos portugueses, apresentados como os únicos a empreender a difícil missão de conquistar o mar. Mesmo quando comparados com os heróis das epopeias clássicas (Eneias e Ulisses), saem vitoriosos, pois aqueles textos eram «fábulas vãs» (est. 89, v. 6), enquanto a atuação dos nautas lusitanos é «verdade» (est. 89, v. 7) e, por isso, superior a qualquer «escritura» (est. 89, v. 8).
    • 1.4. Ao referir-se às provações vividas pelos marinheiros, o narrador apresenta-os como sofredores, resistentes e corajosos («coitados», «perdidos», «quebrantados», «cansados», est. 70, vv. 1-3 e 5) ainda que desesperançados («nenhum contentamento, / Que sequer da esperança fosse engano», est. 71, vv. 3-4). Por outro lado, apenas a sua personalidade «obediente» (est. 71, v. 7) e marcada pela «lealdade firme» (est. 72, v. 8) lhes permitiu superar em conjunto as dificuldades e manter o objetivo coletivo de chegar à Índia.
    • 2.1 A desvalorização da poesia e da cultura pelos portugueses.
    • 2.2 «Dá a terra Lusitana Scipiões, / Césares, Alexandros, e dá Augustos; / Mas não lhe dá, contudo, aqueles dões / Cuja falta os faz duros e robustos» = A (o poeta censura os portugueses que desprezam a poesia)
    • «Octávio, entre as maiores opressões, / Compunha versos doutos e venustos» = B (ao contrário do que sucedia na antiguidade)
    • «Em fim, não houve forte Capitão / Que não fosse também douto e ciente, / Da Lácia, Grega ou Bárbara nação» = B
    • «Sem vergonha o não digo: que a rezão / De algum não ser por versos excelente / É não se ver prezado o verso e rima: / Porque quem não sabe arte, não na estima» = A e C (o poeta afirma que é por falta de cultura que elite portuguesa despreza a arte)
    • «Que ele, nem quem na estirpe seu se chama, / Calíope não tem por tão amiga / Nem as Filhas do Tejo, que deixassem / As telas de ouro fino e que o cantassem». = A e C
    • TPC — Prepara a leitura em voz alta das estâncias nas pp. 178-179 (já pedidas). Responde ao ponto 1 da p. 177 (em cerca de 150 palavras, ou até um pouco menos).
    • Aula de amanhã pode começar às 8.15?
    • Obrigado.