Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 113-114

1,493 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,493
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,142
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 113-114

  1. 1. (a) celebrar; (b) superior; (c) contrário; (d) mitologia; (e) Proposição;
  2. 2. (f) musas; (g) meio; (h) analepse; (i) oponentes; (j) externa;
  3. 3. (k) Dedicatória; (l) oitavas; (m) ação; (n) História; (o) reflexões; (p) conselheiro.
  4. 4. Abre o livro nas pp. 157-159, para lembrares a estrutura de Os Lusíadas.
  5. 5. O trabalho é para ser feito em dupla (nas carteiras com dois colegas) ou individualmente. Nos trabalhos em dupla, devem escrever em ambas as folhas.
  6. 6. Por favor, tratar os livros com os cuidados que qualquer livro merece: Não forçar a lombada, e os cadernos, espalmando-os; Não escrever sobre eles; Não folhear bruscamente, arriscando rasgos; Não os besuntar com o sebo das vossas mãos imundas e nojentas.
  7. 7. Não insistas demasiado em encontrar os limites das várias partes (Proposição, Invocação, Dedicatória, Narração), se não for logo evidente.
  8. 8. Homero, Ilíada [séc. VIII a.C.] Aventuras de Aquiles, durante o último ano da Guerra de Tróia. vinte e quatro cantos
  9. 9. Homero, Odisseia [séc. VIII a.C.] Aventuras de Ulisses no regresso da Guerra de Tróia, até chegar a Ítaca. vinte quatro cantos
  10. 10. Virgílio, Eneida [séc. I a.C.] Aventuras de Eneias, desde a queda de Tróia até à fundação de Roma. doze cantos
  11. 11. Ludovico Ariosto, Orlando Furioso [1516] Aventuras cavaleirescas e amorosas (luta entre cristãos e mouros). quarenta e seis cantos
  12. 12. Torquato Tasso, Jerusalém Libertada [1581] Conquista da Palestina, na primeira cruzada. vinte cantos
  13. 13. Kalevala [1849] Proezas de vários heróis míticos finlandeses. cinquenta cantos
  14. 14. Jerónimo Corte-Real, Sucesso do segundo cerco de Diu, 1546 Cerco de Diu; D. João de Castro. vinte e um cantos sem rima sem delimitação estrófica decassílabos
  15. 15. Vasco Mouzinho de Quevedo, Afonso Africano, 1611 Conquista de Arzila por Afonso V. doze cantos oitavas decassílabos
  16. 16. Gabriel Pereira de Castro, Ulisseia ou Lisboa Edificada, 1636 Lenda da fundação de Lisboa. dez cantos oitavas decassílabos
  17. 17. José Martins Rua, Pedreida. Poema heroico da liberdade portugueza, 1843 Vida e feitos de D. Pedro IV. dez cantos oitavas decassílabos
  18. 18. José Agostinho de Macedo, O Oriente, 1854 Viagem à Índia. doze cantos oitavas decassílabos
  19. 19. José Agostinho de Macedo, Newton, 1854 Newton. quatro cantos sem delimitação estrófica sem rima decassílabos
  20. 20. Tomás Ribeiro, D. Jayme, 1862 Rivalidades entre Portugal e Espanha. nove cantos irregular irregular
  21. 21. José Agostinho de Macedo, A Creação, 1865 O Universo. um canto oitavas decassílabos
  22. 22. António José Viale, Bosquejo metrico da historia de Portugal, 1866 História de Portugal. seis cantos oitavas decassílabos
  23. 23. Augusto Bacelar, Migueleida. Poema em memoria do Senhor Dom Miguel de Bragança, 1867 Feitos de D. Miguel. três cantos oitavas decassílabos
  24. 24. Carlos Alberto Nunes, Os Brasileidas, 1938 História do Brasil. nove cantos + um epílogo sem delimitação estrófica sem rima decassílabos
  25. 25. Camões do Rossio [Caetano da Silva Souto-Maior], A Martinhada, séc. XVIII «Sensualidades generosas» de Frei Martinho de Barros, confessor de el-rei. dois cantos oitavas decassílabos
  26. 26. Francisco de Paula de Figueiredo, Santarenaida, 1792 Um taberneiro e as suas aventuras entre Baco (vinho) e Neptuno (água). oito cantos [nem sempre oitavas] decassílabos
  27. 27. António Diniz da Cruz e Silva, O Hyssope, 1808 Uma questão de cerimonial entre o bispo de Elvas e o deão da respectiva Sé. oito cantos não há estrofes regulares decassílabos
  28. 28. João Jorge de Carvalho, Gaticanea ou cruelissima guerra entre os cães e os gatos [...], 1816 Guerra entre cães e gatos, em Mafra. quatro cantos sem regularidade estrófica decassílabos
  29. 29. [Nuno Pato Moniz], Agostinheida, 1817 Vida e feitos do Padre José Agostinho de Macedo, grande inimigo do autor. nove cantos sem delimitação estrófica decassílabos
  30. 30. J. M. P. [Camilo Aureliano Silva e Sousa], Os Ratos da Alfandega de Pantana, 1849 Irregularidades na administração na alfândega do Porto. oito cantos oitavas decassílabos
  31. 31. A Revolução, 1850 «Golpe de estado» em 1846. seis cantos oitavas decassílabos
  32. 32. Alexandre de Almeida Garrett, As Viagens a Leixões ou a Troca das Nereidas, 1855 Crítica de costumes no Porto. doze cantos quadras heptassílabos
  33. 33. Francisco de Almeida, Os Lusiadas do seculo XIX, 1865 Acontecimentos políticos em Portugal, no século XIX. cinco cantos oitavas decassílabos
  34. 34. Manuel Roussado, Roberto, 1867 Paródia a D. Jayme, de Tomaz Ribeiro. nove cantos variável variável
  35. 35. Quatro estudantes de Evora, Parodia ao primeiro canto dos Lusiadas de Camões, 1880 Bebedice de alguns eborenses. um canto oitavas decassílabos
  36. 36. Pedro de Azevedo Tojal, Foguetario, 1904 Fogo de artifício por um cónego, por alturas dos esponsais de D. José e Mariana Vitória. seis cantos oitavas decassílabos
  37. 37. Marco António, Republicaniadas, 1913 Peripécias no início da República. quatro cantos oitavas decassílabos
  38. 38. Um velho tripeiro, «A Carrileida». Poema épico-commercial, 1917 Decadência da Companhia Carris do Porto. cinco cantos oitavas decassílabos
  39. 39. Octávio de Medeiros, Affonseida, 1925 Afonso Costa. seis cantos oitavas decassílabos
  40. 40. Padre Ângelo do Carmo Minhava, Cabrilíada, 1947 Uma viagem ao Cabril. três cantos oitavas decassílabos
  41. 41. Amândio Vilares, Portuscale, s.d. Serviço militar em África. dez cantos décimas decassílabos
  42. 42. p. 195
  43. 43. Lusíadas (Anaquim) Este é o nosso triste fado Do vamos andando e do pobre coitado Velha canção em que a culpa é do estado Por ser o espelho do reinado E a história por mais do que uma vez Foi mais cruel que a de Pedro e Inês Levou-nos o que tanta falta nos fez Sem deixar razões ou porquês
  44. 44. Temos fuga ao fisco, estradas de alto risco Temos valiosos costumes e tradições Que eu não percebo, se nos maldizemos, quais as razões? Temos chico-espertos, burlas e protestos Temos tantos motivos p’ra sorrir Que eu nem imagino qual será a desculpa que vem a seguir…
  45. 45. Gosto tanto deste país Só não entendo o que o faz feliz Se é rir da miséria de outros quando a vemos Ou chorar da nossa própria quando a temos Gosto tanto deste país Só não entendo quando ele se diz Senhor de um futuro maturo, duro, mas seguro E eu juro que ainda não o vi
  46. 46. Os queixumes, sei-os de cor Endereçados, a Nosso Senhor Intercalados, com suspiro ou dor De um bom sofredor. Dentro de momentos, seguem-se os lamentos Não há dinheiro p’rós medicamentos Não há dinheiro p’ra tanto sustento Tão longe vão outros tempos.
  47. 47. Gosto tanto deste país Só não entendo o que o faz feliz Se é rir da miséria de outros quando a vemos Ou chorar da nossa própria quando a temos Gosto tanto deste país Só não entendo quando ele se diz Senhor de um futuro maturo, duro mas seguro Eu juro que ainda não o vi.
  48. 48. TPC — Prepara leitura em voz alta das três estâncias de Os Lusíadas na p. 161, bem como das quatro estâncias na p. 164. (Para conseguires leitura razoável, não chegará reconheceres as estrofes pouco antes da aula. Pretende- se uma leitura profissional.)

×