Your SlideShare is downloading. ×
0
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101

1,687

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,687
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1.1. Na primeira estrofe, desenvolve-se a oposição «sentimento» (v. 1) / «pensamento» (v. 5), central na obra de Pessoa ortónimo. O sujeito poético não consegue apenas sentir, ainda que, por vezes, assim lhe pareça. Contudo, ao analisar-se («ao medir-me», v. 4), compreende que, no momento em que é «sentimental» (v. 3), as suas emoções já foram intelectualizadas e transformadas em «pensamento» (v. 5).
  • 2. 2. Com a mudança de pessoa verbal, da primeira do singular para a primeira do plural, o eu lírico procede a uma universalização das suas afirmações, generalizando a «todos que vivemos» (v. 7), todos os seres humanos, o seu caso particular.
  • 3. 3. Segundo o sujeito poético, a «única vida que temos» é «dividida» entre a «vivida» e a «pensada», ou seja, é a que integra as emoções e os pensamentos.
  • 4. 4. Os últimos três versos do poema apresentam um carácter conclusivo face às afirmações anteriores e à indefinição que as mesmas deixam no ar. Depois de refletir sobre qual a «verdadeira» (v. 13) vida de cada ser humano, que se debate entre o sentimento e a razão, o sujeito poético termina destacando a supremacia do pensamento, pois, segundo ele (e como explicitou na sua teoria do fingimento poético), «a vida que a gente tem/É a que tem de pensar.» (vv. 17-18).
  • 5. 1.1 Os adjetivos sublinhados na passagem «É vulgar referirmos em conversa os universos múltiplos que habitavam a cabeça de Fernando Pessoa, um plano aparentemente infinito [...]» (ll. 1-3) desempenham a função sintática de a) modificador do nome restritivo. b) complemento direto. c) predicativo do sujeito. d) modificador do nome apositivo.
  • 6. 1.2. No contexto em que ocorre, a palavra «onde» (l. 3) pertence à classe dos a) quantificadores. b) advérbios. c) pronomes relativos. [advérbios relativo] d) verbos.
  • 7. Pronomes relativos Variáveis Singular Plural Masculino Feminino Masculino o qual a qual os quais as quais Invariáveis que quem Feminino
  • 8. Outras palavras relativas Advérbio relativo onde Determinantes relativos cujo, cuja, cujos, cujas Quantificadores relativos quanto, quanta, quantos, quantas
  • 9. 1.3. A utilização do advérbio «agora» (1.4) constitui um mecanismo de coesão a) frásica. b) referencial. c) lexical. d) temporoaspetual.
  • 10. 1.4. Com o uso do advérbio «inegavelmente» (l. 4) o autor visa a) asseverar a limitação da designação de «poeta». b) negar categoricamente a pluralidade da obra de Pessoa. c) intensificar o carácter polémico dos textos do ortónimo. d) minimizar a obra não literária de Fernando Pessoa.
  • 11. 1.5. A forma «melhor», usada na linha 9, corresponde ao grau superlativo relativo [comparativo] a) de superioridade do adjetivo «bom». b) de superioridade do advérbio «bem». c) de inferioridade do advérbio «mal». d) de inferioridade do adjetivo «mau».
  • 12. Lentamente Bem Comparativo Mais lentamente que Melhor que | Mais bem que Tão lentamente comoTão bem como Menos lentamente que Menos bem que Superlativo absoluto analítico Muito lentamente Muito bem Superlativo absoluto sintético Lentissimamente Otimamente Superlativo relativo O mais lentamente que O melhor que O menos lentamente que O menos bem que
  • 13. 1.6. O recurso estilístico utilizado na expressão «era uma antena magnética» (l. 10), caracterizadora de Fernando Pessoa, é a) a sinédoque. b) a hipálage. c) a metáfora. d) o pleonasmo.
  • 14. 1.7. Com o uso de «ele» (l. 15) para retomar o referente «Pessoa» (l. 14), o enunciador serve-se da a) catáfora. b) anáfora. c) elipse. d) correferência não anafórica.
  • 15. antecedente/referente na vida e na obra de Pessoa (que até no apelido foi irónico, ele, que tantas parece ter sido). anáfora
  • 16. 2.1. A função sintática desempenhada pela expressão «a cabeça de Fernando Pessoa» é a de complemento direto.
  • 17. É vulgar referirmos em conversa os universos múltiplos que habitavam a cabeça de Fernando Pessoa. que habitavam a cabeça de Fernando Pessoa. que a habitavam.
  • 18. 2.2. A oração tal tal tal é uma oração subordinada substantiva completiva.
  • 19. Quanto mais lemos o que escreveu, melhor compreendemos que era tudo menos isso subordinada substantiva completiva conjunção subordinativa completiva
  • 20. 2.3. O antecedente do pronome relativo em causa é «várias gerações de investigadores — os pessoanos — e de leitores» (ll. 17-18).
  • 21. A curiosidade gerada por uma obra tão diversificada (e que parece ainda ter várias outras surpresas por revelar), alimenta várias gerações de investigadores — os pessoanos — e de leitores, que a cada leva de novos títulos, fixações, reedições e interpretações questionam oração subordinada adjetiva relativa restritiva quem foi… Pessoa. oração subordinada substantiva relativa
  • 22. No sketch «Estava balofa» (série Fonseca), surge com muita frequência uma dada CLASSE DE PALAVRAS (sobretudo no fim das frases que a senhora mais velha profere: «balofa», «nojenta», «gorda», «magra», «forte», «inchada», «luzidia», «pesadona», «banhosa», «grande»). Qual é essa classe? A dos adjetivos. Podem as palavras acima ficar antes e depois dos nomes? Sim São graduáveis (isto é, flexionáveis em grau)? Sim. Assim sendo, dentro da classe de palavras em que já as integrámos, pô-la-íamos no subgrupo dos adjetivos qualificativos.
  • 23. Algumas das palavras do sketch apareciam graduadas. Faz corresponder um dos graus 1-8 às abonações a-d. a) 4; b) 4; c) 1; d) 3.
  • 24. Repara em «Parecia porca» / «Parecia uma porca». Indica a classe das duas palavras «porca». Na primeira frase «porca» é adjetivo. Na segunda, nome. Repara que se trata de palavras diferentes (embora iguais na aparência). Em termos do PROCESSO DE FORMAÇÃO, o que aconteceu foi o seguinte. Tínhamos «porca», pertencente a uma dada classe, a dos nomes. Essa palavra levou ao aparecimento de «porca» agora como palavra de outra classe, a dos adjetivos. Este processo de formação designa-se conversão (ou derivação imprópria).
  • 25. Vejamos ainda outra CLASSE. Indica a classe das palavras em itálico: Sentiu-se mal, com certeza. / mal — advérbio Sinto-me bem. / bem — advérbio Em «Sinto-me melhor [do que como estava antes]», melhor é um advérbio no grau comparativo de superioridade. Se «melhor» estivesse no grau normal, a frase ficava assim: «Sinto-me bem».
  • 26. Atentemos em: a) uma dietazinha; b) as dietas; c) uma dietazona. Indica a CLASSE das palavras em itálico: classe dos nomes. Não são apenas os adjectivos ou os advérbios que se podem flexionar em grau. Indica os graus em que estão as três palavras: a) diminutivo; b) normal; c) aumentativo.
  • 27. Em termos de FORMAÇÃO, a) e c) são derivadas por sufixação, tendo aliás em comum a mesma forma de base, correspondente ao singular de b). Olhando o que se diz sobre os valores de sufixos aumentativos e diminutivos na p. 352 do teu manual, que valores atribuirias aos sufixos em a) e em c): a) pequenez, b) grandeza.
  • 28. Já mais no plano da SINTAXE, podemos notar que nas falas da senhora velha predominam expressões predicativas que atribuem propriedades ao sujeito: «[A Dona Sandra] está mais magra»; «[A Dona Sandra] estava balofa», «Eu estava fortezinha»; «Agora, [você] está bem»; «[Você] parecia uma porca»; «A pele parecia gosma», «[A pele] era como sebo». Estas expressões predicativas que pus em itálico incluem todas um verbo copulativo («estar», «ser», «parecer»), seguindo-se um segmento que desempenha a função sintática de predicativo do sujeito.
  • 29. Há, ainda assim, casos em que o predicador é um verbo transitivo: «A Dona Sandra fez uma dieta». Quanto a funções sintáticas, diremos que «uma dieta» é o complemento direto, sendo o segmento «fez uma dieta» o predicado.
  • 30. E é possível encontrar pelo menos um caso de verbo transitivo-predicativo (ou seja, de verbo que selecciona complemento direto e predicativo do complemento direto). Com efeito, em «Agora, [eu] sinto-me melhor», «me» é o complemento direto e «melhor» é o predicativo do complemento direto.

×