• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Apresentação para décimo segundo ano, aula de cábulas
 

Apresentação para décimo segundo ano, aula de cábulas

on

  • 4,254 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,254
Views on SlideShare
3,055
Embed Views
1,199

Actions

Likes
0
Downloads
26
Comments
0

8 Embeds 1,199

http://gavetadenuvens.blogspot.pt 711
http://gavetadenuvens.blogspot.com 430
http://gavetadenuvens.blogspot.com.br 48
http://webcache.googleusercontent.com 5
http://gavetadenuvens.blogspot.com.es 2
http://www.slideshare.net 1
http://gavetadenuvens.blogspot.fr 1
http://gavetadenuvens.blogspot.mx 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentação para décimo segundo ano, aula de cábulas Apresentação para décimo segundo ano, aula de cábulas Presentation Transcript

    •  
    •  
    •  
      • Translineação
      • As-
      • sar
      • Fer-
      • ro
      • Ac-
      • ção
      • Bap-
      • tista
      • Fac-
      • to
      • Decre-
      • to
      • Bíbli-
      • co
      • Cla-
      • ro
      • Cha-
      • ma
      • Cau-
      • le
      • Pai-
      • xão
      • Bandei-
      • ra
      • Primeiro-
      • -ministro
      • Lava-
      • -se
      • Lavas-
      • se
      • a ideia de que
      • a convicção de que
      • a noção de que
      • a esperança de que
      • a conciência de que
      • difícil
      • verosímil
      • afável
      • inteligível
      • perceptível
      • a priori
      • «a priori»
      • a priori
      • à
      • Nota do exame tenderá a ser mais fraca do que a de frequência.
      • Não me peçam para fazer revisões de provas.
      • No momento do exame não poderei aparecer.
      • Conteúdos recorrentes do grupo II
      • Estilo habitual das perguntas de I (e conselhos)
      • Perguntas I-B, para recolha de tópicos (e esboço de resposta [solução ficará em GdN ])
      • Um enunciado de III, para plano
      • Indicar o sentido que um dado conector estabelece.
      • adição
      • (e, não só… mas também, além disso)
      • cfr. conjunções copulativas
      • disjunção
      • (ou, seja… seja, quer… quer, nem… nem)
      • conjunções disjuntivas
      • oposição
      • (mas, no entanto, todavia, contudo)
      • conjunções adversativas
      • condição/hipótese
      • (se, a menos que, desde que, excepto se)
      • condicionais
      • consequência
      • (de tal modo que, tanto que)
      • consecutivas
      • causa
      • (porque, visto que, dado que, uma vez que)
      • causais
      • fim/finalidade (para que, a fim de que, para) finais
      • comparação (do mesmo modo, assim como, como) comparativas
      • concessão (embora, ainda que, apesar de que, se bem que) concessivas
      • confirmação (efectivamente, com efeito, na verdade)
      • exemplificação (por exemplo, é o caso de)
      • ordem (em primeiro lugar, antes de mais, por último)
      • fim/finalidade
      • (para que, a fim de que, para)
      • finais
      • comparação
      • (do mesmo modo, assim como, como)
      • comparativas
      • concessão
      • (embora, ainda que, apesar de que, se bem que)
      • concessivas
      • confirmação
      • (efectivamente, com efeito, na verdade)
      • exemplificação
      • (por exemplo, é o caso de)
      • ordem
      • (em primeiro lugar, antes de mais, por último)
      • 7. Em «que esqueceram de todo» (linhas 24 e 25 [« foi tanta a negrura e a fome que os rodeou, que esqueceram de todo que havia letras e pensamento »]), a conjunção «que» estabelece uma relação de
      • a) substituição.
      • b) retoma.
      • c) consequência.
      • d) comparação.
      • 4) A locução «para que» (linha 2) permite estabelecer na frase uma relação de
      • a) causalidade.
      • b) completamento.
      • c) finalidade.
      • d) retoma.
      • 1) Com o uso da expressão «ou seja» (linha 6), // a) a autora visa tornar mais explícita a ideia que expôs na frase anterior.
      • 1) Com a expressão «Numa palavra» (linha 8), // c) o enunciador prenuncia uma síntese das ideias anteriormente expressas.
      • 4) Com o uso de «também» (linha 19), // a) o enunciador estabelece uma conexão aditiva.
      • 1) Com a expressão «para comprazer» (linha 6), // e) o enunciador indica uma finalidade.
      • O conector «Porém» (linha 22) introduz uma relação de oposição entre o que anteriormente foi dito e a ideia exposta posteriormente. [V/F]
      • Sobre os conectores, ver a distribuição em CdA , p. 44, e contrastá-la com a que pus no blogue.
      • Santo Ofício (Tribunal do)
      • In
      • quisição
      • Polícia
      • Escolher o valor (aspectual ou modal) de uma dada forma verbal ou de uma perífrase verbal (= perifrás-tica)
      • Aspecto
      • perfectivo: comeu a papa
      • imperfectivo: está a comer a papa
      • genérico: o Benfica é um clube
      • habitual: joga na rua
      • iterativo: todos os fins-de-semana se embebeda
      • pontual: chegou ontem
      • durativo: está lendo, está a ler
      • incoativo/ingressivo: comecei a trabalhar
      • Em «molhando-lhe a testa com água, tratando das suas feridas e vigiando o seu coma» (linhas 11 e 12), as formas verbais «molhando», «tratando» e «vigiando» traduzem o modo continuado como a índia cuidava de David Crockett. [V/F]
      • Modalidades
      • Modalidade epistémica
      • O bebé deve estar com chichi ( probabilidade )
      • Pode ser que Portugal ganhe ( possibilidade )
      • Não sei dançar sariquité ( certeza ) Sei dançar sariquité
      • Modalidade deôntica
      • Podes entrar, Valdemar ( permissão )
      • Deves comer esses legumes ( obrigação )
      • Modalidade apreciativa
      • Que belo golo!
      • 5. A expressão «pode ser que seja ainda viva» (linha 27) veicula um valor de
      • a) obrigação.
      • b) permissão.
      • c) certeza.
      • d) possibilidade.
      • Escolher o valor temporal conferido por uma advérbio, por uma expressão, perífrase verbal, etc.
      • Simultaneidade
      • Anterioridade
      • Posterioridade
      • Dizer se um adjectivo ou uma expressão têm valor restritivo ou não restritivo.
      • cfr. CdA , p. 24: posposto ao nome, restritivo; anteposto, não-restritivo (e conotativo, em geral).
      • Na frase «ela murmurava para o seu prostrado e inconsciente guerreiro» (linhas 12 e 13), os adjectivos têm um valor restritivo. [V/F]
      • Distinguir adjectivas relativas explicativas e restritivas
      • ou
      • Indicar valor restritivo e explicativo
      • restritiva
      • Comprei a vuvuzela que estava na montra.
      • explicativa
      • Comprei a vuvuzela, que me dizem ser um instrumento perigoso.
      • explicativa
      • A vuvuzela vermelha , que estava na montra, não funciona.
      • explicativa
      • A vuvuzela vermelha – que estava na montra – não funciona.
      • restritiva
      • A vuvuzela que estava na montra era linda.
      • 3) Com o uso da frase «que só passa a ser utilizada sistematicamente em 1929» (linhas 19 e 20), // g) a autora introduz informação adicional sobre o referente da expressão que é antecedente do pronome relativo.
      • Orações
      • Oracões coordenadas
      • copulativas
      • adversativas
      • disjuntivas
      • conclusivas
      • Comi o rinoceronte / e bebi o ornitorrinco.
      • Vou ao Nepal, / mas passo por Almada.
      • Ou vou à Lua / ou vou à Terra.
      • Não houve ARS, / por conseguinte fiquei a comer iogurtes.
      • Orações subordinadas
      • Adverbiais
      • temporais
      • causais
      • concessivas
      • finais
      • consecutivas
      • condicionais
      • comparativa
      • Substantivas
      • completivas
      • relativas (sem antecedente)
      • Adjectivas
      • relativas explicativas
      • relativas restritivas
      • Substantivas
      • Completivas
      • Ele disse / que és linda.
      • complemento directo
      • Relativas (sem antecedente)
      • Quem vai ao mar / perde o lugar.
      • sujeito
      • Orações adjectivas
      • relativa restritiva
      • Os alunos que fizeram a simulação de Matemática vão ter excelentes notas.
      • relativa restritiva
      • O Ronaldo que prefiro é o do Barcelona.
      • relativa explicativa
      • Cristiano Ronaldo, que assinou um belo contrato , marcou dois golos.
      • Subordinadas substantivas
      • O alfaiate garantiu-me / que o fato fica pronto a tempo do casamento.
      • Os próprios actores acham surpreendente / que a comédia esteja a ter tamanho êxito.
      • Subordinante / Subordinada completiva
      • [= complemento directo]
      • Subordinadas adverbiais
      • Achei a conferência tão aborrecida, / que me vim embora mais cedo.
      • Subordinante
      • Subordinada consecutiva
      • Ele pregava tantas partidas aos colegas, / que acabou por ser expulso do colégio.
      • Subordinante / Subordinada consecutiva
      • Se o pescador desistisse, não teria conseguido o seu objectivo.
      • Embora possamos ter problemas, a força de vontade vence sempre.
      • Ela é bela / como o sol é.
      • Subordinante / Subordinada comparativa
      • Ela é bela como o sol.
      • período simples
      • Ele come mais do que o Hélio.
      • período simples
      • Ele come mais lesmas / do que o Hélio come besouros.
      • Subordinante / Subordinada comparativa
      • Reconhecer a função sintáctica de predicativo do sujeito, complemento indirecto, vocativo, complemento directo, sujeito, predicado.
      • Em «para comprazer ao parceiro, Adolfo Hitler.» (linha 6), o constituinte «ao parceiro» desempenha a função de
      • a) sujeito.
      • b) complemento directo.
      • c) vocativo.
      • d) complemento indirecto.
      • O constituinte «inconsciente» em «Nessa história, o David Crockett (...) ficava inconsciente» (linhas 7-9) desempenha, na frase, a função de predicativo do sujeito. [V/F]
      • Senhor Deputado, traga-me uma pizza.
      • Vocativo Predicado
      • Senhor Deputado , traga - me uma pizza.
      • complemento
      • directo
      • complemento
      • indirecto
      • Funções sintácticas
      • Sujeito
      • Predicado
      • Complemento directo
      • Complemento indirecto
      • Complementos circunstanciais
      • Vocativo
      • Predicativo do sujeito
      • Predicativo do complemento directo
      • Agente da passiva
      • Atributo
      • Determinativo
      • Aposto
      • vocativo
      • Agora te vejo , Onzeneiro, meu parente.
      • aposto
      • Camilo , o grande romancista do século XIX, morreu há uns tempos.
      • Predicativo do sujeito
      • O coprólito continuou parado , mas reparou que o jacaré estava ansioso . Permaneceu mudo e, quando Gil Vicente — assim se chamava o jacaré — ficou mais calmo , perguntou-lhe se queria ir ver o Auto da Barca .
      • — Não, obrigado. Estou cansado ! Seria uma péssima companhia . E a avenida do Colégio Militar é demasiado seca . E já agora: estas frases parecem estúpidas (ou feitas à pressa numa tarde de segunda-feira antes das aulas de terça) — respondeu Gil Vicente.
      • Predicativo do
      • complemento directo
      • Consideras Machado de Assis o melhor escritor.
      • predicativo do sujeito
      • Machado de Assis é o melhor escritor .
      • Consideras / que Machado de Assis é o melhor escritor .
      • complemento directo
      • Consideras Machado de Assis o melhor escritor .
      • predicativo do c. directo
      • complemento directo
      • Consideras Machado de Assis o melhor escritor .
      • predicativo do compl. directo
      • Acho o morcego-rabudo com muito bom aspecto.
      • O morcego-rabudo está com bom aspecto.
      • Acho / que o morcego-rabudo está com bom aspecto .
      • Acho o morcego-rabudo com muito bom aspecto.
      • Tenho o Eduardinho por excelente aluno.
      • Tenho o Eduardinho por excelente aluno .
      • compl. directo
      • predicativo do c. directo
      • O professor considerava errada aquela ideia . Por mais que pensasse no assunto, não vencia o impasse. Todos achavam as frases uma tontice , mas ele julgava - as sobretudo deselegantes . E tinha de eleger o texto gramatical mais estúpido de todos . Era mesmo aquele.
      • Elejo Fernando Pessoa o melhor poeta português . Porém, também considero Camões um belo zarolho . Já Simão Sabrosa julgo-o um sabujo nojento . Enfim, acho todos os jogadores do Benfica intelectuais do mais alto gabarito .
      • Integrar um dado fenómeno do texto nos mecanismos de coesão...
      • lexical (repetições de palavras, antonímia, sinonímia, hiperonímia, hiponímia) , referencial (pronominalizações) ,
      • frásica (concordâncias, modificadores) , interfrásica (conjunções, conectores, estruturação em períodos e certa pontuação) ,
      • temporal (advérbios de tempo, sequência de tempos verbais).
      • 4. Os elementos textuais «Miguel Torga» (linha 1), «Miguel Torga» (linha 5), «Torga» (linha 10), «poeta do Diário » (linha 11), «Torga» (linha 13), «Torga» (linha 17) e «Torga» (linha 21) asseguram a coesão
      • a) lexical.
      • b) frásica.
      • c) temporal.
      • d) interfrásica.
      • 6. O uso repetido do nome «David Crockett» (linhas 6, 7, 12-13, 16, 20, 24)
      • a) constitui um mecanismo de coesão lexical.
      • b) assegura a progressão temática. c) constitui um processo retórico.
      • d) assegura a coesão interfrásica do texto.
      • progressão temática
        • (*de certo modo, para haver progressão temática teria até de haver novos nomes)
      • processo retórico
        • (a repetição para efeitos de estilo, enquanto figura mesmo)
      • Reconhecer actos ilocutórios directivos,
      • assertivos,
      • compromissivos,
      • expressivos.
      • 5. Na frase, proferida por D. Miguel Forjaz, «Quero os sinos das aldeias a tocar a rebate», estamos perante um acto ilocutório
      • a) expressivo.
      • b) directivo.
      • c) assertivo.
      • d) compromissivo.
      • 2) Com o recurso à interjeição «Bravo!» (linha 10), // a) o enunciador manifesta um estado emocional.
      • O segmento textual «Este livro reúne alguns dos textos que mensalmente e ao longo dos últimos anos fui publicando» (linhas 1 e 2) constitui um acto ilocutório directivo. [V/F]
      • Identificar o referente (antecedente; sucedente) de um pronome (anáfora; catáfora), de um pronome relativo.
      • 6. Em «homens do seu tempo» (linhas 14 e 15 [« Foi nesta data que Torga se meteu a viajar pelo Velho Mundo. O resultado dessa viagem foi o seu primeiro livro em prosa, O Quarto Dia da Criação do Mundo . Um alarme aos homens do seu tempo e um [...] »]), o referente de «seu» é
      • a) «Torga» (linha 13).
      • b) «Velho Mundo» (linha 13).
      • c) «resultado» (linha 13).
      • d) «primeiro livro» (linha 14).
      • «Quer isto dizer que se pode quase admitir que existe um patamar de leitura de imprensa (eventualmente também de livros, eis uma questão para a qual não temos resposta) que o crescimento económico não parece conseguir elevar».
      • 3. O antecedente do pronome relativo «que» (linha 5) é
      • a) «taxas de leitura».
      • b) «leitura de imprensa».
      • c) «um patamar de leitura de imprensa».
      • d) «uma questão».
      • «E quando tais escalas perderam valor ou se tornaram desnecessárias, o segundo, mais ou menos a meio caminho entre a América do Norte e a Europa, em pleno oceano Atlântico, funcionou como ponto de apoio imprescindível nas ligações aéreas iniciais que faziam contactar os dois continentes. Os progressos técnicos permitiram que, a breve trecho, aquelas se fizessem directamente.»
      • 4. O antecedente do pronome «aquelas» é
      • a) «relações por via marítima» (linha 16).
      • b) «grandes rotas oceânicas» (linha 21).
      • c) «tais escalas» (linha 21).
      • d) «ligações aéreas» (linha 24).
      • [« Foi na Exposição Mundial de Paris, de 1900, que a luz surgiu pela primeira vez associada ao lazer [...] »]
      • 4) Com o uso concomitante de «Foi» (linha 22) e de «que» (linha 23), // e) a autora pretende dar realce ao referente da expressão que fica entre os dois elementos.
      • Indicar se a relação entre duas expressões ou palavras é de...
      • Sinonímia (contente, feliz, …)
      • Antonímia (triste, alegre)
      • Hiperonímia-hiponímia (instrumento musical-vuvuzela)
      • Holonímia-meronímia (África do Sul, Joanesburgo)
      • C. Os vocábulos «batalha» (linha 7) e «combates» (linhas 20 e 23) mantêm ente si uma relação de antonímia. [V/F]
      • hiperónimo
      • clube
      • hipónimos
      • Benfica | Sporting | Porto | Boavista
      • hiperónimos
      • cor
      • hipónimos
      • verde | azul | amarelo | vermelho
      • a) A palavra «profissão» é hiperónimo de professor
      • [ou qualquer outra profissão]
      • b) A palavra «bicicleta» é hipónimo de meio de transporte
      • [ veículo ; transporte ]
      • c) A palavra «tristeza» é hipónimo de sentimento
      • d) A palavra «mamífero» é hiperónimo de baleia
      • [ qualquer nome de mamífero ]
      • Polissemia
      • Tem aftas na língua
      • É bom a língua portuguesa
      • prato (recipiente)
      • prato (ementa)
      • prato (da balança)
      • prato (instrumento musical)
      • Reconhecer valor de travessões, interrogações, dois pontos e outra pontuação.
      • 1.4. Com o uso das reticências na linha 14 [«No imaginário popular, a noite esteve sempre associada a todos os perigos – insegurança, criminalidade, desconforto...»], a autora do texto
      • a) mostra que é possível prolongar a enumeração.
      • b) expressa a sua opinião sobre os factos narrados.
      • c) marca a existência de sentidos implícitos na frase.
      • d) sinaliza o carácter irónico das suas afirmações.
      • O uso de dois pontos (linha 11 [« Era isso mesmo o meu conselho: quando te disse ‘faz o que quiseres’, o que no fundo pretendia era […] »]) justifica-se por
      • a) anunciar uma enumeração.
      • b) introduzir uma explicação.
      • c) preceder uma explicação.
      • d) anteceder um discurso directo.  
      • Com o uso do travessão duplo (linhas 23-24) [« Mas se justamente a graça de todas as coisas de que falámos assenta no facto de te permitirem – ou parecerem permitir – relacionares-te mais favoravelmente com os outros »], // o enunciador reformula, modalizando-a, a afirmação anterior.
      • Com o recurso a interrogações (linhas 17 e 22) [« Se pudesses ter muito […] ficarias satisfeito? »], // o enunciador recorre a uma estratégia retórica de defesa da ideia exposta.
      • Reconhecer motivo da anteposição de um pronome ao verbo
      • (negação, subordinada completiva [e discurso indirecto], outro tipo de subordinada, ...) .
      • Em «e te deixe viver» (linha 7 [« mas também queres divertir-te, queres que eu não te chateie e te deixe viver à tua maneira »]), a anteposição do pronome «te» ao verbo decorre do facto de esta oração
      • a) se integrar numa frase em discurso indirecto.
      • b) depender do advérbio «também».
      • c) se inserir numa oração subordinada.
      • d) pertencer a uma frase de forma negativa.
      • Justificar formas de verbos com mesóclise (futuro, condicional).
      • Em «dir-me-ias» (linha 10), o pronome «me» ocorre em posição medial por se tratar de uma forma verbal no
      • a) condicional.
      • b) futuro do indicativo.
      • c) imperativo.
      • d) imperfeito do indicativo.
      • Justificar alteração da ordem normal das palavras.
      • 1.3. Em «Das paisagens dos sons e dos cheiros só muito raramente se fala e, ainda menos, se desfruta.» (linhas 11 e 12), a alteração da ordem normal dos constituintes na frase
      • a) revela a opinião da autora relativamente aos factos relatados.
      • b) serve uma clara intenção narrativa, presente em todo o texto.
      • c) sinaliza a tese fundamental desenvolvida ao longo do texto.
      • d) dá realce ao referente expresso pelos elementos deslocados.
      • Indicar tipo de deícticos (ou tipo de «referência deíctica»):
      • Pessoais (eu, tu, formas verbais na 1.ª e 2.ª pessoas, vocativos)
      • Espaciais (aqui, ali, este, aquele, esse, cá)
      • Temporais (agora, neste momento, amanhã, ontem, há pouco, daqui a pouco, tempos das formas verbais)
      • Em «não te deixarei morrer, David Crockett!» (linha 12 e 13), «te» e «David Crockett» são referências deícticas pessoais. [V/T]
      • nexo de causalidade = relação de causa/efeito
      • tópico = assunto, tema
      • retórico/a = estilístico, tendente a influenciar os outros por via da redacção
      • concomitante = simultâneo
      • preceder = anteceder
      • prenunciar = fazer adivinhar
      • Expressões definidas
      • A cadeira é dura (valor referencial específico) / A cadeira tem sempre como função a comodidade (valor referencial genérico)
      • Elogio-te essa atitude
      • Paula e Eduardo saíram
      • Eu sou assim; tu és assado
      • Expressões indefinidas
      • Um aluno venceu (específico) / Um aluno é feito para aprender (genérico)
      • Comi maçãs
      • (cfr. CdA , pp. 22-23)
      • Conteúdos recorrentes do grupo II
      • Estilo habitual das perguntas de I (e conselhos)
      • Perguntas I-B, para recolha de tópicos (e esboço de resposta [solução ficará em GdN ])
      • Um enunciado de III, para plano
      • Localizar um recurso estilístico e comentar a sua expressividade
      • Metáfora (explicar a analogia e mostrar como é curiosa a transposição para outro contexto).
      • Comparação (idem; mostrar como o termo da comparação é inusitado)
      • Repetição, anáfora, uso repetido e expressivo de determinado sinal de pontuação.
      • Paralelismo.
      • Polissíndeto.
      • Longa enumeração (assindética ou não) .
      • Gradação.
      • Hipérbole.
      • Antítese, Paradoxo, Oxímoro (destacar o contraste conseguido, e efeito de oposição e agregação).
      • Adjectivação inesperada, expressiva.
      • Personificação.
      • Ironia.
      • Designar e localizar a figura, transcrevendo.
      • Referir em que consiste o processo estilístico (em que é que se rompeu a norma) e o efeito que assim se obtém.
      • Recursos estilísticos ou expressivos
      • (figuras de estilo)
      • Eufemismo
      • Metáfora
      • Hipérbole
      • Personificação
      • Apóstrofe
      • Metonímia
      • Antítese
      • Anáfora
      • Comparação
      • Ironia
      • Repetição de adjectivos
      • Antítese
      • «Sem causa, choro e rio »
      • «O homem põe e Deus dispõe »
      • “ Que, da Ocidental praia Lusitana” sinédoque
      • “ Que eu canto o peito ilustre Lusitano”
      • metonímia
      • “ E vós, Tágides minhas, pois criado”
      • apóstrofe
      • “ Os ventos brandamente respiravam”
      • personificação, metáfora
      • “ De outra pedra mais clara que diamante”
      • hipérbole
      • “ Rompem-se as folhas, ferve a serra erguida”
      • hipérbole
      • Tu, só tu, puro Amor, com força crua” apóstrofe
      • “ Tirar Inês ao mundo determina” eufemismo
      • “ Mas ela, os olhos, com que o ar serena”
      • personificação, hipérbole
      • “ Vós, ó côncavos vales, que pudestes”
      • apóstrofe
      • “ Correu ao mar o Tejo duvidoso” hipérbole, personificação
      • Aprende a sofrer como um homem .
      • comparação
      • Transformemos em metáfora:
      • _____________________________
      • Não percas a coragem, sê um homem .
      • metáfora
      • Puxem, mãos. Aguentem, pernas. Cabeça, não me falhes.
      • Há personificações . O velho, estabelecendo diálogo com as mãos, as pernas, a cabeça, dá-lhes qualidades de pessoas. Repare-se também no efeito de repetição, de paralelismo.
      • Que figura de estilo encontra na frase «Os olhos da princesa eram duas esmeraldas brilhantes e belas»?
      • A. comparação
      • B. metonímia
      • C. metáfora
      • D. sinédoque
      • A. comparação
      • B. metonímia
      • C. metáfora
      • D. sinédoque
      • Caracterizar personagem ou personagens.
      • Encontrar adjectivos ou descrições nossas ou no texto se não forem adjectivos relativos a características circunstanciais.
      • Transcrever texto a apoiar o que se tenha dito.
      • Explicitar sentido de um trecho, carácter de...
      • Indicar partes, momentos, características, …
      • Identificar elementos de …
      • Dividir o texto em partes, explicando-as.
      • Refira # acções tal, fundamentando a sua resposta com elementos do texto.
      • «apoiando-se no texto»
      • «fundamentando a sua resposta com»
      • ...
      • Conteúdos recorrentes do grupo II
      • Estilo habitual das perguntas de I (e conselhos)
      • Perguntas I-B, para recolha de tópicos (e esboço de resposta [solução ficará em GdN ])
      • Um enunciado de III, para plano
      • Conteúdos recorrentes do grupo II
      • Estilo habitual das perguntas de I (e conselhos)
      • Perguntas I-B, para recolha de tópicos (e esboço de resposta [solução ficará em GdN ])
      • Um enunciado de III, para plano
      • No exame:
      • — aproveitar o tempo todo, incluindo tolerância
      • Grupo I: procurar no texto, ler bem as quatro perguntas; citar, se pedido; começar a resposta com frase completa, mesmo que não retome exactamente o enunciado da pergunta.
      • Grupo I-B: rever bem o que se escreveu; cumprir limites de palavras .
      • Grupo II: não se precipitar, mas também não ficar parado demasiado tempo.
      • Grupo III: fazer plano; ver se há argumentos e exemplos; pensar num fecho inteligente; cumprir limites de palavras.