ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
6,776
On Slideshare
2,170
From Embeds
4,606
Number of Embeds
15

Actions

Shares
Downloads
25
Comments
0
Likes
0

Embeds 4,606

http://gavetadenuvens.blogspot.pt 2,912
http://gavetadenuvens.blogspot.com 1,264
http://gavetadenuvens.blogspot.com.br 373
http://webcache.googleusercontent.com 17
http://www.slideshare.net 13
http://gavetadenuvens.blogspot.it 8
http://gavetadenuvens.blogspot.fr 5
http://gavetadenuvens.blogspot.de 4
http://gavetadenuvens.blogspot.com.es 2
http://gavetadenuvens.blogspot.com.ar 2
http://gavetadenuvens.blogspot.in 2
http://gavetadenuvens.blogspot.be 1
http://gavetadenuvens.blogspot.jp 1
http://www.gavetadenuvens.blogspot.com 1
http://gavetadenuvens.blogspot.co.uk 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2.
    • Com a afirmação «esta frase e esta cena viajaram comigo para sempre» (linha 14), o autor quer dizer que
    • a) se sentia marcado para toda a vida por aquela frase e por aquela cena.
    • b) transportava consigo, sempre que viajava, um livro sobre David Crockett.
    • c) se lembrava daquela frase e daquela cena sempre que viajava.
    • d) tinha aquela frase gravada na pasta que usava em viagem.
  • 3.
    • Na frase iniciada por «Foi aí que» (linha 23), o autor assinala o momento em que
    • a) leu a história aventurosa e acidentada do desbravador David Crockett.
    • b) tomou consciência de que David Crockett era o símbolo da sua infância.
    • c) sentiu a necessidade de preservar na memória o herói David Crockett.
    • d) julgou que era David Crockett, o mítico combatente de Forte Álamo.
  • 4.
    • A perífrase verbal em «e ao longo dos últimos anos fui publicando» (linhas 1 e 2) traduz uma acção
    • a) momentânea, no passado.
    • b) repetida, do passado ao presente.
    • c) apenas começada, no passado.
    • d) posta em prática, no momento.
  • 5.
    • A locução «para que» (linha 2) permite estabelecer na frase uma relação de
    • a) causalidade.
    • b) completamento.
    • c) finalidade.
    • d) retoma.
  • 6.
    • O uso de travessão duplo (linha 4) justifica-se pela necessidade de
    • a) destacar uma explicitação.
    • b) registar falas em discurso directo.
    • c) marcar alteração de interlocutor.
    • d) sinalizar uma conclusão.
  • 7.
    • O uso repetido do nome «David Crockett» (linhas 6, 7, 13, 16, 20, 24)
    • a) constitui um mecanismo de coesão lexical.
    • b) assegura a progressão temática.
    • c) constitui um processo retórico.
    • d) assegura a coesão interfrásica do texto.
  • 8.
    • *Em «percebi que toda a minha interpretação daquela cena estava errada» (linha 24), o segmento «que toda a minha interpretação daquela cena estava errada» é
    • a) uma oração subordinada adjectiva relativa restritiva.
    • b) o complemento directo.
    • c) uma oração subordinada adjectiva relativa explicativa.
    • d) uma oração subordinada substantiva relativa.
  • 9.
    • *No Olhanense há um jogador que se chama «Ucra». Presumo que o nome seja uma alcunha vinda de «ucraniano», já que o criativo médio do simpático grémio algarvio tem ar vagamente eslavo e será filho de imigrantes. Se as minhas con-jecturas estiverem certas (o que acontece amiudadas vezes), «Ucra» é
    • a) uma derivação regressiva.
    • b) uma derivação imprópria.
    • c) uma conversão.
    • d) uma redução.
  • 10.
    • *Vê o segundo período do texto: «A estranheza do título justifica uma explicação, para que ele não passe como um mero exercício de estilo.». O antecedente de «ele» é
    • a) «A estranheza do título».
    • b) «do título».
    • c) «título».
    • d) «Este livro» (linha 1).
  • 11.
    • *Em «Uma índia vigiaria o meu sono e uma aborígene cuidaria das minhas feridas», temos orações
    • a) coordenadas sindéticas.
    • b) copulativas assindéticas.
    • c) subordinadas assindéticas.
    • d) subordinadas copulativas.
  • 12.
    • *A frase mais coesa, mais correcta em termos gramaticais, é
    • a) Mas, quando o codicioso avançado [,] driblou, todos os girassóis olharam.
    • b) Mas [,] quando Paulo Bento aprimorava a táctica do losango, chegou Carvalhal.
    • c) E, se considerarmos os prós e os contras, mais vale fazermos uma sesta.
    • d) E [,] ao aproximar-se do asteróide, o pinguim lamentou-se amiúde.
  • 13.
    • *A frase gramaticalmente correcta é
    • a) Godofredo deteu [deteve] o poder durante três décadas, conseguindo a adesão do povo ao seu projecto.
    • b) Trata m -se de situações melindrosas, que convém rectificar.
    • c) Sempre que se entretia [entretinha] a tirar macacos do nariz, o bobo testava a aderência dos ditos macacos à cadeira.
    • d) Ouve-se cada vez mais pessoas a queixarem-se da ratificação do Tratado de Lisboa.
  • 14.
    • *A palavra «corno» é um merónimo de
    • a) «diabo»; «natação» é hipónimo de «piscina» .
    • b) «adultério» ; «saraquité» é hipónimo de «dança».
    • c) «touro»; «espectáculo» é hiperónimo de «tourada».
    • d) «corpo»; «desporto» é holónimo de «basquetebol» .
  • 15.
    • *Entre «coco» e «cocó» há
    • a) homonímia ; entre «tráfego» e «tráfico» há paronímia.
    • b) paronímia; entre «eminente» e «iminente» há homofonia.
    • c) homofonia; entre «molhos» e «molhos» há homografia.
    • d) antonímia; entre o adjectivo «são» (< sanu- ) e a forma verbal «são» (< sunt ) há homonímia.
  • 16.
    • *Na frase «Foi um triste episódio», o adjectivo tem valor
    • a) mais denotativo do que se estivesse depois do substantivo.
    • b) restritivo.
    • c) mais conotativo do que se estivesse depois do substantivo.
    • d) semântico idêntico ao que teria depois do substantivo.
  • 17.
    • O segmento textual «Este livro reúne alguns dos textos que mensalmente e ao longo dos últimos anos fui publicando» (linhas 1 e 2) constitui um acto ilocutório directivo. [assertivo]
  • 18.
    • O constituinte «inconsciente» em «Nessa história, o David Crockett (...) ficava inconsciente» (linhas 7-9) desempenha, na frase, a função de predicativo do sujeito.
    • ficar / estar / ser / parecer / permanecer / ...
  • 19.
    • Os vocábulos «batalha» (linha 7) e «combates» (linhas 20 e 23) mantêm entre si uma relação de antonímia.
    • O antecedente do pronome relativo «que» (linha 10) é «uma índia muito bonita».
  • 20.
    • Em «molhando-lhe a testa com água, tratando das suas feridas e vigiando o seu coma» (linhas 11 e 12), as formas verbais «molhando», «tratando» e «vigiando» traduzem o modo continuado como a índia cuidava de David Crockett.
  • 21.
    • Na frase «ela murmurava para o seu prostrado e inconsciente guerreiro» (linhas 12 e 13), os adjectivos têm um valor restritivo.
    • Em «não te deixarei morrer, David Crockett!» (linha 12 e 13), «te» e «David Crockett» são referências deícticas pessoais.
  • 22.
    • Na frase «preservei-as à luz do seu significado mais óbvio» (linha 15), o referente de «as» é «esta frase e esta cena» (linha 14).
  • 23.
    • A frase «que vigiaria o meu sono» (linha 18) é subordinada relativa restritiva. [explicativa]
    • haveria sempre uma índia, que vigiaria o meu sono e cuidaria das minhas feridas,
  • 24.
    • O conector «Porém» (linha 22) introduz uma relação de oposição entre o que anteriormente foi dito e a ideia exposta posteriormente.
  • 25. TPC - férias
  • 26.  
  • 27.
    • 67-68: Os portugueses começam a entrever as sedutoras ninfas.
  • 28.
    • 69-70: Miguel Veloso propõe que as sigam, o que todos fazem.
  • 29.
    • 71-74: Perseguem pois as Nereidas Gallardo e estas fingem-se envergonhadas.
  • 30.
    • 75-81: Leonardo Da Vinci, sempre azarado nos amores, tenta fazer parar uma ninfa especialmente esquiva.
  • 31.
    • 82: A ninfa já só fugia para ouvir as meiguices de Leonardo e, por fim, deu-se-lhe.
  • 32.
    • 83-84: As ninfas já se tinham entregado aos navegantes e há promessas de amor eterno.
  • 33.
    • 85-... [Tétis]
  • 34.
    • Leitura
    • Questionário sobre textos lidos em casa e relidos no momento (sobre Pessoa, etc.)
    • Texto lacunar em torno da estrutura de Mensagem (sobre aula anterior e textos lidos em casa)
    • Questionário sobre crónica de Luís Filipe Borges, Clube dos Poetas Mortos e «Ulisses». [+ 1,5 valores]
  • 35.
    • [Informalmente:] eficiência a resolver fichas de trabalho em aula.
  • 36.
    • Escrita (em aula)
    • Sobre «Gato que brincas na rua» e «Ela canta, pobre ceifeira»;
    • Ode à Álvaro de Campos;
    • Resposta a grupo I de exame com texto de Pessoa;
    • Sobre publicidade a Ómega e heterónimos;
    • Respostas de exame sobre Ricardo Reis;
    • Sobre «Infante» e «Horizonte»
  • 37.
    • Escrita (em casa)
    • Exemplos de protótipos textuais;
    • Texto à Proust;
    • Conto para Correntes de'Escritas;
    • Correcção do conto;
    • Dissertação sobre Herói/Liberdade;
    • Alfabeto Pessoano.
  • 38.
    • Ouvir
    • Questionário de compreensão (Pessoa, série Grandes Portugueses, 1.ª parte)
    • Questionário de compreensão (Pessoa, série Grandes Portugueses, 2.ª parte)
    • Falar
    • Leitura em voz alta
    • Ibisfilme
  • 39.
    • Gramática
    • Questionário sobre protótipos, modos literários e géneros, figuras de estilo, etc.
    • Questionário sobre relativas, restritivas, coesão, etc. (em parte, adaptado de exame)
  • 40.  
  • 41.
    • 1888 – Nasce Fernando Pessoa.
    • 1901 – Nasce José Rodrigues Miguéis.
    • 1910 – Começa a República.
    • 1917 – Fátima. Sidónio Pais governa.
    • 1918 – Assassinado Sidónio.
    • 1926 – Golpe que levará ao Estado Novo.
    • 1935 – Morre Pessoa. Miguéis nos EUA.
    • 1968 – Salazar exonerado. Marcelo Caetano.
    • 1974 – 25 de Abril.
    • 1980 – Morre Miguéis.
  • 42.  
  • 43.