Your SlideShare is downloading. ×
0
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20

2,150

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,150
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2.
    • O autor pregou este sermão — todo ele alegórico — três dias antes de embarcar, clandestinamente, para a metrópole, com o objectivo de encontrar solução para o problema dos índios, em consequência dos factos a que se alude no «Sermão da Sexagésima» (volume 1 dos Sermões ).
  • 3.
    • Como se deduz da alegoria em que assenta o texto, no «Sermão de Santo António aos Peixes», o orador abordou todos os pontos do programa que, ainda que impopular, considerava ser o mais adequado, em termos espirituais e práticos, à colónia.
  • 4.  
  • 5.
    • As palavras «pregado» e «pregou» são formas do verbo « pregar 2 ». O étimo deste verbo é a palavra latina (aliás, do latim falado por religiosos) « PRAEDICARE ». Não se confunde este verbo com o seu homógrafo « pregar 1 »,
  • 6.
    • já que, tal como o nome que dele deriva, «pregador», se pronuncia com E aberto ( é ), cuja representação fonética é ε , enquanto o verbo cuja primeira acepção é ‘ fixar ou segurar com prego ’ e cujo étimo, também latino, é « PLICARE » se diz com um E que quase não se ouve ( e ), representado no alfabeto fonético por um [e ao contrário ] .
  • 7.
    • Como já terás percebido, as palavras que no manual estão asteriscadas — marcadas com um asterico (*) — são objecto de explicação no glossário das páginas finais ou no Práticas . Para já, faz uma leitura rápida das explicações para alegoria , conceito predicável , captatio benevolentiae ( Antologia , 291-302) e exórdio ( Práticas , 18).
  • 8.
    • No caso Sermão de Santo António aos Peixes , o conceito predicável corresponde à frase latina que serve de epígrafe (« Vos estis sal terrae / Vós sois o sal da terra »). A captatio benevolentiae (estratégia comum no exórdio, a parte introdutória dos discursos) vimo-la muito no discurso de Marco António — por exemplo, quando, em jogada de falsa modéstia, assumia não ser tão bom orador como Brutus.
  • 9.
    • A alegoria, que fica já anunciada neste capítulo I do Sermão ( Antologia , 56-58) e depois será desenvolvida, é toda a situação, «metafórica», figurada, que o orador criou (e ficou até no título), em torno de a sua audiência serem peixes .
  • 10.
    • [linhas 1-18]
    • Cristo diz serem os pregadores o sal da terra . Tal como o sal preserva (os alimentos), os pregadores deviam na terra impedir a podridão/corrupção . Mas, se há tantos pregadores , como se justifica que haja tanta corrupção?
  • 11.
    • Várias hipóteses (e bifurcadas): ou os pregadores não pregam a verdade ou os ouvintes não a querem; ou os pregadores não fazem o que defendem/dizem e os seus ouvintes preferem imitá-los nas práticas/acções e não nas palavras; ou os pregadores pensam mais neles do que em Cristo ou os ouvintes, em vez de seguirem os preceitos da religião, preferem reger-se pela sua vontade/propensão imediata.
  • 12.
    • [ll. 19-30]
    • Então, o que se há-de fazer aos pregadores , que não evitam a corrupção, e aos ouvintes, que não se deixam influenciar/catequizar ? Como disse Cristo, se os pregadores não cumprem bem, pelas palavras ou pelos actos , o melhor será espezinhá-los .
  • 13.
    • [ll. 31-53]
    • E que se há-de fazer aos ouvintes ? Santo António, perante um público que não lhe ligava, abandonou-o e foi pregar aos peixes .
  • 14.
    • [ll. 54-73]
    • Retomando o ‘conceito predicável’: Santo António foi até mais do que «sal da terra», foi também «sal do mar », já que pregou a peixes . Mas o autor não quer relatar o que se passou com Santo António, antes acha que nos dias dos santos — lembremos: era dia 13 de Junho, dia de Santo António — se deve é imitá -los.
  • 15.
    • [ll. 74-83]
    • Por isso, o orador, o Padre António Vieira, vai também pregar aos peixes; para tanto, invoca Maria , cuja etimologia, supostamente, se ligaria ao mar (na verdade, esta etimologia é falsa).
  • 16.
    • Publifilmes em Gaveta de Nuvens (mas ainda sem comentários)
  • 17.  
  • 18.
    • TPC — Corrige o poema que hoje te devolvi, passa-o a limpo (e, eventualmente, dá-mo de novo, se ainda forem significativas as emendas que te caiba lançar). Pondera — e, mais ainda, se eu tiver gabado o teu texto — enviar o poema ao concurso Correntes d’Escritas . (Se queres ainda tentar outro poema, talvez ainda dê tempo.)
    • É preciso enviar o texto por correio. O regulamento está em Gaveta de Nuvens e o prazo termina em 30 de Novembro.

×