Teorias da comunicação

7,454
-1

Published on

Apontamentos de Introdução Sociologia da Informação - 1

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,454
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
127
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teorias da comunicação

  1. 1. Escola Americana O esquema de Lasswell: – É acusado de ignorar o feedback: Comunicação em um sentido. – Ao colocar-se como referência para as duas correntes nos anos 30 (anos de ouro da teoria hipodérmica): Deu início ao processo de superação desta.
  2. 2. Escola AmericanaA teoria da agulha hipodérmica é superadasegundo três diretrizes:– Abordagem empírica; Estuda relação comunicativa (fenômenos psicológicos individuais).– Psicologia experimental e sociológica; Explicita fatores de mediação entre indivíduo e meio de comunicação.– Abordagem funcional à temática dos m.c. em consonância com o estruturalismo e funcionalismo. Elabora hipóteses sobre as relações entre indivíduo, sociedade e meios de comunicação.
  3. 3. Escola AmericanaPesquisas que conduziram ao abandono dateoria hipodérmica:– Abordagem empírico-experimental (persuasão);– Abordagem empírica de campo ou dos “efeitos limitados” (influência)– Teoria funcionalista, abordagem global dos mcm (funções).
  4. 4. Empírico-experimental ou da “persuasão”Surge nos anos 40, como superação daT.H.Escola de Chicago;– Trabalha paralelamente as abordagens experimental e empírica de campo;– Defende que os efeitos das mensagens não são uniformes para toda a audiência, mas pode variar de indivíduo para indivíduo;– Afirma que é possível obter resultados relevantes, se as mensagens forem adequadamente trabalhadas.
  5. 5. Empírico-experimental ou da “persuasão”Conceituação “Persuadir os destinatários é um objectivo possível, se a forma e a organização da mensagem forem adequadas aos factores pessoais que o destinatário activa quando interpreta a própria mensagem” (Wolf, 2002:34). “[...] as mensagens dos meios de comunicação contêm características particulares do estímulo que interagem de maneira diferente com os traços específicos da personalidade dos elementos que constituem o público” (De Fleur, 1970: 122).análise dos conteúdos.
  6. 6. Empírico-experimental ou da “persuasão” A estrutura lógica desta teoria se assemelha à da T.H. com uma diferença: CAUSA => processos intervenientes => RESPOSTACAUSA (ou estímulo) =>processos psicológicos intervenientes => EFEITO (ou resposta) Nesta estrutura lógica é necessário estímulo, mas este tem que ser percebido para que aconteça a persuasão (ou aprendizagem). Para haver aprendizagem/persuasão é necessário haver atenção, retenção da mensagem. Hovland, 1966: Os fatores de atenção da aprendizagem e da aceitação da mensagem estão relacionados.
  7. 7. Empírico-experimental ou da “persuasão”É também conhecida como Teoria daAprendizagem: Desenvolvida na Escola de Yale – Carl Hovland: através de pesquisa experimental fornece dados úteis para aumentar a eficácia da mensagem. A teoria defende que eficácia da mensagem é também determinada: Natureza da mensagem; Grau de exposição à mensagem; Características da audiência:
  8. 8. Empírico-experimental ou da “persuasão” Quatro características da audiência:2. Interesse em obter informações:  quanto > a exposição > o interesse + motivação > chance de persuasão.3. Exposição seletiva: tendência da audiência a se expor a mensagens de acordo com suas atitudes e afastar-se das mensagens em desacordo com as mesmas.5. Interpretação seletiva (percepção seletiva): exposição às mensagens não acontece em estado de nudez psicológica, mas revestidas e protegidas por predisposições já existentes, processos seletivos que viabilizam a interpretação.7. Memorização seletiva:
  9. 9. Empírico-experimental ou da “persuasão” Quatro características da audiência:2. Memorização seletiva: – Mensagens de acordo com atitudes e opinião do indivíduo são memorizadas em grau + elevado do que outras mensagens; – Tempo de exposição também influencia esta memorização: Com o passar do tempo a memorização seleciona elementos + significativos para o indivíduo em detrimento dos elementos discordantes (Efeito Bartlett). – Há também o efeito latente, semelhante ao acima: 1ª exposição => eficácia persuasiva quase nula => com o tempo a memorização seletiva atenua atitudes negativas ou neutralizantes iniciais.
  10. 10. Empírico-experimental ou da “persuasão”Em resumoResultados persuasivos estão relacionados às variáveis acima e mais 4 fatores da mensagem: Credibilidade do comunicador – Fonte credível > persuasão Ordem da argumentação – Argumentações iniciais favoráveis são + eficazes – Argumentações finais contrárias são + eficazes Integralidade das argumentações – Temas controversos deve oferecer um único aspecto ou ambos aspectos da mensagem?
  11. 11. Empírico-experimental ou da “persuasão”Acerca desta questão: Estudos de Hovland => 2ª Guerra => prolongamento da ofensiva – 1º - mensagem com motivos para o prolongamento; – 2º - mensagem apresentando vantagens do prolongamento. Resultados encontrados:  Indivíduos contrários: oferecer ambos os aspectos favorece a persuasão;  Indivíduos favoráveis: oferecer só vantagens já favorece a persuasão;  Indivíduos com alto nível de instrução: oferecer ambos os aspectos favorece a persuasão;  Indivíduos com baixo (ou nenhum) nível de instrução: oferecer um ou ambos pode ser insuficiente para persuasão, mas enfatizar as vantagens pode auxiliar neste intuito.  Outro dado interessante que a pesquisa encontrou foi que a omissão de dados (no caso sobre a participação da Rússia na Guerra) fragiliza persuasão que necessita da exposição de ambos os aspectos da mensagem.
  12. 12. Empírico-experimental ou da “persuasão” Explicitação das conclusões– Explicitar conclusões ou apresentar implicitamente? Quanto > o envolvimento dos indivíduos com o assunto + útil deixar implícito as conclusões; Assuntos complexos ou de pouca familiarização do indivíduo necessitam explicitação das conclusões.– Com relação à T.H. esta teoria redimensiona a capacidade dos MC:– atenua a crença nos efeitos maciços (C+PI=E);– evidencia caráter não linear do processo comunicativo (processos psicológicos intervenientes).
  13. 13. Empírico-experimental ou da “persuasão”Em resumo, para a abordagem empírico-experimental ou da persuasão : o processo comunicativo prevê interferências entre E => R os efeitos ao invés de uniformes são variáveis entre os indivíduos; não vê os MC como tão relevantes; os fatores influenciam a persuasão e as respostas; o processo comunicativo não é linear; MC podem persuadir, ou seja, levar à aceitação ou convencimento de algo; dimensão subjetiva reduz caráter manipulável da T.H.; a pesquisa tem objetivos específicos e foi projetada para atingi- los; é intensiva e desfruta de uma vasta cobertura; Permite que o sucesso/eficácia da mensagem seja avaliado.
  14. 14. Empírico-experimental ou da “persuasão”Pontos importantes da teoria: Fatores relativos à audiência: 1. Interesse em obter informação; 2. Exposição seletiva 3. Percepção seletiva 4. Memorização seletiva Fatores ligados à mensagem 1. · Credibilidade do comunicador 2. · Ordem de argumentação 3. · Integridade das argumentações 4. · Explicitação das conclusões
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×