Your SlideShare is downloading. ×
positivo                                                                            WWW.PAISPOSITIVO.ORG // Novembro ‘11 /...
ESTADO DO MEIO AMBIENTE EM PORTUGALSECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO“A ADESÃO À COMUNIDADE EURO...
ESTADO DO MEIO AMBIENTE PAÍS POSITIVO   INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO |EM PORTUGAL | PAÍS POSITIVO       10RECIOLNAS ROTAS DA IN...
6.ª EXPO ENERGIAAPREN - ASSOCIAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEISAS ENERGIAS RENOVÁVEIS COMOBASE DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVELA d...
•–‹–—À†ƒ ‡ ‘”–—‰ƒŽ Šž …‡”…ƒ †‡                                                                                          ...
APREN - Estudo da RolandBergertipo de produção de electricidade       uma vez que no ano passado foram    –‡”‹ƒ” –א‹‘ ...
6.ª EXPO ENERGIA | PAÍS POSITIVO   INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO | PAÍS POSITIVO           14ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA ENERGIAPEN...
–‡‰”ƒ ƒ  ƒ• ‰”ƒ†‡• ‡’”‡•ƒ•                                                                                            ...
6.ª EXPO ENERGIA | PAÍS POSITIVO   INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO | PAÍS POSITIVO                16WAVE ENERGY CENTREAFIRMANDO O ...
•–‹–—–‘ —’‡                                                   ‰”ƒ†‘†‡•‡”˜‹­‘•ƒ‡–‹†ƒ†‡•‡‡’”‡•ƒ• “—‡           dada a sus...
‘˜ƒ­ ‘ —±”‹…ƒ           Ÿ„‹–‘ †‡ ‡•–—†‘• …‘•–ƒ–‡• Šž “—‡•–Ù‡•festaram interesse nesta área, evoluindo                ...
‡–‘”‘†‡–”²•ž”‡ƒ•‡…‘×‹…ƒ•‡•             portuguesa, para demonstrar que é pos-           e fornecimento de componentes”...
‘˜ƒ­ ‘ —±”‹…ƒ ‘†‡           nidade, contra o custo e contra o risco”                                                   ...
CJR WINDO VENTO COMO ALIADO DA INOVAÇÃO CONSTANTEHerdeira de um percurso de sucesso, trilhado pelo Grupo CJR no aluguer de...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Portfolio @ País Positivo #46

171

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
171
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Portfolio @ País Positivo #46"

  1. 1. positivo WWW.PAISPOSITIVO.ORG // Novembro ‘11 / EDIÇÃO Nº 46“Suplemento distribuído em conjunto com o jornal Público”. SABSEG SEGUROS: A CORRETORA REFERÊNCIA NO MERCADO DOS SEGUROS, Luís Cervantes, Administrador do Grupo Sabseg 6.ª EXPO ENERGIA: «NOVOS MERCADOS. ENCONTRO DE SECTORES» | IPAI: O SECTOR DA ACREDITAÇÃO EM PORTUGAL
  2. 2. ESTADO DO MEIO AMBIENTE EM PORTUGALSECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO“A ADESÃO À COMUNIDADE EUROPEIA FOI A GRANDEIMPULSIONADORA DA POLÍTICA AMBIENTAL EM PORTUGAL”Considerando o ambiente um desígnio transversal à sociedade, Pedro Afonso de Paulo, Secretário de Estado do Ambiente eOrdenamento do Território, fala do impulso trazido pela adesão à Comunidade Europeia e dos projectos estruturados para estesector tão importante nas nossas vidas. ‹‹•–±”‹‘ †ƒ ‰”‹…—Ž–—”ƒ ƒ” „‹‡–‡ ƒ’‘•–ƒ †ƒ ‡…”‡–ƒ”‹ƒ †‡ •–ƒ†‘ †‘ „‹‡–‡‡ ”†‡ƒ‡–‘ †‘ ‡””‹–×”‹‘ ‡†‘”†‡ƒ‡–‘†‘‡””‹–×”‹‘–‡•‹†‘•‘ƒ’”‡•‡–ƒ •‡ …‘ ƒ ‹•• ‘ †‡ †‡ ‹‹” …‘‘” „”‡–—†‘ ƒ †‡ ’”‘…—”ƒ” ƒ””—ƒ” ƒ …ƒ•ƒ ’”‘†‡ƒ” ‡ ‡š‡…—–ƒ” †‡ ‡–”‡ ƒ• ž”‡ƒ• “—‡ ŽŠ‡ …—”ƒ†‘ ˜‘Ž–‘ ƒ ˆ”‹•ƒ” ’”‘‘˜‡” †‘”ƒ˜ƒ–‡‡•– ‘ ƒˆ‡…–ƒ• ƒ• ’‘ŽÀ–‹…ƒ• †‡ ƒ„‹‡–‡ ƒ —ƒ ƒ‹‘” ‡ ‹…‹²…‹ƒ ƒ ‰‡•– ‘ ‡ ƒ–±”‹ƒ×’–‹…ƒ †‘ †‡•‡˜‘Ž˜‹‡–‘ •—•–‡–ž˜‡Ž †‡ ’‘ŽÀ–‹…ƒ ƒ„‹‡–ƒŽ ƒ ˜‡œ –‡”‹ƒ†‘ ‘‘ ± “—‡ †‡ ‹‹”‹ƒ ‘ ƒ„‹‡–‡ †‘• †‹ƒ• †‡ ‡•–‡ –”ƒ„ƒŽŠ‘ “—‡”‡‘• ”‡ˆ‘”­ƒ” ‘ –”ƒ„ƒŠ‘Œ‡ ‡ ‘”–—‰ƒŽ ‡ “—‡ ’‘ŽÀ–‹…ƒ• ± “—‡ •‡ ‹ ŽŠ‘ “—‡ Œž ˜‡ •‡†‘ ”‡ƒŽ‹œƒ†‘ †‡ ”‡˜‹• ‘’Ù‡ ‘ •‡–‹†‘ †‡ ‰ƒ”ƒ–‹” ‡•–‡ †‡•À‰‹‘ ‡ †‡ ”‡ˆ‘”—Žƒ­ ‘ –ƒ„± …‘ ˜‹•–ƒ  –ƒŽ ƒ„‹‡–‡ ± …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• — –‡ƒ –”ƒ• ƒ‹‘” ƒ”–‹…—Žƒ­ ‘ ‡ ‡ ‹…‹²…‹ƒ ‡–”‡ ’Žƒ‘• ‡˜‡”•ƒŽ “—‡ …‘‘ –ƒŽ ƒ–”ƒ˜‡••ƒ –‘†‘• ‘• “—ƒ ’‘ŽÀ–‹…ƒ• ‘ “—‡ ”‡•’‡‹–ƒ ƒ ‹’‘”–ƒ–‡• †‘†”ƒ–‡• †ƒ ‘••ƒ ˜‹†ƒ ‡ †ƒ •‘…‹‡†ƒ†‡ ‘‘ …—‡–‘• …‘‘ ƒ ‡‹ †‡ ƒ•‡• †‘ „‹‡–‡–ƒŽ  ‘ •‡ ’‘†‡ ˆƒŽƒ” Š‘Œ‡ †‡ …”‡•…‹‡–‘ ƒ ‡‹ †‡ ‘Ž‘• ƒ• –ƒ„± “—‡”‡‘• †‡‡ †‡ †‡•‡˜‘Ž˜‹‡–‘ †‡ —ƒ •‘…‹‡†ƒ†‡ †‹…ƒ” —ƒ ‡•’‡…‹ƒŽ ƒ–‡­ ‘ ƒ‘ ‹–‘”ƒŽ ‘†‡…‘ „ƒ•‡ ‡ ’‘ŽÀ–‹…ƒ• “—‡  ‘ ‹–‡‰”‡ ‘ •‡ …‘…‡–”ƒ ƒ ƒ‹‘”‹ƒ †ƒ ’‘’—Žƒ­ ‘ ‡ †ƒ•˜‡…–‘” ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡• ‡…‘×‹…ƒ• †‘ ƒÀ• ƒ• “—‡ƒ„‹‡–ƒŽ ‘” ‘—–”‘ Žƒ†‘ ’‘”“—‡ ‡•–ƒ‘• ’‡Žƒ• •—ƒ• …ƒ”ƒ…–‡”À•–‹…ƒ• ƒ–—”ƒ‹• ƒ’”‡•‡’‡”ƒ–‡ ’”‘„Ž‡ƒ• …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• …‘’Ž‡ –ƒ •‹–—ƒ­Ù‡• “—‡ ’‘” ˜‡œ‡• ’Ù‡ ‡ …ƒ—•ƒš‘• ‡ ’ƒ”–‹…—Žƒ” ‡ ƒ–±”‹ƒ †‡ ƒ„‹‡–‡ ƒ •‡‰—”ƒ­ƒ †‡ ’‡••‘ƒ• ‡ „‡• •–ƒ‘•‹’‘”–ƒ ‰ƒ”ƒ–‹” —ƒ ƒ‹‘” ƒ”–‹…—Žƒ­ ‘ –ƒ„± —ƒ ƒŽ–—”ƒ ‹’‘”–ƒ–‡ ‡ “—‡ •‡…‘ ‡ ‡–”‡ ƒ• †‹ˆ‡”‡–‡• ’‘ŽÀ–‹…ƒ• •‡…–‘”‹ƒ‹• †‹•…—–‡ ‘ ˆ—–—”‘ †‘ ’ו —‹‘–‘ •‡†‘ “—‡ ‘ƒ••‹…‘‘‡–”‡‘•‘”‰ƒ‹•‘• ‡••‡•‡ …‘„ƒ–‡ • ƒŽ–‡”ƒ­Ù‡• …Ž‹ž–‹…ƒ• …‘•–‹–—‹–‹†‘ ƒ ƒ’‘•–ƒ †‡•–‡ ‘˜‡”‘ ’ƒ••ƒ ’‘” —ƒ –ƒ„± —ƒ †ƒ• ’”‹‘”‹†ƒ†‡• †‘ ‹‹•–±”‹‘‡•–”—–—”ƒ ƒ‹• ƒ”–‹…—Žƒ†ƒ ƒ–”ƒ˜±• †ƒ …”‹ƒ­ ‘ ‡ †‡•–‡ ‘˜‡”‘†‡†‘‹•‘”‰ƒ‹•‘• ’ƒ”ƒƒž”‡ƒ†‘ƒ„‹‡–‡ ‡ ’ƒ”ƒ ƒ †‘ –‡””‹–×”‹‘ ƒ “—ƒŽ •‡ “—‡” ƒ‹• ‹ƒŽ‹œƒ” ‰‘•–ƒ”‹ƒ †‡ ‡†‡”‡­ƒ” —ƒ ‡‹–‡‰”ƒ†ƒ ‡ …‘ ƒ‹• •‹‡”‰‹ƒ• ‡–”‡ •‹ ƒ• Pedro Afonso de Paulo, Secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território •ƒ‰‡ ‹ƒŽ ƒ‘• ‘••‘• Ž‡‹–‘”‡•‡•–ƒ• • ‘ …ƒ”ƒ…–‡”À•–‹…ƒ• “—‡ “—‡”‡‘• ˜‡” ‡‹š‘ ƒ’‡ƒ• ƒ ‡•ƒ‰‡ †‡ “—‡ ˆƒŽƒ” †‘‡•–‡†‹†ƒ• –ƒ„± • ’”×’”‹ƒ• ’‘ŽÀ–‹…ƒ• ‡†‘‡…‘–ƒ‘‘„Œ‡…–‹˜‘†‡’Žƒ‡ƒ‡–‘‡ ‡ ƒ–±”‹ƒ †‡ †”‡ƒ‰‡ ‡ –”ƒ–ƒ‡–‘ †‡ ˆ—–—”‘ ± …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• ˆƒŽƒ” †‡ •—•–‡–ƒ„‹–‡†‘ …‘‘ ‘„Œ‡…–‹˜‘ ‰Ž‘„ƒŽ ƒ ˜ƒŽ‘”‹œƒ­ ‘ …‘‘”†‡ƒ­ ‘†ƒƒ’Ž‹…ƒ­ ‘†‡ˆ—†‘•ƒ…‹‘ƒ‹• ž‰—ƒ• ”‡•‹†—ƒ‹• ‡ ‘• ”‡•À†—‘• –‡‘• Š‘Œ‡ Ž‹†ƒ†‡ ‡ ‹…‹²…‹ƒ ‡ …”‡•…‹‡–‘ •—•–‡–ƒ†‘†‘ ƒ„‹‡–‡ ‡ †‘ –‡””‹–×”‹‘ ’ƒ”ƒ —ƒ •—ƒ ‡…‘—‹–ž”‹‘•‘•‡…–‘”ƒ„‹‡–ƒŽ ’‘”’ƒ”–‡ ‹ˆ”ƒ ‡•–”—–—”ƒ• “—‡ ˆƒœ‡ †‡•–ƒ ž”‡ƒ — ƒ…–—ƒŽ ‘†‡Ž‘ ‡…‘×‹…‘ –‡ †ƒ†‘ ƒ‰‡•– ‘ ƒ‹• ‡ ‹…‹‡–‡ …‘ ”‡ Ž‡š‘• ’‘•‹–‹˜‘• †‘ “—‡’”‡••—’Ù‡—ƒŒ—•–ƒ˜ƒŽ‘”‹ •‡‰‡–‘†‡‡‰×…‹‘—‹–‘‹–‡”‡••ƒ–‡ …‘ …‘Š‡…‡” ƒ• •—ƒ• ˆ”ƒ‰‹Ž‹†ƒ†‡• ‡ ‘•–”ƒ†‘‘ •‡”˜‹­‘ “—‡ “—‡”‡‘• ’”‡•–ƒ” ƒ‘ ƒÀ• ‡ œƒ­ ‘†‘•”‡…—”•‘• …‘‘±“—‡…‘•‹†‡”ƒ“—‡ ‘• ƒ–—”ƒ‹• ‹’ƒ…–‘• ’‘•‹–‹˜‘• “—‡ †‡…‘””‡ ƒ• •—ƒ• Ž‹‹–ƒ­Ù‡• ‘•‹†‡”ƒ‘• “—‡ ±ƒ‘• …‹†ƒ† ‘• –‡•‹†‘ƒ‡˜‘Ž—­ ‘†‘ƒ„‹‡–‡‡‘”–—‰ƒŽ †‡ —ƒ …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• ƒ†‡“—ƒ†ƒ ‰‡•– ‘ ƒ …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• —”‰‡–‡ ƒ†‘’–ƒ” — ’ƒ”ƒ  ƒ–±”‹ƒ †‡ ’‘ŽÀ–‹…ƒ• –‡‘• …‘‘ ‘„Œ‡… ‡ …‘’ƒ”ƒ­ ‘ …‘ ‘• ”‡•–ƒ–‡• ’ƒÀ•‡• †ƒ –—”ƒŽ‡–‡ “—‡ …‘’ƒ”ƒ–‹˜ƒ‡–‡ ƒ ’ƒÀ•‡• †‹‰ƒ †‡ †‡•‡˜‘Ž˜‹‡–‘ “—‡ ‘• …‘–‹˜‘• ”‡˜‹–ƒŽ‹œƒ” ƒ •–”ƒ–±‰‹ƒ ƒ…‹‘ƒŽ ’ƒ”ƒ ‘ ‹ ‘ —”‘’‡‹ƒ †‘ ‘”–‡ †ƒ —”‘’ƒ …‘ —ƒ ƒ‹‘” –”ƒ†‹­ ‘ †—œƒ ƒ —ƒ ‡…‘‘‹ƒ ˜‡”†‡ ƒ–”ƒ˜±• †ƒ ‡•‡˜‘Ž˜‹‡–‘ —•–‡–ž˜‡Ž ’”‘‘˜‡” ƒ ƒ ƒžŽ‹•‡ †ƒ ‡˜‘Ž—­ ‘ †ƒ ’‘ŽÀ–‹…ƒ †‡ ƒ †‡ ’‘ŽÀ–‹…ƒ †‡ ƒ„‹‡–‡ ƒ‹†ƒ –‡‘• ƒŽ‰—ƒ• “—ƒŽ …‘•‹‰ƒ‘•  ‘ •× ‡ŽŠ‘”ƒ” ‘ „‡ƒ”–‹…—Žƒ­ ‘ ‡–”‡ ’Žƒ‘• …‘‘ •‡Œƒ ‘ Žƒ „‹‡–‡ ‡ ‘”–—‰ƒŽ  ‘ ’‘†‡ •‡” †‡ –‘†‘ †‹ˆ‡”‡­ƒ• ƒ• Š‘Œ‡ ‡•–ƒ‘• ƒ‹• ’”ך‹‘• ‡•–ƒ” Š—ƒ‘ ‡ ƒ ‡“—‹†ƒ†‡ •‘…‹ƒŽ ƒ•‘ ƒ…‹‘ƒŽ †ƒ ‰—ƒ ‘• Žƒ‘• †‡ ‡•– ‘ †‡ †‹••‘…‹ƒ†ƒ †ƒ ’”×’”‹ƒ ƒ†‡• ‘ †‘ ƒÀ•  ‡– ‘ †‘• ‡ŽŠ‘”‡• …ƒ•‘• ‡ ƒŽ‰—ƒ• ƒ–±”‹ƒ• ‡ –ƒ„± ”‡†—œ‹” ‘• ”‹•…‘• ‡ ƒ ‡•…ƒ••‡œ †‡ ƒ…‹ƒ ‹†”‘‰”ž ‹…ƒ ”‡˜‡” ‡ ’Ø” ‡ ’”ž–‹…ƒ ‘ ‘—‹†ƒ†‡ …‘×‹…ƒ —”‘’‡‹ƒ ‘†‡‘• ‘—–”‘• †‡•–ƒ…ƒ‘ ‘• …‘‘ ± ‘ …ƒ•‘ †ƒ• ”‡…—”•‘• •–ƒ —†ƒ­ƒ “—‡ ’ƒ••ƒ ’‘” —ƒ”‘‰”ƒƒ ƒ…‹‘ƒŽ ’ƒ”ƒ ‘ •‘ ‹…‹‡–‡ †ƒ •‡ •‘„”ƒ †‡ †ï˜‹†ƒ ƒˆ‹”ƒ” “—‡ ƒ ƒ†‡• ‘ ‡‡”‰‹ƒ•”‡‘˜ž˜‡‹• —†ƒ­ƒ †‡ ’ƒ”ƒ†‹‰ƒ  ‘ ± —ƒ ‹•• ‘‰—ƒ ’”‘‘˜‡” —ƒ ‡ŽŠ‘” ƒ”–‹…—Žƒ­ ‘  ‘—‹†ƒ†‡ —”‘’‡‹ƒ ˆ‘‹ ƒ ‰”ƒ†‡ ‹’—Ž †‡ — ‰‘˜‡”ƒ–‡ ‘— †‡ — ‘˜‡”‘ ƒ–‡•ƒ‘ À˜‡Ž †‘• ’Žƒ‘• ”‡•’‡‹–ƒ–‡• ƒ‘ ‘”†‡ƒ •‹‘ƒ†‘”ƒ †ƒ ’‘ŽÀ–‹…ƒ ƒ„‹‡–ƒŽ ‡ ‘”–—‰ƒŽ ‘•–ƒ”‹ƒ †‡ ”‡ƒŽ­ƒ” ƒŽ‰—• ‡•–—†‘• ’”‘Œ‡… ± —ƒ ‹•• ‘ †‡ …ƒ†ƒ — †‡ ×•…‹†ƒ† ‘•‡–‘ †‘ –‡””‹–×”‹‘ ‡ …‘–‹—ƒ” ƒ ’”‘••‡‰—‹” ‘• ‹‘• ƒ‘• ‘ ƒÀ• ˜‹— •‡” ƒŽ–‡”ƒ†‘ ‘ –‘• ‡ ’Žƒ‘• Ž‡˜ƒ†‘• ƒ …ƒ„‘ ’‡Ž‘ —†ƒ­ƒ ‡•–ž ƒ‘ ƒŽ…ƒ…‡ †‘• ‘••‘• Šž„‹–‘•…‘ ‘ …—’”‹‡–‘ †ƒ• ‡–ƒ• ‡ –‡”‘• ’ƒ‘”ƒƒ ƒ…‹‘ƒŽ ‡ ƒ–±”‹ƒ †‡ ƒ„ƒ•–‡…‹ „‡ …‘‘ ƒŽ‰—• ˆƒ…–‘• ‡ ï‡”‘• “—‡ •‡ ‡ …‘’‘”–ƒ‡–‘• †‹ž”‹‘• …ƒ„‡ ‘• ‡•–ƒ”†‡ ƒ„ƒ•–‡…‹‡–‘ †‡ ž‰—ƒ †”‡ƒ‰‡ ‡ –”ƒ ‡–‘ ‡ †‡ “—ƒŽ‹†ƒ†‡ †‡ ž‰—ƒ ’ƒ”ƒ …‘•—‘ Œƒ ‡˜‘…ƒ–‹˜‘• †ƒ •—ƒ ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ ƒ ž”‡ƒ †‘ ƒ‹• ‹ˆ‘”ƒ†‘• ‡ •‡”‘• …‘•—‹†‘”‡•–ƒ‡–‘ †‡ ž‰—ƒ• ”‡•‹†—ƒ‹• „‡ …‘‘ †‡ ‘• ”‹‘• ‡•– ‘ Š‘Œ‡ ‡ ‰‡”ƒŽ ƒ‹• †‡•’‘Ž—À†‘• ƒ„‹‡–‡ …‹†ƒ† ‘• ƒ‹• ‡š‹‰‡–‡• ‡ ƒ‹• ”‡•’‘•ž‰‡•– ‘ †‘• †‹ˆ‡”‡–‡• –‹’‘• ”‡•À†—‘• ‡ ”‡•—Ž–ƒ†‘ †‘• ‹˜‡•–‹‡–‘• ”‡ƒŽ‹œƒ†‘•  …‡”…ƒ †‡ “—ƒ–”‘ ‡•‡• †‡ ‰‘˜‡”ƒ­ ‘ ƒ ˜‡‹•
  3. 3. ESTADO DO MEIO AMBIENTE PAÍS POSITIVO INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO |EM PORTUGAL | PAÍS POSITIVO 10RECIOLNAS ROTAS DA INOVAÇÃO EM RECICLAGEMNascida em 2003, na área da reciclagem de óleos alimentares usados, a Reciol não integrava, à data da sua fundação, os nossos entrevistados,Manuel Barbosa, gerente, e Aurora Couto, responsável de operações, que nos traçam a génese, o posicionamento e as novas apostas desta em-presa de referência sediada em Barcelos. Manuel Barbosa e Aurora Couto ‘˜‹†ƒ†‘• ’ƒ”ƒ ‡–”ƒ” ƒ‘• ƒ‹• ‡ ‡••‡ •‡–‹†‘ • ‘ ‘„”‹‰ƒ†‘• ƒ ”‡†‡ ˆ”‡–‡• †‡ ”‡…‘ŽŠƒ †‡ ”‡•À†—‘• —”„ƒ‘•C das empresas licenciadas na área de –ƒ”†‡ ƒ ‡…‹‘Ž ’‘” ˜‹ƒ †‡ —ƒ produção de biodiesel” —ƒ ‘’‹‹ ‘ ‹‹” ‘˜ƒ• ‡•–”ƒ–±‰‹ƒ• †‡ ƒ…–—ƒ­ ‘ ‘ ‘”–‡ƒ†ƒ ’‡Žƒ –א‹…ƒ †ƒ ‡…‘Ž‘‰‹ƒ ’ƒ–‡ ”‡‡•–”—–—”ƒ­ ‘ “—‡ ƒ’‘”–‘— ‘ …‘””‘„‘”ƒ†ƒ ’‘” —”‘”ƒ ‘—–‘ ‡”…ƒ†‘ ’‡•ƒ” †‡ –‘†‘• ‘• …‘•–”ƒ –‡ ‡ –‘†‘• ‘• †‘À‹‘• †‡ ƒ…­ ‘ †ƒ ‡˜ƒ• †‹Ÿ‹…ƒ• …‘‘ ‘ Ž‹…‡…‹ƒ‡–‘ †ƒ †‹Ÿ‹…ƒ †ƒ ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ †ƒ ‡…‹‘Ž ±  ‰‹‡–‘• …‘ ƒ• “—‡„”ƒ• ƒ• ˜‡†ƒ• …‹‘Ž “—‡ ‰ƒŠƒ ˆ‘”­ƒ  Ž—œ †ƒ žš‹ƒ ’ƒƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ ƒ ˜‹•‹„‹Ž‹†ƒ†‡ †‘ ‡‰×…‹‘ ƒ •‡‡ŽŠƒ­ƒ †‡ ‡’”‡•ƒ• …‘‰±‡”‡• †‘• ”‡•–ƒ—”ƒ–‡• ƒ ‡…ƒ„‡­ƒ”‡ ‘ ”‘Ž –‡–‡ ƒ ‡‹ †‡ ƒ˜‘‹•‹‡” “—‡ †‡ ‹‡ “—‡†‡ ‹‹­ ‘ †‡ ‘˜ƒ• ”‘–ƒ• ‡ ƒ ƒ‰ƒ”‹ƒ­ ‘ ”‡‰—Žƒ†ƒ ’‡Ž‘• ‡…”‡–‘• ‡‹ ï‡”‘• †‡ ’”‡‘…—’ƒ­Ù‡• ƒ ‡…‹‘Ž …‘•‡‰—‹— — “nada se perde, nada se cria, tudo se†‡ …Ž‹‡–‡• ƒ—‡Ž ƒ”„‘•ƒ ‡ —”‘”ƒ †‡ †‡ ‡–‡„”‘ ‡ ƒ—‡–‘ †ƒ •—ƒ ˆƒ…–—”ƒ­ ‘ ‡ ’‘” transforma” —”‘”ƒ ‘—–‘ Žƒ­ƒ ƒ ‹ ‘—–‘ ˆ‘”ƒ Œ—–ƒ‡–‡ …‘ ‘—–”‘• †‡ †‡ ‡–‡„”‘ “—‡ †‡ ‹‡ ’ƒ”ƒ …‡–‘ ‡ ”‡Žƒ­ ‘ ƒ‘ ƒ‘ ƒ–‡”‹‘” ˆ”—–‘ ƒŽ‹œƒ” †‡‹šƒ —ƒ ‡•ƒ‰‡ —‹–‘ ƒ…•×…‹‘• †‡–‡”‹ƒ–‡• ‘ ˜‹”ƒ” †‡ ’ž‰‹ ƒŽ± †ƒ ˜‡”–‡–‡ ‹†—•–”‹ƒŽ ƒ• †‹”‡…–”‹ †ƒ• ‡•–”ƒ–±‰‹ƒ• ‡ †‹Ÿ‹…ƒ• ƒ†‘’–ƒ†ƒ• –—ƒŽ †‘ ƒ—–‘” †—† —” “Ninguémƒ †ƒ ‡’”‡•ƒ ƒ…‡  ‡š‹•–²…‹ƒ †‡ —ƒ œ‡• †ƒ ˜ƒŽ‘”‹œƒ­ ‘ †‘• ׎‡‘• ’”‘˜‡‹‡ ’‡Žƒ ‡’”‡•ƒ cometeu o maior erro, do que aquele…‡”–ƒ “concorrência desleal” ƒ’‘–ƒ†ƒ –‡• †‘ …‘•—‘ †‘±•–‹…‘ ‡•–‡ …ƒ’‘ • ’”‘Œ‡…–‘• ˆ—–—”‘• †ƒ ‡…‹‘Ž ’ƒ••ƒ que não fez nada, só porque podia fa-’‘” ƒ—‡Ž ƒ”„‘•ƒ ‘ Ž‹…‡…‹ƒ‡–‘ ± ’ƒ”–‹…—Žƒ” ‘ ƒ”–‹…—Žƒ†‘ Ž‡‰ƒŽ †‡ ‹‡ “—‡ ‡ ‰”ƒ†‡ ’ƒ”–‡ ’‡Žƒ †‹˜‡”•‹ ‹…ƒ­ ‘ †‘ zer muito pouco” ‡ ƒ’‡Žƒ ƒ “que sejamƒ ‘’‹‹ ‘ †‘• ‘••‘• ‡–”‡˜‹•–ƒ†‘• ‘ ƒ–± ƒ‘ ‹ƒŽ †‘ ƒ‘ †‡ •‡Œƒ ‹•–ƒ ‡‰×…‹‘ ‘ ”ƒ‘ †ƒ ”‡•–ƒ—”ƒ­ ‘ ‡•–‡ mais sensíveis à reciclagem”†‹ƒ’ƒ• ‘ ’‡Ž‘ “—ƒŽ •‡ ƒ ‹ƒ ’‘” — Žƒ†‘ Žƒ†‘• ‘Ž‡Ù‡• ‡ –‘†‘ ‘ ’ƒÀ• •‡‰—†‘ ƒ •‡–‹†‘ ƒ ‡’”‡•ƒ …‘–ƒ …‘ — ‘˜‘ƒ ”‡…‘ŽŠƒ †‘• ׎‡‘• ƒŽ‹‡–ƒ”‡• —•ƒ†‘• †‡•‹†ƒ†‡ ’‘’—Žƒ…‹‘ƒŽ †‘• —‹…À’‹‘• ƒŽ˜ƒ”ž †‡•†‡ ‘ ’ƒ••ƒ†‘ †‹ƒ †‡ —ŽŠ‘‡ ’‘” ‘—–”‘ ƒ’ו ƒ •—ƒ ˜ƒŽ‘”‹œƒ­ ‘ ‘ ’ƒ”ƒ ”‡…‘ŽŠƒ †‘• ”‡•À†—‘• ”‡•‹†‡…‹ƒ‹• †‡ “—‡ ’‡”‹–‡ ƒ ”‡…‘ŽŠƒ †‡ ”‘ PRODUTOS E‡…ƒ‹Šƒ‡–‘ ’ƒ”ƒ ‘• …‘•—‹†‘ †‡•–‡ –‹’‘ …‘‘ ׎‡‘ ˜‡‰‡–ƒŽ ‘— ƒœ‡‹–‡ ŽŠƒ• †‡ …‘”–‹­ƒ ’Žž•–‹…‘• ‡„ƒŽƒ‰‡• †‡ SERVIÇOS DA RECIOL”‡• ‹ƒ‹• “—‡ • ‘ ƒ •—ƒ ƒ‹‘” ’ƒ”–‡ ‘• ƒ‹• —•ƒ†‘• ƒ …‘ˆ‡…­ ‘ †‡ ƒŽ‹‡ ‡–ƒŽ ‡ …‡”ƒ• ’ƒ”ƒ ƒŽ± †ƒ Ž‹’‡œƒ †‡ :: Limpeza de filtros e motores de exaustão’”‘†—–‘”‡• †‡ „‹‘…‘„—•–À˜‡‹• ƒ—‡Ž –‘• • ”‡•’‘•ž˜‡‹• †ƒ ‡…‹‘Ž ‘”‰—ŽŠƒ ‹Ž–”‘• ‡ ‡…ƒ‹•‘• †‡ ‡šƒ—•– ‘ ž”‡ƒ :: Limpeza de separadores de gorduras ƒ”„‘•ƒ †‡ˆ‡†‡ “—‡ †‡˜‹ƒ Šƒ˜‡” — •‡ †‡ †‹•’‘‹„‹Ž‹œƒ” — •‡”˜‹­‘ ”ž’‹†‘ †ƒ ”‡…‹…Žƒ‰‡ †ƒ• ’ƒ”ƒ ‹ƒ• ± •‡‰—†‘ :: Óleos e gorduras alimentares, recolhas de…‘–”‘Ž‘ ƒ‹• ƒ’‡”–ƒ†‘ ‡ –‘†‘ ‘ ’”‘ ‡ ‡ ‹…‹‡–‡ ’‡”•‘ƒŽ‹œƒ†‘  ‡†‹†ƒ †‡ ƒ—‡Ž ƒ”„‘•ƒ —ƒ ƒ’‘•–ƒ ‡•–”ƒ–±‰‹…ƒ cortiça, garrafas de plástico e latas - Sector…‡••‘ ’‘”“—‡ “não há mercado para …ƒ†ƒ …Ž‹‡–‡ ‘ ‡–ƒ–‘ …”²‡ ‡•– ‘ †ƒ ‡…‹‘Ž ƒ †‹˜‡”•‹ ‹…ƒ­ ‘ †‘ ‡‰×…‹‘ HORECAtanto recolhedor e existem demasia- ‡“—ƒ†”ƒ†‘• — “mercado di ícil” –”ƒ†‹…‹‘ƒŽ •‡†‘ ’‹‘‡‹”ƒ ƒ ‹…‹†‹” ‡
  4. 4. 6.ª EXPO ENERGIAAPREN - ASSOCIAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEISAS ENERGIAS RENOVÁVEIS COMOBASE DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVELA defender o potencial energético renovável desde o ano de 1988, numa época em que a oferta sectorial praticamente se cingia à pro-dução hidroeléctrica, a APREN tem desenvolvido ao longo dos últimos 23 anos um consistente trabalho de estudo e reflexão, alvo dereconhecimento nacional e internacional, como nos refere António Sá da Costa, presidente da direcção. —†ƒ†ƒ ‡ ƒ ± —ƒ ’‘” — Žƒ†‘ ‡ †‡ ƒ–—”‡œƒ ƒ„‹‡–ƒŽF ƒ••‘…‹ƒ­ ‘ •‡ ‹• Ž—…”ƒ–‹˜‘• “—‡ •‡ ƒ’”‡•‡–ƒ …‘ ƒ ˜‹• ‘‡•–”ƒ–±‰‹…ƒ †‡ “coordenar, represen- ’‘” ‘—–”‘ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ ƒ ‹”ƒ “—‡ “hoje em dia, mais de 25 por cento da electricidade con-tar e defender os interesses comuns sumida em Portugal é asseguradados seus membros, dando-lhes uma por produtores independentes comferramenta para a participação no origem em fontes renováveis. Hoje,desenvolvimento de políticas ener- entre centrais eólicas, hídricas e fo-géticas e ambientais relacionados ao tovoltaicas, contamos cerca de trêsuso dos recursos naturais renováveis centenas de centros electroprodu-para a produção de energia eléctrica tores. Nos últimos anos veri icou-seno domínio hídrico e eólico, da bio- uma grande evolução do sector nasmassa e do biogás, solar fotovoltaico, energias renováveis que foi acompa-geotérmico e das ondas e marés” nhado tanto pelos produtores, como
  5. 5. •–‹–—À†ƒ ‡ ‘”–—‰ƒŽ Šž …‡”…ƒ †‡ pelos operadores de rede”. ƒ‘• ƒ ’”‘†—­ ‘ †‡ ‡Ž‡…–”‹…‹†ƒ ‘ ƒ‘ ’ƒ••ƒ†‘ ‘• ’”‘†—–‘”‡• ‹†‡†‡ …‘‡­‘— ’‡Žƒ• …‡–”ƒ‹• Š‹†”‘‡Ž±… ’‡†‡–‡• ‘ Ÿ„‹–‘ †ƒ• ”‡‘˜ž˜‡‹• ‡–”‹…ƒ• ’”‘’”‹‡†ƒ†‡ †‡ …‘’ƒŠ‹ƒ• †ƒ …‘ ‰‡”ƒ­ ‘ ”‡‰‹•–ƒ”ƒ ‘• ƒ‹‘”‡•‹†‡’‡†‡–‡• ƒ…‹‘ƒŽ‹œƒ†ƒ• ƒ’ו À†‹…‡• ƒ…‹‘ƒ‹• †‡ ’”‘†—­ ‘ †‡ ‡‡”‘ †‡ „”‹Ž †‡ ‡ ‹–‡‰”ƒ†ƒ• ƒ ‰‹ƒ …‘ —ƒ “—‘–ƒ †‡ ’‘” …‡–‘‡– ‘ …”‹ƒ†ƒ Ž‡…–”‹…‹†ƒ†‡ †‡ ‘”–—‰ƒŽ •‡‰—‹†ƒ †‡ ’‘” …‡–‘ ƒ ’”‘†—­ ‘“—‡ …Šƒ‘— ƒ–± •‹ ƒ ’”‘†—­ ‘ ‡ †‹• –‡”‘‡Ž±…–”‹…ƒ ‡ †‡ ’‘” …‡–‘ ƒ•–”‹„—‹­ ‘ ‡˜‘…ƒ –א‹‘ ž †ƒ ‘•–ƒ ‰”ƒ†‡• …‡–”ƒ‹• ŠÀ†”‹…ƒ• •‡†‘ “—‡ ƒ•†‡•–ƒ…ƒ†‘ “—‡ “em Maio de 1988 ‹’‘”–ƒ­Ù‡• ”‡’”‡•‡–ƒ ‘ ”‡•–ƒ–‡ ˜ƒfoi liberalizada e aberta à iniciativa Ž‘” “Pela primeira vez no mundo, osprivada a produção de electricidade produtores independentes tiverama partir de pequenas centrais hídri- a maior fatia da produção num país”,cas, até dez Mega Watt, e foi aí que •—„Ž‹Šƒ –א‹‘ ž †ƒ ‘•–ƒ …‹‡–‡ †‘•nós entrámos em acção, em Outubro, ‰ƒŠ‘• ‡‡”‰±–‹…‘• ‡ ƒ„‹‡–ƒ‹• “—‡ –ƒŽinicialmente designados como Asso- ƒ”…ƒ ”‡’”‡•‡–‘— ’‘—…‘ ‡ ’‘—…‘ciação Portuguesa de Mini-Hídricas. ‘• ”‡•’‘•ž˜‡‹• ’‘ŽÀ–‹…‘• …‘ …‘’‡Em 1994 foi aberta ao sector privado –²…‹ƒ• †‡Ž‡‰ƒ†ƒ• ƒ ž”‡ƒ ƒ„‹‡–ƒŽ ‡a produção de electricidade a partir ‘• ƒ…–‹˜‹•–ƒ• †‡ ‘”‰ƒ‹œƒ­Ù‡•  ‘ ‰‘de outras fontes e passámos a desig- António Sá da Costa, Presidente da Direcção ˜‡”ƒ‡–ƒ‹• Ž‹‰ƒ†ƒ• ƒ‘ ƒ„‹‡–‡ –²nar-nos por Associação de Energias ’‡”…‡„‹†‘ ‘• ’‡“—‡‘• ‹’ƒ…–‡• †ƒ•Renováveis”. –‡ …‘‘ ‘„ wer Association (ESHA) e passámos a apresenta”. ‹‹ ŠÀ†”‹…ƒ• “Temos um conjunto deŒ‡…–‹˜‘• ’‘” — Žƒ†‘ †‡„ƒ–‡” ‹–‡”ƒ iliar-nos nas associações europeias –א‹‘ ž †ƒ ‘•–ƒ ”‡‰‹•–ƒ “o cresci- ‘opinion-makers’ no seio do Conselho‡–‡ ‘• ’”‘„Ž‡ƒ• “—‡ ƒ ’”‘†—­ ‘ das diferentes tecnologias energéti- mento fenomenal de energia eólica Geral da APREN que têm estudado‹†‡’‡†‡–‡ †‡ ‡Ž‡…–”‹…‹†ƒ†‡ ƒ ’ƒ”–‹” cas, algumas com características de nos últimos 20 anos” ‡ ”‡ˆ‡”‡ “—‡ “ao profundamente os grandes temas†‡ ˆ‘–‡• ”‡‘˜ž˜‡‹• –‡ ‡ ’‘” ‘—–”‘ cúpula”, †‡•–ƒ…ƒ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡… longo da última década, houve uma energéticos, contribuindo de uma•‡” — ’‘”–ƒ ˜‘œ †‘• ’”‘†—–‘”‡• Œ—–‘ ­ ‘ †ƒ ƒ…”‡•…‡–ƒ†‘ “Consi- mudança signi icativa na forma como forma decisiva para a disseminação†ƒ• –—–‡Žƒ• ‹‹•–‡”‹ƒ‹• †ƒ ‡…‘‘‹ƒ ‡ derámos, por outro lado, que tam- os recursos de produção eléctrica, e de informação temática ao grande†‘ ƒ„‹‡–‡ bém tínhamos um importante papel a própria energia, foram encarados público. Embora os centros elec-“Com o passar do tempo diversi icá- a desenvolver junto da sociedade, pelos decisores políticos, pelos espe- troprodutores sejam privados, estamos a nossa actuação, no sentido de que era o dar a conhecer ao grande cialistas da indústria e pelo público questão das energias renováveis é doganhar massa crítica. Fomos funda- público as diferentes formas de pro- em geral, pela consciência da susten- domínio público”, ƒ–‡•–ƒ ‘ ’”‡•‹†‡–‡dores, em 1989, da primeira associa- duzir electricidade através de fontes tabilidade que apresentavam”. ‘• †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ ƒ…”‡•…‡–ƒ†‘ção europeia das pequenas centrais renováveis, bem os bene ícios e os …‹‡–‡ †‘• …‘•–”ƒ‰‹‡–‘•  ’”‘†— “Todos temos de sentir os bene ícioshídricas, a European Small Hydropo- inconvenientes que cada uma delas ­ ‘ ‹†‡’‡†‡–‡ †‡ ‘”†‡ –±…‹…ƒ das energias renováveis, porque este
  6. 6. APREN - Estudo da RolandBergertipo de produção de electricidade uma vez que no ano passado foram –‡”‹ƒ” –א‹‘ ž †ƒ ‘•–ƒ †‡‹šƒ — ƒ …—”–‘ ‡ ƒ ±†‹‘ ’”ƒœ‘ — ’ƒÀ• ƒ‹•aporta importantes vantagens, no- importados menos 520 milhões de †‡•ƒ ‹‘ ‡Œƒ‘• ‡ ‹…‹‡–‡• ƒ —–‹Ž‹œƒ ‹†‡’‡†‡–‡ ‡ …‘’‡–‹–‹˜‘ ‘ …ƒ’‘meadamente ambientais, evitando a euros de combustíveis fósseis, um ­ ‘ †ƒ ‡‡”‰‹ƒ ‡ ƒ’”‘˜‡‹–‡‘• ‘• ‘• ‡‡”‰±–‹…‘ •‡ …‘–‹—ƒ”‘• ƒ ƒ’‘•–ƒ”importação de combustíveis fósseis número que espero que chegue aos •‘• ”‡…—”•‘• ’ƒ”ƒ ’”‘†—œ‹” ‡Ž‡…–”‹…‹†ƒ ƒ• ‡‡”‰‹ƒ• ”‡‘˜ž˜‡‹• …‘‘ –‡ •‹†‘(gás natural e carvão), e económicos, 650 milhões de euros este ano”. †‡ ’‘”“—‡ ‡•–ƒ‘• ƒ –‘”ƒ” ‘”–—‰ƒŽ ‘ ‘••‘ †‡•À‰‹‘
  7. 7. 6.ª EXPO ENERGIA | PAÍS POSITIVO INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO | PAÍS POSITIVO 14ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA ENERGIAPENSAR UM SECTOR EM MUDANÇACriada em 1985, com o objectivo de promover, por um lado, o debate e a reflexão sobre o sector da energia, na sua globalidade, e, por outro, degarantir a representação nacional no Conselho Mundial de Energia, a Associação Portuguesa da Energia (APE) congrega as principais empresasportuguesas da área energética, bem como um conjunto de outras instituições e personalidades, em torno da inovação e da competitividade, comonos revela Jorge Cruz Morais, presidente da direcção, em representação da EDP – Energias de Portugal, S.A. ± —ƒ ‹•–‹–—‹­ ‘ ’”‹˜ƒ†ƒ ‡ ‘”–—‰ƒŽ ‡”•’‡…–‹˜ƒ †‡ “—‡ ƒ —–‹Ž‹A †‡ —–‹Ž‹†ƒ†‡ ’ï„Ž‹…ƒ •‡ ‹• Ž— …”ƒ–‹˜‘• “—‡ †‡•‡˜‘Ž˜‡ Šž —“—ƒ”–‘ †‡ •±…—Ž‘ —ƒ ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ …‘• œƒ “—‡ ƒƒŽ‹•ƒ ‘ •‡…–‘” †ƒ ‡‡”‰‹ƒ ˜‹•–‘ †‘ Žƒ†‘ †‘ …‘•—‹†‘” “O que izemos foi questionar os consumidores em–ƒ–‡ ‘• ˜ž”‹‘• †‘À‹‘• †ƒ ‡‡”‰‹ƒ temas estruturantes como a liberali-†ƒ ˆ‘–‡  …‘‡”…‹ƒŽ‹œƒ­ ‘ —ƒ Ž×‰‹…ƒ zação do mercado eléctrico, os preços†‡ ˜ƒŽ‘”‹œƒ­ ‘ ‡ †‡ •—•–‡–ƒ„‹Ž‹†ƒ†‡ e os critérios de escolha dos fornece-
  8. 8. –‡‰”ƒ ƒ ƒ• ‰”ƒ†‡• ‡’”‡•ƒ• dores, de entre outras questões”, …‘‡‡”‰±–‹…ƒ• ƒ…‹‘ƒ‹• ‡ ‘—–”ƒ• †‡ ‡‘” …”‡–‹œƒ†‹‡• ‘ „‡ …‘‘ — …‘Œ—–‘ †‡ ‡ ‘„”‡ ƒ• ‰”ƒ†‡• “—‡•–Ù‡• ‰Ž‘„ƒ‹• ‡–‹†ƒ†‡• †‡ …ƒ”ž…–‡” ƒ••‘…‹ƒ–‹˜‘ ‡ †‘ •‡… †‡„ƒ–‡ …—Œƒ …‘•…‹²…‹ƒ ƒ†˜± †ƒ ˆ‘”–‡–‘” ‡’”‡•ƒ”‹ƒŽ †‘ •–ƒ†‘ “—‡ –”ƒ„ƒŽŠƒ ƒ”–‹…—Žƒ­ ‘ …‘ ‘ ‘•‡ŽŠ‘ —†‹ƒŽ †‡†‹”‡…–ƒ ‘— ‹†‹”‡…–ƒ‡–‡ …‘ ‘ •‡…–‘” ‡”‰‹ƒ ‘”‰‡ ”—œ ‘”ƒ‹• ‡•…Žƒ”‡…‡ “—‡†ƒ ‡‡”‰‹ƒ ’”‡˜² ƒ ’‘••‹„‹Ž‹†ƒ†‡ “o sector energético vive uma profun-†‡ ƒ…‘ŽŠ‡” ƒ••‘…‹ƒ†‘• ‹†‹˜‹†—ƒ‹• “—‡ –‡ da transformação a nível mundial, semŠƒ ’”‡•–ƒ†‘ •‡”˜‹­‘• ”‡Ž‡˜ƒ–‡• ’ƒ”ƒ precedentes nas últimas décadas, ten-‘ •‡…–‘” ‡‡”‰±–‹…‘ ‡ ‘”–—‰ƒŽ …‘–”‹ do perdido a estabilidade que mante-„—‹†‘ ’ƒ”ƒ ƒ …”‹ƒ­ ‘ ‡ †‹˜—Ž‰ƒ­ ‘ ‰Ž‘ ve até há relativamente pouco tempo.„ƒŽ †‡ …‘Š‡…‹‡–‘ “Assumimo-nos Os factores de instabilidade estão re- Jorge Cruz Morais, Presidente da Direcçãocomo interlocutores de Portugal no lacionados com o aumento dos consu- Conselho Mundial de Energia, nome- mos, por um lado, e pelas emissões de adamente nos encontros mundiais, dióxido de carbono (CO2), por outro. fazemos a divulgação dos estudos dos Se analisarmos o período entre 1970 nossos associados e participamos em e 2010, constatamos que o consumo grupos de trabalho dedicados a diver- de energia mais do que duplicou no sas áreas do sector energético”, ƒ ‹”ƒ mundo, e estima-se que entre 2010 e ‘”‰‡ ”—œ ‘”ƒ‹• 2050 ele possa duplicar novamente. ‹•–‹–—‹­ ‘ †‡ ˆ×”—• †‡ †‹•…—•• ‘ ± Este cenário é incompatível com a mi- —ƒ ƒ”…ƒ †ƒ ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ †ƒ “—‡ tigação das emissões de CO2. O preço ‘”‰ƒ‹œƒ —ƒ ‘— †—ƒ• …‘ˆ‡”²…‹ƒ• ƒ— dos combustíveis fósseis vai aumen- ƒ‹• †‡†‹…ƒ†ƒ• ƒ –‡ƒ• ”‡Žƒ…‹‘ƒ†‘• …‘ tar por força da pressão da procura, ‘ •‡…–‘” ‡‡”‰±–‹…‘ “Levámos a cabo no entanto não a podemos deixar au- uma grande conferência sobre ener- mentar a um ritmo desenfreado, por- gia nuclear e uma sobre inovação no que não se pode pensar nos recursos sector energético, que constituíram como sendo inesgotáveis. É neste sen- uma referência. Criámos, igualmente, tido que é importante implementar os ‘encontros de im de tarde’, uma soluções de e iciência energética, po- iniciativa recente que permite abor- tenciar as energias renováveis e elec- dar questões mais concretas do sec- tri icar consumos para descarbonizar tor, no desdobramento dos grandes o sector, optando, por exemplo, por temas em agenda. Planeamos, regu- automóveis eléctricos”. ‹‡–‡ †‡ “—‡ larmente, almoços-debate, em que ‡•–ƒ• “—‡•–Ù‡• ‡˜‘Ž˜‡ —ƒ ˜‡”–‡–‡ convidamos uma grande personalida- …‘’‘”–ƒ‡–ƒŽ ‡ ‘—–”ƒ –‡…‘Ž×‰‹…ƒ “—‡ de como orador, tal como aconteceu, ‡š‹‰‡ ‹˜‡•–‹‡–‘ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹ recentemente, com um dos autores de ”‡…­ ‘ †ƒ ƒ••‡˜‡”ƒ “—‡ ‘ †‡„ƒ–‡ †‘• um estudo previsional da evolução do Ž‹‹–‡• †ƒ ’”‘†—­ ‘ ‡†‹ƒ–‡ ƒ •—•–‡ sector energético até 2050, solicitado –ƒ„‹Ž‹†ƒ†‡ ‡‡”‰±–‹…ƒ ± — †‡„ƒ–‡ ˆ‡‹–‘ pela União Europeia e realizado pela …‘ ’ƒ‹š ‘ ‡ “—‡ ˜‹˜‡‘• — —†‘ McKinsey Company e pela Kema, –‡…‘Ž×‰‹…‘ ƒ —†ƒ” †‡‹šƒ†‘ — †‡•ƒ duas consultoras de referência”, †‡• ‹‘ “Vamos utilizar melhor a energia, –ƒ…ƒ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ ƒ”ƒŽ‡Žƒ porque quanto melhor o izermos, ‡–‡ ƒ ”‡ƒŽ‹œƒ — …‘Œ—–‘ †‡ ‹‹ mais contribuímos para a competiti- …‹ƒ–‹˜ƒ• †‡ ‹˜‡•–‹‰ƒ­ ‘ †‘• “—ƒ‹• ‘”‰‡ vidade de todos, como pessoas, famí- ”—œ ‘”ƒ‹• ‡˜‘…ƒ ‘ ‡•–—†‘ ‡”‰‹ƒ lias e empresas”.
  9. 9. 6.ª EXPO ENERGIA | PAÍS POSITIVO INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO | PAÍS POSITIVO 16WAVE ENERGY CENTREAFIRMANDO O POTENCIAL DASENERGIAS RENOVÁVEIS AQUÁTICASO Centro de Energia das Ondas - Wave Energy Centre (WavEC) é uma associação sem fins lucrativos fundada em 2003, vocacionada para o desen-volvimento e promoção da energia das ondas e de outras fontes de energia renováveis ‘offshore’, como nos revela António Sarmento, director, queanuncia, ainda, as bases e o posicionamento do projecto Aqua-RET2, centrado na divulgação das energias renováveis em meio marinho e fluvial. •’‹”ƒ†‘’‡Žƒ˜‘…ƒ­ ‘ƒ”À–‹ƒ†‡‘”–— –”—–—”ƒ–‡• ƒ ‡‡”‰‹ƒ †ƒ• ‘†ƒ• ‘• ’ƒ”“—‡• ”‡ˆ‡”‡ –א‹‘ ƒ”‡–‘ †ƒ†‘ ƒ …‘Š‡…‡”I ‰ƒŽ “—‡’”‘…—”ƒ‘˜ƒ•ˆ‘”ƒ•†‡•‡˜‘Ž–ƒ” ’ƒ”ƒ ‘ ‹‡•‘ …‡ƒ‘ –ŽŸ–‹…‘ “—‡ ‘ƒ„”ƒ­ƒ ‘ ƒ˜ ƒ’‘•–ƒ ƒ ‘’­ ‘ –‡…‘Ž×‰‹ ‡×Ž‹…‘• ‘ˆˆ•Š‘”‡ ˆŽ—–—ƒ–‡• ‹•–ƒŽƒ†‘•‘ƒ” ‡ ƒ …”‹ƒ­ ‘ †‡ ƒ…”‘ƒŽ‰ƒ• ‡ ƒ„‹‡–‡ ƒ ”‹Š‘ ’ƒ”ƒ ƒ ’”‘†—­ ‘ †‡ „‹‘…‘„—•–À˜‡‹• ‘—–”ƒ ƒ’‘•–ƒ †‘ ƒ˜ “Vamos dar os pri- meiros passos numa tecnologia que está a nascer, que é a criação de macroalgas para…ƒ ƒ •‡“—²…‹ƒ †‡ —ƒ ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ †‡ Ž‘‰‘ …—Œ‘•’”‹‡‹”‘•’ƒ••‘•‡•– ‘ƒ•‡”†ƒ†‘•‡•–‡ a produção de biocombustíveis, uma área…—”•‘ ‘ ‡•–—†‘ †ƒ• ‡‡”‰‹ƒ• ”‡‘˜ž˜‡‹• “—‡ ‘‡–‘ ƒ˜ ’”‡•–ƒ — …‘Œ—–‘ ‹–‡ que nos parece francamente interessante,˜‹Šƒ •‡†‘ †‡•‡˜‘Ž˜‹†ƒ ‘
  10. 10. •–‹–—–‘ —’‡ ‰”ƒ†‘†‡•‡”˜‹­‘•ƒ‡–‹†ƒ†‡•‡‡’”‡•ƒ• “—‡ dada a sustentabilidade que apresenta”‹‘” ±…‹…‘ †‡•†‡ “À medida que o •‡ †‡•†‘„”ƒ ‡ •‡‹• ž”‡ƒ• †‡ –”ƒ„ƒŽŠ‘ ‡… em termos energéticos e ambientais” ‘tempo foi passando e as empresas mani- ‘Ž‘‰‹ƒ ‘•—Ž–ƒ†‘”‹ƒ
  11. 11. ‘˜ƒ­ ‘ —±”‹…ƒ Ÿ„‹–‘ †‡ ‡•–—†‘• …‘•–ƒ–‡• Šž “—‡•–Ù‡•festaram interesse nesta área, evoluindo „‹‡–‡ ‘ŽÀ–‹…ƒ• ‹…ƒ• ‡ …‘‘‹ƒ ‹• –”ƒ•˜‡”•ƒ‹• †‡ˆ‹‹†ƒ• …‘‘ ‡•–”—–—”ƒ–‡•para a produção de protótipos, sentimos a •‡‹ƒ­ ‘ ‡ ”‡‹‘ ’”‹‡‹”‘ †‡’ƒ”–ƒ‡ ’ƒ”ƒ ƒ Ž‘…ƒŽ‹œƒ­ ‘ †‘• †‹•’‘•‹–‹˜‘• …‘‘ ƒnecessidade de estabelecer parcerias com –‘ ’—”ƒ‡–‡ –‡…‘Ž×‰‹…‘ ƒ„ƒ”…ƒ ƒ ˜‡”–‡–‡ †‹•’‘‹„‹Ž‹†ƒ†‡ †‡ †‹•–”‹„—‹­ ‘ ‡Ž±…–”‹…ƒ ƒas mesmas, por um lado para as conscien- ‘’‡”ƒ–‹˜ƒ ‡ †‡ ƒ—–‡­ ‘ †‡ ’”‘–×–‹’‘• …‘•–ƒ ƒ ’”‘ˆ—†‹†ƒ†‡ †ƒ• ž‰—ƒ• ‡ ƒ ’”‘š‹‹ António Sarmento, Director do WavECcializar da oportunidade que aparecia na ˆƒœ‡†‘ ƒ ‘’‡”ƒ­ ‘ †ƒ …‡–”ƒŽ †‡ ‡‡”‰‹ƒ †ƒ• †ƒ†‡ †‡ ’‘”–‘• ‡ ‡•–ƒŽ‡‹”‘• “—‡ …‘…‡–”‡área, e, por outro, conseguir desenvolver go, inovação e produção de energia” ƒˆ‹” ‘†ƒ• ƒ ‹ŽŠƒ ƒ­‘”‹ƒƒ †‘ ‹…‘ ’”‘’”‹‡†ƒ†‡ ‡‹‘• †‡ ƒ’‘‹‘ • ‡•–”—–—”ƒ• Ž‘…ƒŽ‹œƒ†ƒ• ƒ‘alguns projectos em conjunto. O nosso ƒ –א‹‘ƒ”‡–‘ †‘ ƒ˜ Temos vindo a manter em fun- Žƒ”‰‘ “A nossa aposta no mar não se fazobjectivo é fazer o que for necessário para ƒ˜ ƒ‰Ž—–‹ƒ ƒ •—ƒ ‡•–”—–—”ƒ ‘ …‘–”‹ cionamento esta central de demonstração, sem um tecido empresarial forte centra-que um dia haja uma indústria de energia „—–‘ †‡ ‘œ‡ ‡’”‡•ƒ• ‡ †‡ –”²• ‹•–‹–—‹­Ù‡• integralmente construída com tecnologia do nas operações, prestação de serviçosdas ondas, que aporte criação de empre- †‡
  12. 12. ‡–‘”‘†‡–”²•ž”‡ƒ•‡…‘×‹…ƒ•‡• portuguesa, para demonstrar que é pos- e fornecimento de componentes” †‡ˆ‡†‡ sível produzir energia a partir das ondas” –א‹‘ƒ”‡–‘ †ƒ†‘“—‡“as energias re- …‡”–‹ˆ‹…ƒ‘†‹”‡…–‘” ƒž”‡ƒ†ƒ ‘•—Ž–ƒ†‘”‹ƒ ‘ nováveis ‘offshore’ se desenvolvem à volta ƒ˜ †‡•‡˜‘Ž˜‡ ‡•–—†‘• ‡•–”ƒ–±‰‹…‘• ’ƒ”ƒ de três eixos, que Portugal já definiu como ‡’”‡•ƒ• ƒ‘ À˜‡Ž –‡…‘Ž×‰‹…‘ ‡ ‡…‘×‹…‘ prioritários – a inovação, a energia, o mar — ƒ•’‡…–‘ “—‡ ± ‹‰—ƒŽ‡–‡ ‡š’Ž‘”ƒ†‘ ‘ e a exportação. Temos de medir a oportu- †‡’ƒ”–ƒ‡–‘ †‡
  13. 13. ‘˜ƒ­ ‘ —±”‹…ƒ ‘†‡ nidade, contra o custo e contra o risco” • ‘ ”‡ƒŽ‹œƒ†‘• –”ƒ„ƒŽŠ‘• †‡ …‘•—Ž–ƒ†‘”‹ƒ ‡ †‡ •‹—Žƒ­ ‘ †‡ †‹•’‘•‹–‹˜‘• †‡ ‡‡”‰‹ƒ †ƒ• UMA VISÃO DO PROJECTO ‘†ƒ• ‘ …ƒ’‘ †‘ „‹‡–‡ ‘ ƒ˜ †‡ AQUA-RET2 •‡˜‘Ž˜‡ ‹‰—ƒŽ‡–‡ ‡•–—†‘•†‡‹’ƒ…–‡ƒ „‹‡–ƒŽ „ƒ•‡ƒ†‘• ‡ „‹„Ž‹‘‰”ƒˆ‹ƒ ‡ Ž‡‰‹•Žƒ­ ‘ ‡ ‡–”‡ ˜ž”‹‘• ’”‘Œ‡…–‘• ‘ “—ƒŽ ‘ ƒ˜ ƒ„‹‡–ƒŽ „‡ …‘‘ ‘‹–‘”‹œƒ­ ‘ Ž‹‰ƒ†ƒ ’ƒ”–‹…‹’ƒ — ‡•’‡…‹ƒŽ ˆ‘…‘ ’ƒ”ƒ ‘ ’”‘Œ‡…–‘ ‘‡ƒ†ƒ‡–‡  ƒ…ï•–‹…ƒ •—„ƒ”‹ƒ ž”‡ƒ “—ƒ ™™™ƒ“—ƒ”‡–…‘ “—‡ ’”‡ †ƒ•‘ŽÀ–‹…ƒ•ï„Ž‹…ƒ•‡ …‘‘‹ƒƒ„ƒ”…ƒ‘‡• –‡†‡ †ƒ” …‘–‹—‹†ƒ†‡  †‹••‡‹ƒ­ ‘ ‡ –—†‘ †‘• …—•–‘• ‡ ƒ ‹†‡–‹ˆ‹…ƒ­ ‘ †‡ „ƒ””‡‹”ƒ• ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡• †‡ –”ƒ•ˆ‡”²…‹ƒ †‡ –‡…‘Ž‘‰‹ƒ ‘  ‹•–ƒŽƒ­ ‘ †‡ ‡‡”‰‹ƒ• ”‡‘˜ž˜‡‹• ‘ˆˆ•Š‘”‡ •‡…–‘”†ƒ•‡‡”‰‹ƒ•”‡‘˜ž˜‡‹•ƒ“—ž–‹…ƒ• ’ƒ”ƒ ƒ˜ƒŽ‹ƒ†‘ ƒ ˆ‘”ƒ …‘‘ ’‘†‡” ‘ •‡” ‹–‹‰ƒ •–ƒ‡Š‘Ž†‡”• ‡‹–‡”˜‡‹‡–‡•†‘•‡…–‘”‡‡” †ƒ• ‹ƒŽ‡–‡ ‘‰”—’‘†‡–”ƒ„ƒŽŠ‘…‡–”ƒ†‘ ‰±–‹…‘ ”‡ƒŽ‹œƒ†ƒ•‘Ÿ„‹–‘†‘’”‘Œ‡…–‘ “—ƒ ƒ ‹••‡‹ƒ­ ‘ ‡ ”‡‹‘ ’”‘…—”ƒ …Šƒƒ” ‹‹…‹ƒŽ ’”‘Œ‡…–‘ “—ƒ ‡˜‘Ž˜‡ ƒ ƒ–‡­ ‘ †‘ •–ƒ†‘ ‡ †‘• …‹†ƒ† ‘• ’ƒ”ƒ ƒ• •‡‹• ’ƒ”…‡‹”‘• ‡—”‘’‡—• ‡ ±ˆ‹ƒ…‹ƒ†‘ ’‡Žƒ ‘’‘”–—‹†ƒ†‡• ‡…‘×‹…ƒ• “—‡ •—”‰‡ ‘ ‹‹…‹ƒ–‹˜ƒ ‡‘ƒ”†‘ †ƒ ‹…‹ ’”‘‘˜‹†ƒ ’‡Žƒ Ÿ„‹–‘ †ƒ• ‘˜ƒ• –‡…‘Ž‘‰‹ƒ• †‡ ’”‘†—­ ‘ †‡ ‹ ‘ —”‘’‡‹ƒ ƒ‘ ƒ„”‹‰‘ †‘ ”‘‰”ƒƒ †‡ ‡‡”‰‹ƒ ’”‡†‹œƒ‰‡ ƒ‘ ‘‰‘ †ƒ ‹†ƒ ‘ ’ƒ••ƒ†‘ ƒ˜ …‘‡­‘—’‘”‡•–—†ƒ”ƒ•‘†ƒ• …Š‡ †‹ƒ †‡‡–‡„”‘–‡˜‡Ž—‰ƒ” ƒƒ†‡‹”ƒ— ‰ƒ†‘  …‘…Ž—• ‘ “—‡ ƒ• …‘•–ƒ• ƒ”À–‹ƒ• †‘• …—”•‘• †‡•‡˜‘Ž˜‹†‘• ’‘” ‡•–‡ ’”‘Œ‡…–‘ ƒ…‹‘ƒ‹• –² ƒ‹• ‡‡”‰‹ƒ ‘ ‘”–‡ ‡ ‡ ‡–‹–—Žƒ†‘ Environmental Assessment ‹ ˜‘Ž˜‡ ƒ…–—ƒŽ‡–‡ ƒ ƒžŽ‹•‡ †ƒ ’”‘†—­ ‘ ‡×Ž‹ ‹•–”ƒ†‘ ’‡Žƒ ‡“—‹’ƒ †‡ ƒ„‹‡–‡ †‘ ƒ˜ …ƒ ‘ˆˆ•Š‘”‡ ˆŽ—–—ƒ–‡ –‡†‘ …‘•–‹–—À†‘ ‘ ‡Ž‘ ‡ …‘Žƒ„‘”ƒ­ ‘ …‘ ‘ ’ƒ”…‡‹”‘ “—ƒ–‡”ƒ †‡ Ž‹‰ƒ­ ‘ ‡–”‡ ƒ ‡’”‡•ƒ “—‡ ’”‘†—œ ‡•–‡ †‘ ‡‹‘ ‹†‘ “—‡ …‘–‘— …‘ …‡”…ƒ †‡ –‹’‘†‡–‡…‘Ž‘‰‹ƒ‡ƒ ‘‡’”‡‡†‹‡ ’ƒ”–‹…‹’ƒ–‡• ƒ—†‹²…‹ƒ †‘ …—”•‘ ‹…Ž—‹— –‘ “—‡ ƒ ‡’”‡•ƒ †‡–± ƒ‘ Žƒ”‰‘ †ƒ ט‘ƒ †‡ ’”‘‘–‘”‡• ”‡‰—Žƒ†‘”‡• …‘•—Ž–‘”‡• †‡ ƒ ƒ”œ‹ “No estudo que realizámos a pedi- „‹‡–‡ ‡ ‘—–”ƒ• ‡–‹†ƒ†‡• ‡˜‘Ž˜‹†ƒ• ‘— ‹ do da EDP identificámos um potencial de , –‡”‡••ƒ†ƒ• ‘ •‡…–‘” †ƒ• ‡‡”‰‹ƒ• ”‡‘˜ž˜‡‹• crescimento desse sector na nossa costa” ƒ”‹Šƒ•
  14. 14. CJR WINDO VENTO COMO ALIADO DA INOVAÇÃO CONSTANTEHerdeira de um percurso de sucesso, trilhado pelo Grupo CJR no aluguer de equipamentos pesados, desde 1971, ao qual se veio juntar a actividadede construção, no ano de 1993, a CJR Wind nasceu em 2002, fruto de uma estratégia corporativa orientada para o sector das energias renováveis,como nos revela Paulo Silva, director desta empresa que abre, a partir de Guimarães, as suas portas a Portugal e ao mundo.“E m 2002 surgiu a oportuni- na óptica de um serviço «chave na mão» margem de progressão e já pensámos dade de entrarmos, pela pri- ”, ˜ƒŽ‘”‹œƒ ‘ †‹”‡…–‘” †ƒ ‹† em avançar para a área da energia solar”. meira vez, na construção de “O nosso objectivo de curto prazo é soli- ‹ƒŽ‹œƒ” ‘ ‘••‘ ‡–”‡˜‹•–ƒ†‘ †‡‹šƒ —ƒum parque eólico, um empreendimento di icar as nossas posições nos mercados ‡•ƒ‰‡ …Žƒ”ƒ “Temo-nos queixado, eque estava muito relacionado, ao nível de externos, onde estamos presentes desde acho que com legitimidade, em relaçãoinfra-estruturas, com o nosso ‘know-how’, 2005. Vamos estar sempre atentos e dis- à falta de apoios à internacionalização.nomeadamente ao nível da construção poníveis para abraçar novos desa ios, Somos uma PME ainda de cariz familiarde caminhos de acesso, fundações e obras como o que tivemos oportunidade de e toda a nossa experiência internacionalenvolventes de cariz técnico”, ‡˜‘…ƒ ƒ—Ž‘ concretizar na Jamaica, no ano passado, tem resultado, unicamente, da nossa‹Ž˜ƒ ”‡ˆ‡”‹†‘ “—‡ ‡••ƒ ‹–‡”˜‡­ ‘ ‘ ’ƒ” dando corpo a novos projectos, alguns aprendizagem, do esforço técnico e i-“—‡ ‡×Ž‹…‘ †‘ Ž–‘ †‘ ƒŽ‡ˆ‡ …‘–”ƒ–—ƒŽ‹œƒ†ƒ em fase avançada de negociação, no Chi- nanceiro da empresa, bem como da de-…‘ ƒ ˆ‘‹ ‹†‡–‹ˆ‹…ƒ†ƒ …‘‘ ‘ ’ƒ†” ‘ †‡ le, Uruguai, Paraguai, Guatemala, Costa dicação de todos os colaboradores, que—ƒ ‘˜ƒ ‘’‘”–—‹†ƒ†‡ †‡ ‡‰×…‹‘ “Veri- Rica e um pouco por toda a América têm sido incansáveis. Eu penso que emficámos que existia margem de progres- Central e Latina”, ’‡”•’‡…–‹˜ƒ ƒ—Ž‘ ‹Ž˜ƒ Portugal não se presta a atenção devidasão, numa época em que Portugal deu o …‹‡–‡ †‡ “—‡ “na energia eólica, Portugal a empresas como nós, a quem, os em-salto no campo da energia eólica, desta- Paulo Silva, Director da CJR Wind já atingiu o pico de desenvolvimento. preendimentos têm corrido de formacando-se de outros países, em termos de que foram os mercados da Europa de Les- Existe obra a fazer, mas já numa pers- positiva, aportando valor acrescentadopotência instalada e de outras inovações”, te que começaram a despontar para as pectiva descendente, tal como sucede aos projectos realizados dentro e fora deƒ…”‡•…‡–ƒ ‡’‘‹•†‡•–‡’”‘Œ‡…–‘ ƒ ‹† questões da energia renovável e da ener- em Espanha. Neste sentido, estamos a Portugal e gerando riqueza para o país.…‘•–”—‹— —ƒ •±”‹‡ †‡ ’ƒ”“—‡• ‡×Ž‹…‘• ‡ gia eólica. Assumimo-los como prioritá- disponibilizar o serviço de operação e É importante que se olhe com atenção‘”–—‰ƒŽ‡ƒƒ…–‹˜‹†ƒ†‡–‘”‘— •‡†‡–ƒŽ‘†‘ rios e mantemos a nossa representação, manutenção, um mercado que garante para estes exemplos”.‹’‘”–ƒ–‡ ‘ ”—’‘ “—‡ ƒ ‡•–”—–—”ƒ dado que constituem uma plataforma…‘”’‘”ƒ–‹˜ƒ •‡ ”ƒ‹ˆ‹…‘— ‡ †—ƒ• ž”‡ƒ• ƒ de interlocução com outros mercados de…‘•–”—­ ‘ …‹˜‹Ž ‰‡”ƒŽ ‡ ƒ …‘•–”—­ ‘ †‡ ’ƒ” proximidade, onde poderemos a vir de-“—‡• ‡×Ž‹…‘• “—‡ ”‡•’‘†‡ ƒ…–—ƒŽ‡–‡ ’‘” senvolver projectos”, ƒˆ‹”ƒ ƒ—Ž‘ ‹Ž˜ƒ “Já ’‘” …‡–‘ †‘ ˜‘Ž—‡ †‡ ‡‰×…‹‘• este ano, iniciámos a actividade no Brasil, ƒ’‘•–ƒ ‘• ‡”…ƒ†‘• ‡š–‡”‘• ˆ‘‹ †‡–‡” onde abrimos escritórios em Fortaleza,‹ƒ–‡ ‘ …”‡•…‹‡–‘ †ƒ ‡’”‡•ƒ “Em por ser um mercado com um enorme2005, concretizámos a nossa primeira potencial de crescimento”, •—„Ž‹Šƒexperiência internacional, na República —‡•–‹‘ƒ†‘ •‘„”‡ ‘ ˆƒ…–‘” †‡ †‹ˆ‡”‡…‹ƒ­ ‘Dominicana, fruto de uma rede de con- †ƒ ‹† — ‡”…ƒ†‘ – ‘ …‘’‡–‹–‹˜‘tactos que fomos estabelecendo desde ƒ—Ž‘ ‹Ž˜ƒ ± ’”ƒ‰ž–‹…‘ ‡ ”‡ˆ‘”­ƒ ƒ …—Ž–—”ƒ2002, com os maiores fabricantes de ‡’”‡•ƒ”‹ƒŽ ƒŽ‹…‡”­ƒ†ƒ ƒ •‘Ž‹†‡œ ”‹‰‘” ‡equipamentos e com empresas promo- –”ƒ•’ƒ”²…‹ƒ „‡ …‘‘ ƒ …ƒ’ƒ…‹†ƒ†‡ †‡toras, como a EDP Renováveis. Aprende- ‹–‡‰”ƒ­ ‘ †‡ •‡”˜‹­‘• “Na análise da nos-mos muito, o que nos deu incentivo para sa obra inaugural, em que apenas nosavançar com novos empreendimentos no limitámos à construção de infra-estru-exterior”, …‘–ƒ ‘ †‹”‡…–‘” ”‡˜‡Žƒ†‘ “—‡ ƒ turas, identi icámos, estrategicamente, a ‹†…‘‡­‘— ‡ ƒˆƒœ‡”‡•–—†‘• necessidade de alguns clientes terem um†‡‡”…ƒ†‘‡ •’ƒŠƒ ‘†‡ƒ„”‹——ƒ”‡ serviço mais completo. Em 2007, criámos’”‡•‡–ƒ­ ‘ †ƒ†‘ ‘ ‰”ƒ†‡ ’‘–‡…‹ƒŽ ƒ’”‡ na empresa, com ‘know-how’ interno, a•‡–ƒ†‘ ’‡Ž‘ ’ƒÀ• ƒ ž”‡ƒ †ƒ ‡‡”‰‹ƒ ‡×Ž‹…ƒ actividade de construção eléctrica, que“Em 2007 e 2008, respectivamente, abri- não era uma área tradicional do Grupomos escritórios na Polónia e na Roménia, CJR. Já este ano, criámos uma nova valên- cia - a construção electromecânica dos FACTOS DA CJR WIND A RETER... aerogeradores. Nesta curva de desenvol-:: 1000 MW de potência instalada em par- vimento, desde 2002 até hoje, passámosques eólicos construídos pela empresa em de uma empresa que apenas fazia cons-todo o mundo (cerca de um quarto de toda trução civil a um prestador de serviçosa potência instalada em Portugal). de referência, quer a nível nacional, quer:: Adjudicação de 50 por cento dos 400 MW a nível internacional, oferecendo aosde potência a instalar no consórcio de refe- nossos clientes desde a engenharia derência da GALP . desenvolvimento de projecto até à liga-:: Projectos a decorrer na Roménia (para aEDP Renováveis) e na Polónia. ção dos aerogeradores à rede, passando pela construção de obra civil e eléctrica,
  15. 15. ACTUALIDADE MOBILIÁRIO INDÚSTRIA DE | PAÍS POSITIVO| PAÍS POSITIVO 24 AcreditaçãoIPAI – INSTITUTO PORTUGUÊS DE AUDITORIA INTERNAPELA INTEGRIDADEÀ LUZ DAS BOAS PRÁTICASEvocando a missão e os valores do Instituto Português de Auditoria Interna (IPAI), ao longo de quase 20 anos, apresidente da direcção, Fátima Geada, e os vice-presidentes, Francisco Albino e Nuno Oliveira, antevêem nestaentrevista a XVIII Conferência Anual do IPAI, que se realizará em Lisboa, no próximo dia 17 de Novembro, sob osigno de um mundo em transfiguração.“O Instituto Português de Auditoria Interna é uma associação profissionalsem fins lucrativos que procura aglu-tinar os profissionais de auditoria,nas suas diˆerentes valências” …‘‡­ƒ’‘” ƒ ‹”ƒ” ž–‹ƒ ‡ƒ†ƒ …‘…”‡–‹œƒ†‘“—‡ “o IPAI tem tentado dar resposta aestas exigências, organizando-se emnúcleos direccionados para vertentesprofissionais muito específicas, inte-grantes do sector financeiro, ao nívelda auditoria interna, ‘compliance’e análise de risco, do sector públicoadministrativo e empresarial, dostransportes, nas áreas de regulaçãoe inˆra-estruturas, e dos sistemas deinˆormação. Temos pautado a nossaactividade em três vertentes ˆunda-mentais: a interlocução e a interacçãocom as empresas e com os profissio-nais da auditoria, a disseminação nosector público, envolvendo quer aárea administrativa, quer o sector em-presarial do Estado, e a colaboraçãocom diversas instituições do ensinosuperior” ‘•…‹‡–‡ †ƒ ‡˜‘Ž—­ ‘ ’‘•‹–‹˜ƒ “—‡ ƒ ƒ—†‹–‘”‹ƒ –‡ ‡”‡…‹†‘ ‘ •‡‹‘ Fátima Geada, presidente (ao centro), Francisco Albino (à esquerda) e Nuno Oliveira, vice-presidentes do IPAI†ƒ• ‘”‰ƒ‹œƒ­Ù‡• ƒ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †‘
  16. 16. †ž ‘• …‘–ƒ “—‡ ƒ• ‡’”‡•ƒ•’ï„Ž‹…ƒ• –² ˜‹†‘ ƒ ƒ••—‹” —ƒ ’”‡‘ †‡ –‡ — –À–—Ž‘ “—‡ ž–‹ƒ ‡ƒ†ƒ Por um lado são desafios profissionais ƒ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘…—’ƒ­ ‘ ƒ…”‡•…‹†ƒ …‘ ƒ ž”‡ƒ ‡ …‘•‹†‡”ƒ …‘•‹†‡”ƒ ƒ’‡Žƒ–‹˜‘ Œž “—‡ …‘‘ ”‡˜‡Žƒ proˆundos, em que precisamos de es-“—‡ ‘ ‡•–ƒ„‡Ž‡…‹‡–‘ †‡ ’”‘–‘…‘Ž‘• …‘ ‘ –‡”‘ turbulência ˆ‘‹ —‹–‘ †‹•…—–‹†‘ tar em permanente ˆormação para A IMPORTÂNCIA DO—‹˜‡”•‹†ƒ†‡• ’ï„Ž‹…ƒ• ‡ ’”‹˜ƒ†ƒ• ˜ƒ‹ ‘ ‡ ‡Ž‡‹–‘ ’ƒ”ƒ †‡‘•–”ƒ” …‘…”‡–ƒ‡ tentar responder eficazmente ao que CONHECIMENTO E•‡–‹†‘ †‡ †ƒ” …‘–‹—‹†ƒ†‡  ‹•–‹–—‹­ ‘ –‡ ƒ …‘Œ—–—”ƒ “—‡ ‡•–ž ƒ •‡” ˜‹˜‹†ƒ nos é pedido, por outro, estamos com DA CERTIFICAÇÃO‡  ’”‘ ‹•• ‘ ƒ ג–‹…ƒ †ƒ …‘•…‹‡…‹ƒŽ‹ “Não é apenas um ciclo de mudança, desafios de grande compactação e deœƒ­ ‘ nem de articulações pontuais, é um restrições de custo muito grandes por ž — Ž‡ƒ †‘
  17. 17. “—‡ ± ‘ ƒ’”‡†‡” período de transˆormação proˆunda. parte das organizações, o que é per- ’‡Žƒ ’ƒ”–‹ŽŠƒ “Nas conˆerências queAUSCULTAR O SECTOR Desde aquilo que são as nossas regu- ˆeitamente compreensível na situação organizamos temos sempre a preocu-E DEFINIR ESTRATÉGIAS lamentações mais próximas, até ao em que nos encontramos. Há ainda pação de que os vários conhecimentos que representa a envolvente externa uma grande exigência por parte dos e as várias ˆormas de actuar no merca-
  18. 18. ‘ˆ‡”²…‹ƒ —ƒŽ †‘
  19. 19. •—„‘” e de âmbito económico que gravita à stakeholders e dos shareholders. Temos do, nas diˆerentes áreas, nos permita†‹ƒ†ƒ ƒ‘ –‡ƒ • †‡•ƒ ‹‘• †ƒ ƒ—†‹–‘”‹ƒ nossa volta. Enquanto auditores, esta- que arranjar ˆormas de tentar respon- ter uma partilha eficaz, numa lógica‹–‡”ƒ — —†‘ ‡ –—”„—Ž²…‹ƒ “—‡ mos a deparar-nos com desafios que der, ˆazendo muito mais, com muito de replicação de boas práticas” …‡”–‹–‡”ž Ž—‰ƒ” ‡ ‹•„‘ƒ ƒ †‡ ‘˜‡„”‘ são de uma dimensão, diria, colossal. menos, o que não tem sido ˆácil” ‡š’Ù‡ ‹…ƒ ž–‹ƒ ‡ƒ†ƒ “Este aspecto leva-
  20. 20. nos a outra ligação importante, que é transversalidade” ƒ ‹”ƒ ƒ ’”‡•‹†‡–‡o ˆacto de o IPAI ser o representante †ƒ †‹”‡…­ ‘ ”ƒ…‹•…‘ Ž„‹‘ †‡•–ƒ…ƒem Portugal do Institute oˆ Internal ƒ‹†ƒ ‘ ˆƒ…–‘ †‡ ‘
  21. 21. ‹–‡‰”ƒ” ƒ ‘ˆ‡†‡Auditors (IIA), a organização mun- ”ƒ­ ‘ —”‘’‡‹ƒ †‡
  22. 22. •–‹–—–‘• †‡ —†‹–‘”‹ƒdial de reˆerência do sector. Como tal,
  23. 23. –‡”ƒ ƒ
  24. 24. ‘“—‡…‘•–‹–—‹—ƒƒ‹•pautamo-nos sempre por uma pre- ˜ƒŽ‹ƒ †‡ ‘–‘”‹‡†ƒ†‡ †ƒ†‘ “—‡ •‡‰—†‘ocupação muito grande com aquilo ‘ ˜‹…‡ ’”‡•‹†‡–‡ ‡•–ƒ ‘”‰ƒ‹œƒ­ ‘ –‡que são as boas práticas da profissão †‡•‡˜‘Ž˜‹†‘ “um trabalho notável dee a utilização das normas profissio- lobbying junto das instituições euro-nais que eˆectivamente estão aceites peias para promover a auditoria in-pelos organismos profissionais que terna, tornando-a obrigatória nalgunsregulamentam a profissão” ƒ…”‡•…‡ casos e recomendada noutros, segun-–ƒ ž”‡ƒ †ƒ ˆ‘”ƒ­ ‘ –‡ •‹†‘ — †‘• do os ˆactores de risco das entidades a˜‡…–‘”‡• ˆ—†ƒ‡–ƒ‹• †ƒ ƒ…–‹˜‹†ƒ†‡ †‘ auditar” ˜‹…‡ ’”‡•‹†‡–‡ ‡—…‹ƒ ƒ‹
  25. 25. ‘ “—‡ ‘• Ž‡˜ƒ ƒ –‡” — ’Žƒ‘ †‡ ˆ‘” †ƒ ƒ –À–—Ž‘ †‡ …—”‹‘•‹†ƒ†‡ “—‡ ƒ †ƒ–ƒ †‡ƒ­ ‘ ƒ—ƒŽ …‘ ƒ…­Ù‡• †‹”‡……‹‘ƒ†ƒ• ”‡ƒŽ‹œƒ­ ‘ †ƒ …‘ˆ‡”²…‹ƒ ƒ—ƒŽ †‘
  26. 26. ƒ’ƒ”ƒ ‘• †‹˜‡”•‘• ï…Ž‡‘• †ƒ ƒ—†‹–‘”‹ƒ †‡ ‘˜‡„”‘ †‡•–‡ ƒ‘ …‘‹…‹†‡ …‘“Nessas acções de ˆormação privile- ‘• ƒ‘• †‘ Institute of Internal Audi-giamos sempre, mais uma vez, as boas tors ‡ ’‘” …‘•‡‰—‹–‡ …‘ ‘ •‡’–—ƒ‰±•‹práticas, nas suas múltiplas vertentes, ‘ ƒ‹˜‡”•ž”‹‘ †ƒ ’”‘ ‹•• ‘ ”‡…‘Š‡…‹†ƒquer ao nível dos grandes temas re- …‘ –ƒŽ †‡•†‡presentativos de núcleos específicosdo mercado, como as metodologias de ESTRATÉGIAS DE FUTUROauditoria e amostragem, quer as situ-ações mais transversais e dinâmicas, “Estamos muito centrados no desen-alargadamente discutidas em ˆóruns, volvimento dos núcleos profissionaiscomo a qualidade em auditoria e a que estão constituídos no IPAI, por-certificação da profissão” •—„Ž‹Šƒ ž que é no âmbito destes que se pre-–‹ƒ ‡ƒ†ƒ tende dar uma resposta directa aos ”ƒ…‹•…‘ Ž„‹‘ ˜‹…‡ ’”‡•‹†‡–‡ ‡ — diˆerentes sectores de actividade. Hᆑ• ˆ—†ƒ†‘”‡• †‘
  27. 27. †‡•–ƒ…ƒ “—‡ ‡•–ƒ um ˆoco muito importante que é, cada’”‘ ‹•• ‘ ‡•–ž •—Œ‡‹–ƒ ƒ …‡”–‹ ‹…ƒ­ ‘ ’”‘ ‹• vez mais, a divulgação da certificação•‹‘ƒŽ ‡•–‡ …ƒ•‘ †‡ À˜‡Ž —†‹ƒŽ …‘ dos gabinetes e das direcções de au-…‡†‹†ƒ ’‡Ž‘ Institute of Internal Auditors ditoria, para além do âmbito da cer-“Promovemos cursos de preparação tificação dos auditores. Neste campo,para que os auditores internos portu- a colaboração com as universidadesgueses possam aceder a esses exames. tem sido ˆulcral e tanto pode passarTemos tido um sucesso assinalável e por colaborações de especialistas emtemos tido entre nós, todos os anos, auditoria na definição de programasum proˆessor americano, que ˆaz uma de pós-graduações e mestrados, comoˆormação de uma semana inteira de por situações mais abrangentes, comopreparação específica para a obtenção a disseminação de conhecimentos es-dessa certificação. Já temos em Portu- truturados que vão permitir ter o IPAIgal mais de cem auditores certificados aberto para o ˆuturo” ’‡”•’‡…–‹˜ƒ ž–‹por via do IIA. É um marco importante, ƒ ‡ƒ†ƒ ‘” •‡— –—”‘ ”ƒ…‹•…‘ Ž„‹embora ainda tenhamos um longo ca- ‘ ‡—…‹ƒ “—‡ Šž –‡ƒ• “—‡ ‡”‡…‡minho a percorrer” ƒ ‹”ƒ …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• ƒ ƒ–‡­ ‘ †‘
  28. 28. Ž‹‰ƒ†‘•‡…‘”†ƒ†‘ ƒ ˆ—†ƒ­ ‘ †ƒ ‹•–‹–—‹­ ‘ •‘„”‡–—†‘  ‰‡•– ‘ †‡ ”‹•…‘ ‡ …‘–‡š–‘ ”ƒ…‹•…‘ Ž„‹‘ ƒ ‹”ƒ “—‡ “o IPAI co- †‡ ƒ–‡…‹’ƒ­ ‘ †‡ ’”‘„Ž‡ƒ• „‡ …‘‘meçou com dez associados e hoje tem  corporate governance ‡ ƒ‘• ‘˜‘• †‡840, um número que ao fim de quase •ƒ ‹‘• †ƒ ‹–‡‰”ƒ­ ‘ †ƒ ƒ—†‹–‘”‹ƒ ‘ •‡‹‘vinte anos é de relevar” …‘‘ ƒ–‡•–ƒ †ƒ• ‡’”‡•ƒ• —ƒ ƒžŽ‹•‡ …‘–À—ƒ ‡ ž–‹ƒ ‡ƒ†ƒ “—‡ ’‘” •‡— –—”‘ †‡• –‘”‘ †ƒ ‹†‡’‡†²…‹ƒ †‘• ƒ—†‹–‘”‡•–ƒ…ƒ  ‘ •× ƒ †‹‡• ‘ ƒ• –ƒ„± ƒ “—‡ –‡ •‹†‘ †‡•‡˜‘Ž˜‹†ƒ ‡ ’ƒ”–‹…—Žƒ”†‹˜‡”•‹†ƒ†‡ “No IPAI temos presentes ’‡Ž‘
  29. 29. •–‹–—–‘ ‘”–—‰—²• †‡ ‘”’‘”ƒ–‡profissionais das diˆerentes áreas da ‘˜‡”ƒ…‡ ‡–‹†ƒ†‡ …‘ “—‡ ‘
  30. 30. auditoria, o que garante uma grande –‡ —ƒ ’ƒ”…‡”‹ƒ
  31. 31. ACTUALIDADE| PAÍS POSITIVO INDÚSTRIA DE MOBILIÁRIO | PAÍS POSITIVO 28CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIONAVEGANDO POR MARES DEINCERTEZA SEM PERDER A ESPERANÇALamentando a maior crise de sempre vivida na construção civil, sem vislumbre de reversão a curto prazo, Reis Campos, presidente dadirecção da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) destaca, ainda assim, o facto de o sector representar 18,6por cento do Produto Interno Bruto (PIB) e congregar cerca de 200 mil empresas, responsáveis pela colocação de 780 mil colaboradores,que o tornam o maior empregador privado, apesar de já ter perdido 220 mil postos de trabalho desde 2002. Reis Campos, Presidente da Direcção …‡ž”‹‘  ‘ ’‘†‹ƒ •‡” ƒ‹•  ‘ ƒ˜ƒ­ƒ ’ƒ”ƒ ‘˜ƒ• ‘„”ƒ• ‡ †‡‘”ƒ ‡–ƒ –‡ ƒ••‡–ƒ†‘ ‘ ˆ‡×‡‘ †‡O tor que, já de si, atravessa sérias difi- †‡•ƒ‹ƒ†‘” •‡…–‘” †ƒ …‘• ƒ ’ƒ‰ƒ” ƒ• ‹–‡”˜‡­Ù‡• Œž …‘…Ž—À†ƒ• ƒ†—Ž–‡”ƒ­ ‘ †‘• ’”‡­‘• “—‡ • ‘ “—ƒ•‡ culdades” …‘•‹†‡”ƒ ‡‹• ƒ’‘• –”—­ ‘ …‹˜‹Ž –‡ ’‡”†‹†‘ ƒ‘ –‘–ƒŽ‹œƒ†‘ ‡•–‡ ‘‡–‘ —ƒ †À˜‹†ƒ •‡’”‡ ”‡˜‹•–‘• ‡ „ƒ‹šƒ ‡ ”‡Žƒ­ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ
  32. 32. †‡ˆ‡Ž‘‰‘ †ƒ ‹ƒ †±…ƒ†ƒ …‹…‘ ‡’”‡•ƒ• †‡ ‹ŽŠÙ‡• †‡ ‡—”‘• • …‘•–”—–‘”ƒ• ƒ‘• ˜ƒŽ‘”‡• †‡ ”‡ˆ‡”²…‹ƒ “—ƒ†‘ …Š‡‰ƒ †‡ “—‡ ƒ ”‡ƒ„‹Ž‹–ƒ­ ‘ —”„ƒƒ †‡˜‡ •‡”‡ –”ƒ„ƒŽŠƒ†‘”‡• ’‘” †‹ƒ —ƒ ”‡ƒŽ‹ ‹Ž †‘• “—ƒ‹• †‡˜‹†‘• ’‡Žƒ• ƒ—–ƒ” ƒ Š‘”ƒ †ƒ• …ƒ†‹†ƒ–—”ƒ• ƒ …‘…—”•‘• “O —ƒ ’”‹‘”‹†ƒ†‡ ƒ…‹‘ƒŽ ƒ ג–‹…ƒ †ƒ†ƒ†‡ †‡˜‹†ƒ —‹–‘ ‡ ’ƒ”–‡  ‡•…ƒ••‡œ “—‹ƒ• ‡ ‹Ž †ƒ ”‡•’‘•ƒ„‹Ž‹†ƒ†‡ †ƒ Código dos Contratos Públicos está ’”×’”‹ƒ ”‡˜‹–ƒŽ‹œƒ­ ‘ †‘ •‡…–‘” †ƒ …‘•†‡ ‘„”ƒ• †‘ •‡…–‘” ’ï„Ž‹…‘ •–ƒ†‘ ƒ†‹‹•–”ƒ­ ‘ …‡–”ƒŽ ƒ ‘—–”ƒ –‘” desˆasado e agrava a crise de um sec- –”—­ ‘ …‹˜‹Ž ‘ ‡–ƒ–‘ ƒ’‘–ƒ Šž ˜ž”‹‘•
  33. 33. ˆƒ…–‘”‡• “—‡ †‡•‘„‹Ž‹œƒ ƒ …‘…”‡–‹œƒ­ ‘ †‡••‡ †‡•À‰‹‘ ‘‡ƒ†ƒ‡–‡ƒ• …ƒ”ƒ…–‡”À•–‹…ƒ• †ƒ ’”‘’”‹‡†ƒ†‡ ƒ Ž‡‰‹•Žƒ­ ‘ ƒ ‹•…ƒŽ‹†ƒ†‡ ƒ „—”‘…”ƒ…‹ƒ †ƒ•‡–‹†ƒ†‡• ‡˜‘Ž˜‹†ƒ• ‡ ƒ ‹‡š‹•–²…‹ƒ †‡— …‘’‡–‹–‹˜‘ ‡”…ƒ†‘ †‡ ƒ””‡†ƒ‡–‘ “As propriedades são detidas,a nível nacional, por 80 por cento dapopulação. Somos mesmo, no planoeuropeu, o segundo país com menorregisto de arrendamento, a seguir aEspanha” ‡•…Žƒ”‡…‡ ‡‹• ƒ’‘• …‘•‹†‡”ƒ “—‡ •‡”‹ƒ †‡•‡Œž˜‡Ž …”‹ƒ” —ƒ ƒ‰‡†ƒ †‡ ”‡˜‹• ‘ †ƒ ‡‹ †‘ ””‡†ƒ‡–‘ˆ‘‡–ƒ†‘ ƒ ƒ–”ƒ…­ ‘ †‡ ‹˜‡•–‹‡–‘’”‹˜ƒ†‘ …‘ „‡‡ À…‹‘• ‹•…ƒ‹• ‡ ‡‘•…ƒ”‰ƒ ƒ†‹‹•–”ƒ–‹˜ƒ –”ƒ†—œ‹†ƒ ƒ †‡•„—”‘…”ƒ–‹œƒ­ ‘ ‡ˆ‡…–‹˜ƒ †‘• ’”‘…‡••‘• ‘•…‹‡–‡ †‡ “—‡ ƒ ”‡ƒ„‹Ž‹–ƒ­ ‘ —”„ƒƒ…ƒ’–ƒ ’‘” …‡–‘ †ƒ  ‘ †‡ ‘„”ƒ ‘‘••‘ ‡–”‡˜‹•–ƒ†‘ ƒ ‹”ƒ “—‡ ‘ ‹’‘”–ƒ–‡ ‡•–‡ ‘‡–‘ ± †‡ ‹‹” …‘ “—‡†‹Š‡‹”‘ ± “—‡ •‡ ’‘†‡”ž ‡ˆ‡…–‹˜ƒ” ‡••‡†‡•À‰‹‘ Œž “—‡ …‘‘ ‡˜‘…ƒ “está porutilizar dois terços do financiamentodo Quadro de Reˆerência EstratégicoNacional, um montante que ascendea 15 milhões de euros, num sectorque representa 28 milhões de eu-ros e que garantiria trabalho para14 anos” ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ
  34. 34. ‹˜‘…ƒ ƒ …‘ ‹ƒ­ƒ ‡ ‘ ‹–‡”‡••‡ ƒ”‡ƒ„‹Ž‹–ƒ­ ‘ —”„ƒƒ …‘‘ …Šƒ˜‡• ’ƒ”ƒƒ ”‡˜‡”• ‘ †ƒ …”‹•‡ †ƒ …‘•–”—­ ‘ …‹˜‹Ž “As propriedades são detidas, a nível nacional,‡ ƒ’‘–ƒ ‘ †‡•À‰‹‘ †ƒ ƒ—–‡­ ‘ †‡ ‹Ž ‡’”‡‰‘• „ƒ•‡ƒ†‘• ‡•–ƒ• por 80 por cento da população. Somos mesmo, no‹–‡”˜‡­Ù‡• …‘–ƒ†‘ ’ƒ”ƒ –ƒŽ …‘—ƒ „ƒ•‡ †‡ ‹Ž ’‘•–‘• †‡ –”ƒ„ƒŽŠ‘ plano europeu, o segundo país com menor registo’‘–‡…‹ƒŽ‡–‡ ƒˆ‡…–‘•  ”‡ƒ„‹Ž‹–ƒ­ ‘ de arrendamento, a seguir a Espanha”—”„ƒƒ ‰‡—Àƒ •‡†‘ ‘• ”‡•–ƒ–‡• ƒ„•‘”˜‹†‘• ’‘” ‘„”ƒ• ’ï„Ž‹…ƒ• ‡˜‘Ž˜‡–‡• …‘’Ž‡‡–ƒ”‡• ‡ †‡ ’”‘š‹‹†ƒ†‡‘‡ƒ†ƒ‡–‡ ƒ‘ À˜‡Ž †‡ ƒ—–‡­ ‘†‡ ‡†‹ À…‹‘• ‡ †‡ ‹ˆ”ƒ ‡•–”—–—”ƒ• …‘‘‘ •ƒ‡ƒ‡–‘ „ž•‹…‘ •‡• ‘†‡ •‡ …‡–”ƒ ‘• ƒ‹‘”‡• ‹˜‡•–‹ nem acarinhada, precisamente neste rial que demorou décadas a atingir a ‹–‡”ƒ…‹‘ƒŽ‹œƒ­ ‘ ± ‡…ƒ”ƒ†ƒ …‘ ‡–‘• ”‡•’‘†‡ ’‘” ’‘” …‡–‘ †‘ sector que é o único que, mesmo não excelência que tem” Žƒ‡–ƒ  ‘ †‡‹‡š’‡…–ƒ–‹˜ƒ ’‡Ž‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ ˜‘Ž—‡ †‡ ‡‰×…‹‘• ‹–‡”ƒ…‹‘ƒŽ ‡ • ‘ estando mal, representa uma espe- šƒ†‘ †‡ ƒ’‘–ƒ” …”À–‹…ƒ• ƒ‘ ”­ƒ‡†ƒ
  35. 35.  ‘ ˜‘Ž—‡ †‡ ‡‰×…‹‘• •‡‰—‹†‘• ’‡Ž‘• ‡”…ƒ†‘• †‘ ‘”–‡ †‡ rança” –‘ †‡ •–ƒ†‘ †‡ “—‡ •‡ ƒ˜‹œ‹Šƒ‘ ‡š–‡”‹‘” ‡”ƒ †‡ ‹ŽŠÙ‡• †‡ ‡—”‘• ˆ”‹…ƒ —”‘’ƒ †‡ ‡•–‡ ‡ ”ƒ•‹Ž ‘†‡ •‡ ‘Ž–ƒ†‘ ƒ‘ ’ƒ‘”ƒƒ ƒ…‹‘ƒŽ ‘ ‡ “—‡  ‘ •× †‡‹šƒ “o ˆuturo adiado”‡‰—†‘ †ƒ†‘• †‘ ƒ‘ ’ƒ••ƒ†‘ ‘ ˜ƒŽ‘” –² …‘…‡–”ƒ†‘ …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• ƒ’‘•–ƒ• ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ
  36. 36. ‡‹• …‘‘ — ‰”ƒ†‡ •‡–‹‡–‘ †‡ ˜ƒœ‹‘•‹–—‘— •‡ ƒ ‘”†‡ †‘• ‹Ž ‹ŽŠÙ‡• ‘”–—‰ƒŽ ± ‡•‘ ‘ •‡‰—†‘ ’ƒÀ• …‘ ƒ’‘• ‡…ƒ”ƒ †‡ ˆ‘”ƒ ’”ƒ‰ž–‹…ƒ “Não há uma perspectiva segura de†‡ ‡—”‘• ‡•–‡ “—ƒ†”‘ ‘ •‡…–‘” †ƒ ƒ‹• ’”‡•‡­ƒ ‡ ˆ”‹…ƒ ‘‡ƒ†ƒ‡ ƒ• …‘•‡“—²…‹ƒ• †‘ †‡•‹˜‡•–‹‡–‘ evolução, porque não existe planea-…‘•–”—­ ‘ ‡ †‘ ‹‘„‹Ž‹ž”‹‘ ”‡’”‡•‡–ƒ –‡ ‘ ‘”–‡ ƒ ”‡‰‹ ‘ †‘ ƒ‰”‡„‡ ’‡ ”‡‰‹•–ƒ†‘ ‘ •‡…–‘” †ƒ …‘•–”—­ ‘ ‡ †‘ mento”, reitera, a finalizar, ciente de ’‘” …‡–‘ †ƒ• ‡š’‘”–ƒ­Ù‡• ‡ ± „‡ •ƒ” †‡•–‡ …‡ž”‹‘ †‡ ƒŽ‰— ‘’–‹‹•‘ ‹‘„‹Ž‹ž”‹‘ “—‡ ”‡†—†ƒ ‡ ‰ƒ„‹ que “ˆalta clarificação da estratégia‡ ‹…‹ƒ†‘ ’‘” †—ƒ• ”‡ˆ‡”²…‹ƒ• ‹…‘–‘” ‡‹• ƒ’‘• …‘•‹†‡”ƒ “—‡ “a diplo- ‡–‡• †‡ ƒ”“—‹–‡…–—”ƒ ‡ †‡ ‡‰‡Šƒ”‹ƒ do Governo e não se afiguram medi-ž˜‡‹• ƒ ‡š…‡Ž²…‹ƒ †ƒ ‡‰‡Šƒ”‹ƒ ’‘” macia económica não está disposta, ’ƒ”ƒ†‘• —ƒ ‹…‡”–‡œƒ ’”‘ˆ—†ƒ †‘• das orientadoras do crescimento e–—‰—‡•ƒ ”‡…‘Š‡…‹†ƒ ƒŽ± ˆ”‘–‡‹”ƒ• ‡ da ˆorma desejável, a responder ao ˆƒ„”‹…ƒ–‡• †‡ ƒ–‡”‹ƒ‹• ‡ ƒ …”א‹…ƒ do emprego, essenciais à retoma doƒ •‘Ž‹†‡œ †ƒ• ‡’”‡•ƒ• ƒ…‹‘ƒ‹• ‘ desejo de abrir os mercados. A inter- ˆƒŽ–ƒ †‡ ‘„”ƒ• “Vivemos, a cada dia, nosso sector e de toda a Economia‡š–‡”‹‘” ‰‘Žƒ ‡ ‘­ƒ„‹“—‡ ‘• ’ƒÀ nacionalização não é bem tratada, a destruição de um tecido empresa- nacional”.
  37. 37. PSOPORTUGAL - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA PSORÍASE«O PRECONCEITO É FILHO DA IGNORÂNCIA»Evocativo de uma das crónicas do saudoso escritor inglês William Hazlitt, o título desta entrevista traduz o estigma social sentido pelos doentes compsoríase, fruto do desconhecimento de uma patologia que não tem cura, mas tem tratamento, que não contagia, mas atormenta e que não mata,mas mói. ”‹ƒ†ƒ ’‘” — …‘Œ—–‘ †‡ †‘‡C nomeadamente os de clínica geral, que –‡• ’•‘”Àƒ…‘• ‘ ƒ‘ †‡ ƒ são, muitas vezes, quem toma o pri- ••‘…‹ƒ­ ‘ ‘”–—‰—‡•ƒ †ƒ •‘” meiro contacto com os doentes psorí-Àƒ•‡ ‘”–—‰ƒŽ –‡ ƒ ‘„”‡ ‹•• ‘ acos” …‘•‹†‡”ƒ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘†‡ “divulgar uma doença crónica que †ƒ ‘”–—‰ƒŽresulta de uma desordem sistémica e –‡”ƒ’²—–‹…ƒ †ƒ ’•‘”Àƒ•‡ “—‡ –‡ ˜‹†‘auto-imune que se maniˆesta no maior ƒ ”‡‰‹•–ƒ” …‘–”‹„—–‘• ƒ••‹ƒŽž˜‡‹• ‘• ïŽórgão do nosso corpo, a pele, lutando –‹‘• ƒ‘• ƒ••‡–ƒ ’ƒ”ƒ ƒŽ± †‘• ‡†‹contra o preconceito associado às pes- …ƒ‡–‘• –”ƒ†‹…‹‘ƒ‹• ‡ –”ƒ–ƒ‡–‘• †‡soas que padecem desta patologia” …‘ ˆ‘–‘–‡”ƒ’‹ƒ …‘„‹ƒ†‘• ‘—  ‘ …‘ ˆž”‡­ƒ ’‘” ƒ ‹”ƒ” À–‘” ƒ‹ ‘ ’”‡•‹†‡–‡ ƒ…‘• ƒ ƒ†‹‹•–”ƒ­ ‘ †‡ ‡†‹…ƒ‡†ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ ‘”–—‰ƒŽ ’•‘”Àƒ•‡ –‘• „‹‘Ž×‰‹…‘• ‹‘˜ƒ†‘”‡• —‹–‘ ‘‡”‘± ƒ ‘’‹‹ ‘ †‘ ‘••‘ ‡–”‡˜‹•–ƒ†‘ —ƒ •‘• ‡ †‹•’‡•ƒ†‘• ƒ’‡ƒ• ’‘” ˆƒ”ž…‹ƒ•“doença democrática” “—‡  ‘ ‡•…‘ŽŠ‡ Š‘•’‹–ƒŽƒ”‡• ‡ ƒ ƒ’Ž‹…ƒ­ ‘ –×’‹…ƒ †‡ ƒ—‹†ƒ†‡ ‡ •‡š‘ ‡ “—‡ ƒ ˆƒŽ–ƒ †‡ ‡•–ƒ–À• š‹Ž‹ƒ”‡• –‡”ƒ’²—–‹…‘• …‘‘ …Šƒ’Ø• ’‘–‹…ƒ• ‘ ‹…‹ƒ‹• •‡ ’”‡˜² “—‡ ƒˆ‡…–‡ …‡”…ƒ †‡ ƒ†ƒ• ‡ ‰‡Ž‡• …‘•‹†‡”ƒ†‘• …‘•±–‹…‘• ‹Ž ’‘”–—‰—‡•‡• ‡ –ƒšƒ†‘• ƒ „ƒ•‡ ‘”ƒŽ †‡
  38. 38. ƒ…‡ 
  39. 39. –‡‰”ƒ†‘ ƒ• …‘‡‘”ƒ­Ù‡• †‘ ‹ƒ — ƒ…–—ƒŽ …‘Œ—–—”ƒ ‡…‘×‹…‘ ‹ƒ…‡‹”ƒ†‹ƒŽ †ƒ •‘”Àƒ•‡ ”‡ƒŽ‹œ‘— •‡ ‡ ž–‹ƒ À–‘” ƒ‹ ‘ ”‡…‡‹ƒ “—‡ •‡Œƒ Ž‡˜ƒ–ƒ†‘•‘ ‘–‡Ž ‹“—‡–‡ž”‹‘ ‘ ’ƒ••ƒ†‘ †‹ƒ ’‡Ž‘ •–ƒ†‘ “entraves económicos na †‡ ‘˜‡„”‘ †‡ ‘ …‘–”‘ dispensa dos medicamentos bioló-ƒ…‹‘ƒŽ †ƒ ‘”–—‰ƒŽ •‘„ ‘ Ž‡ƒ ƒ gicos, num país que regista a menor‘• ˆƒŽƒ” †‡ ’•‘”Àƒ•‡ ‡ –‘ƒ” ‡†‹†ƒ• aplicação de tratamentos biológicos‹•–‘”‹…ƒ‡–‡ ‘ ‡˜‡–‘ ‡–”‡…”—œƒ — da psoríase na Europa” ‡ …‘•‹†‡”ƒ “—‡…‘Œ—–‘ †‡ …‘–”‹„—–‘• …‹‡–À ‹…‘• ‡ ‘”‰ƒ “seria desejável a definição de ‘plaˆon-‹œƒ…‹‘ƒ‹• “—‡ ƒ‹• —ƒ ˜‡œ ˆ‘”ƒ –‹†‘• ds’ na compra de auxiliares terapêuti-‡ ‰”ƒ†‡ …‘–ƒ …‘‘ †‡•–ƒ…‘— ‘ ’”‡•‹ cos, segundo o grau de incidência da†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒ ‘”–—‰ƒŽ ‹‡–‡ patologia nos doentes”†ƒ• …‘“—‹•–ƒ• †‘• ‹‘• ƒ‘• …‘‘ ‘ –‡”‹ƒ” ‘ ’”‡•‹†‡–‡ †ƒ †‹”‡…­ ‘ †ƒˆƒ…–‘ †‡ ‘• ‡†‹…ƒ‡–‘• –×’‹…‘• –‡”‡ ‘”–—‰ƒŽ ƒ—…‹ƒ ƒ ‡š‹•–²…‹ƒ †‡ —ƒ•‹†‘ …‘’ƒ”–‹…‹’ƒ†‘• ‡ ’‘” …‡–‘ Ž‹Šƒ –‡Ž‡ˆ×‹…ƒ †‡ ƒ’‘‹‘ ’ƒ”ƒ ‡…ƒ‹Šƒ Š‘Œ‡ ’‘” …‡–‘ ’‡Ž‘ •–ƒ†‘ ‡ ƒ‹‘ ‡–‘ ‡‘…‹‘ƒŽ ƒ •×…‹‘• ‡ †‘‡–‡• “—‡†‡ À–‘” ƒ‹ ‘ †‡•‡Œƒ “—‡ ƒ ’•‘” ˆ—…‹‘ƒ ƒ ’‡”•’‡…–‹˜ƒ †‡ —ƒ …‘—‹Àƒ•‡ •‡Œƒ ‡ ‹ ”‡…‘Š‡…‹†ƒ …‘‘ —ƒ …ƒ­ ‘ …‘•–ƒ–‡ “—‡ À–‘” ƒ‹ ‘ …‘•‹†‡”ƒ†‘‡­ƒ …”א‹…ƒ …‘ ƒ• …‘•‡“—²…‹ƒ• •‡” ‡••‡…‹ƒŽ ‡•–ƒ„‡Ž‡…‡” …‘ ƒ •‘…‹‡†ƒ†‡’‘•‹–‹˜ƒ• “—‡ –ƒŽ †‡…‹• ‘ ƒ…ƒ””‡–ƒ”‹ƒ ’ƒ”ƒ  ‘ •× ’‘”“—‡ ‘ •‹Ž²…‹‘ ‡••‡ •‹ ± —ƒ “—ƒŽ‹†ƒ†‡ †‡ ˜‹†ƒ †‡ —‹–‘• †‘‡–‡• †‘• ƒ‹‘”‡• ˆƒ…–‘”‡• †‡ •—‹…À†‹‘ ‡ ‹†ƒ†‡‘‡ƒ†ƒ‡–‡ ‘ ƒ…‡••‘ ’”‹‘”‹–ž”‹‘ ƒ Œ‘˜‡ ƒ• –ƒ„± ’‘”“—‡ “o doente de…—‹†ƒ†‘• †‡ •ƒï†‡ “É muito importante psoríase tem de dar a cara pela doença.estabelecer uma comunicação eˆecti- Sentimos muito mas não contagiamos.va e de proximidade com os médicos, Vítor Baião, Presidente da Direcção da PSOPortugal Contagioso é o preconceito”
  40. 40. VINHOS E AZEITESAZEITES ALENTEJANOSUMA LENDÁRIA E ANCESTRALTRADIÇÃO NA BUSCA DO MELHOR SABOR«Quem tem olivais tem vinha, quem tem vinha tem azeite…» ‡ †‡ Ž‘‰‡ ‡•–‡ ƒ†ž‰‹‘ ’‘’— •‘Ž‘ ˆ‡…—†‘ ‡ …Ž‹ƒ ’”‘’À…‹‘ ’ƒŽƒ˜”ƒ ƒ‘ ƒ†˜‡–‘ †‡ —ƒ …—Ž–—”ƒ –‡†‡…‹ƒŽV Žƒ” “—‡ •‡ ƒ’Ž‹…ƒ ƒ ’‡”ˆ‡‹­ ‘ ƒ‘ Ž‡–‡Œ‘ –‡””ƒ †‡ „‘• ƒœ‡‹–‡•‡ †‡ „‘• ˜‹Š‘• ’”‘†—–‘• “—‡ • ‘ ƒ ƒœ‡‹–‡ ± Œ—•–ƒ‡–‡ †‡ ‘”‹‰‡ ž”ƒ„‡ ‡ ”‡•—Ž–ƒ †ƒ Œ—­ ‘ †‘• –‡”‘• ƒœ œƒ‹– •‹‰‹ ‹…ƒ†‘ •—‘ †‡ ƒœ‡‹–‘ƒ ‡–‡ ‹–‡•‹˜ƒ ƒ• •‡ †‡•…—”ƒ” ƒ• –±…‹…ƒ• ‹Ž‡ƒ”‡• “—‡ –‘”ƒ ‘ ƒœ‡‹–‡ ƒŽ‡–‡Œƒ‘ …‘ —ƒ ˜‡”†ƒ†‡‹”ƒ …‘’ƒ” …‘ ‘ –”‹‰‘ ‡ ƒ …‘”–‹­ƒ ˆ‘”–‡‡–‡
  41. 41. †‹••‘…‹ž˜‡Ž †ƒ ‹•–×”‹ƒ †‘• ’‘˜‘• ‡ Œ—‰ƒ­ ‘ †‡ –”ƒ†‹­ ‘ ‡ †‡ ‘†‡”‹†ƒ†‡ƒ’”‡…‹ƒ†‘• ‡ ‘”–—‰ƒŽ ‡ ƒŽ± ˆ”‘ †‹–‡””Ÿ‹…‘• “—‡ ŽŠ‡ †‡”ƒ †‹ˆ‡”‡–‡• ƒ ‹”ƒ­ ‘ †ƒ “—ƒŽ‹†ƒ†‡ ‡ ƒ ‰ƒ”ƒ–‹ƒ–‡‹”ƒ• –”ƒ†‹­ ‘ †‘ …—Ž–‹˜‘ †‘ ‘Ž‹˜ƒŽ —•‘• ’ƒ”ƒ ƒŽ± †ƒ ˜‡”–‡–‡ ƒŽ‹‡–ƒ” †‡ …”‹ƒ­ ‘ †‡ ˜ƒŽ‘” ƒ…”‡•…‡–ƒ†‘ • ‘—ƒ †ƒ• –À’‹…ƒ• ’ƒ‹•ƒ‰‡• ƒŽ‡–‡Œƒƒ• ‘ ƒœ‡‹–‡ ± Š‘Œ‡ –ƒŽ˜‡œ …‘‘ ‘ —…ƒ ƒ•’‡…–‘• …ƒ†ƒ ˜‡œ ƒ‹• …‘•‹†‡”ƒ†‘•”‡‘–ƒ 
  42. 42. †ƒ†‡ †‘ ”‘œ‡ ƒ• ˆ‘”ƒ –‡Šƒ •‹†‘ ‡•–ƒ ’‡”•’‡…–‹˜ƒ — ’”‘ ’‡Ž‘• ’”‘†—–‘”‡• “—‡” ƒ ƒ—–‡­ ‘‘• ‘ƒ‘• ‘• ‹•‹‰‘†‘• ‡ ‘• ”ƒ„‡• †—–‘ ”‡…‘Š‡…‹†‘ ‡ ˜ƒŽ‘”‹œƒ†‘ ’‡Žƒ •—ƒ †ƒ• “—‘–ƒ• †‡ ‡”…ƒ†‘ ƒ…‹‘ƒ‹• “—‡”…‘ ‘ •‡— ‡•’À”‹–‘ ‡’”‡‡†‡†‘” “—‡ ”‡Žƒ–‹˜ƒ ‡•…ƒ••‡œ †ƒ†‘ ‘ ƒ—‡–‘ †‡ ƒ• ƒ’‘•–ƒ• ‡š–‡”ƒ• †‡ — •‡…–‘” ‡•†‡•‡˜‘Ž˜‡”ƒ ƒ ’”‘†—­ ‘ — ’‘—…‘ …‘•—‘ “—‡ –‡ ”‡‰‹•–ƒ†‘ ‡ –‘†‘ ‘ –”ƒ–±‰‹…‘ ’ƒ”ƒ ƒ ‡…‘‘‹ƒ ƒ…‹‘ƒŽ “—‡’‘” –‘†ƒ ƒ ‡À•—Žƒ
  43. 43. „±”‹…ƒ …‘ ‡•’‡ —†‘ ‡•–ƒ ’‡”•’‡…–‹˜ƒ ƒ ’ƒ‹•ƒ‰‡ –‡ …”‡•…‹†‘ ‡š’‘‡…‹ƒŽ‡–‡ ‡ –‡”…‹ƒŽ ‹…‹†²…‹ƒ ‘ Ž‡–‡Œ‘ –‡””‹–×”‹‘ †‡ †‘ ‘Ž‹˜ƒŽ ‡•–ž ƒ —†ƒ” ƒ••‹•–‹†‘ •‡ ‘€

×