Your SlideShare is downloading. ×

Portfolio @ País Positivo #38

113

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
113
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. positivoWWW.PAISPOSITIVO.ORG////Agosto‘10/EDIÇÃONº38 SAÚDE: UM SECTOR EM EVOLUÇÃO | DIREITO: O PAPEL DO ADVOGADO NA SOCIEDADE ACTUAL «A NORMÁTICA É HOJE UMA REFERÊNCIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIAS DE NEGÓCIO CENTRADOS NO CLIENTE E FOCADOS NA CRIAÇÃO DE VALOR TANGÍVEL» Assegura Martinho Almeida, Presidente do Conselho de Administração ESTESUPLEMENTOFAZPARTEINTEGRANTEDOJORNAL‘PÚBLICO’ FOTOGRAFIA: DIANA QUINTELA
  • 2. Estabelecida em 1986 como um revendedor de equipamento informático que, ao longo de quase 25 anos de História, nunca negligenciou o seu ADN, a Normática assume-se hoje, para além de um reconhecido distribuidor de Infra-estruturas, como uma plataforma integrada de serviços que aporta competências ao nível da Consultoria, Tecnologia e do ‘Outsourcing’ e se desdobra em múltiplas soluções à medida das necessida- des dos seus clientes. DESAFIOS TECNOLÓGICOS E ORGANIZACIONAIS RUMO À CRIAÇÃO DE VALOR NORMÁTICA (LISBOA) base deste sector que a nossa empre- sa se desenvolveu”. Martinho Almeida capitalizou no seu projecto de empreen- dedorismo competências da experiência profissional herdadas, nomeadamente, da prestação de serviços de ‘e-Business’ para os sectores da Educação e da Saúde, o que trouxe vantagens competitivas à Nor- mática. “Começámos a trabalhar com muito dinamismo para os Ministérios da Educação e da Saúde. Foi a base do meu conhecimento que catapultou a Normática para crescer nessas áreas. Ainda hoje são os nossos principais clientes, independentemente de de- pois nos termos espalhado para todas as vertentes da Administração Pública e para sectores estruturantes da Eco- nomia”, esclarece. CRESCIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO O crescimento sustentado da Normática, H á praticamente um quarto de sé- culo nascia em Lisboa a Normá- tica, uma empresa do sector das Tecnologias da Informação desenvolvida à imagem e semelhança do seu impulsio- nador e actual Presidente do Conselho de Administração, Martinho Almeida. Sob o signo do Pragmatismo, Flexibilidade e Rigor, qualidades que lhe são próprias, Martinho Almeida tornou-se o ‘skipper’ de uma tripulação de sucesso, o mesmo é dizer uma equipa motivada, que parti- lha os seus ideais e busca a excelência em tudo o que faz. “Tudocomeçoucomopropósitodedar satisfação a uma ideia própria que eu tinha que era a de ter uma empresa até aos 38 anos”, recorda o economista, concretizando que “a Normática nasceu e cresceu, inicialmente, num contexto de central comercial de equipamento informático. Ao longo dos anos, esti- vemos sempre muito posicionados para a Administração Pública e foi à ao longo do seu ciclo de vida, tem sido uma das imagens de solidez e confian- ça que mais honra a empresa junto dos agentes do mercado que, por sua vez, lhe devolvem as boas práticas sob a forma de reconhecimento e fidelização. Sempre a crescer desde o ‘break even’ ocorrido há mais de 20 anos, a Normática facturou cerca de 34,5 milhões de euros em 2009 e prevê para este exercício um crescimento do volume de negócios, considerando que no final do primeiro semestre de 2010 se verificava um aumento de 15 por cento face ao período homólogo do ano ante- rior. A internacionalização da actividade da empresa para Moçambique, enquanto estratégia da Normática e dos seus ac- cionistas, “foi uma atitude audaz, num ano de optimização do próprio país”, no parecer de Alexandre Mano, Director da área de Consultoria. Já para Martinho Almeida, este passo em frente marca uma aposta num país que adorava conhecer – “foi uma questão sentimental”. E no meio deste inefável duelo entre razão e emoção, surgem os factos e as evidências incontestáveis de um país em crescimen- to. Considerando que “o mercado mo- çambicano está menos explorado do queoangolano”,AlexandreManoexplica que “Moçambique sofre uma grande influência da África do Sul, pela posi- tiva, e acaba por estar num estado de maturidade bastante exigente e por- tanto com muito para fazer, a todos os níveis.Asoportunidadesqueseabrem, em termos de infra-estruturas e mo- dernização administrativa, fazem com que haja este ‘fit’ para que possamos capitalizar tudo aquilo que representa quase 25 anos de experiência em Por- tugal, para projectos de sistemas de in- formaçãoetecnologiasquereplicamos em Moçambique.” SUBIR NA CADEIA DE VALOR DO CLIENTE A diversificação da oferta da Normática reflecte hoje um novo posicionamento da empresa no mercado. “Pretendemos passar de um parceiro tecnológico para um parceiro estratégico de ne- gócio para os nossos clientes”, realça Martinho Almeida. Hoje, a Normática presta serviços no espaço que conjuga o conhecimento dos sistemas e tecnologias de informação com o conhecimento do negócio, apoiando os seus clientes a me- lhorar os resultados para o seu negócio pela correcta utilização dos sistemas e das tecnologias e ajudando as organizações a implementar estratégias de crescimento e a potenciar a tecnologia. A capacidade de resposta advém de um leque de competências abrangentes, des- Martinho Almeida, Presidente do Conselho de Administração FOTOGRAFIA:DIANAQUINTELA TIC Em busca da chamada economia do Conhecimento as empresas apostam cada vez mais no reforço e promoção das competências e reconhecimento da importância da investigação e desenvolvimento, o que deverá passar pela adopção de estratégias e práticas de gestão que atribuam maior rele- vo à inovação, que recorram mais às tecnologias e que apostem claramen- te na qualidade de produtos e serviços.
  • 3. de a consultoria de negócio e organização até ao desenvolvimento e integração de Soluções IT e de ‘Outsourcing’. A oferta da Normática está dividida em Consultoria (Desenho), Tecnologia (Implementação e Desenvolvimento) e ‘Outsourcing’ (Manu- tenção) e Soluções. A Normática comple- menta esta oferta com centros de compe- tência especializados e dedicados onde se destaca o Centro de Competências Oracle, Outsystems,‘Lean’,‘BusinessIntelligence’e Infra-Estruturas. “Os clientes podem esperar da Normá- tica soluções inovadoras, entregues ‘on time’ e ‘on budget’ por uma equipa muito experiente e super motivada. Para atingir resultados duradouros, trabalhamos sempre em parceria com os nossos clientes, procurando poten- ciar as sinergias que se criam. A Nor- mática é hoje uma referência na pres- tação de serviços em Tecnologias de Negócio centrados no cliente e focados na criação de valor tangível”, assegura Martinho Almeida. O estatuto máximo atingido pela Normática perante a Oracle e a Outsystems, assim como as distinções nacionais e internacionais conquistadas pela qualidade do desenvolvimento de projectos, não são uma meta em si mes- mo,massimoincentivoaumareinvenção constante dos argumentos competitivos. DIFERENCIAÇÃO PELA ESPECIALIZAÇÃO, INOVAÇÃO E POLÍTICA DE QUALIDADE “A Normática está no mercado há qua- se 25 anos e sempre a crescer, isto só acontece porque para a Normática o cliente está sempre em primeiro lugar e porque temos uma relação de parce- riaduradouracomele.HojeaNormáti- ca diferencia-se da concorrência, prin- cipalmentepelasuaposturanarelação com os seus mais de 500 clientes acti- vos, onde a flexibilidade, a colaboração em parceria, a competência e inovação são claramente diferenciadores”, refere Alexandre Mano. A Normática tem hoje ‘repeted business’ com os mesmos clientes há mais de 15 anos, o que por si representa um elevado índice de reconhecimento, fidelização e confiança que os clientes têm na Normáti- ca e na sua equipa de gestão. A Normática já demonstrou a nível nacional e interna- cional que é capaz de entregar os mais complexos projectos nas mais diversas áreas. “A inovação é outro factor que a Nor- mática leva muito a sério e está no nos- so ADN sempre que interagimos com os nossos clientes e desenhamos as so- luções. Com a experiência que temos, defendemos sempre uma abordagem pragmática, orientada para as neces- sidades específicas de cada cliente e apostamos na objectividade e na cria- tividade para atingir resultados dis- tintivos. Não é fácil ser optimista e ino- vador face ao clima económico difícil. Umapreocupaçãoacrescidaquandose pensa não apenas na própria empresa, mas mais globalmente em termos do paísedosnossosclientes”afirmaMarti- nhoAlmeida,nestaqueéumaopiniãocor- roborada por Alexandre Mano que acres- centa: “Sabemos que os nossos clientes enfrentam desafios acrescidos e são cada vez mais exigentes. Temos de cor- responder com maior flexibilidade e maiorresponsabilidadenaentregados projectoseserviços.ANormáticainova principalmente na procura de solu- ções e abordagem inovadoras, através dos nossos parceiros tecnológicos e de negócio, bem como na nossa equipa e nas metodologias que usamos para entregar os nossos serviços, a título de exemplo a Normática é uma das duas empresas portuguesas que é membro corporativo da Agille Alliance.” Na Normática a política de qualidade é algo que está intrinsecamente ligado aos processos comerciais, operacionais e à área de ‘deliver’ de projectos e ser- viços. A Política de Qualidade consiste na contínua satisfação dos Clientes através do reconhecimento da Quali- dade dos serviços entregues. A melho- ria contínua e a revisão do Sistema de Gestão da Qualidade são promovidas, no sentido de aumentar a sua eficácia e eficiência das operações. A Normáti- ca está certificada desde 2007, sendo que actualmente no âmbito de Comer- cialização de Produtos, Concepção e Desenvolvimento, Prestação de Servi- ços, Suporte e Manutenção na área de Soluções Informáticas e Assistência Técnica, de acordo com a Norma NP EN ISO 9001:2008, tendo obtido em 2009 a certificação na Norma NP EN ISO PROJECTOS EM DESTAQUE • RJUE – Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Cliente: DGAL – Direcção-Geral das Autar- quias Locais • SIM – Sistema de Informação Multidisci- plinar Cliente: IDT – Instituto da Droga e da Toxico- dependência I.P. • Gestão Escolar Cliente: Turismo de Portugal (Em parceria com a Outsystems) • Desenvolvimento de um projecto crítico para a actividade tributária em Moçambique. • ‘Data Center’ do Hospital do Espírito San- to de Évora - (O segundo maior ‘data center’ da área da Saúde em Portugal) Cliente: Hospital do Espírito Santo de Évora 14001:2004. Configurando a aplicabili- dade prática dos referenciais qualitati- vos, “existe na Normática uma meto- dologia própria para o ‘deliver’ dos projectos que está orientada para as melhores práticas e uniformiza a nossa comunicação com os nossos clientes em projecto, podendo assim oferecer o melhor de si em cada in- teracção com cada cliente, reconhe- cendo a sua individualidade”, afirma Martinho Almeida, revelando, a finali- zar, que a Normática “está a trabalhar no futuro, com a mesma dedicação que tem vindo a empreender até aqui.” COMEÇÁMOS A TRABALHAR COM MUITO DINAMISMO PARA OS MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE. FOI A BASE DO MEU CO- NHECIMENTOQUECATAPUL- TOU A NORMÁTICA PARA CRESCER NESSAS ÁREAS. AINDA HOJE SÃO OS NOS- SOS PRINCIPAIS CLIENTES, INDEPENDENTEMENTE DE DEPOIS NOS TERMOS ES- PALHADO PARA TODAS AS VERTENTES DA ADMINIS- TRAÇÃO PÚBLICA E PARA SECTORES ESTRUTURAN- TES DA ECONOMIA FOTOGRAFIA: DIANA QUINTELA
  • 4. Vocacionada, inicialmente, para a salvaguarda dos interesses sociopro- fissionais dos médicos especialistas em Medicina Laboratorial, proprie- tários de laboratórios, a APOMEPA pretende assumir-se como a associa- ção de referência do sector e aportar na sua estrutura, para além destes, todos os médicos patologistas que exerçam funções no sector público e no campo da investigação científica em ambiente académico. ALARGAR A REPRESENTATIVIDADE NUM SECTOR EM MUDANÇA APOMEPA – ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS MÉDICOS PATOLOGISTAS A potenciação de sinergias com entidades congéneres além-fronteiras é uma mar- ca da dimensão crítica que a APOMEPA tem conquistado a nível global. A ligação à Sociedade Brasileira de Patologia Clíni- ca (SBPC) é disso um bom exemplo: “No ano passado estivemos representados no congresso de Belo Horizonte da SBPC e este ano estamos a organizar, em parceria, o 1.º Encontro Lusófono de Patologia Clínica, que se realizará no âmbito do congresso da SBPC, no Rio de Janeiro”, conta José Luís Fleming Torrinha. A APOMEPA é, igualmente, um dos parceiros do 1.º Congresso Nacional do Laboratório Clínico e do ‘First Euro- pean Joint Congress of EFCC - European Federation of Clinical Chemistry and La- boratory Medicine and UEMS - European Union of Medical Specialists – Specialist Section and Board of Medical Biopatholo- gy (UEMS-MBS&B)’. O evento irá decorrer no Centro de Congressos de Lisboa, entre os dias 13 e 16 de Outubro de 2010. ACÇÕES LEVADAS A CABO PELA APOMEPA Na área técnica e científica a APOMEPA, directamente ou em colaboração com o Ministério da Saúde e com a Ordem dos Médicos tem desenvolvido actividades, tais como: • Emissão de pareceres sobre a legislação do sector; • Elaboração de propostas e documentos relativos aos laboratórios de patologia clínica; • Padronização de regulamentos e normas de funcionamento; • Definição de Programas Externos de Qualidade; • Regulação de acções de reciclagem para o pessoal dos laboratórios sem habilitação própria ou adequada; • Definição de critérios, gerais e especiais, para a atribuição de novos postos de colheita; • Colaboração activa na execução da legislação relativa ao processo de licenciamento/ acreditação dos Laboratórios, integrando a Comissão de Verificação Técnica (CVT). Fonte: www.apomepa.pt José Luís Fleming Torrinha, Presidente da APOMEPA C orria o ano de 1975 e o país vivia tempos conturbados, em termos políticos, económicos e sociais, no período pós-revolucionário do 25 de Abril de 1974. A procura emergente de consensos alargados na reorganização de um sector que se encontrava fragmentado esteve na génese da APOMEPA, entidade designada, à época, por Associação dos Médicos Analistas Proprietários de Labo- ratórios de Análises Clínicas. Os últimos 35 anostrouxerammudançassignificativasao sector, traduzidas num fenómeno inicial de dispersão,seguidadeconcentração,ambas motivadas pela liberalização do mercado. O advento do Serviço Nacional de Saúde e o facto de uma grande parte dos laborató- riosjánãoestarnapossedosproprietários originais, devido ao fenómeno das fusões e aquisições, que pontificou na última dé- cada, ditou novos desafios no exercício da actividadedaPatologiaClínica. Adiversificaçãodecompetênciasedaofer- ta de serviços, com base em exigentes re- ferenciais de qualidade e de inovação, tem marcado o desenvolvimento da Medicina Laboratorial no nosso país. “O desejo da APOMEPA é evoluir constantemente, mantendo essa característica represen- tativa das entidades patronais proprie- tárias de laboratórios, mas sobretudo fortaleceredesenvolveravertentecien- tífica e transformar a associação numa entidade representativa que congregue todos os médicos patologistas, quer os que são proprietários de laboratórios, quer os que trabalham em hospitais e nas universidades, em todas as regiões do país. Nos Açores, por exemplo não temos nenhum associado”, afirma José Luís Fleming Torrinha, Presidente da APO- MEPA, que se congratula pelo facto de este ano, por via da alteração de estatutos, em sede de Assembleia-Geral, a APOMEPA ter criado um Conselho Científico, que inicia- rá funções no último trimestre de 2010. A busca de soluções competitivas para os as- sociados traduz-se, no facto da APOMEPA, onde foi pioneira, ter estabelecido um pro- tocolocomasAdministraçõesRegionaisde Saúde (ARS’s), e Instituição Bancária, que permite,medianteaapresentaçãodafactu- raçãosujeitaareembolso,umadiantamen- todetesourariaaosLaboratórios. A APOMEPA, parceiro social e interlocutor privilegiado com a classe médica que re- presenta, é a única associação portuguesa do sector que está representada na WA- SPaLM – World Association of Societies of Pathology and Laboratory Medicine (Associação Mundial das Sociedades de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial), atravésdeumórgãoconsultivo,a‘Houseof Representatives’, que se pode equiparar a um conselho onde têm assento os dirigen- tesassociativosdospaísesmembros.

×