Educação e cotidiano no brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Educação e cotidiano no brasil

on

  • 1,344 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,344
Views on SlideShare
1,344
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
80
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Educação e cotidiano no brasil Educação e cotidiano no brasil Document Transcript

  • 2009SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃOSolange Menezes da Silva Demeterco2.ª ediçãoEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • IESDE Brasil S.A.Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200Batel – Curitiba – PR0800 708 88 88 – www.iesde.com.brTodos os direitos reservados.© 2003-2009 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autoriza-ção por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais.Capa: IESDE Brasil S.A.Imagem da capa: Jupiter images / DPI imagesCIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTESINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJD449s2.ed.Demeterco, Solange Menezes da Silva.Sociologia da educação / Solange Menezes da Silva Demeterco. - 2.ed. - Curitiba, PR :IESDE Brasil, 2009.352 p.Inclui bibliografiaISBN 978-85-387-0265-81. Sociologia educacional. I. Inteligência Educacional e Sistemas de Ensino.II. Título.09-1973 CDD: 306.43CDU: 316.74:37Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Doutora e Mestre em História do Brasil pela UFPR. Especialista em Currículo ePrática (Tutoria a Distância) pela PUC-Rio. Graduada em Ciências Sociais pelaUFPR.Solange Menezes da Silva DemetercoEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • SumárioA sociologia e a educação......................................................13O que é sociologia? .................................................................................................................. 14A sociologia da educação e alguns conceitos básicos................................................. 19A socialização e seus agentes................................................................................................ 20A sociologia da educação.......................................................33Os primeiros grandes sociólogos:a educação como tema e objeto de estudo..................................................................... 34As teorias sociológicas e a educação.................................................................................. 43A sociologia da educação no Brasil....................................51Formação da sociedade brasileira:economia agrário-exportadora e economia industrial................................................ 52A sociologia continua seu caminho: dos anos 1970 aos dias atuais........................ 55Educação e família....................................................................63As transformações da família................................................................................................. 64Educação e família no Brasil................................................................................................... 70Concepções de infância e juventude.................................81O sentimento de infância – o trabalho de Ariès.............................................................. 82O surgimento das escolas e as visões da infância.......................................................... 85Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A escola como instituição social..........................................99A escola como organização..................................................................................................103Algumas possibilidades.........................................................................................................105A escola e o controle social..................................................113Padrões sociais de comportamento..................................................................................116A escola e o desvio social.....................................................133Comportamentos desviantes..............................................................................................135Conformidade versus conformismo...................................................................................137A mudança social....................................................................151Fatores que desencadeiam a mudança............................................................................154A ação pedagógica e a mudança social...........................................................................157A estratificação social............................................................169Formas de estratificação social............................................................................................173A educação e a estratificação social..................................................................................177A mobilidade social................................................................189Tipos de mobilidade social...................................................................................................190Educação como fator de mobilidade social....................................................................193Educação e movimentos sociais........................................203As formas de luta e ação coletiva.......................................................................................206Alguns tipos de movimentos sociais e educação.........................................................210Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A educação e o Estado..........................................................223O conceito de Estado e suas funções................................................................................226Estado e educação no Brasil.................................................................................................228Educação e desenvolvimento.............................................241As desigualdades sociais e o subdesenvolvimento.....................................................245Origens históricas do subdesenvolvimento...................................................................247As desigualdades sociais e o papel transformador da educação...........................248Educação e cotidiano no Brasil...........................................259O difícil cotidiano dos“menos iguais”...............................................................................263Problemas da educação no Brasil......................................275O fracasso escolar: uma tentativa de explicação..........................................................279A profissão de professor.......................................................293A questão da formação profissional..................................................................................295O ofício de professor e seu papel na sociedade............................................................298Perspectivas da educação no Brasil..................................311A questão da diversidade cultural – o multiculturalismo..........................................315A democratização da educação..........................................................................................317...Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • ApresentaçãoO que você espera dessa disciplina? Quais são suas expectativas em relação à so-ciologia? No que a sociologia se aproxima da educação? Essas e outras perguntasnos acompanharão a partir daqui.Mas, antes disso, seria interessante esclarecer algumas questões que nortearãonosso trabalho. Inicialmente, deve-se destacar que o que se apresenta aqui é umasíntese dos temas mais relevantes da sociologia enquanto Ciência Social, preocu-pada em tentar explicar a vida social e as questões relacionadas à vida do homemem sociedade, em seus múltiplos aspectos. Não se pretendeu elaborar um manuale muito menos um compêndio que pretendesse dar conta de todos os temas e/ou conceitos relacionados a essa ciência. Optou-se por privilegiar alguns tópicosque são considerados básicos e depois relacioná-los com a questão da educação.A sociologia da educação tem como objetivo pesquisar e analisar a educação emseus aspectos sociológicos, isto é, os fenômenos sociológicos.O objetivo maior é procurar conhecer e analisar a inter-relação entre o homem, asociedade e a educação, à luz de diferentes teorias sociológicas, bem como daspráticas pedagógicas ratificadoras e/ou transformadoras dos contextos cultural,social, político, econômico e ecológico.A proposta é despertá-lo para discussões futuras a partir do embasamento teóricoque essa ciência oferece e, sempre que possível, trazer o debate para a realidadeeducacional brasileira. Para tanto, sugere-se alguns textos de apoio, bem comoatividades para autoavaliação. Indicações de leituras complementares e filmesacompanharão o texto-base, e são importantes para aprofundar algum assunto/tema que se considere relevante.Vale lembrar também que nada substitui a leitura dos próprios mestres, no casoaqui, os“fundadores”da sociologia e da sociologia da educação. Portanto, não de-sanime em buscar na própria fonte as respostas às suas inquietações. Vá em frente!A disciplina pretende desenvolver módulos que possibilitem a compreensãoda constituição da realidade social e sua relação com a educação, por meio doestudo de aspectos dos processos sociais presentes na produção e configuraçãodo sistema educacional. Assim, o livro está estruturado em 18 unidades, em quese propõe uma discussão sobre a relação entre a sociologia e a educação, apresen-tando as contribuições dos autores clássicos e sua percepção acerca das questõesrelacionadas à educação (A Sociologia da Educação) e contextualizando a ciênciano Brasil (A Sociologia da Educação no Brasil).A partir daí, tem-se a discussão de alguns temas/conceitos fundamentais paraa reflexão aqui proposta. Na unidade intitulada educação e família apresenta-seuma síntese das transformações pelas quais passou a família ao longo do tempoe sua importância quando se discute educação. Para tanto, também se faz ne-cessário observar como o sentimento de infância surge e se modifica a partir doque se tem, inclusive o surgimento dos colégios e novas visões da infância e dajuventude (concepções de infância e juventude).Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A discussão sobre a escola à luz de alguns conceitos sociológicos compõe aspróximas unidades: a escola como instituição social, a escola e o controle social e aescola e o desvio social. Em seguida, são abordados outros conceitos também im-portantes para a sociologia da educação: a mudança social, a estratificação social,a mobilidade social, educação e movimentos sociais e a educação e o Estado.Finalmente, são apresentados alguns temas mais amplos que dizem respeito à rea-lidade do país (educação e desenvolvimento, educação e cotidiano no Brasil e pro-blemas da educação no Brasil), da escola e do professor (a profissão de professor),além de chamar a atenção para questões que exigem muita reflexão por parte dodocente, no sentido de avaliar sua prática pedagógica (perspectivas da educaçãono Brasil).Vale ressaltar, enfim, que vivemos um momento privilegiado na história, uma vezque a presença da sociologia no currículo está intimamente ligada à democratiza-ção do acesso ao conhecimento científico, com vistas ao incremento da discussãoconsciente, racional e bem fundamentada do educador na realidade social.Bom trabalho!Solange Menezes da Silva DemetercoEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Solange Menezes da Silva DemetercoA sociologia nasce enquanto ciência como uma tentativa de explicar asmudanças sociais produzidas num novo momento histórico, num contex-to de grandes e profundas transformações sociais, cujos marcos principaisforam a Revolução Industrial, a Revolução Francesa e a formação dos Es-tados Nacionais. Esse momento de mudanças radicais na sociedade e namentalidade das pessoas – a chamada modernidade –, em decorrência dosurgimento e da consolidação do capitalismo como modo de produção,trará consigo a necessidade de se pensar teoricamente as novas deman-das que surgem. Que sociedade é essa que surge?Mas por que sempre que se fala em sociologia não falta quem per-gunte para que ela serve? Por que não acontece o mesmo com a maioriadas outras ciências? A resposta está relacionada com a própria naturezadessa ciência, que tem o homem em interação e a sociedade como objetode estudo. A questão que se coloca de imediato é por que isso se tornounecessário? O que teria mudado tanto na vida do homem ou da sociedadecomo um todo que demandariam a existência de uma nova ciência paradar conta de explicar essas transformações? Assim, está feito o convite àreflexão sobre a relação existente entre sociedade e educação a partir daperspectiva sociológica.A sociologia da educação é uma ciência produtora de conhecimen-tos específicos que levam à discussão da democratização e do papel doensino, promovendo uma reflexão sobre a sociedade e seus problemasrelacionados à educação, tendo como subsídios alguns conceitos socio-lógicos como processos sociais, socialização, poder, status, grupo social,ação social, mudança social e outros.A sociologia e a educaçãoEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 14Sociologia da EducaçãoVamos procurar perceber quais são os valores sociais que definem os obje-tivos da educação, do ensino e seus métodos, além de tentar estabelecer as re-ações existentes entre a sociedade e o que se privilegia ensinar, e como isso éfeito no cotidiano da escola e fora dela, por outras instituições sociais – tais comoa família, por exemplo. É fundamental entendermos que os sistemas educacio-nais relacionam-se com as instituições sociais e com as determinantes culturaisque regem a vida em sociedade.É importante também a discussão sobre o papel do educador no atual con-texto educacional, bem como alguns dos vários problemas educacionais brasi-leiros. O saber docente tem sua especificidade a partir do princípio de que é umofício que exige uma capacitação que, na verdade, nunca se esgota. Além disso,o papel da escola cresceu e se modificou, exigindo ainda mais de todos os atoresenvolvidos no processo educativo.O que é sociologia?Podemos começar tentando esclarecer o que é a sociologia, lembrando queos homens diferenciam-se dos animais por sua capacidade de se relacionar demaneiras diferentes, incluindo a própria linguagem, código que lhe possibilitacomunicar-se com outros homens e, assim, tornar-se um ser social. E qual a im-portância disso para nós? Esse é um dado fundamental para entendermos comoo homem biológico torna-se um ser social capaz de ter e produzir cultura – queenvolve a todos e modela nossa personalidade – e quando se internalizam regrassociais, maneiras de ser, de pensar e de agir, transmitidas através do processo desocialização. Laraia (1989, p. 46) nos diz que “o homem é o resultado do meiocultural em que foi socializado”.Mas o que seria a cultura? O homem, ao longo do tempo, vem procurandoorganizar a vida em sociedade, usar os recursos naturais de diferentes manei-ras, o que acaba por gerar diversas formas de ver e entender a realidade. Essasdiferenças podem eventualmente desencadear confrontos, conflitos e estranha-mento entre culturas e indivíduos. Assim, conforme Santos (1986, p. 8), “culturadiz respeito à humanidade como um todo e ao mesmo tempo a cada um dospovos, nações, sociedades e grupos humanos”. Ainda de acordo com o autor,haveria duas concepções básicas de cultura: “a primeira concepção de culturaremete a todos os aspectos de uma realidade social; a segunda, refere-se maisespecificamente ao conhecimento, às ideias e crenças de um povo”(p. 23).Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação15Istockphoto.Istockphoto.FernandoPeresRodrigues.O homem precisa compreender-se, compreender os outros e buscar respos-tas para as perguntas que a vida lhe coloca, participando de forma diferentede sua cultura. Ao fazer isso, está sempre produzindo cultura e internalizandopadrões e caracteres culturais. A cultura é dinâmica e opera de várias formas,condicionando a visão de mundo do homem e interferindo no plano biológico.Finalmente, é preciso destacar que a cultura é dinâmica e tem sua própria lógica(Laraia, 1989). Tentar captar essa lógica é o começo para se fugir do etnocen-trismo, que ignora as diferenças e a pluralidade cultural, como sendo algo quedeveria agregar e não separar os homens.Particularmente, como educadores, devemos sempre lembrar que “o modode ver o mundo, as apreciações de ordem moral e valorativa, os diferentes com-portamentos sociais e mesmo as posturas corporais são assim produtos de umaherança cultural, ou seja, o resultado da operação de uma determinada cultu-ra”(Laraia, 1989, p. 70). Caso contrário, cai-se no chamado etnocentrismo que,ainda conforme Laraia (p. 75), constitui-se na“crença de que a própria sociedadeé o centro da humanidade, ou mesmo a sua única expressão”, o que desencadeiaa autodeterminação de alguns povos, a intolerância e o preconceito nos maisvariados graus.Vimos, então, que a sociologia é uma ciência e, como tal, deve ter uma baseteórico-metodológica que serve para estudar os fenômenos sociais, tentandoexplicá-los e analisando os homens em suas relações de interdependência. Utili-za-se de estratégias e técnica de pesquisa que lhe são próprias e que lhe garanteo caráter de cientificidade. Afinal, conforme nos diz Thiollent (1987, p. 21),[...] sem investigação concreta, a sociologia não está longe de ser um discurso filosófico oupolítico arbitrário. Por outro lado, sem problemática teórica, a sociologia é considerada apenascomo enquete e degenera em vulgar pesquisa de opinião ou em pesquisa administrativatotalmente permeada pelo empirismo e pela ideologia a curto prazo dos utilizadores dapesquisa. O uso de questionários e entrevistas não é sinônimo de empirismo quando estastécnicas, consideradas como meio de captação de informação, a ser criticada, e não comofins em si, são submetidas ao controle metodológico e subordinadas a uma verdadeirapreocupação de teoria sociológica.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 16Sociologia da EducaçãoComo se pode apreender das palavras do autor, a sociologia dispõe de baseteórico-conceitual-metodológica específica e da escolha dos recursos meto-dológicos que serão empregados pelo sociólogo em seu trabalho, de algumaforma. Deve estar a serviço de sua pesquisa e demanda sempre uma análise crí-tica dos dados, para que se configure como pesquisa consistente e que atendaaos objetivos da sociologia enquanto ciência.Assim, compreender as diferentes sociedades e culturas é um dos objetivosda sociologia, que irá tomar como objeto de estudo exatamente essa nova so-ciedade – que se configura a partir das transformações pelas quais passou a hu-manidade, a partir do final do século XVIII.Essas mudanças estão relacionadas com as revoluções burguesas que eclo-dem num momento em que a ordem reinante não conseguia mais dar respostasàs demandas das populações cada vez mais empobrecidas e oprimidas, em meioà nobreza, que usufruía de privilégios estabelecidos às custas do trabalho e daexploração desse povo, durante o chamado Antigo Regime1.Nesse contexto, a Revolução Francesa constitui-se num dos momentos de maiorexpressão na história do Ocidente – quando se fala em movimentos sociais e po-líticos – apresentando uma pro-posta baseada em ideais comoliberdade, igualdade e fraternida-de. Mesmo deixando muito a de-sejar em relação a esses valoresrevolucionários, atualmente nãose pode negar que o seu podertransformador se concretizouem várias regiões do mundo e re-percutiu a ponto de mudar parasempre a história do homem e dasua vida em sociedade.Sendo decisiva para a transição do Feudalismo2ao capitalismo, essa revolu-ção aconteceu num período de violentos conflitos e lutas sociais, levando aopoder uma nova classe social, a burguesia, que viria a acabar com os privilégiosfeudais e colocar abaixo a aristocracia que deles usufruía. Essa elite social viviaindiferente à pobreza da maioria, especialmente as populações rurais, que se1Termo que designa a organização político-institucional e a ordem social vigente na França, até a Revolução de 1789, pautado na monarquiaabsoluta, sociedade estamental e direitos feudais.2Feudalismo foi um fenômeno histórico restrito à Europa na Idade Média; tratava-se de um sistema econômico, político, social e cultural, definidopelas relações servis de produção, em que o senhor é o proprietário da terra e o servo depende dele, devendo cumprir obrigações servis, tanto daprestação de serviços gratuitos quanto na entrega de parte da produção agrícola.Domíniopúblico.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação17debatiam com a alta dos preços, as más colheitas, o êxodo rural em razão doavanço das atividades têxteis, o descaso e o abandono. As graves repercussõessociais e econômicas desse quadro foram a base que impulsionou os revolucio-nários. Essa revolução ultrapassou os limites da França e seus ideais se estende-ram por toda a Europa, ameaçando hierarquias e privilégios.Como se viu, além da Revolução Francesa, outros momentos de ruptura ge-raram transformações significativas para o mundo. A Revolução Industrial cons-tituiu-se em outro momento importantíssimo para entendermos o contexto dosurgimento da sociologia enquanto ciência. Trata-se de acontecimentos quemudaram a história para sempre.A partir da instalação definitiva do capitalismo e da nova sociedade industrial,tem-se um modelo de produção pautado na industrialização, que dissocia tec-nologia, natureza e homem. Ocorreu inicialmente na Inglaterra, o país que criouas condições políticas econômicas que possibilitaram a implantação dos ideaisburgueses. Dentre os fatores que contribuíram para esse pioneirismo, pode-secitar a superioridade tecnológica e científica, a consolidação da monarquia par-lamentar, a disponibilidade de mão de obra, a exploração do carvão como fontede energia e a acumulação de bens de capital.Novas formas de organização, que de certa maneira“abalaram”a ordem socialestabelecida, trouxeram inquietações aos setores mais conservadores da socie-dade europeia da época e representaram mais que uma revolução técnico-cien-tífica. A separação do homem, dos meios de produção, do local de trabalho e oprocesso de urbanização que cresceu intensamente, trazem consigo uma pro-funda mudança social – que transformou a vida dos homens com novas formasde trabalho, elevados custos sociais e ambientais. A exploração dos recursos na-turais se realiza numa intensidade nunca vista e sem nenhum critério; que nãofosse o avanço da própria industrialização.Além das novas formas de trabalho,o próprio significado do que era o tra-balho mudou nesse momento. O traba-lho, que antes era visto como um casti-go divino em razão do pecado original,adquiriu novo sentido. Tornou-se umacondição básica para a salvação e, alémdisso, uma forma de se conseguir ri-queza, prosperidade e dignidade. OIndústria de carros. Birmingham, 1960.Domíniopúblico.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 18Sociologia da Educaçãotrabalho passa a ser visto e vivido de outra maneira, não mais como algo humi-lhante, degradante ou“privilégio”dos escravos (tal como era visto na antiguidade)ou dos servos (no mundo feudal). Adquire um caráter de atividade que dignifica equalifica o homem, podendo gerar lucro e riqueza.Passa a haver uma separação entreo trabalhador e o produto final doseu trabalho, uma vez que o capitalis-ta é quem passa a exercer o controletécnico do processo de produção e adeter os chamados meios de produção(terra, ferramentas e instrumentos detrabalho). O trabalhador tem “apenas”sua força de trabalho e passa a vendê--la em troca de um salário, alienando--se do processo e perdendo a visãoglobal da produção.A transição do século XIX para oséculo XX foi marcada por movimentosoperários e sindicais – que já eram frutodos novos ideais iluministas e das revo-luções acima citadas – que abalaramainda mais a ordem social estabeleci-da, exigindo ferramentas para pensar oconflito e as contradições decorrentesdesses fatos. A sociedade de classes que emerge nesse novo contexto e que viriasubstituir a ordem feudal, passa a ser marcada pela divisão do trabalho que, porsua vez, traz conquistas e frustrações para todos os atores sociais. A sociedadeindustrial vive crises e conflitos, especialmente pelo rompimento entre o capitale o trabalho, que divide e agita a sociedade como um todo.Ao lado dessas, outras mudanças aconteceram, na maneira das pessoas vive-rem, morarem, trabalharem e se organizarem em sociedade. As cidades mudame muitas delas, especialmente as industriais, transformam-se em locais insalu-bres e desagradáveis para os operários viverem. Faltam moradias (e as existen-tes, em sua maioria, acomodam muitas pessoas de forma precária); as jornadasde trabalho são longas e exaustivas; crianças, idosos, gestantes e mulheres, emgeral, são empregados em péssimas condições. A noção de privacidade emergee transforma profundamente a vida em família, a concepção de criança, juven-Mulheres trabalhando em indústria de whiskyem Louisville, Kentucky, EUA.Domíniopúblico.Domíniopúblico.Parque industrial, 1955, EUA.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação19tude e as relações entre os homens. Hábitos, costumes e ideias se transformamrapidamente, gerando, inclusive, uma nova mentalidade e a separação entre opúblico e o privado – explicitada, sobretudo, pela separação do local de trabalhoe moradia.As novas formas de organização do trabalho e da família seguiram modifi-cações. Novas demandas passam a existir, sugerindo que o corpo teórico e me-todológico, do qual se dispunha naquele momento, não seria suficiente paraanalisar e conseguir explicar as questões que se colocavam diante dos olhos dosespectadores de todas essas transformações tão importantes para a humanida-de. Isso foi decisivo para a constituição da sociologia como ciência, uma vez queserá a área do conhecimento que terá a“missão”de pensar essa nova sociedadeque surgia.Do que vimos até agora, podemos concluir que o homem passa a ser o grandeobjeto de estudo da nova ciência – num contexto que estava se tornando cadavez mais racional e científico – em detrimento às análises baseadas nas explica-ções e dogmas religiosos, filosóficos e do senso comum. Essa inquietude intelec-tual estimulou e instigou a reflexão sobre o homem, a vida social e a sociedadecomo objetos de estudo. Com nomes como Comte (“pai”da sociologia com sua“física social”), Durkheim e Marx, a sociologia se consolida como ciência e abrecaminho para novas teorias e métodos que vão se constituindo à medida queavançam as reflexões sobre os consensos, os conflitos e os problemas geradospor essa sociedade capitalista e industrial – em suas múltiplas manifestações.A sociologia da educaçãoe alguns conceitos básicosE assim como existem várias culturas e várias sociedades, tem-se também maisde uma sociologia. Dentre essas várias sociologias, a sociologia da educação – ci-ência que investiga a escola enquanto instituição social, analisando os processossociais envolvidos – assim como as demais sociologias“especializadas”, têm comobase as teorias sociológicas. O que importa discutir, neste momento, é que todasaquelas transformações vividas pela sociedade trouxeram novos temas para dis-cussão no campo da educação – entendida aqui tal como Meksenas (2002, p. 19),como o conjunto das várias“maneiras de transmitir e assegurar a outras pessoasos conhecimentos de crenças, técnicas e hábitos que um grupo social já desen-volveu a partir de suas experiências de sobrevivência”.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 20Sociologia da EducaçãoSegundo outro autor, a sociologia da educação[...] põe em relevo a transmissão da cultura através da educação sistemática, parassistemáticae assistemática, bem como a mútua influência entre a educação e os grupos sociais, asinstituições sociais, a estratificação social, o controle social, o desvio social, o desenvolvimentosocial,amudançasocialetc.Enfoca,também,asrelaçõesintergeracionaiseocondicionamentosociocultural da personalidade. Estuda, ademais, a escola como instituição social, como gruposocial e o status e papéis na organização escolar. Apresenta, ainda, como a educação se situanas diversas formações sociais [...]. Investiga, por fim, as perspectivas da educação. (PESSOA,1997, p. 15)Partindo desse conceito, pode-se perceber como o campo de estudos da so-ciologia da educação pode ser amplo e diversificado, uma vez que não se podeesquecer que a educação e o processo educativo não estão descolados da socie-dade na qual estão inseridos.Vimos que o conceito de cultura é fundamental para a sociologia. Os con-ceitos a esse relacionados são fundamentais para se pensar sociologicamentea educação, em sua relação com o contexto social em que acontece o proces-so educativo. Não se pode esquecer que tanto o educando quanto o educador,assim como todo o sistema educacional, estão inseridos nesse contexto, sendoprodutores e resultados dessa interação que acontece durante todo o tempo,construindo social e historicamente os fatos e eventos que serão – ou não – elei-tos pela sociologia para serem analisados. Deve-se frisar aqui que a sociologiapode ter um caráter conservador ou transformador, conforme a teoria que sebusca para pautar as pesquisas e análises sociológicas. Na verdade, o que vocêdeve ter em mente é que o fenômeno educativo é relevante socialmente erequer, portanto, uma análise teórica específica e detalhada.É importante ressaltar que os primeiros teóricos da sociologia não analisaramdiretamente os problemas educacionais, o que não os impediu de perceberem aligação entre o sistema escolar e o restante da sociedade, discutindo questões re-lacionadas à educação, seus diferentes atores, os projetos educacionais, a questãodo poder, a questão curricular, entre outras. A escola surge como uma instituiçãoque terá como uma de suas funções“preparar”o indivíduo para a vida em socieda-de, além de desenvolver suas potencialidades e capacidades individuais.A socialização e seus agentesPara se discutir a socialização e outros temas ligados à sociologia e à sociolo-gia da educação é necessário explicar alguns conceitos básicos – tais como pro-cesso social, interação social, instituição social, sistema escolar, poder, status,papel social e outros.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação21JupiterImages/DPIimages.Podemos começar pela noção deinteração social, processo por meiodo qual o homem se constrói en-quanto ser social, isto é, adquire seucaráter de humanidade, diferencian-do-se de outros seres vivos. Ao estarem relação a outro, o homem conce-be sua identidade.A ideia de processo social é básicaparaseentenderaprópriadinâmicadasociedade–quenãoéestática,querdizer,que não está parada; mas, pelo contrário, está em constante movimento. Trata--se da maneira como os atores sociais se relacionam – ou não. É a comunicaçãoque garante que o ser biológico se torne um ser social e sociável. Podem serprocessos associativos (que tendem a aproximar) ou dissociativos (que tendema separar), sendo que os mais comuns são o isolamento, o contato, o conflito, acompetição, a interação, a cooperação, a adaptação, a acomodação e a assimila-ção. Em diferentes graus, cada um deles implica uma maior ou menor proximi-dade entre os indivíduos, de acordo com seus interesses, que ligam-se à classesocial, ao status e aos papéis desempenhados pelos indivíduos.O conceito de classe social, por sua vez, relaciona-se com mobilidade social,diferentemente da noção de estamentos3, que se baseavam em hierarquia e/oucódigos de honra, muitos ligados à própria condição de nascimento. De acordocom Vieira (1996, p. 58), as classes sociais[...]organizam-seemcamadassociaisfundadasnaseparaçãoentretrabalhadoreseproprietáriosdos meios de produção, às vezes com consciência social correspondente às suas condições deexistência [...] e admitem mobilidade entre si, abrindo-se aos movimentos sociais e revelandotambém conflitos, principalmente quanto à distribuição do poder entre elas, na disputa sobreo domínio econômico, político e intelectual na sociedade industrial.Já status social é definido socialmente e diz respeito ao lugar ou à posiçãoque o indivíduo ocupa na estrutura social, de acordo com o consenso do gruposocial, podendo advir mais ou menos prestígio, conforme os elementos que odeterminam e as funções a ele relacionadas. A partir dessa posição, caberão aoindivíduo determinados papéis, que podem ser definidos como conjuntos deimagens e expectativas que são ligadas a cada status, determinando como aspessoas deverão se comportar em suas relações com ocupantes de status supe-rior e/ou inferior.3Estamento é uma camada social semelhante à casta, porém, mais aberta. Numa sociedade estamental, a possibilidade de ascensão social é difícil,mas não impossível como na sociedade de castas. A sociedade feudal é um exemplo de sociedade estamental (OLIVEIRA, P. dos Santos. Introduçãoà Sociologia. 24. ed. São Paulo: Ática, 2003. p. 240).Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 22Sociologia da EducaçãoUm indivíduo tem também vários papéis na sociedade. Podemos dar o exem-plo do professor: em determinadas sociedades, é uma categoria social que temcerto prestígio e ao mesmo tempo exerce o papel que se espera dele enquantotal – além de desempenhar também o papel de marido, pai, membro de umclube etc. Na verdade, o que está em jogo aqui é uma relação de poder, visto queo comportamento dos indivíduos está ligado aos papéis que desempenham eao seu status na sociedade, o que, por outro lado, implica em normas e sançõesque compõem esses papéis. A superioridade de um indivíduo advém do poder,isto é, da força, do prestígio e do reconhecimento que o grupo vê nele ou lheatribui, a partir de sua posição social.Toda essa discussão nos leva à necessidade de explicitar melhor o que vema ser socialização, fundamental para se entender o processo social e também oprocesso educativo. A criança quando introjeta valores e regras a partir da família,principal grupo de socialização, está se “capacitando” para a vida em sociedade,garantindo inclusive a perpetuação do próprio grupo social (entendido como co-letividade) e a formação da sua personalidade. A família é vista como um órgãode controle social e agente da socialização na medida em que “regula grandeparte do comportamento de seus membros, impedindo ou procurando impedirconduta que a sociedade considere condenável”(LENHARD, 1985, p. 115).No momento, é preciso destacar a importância da socialização para a forma-ção da consciência humana e social, da internalização da cultura, que aconteceao longo da vida inteira. A difusão dos valores comuns que compõem a culturade um grupo social se dá de várias formas, especialmente na atualidade, quandoos diversos meios de comunicação colocam-se ao lado da família e da escolacomo agentes da socialização. Como existem várias culturas e várias sociedades,pode-se deduzir que a socialização deve respeitar e considerar essa pluralidadecultural. E educação exerce um papel fundamental nesse processo, mesmo quese leve em conta que é impossível interiorizar a totalidade social.Mas conhecer os aspectos culturais deseu grupo possibilita a transformação deum indivíduo em um ser social. A socializa-ção começa na infância e segue pela vidatoda, sempre que se interioriza aspectosda cultura.O processo educativo adquire cada vezmais importância ao longo da vida, umaJupiterImages/DPIimages.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação23vez que é pela ação educativa e no contexto da aprendizagem que se aprendeos papéis que se deve representar. Sempre que houver um processo educativo,se estará falando de socialização. De acordo com Pessoa (1997, p. 26),[...] nessa altura da evolução social, o processo de socialização assume um caráter que exigea ação de pessoas especializadas e a criação de instituições voltadas para a tarefa educativa,em que os indivíduos se socializam de forma diferenciada, em função da posição ocupada nasociedade, em face da propriedade.Pode-se perceber então, que a socialização e a educação são vivenciadas deforma diferenciada numa mesma sociedade.Texto complementarA formação da sociologia(BRASIL ESCOLA, 2009)No final do século passado, o matemático francês Henri Poicaré referiu-seà sociologia como ciência de muitos métodos e poucos resultados. Ao quetudo indica atualmente, poucos duvidam dos resultados alcançados pela so-ciologia. A sua realidade é atestada pelas inúmeras pesquisas dos sociólogos,pela sua presença nas universidades e empresas e nos organismos estatais.Ao lado desta crescente presença da sociologia no nosso dia a dia, continua,porém, chamando a atenção de todos os que se interessam por ela, os fre-quentes e acirrados debates travados em seu interior sobre o seu objeto deestudo e seus métodos de investigação.A falta de um entendimento comum entre os sociólogos sobre a sua ciên-cia possui, em boa medida, uma relação com a formação de uma sociedadedividida pelos antagonismos de classe. A existência de interesses opostos nasociedade capitalista penetrou e invadiu a formação da sociologia. Esse con-texto histórico influenciou enormemente suas visões sobre como deveria seranalisada a sociedade, o que refletiu também no conteúdo político de seustrabalhos. Esse antagonismo deu origem ao aparecimento de diferentes tra-dições sociológicas ou distintas sociologias, como afirmam alguns sociólogos.Não podemos esquecer que a sociologia surgiu num momento de grandeexpansão do capitalismo e, por isso mesmo, alguns sociólogos otimistas as-Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 24Sociologia da Educaçãosumiram, diante da sociedade capitalista nascente, que os interesses e osvalores da classe dominante eram representativos do conjunto da sociedadee que os conflitos entre as classes sociais eram passageiros.Os conservadores chamados de “profetas do passado” construíram suasobras contra a herança dos filósofos iluministas. Não eram intelectuais quejustificavam a sociedade por suas realizações políticas ou econômicas. Aocontrário, a inspiração do pensamento conservador era a sociedade feudal,com sua estabilidade e acentuada hierarquia social. Não se interessavam emdefender uma sociedade moldada nos princípios defendidos pelos iluminis-tas, nem um capitalismo que se transformava mostrando sua faceta indus-trial e financeira. O fascínio que as sociedades da Idade Média exercia sobreesses pensadores conferiu às suas obras um forte sabor medieval. Por inte-resse direto, alguns deles eram defensores ferrenhos das instituições religio-sas, monárquicas e aristocráticas,em franco processo de desmantelamento.As ideias dos conservadores eram um ponto de referência para os pionei-ros da sociologia, interessados na preservação da nova ordem econômica epolítica que estava sendo implantada. Adaptando, inclusive, algumas con-cepções dos “profetas do passado” às novas circunstâncias históricas, pelaimpossibilidade total de retorno ao passado. É entre os autores positivistas,como Saint-Simon, Auguste Comte e Emile Durkheim, que as ideias dos con-servadores exerceriam uma grande influência. [...]Saint-Simon acreditava que a nova época era a do industrialismo, quetrazia consigo a possibilidade de satisfazer todas as necessidades humanas econstituía a única fonte de riqueza e prosperidade. Percebeu que no avançoque estava ocorrendo no conhecimento científico havia uma grande lacuna,nesta área do saber, qual seja, a inexistência da ciência da sociedade. Admi-tia, mesmo tendo uma visão otimista da sociedade industrial, a existência deconflitos entre os possuidores e os não possuidores.Várias das obras de Saint-Simon seriam retomadas por Auguste Comte(1798-1857), seu secretário particular, pensador menos original, emboramais sistemático que Saint-Simon, a quem deve suas principais ideias. Amotivação da obra de Comte repousa no estado de “anarquia” e de “desor-dem” de sua época histórica. Segundo ele, as sociedades europeias encon-travam-se em um verdadeiro estado de caos social. Entendia que se as ideiasreligiosas não teriam mais forças para reorganizarem a sociedade, muitoEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação25menos as ideias dos iluministas. Era extremamente impiedoso no ataque aesses pensadores, a quem chamava de “doutores em guilhotina”, vendo emsuas ideias o “veneno da desintegração social”. Para ele, para haver coesãoe equilíbrio na sociedade, seria necessário restabelecer a ordem nas ideiase nos conhecimentos, criando um conjunto de crenças comuns a todos oshomens. Comte considerava como um dos pontos altos de sua sociologia areconciliação entre a“ordem”e o“progresso”, pregando a necessidade mútuadesses dois elementos para a nova sociedade.Também para Durkheim, (1858-1917) a questão da ordem social seriauma preocupação constante. De forma sistemática, ocupou-se em estabe-lecer o objeto de estudo da sociologia, assim como indicar o seu métodode investigação. Foi através dele que a sociologia penetrou a Universidade,conferindo a essa disciplina o reconhecimento acadêmico. Sua obra foi ela-borada em época de crises econômicas constantes, quando o desempregoe a miséria provocavam o acirramento das lutas de classes com os operários,utilizando a greve como instrumento de luta e fundando seus sindicatos.Vivendo nesta época em que as teorias socialistas ganhavam terreno,Durkheim não poderia ignorá-las, tanto é que em certo sentido, suas ideiasconstituíam a tentativa de fornecer uma resposta às formulações socialistas.Discordava das teorias socialistas mormente quanto à ênfase atribuída aosfatos econômicos para diagnosticar a crise das sociedades europeias. Acre-ditava que a origem dos problemas não era de natureza econômica, masoriginados na fragilidade da moral em orientar adequadamente o compor-tamento dos indivíduos.Preocupado em estabelecer um objeto de estudo e um método para asociologia, Durkheim dedicou-se a essa questão, salientando que nenhu-ma ciência poderia constituir-se sem uma área própria de investigação. Asociologia deveria ocupar-se com os fatos sociais que se apresentavam aosindivíduos como exteriores e coercitivos. Isso quer dizer que o indivíduoquando nasce já encontra a sociedade formada, criada pelas gerações pas-sadas, cuja organização deverá ser transmitida às gerações futuras atravésda educação.O seu pensamento marcou decisivamente a sociologia contemporânea,principalmente as tendências que se têm preocupado com as questões damanutenção da ordem social. A sua influência fora do meio acadêmico fran-cês começou por volta de 1930, quando, na Inglaterra, dois antropólogosEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 26Sociologia da Educação– Malinowski e Radcliffe-Brown – armaram, a partir de seus trabalhos, osalicerces do método de investigação funcionalista (busca de explicação dasinstituições sociais e culturais em termos da contribuição que estas forne-cem para a manutenção da estrutura social). Nos Estados Unidos, a partir da-quela data, as suas ideias começaram a ganhar terreno no meio universitário,exercendo grande fascínio em inúmeros pesquisadores. No entanto, foramdois sociólogos americanos, Mertom e Parsons, em boa medida, os respon-sáveis pelo desenvolvimento do funcionalismo moderno e pela integraçãoda contribuição de Durkheim ao pensamento sociológico contemporâneo,destacando a sua contribuição ao progresso teórico dessa disciplina.A formação e o desenvolvimento do conhecimento sociológico crítico enegador da sociedade capitalista, sem dúvida liga-se à tradição do pensa-mento socialista, que encontra-se em Marx (1818-1883) e Engels (1820-1903)a sua elaboração mais expressiva. Esses pensadores não estavam preocupa-dos em fundar a sociologia como disciplina específica. A rigor, não encon-tramos neles a intenção de estabelecer fronteiras rígidas entre os diferentescampos do saber, tão ao gosto dos “especialistas” de nossos dias. Eles, emsuas obras, interligavam disciplinas como antropologia, ciência política, eco-nomia, procurando oferecer uma explicação da sociedade como um todo,colocando em evidência as suas dimensões globais. Seus trabalhos nãoforam elaborados nos bancos das universidades, mas, frequentemente, nocalor das lutas políticas.A formação teórica do socialismo marxista constitui uma complexa ope-ração intelectual, na qual são assimiladas de maneira crítica as três principaiscorrentes do pensamento europeu do século passado, tais como o socialis-mo, a dialética e a economia política. O socialismo pré-marxista, também de-nominado“socialismo utópico”, constituía uma clara reação à nova realidadeimplantada pelo capitalismo, principalmente quanto às suas relações de ex-ploração. Marx e Engels, ao tomarem contato com a literatura socialista daépoca, assinalaram as brilhantes ideias de seus antecessores sem deixaremde elaborar algumas críticas a esse socialismo, a fim de dar-lhe maior consis-tência teórica e efetividade prática. Assinalavam que as lacunas existentesEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação27nesse tipo de socialismo possuíam uma relação com o estágio de desenvolvi-mento do capitalismo da época, uma vez que as contradições entre burgue-sia e proletariado não se encontravam ainda plenamente amadurecidas.Atuavam os “utópicos” como representantes dos interesses da humani-dade, não reconhecendo em nenhuma classe social o instrumento para aconcretização de suas ideias. A filosofia alemã da época de Marx encontraraem Hegel uma de suas mais expressivas figuras. Como se sabe, a dialéticaocupava posição de destaque em seu sistema filosófico. A tomarem contatocom a dialética hegeliana, eles ressaltaram o caráter revolucionário, uma vezque o método de análise de Hegel sugeria que tudo o que existia, devido àssuas contradições, tendia a extinguir-se. A crítica que eles faziam à dialéticahegeliana se dirigia ao seu caráter idealista. Assim, procuraram “corrigi-la “,recorrendo ao materialismo filosófico de seu tempo.A intenção em conferir à sociologia uma reputação científica encontraem Max Weber (1864-1920) um marco de referência. Durante toda sua vida,insistiu em estabelecer uma clara distinção entre o conhecimento científico,fruto de cuidadosa investigação, e os julgamentos de valor sobre a realidade. Abusca de uma neutralidade científica levou Weber a estabelecer uma rigorosafronteira entre o cientista – homem do saber, das análises frias e penetrantes– e o político – homem de ação e de decisão, comprometido com as questõespráticas da vida. Essa posição deWeber, que tantas discussões têm provocadoentre os cientistas sociais, constitui, ao isolar a sociologia dos movimentos re-volucionários, um dos momentos decisivos da profissionalização dessa disci-plina. A ideia de uma ciência social neutra seria um argumento útil e fascinantepara aqueles que viviam e iriam viver da sociologia como profissão.A sociologia por ele desenvolvida considerava o indivíduo e a sua açãocomo ponto chave da investigação. Com isso, ele queria salientar que o ver-dadeiro ponto de partida da sociologia era a compreensão da ação dos in-divíduos e não a análise das “instituições sociais” ou do “grupo social”, tãoenfatizadas pelo pensamento conservador.(Disponível em: <http://www.brasilescola.com/sociologia/formacao-dasociologia.htm>. Acesso: em fev. 2009)Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 28Sociologia da EducaçãoDicas de estudoAssista aos filmes indicados e reflita sobre eles.GerminalMostra a realidade dos operários franceses nas minas de carvão, no final doséculo XIX, convivendo com a fome, a miséria e as más condições de trabalho,que acabam gerando conflitos e manifestações contra os patrões. O que aconte-ce nessa mina é um retrato do que acontecia nas fábricas, em geral, nos primór-dios da Revolução Industrial. Sem o amparo de uma rede de proteção social, ostrabalhadores eram expostos a todo tipo de exploração, em nome do alto lucrodos capitalistas. Observe as mudanças que já aconteceram na realidade das fá-bricas até os dias atuais.Sociedade dos Poetas MortosO filme se passa num internato masculino, em meados de 1959, e apresentaum modelo de escola de ensino tradicional, em que tudo acontece a partir deconcepções de tempo e espaço predeterminados, num modelo dominador deensino. Por meio da prática do professor que passa a atuar na instituição, tem-sea ideia do que seria um profissional representante de um novo ideal pedagógicoe a discussão de vários dos conceitos apresentados nessa unidade. Procure ana-lisar o filme a partir dos conceitos apresentados, tais como poder, status, papelsocial, ação educativa e socialização. De que forma eles aparecem?Sugestões de leituraBARREIRA, C. (Org.). A Sociologia no Tempo. São Paulo: Cortez, 2003.CARMO, Paulo Sérgio do. A Ideologia do Trabalho. São Paulo: Moderna,1992.CATANI, Afrânio Mendes. O que é Capitalismo? 23. ed. São Paulo: Brasiliense,1986. (Coleção Primeiros Passos).FLORENZANO, Modesto. As Revoluções Burguesas. 8. ed. São Paulo: Brasi-liense, 1987. (Coleção Tudo é História).GUARESCHI, Pedrinho. Sociologia Crítica . Porto Alegre: PUCRS, 2002.HOBSBAWM, Eric. A Era das Revoluções. 23. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,2007.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação29LALLEMENT, Michel. História das Ideias Sociológicas. Das origens a MaxWeber e de Parsons aos contemporâneos. Petrópolis: Vozes, 2004. 2v.MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1980.NASCIMENTO, Maria das Graças; NASCIMENTO, Milton Meira do. Iluminis-mo: a revolução das luzes. São Paulo: Ática, 1998. (Coleção História emMovimento).SANTOS, José Luiz dos. O que é Cultura? 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.(Coleção Primeiros Passos).*Ver também: artigo de Graziella Moraes Dias da Silva, intitulado Socio-logia e Educação: um debate teórico e empírico sobre modernidade. Enfoques– Revista Eletrônica. Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 89-117, 2002. Disponível em:<www.enfoques.ifcs.ufrj.br/pdfs/dezembro2002>.Todas são obras introdutórias aos temas discutidos ao longo do capítulo efornecem mais elementos sobre os fatos/eventos decisivos para se entenderas profundas mudanças que se verificaram no mundo, do final do século XVIIIao final do século XIX, e que contribuíram para o surgimento da sociologia.Atividades1. Procure escrever, em uma frase, o que você entende por sociologia, desta-cando qual seria seu objetivo maior.Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • 30Sociologia da Educação2. A partir das transformações pelas quais passou a humanidade, das quais asociologia é fruto, cite três problemas que passaram a ser estudados pelanova ciência.3. Pense na sua família e procure perceber como ela exerceu sua ação sociali-zadora com você. Faça uma redação para contar como isso aconteceu e co-mente com seus colegas para trocar experiências. Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação31 Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br
  • A sociologia e a educação1. A sociologia é a ciência que procura compreender e analisar o homemem interação social, isto é, em sociedade, bem como as estruturas des-sa sociedade, por meio de teorias e métodos específicos, com o obje-tivo de manter ou transformar essa organização social.2. Entre os vários problemas gerados pelas mudanças verificadas na so-ciedade, a partir do século XVII, podem-se citar as novas formas e rela-ções de trabalho, o êxodo rural e a nova organização das cidades.3. Deve constar na redação que por meio da socialização que ocorre nomeio familiar, o indivíduo vai aprender a viver em sociedade, ou seja,lhes serão transmitidos as normas, regras e valores que norteiam avida na sociedade na qual ele se insere.GabaritoEsse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A,mais informações www.videoaulasonline.com.br