Your SlideShare is downloading. ×
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Marketing Digital
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Marketing Digital

1,514

Published on

Marketing Digital …

Marketing Digital
Compilação do livro Os 8Ps do Marketing Digital, de Conrado Adolpho, com exemplos originais

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,514
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
63
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Os 8 Ps do Marketing Digital Conteúdo elaborado por Luciana Manfroi Do livro Os 8Ps do Marketing Digital, de Conrado Adolpho
  • 2. Luciana ManfroiGraduada em Publicidade e Propaganda –ESPM, Rio de JaneiroMestre em Ciências da Linguagem –linguagem e tecnologia da informação, UnisulCriação, concepção e produção do ProjetoPedagógico para Pós-graduação em Comunicação eMarketing em Mídias DigitaisEscritora na área de Marketing, Comunicação eMídias DigitaisPesquisadora, palestrante e consultora na área deProdução de Conteúdo para Mídias Digitais
  • 3.  Além dos 4 Ps do marketing tradicional (Produto, Preço, Promoção e Praça), o marketing para internet possibilita uma maior amplitude. Estamos na era das redes sociais, com novas plataformas e tecnologias que nos propiciam conversas, e com a possibilidade de trocas de informações com as pessoas e as empresas.
  • 4.  O autor Conrado Adolpho, em seu livro 8 Ps do Marketing Digital propõe que, além dos 4 Ps, tratados como variáveis controláveis, o marketing na internet possibilita que as variáveis se transformem em processos, com a seguinte classificação para o Mix de Marketing: pesquisa, planejamento, produção, publicação, promoção, propagação, personalização e precisão. Indicaremos, a seguir, os 8 Ps do marketing digital, ampliando cada um deles com maiores abordagens sobre cada conceito.
  • 5.  1) Pesquisa : antes do planejamento, necessitamos realizar pesquisas, como um mapeamento sobre o usuário, com forte característica de investigação sobre seus hábitos, pois as mídias sociais possibilitam um estudo mais específico sobre o comportamento das pessoas. Desta forma, é possível traçar um perfil mais preciso sobre o público-alvo da empresa.
  • 6.  2) Planejamento : o P do planejamento indica que para se produzir um website, é necessário que as equipes envolvidas trabalhem com o mesmo objetivo, ou seja, falem a mesma linguagem. A importância desta unidade de comunicação é vital para o negócio, pois são vários profissionais envolvidos, como programadores, designers, jornalistas, responsáveis pelo marketing, etc. Podemos ver a seguir que o planejamento de marketing digital passa por etapas, mesmo que seja para a produção de um ambiente digital para a empresa:
  • 7.  Análise da situação: onde estamos inseridos no mercado?  Objetivos: a meta de onde queremos chegar  Estratégias: de que forma iremos conseguir alcançar nossos objetivos?  Táticas: detalhamento passo-a-passo, promovido por ações que levem a atingir as estratégias  Plano de ação: quais são as atividades de rotina que iremos priorizar? Qual é o tempo para a realização de cada ação? Devemos indicar a freqüência de cada uma (diária, semanal, mensal) Controle: cada ação poderá ser monitorada em tempo real, o que nos faz obter resultados imediatos.
  • 8.  3) Produção : Concluída a etapa de planejamento, partiremos para a produção do website (ou ambiente de negócios) da empresa. Ou seja: etapa em que realizaremos o que foi planejado.
  • 9.  4) Publicação: basicamente, a publicação é a disposição dos conteúdos no website. Este é um trabalho constante, que deve ser relevante para o público e que deve ter um planejamento de freqüência. Em websites institucionais, a freqüência de publicações não é tão alta como em um blog da empresa, por exemplo.
  • 10.  5) Promoção : a promoção contempla campanhas com o objetivo de promover a marca a partir do marketing de incentivo, com forte apelo à promoção a partir do engajamento e respostas das pessoas.
  • 11.  6) Propagação : prioriza a divulgação da marca nas mídias sociais, com o objetivo de aumentar o tráfego e, consequentemente, a presença na web.
  • 12.  7) Personalização : abrange o marketing de relacionamento, optando por segmentar o marcado consumidor em nichos, caracterizando ações que contemplem as características de cada segmento.
  • 13.  8) Precisão : última etapa dos 8 Ps do marketing no meio digital, a precisão contempla a mensuração do tráfego e a análise das metas atingidas, o que resulta nos objetivos alcançados.
  • 14.  O método que iremos adotar em nossos estudos, para o composto de marketing, foi concebido e está altamente propagado no mercado e na academia. Em os 8 Ps do Marketing Digital, Conrado Adolpho propõe uma nova metodologia, que será a base do marketing digital.
  • 15.  Em seus estudos, Conrado Adolpho deixa claro que a metodologia dos 8 Ps não é um mix dos 4 Ps com marketing digital. Mas, sim, “é um processo a ser seguido passo a passo para que sua estratégia de marketing digital central, que é se apoiar no grau de atividade do consumidor, possa ser cumprida com êxito”.
  • 16.  Uma das principais propostas dos 8 Ps do marketing digital é a questão de que, como metodologia, exige um método, e no contexto que deve ser concebido podem ser utilizadas ferramentas que fazem parte da estratégia de marketing digital utilizada naquele momento pela empresa. Como as ferramentas mudam a todo momento, pode- se utilizar o que for mais expressivo para o momento: hoje pode ser o Facebook, ontem foi o Orkut, por exemplo. Ou seja, o mais importante é lançar mão às possibilidades tecnológicas e de plataformas que estão sendo utilizadas pelos consumidores.
  • 17.  Outra questão que é tratada de forma contundente é a que se relaciona ao consumidor. Na concepção de como o marketing deve ser trabalhado hoje em dia, a nova proposta é a de que tudo parte do consumidor. Ou seja, diferente da era do marketing tradicional, em que o produto era a base para toda o ciclo, em que todo o processo partia do produto, hoje tudo parte do consumidor.
  • 18.  A nova ordem de mercado aponta para a co- criação do produto junto ao consumidor, com a interferência de sua proposta conforme seus hábitos e costumes. Desta forma, o consumidor participa ativamente do processo de criação do produto, sugerindo, experimentando, opinando, criticando através das redes sociais de relacionamento.
  • 19.  Abaixo,segue um caso em que a Nestlé resolve mudar o sabor de seu clássico achocolatado, sem informar ao consumidor.
  • 20. http://info.abril.com.br/aberto/infonews/092008/02092008-28.shl em 12/05/2012
  • 21.  O Nescau existe no Brasil desde 1932, sempre com o mesmo sabor. Em 2008, a Nestlé resolveu lançar diversos sabores como as versões Light, Nutri e 2.0, e retirar o Nescau tradicional do mercado. Os consumidores não apoiaram a iniciativa da empresa, e abriram uma campanha de engajamento no Orkut, que tinha a proposta de trazer de volta às prateleiras o Nescau original. Com os perfis “Queremos Nescau Tradicional” e “Volta, Nescau tradicional”, os consumidores conseguiram dar visibilidade ao seu objetivo, fazendo com que a Nestlé trouxesse de volta o Nescau tradicional para o mercado, oferecendo seu sabor original junto com os novos lançamentos.
  • 22.  Desta forma, podemos notar a importância do consumidor para qualquer ação de marketing que se realiza hoje em dia. Então, temos que pensar que estamos, constantemente, vivendo mudanças, pois a nova ordem mercadológica é baseada, em todo o seu processo, nos consumidores.
  • 23. 1ºP: Pesquisa http://www.mglcom.com.br/blog/cat/publicidade
  • 24. 1ºP: Pesquisa O comportamento do consumidor é uma área de estudos há muito utilizada pelas empresas, com o objetivo de identificar o relacionamento das marcas com seu público. O que mudou neste tempo de pré redes sociais até agora foi a maneira como o consumidor está interagindo com os produtos. E, claro, a possibilidade que ele tem hoje de utilizar a comunicação instantânea para falar diretamente com a empresa.
  • 25.  Desta forma, o primeiro passo para qualquer projeto digital é o estudo do comportamento do consumidor que, necessariamente, parte da pesquisa. A máxima de que se tem que falar a mesma linguagem do seu público-alvo continua valendo, cada vez mais, para as questões de marketing. Então, nada mais verdadeiro do que saber utilizar todo o potencial de pesquisa e monitoramento do consumidor no meio digital.
  • 26.  Para este mapeamento e posterior monitoramento, podem-se utilizar ferramentas de busca que, conforme as palavras-chave escritas nos buscadores, pode-se localizar a intenção de pesquisa do público. Algumas ferramentas apontam percentualmente o número por determinadas palavras, o que faz com que se tenha um resultado sobre o que o público está buscando.
  • 27.  Desta forma, o objetivo inicial do P da Pesquisa, para qualquer negócio, é o de saber que a busca por uma determinada palavra-chave é o resultado da intenção das pessoas e isso tem relação direta com o mercado.
  • 28.  Veja abaixo a pesquisa que realizei no Google Insights, uma ferramenta útil para as propostas de pesquisa sobre o que as pessoas estão procurando. Para exemplificar melhor sobre este mapeamento de intenção do consumidor, busquei pela palavra chocolate, na região do Brasil, no período de 2004 até 2012.
  • 29.  Poderemos analisar o gráfico de forma a ter um retorno de intenção do público em procurar a palavra chocolate. Graficamente, pode-se notar os percentuais de intenção durante o período de 2004 até 2012, com uma previsão de intenção para 2013 (veja linha pontilhada no final do gráfico).
  • 30.  Abaixo, segue o resultado obtido a partir desta busca inicial.
  • 31.  Explorando mais o gráfico, surgem os resultados de mapeamento sobre a intenção de busca da palavras chocolate, sobre os aspectos relacionados à região. Nestes aspectos, temos que o estado de São Paulo, seguido de Paraná e Santa Catarina, é o local em que partem as maiores buscas sobre a palavra. Seguindo a análise, os resultados são sobre os Termos de Pesquisa, divididos em Pesquisas Mais Comuns e Pesquisas Crescentes. Nota-se que em Pesquisas Mais Comuns, a liderança é para a busca por bolo chocolate, seguida de bolo e, em seguida, bolo de chocolate. No item Pesquisas Crescentes, que mostra o resultado da palavra que teve mais busca foi bolo de cenoura.
  • 32.  Desta forma, com algumas ferramentas apropriadas para pesquisar o que as pessoas buscam, o marketing das empresas consegue vislumbrar a melhor escolha para designar seus objetivos. Por exemplo, com a indicação de que a palavra chocolate teve um maior nível de intenção nas buscas que partiram de São Paulo, seguida por Paraná e Santa Catarina, pode-se iniciar um processo de análise no sentido regional.
  • 33.  Neste caso, podemos notar que as buscas revelam a intenção das pessoas, e que se torna, assim, importante para qualquer negócio.
  • 34. 2º P: Planejamento
  • 35. 2º P: PlanejamentoApartir dos estudos doprimeiro P, relativo àPesquisa, seguimos nossosconceitos sobre o segundo P,o de Planejamento demarketing no meio digital.
  • 36.  Como tudo na vida, seja para objetivos profissionais ou particulares, o planejamento é a base com que temos que trabalhar para que se conquiste o que se almeja. Se você for realizar uma festa de aniversário, antes de tudo, você sabe disso, tem que se programar todas as etapas a serem cumpridas. Primeiro, é natural que se vislumbre a festa, quantas pessoas serão convidadas, se o ambiente comporta esse número de pessoas, qual será o cardápio, quem colocará a sonorização, e por aí segue uma lista infindável de ações que fazem com que a festa tenha um bom ou um mal êxito.
  • 37.  Assim também é no planejamento de marketing no meio digital. Ou seja, é necessário que se realize o objetivo em etapas, ou tarefas de rotina. O mercado digital não é mais nem menos fácil de ser trabalhado do que o mercado físico. Por exemplo, qualquer um, eu ou você, pode montar um site – mas fazer com que ele atinja o seu objetivo não é tão banal assim. Primeiro, porque a quantidade de concorrentes que o meio digital apresenta é imensa, comparada ao meio físico, por exemplo, com uma loja situação em tal geolocalização.
  • 38.  Não se deve descartar toda a experiência desenvolvida nos meios tradicionais, mas é necessário saber que as ferramentas são diferentes e que se necessita de adaptação ao consumidor e ao mercado digital. Desta forma, os conceitos básicos do marketing offline continuam a existir, mas se deve estudar agora a proposta digital, com um consumidor que encontra diversas possibilidades de realizar sua compra, de um meio interativo, e vários outros pontos que diferenciam as transações econômicas do marketing tradicional ao marketing digital.
  • 39.  Os principais elementos para a realização de ações digitais são a integração de uma estratégia bem focada, em que seja compreendida por todos os envolvidos, as ferramentas que serão utilizadas para as ações (sites, redes sociais, wikis, etc) e a equipe que será responsável pela realização das ações.
  • 40. Portanto, os primeiros critérios quese deve pensar são os seguintes: - compreenda o seu negócio - pesquise os consumidores do mercado de seu negócio - segmente o mercado, a partir de pesquisa e de capacidade de agrupar os consumidores com afinidades entre si - pesquise as necessidades de cada segmento e relacionar essas necessidades com a proposta do que o seu negócio pode resolver para esses segmentos
  • 41. Portanto, os primeiros critérios quese deve pensar são os seguintes: - defina alguns segmentos que gerem lucro para seu negócio, e que terá oportunidade de liderar e acrescentar mais valor - posicione a sua empresa sobre esses segmentos - planeje a sua comunicação para os desejos e necessidades destes segmentos - planeje a sua expansão - inicie pequeno e cresça rápido
  • 42.  Para uma compreensão mais aprofundada sobre o planejamento de marketing digital, Conrado Adolpho sugere que se realize um guia de ações que objetiva que os objetivos, estratégias e metas sejam compreendidos por todos os profissionais envolvidos. Vamos, agora, estudar como se pode realizar um Guia de Ações para o Planejamento Digital.
  • 43. Guia de Ações para o Planejamento Digital O guia de ações será um documento que conterá todas as ações especificadas no P de Pesquisa – com o estudo do próprio negócio, do comportamento do consumidor, dos concorrentes e do mercado. Vamos iniciar os pontos que deveremos priorizar neste guia.
  • 44. Quais são os segmentos do mercado da empresa? Segmentar o mercado é uma ação que pode ser conquistada a partir de uma análise específica realizada no P da Pesquisa. Objetivo: definir os nichos, ou grupos afins, para se iniciar uma exploração de escolha de quais grupos se deve priorizar a comunicação. Esta ação dará o start para as próximas ações deste guia.
  • 45. Quais são os benefícios que os segmentos do mercado percebem do negócio da empresa? Nesta ação, deves-se realizar uma lista de pontos positivos que são oferecidos pelos produtos e/ou serviços da empresa. A importância desta ação está guardada para uma etapa seguinte, em que, em posse destas informações, a empresa poderá adaptar o gosto do consumidor ao que o seu produto já oferece. Também, poderá rejeitar o que não está sendo aproveitado pelo consumidor.
  • 46.  Segue um exemplo das batatinhas Ruffles, da Elma Chips, que teve seu produto criticado nas redes sociais. A situação colocada pelos consumidores, com um tom de ironia, indicava que o pacote de batatinhas tinha mais ar do que o próprio produto. Em uma ação de feedback às críticas, a Ruffles vem a público para explicar porque utiliza tanto ar na embalagem.
  • 47.  Algumas vezes, as críticas dos consumidores ficam sem respostas nas redes sociais. Neste caso, a Ruffles consegue justificar o problema que é percebido pelo consumidor, e cria a seguinte peça de comunicação:
  • 48. Saco de ar? Isso é mito. Entenda o porquê do caminho da batata Ruffles até a sua boca. Pra começar... O ar é como um airbag para a batata A batata Ruffles viaja o Brasil inteiro para chegar até você e durante o transporte, o sobe- caixa-desce-caixa poderia quebrar todas elas. Mas não! O ar do pacote está lá e protege 1985-2012 todas do impacto. Mesma proporção há 27 anos. Proporção de ar e batata é a mesma desde 1985! Sem o ar, a batata O ar que fica no pacote faz seria migalha. Aí não parte (desde o início) do dá, né? processo natural do empacotamento das batatas. Assim o ar ajuda a preservar a forma e o sabor, não importa o tamanho da suaTodas as batatas chips do batata Ruffles.planeta precisam ter ar nopacote, porque são finas, Antes de pegar a estrada...frágeis e quebram muito fácil. São 3 fábricas no País e 45 produtoresSem o ar, você vai comprar um fornecendo 500 toneladas de batatas por dia!pacote no mercado e dar de Depois de selecionadas e lavadas, passam porcara com as batatas todas avaliação no laboratório e entram na linha deesmigalhadas. produção. Aí descasca, esquenta, fatia, tempera, embala e começa esse caminho que você acabou de ver.
  • 49.  Acompanhe, a seguir, as respostas dos consumidores sobre a campanha de feedback da Elma Chips, sobre a situação relatada acima. As respostas foram coletadas na própria fanpage da Ruffles no Facebook.
  • 50. www.facebook.com/RufflesO25/05/2012
  • 51.  Podemos notar que as respostas dos consumidores são as mais diversas. Alguns, se contentam com a justificativa da empresa; outros, apontam que a explicação deveria ser dada, também, aos concorrentes, pois o produto deles não tem tanto ar, e as batatas chegam inteiras, para consumo, e por aí vai.
  • 52.  O mais interessante de se analisar neste caso, é que as percepções são diferentes, assim como, consequentemente, as respostas. Isso tudo nos serve para que tenhamos claro que, mesmo que se encontre uma solução para a comunicação de marketing da empresa, com as redes sociais, há a possibilidade de a empresa receber um retorno de opiniões diferentes. Ou seja, quando se lança uma comunicação, deve-se estar preparado para responder a diversas questões que poderão surgir.
  • 53. Quais são os fatores críticosde sucesso de seu negócio? Os fatores críticos de sucesso (ou fatores- chave de sucesso) são compreendidos como tráfego qualificado (pessoas interessadas em seu produto ou serviço) e credibilidade (ter um relacionamento que inspire a confiança de seu público), que irão gerar a taxa de conversão. Os fatores críticos de sucesso podem ser resumidos em uma lista de 3 a 5 fatores.
  • 54.  É bom relembrar o princípio de Pareto: 20% das ocorrências geram 80% dos resultados. Portanto, escolha poucos fatores críticos de sucesso. Por exemplo, uma pizzaria que faz entregas em domicílio, necessita trabalhar com, pelo menos, três fatores críticos de sucesso: tempo (entrega rápida), qualidade (pelo menos, pizza quente) e distribuição (acondicionamento do produto, para que chegue intacto). Por isso, para o êxito do planejamento digital de uma empresa, essa ação não poderá ser dispensada.
  • 55. Quais serão os segmentos a serem trabalhados? Este tópico é o resultado de estudos realizados sobre o comportamento do consumidor e a análise do negócio da empresa. O objetivo é o de aplicar o que a empresa faz de melhor e para qual nicho, ou segmento, tem a necessidade de usufruir de seus benefícios.
  • 56. Qual é o posicionamento adequado para o segmento escolhido? A partir da análise dos segmentos que irá priorizar, a empresa inicia o processo de detectar quais os desejos e necessidades destes segmentos prioritários. Com esta percepção, deve iniciar a sua comunicação e posicionamento adequado a este público. Ou seja, é oportuno e necessário que se fale a mesma linguagem, uma comunicação dirigida para os segmentos identificados.
  • 57. Qual é a equipe que trabalhará no departamento de internet? Um dos fatores que ainda não foram tratados aqui, mas que fazem toda a diferença de se obter êxito ou fracasso no meio digital é o da equipe que está dirigida a realizar as ações do planejamento. Esse ponto está diretamente relacionado com o tamanho da empresa. O ideal é que se tenha um departamento de internet. Dois profissionais serão relevantes e não poderão faltar: o analista SEO e o analista de mídias sociais. Caso haja verba, a empresa deverá investir em um analista de métricas, um gerente de marketing digital e um desenvolvedor.
  • 58. Qual é a área que mostraráas principais palavras-chave? No P de Pesquisa, estudamos a importância de se estabelecer uma rede de palavras-chave para o planejamento digital da empresa, não é mesmo? Agora, nesta ação, temos que disponibilizar um local em que todos da equipe encontrem a lista de palavras-chave e que tenham sempre em mãos o uso das mesmas, em todas as ações de comunicação da marca: mídias sociais, e-mail marketing, releases, conteúdo do site, etc.
  • 59. Quais são as missões críticas, qualitativas e quantitativas, do site da Seguindo a ordem das ações ? empresa fundamentais para o planejamento do marketing digital, agora chegou o momento em que se deve definir quais serão as missões críticas do site. Para contemplar esse item, a empresa precisa estipular metas, ou seja: aumentar as vendas via e-commerce em 20% até determinada data; conquistar 10 mil curtições ou likes no Facebook até determinada data; engajar 2 mil seguidores via Twitter e Facebook, para responder a pesquisa online, até determinada data.
  • 60.  Um exemplo de conquista de curtir a partir da fanpage do Facebook pode ser vista na imagem abaixo. O Floripa Shopping alcançou uma meta, e agradeceu os seguidores por ter atingido seu objetivo.
  • 61. www.facebook.com/salete.c.desouza#!/photo.php?fbid=382725208450653&set=a.207384665984709.512em 19/06/2012
  • 62. Qual é o escopo do site da empresa? A primeira etapa a ser construída pela equipe de internet é o escopo do site. Ou seja: quantas páginas comportará, qual será o título de cada uma delas, qual será o conteúdo, que palavras-chave serão relevantes?
  • 63. Qual será o wireframe do site? Definido o escopo, é hora de começar a trabalhar nos principais elementos que são valorizados pelo público-alvo. A partir destas identificações, é necessário construir o wireframe , a estrutura de cada página. Ou seja: é hora de construir um documento que estruturará o conteúdo das páginas, organizando e indicando a marcação dos elementos que deverão compor a sua interface.
  • 64.  O wireframe será desenvolvido conforme o negócio da empresa: ou seja, poderá ser um site que primará pelas imagens, ou pelos textos, ou contemplará os vídeos, games, tabelas de preços e promoções, enfim, o que caracteriza a razão da empresa existir.
  • 65. Qual será o layout do site? O wireframe que foi concebido na ação anterior será fornecido ao webdesigner, para que se inicie o layout do site. Neste ponto, é importante que se prime pela usabilidade e pelos conceitos de posicionamento da empresa – que podem contemplar diversos fatores, como por exemplo, a comunicação visual e o posicionamento da marca.
  • 66. Qual será o conteúdo veiculado pelo site? A definição do conteúdo que se vai contemplar faz parte da concepção do negócio da empresa, como já vimos. Portanto, definindo o conteúdo, é importante que se identifique as melhores ferramentas de comunicação para sua divulgação. Por exemplo, se para o negócio da empresa as imagens são fundamentais, como uma academia, que trabalha com o corpo e traz o benefício estético e de saúde, as melhores ferramentas são as imagens e os vídeos. Nesta caso, pode-se trabalhar com o Flickr, Picasa, Twitpic, Youtube, Vimeo, entre outros que estão difundidos pela rede.
  • 67. Qual poderá ser o conteúdo gerado pelo público? Um dos pontos muito importantes das ações do planejamento é o que condiz com o público. Hoje em dia, com a possibilidade de compartilhamento de dados, informação e conteúdo, é imprescindível que haja um espaço para as pessoas falarem sobre a marca. Os benefícios desta possibilidade de participação é o de que gere credibilidade, pois a comunicação partirá das pessoas, e não somente de uma comunicação da marca para as pessoas. Com isso, aumenta a credibilidade, e aumentando a credibilidade e o número de participações, aumenta também o tráfego no seu site.
  • 68. Quais as promoções poderão ser criadas para divulgar a empresa na internet? Uma das estratégias que está sendo bastante utilizada para a divulgação das empresas na internet, é a de criar promoções para as pessoas. Quem não gosta de ganhar algo, não é mesmo? Uma das propostas é que a promoção deve pegar carona no que as pessoas acham de sua marca. Por exemplo, o perfil Cidade Marketing diariamente promove o sorteio de livros ligados à área de marketing, vendas, comunicação, etc, em seu perfil no Twitter. A imagem abaixo mostra um dos livros sorteados e, logo abaixo, o comentário do seguidor do perfil, que foi contemplado com o livro.
  • 69. Perfil do @CidadeMarketing em 12/06/2012
  • 70. Quais são as maneiras para personalizar o site da empresa? A Personalização contempla a segmentação do público consumidor. Ou seja: a empresa tem que conhecer alguns atributos de seus nichos para saber como se comunicar com cada um deles. Além dessas questões colocadas aqui no Guia de Ações para o Planejamento do Marketing Digital, abordaremos ainda neste livro, questões específicas, relativas à campanhas de e-mail marketing e indicadores de resultado.
  • 71. 3º P: Produção O terceiro P do marketing digital é a execução do planejamento que acabamos de estudar no segundo P. Ou seja, no P da Produção deve-se trabalhar para que os pontos que foram planejados, e entregues na confecção de um documento, sejam aplicados na prática. Dessa forma, é importante que se trabalhe a estrutura do site, para que o site da empresa se transforme em uma plataforma de negócios.
  • 72.  Conforme sua própria designação, é  o P da produção, o que trabalhará a base tecnológica, que, mais adiante, no quarto P, o da Publicação, receberá o conteúdo.  Então, o P de produção trata basicamente do próprio site, trabalhado pelos desenvolvedores, que envolve a programação,  ou seja, metaforicamente, é deixar a casa pronta para receber os moradores.
  • 73. 4ºP: Publicação
  • 74. 4ºP: Publicação O conteúdo é a razão de um site ou qualquer espaço digital, de existir.
  • 75. 4ºP: Publicação Objetivo: publicar conteúdo que tenha relevância para as pessoas. Essa relevância é que repercutirá em divulgação do seu site pelos indivíduos que participam dele. Portanto, quanto mais relevante for seu conteúdo para as pessoas, mais possibilidades destas pessoas compartilharem o que se publicou.
  • 76. 4ºP: Publicação O conteúdo que se publica é fundamental para que se gere tráfego no site, e que, consequentemente, aumente a taxa de conversão. Um dos pontos que justificam o grau de satisfação de uma publicação é quando ela vira um buzz.  
  • 77. 5ºP: Promoção Objetivo: o P da promoção visa que a fase inicial da comunicação seja voltada para leitores denominados de “alfa”. O mais difícil, e que requer tempo e monitoramento, é a identificação dos alfa.
  • 78. 5ºP: Promoção Quando identificados, a primeira etapa da promoção deve ser comunicada a eles, pois irão propagar a comunicação.  
  • 79. 5ºP: Promoçãohttp://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed689_o_verdadeiro_desafio_do_jornalismo_nas_redes_sociais
  • 80. 5ºP: PromoçãoIdentificação do leitor alfa –monitoramento – análise de quemcurtiu/retuitou o alfa – propagaçãopróximos posts
  • 81. 5ºP: Promoção Depois que o seu “alfa” compartilhou a sua mensagem, você poderá ficar monitorando quem “curtir”, “retuitou”, “deixou mensagem no blog”. Se a sua mensagem for relevante para o alfa e para os seus seguidores, denominados de multiplicadores, com certeza ela ganhará força e será compartilhada.
  • 82. Amostra dos que falam no TwitterMeusinfluenciadores
  • 83. 5ºP: Promoção Então, podemos pensar que o P da Promoção é a comunicação para os leitores alfa com uma proposta viral. Logo, a promoção do quinto P não é somente uma promoção, mas uma promoção voltada para a propagação da mensagem.
  • 84. 6ºP: PropagaçãoApropagação atinge seumáximo quando acomunicação é compreendida,com conteúdo relevante, e queparta dos leitores alfa e sedissemine aos demais.
  • 85. 6ºP: Propagação Um dos erros que não pode acontecer, quando se pensa em propagação, é o que se foca que propagar significa entrar com uma ação de comunicação intrusiva. Quantas vezes você já fechou um banner ou um pop-up que aparecia em meio a um site que você estava querendo usufruir?
  • 86. 6ºP: PropagaçãoEntão, como propagarde forma a nãoincomodar as pessoas?
  • 87. 6ºP: Propagação A resposta, eticamente mais satisfatória para todos, é que a propagação deverá cumprir com uma interação com a rede. O que está em jogo, agora, é a comunicação que busca engajamento do leitor. Por isso, não deve ser intrusiva, e sim, conversar com os leitores .
  • 88. 6ºP: PropagaçãoO leitor deve interagir,cocriando e participandoda sua comunicação.
  • 89. 6ºP: Propagação Basicamente é isso o que deve acontecer no marketing no meio digital. Mas, basicamente, ainda estamos no início deste processo pois, se formos pensar, temos ainda pouca experiência nesse mundo de mídias sociais.
  • 90. 6ºP: Propagação Uma maneira satisfatória do veículo de comunicação espalhar seu conteúdo pela internet é disponibilizar no site da empresa o que se denomina de “embed ’: vídeos, slides, games, arquivos de leitura para baixar, arquivos em mp3. Outros conteúdos que poderão estar em outras plataformas ou sites, como vídeos que se apresentam na conta da empresa no Youtube, ou no Vimeo, ou apresentações em slides que podem ser vistos e baixados via SlideShare, mas que a empresa disponibiliza no seu site.
  • 91. 6ºP: Propagação Hoje: ciclo de vida de relacionamento da empresa com o leitor.
  • 92. 6ºP: Propagação O jornal deve vislumbrar o leitor como o seu capital social, o que só é possível se construiu sua reputação ao longo de todas as ações de marketing junto ao seu público. O que veremos no próximo P é exatamente isso: um relacionamento construído a partir da personalização junto ao mercado consumidor.
  • 93. 7ºP: Personalização
  • 94. 7ºP: Personalização Um dos estudos mais fecundos quando se analisa a linguagem, por exemplo, é a de que quando falamos com alguém, estamos moldando as nossas palavras, expressões, comunicação verbal e não verbal, ao outro. Veja se isso acontece com você. Por exemplo, você fala com um idoso, com seus avós, por exemplo, como fala com o seu chefe, ou como fala com seu melhor amigo?
  • 95. 7ºP: Personalização O sétimo P, o da Personalização, tem como proposta a segmentação do público leitor. Ou seja: a empresa tem que conhecer alguns atributos de seus nichos para saber como se comunicar com cada um deles.
  • 96. 7ºP: Personalização Agora,a empresa tem que falar de forma personalizada, e pensar que cada pessoa que visita seu site pode participar de sua cocriação.
  • 97. 7ºP: Personalização
  • 98. 7ºP: Personalização A webificação das redações e dos profissionais independentes vai tornar cada vez mais frequente a produção de relatos jornalísticos estruturados em camadas de informação, onde o leitor pode escolher o grau de profundidade  e detalhamento na exploração do tema central. Além disso, o potencial de interesse de uma reportagem aumenta pela possibilidade desse mesmo leitor, ou navegador, mergulhar no ambiente reproduzido pelo repórter ao entrar em contato com componentes sonoros, vídeos, infográficos e fotos, além de interagir com protagonistas.http://www.observatoriodaimprensa.com.br/posts/view/jornalismo_de_alta_densidade_ganha_espacos_na_web
  • 99. 8ºP: Precisão Objetivo: mensurar os resultados obtidos desde a fase inicial do projeto (a fase da pesquisa), até o final do processo (que se encerra na medição dos resultados).
  • 100.  Neste 8º P, a equipe de internet trabalhará, basicamente, com ferramentas de mensuração de resultados, extraindo, a partir delas, dados que serão interpretados e transformados em informações, que resultarão em conhecimento, como segue na imagem abaixo:
  • 101. 8ºP: Precisão A mensuração é um dos pontos mais importantes e que proporcionam melhores resultados sobre custo-benefício. Por isso, aprender as técnicas de mensuração é fundamental para que se busque o sucesso no negócio virtual.
  • 102. 8ºP: Precisão Os próximos passos a seguir dependerão dos resultados obtidos, e da compreensão da análise desses dados até a etapa do conhecimento. A partir dos resultados obtidos sobre a mensuração, no 8º P, os analistas retornem ao 1º P para analisar e refinar mais ainda sobre o comportamento do seu consumidor na web 2.0.
  • 103. 8ºP: Precisão Por exemplo, se o objetivo é o de medir o número de acessos ao site, ou o número de acessos que uma pessoa realiza para ler um artigo, mas que navega, também, por outros posts. Ou seja: é necessário que o sistema esteja programado para mensurar esses dados.
  • 104. Obrigada pela presença. Até a próxima!

×