Your SlideShare is downloading. ×
Teste 1  7º ano-2ºperíodo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Teste 1 7º ano-2ºperíodo

17,407
views

Published on

Teste de 7º ano de português- texto : "A ilha do tesouro"

Teste de 7º ano de português- texto : "A ilha do tesouro"

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
17,407
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
22
Actions
Shares
0
Downloads
253
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TESTE DE PORTUGUÊS 7.º Ano Nome: _______________________________________________Nº:______Ano/Turma:__________ Classificação: ___________________________ O/A Professor(a):___________________________ O Encarregado de Educação: _____________________________ ____/____/ 2014 GRUPO I- COMPREENSÃO ORAL 1.Ouve com atenção o conto “A foto”, do brasileiro Luís Fernando Veríssimo, e assinala para cada item a única opção correta (10 pontos). 1) A família de que fala o texto decidiu reunir-se 6) Castelo, que era orgulhoso, achava que porque tinham ciúmes dele a. era a época do Natal. a. por causa do seu carro. b. se juntavam sempre aos domingos. b. por ser rico. c. o bisavô estava mal de saúde. c. por ser sofisticado e intelectual. d. era o aniversário do neto mais novo. d. por ter recebido um prémio. 2) O dono da câmara era Castelo, a. o genro mais velho. b. o marido da Bitinha. c. um dos netos do meio. d. o filho mais novo. 3) Castelo achava-se no direto de ficar na foto a. por pertencer à família. b. porque sustentava os bisavós. c. pois era o dono da máquina. d. porque queria ficar junto à sua mulher. 4) Uma das filhas, Bitinha, era orgulhosa e a. simpática. b. ingénua. c. compreensiva. d. autoritária. 5) Bitinha propôs que Dudu tirasse a foto pois a. gostava muito do sobrinho. b. havia a suspeita de que não era seu sobrinho. c. achava que ele tinha jeito para fotógrafo. d. ele ficava muito mal nas fotografias. 1 7) A certa altura, alguém propôs que a. já não se tirasse a foto. b. deveriam mas é jantar. c. tirassem a foto à vez, trocando o fotógrafo. d. deveriam ir para o jardim. 8) Essa sugestão a. foi bem recebida pelos bisavós. b. provocou uma tremenda discussão. c. levantou um problema simples. d. foi feita pelo Castelo. 9) Quem acabou por tirar a foto foi a. a bisavó. b. o Castelo. c. o Dudu. d. o Bisavô. 10) Depois da foto tirada, o Bisavô a. foi dormir. b. foi jantar. c. foi deitar o comer ao cão. d. sentou-se a ler o jornal.
  • 2. GRUPO II- LEITURA Lê o texto com muita atenção e responde às questões com frases completas. A ILHA DO TESOURO 1 5 10 15 O papel fora lacrado em vários sítios, com um dedal em vem de um sinete. Talvez o dedal que eu encontrara nos bolsos do capitão. O doutor quebrou o lacre com todo o cuidado e surgiu o mapa de uma ilha, com indicações de latitude e longitude, sondagens, nomes de montanhas, baías, angras e toda uma cópia de pormenores necessários e suficientes para que um barco pudesse ancorar com segurança naquelas costas. A ilha tinha cerca de quinze quilómetros de comprimento por oito de largura. A forma era a de um dragão gordo, de pé. Pelo mapa podia ver-se que dispunha de portos bem abrigados. Ao centro da ilha um monte, ao lado do qual havia a designação: “O Telescópio”. Várias anotações mais recentes tinham sido anexadas ao mapa. Mas o que atraía mais a atenção eram três cruzes a tinha vermelha: duas ao norte da ilha e uma a sudoeste. Ao lado desta última, também a vermelha, em letra miudinha, mas clara, bastante diferente da caligrafia hesitante do capitão, as palavras: “É aqui que está o grosso do tesouro.” Nas costas do mapa, a mão mais firme escrevera o seguinte: “Árvore alta, encosta do “Telescópio”, um ponto ao N. de N. N. E. Ilha do Esqueleto E.S.E. e uma quarta para E. Dez pés. 20 As barras de prata estão no esconderijo norte. Pode ser encontrado por quem segue na direção da colina de leste, dez braças ao sul do penhasco negro, olhando-o de frente. As armas são fáceis de encontrar: na colina arenosa, ponta N. do cabo da baía setentrional, direção E., uma quarta ao N. J. F.” 25 30 2 Era tudo. Todavia, esta mensagem, por resumida que fosse, e para mim sem pés nem cabeça, encheu o fidalgo e o Dr. Livesey de alegria. — Livesey — disse o fidalgo. — O senhor vai pôr de lado a sua profissão que não lhe dá um chavo. Amanhã, meto os pés a caminho de Bristol. Dentro de três semanas… três semanas! Quem é que disse três semanas?... duas semanas…; dez dias, côa breca!... terei escolhido o melhor navio e a mais afinada tripulação deste reino! Vamos levar aqui o Hawkins, como grumete. E que extraordinário grumete não vais tu dar, Jim! O senhor, Livesey, vai ser o médico de bordo; eu, o almirante.
  • 3. 35 40 45 50 Levaremos, também, Redruth, Joyce e Hunter. Teremos ventos favoráveis. Faremos uma travessia rápida e daremos, sem mais demora, com o sítio onde está o dinheiro; daí em diante, poderemos nadar e folgar como patinhos, além de comer à farta à custa dele! — Trelawney — declarou o médico —, irei consigo e com Jim sem o menor receio, crente no êxito do empreendimento. Todavia, há um homem a quem tenho medo. — Quem? — espantou-se o médico. — Diga já o nome desse cachorro! — É o senhor— respondeu o médico. — É o senhor, porque não sabe ter tento na língua! Para já, somos os únicos a ter conhecimento do conteúdo deste papel. Mas os patifes que atacaram hoje a hospedaria… sem dúvida homens dispostos a tudo…, os que ficaram a bordo do lugre, e ainda outros, que, atrevo-me a afirmar, não devem estar longe, todos devem estar decididos, seja por que meio for, a apoderarem-se do tesouro. Por isso, sugiro que nenhum de nós ande só até se fazer ao mar. Eu e Jim poderemos ficar juntos. Quando for a Bristol, leve consigo Joyce e Hunter. E, de qualquer modo, é preciso que nenhum de nós dê com a língua nos dentes. — Livesey — respondeu o castelão—, você tem sempre razão. Serei tão mudo como uma tumba. Robert Louis Stevenson, A Ilha do Tesouro 1. Todo o texto se desenrola em torno do mapa de uma ilha (3 pontos). 1.1. Seleciona as únicas três alíneas referentes a tipos de informação geográfica que não são fornecidos pelo mapa. a. Dimensões b. Coordenadas geográficas c. Curvas de nível d. Elevações montanhosas e. Rios f. Lagoas g. Enseadas h. Portos 2. “A forma era a de um dragão gordo, de pé.” (l. 7) 2.1. Seleciona a alínea que evidencia o valor simbólico do dragão, neste texto (2 pontos).. a. Forças demoníacas b. Princípios opostos (feminino e masculino) c. Caos d. Poder e riqueza e. Fertilidade 3. O mapa tem anotações escritas com duas caligrafias diferentes (7 pontos). 3.1. Caracteriza-as, referindo a quem pertencem. 3
  • 4. 4. A mensagem escrita nas costas do mapa despertou diferentes reações no narrador e nos seus companheiros (7 pontos). 4.1. Indica-as, justificando a tua resposta com expressões do texto. 5. Depois de observar o mapa, o fidalgo começa, desde logo, a planear a viagem. 5.1. Indica o seu primeiro passo (4 pontos). 5.2. Associa os elementos da coluna A aos da coluna B, relacionando alguns dos tripulantes dessa viagem com a função que desempenharão a bordo (3 pontos). COLUNA A 1. Livesey 2. Trelawney 3. Jim COLUNA B a. Grumete b. Almirante c. Médico de bordo 6. Ao ouvir o fidalgo falar, um certo receio apodera-se do Dr. Livesey. 6.1. Transcreve do texto uma expressão que o comprove e explica-a por palavras tuas (7 pontos). 7. Face às palavras do Dr. Livesey, o castelão responde que será “tão mudo como uma tumba” (ll. 49-50). 7.1. Esclarece o sentido da resposta, identificando e comentando a expressividade da figura de retórica nela presente (7 pontos). GRUPO III- GRAMÁTICA 1. Identifica as orações sublinhadas nos enunciados seguintes (12 pontos): a) “O doutor quebrou o lacre com todo o cuidado e surgiu o mapa de uma ilha” (ll. 2-3) b) “Mas o que atraía mais a atenção eram três cruzes a tinha vermelha” (ll. 10-11) c) “É o senhor, porque não sabe ter tento na língua!” (ll. 40-41) d) “os patifes que atacaram hoje a hospedaria” (l. 42) 2. Identifica as funções sintáticas desempenhadas pelas expressões sublinhadas (10 pontos): a) “O papel fora lacrado em vários sítios “ (l. 1) b) “Mas os patifes que atacaram hoje a hospedaria” (l. 42) c) “todos devem estar decididos, seja por que meio for, a apoderarem-se do tesouro” (ll. 44-45) d) “todos devem estar decididos (…) a apoderarem-se do tesouro” (ll. 44-45) e) “Livesey — respondeu o castelão—, você tem sempre razão.” (l. 49) 3. Modifica as frases, substituindo os complementos diretos pelos pronomes pessoais correspondentes (8 pontos): a) O castelão arranjará um barco para partir em busca do tesouro. 4
  • 5. b) Eles encontraram o mapa no bolso do capitão. c) Jim levaria a mãe com ele se pudesse. d) O castelão fez o que o Doutor lhe pediu. GRUPO IV- PRODUÇÃO ESCRITA Escreve um texto narrativo, de 150 a 200 palavras, com o título O Pirata das Areias Movediças, onde tu contes uma aventura de um pirata malvado, capaz dos piores crimes (20 pontos). Segue as orientações: 1º parágrafo- apresenta uma introdução, onde apresentes a tua personagem; 2º parágrafo (e seguintes)- desenvolve o tema, apresentando factos, pormenores e aventuras; Último parágrafo- conclui o teu texto, com um final fechado ou aberto. BOM TRABALHO!!!! A DOCENTE: Lucinda Cunha 5
  • 6. PROPOSTA DE CORREÇÃO I A foto Foi numa festa de família, dessas de fim de ano. Já que o bisavô estava morre não morre, decidiram tirar uma fotografia de toda a família reunida, talvez pela última vez. A bisa e o bisa sentados, filhos, filhas, noras, genros e netos em volta, bisnetos na frente, esparramados pelo chão. Castelo, o dono da câmara, comandou a pose, depois tirou o olho do visor e ofereceu a câmara a quem ia tirar a fotografia. Mas quem ia tirar a fotografia? ─ Tira você mesmo, ué. ─ Ah, é? E eu não saio na foto? O Castelo era o genro mais velho. O primeiro genro. O que sustentava os velhos. Tinha que estar na fotografia. ─ Tiro eu – disse o marido da Bitinha. ─ Você fica aqui – comandou a Bitinha. Havia uma certa resistência ao marido da Bitinha na família. A Bitinha, orgulhosa, insistia para que o marido reagisse. “Não deixa eles te humilharem, Mário César, dizia sempre. O Mário César ficou firme onde estava, ao lado da mulher. A própria Bitinha fez a sugestão maldosa: ─ Acho que quem deve tirar é o Dudu… O Dudu era o filho mais novo de Andradina, uma das noras, casada com o Luiz Olavo. Havia a suspeita, nunca claramente anunciada, de que não fosse filho do Luiz Olavo. O Dudu se prontificou a tirar a fotografia, mas a Andradina segurou o filho. ─ Só faltava essa, o Dudu não sair. E agora? ─ Pô, Castelo. Você disse que essa câmara só faltava falar. E não tem nem timer! O Castelo impávido. Tinham ciúmes dele. Porque ele tinha um Santana do ano. Porque comprara a câmara num duty free da Europa. Aliás, o apelido dele entre os outros era “Dutifri”, mas ele não sabia. ─ Revezamento─ sugeriu alguém. ─ Cada genro bate uma foto em que ele não aparece, e… A ideia foi sepultada em protestos. Tinha que ser toda a família reunida em volta do bisa. Foi quando o próprio bisa se ergueu, caminhou decididamente até o Castelo e arrancou a câmara da sua mão. ─ Dá aqui. ─ Mas seu Domício... ─ Vai pra lá e fica quieto. ─ Papai, o senhor tem que sair na foto. Senão não tem sentido! ─ Eu fico implícito – disse o velho, já com o olho novisor. E antes que houvesse mais protestos, acionou a câmara, tirou a foto e foi dormir. (Luis Fernando Veríssimo. Comédias para se ler na escola. Rio deJaneiro: Objetiva, 2001, pp. 37-38) 1. 6 1. C 2. A 3. B
  • 7. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. D B A C B D A II Grupo retirado do manual Paratextos, 8º ano, Porto Editora (com adaptações) 1.1 c; e; f 2.1. d 3.1. Havia anotações mais antigas, escritas a vermelho com uma letra miudinha, clara e firme, assinadas por J. F., e anotações mais recentes, em caligrafia hesitante, pertencentes ao capitão. 4.1. O narrador não compreendeu a mensagem (“para mim, sem pés nem cabeça”); no entanto, o fidalgo e o Dr. Livesey ficaram muito contentes, o que prova que perceberam as anotações do mapa (“encheu o fidalgo e o Dr. Livesey de alegria”). 5.1. O fidalgo tenciona dirigir-se a Bristol para fretar um navio e uma tripulação competente. 5.2. 1.c; 2. b; 3.a 6.1. O receio do Doutor é que o fidalgo fale demais e revele, de forma descuidada, os seus planos a estranhos (“É o senhor, porque não sabe ter tento na língua”). 7.1. Ao dar esta resposta, o castelão recorre a uma comparação, com o objetivo de demonstrar que não revelará a ninguém informações sobre o mapa; à semelhança de um túmulo, ficará calado, sendo extremamente discreto e reservado. III 1. Oração coordenada copulativa Oração coordenada adversativa Oração subordinada adverbial causal Oração subordinada adjetiva (relativa restritiva) a) b) c) d) e) Sujeito Complemento direto Modificador do grupo verbal Complemento oblíquo Vocativo a) b) c) d) 2. a) b) c) d) O Castelão arranjá-lo-á para partir em busca do tesouro. Eles encontraram-no no bolso do capitão. Jim levá-la-ia com ele se pudesse. O castelão fê-lo. 3. IV Resposta livre 7