Teorias da Complexidade:  uma visão sistêmica PROFA. DRA. LUCILA PESCE PPG TIDD PUC/SP
Referências <ul><li>Teorias da Complexidade  </li></ul><ul><li>(Lucia Santaella) </li></ul><ul><li>Pensamento eco-sistêmic...
Teorias da Complexidade <ul><li>Algumas  teorias  que anunciam a complexidade: Termodinâmica, Relatividade, Teoria Quântic...
Teorias da Complexidade <ul><li>Inexistência consensual  acerca da complexidade. </li></ul><ul><li>Emergência do pensament...
Teorias da Complexidade <ul><li>Sistemas psicossociais humanos  como  sistemas complexos. </li></ul><ul><li>Sistemas compl...
Teorias da Complexidade <ul><li>Emergência do pensamento complexo : o comportamento de um sistema como um todo depende de ...
Teorias da Complexidade <ul><li>Prigogine  – teoria das estruturas dissipativas. </li></ul><ul><li>Maturana & Varela, Luuh...
Teorias da Complexidade <ul><li>Princípios comuns às teorias da Complexidade: </li></ul><ul><li>Auto-organização e emergên...
Teorias da Complexidade <ul><li>Auto-organização e emergência : </li></ul><ul><li>Auto-organização : tipo de interação cuj...
Teorias da Complexidade <ul><li>Conectividade </li></ul><ul><li>Capacidade dos elementos do sistema em estabelecer relaçõe...
Teorias da Complexidade <ul><li>Co-evolução   </li></ul><ul><li>Dependência parcial entre sistema e meio, no seu processo ...
Teorias da Complexidade <ul><li>Espaço de possibilidades   </li></ul><ul><li>Os sistemas, em geral, devem explorar seus es...
Teorias da Complexidade <ul><li>Caos  </li></ul><ul><li>Coexistência entre ordem e desordem em uma dado sistema.  </li></u...
Teorias da Complexidade <ul><li>Estruturas dissipativas   </li></ul><ul><li>O não equilíbrio como fonte de organização. </...
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>As ciências clássicas já não dão conta de explicar a complexidade do mundo atual. </li></...
Pensamento Dialógico ORDEM  AUTO-ORGANIZAÇÃO  DESORDEM
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Sociedade : sistema auto-eco-organizador. </li></ul><ul><li>Sistema : unidade global orga...
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Pensamento eco-sistêmico : relacional, aberto, de natureza fluida (em movimento, em fluxo...
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Educação como um ecossistema :  </li></ul><ul><li>Relações de dependência e independência...
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Atuamos em  contextos ecologizados : influenciamos e somos influenciados pelos pensamento...
<ul><li>Interdependência sistêmica, organizacional entre aprendizes e educandos   </li></ul>Contexto ecologizado APRENDIZ ...
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Autonomia  – elemento fundante do paradigma eco-sistêmico. </li></ul><ul><li>Pineau  (200...
Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Nicolescu  – importância de ecologizar ou contextualizar as disciplinas.  </li></ul><ul><...
Pressupostos epistemológicos do Pensamento Eco-sistêmico Intersubjetividade Interatividade Emergência Auto-organização Cau...
Intersubjetividade <ul><li>Relação entre sujeitos. </li></ul><ul><li>Elemento fundante da ciência pós-moderna. </li></ul><...
Intersubjetividade OBSERVADOR  PROCESSO DE  OBSERVAÇÃO  FENÔMENO  Ciência epistêmica (CAPRA, 1997)
Intersubjetividade <ul><li>Razão e emoção. </li></ul><ul><li>Histórias de vida (presente, passado e futuro).  </li></ul><u...
Interatividade <ul><li>Relações dinâmicas entre o sistema organizacional e o ambiente. </li></ul><ul><li>Influenciamos e s...
Emergência <ul><li>“ Emergências são qualidades ou propriedades novas de um sistema que nascem das organizações viventes” ...
Auto-organização <ul><li>Capacidade do sistema vivo de se transformar continuamente, na interação com o meio. </li></ul><u...
Causalidade circular <ul><li>Natureza retroativa e recursiva dos sistemas dinâmicos, na busca constante do equilíbrio. </l...
Complexidade <ul><li>Tanto maior quanto mais diversos os elementos que constituem um sistema. </li></ul><ul><li>Existente ...
Mudança <ul><li>Parte intrínseca da natureza da matéria. </li></ul><ul><li>Presente na nossa corporeidade e nos processos ...
Mudança <ul><li>De la Torre (1998): as mudanças educativas envolvem interações e são frutos de condições físicas, biológic...
Criatividade <ul><li>Sheldrake  (1993) – criatividade no universo, na vida e na humanidade. Criatividade como processo evo...
Incerteza <ul><li>Heisenberg  – comportamento imprevisível das partículas atômicas. Certezas científicas como provisórias....
Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Somos transdisciplinares em relação ao saber. </li></ul><ul><li>Japiassú e Fazenda: ...
Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Disciplinaridade  – um único nível de realidade. </li></ul><ul><li>Pluridisciplinari...
Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Interdisciplinaridade  – transformação de método de uma disciplina para a outra; int...
Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Complementaridade antagônica e a lógica do terceiro incluído (T), de Nicolescu: </li...
AVA sob enfoque complexo e eco-sistêmico <ul><li>1 – Que elementos das Teorias da Complexidade podem ser pertinentes ao es...
Referências bibliográficas <ul><li>MORAES, Maria Cândida. (2004).  Pensamento eco-sistêmico : educação, aprendizagem e cid...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Teorias da Complexidade

13,147

Published on

Slides elaborados a partir dos estudos de Lucia Santaella e Maria Candida Moraes.

Published in: Education

Teorias da Complexidade

  1. 1. Teorias da Complexidade: uma visão sistêmica PROFA. DRA. LUCILA PESCE PPG TIDD PUC/SP
  2. 2. Referências <ul><li>Teorias da Complexidade </li></ul><ul><li>(Lucia Santaella) </li></ul><ul><li>Pensamento eco-sistêmico </li></ul><ul><li>(Maria Candida Moraes) </li></ul>
  3. 3. Teorias da Complexidade <ul><li>Algumas teorias que anunciam a complexidade: Termodinâmica, Relatividade, Teoria Quântica. </li></ul><ul><li>As teorias são modelos de pedaços de realidade (BUNGE, 1974). </li></ul><ul><li>Modelos : de natureza sintética, buscam representar a complexidade presente na realidade. </li></ul>
  4. 4. Teorias da Complexidade <ul><li>Inexistência consensual acerca da complexidade. </li></ul><ul><li>Emergência do pensamento complexo : o comportamento de um sistema como um todo depende de suas partes de modo não linear. </li></ul><ul><li>Alguns teóricos da complexidade : Prigogine & Stengers, Mainzer, Kauffmann, dentre outros. </li></ul>
  5. 5. Teorias da Complexidade <ul><li>Sistemas psicossociais humanos como sistemas complexos. </li></ul><ul><li>Sistemas complexos – integração de ideias e métodos. </li></ul>
  6. 6. Teorias da Complexidade <ul><li>Emergência do pensamento complexo : o comportamento de um sistema como um todo depende de suas partes de modo não linear. </li></ul><ul><li>Alguns teóricos da complexidade : Prigogine, Stengers, Mainzer, Kauffmann, dentre outros. </li></ul>
  7. 7. Teorias da Complexidade <ul><li>Prigogine – teoria das estruturas dissipativas. </li></ul><ul><li>Maturana & Varela, Luuhman – teorias da autopoiesis. </li></ul><ul><li>Gleick – teoria do caos. </li></ul><ul><li>Peirce – sistemas complexos e semiótica. </li></ul>
  8. 8. Teorias da Complexidade <ul><li>Princípios comuns às teorias da Complexidade: </li></ul><ul><li>Auto-organização e emergência </li></ul><ul><li>Conectividade </li></ul><ul><li>Co-evolução </li></ul><ul><li>Espaço de possibilidades </li></ul><ul><li>Caos </li></ul><ul><li>Estruturas dissipativas </li></ul>
  9. 9. Teorias da Complexidade <ul><li>Auto-organização e emergência : </li></ul><ul><li>Auto-organização : tipo de interação cujos elementos encontram espontaneamente a forma mais adequada de estabelecer a relação. </li></ul><ul><li>Emergência : surgimento de novas propriedades, qualidades, padrões ou estruturas, oriundos da auto-organização de um sistema. </li></ul>
  10. 10. Teorias da Complexidade <ul><li>Conectividade </li></ul><ul><li>Capacidade dos elementos do sistema em estabelecer relações entre si e com o ambiente. </li></ul>
  11. 11. Teorias da Complexidade <ul><li>Co-evolução </li></ul><ul><li>Dependência parcial entre sistema e meio, no seu processo evolutivo. </li></ul>
  12. 12. Teorias da Complexidade <ul><li>Espaço de possibilidades </li></ul><ul><li>Os sistemas, em geral, devem explorar seus espaços de possibilidades, refutando uma estratégia única de evolução. </li></ul>
  13. 13. Teorias da Complexidade <ul><li>Caos </li></ul><ul><li>Coexistência entre ordem e desordem em uma dado sistema. </li></ul><ul><li>Relação com a não linearidade, com a imprevisibilidade e com a dependência das condições iniciais do sistema. </li></ul>
  14. 14. Teorias da Complexidade <ul><li>Estruturas dissipativas </li></ul><ul><li>O não equilíbrio como fonte de organização. </li></ul><ul><li>Processos irreversíveis podem levar a um novo tipo de estados dinâmicos. </li></ul><ul><li>Influência da história passada de um sistema sobre o seu desenvolvimento, que pode ocorrer a partir de diversos padrões. </li></ul>
  15. 15. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>As ciências clássicas já não dão conta de explicar a complexidade do mundo atual. </li></ul><ul><li>Morin – de um pensamento determinista para um dialógico. </li></ul>
  16. 16. Pensamento Dialógico ORDEM AUTO-ORGANIZAÇÃO DESORDEM
  17. 17. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Sociedade : sistema auto-eco-organizador. </li></ul><ul><li>Sistema : unidade global organizada, unidade complexa ou relacional (Morin). </li></ul>
  18. 18. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Pensamento eco-sistêmico : relacional, aberto, de natureza fluida (em movimento, em fluxo energético), de processos auto-organizadores, auto-reguladores. </li></ul><ul><li>Pensar de modo eco-sistêmico é pensar de modo complexo, dialógico e transformador. </li></ul>
  19. 19. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Educação como um ecossistema : </li></ul><ul><li>Relações de dependência e independência. </li></ul><ul><li>Elementos de ordem cognitiva, que permitem a organização e o desenvolvimento da autonomia relativa do aprendiz para com o meio educacional, em interações mútuas, simultâneas e recorrentes. </li></ul>
  20. 20. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Atuamos em contextos ecologizados : influenciamos e somos influenciados pelos pensamentos, crenças, valores, ações e reações dos outros. </li></ul><ul><li>Pensamento ecossistêmico : respondente à complexidade da realidade atual. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Interdependência sistêmica, organizacional entre aprendizes e educandos </li></ul>Contexto ecologizado APRENDIZ MEIO EDUCACIONAL
  22. 22. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Autonomia – elemento fundante do paradigma eco-sistêmico. </li></ul><ul><li>Pineau (2003): </li></ul><ul><li>na relação com o meio, o sujeito não se adapta, mas modifica suas relações e se modifica, em processos de individuação e de diferenciação. </li></ul><ul><li>autoformação pressupõe heteroformação (entre as ações dos outros) e ecoformação (sujeito e meio). </li></ul>
  23. 23. Pensamento Eco-sistêmico <ul><li>Nicolescu – importância de ecologizar ou contextualizar as disciplinas. </li></ul><ul><li>Morin (2000) – disciplinas abertas às inovações, ao inesperado e fechadas para com a manutenção das finalidade. </li></ul>
  24. 24. Pressupostos epistemológicos do Pensamento Eco-sistêmico Intersubjetividade Interatividade Emergência Auto-organização Causalidade circular Complexidade Mudança Criatividade Incerteza Inter e Transdisciplinaridade
  25. 25. Intersubjetividade <ul><li>Relação entre sujeitos. </li></ul><ul><li>Elemento fundante da ciência pós-moderna. </li></ul><ul><li>Contribuição da física quântica : </li></ul><ul><li>*Heisenberg (1927) – Princípio de incerteza. </li></ul><ul><li>*Bohr (1913) – Princípio da complementaridade. </li></ul><ul><li>Interdependência: observador fenômeno. </li></ul>
  26. 26. Intersubjetividade OBSERVADOR PROCESSO DE OBSERVAÇÃO FENÔMENO Ciência epistêmica (CAPRA, 1997)
  27. 27. Intersubjetividade <ul><li>Razão e emoção. </li></ul><ul><li>Histórias de vida (presente, passado e futuro). </li></ul><ul><li>Construcionismo, interacionismo, abordagem sócio-cultural. </li></ul><ul><li>Interatividade e autoprodução na construção do conheciemento. </li></ul><ul><li>Orgânico, psíquico e imprevisível (Níveis de realidade – Nicolescu / Multiverso – Maurana). </li></ul><ul><li>Lógica do terceiro incluído (Nicolescu, 1999, p. 33): “a tensão entre os contraditórios promove a unidade mais ampla que os inclui”. </li></ul>
  28. 28. Interatividade <ul><li>Relações dinâmicas entre o sistema organizacional e o ambiente. </li></ul><ul><li>Influenciamos e somos influenciados pelo meio e pelo outro. </li></ul><ul><li>Conhecimento : para além do objeto ou do sujeito. </li></ul>
  29. 29. Emergência <ul><li>“ Emergências são qualidades ou propriedades novas de um sistema que nascem das organizações viventes” (MORIN, 1998, p. 433). </li></ul><ul><li>As emergências estão no cerne da auto-organização. </li></ul><ul><li>Cognição como emergência dos estados globais em uma rede de componentes simples (VARELA, 1997). </li></ul><ul><li>Teoria da enação (VARELA, 1997): no acoplamento estrutural entre organismo e meio, a ação corporificada (circulariade entre ciência e experiência, emoção e razão, percepção e intuição). </li></ul>
  30. 30. Auto-organização <ul><li>Capacidade do sistema vivo de se transformar continuamente, na interação com o meio. </li></ul><ul><li>Característica de todo e qualquer sistema, do micro ao macro. </li></ul><ul><li>Conhecimento como processo auto-organizador. </li></ul><ul><li>Autonomia relativa do sistema para com o meio, dependência ecológica (Morin). </li></ul>
  31. 31. Causalidade circular <ul><li>Natureza retroativa e recursiva dos sistemas dinâmicos, na busca constante do equilíbrio. </li></ul><ul><li>Causa e efeito transformam-se mutuamente. </li></ul><ul><li>O sujeito interpeta a realidade de acordo com suas estruturas. </li></ul><ul><li>Circularidade como condição fundamental da auto-organização dos sujeitos. </li></ul>
  32. 32. Complexidade <ul><li>Tanto maior quanto mais diversos os elementos que constituem um sistema. </li></ul><ul><li>Existente na dinâmica de ações, interações e retroações dos elementos que constituem um sistema. </li></ul><ul><li>Pensar de modo complexo: refutar as simplificações e a fragmentação da realidade. </li></ul>
  33. 33. Mudança <ul><li>Parte intrínseca da natureza da matéria. </li></ul><ul><li>Presente na nossa corporeidade e nos processos de construção do conhecimento. </li></ul><ul><li>“ É a mudança implícita na reconstrução do conhecimento, no diálogo sujeito/objeto, nos processos auto-organizadores da vida que permite o desenvolvimento da autonomia e da emancipação do sujeito” (MORAES, 2004, p. 193). </li></ul>
  34. 34. Mudança <ul><li>De la Torre (1998): as mudanças educativas envolvem interações e são frutos de condições físicas, biológicas, psicológicas e socioculturais que interagem entre si. </li></ul><ul><li>Categorias de mudança : </li></ul><ul><li>Cognitiva (saber) </li></ul><ul><li>Afetiva (sentir) </li></ul><ul><li>Efetiva ou ativa (atuar) </li></ul><ul><li>Volitiva (querer) </li></ul>
  35. 35. Criatividade <ul><li>Sheldrake (1993) – criatividade no universo, na vida e na humanidade. Criatividade como processo evolutivo e inerente à natureza da matéria e emergente dos processos. </li></ul><ul><li>Prigogine (1991) – as estruturas dissipativas permitem o surgimento de novas organizações vivas mais complexas. Reorganização de um sistema longe do equilíbrio. </li></ul><ul><li>Böhm (1991) – criatividade como intrínseca à vida. </li></ul>
  36. 36. Incerteza <ul><li>Heisenberg – comportamento imprevisível das partículas atômicas. Certezas científicas como provisórias. </li></ul><ul><li>Morin – incerteza cognitiva e histórica da humanidade. </li></ul><ul><li>No contexto educacional – reconhecer o aleatório e o inesperado. </li></ul><ul><li>Realidade – em devir, em movimento, em processo de mudança. </li></ul>
  37. 37. Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Somos transdisciplinares em relação ao saber. </li></ul><ul><li>Japiassú e Fazenda: </li></ul><ul><li>Multidisciplinaridade: justaposição das disciplinas. </li></ul><ul><li>Interdisciplinaridade: integração das disciplinas. </li></ul>
  38. 38. Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Disciplinaridade – um único nível de realidade. </li></ul><ul><li>Pluridisciplinaridade – estudo de um objeto por várias disciplinas ao mesmo tempo. </li></ul><ul><li>Multidisciplinaridade – um objeto observado por vários universos disciplinares. </li></ul>
  39. 39. Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Interdisciplinaridade – transformação de método de uma disciplina para a outra; integração dos domínios linguísticos de cada disciplina. </li></ul><ul><li>Transdisciplinaridade – complementaridade antagônica com a disciplinaridade. Construção de um único domínio linguístico, nas zonas de não resistência epistêmica entre as disciplinas. </li></ul>
  40. 40. Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Complementaridade antagônica e a lógica do terceiro incluído (T), de Nicolescu: </li></ul><ul><li>“ Além das representações entre A e não-A existe uma terceira possibilidade (T) integrada pelo A e não-A, onde um A está intergindo com outro não-A” MORAES, 2004, p. 212). </li></ul>
  41. 41. AVA sob enfoque complexo e eco-sistêmico <ul><li>1 – Que elementos das Teorias da Complexidade podem ser pertinentes ao estudo dos AVA? </li></ul><ul><li>2 – Em que medida alguns dos pressupostos epistemológicos do Pensamento Eco-sistêmico podem se aplicar ao estudo dos AVA? </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  42. 42. Referências bibliográficas <ul><li>MORAES, Maria Cândida. (2004). Pensamento eco-sistêmico : educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis, RJ: Vozes. pp. 149-216. </li></ul><ul><li>SANTAELLA, Lucia. Teorias da complexidade. In: ______. & (2008). Metaciência: como guia da pesquisa – uma proposta semiótica e sistêmica. pp. 47-54. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE

×