TEORIAS DA AUTOPOIESE   Maturana e Varela PROFA. DRA. LUCILA PESCE PPG TIDD PUC/SP
Maturana e Varela (1995) <ul><li>Dinâmica social  humana como fenômeno biológico. </li></ul><ul><li>Toda vez que há um  fe...
Maturana e Varela (1995) <ul><li>Linguagem </li></ul><ul><li>A história evolutiva do homem associa-se às condutas linguíst...
Maturana e Varela (1995) <ul><li>Domínios linguísticos e consciência humana </li></ul><ul><li>O que determina a coordenaçã...
Maturana e Varela (1995) Condutas linguísticas Acoplamento estrutural ontogênico
Maturana e Varela (1995) <ul><li>A linguagem permite a que opera nela descrever-se a si mesmo e às suas circunstâncias  ( ...
Maturana e Varela (1995) Reflexão linguística Domínio semântico  Observador Somos observadores e existimos num domínio sem...
Maturana e Varela (1995) <ul><li>Mente e consciência </li></ul><ul><li>Oriundas do intenso acoplamento linguístico. </li><...
Maturana e Varela (1995) REFLEXÃO IDENTIDADE Na linguagem humana
Maturana e Varela (1995) Coordenações comportamentais (no cotidiano) Comunicação EXPERIÊNCIA
Maturana e Varela (1995) CONSCIÊNCIA MENTE Acoplamento social
PROFA. DRA. LUCILA PESCE Escher,  Drawing Hands
Maturana e Varela (1995) EXPERIÊNCIA MUNDO VIVIDO  HISTÓRIA BIOSSOCIAL  O  CONHECER E O CONHECEDOR
Maturana e Varela (1995) <ul><li>O conhecer humano é vivido em uma tradição cultural. </li></ul><ul><li>Refutar as certeza...
Maturana e Varela (1995) Conhecimento Ação Linguagem O caráter ético da construção do conhecimento
Pesce (2000) <ul><li>Autopoiese </li></ul><ul><li>Dinâmica constitutiva da organização circular dos seres vivos em sua aut...
Pesce (2000) <ul><li>Ontologia do observador </li></ul><ul><li>O observador é participante constitutivo e ativo do observa...
Pesce (2000) <ul><li>Organização e estrutura </li></ul><ul><li>Dinâmica circular de ambos os elementos, na autopoiese dos ...
Pesce (2000) <ul><li>Acoplamento estrutural </li></ul><ul><li>Surge como resultado das modificações das unidades interatua...
Pesce (2000) <ul><li>Cognição como fenômeno biológico </li></ul><ul><li>Conhecimento como ação efetiva, para além da repre...
Pesce (2000) <ul><li>A linguagem na teoria da autopoiese </li></ul><ul><li>Caráter dinâmico e relacional. </li></ul><ul><l...
Pesce (2000) <ul><li>TIC e Autopoiese </li></ul><ul><li>Não são as TIC que guiam a vida moderna, mas nossas emoções. </li>...
Pesce (2000) <ul><li>Autopoiese e Educação Eco-sistêmica </li></ul><ul><li>conhecimento como fenômeno biológico; </li></ul...
Pesce (2000) <ul><li>Autopoiese e Educação Eco-sistêmica </li></ul><ul><li>ambigüidade da linguagem (no  linguajear ), enq...
Questão para discussão <ul><li>Que elementos da Teoria da Autopoiese de Maturana e Varela podem ser pertinentes ao estudo ...
Referências bibliográficas <ul><li>MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco. (1995).  A árvore do conhecimento : as bases bi...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Teoria da Autopoiese - Maturana e Varela

21,212

Published on

Published in: Education
2 Comments
18 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
21,212
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
18
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teoria da Autopoiese - Maturana e Varela

  1. 1. TEORIAS DA AUTOPOIESE Maturana e Varela PROFA. DRA. LUCILA PESCE PPG TIDD PUC/SP
  2. 2. Maturana e Varela (1995) <ul><li>Dinâmica social humana como fenômeno biológico. </li></ul><ul><li>Toda vez que há um fenômeno social há um acoplamento estrutural de indivíduos. </li></ul><ul><li>A comunicação ocorre no acoplamento social. </li></ul><ul><li>Comunicação e a ontologia do observador : cada pessoa interpreta a realidade de acordo com sua própria determinação estrutural. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  3. 3. Maturana e Varela (1995) <ul><li>Linguagem </li></ul><ul><li>A história evolutiva do homem associa-se às condutas linguísticas. </li></ul><ul><li>Sistema social humano e a ampliação da criatividade de seus membros. </li></ul><ul><li>Conduta cultural como um caso particular de conduta comunicativa. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  4. 4. Maturana e Varela (1995) <ul><li>Domínios linguísticos e consciência humana </li></ul><ul><li>O que determina a coordenação comportamental é o significado que o observador atribui às condutas e não o acoplamento estrutural dos participantes. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  5. 5. Maturana e Varela (1995) Condutas linguísticas Acoplamento estrutural ontogênico
  6. 6. Maturana e Varela (1995) <ul><li>A linguagem permite a que opera nela descrever-se a si mesmo e às suas circunstâncias ( ibid ., p. 233). </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  7. 7. Maturana e Varela (1995) Reflexão linguística Domínio semântico Observador Somos observadores e existimos num domínio semântico criado pelo nosso operar linguístico ( ibid ., p. 234).
  8. 8. Maturana e Varela (1995) <ul><li>Mente e consciência </li></ul><ul><li>Oriundas do intenso acoplamento linguístico. </li></ul><ul><li>Modo diário como organizamos e damos coerência às nossas reflexões. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  9. 9. Maturana e Varela (1995) REFLEXÃO IDENTIDADE Na linguagem humana
  10. 10. Maturana e Varela (1995) Coordenações comportamentais (no cotidiano) Comunicação EXPERIÊNCIA
  11. 11. Maturana e Varela (1995) CONSCIÊNCIA MENTE Acoplamento social
  12. 12. PROFA. DRA. LUCILA PESCE Escher, Drawing Hands
  13. 13. Maturana e Varela (1995) EXPERIÊNCIA MUNDO VIVIDO HISTÓRIA BIOSSOCIAL O CONHECER E O CONHECEDOR
  14. 14. Maturana e Varela (1995) <ul><li>O conhecer humano é vivido em uma tradição cultural. </li></ul><ul><li>Refutar as certezas. </li></ul><ul><li>Fundamento biológico do fenômeno social –considerar o ponto de visto do outro, no nosso domínio experiencial. </li></ul><ul><li>Linguagem e reflexividade. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  15. 15. Maturana e Varela (1995) Conhecimento Ação Linguagem O caráter ético da construção do conhecimento
  16. 16. Pesce (2000) <ul><li>Autopoiese </li></ul><ul><li>Dinâmica constitutiva da organização circular dos seres vivos em sua autoprodução única, na relação com o operar cognitivo. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  17. 17. Pesce (2000) <ul><li>Ontologia do observador </li></ul><ul><li>O observador é participante constitutivo e ativo do observado. </li></ul><ul><li>Inexistência de uma realidade única e objetiva, porque a experiência de cada observador é única. </li></ul><ul><li>Ontologia do observador e o trabalho educacional que leva em conta o multiculturalismo. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  18. 18. Pesce (2000) <ul><li>Organização e estrutura </li></ul><ul><li>Dinâmica circular de ambos os elementos, na autopoiese dos seres vivos. </li></ul><ul><li>Relação biunívoca entre o ser o e fazer. </li></ul><ul><li>Autopoiese garantida pela permanência da organização e alteração das estruturas. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  19. 19. Pesce (2000) <ul><li>Acoplamento estrutural </li></ul><ul><li>Surge como resultado das modificações das unidades interatuantes. </li></ul><ul><li>As perturbações compensatórias no acoplamento estrutural do sistema ao meio provocam a cognição. </li></ul><ul><li>Aponta o caráter relacional da cognição. </li></ul><ul><li>Evolução adaptativa como adaptação ontogenética, no acoplamento estrutural entre sistema e meio. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  20. 20. Pesce (2000) <ul><li>Cognição como fenômeno biológico </li></ul><ul><li>Conhecimento como ação efetiva, para além da representação de uma realidade independente. </li></ul><ul><li>Evolução como processo de adaptação contínua, com destaque para a criatividade. </li></ul><ul><li>Motivação endógena para com o conhecimento (fruição e cognição). </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  21. 21. Pesce (2000) <ul><li>A linguagem na teoria da autopoiese </li></ul><ul><li>Caráter dinâmico e relacional. </li></ul><ul><li>Linguajar (linguagem, ação, emoção). </li></ul><ul><li>Interação linguística como foro para a ação. </li></ul><ul><li>Duplo papel: de reprodução e de reconstrução. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento linguístico como interação recursiva dos sistemas autopoiéticos. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  22. 22. Pesce (2000) <ul><li>TIC e Autopoiese </li></ul><ul><li>Não são as TIC que guiam a vida moderna, mas nossas emoções. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  23. 23. Pesce (2000) <ul><li>Autopoiese e Educação Eco-sistêmica </li></ul><ul><li>conhecimento como fenômeno biológico; </li></ul><ul><li>motivação endógena para com o conhecimento; </li></ul><ul><li>íntima relação entre o ser e o fazer , na autopoiese dos seres vivos; </li></ul><ul><li>valor da criatividade na cognição dos sistemas vivos; </li></ul><ul><li>caráter relacional da cognição, tecido pelo acoplamento estrutural ; </li></ul><ul><li>relação entre linguagem, ação e emoção; </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  24. 24. Pesce (2000) <ul><li>Autopoiese e Educação Eco-sistêmica </li></ul><ul><li>ambigüidade da linguagem (no linguajear ), enquanto reprodutora e reconstrutora do mundo; </li></ul><ul><li>manutenção da identidade do ser vivo garantida por sua autopoiese; </li></ul><ul><li>na autopoiese, a manutenção da organização , pelas contínuas alterações de suas estruturas , no seu acoplamento estrutural entre sistema e meio . </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  25. 25. Questão para discussão <ul><li>Que elementos da Teoria da Autopoiese de Maturana e Varela podem ser pertinentes ao estudo dos AVA? </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE
  26. 26. Referências bibliográficas <ul><li>MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco. (1995). A árvore do conhecimento : as bases biológicas do entendimento humano. Campinas: Editorial Psy. pp. 205-266. </li></ul><ul><li>PESCE, Lucila. (2000). Visão educacional eco-sistêmica: uma contribuição a partir de Maturana e Varela. Revista da APG – PUC/SP . Ano IX, n. 23. pp. 141-154. </li></ul>PROFA. DRA. LUCILA PESCE

×