Your SlideShare is downloading. ×
0
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva

58,678

Published on

Published in: Education
5 Comments
30 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
58,678
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
5
Likes
30
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. In: MOREIRA, A. F. & SILVA, T. T. Currículo, cultura e Sociedade (orgs.). 5a. Ed. São Paulo: Cortez, 2001. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução
  • 2. * Origens : final do século XIX. Preocupação em racionalizar, sistematizar e controlar a escola e o currículo. * Teoria Crítica do Currículo : currículo não é neutro, mas historicamente datado, implicando em relações de poder e produzindo identidades individuais e sociais..
  • 3. Início do século XX: * nova ideologia (cooperação e especialização). * Currículo como “instrumento por excelência de controle social que se pretendia estabelecer”(1995, 10), para organizar, racionalizar e garantir controle e eficiência .
  • 4. Duas tendências curriculares, entre a década de 20 ao início dos anos 70: * a) escolanovismo : valorização dos interesses do aluno (Dewey e Kilpatrick); * b) tecnicismo : construção científica de um currículo que desenvolva os aspectos desejáveis da personalidade humana (Bobbitt).
  • 5. Depois disso : * Bruner: ênfase estruturalista (estrutura organizacional); * contracultura (movimento hippie): escola criticada; * com Nixon: retorno à eficiência e produtividade: ideário neoliberal (não questionamento da sociedade capitalista e da escola como aparelho ideológico do estado); * apoio nas teorias sociais européias : neomarxismo, teoria crítica da Escola de Frankfurt e teorias de reprodução.
  • 6. A partir de 1973: Rejeição à concepção curricular behaviorista e empirista, pelo seu caráter instrumental e apolítico. Duas tendências: * a) teoria crítica : Apple e Giroux (ênfase no social). Ligada à Nova sociologia do Currículo (Michael Young e Basil Bernstein); * b) hermenêutica : Pinar (ênfase na subjetividade).
  • 7. Como conseqüência: * término da ênfase no planejamento, implementação e controle curricular; * análise das relações entre currículo e sociedade, cultura, poder, ideologia e controle social; * estudo do currículo formal, em ação e oculto e sua relação com a manutenção do status quo ; * busca o potencial libertador, nas brechas das contradições e das resistências.
  • 8. Os autores (Antonio Flavio Moreira e Tomaz Tadeu da Silva) defendem: * o currículo analisado em seu contexto histórico e social ; * o estudo das relações entre currículo e ideologia : embasados em Althusser, propõem uma ruptura com a noção neoliberal de escola ideologicamente neutra.
  • 9. * Posterior crítica à obra de Althusser : percepção restrita de ideologia como falsa consciência. * Proposta de uma ampliação do conceito de ideologia como essencial à luta de classes , questionando a quem ela legitima (conceito gramsciniano de movimento contra-hegemônico). * Ideologia se utiliza do senso comum , ergue-se em meio a diversos conhecimentos , práticas sociais e rituais .
  • 10. Currículo e cultura: * cultura como campo contestado e ativo : instância integrante do processo de produção e criação de sentidos, significações e sujeitos. * cultura como terreno de luta entre diferentes visões de mundo.
  • 11. CURRÍCULO REPRODUÇÃO imposição da cultura da classe dominante TRANSGRESSÃO terreno de produção e política culturais
  • 12. Currículo e poder: * Educação e currículo estão implicados em relações de poder. * Currículo como expressão das relações sociais de poder. * currículo oficial : hegemônico, produzindo identidades sociais (rotinas e rituais institucionais cotidianos); portanto como mantenedor do status quo . * objetivo : currículo como campo cultural de construção e produção de significações e sentido ( luta por relações de poder transformadas).
  • 13. Currículo oculto: * “… aspectos da experiência educacional não explicitados no currículo oficial formal…”( ibid. , 31). * tarefa política do currículo : desnaturalizar e historicizar o currículo, para transgredir a ordem curricular em vigor.
  • 14. Os autores questionam: * A organização curricular por disciplinas . * O não aproveitamento da “cultura popular” veiculada na mídia e nas TIC. * Alertam que o não aproveitamento da cultura popular leva a um olhar acrítico, que serve aos fins de acumulação e legitimação dos valores mercadológicos.
  • 15. Antonio Flávio Moreira e Tomaz Tadeu da Silva percebem a Teoria Crítica do Currículo como “movimento de constante problematização e questionamento” ( ibid ., 35)
  • 16. Questão para discussão: Qual a contribuição da Teoria Crítica do Currículo para pensarmos no desenho didático de cursos online ?

×