Período pós socrático a Idade Média
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Período pós socrático a Idade Média

on

  • 8,213 views

Aula de filosofia para os alunos de direito da UMC

Aula de filosofia para os alunos de direito da UMC

Statistics

Views

Total Views
8,213
Views on SlideShare
8,213
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
75
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média Presentation Transcript

  • Período Pós-Socrático
  • • Final da Hegemonia política e militar da Grécia  início do cristianismo.• O foco da preocupação sai do homem e vai para o universo – problemas éticos, vida interior do homem.• Império Romano  turbulências administrativas, expansão do império e o Direito Romano
  • CINISMO• Decadência moral da sociedade Grega• Cinismo  Diógenes – desprezo àquilo que a classe dominante considerava de valor
  • EPICURISMO• O representante desta escola foi Epicuro.• A vida deve ser convenientemente regrada.• Este é o objetivo da ética. – Segundo Epicuro, temos 3 tipos de prazeres: 1° os naturais e necessários (comer quando se tem fome) 2° naturais, porém não necessários (comer excessivamente) 3° nem naturais, nem necessários (fumo, luxo) – A filosofia é a arte da vida.
  • A filosofia no império romano foi bastante profunda, mas pode serconsiderada uma continuação da filosofia grega, principalmente nosentido de que se aprofundou nas questões relacionadas às leis e àpolítica.IMPÉRIO ROMANO
  • ESTOICISMO• Anulação das paixões e destaque para a razão.• Grande representante desta escola foi Sêneca• Não há acaso, tudo é providencial.• O fim supremo do homem é a virtude
  • • Lúcio Aneus Sêneca (em latim: Lucius Annaeus Seneca; Corduba, 4 a.C. — Roma, 65 d.C.) foi um dos mais célebres advogados escritores e intelectuais do Império Romano. Conhecido também como Séneca (ou Sêneca), o Moço, o Filósofo, ou ainda, o Jovem, sua obra literária e filosófica, tida como modelo do pensador estoico durante o Renascimento, inspirou o desenvolvimento da tragédia na dramaturgia europeia renascentista.
  • CETICISMO• Não o conhecimento da verdade, mas sua procura.• As aparências  impossível chegar a um saber completo e universal.• Não há certeza , não há o avanço nos conhecimentos, portanto o progresso fica impossibilitado de acontecer.• O representante e fundador desta escola foi Pirro
  • ECLETISMO• Oposto do Ceticismo.• A verdade não se limita a um sistema filosófico, deve ser complementada por elementos das diversas escolas.• Para se alcançar uma compreensão adequada das coisas não se deve privilegiar apenas um filósofo, mas o que há de melhor em cada um deles.
  • Justiça Cristã
  • Israel
  • • Pano de fundo judeu do cristianismo. – houve a criação do mundo e a rebelação do homem contra Deus (Adão e Eva) e a partir de então, a morte passou a existir na Terra. – A desobediência do homem a Deus atravessa toda a história contada na Bíblia. No Gênesis há a menção do pacto feito entre Deus e Abraão e seus descendentes que exigia a obediência rigorosa aos mandamentos de Deus. – Esse pacto foi mais tarde renovado com a entrega das Tábuas da Lei a Moisés no monte Sinai.
  • Jerusalém
  • • Naquela época, os israelitas viviam havia muito tempo como escravos no Egito, mas foram libertados e levados de volta a Israel onde se formou dois reinos – Israel (ao Norte) e Judá (ao Sul)• O povo judeu não entendia o motivo de tanta desgraça e atribuía isso ao castigo de Deus sobre Israel devido à sua desobediência.• Então começaram a surgir profecias sobre o Juízo Final e também sobre a vinda de um "príncipe da paz" que iria restaurar o antigo reino de Davi e assegurar ao povo um futuro feliz.• Esse messias viria para restituir a Israel a sua grandeza e fundar um "Reino de Deus".
  • Jesus
  • • Jesus Cristo. – Naquela época, o povo imaginava o messias como um líder político, militar e religioso. – Outros, duzentos anos antes do nascimento de Jesus, diziam que o messias seria o libertador de todo o mundo. – Mas Jesus apareceu com pregações diferentes das que vigoravam e admitia publicamente não ser um comandante militar ou político. – E mais, dizia que o Reino de Deus era o amor ao próximo e aos inimigos.
  • • Ele não considerava indigno conversar com prostitutas, funcionários corruptos e inimigos políticos do povo e achava que estes seriam vistos por Deus como pessoas justas bastando para isso que se voltassem para Ele e Lhe pedisse perdão. Jesus acreditava que nós mesmos não podíamos nos redimir de nossos pecados e que nenhuma pessoa era reta aos olhos de Deus.• Ele foi um ser humano extraordinário. Soube usar de forma genial a língua de seu tempo e deu a conceitos antigos um sentido novo, extremamente ampliado.
  • • Tudo isto acrescentado a sua mensagem radical de redenção dos homens ameaçava tantos interesses e posições de poder que ele acabou sendo crucificado.• Para o cristianismo, Jesus foi o único homem justo que viveu e o único que sofreu e morreu por todos os homens.
  • Paulo Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
  • • Alguns dias depois da crucificação e enterro de Jesus, começaram a surgir boatos sobre sua ressurreição.• Pode-se dizer que a Igreja cristã começou naquela manhã de Páscoa.• Paulo disse: "Pois se Cristo não ressuscitou, então todo nosso sermão é vão; é vã toda a vossa crença".
  • • A partir de então todas as pessoas podiam ter esperança na "ressurreição da carne".• Os primeiros cristãos começaram a espalhar a "boa-nova" da redenção pela fé em Cristo.• Poucos anos depois da morte de Jesus, o fariseu Paulo se converteu ao cristianismo e suas viagens missionárias pelo mundo greco- romano transformaram o cristianismo numa religião universal.
  • O Areópago era um celebre tribunal de Atenas que funcionava numa colina consagrada a Marte, de onde o seu nome.Solon (594 a.C) aumentou consideravelmente as suas atribuições, e os areopagitas foram chamados a punir o roubo,a impiedade aimoralidade; a reprimir o luxo, a preguiça, a mendicância; a velar pela educação das crianças e até penetrar no lar doméstico paradele banir a discórdia e assegurar-se da legitimidade dos meios de vida de cada cidadão
  • • Quando esteve em Atenas, ele fez um discurso do Areópago que falava do Deus que os atenienses desconheciam e isso provocou um choque entre a filosofia grega e a doutrina da redenção cristã.• Apesar de tudo, Paulo encontrou nessa cultura um sólido apoio, ao chamar atenção para o fato de que a busca por Deus estava dentro de todos os homens.
  • • Em Atos dos Apóstolos está escrito que depois de seu discurso, foi vítima de zombaria por parte de algumas pessoas, quando estas o ouviram dizer que Cristo havia ressuscitado dos mortos. Mas também houve os que se interessaram pelo assunto.• Depois, Paulo prosseguiu em sua tarefa missionária e passadas algumas décadas da morte de Cristo já existiam comunidades cristãs em todas as cidades gregas e romanas mais importantes.
  • O Credo• Paulo não foi importante para o cristianismo apenas por suas pregações missionárias.• Dentro das comunidades cristãs, sua influência era muito grande pois as pessoas também queriam uma orientação espiritual.• Pelo fato de o cristianismo não ser a única religião nova daquela época, a Igreja precisava definir claramente a doutrina cristã, a fim de estabelecer seus limites em relação às demais religiões e evitar uma cisão interna.•
  • • Surgiram assim as primeiras profissões de fé, os primeiros credos que resumiam os princípios ou os dogmas cristãos mais importantes como o que dizia que Jesus havia sido Deus e homem ao mesmo tempo e de forma plena e que realmente tinha padecido na cruz.
  • Benevolência, tolerância, caridade, compreensão, amor.....A justiça humana é transitória, por vezes uma usurpação do poder.....Se a lei humana mandar algo diverso da Lei Divina,é licito ao homem desobedecer à lei humana?
  • A IDADE MÉDIA
  • Patrística• Período do pensamento cristão que se seguiu à época neotestamentária, e chega até ao começo da Escolástica• Representa o pensamento dos Padres da Igreja  os construtores da teologia
  • Santo Agostinho• Nasceu em Tagasta, cidade da Numídia, de uma família burguesa, a 13 de novembro do ano 354.• Cartago para aperfeiçoar seus estudos desviou-se moralmente.• Caiu em uma profunda sensualidade, que, segundo ele, é uma das maiores conseqüências do pecado original;• Tornou-se maniqueísta, que atribuía realidade substancial tanto ao bem como ao mal
  • • Cristianizou Platão – Fortalecimento do culto cristão – Ascensão do poder eclesiástico – Diluição da sociedade organizada ANIMA CORPO VIDA CONTEMPLATIVA, INTELECTUAL, DEDICAÇÃO A VIDA ATIVA DEUS
  • O que faz as leis humanas serem imperfeitas, corruptas, incorretas e até mesmo injustas éa pobreza de espírito dos homens
  • Livre arbítrio• A vontade governa o homem – Atua contra ou a favor a Lei divina – Você pode escolhar entre matar e não matar....• O Juízo Final mostrará quem usou o livre arbítrio de acordo com a Lei Divina
  • Conhecimento sensível• Os sentidos e o intelecto são fontes de conhecimento.• Para a visão sensível além do olho e da coisa, é necessária a luz física
  • • Conhecimento intelectual  é necessária luz espiritual.• Deus  a Verdade  Verbo de Deus  verdades eternas, as idéias, as espécies, os princípios formais das coisas
  • • família celibato superior ao matrimônio• política  ele tem uma concepção negativa da função estatal; se não houvesse pecado e os homens fossem todos justos, o Estado seria inútil.• propriedade  direito positivo e não natural.• Escravidão  direito natural, mas conseqüência do pecado original, que perturbou a natureza humana, individual e social natureza humana já é corrompida; pode ser superada sobrenaturalmente, asceticamente, mediante a conformação cristã de quem é escravo e a caridade de quem é amo.
  • Sto. Tomás de Aquino• Nasceu Tomás em 1225, no castelo de Roccasecca, na Campânia, da família feudal dos condes de Aquino.
  • O conhecimento• Cristianizou Aristóteles  considera a filosofia como uma disciplina essencialmente teorética, para resolver o problema do mundo.• Filosofia distinta da teologia, - não oposta - visto ser o conteúdo da teologia arcano e revelado, o da filosofia evidente e racional.
  • Conhecimento Sensível• O objeto fora de nós• Esta é a impressão, a imagem, a forma do objeto material na alma, isto é, o objeto sem a matéria, imagem mental que o objeto imprime na nossa mente, no nosso intelecto
  • Conhecimento inteligível• Transcende o conhecimento sensível• O inteligível, o universal, a essência das coisas é contida apenas implicitamente, potencialmente.• Inteligível  racionalização, abstração, generalização• A forma universal das coisas.• A verdade
  • • Tomás de Aquino acentuou a diferença entre a Filosofia, que estuda todas as coisas pelas últimas causas através da luz da razão, e a Teologia, ciência de Deus à luz da revelação
  • • “Verificamos que alguns seres são mais ou menos verdadeiros, mais ou menos bons, etc. ora, diz-se o mais e o menos de coisas diversas segundo a sua aproximação diferente de um máximo. Existe, pois, alguma coisa que é o mais verdadeiro, o melhor, por conseguinte, o mais ser. Ora, o que é o máximo num gênero é a causa de tudo que pertence a este gênero. Existe, portanto, um ser que é para todos os outros causa de ser, de bondade, de perfeição total, e este ser é Deus:” Summa Teologica
  • As Leis• Há uma Lei Divina, revelada por Deus aos homens, que consiste nos Dez Mandamentos.