Filosofia do Direito 2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Filosofia do Direito 2014

on

  • 1,130 views

Aulas de revisão de filosofia clássica para a disciplina Filosofia do Direito UMC

Aulas de revisão de filosofia clássica para a disciplina Filosofia do Direito UMC

Statistics

Views

Total Views
1,130
Views on SlideShare
1,130
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
54
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Filosofia do Direito 2014 Filosofia do Direito 2014 Presentation Transcript

  • Filosofia  do  Direito  -­‐  2013   Filosofia  do  Direito   Profa.  Dra.  Luci  Bonini  
  • •  Coruja  é  a  ave  soberana  da  noite.  Para  muitos  povos  a   coruja  significa  mistério,  inteligência,  sabedoria  e   conhecimento.  Ela  tem  a  capacidade  de  enxergar  através   da  escuridão,  conseguindo  ver  o  que  os  outros  não  vêem.  
  • Direito  e  jus8ça   Qual  a  noção  exata  que   temos  de  Direito?  E  de   jusKça?  
  • Direito     Os  dicionários  da  língua  portuguesa  expressam  que  o  adjeKvo   “direito”  passou  a  fazer  parte  da  mesma  no  ano  de  1277  d.C.  Em  seu   primeiro  significado  encontramos  que  direito  é  aquilo  que  segue  a  lei   e  os  bons  costumes,  é  a  pessoa  justa,  correta,  honesta.     Também  é  direito  aquilo  que  está  de  acordo  com  o  senso  comum,  com   as  normas  morais  e  éKcas  aceitas  pelas  pessoas.      É  aquilo  que  é  certo,  correto  e  justo.  Direita  é  a  pessoa  dotada  de  um   comportamento  impecável,  de  uma  conduta  irrepreensível,   impecável.Aquilo  que  não  contém  erros  também  é  direito,  é  certo,  é   correto.  Ou  ainda,  com  aparência,  arrumação,  aquilo  que  é  adequado   e  acertado.Uma  pessoa  direita  é  uma  pessoa  leal,  sincera  e  honesta.     Aquilo  que  é  verKcal,  aprumado,  emperKgado,  também  é  direito.   Podemos  lembrar  as  ocasiões  em  que  aconselhamos  alguém  a  não  se   curvar,  a  ficar  direito.     O  lado  do  corpo  humano  oposto  ao  coração  também  é  o  lado  direito.  
  • •  Direito  e  jusKça  são  palavras  que  trazem   complexos  e  disKntos  significados.  No  entanto,  é   muito  fácil  entendê-­‐las  e  assimilar  o  seu   significado,  pois,  desde  a  mais  tenra  idade,  as   pessoas  sabem  o  que  lhe  pertence  e  sabem   defendê-­‐lo  com  unhas  e  dentes  da  ação  das   outras  crianças  ou  adultos  que  se  aventuram  a   tomar  para  si  o  referido  bem.  (MAFRA,  2013,   Rev.  Âmbito  Jurídico)  
  • •  O  pensar  abre  sulcos  invisíveis  na  linguagem...   (Heidegger)  
  • Ementa  da  disciplina   •  A  disciplina  aborda  a  evolução  histórica  dos   principais  insKtutos  jurídicos,  levando  em  conta   os  substratos  filosóficos  aplicáveis.     •  A  Filosofia  abrange  a  ciência,  para  criKcá-­‐la;  mas   isto  não  quer  dizer  que  seja  superior,  como  valia,   à  própria  ciência  que  tambem  se  revela   autônoma.     •  Conceber  uma  Filosofia  ligada  no  meio  histórico  e   cultural  é  algo  necessário.     •  A  Filosofia  está  sempre  condicionada  a  uma   situação  histórica.  
  • ObjeKvos     •  IdenKficar  a  evolução  histórica  dos  principias   insKtutos  jurídicos   •   Relacionar  aspectos  filosóficos  com  o   desenvolvimento  e  aplicação  do  Direito  na   atualidade.  
  • Conteúdo  programáKco   •  UNIDADE  I  –  FILOSOFIAS  POLÍTICAS:  GREGOS,   ROMANOS  E  O  TEOCENTRISMO  MEDIEVAL.   •  1.1.  Origem  da  vida  políKca   •  1.2.  Finalidade  da  vida  políKca   •  1.3.  Os  regimes  políKcos   •  1.4.  ÉKca  e  políKca   •  1.5.  O  poder  teológico  políKco  
  • •  UNIDADE  II  –  OS  FILÓSOFOS  DA  RENASCENÇA  AO   ILUMINISMO   •  2.1.  O  ideal  republicano   •  2.2.  O  príncipe   •  2.3.  O  contratualismo   •  2.4.  O  liberalismo  e  o  anKgo  regime   •  2.5.  As  revoluções  burguesas   •  UNIDADE  III  –  OS  FILÓSOFOS  DA  TRADIÇÃO   LIBERTÁRIA  E  DO  SOCIALISMO   •  3.1.  A  tradição  libertária   •  3.2.  As  teorias  socialistas   •  3.3.  A  perspecKva  marxista   •  3.4.  Ideologia  e  Revolução  
  • •  UNIDADE  IV  –  OS  FILÓSOFOS   CONTEMPORÂNEOS  E  A  QUESTÃO   DEMOCRÁTICA   •  4.1.  As  experiências  totalitárias   •  4.2.  A  democracia  como  ideologia   •  4.3.  A  democracia:  entraves  e  perspecKvas  
  • •  METODOLOGIA   •  Aula  exposiKva  dialogada,    estudo  dirigido  e     trabalho  em  grupo.   •  FORMA  DE  AVALIAÇÃO  DA  DISCIPLINA   •  A  avaliação  de  desempenho  é  realizada  de   forma  contnua,  a  fim  de  diagnosKcar  o   desenvolvimento  do  processo  de   aprendizagem  por  meio  dos  seguintes   instrumentos:   •  1.  Avaliação  discursiva   •  2.  Avaliação  objeKva   •  3.  ParKcipação  em  sala  de  aula  –  Seminários   •  4.  Avaliação  interdisciplinar  
  • Bibliografia  Básica   •  CHAUÍ,  Marilena.  Convite  à  Filosofia.  14ª   ed.  São  Paulo:  ÁKca,  2012.  Básica   •  NUNES,  RIzzato  Luiz  Antonio.  Manual  de   Filosofia  do  Direito.  2ª  ed.  São  Paulo:   Saraiva,  2009.  Básica   •  REALE,  Miguel.  Filosofia  do  Direito.  20ª  ed.   São  Paulo:  Saraiva,  2008.  Básica  
  • Bibliografia  complementar   •  BITTAR,  Eduardo  C.B.  BiLar;  ALMEIDA,  Guilherme  Assis   de.  Curso  de  Filosofia  do  Direito.  10ª  ed.,  São  Paulo:   Atlas,  2012.    Complementar   •  FERRAZ  JUNIOR,  Tércio  Sampaio.  Estudos  de  Filosofia  do   Direito:  Reflexões  sobre  o  Poder,  a  Liberdade,  a  Jus?ça  e   o  Direito.  3ª  ed.  São  Paulo:  Atlas,  2009.  Complementar   •  LIBERATI,  Wilson  DonizeK.  Polí?cas  Públicas  no  Estado   Cons?tucional.1ª  ed.  São  Paulo,  Atlas,  2013.   Complementar   •  NADER,  Paulo.  Filosofia  do  Direito.  21ª  ed.,  Rio  de   Janeiro:  Forense,  2012.  Complementar   •  STEGMULLER,  Wolfgang.  A  Filosofia  Contemporânea.  2ª   ed.,  Rio  de  Janeiro:  Forense,  2012.  Complementar  
  • Segundo  Aristóteles,  o  termo   jusKça  denota,  ao  mesmo   tempo,  legalidade  e  igualdade.   Assim,  justo  é  tanto  aquele  que   cumpre  a  lei  ( jusKça  em   senKdo  estrito)  quanto  aquele   que  realiza  a  igualdade  ( jusKça   em  senKdo  universal).   UNIDADE I – FILOSOFIAS POLÍTICAS: GREGOS, ROMANOS E O TEOCENTRISMO MEDIEVAL. JusKça  
  • Filosofia  e  Senso  Comum   •  Senso  comum  significa  um  Kpo  de   conhecimento  adquirido  pelo  homem  a  parKr   de  experiências,  vivências  e  observação  do   mundo.     •  É  uma  forma  de  conhecimento  vulgar  ou   popular.     •  Se  caracteriza  por  conhecimentos  empíricos   acumulados  ao  longo  da  vida  e  passados  de   geração  em  geração.  
  • Espírito  cienKficista  e  posiKvista   •  •  •  •  •  •  Ciência  e  conhecimento   PosiKvismo  e  Ciência   Razão  e  iluminismo   ÉKca  e  produção  de  conhecimento  cientfico   Teoria  e  PráKca   Práxis  
  • Filosofia     •  Não  é  uma  ferramenta,  nem  uma  receita   •  Iluminismo  e  racionalismo   •  Não  há  autonomia  sem  capacidade  de   reflexão   •  Aceleração  do  ritmo  de  vida   •  Fungibilidade  do  humano   •  Tendência  ao  anonimato  e  a  indiferença   •  Depreciação  da  formação  humanísKca  
  • UNIDADE  I  –  FILOSOFIAS  POLÍTICAS:  GREGOS,   ROMANOS  E  O  TEOCENTRISMO  MEDIEVAL.   •  •  •  •  •  1.1.  Origem  da  vida  políKca   1.2.  Finalidade  da  vida  políKca   1.3.  Os  regimes  políKcos   1.4.  ÉKca  e  políKca   1.5.  O  poder  teológico  políKco  
  • Aplicação  da  capacidade  cogniKva  dos   homens   •  Senso  comum   •  Religião   •  Técnica   •  Arte   •  Ciência   •  Filosofia  
  • Origem  da  vida  políKca   •  Gregos      organizados  em  cidades-­‐estado   chamadas  "polis”   •  πολιτεία  (politeía),  que  indicava  todos  os   procedimentos  relaKvos  à  pólis,  ou  cidade-­‐ Estado.     –  Por  extensão,  poderia  significar  tanto  cidade-­‐ Estado  quanto  sociedade,  comunidade,   coleKvidade  e  outras  definições  referentes  à  vida   urbana  (Platão)  
  • Finalidade  da  vida  políKca   •  PRÁXIS  HUMANA      poder.     –  O  poder  políKco  é  o  poder  do  homem  sobre  outro   homem,  descartados  outros  exercícios  de  poder,   sobre  a  natureza  ou  os  animais,  por  exemplo.     –  Poder  que  tem  sido  tradicionalmente  definido   como  "consistente  nos  meios  adequados  à   obtenção  de  qualquer  vantagem"  (Hobbes)  ou,   como  "conjunto  dos  meios  que  permitem  alcançar   os  efeitos  desejados"  (Russell).  
  • •  O  que  a  políKca  pretende  alcançar  pela  ação  dos   políKcos,  em  cada  situação,  são  as  prioridades  do   grupo  (ou  classe,  ou  segmento  nele  dominante):   nas  convulsões  sociais,  será  a  unidade  do  Estado   •  A  políKca  não  tem  fins  constantes  ou  um  fim  que   compreenda  a  todos  ou  possa  ser  considerado   verdadeiro:  "os  fins  da  Polí?ca  são  tantos  quantas   são  as  metas  que  um  grupo  organizado  se   propõe,  de  acordo  com  os  tempos  e   circunstâncias”.   •  A  políKca  se  liga  ao  meio  e  não    ao  fim,   corresponde  à  opinião  corrente  dos  teóricos  do   Estado,  que  excluem  o  fim  dos  seus  elementos   consKtuKvos  
  • Os  regimes  políKcos   •  Aristóteles    a  monarquia  (poder  de  um  só),  a  oligarquia   (poder  de  alguns  poucos)  e  a  democracia  (poder  de  todos).     •  Formas  de  governo       –  –  –  –  Realeza:  aquele  que  é  um  só  para  todos   Aristocracia:  de  alguns  para  todos   Regime  ConsKtucional:  de  todos  para  todos   Tirania,  Oligarquia  e  Democracia    são  deturpações,   degenerações  dos  anteriores,  ou  seja,  não  governam  em  vista   do  bem  comum.   •  A  democracia  segundo  Aristóteles  deve  ser  totalmente  soberana,  mas   com  duas  limitações:  não  deve  ir  além  dos  órgãos  de  deliberação  e   julgamento,  pois  estes  são  poderes  coleKvos  expressos  em  uma   consKtuição  (o  conjunto  do  povo  é  superior  a  cada  um  dos  indivíduos)   e  não  exigem  competência  técnica;  a  segunda  limitação  é  o  dever  de   agir  de  acordo  com  as  leis.  
  • ÉKca  e  políKca   •  Do  grego  ethos  (caráter,  modo  de  ser  de  uma  pessoa).  ÉKca   é  um  conjunto  de  valores  morais  e  princípios  que  norteiam   a  conduta  humana  na  sociedade.     •  A  éKca  serve  para  que  haja  um  equilíbrio  e  bom   funcionamento  social,  possibilitando  que  ninguém  saia   prejudicado.     •  Neste  senKdo,  a  éKca,  embora  não  possa  ser  confundida   com  as  leis,  está  relacionada  com  o  senKmento  de  jusKça   social.   •  A  éKca  é  construída  por  uma  sociedade  com  base  nos   valores  históricos  e  culturais.     •  Do  ponto  de  vista  da  Filosofia,  a  ÉKca  é  uma  ciência  que   estuda  os  valores  e  princípios  morais  de  uma  sociedade  e   seus  grupos.    
  • Podem  os  filósofos  mudar  o  mundo???  
  • Os  Gregos     Sócrates    Só  sei  que  nada  sei     Platão    O  Mito  da  Caverna/  A  República:  Não  há  nada  de   errado  com  aqueles  que  não  gostam  de  políKca,   simplesmente  serãogovernados  por  aqueles  gostam.     Aristóteles  Causa  material:  daquilo  que  a  coisa  é  feita   como,  por  exemplo,  o  ferro.-­‐  Causa  formal:  é  a  coisa  em  si   como,  por  exemplo,  uma  faca  de  ferro.-­‐  Causa  eficiente:   aquilo  que  dá  origem  a  coisa  feita  como,  por  exemplo,  as   mãos  de  um  ferreiro.-­‐  Causa  final:  seria  a  função  para  a  qual   a  coisa  foi  feita  como,  por  exemplo,  cortar  carne.   Pensamento  de  Aristóteles  sobre  a  educação:     "A  educação  tem  raízes  amargas,  mas  os  frutos  são   doces".  Aristóteles  (D.L.  5,  18).  
  • O  poder  teológico  políKco   •  O  Poder  da  igreja    cresce  à  medida  que  se  esfacela  e  desmorona  o  Império  Romano    (i)  da  evangelização  dos  povos;  ii  o  esfacelamento  de  Roma,  do  qual  resultará,  nos   séculos  seguintes,  a  formação  sócio-­‐econômica  conhecida  como  feudalismo;   •  A  Igreja  (tanto  em  Roma  quanto  em  Bizâncio,  tanto  no  Ocidente  quanto  no   Oriente)  detém  três  poderes   –  1.  o  poder  religioso  de  ligar  os  homens  a  Deus  e  dele  desligá-­‐los;     –  2.  o  poder  econômico  decorrente  de  grandes  propriedades  fundiárias  acumuladas  no  correr   de  vários  séculos,  seja  porque  os  nobres  do  Império,  ao  se  converterem,  doaram  suas  terras  à   insKtuição  eclesiásKca,  seja  porque  esta  recebera  terras  como  recompensa  por  serviços   prestados  aos  imperadores;     –  3.  o  poder  intelectual,  porque  se  torna  guardiã  e  intérprete  única  dos  textos  sagrados  –  a   Bíblia  –  e  de  todos  os  textos  produzidos  pela  cultura  greco-­‐romana  –  direito,  filosofia,   literatura,  teatro,  manuais  de  técnicas,  etc.  Saber  ler  e  escrever  tornou-­‐se  privilégio  exclusivo   da  insKtuição  eclesiásKca.  Será  a  Igreja,  portanto,  a  formuladora  das  teorias  políKcas  cristãs   para  os  reinos  e  impérios  cristãos.  Essas  teorias  elaborarão  a  concepção  teológico-­‐políKca  do   poder,  isto  é,  o  vínculo  interno  entre  religião  e  políKca.  
  • O  Catolicismo   •  Sto.  AgosKnho    De  Civitate  Dei  (A  Cidade  de   Deus),  descreve  o  mundo  dividido  entre  o  dos   homens  e  o  de  Deus.     –  O  Maniqueísmo   •  Sto.  Tomás  de  Aquino  “Há  de  se  notar  que  um   indivíduo,  vivendo  em  sociedade,  consKtui  de   certo  modo  uma  parte  ou  um  membro  desta   sociedade.  Por  isso,  aquele  que  faz  algo  para  o   bem  ou  para  o  mal  de  um  de  seus  membros   aKnge,  com  isso,  a  toda  a  sociedade”  (Summa   Theologiae,  I-­‐II,  q.  21,  a.  3).  
  • Renascimento  (Sec.  XIV  a  XVI)  
  • •  Shakespeare,  Leonardo  da  Vinci,  Boˆcelli,  Galileu   Galilei,  Gu‰enberg   •  As  conquistas  maríKmas  e  o  contato  mercanKl  com  a  Ásia   ampliaram  o  comércio  e  a  diversificação  dos  produtos  de   consumo  na  Europa  a  parKr  do  século  XV   •  O  comércio  com  o  Oriente  se  expandiu   •  Descoberta  da  América   •  Grandes  Fortunas   •  Despertar  das  elites     •  Nascimento  da  ciência  
  • •  Neste  período,  o  homem  voltou  a  ocupar  o  centro  de  todas  as   coisas  (antropocentrismo)  ao  contrário  do  que  ocorria  na   Idade  Média  (teocentrismo).     •  Por  isso  fala-­‐se  do  humanismo  do  renascimento.     •  A  Igreja  aos  poucos  foi  perdendo  seu  poder  e  monopólio  no   que  se  refere  à  transmissão  do  conhecimento.     •   O  humanismo  do  renascimento  foi  muito  marcado  pelo   individualismo.    
  • •  A  nova  visão  do  homem  centrava-­‐se  no  interesse   pela  anatomia  e  nas  representações  dos  nus   humanos.     •  O  homem,  a  parKr  desta  concepção,  não  exisKa   apenas  para  servir  a  Deus,  mas  a  ele  próprio.     •  Vale  ressaltar  que  no  Renascimento  desenvolveu-­‐se   um  novo  método  cientfico  –  o  princípio  vigente  era  o   da  invesKgação  da  natureza  mediante  a  observação  e   a  experimentação  –  método  empírico.  
  • Reforma  Luterana     MarKnho  Lutero    contestou  os  dogmas  da  Igreja   Católica     95  teses  que  criKcavam  vários  pontos  da  doutrina   católica    condenavam  a  venda  de  indulgências  e   propunha  a  fundação  do  luteranismo  (  religião  luterana  ).       Pare  ele  a  salvação  do  homem  ocorria  pelos  atos   praKcados  em  vida  e  pela  fé.       Teve  grande  apoio  dos  reis  e  príncipes  da  época     Em  suas  teses,  condenou  o  culto  à  imagens  e  revogou  o   celibato.    
  • Reforma  Calvinista   •  Na  França    João  Calvino  em1534   •  De  acordo  com  Calvino  a  salvação  da  alma  ocorria  pelo   trabalho  justo  e  honesto.  Essa  idéia  calvinista,  atraiu   muitos  burgueses  e  banqueiros  para  o  calvinismo.  Muitos   trabalhadores  também  viram  nesta  nova  religião  uma  forma   de  ficar  em  paz  com  sua  religiosidade.     •  Calvino  também  defendeu  a  idéia  da  predesKnação  (a   pessoa  nasce  com  sua  vida  definida)  
  • A  Reforma  Anglicana      Na  Inglaterra,  o  rei  Henrique  VIII  rompeu   com  o  papado,  após  este  se  recusar  a   cancelar  o  casamento  do  rei    Henrique  VIII  funda  o  anglicanismo  e   aumenta  seu  poder  e  suas  posses,  já  que   reKrou  da  Igreja  Católica  uma  grande   quanKdade  de  terras.  
  • A  Contra-­‐Reforma  Católica   •  Concílio  de  Trento    reaçãop  da  Igreja  Católica   –  Catequização  dos  habitantes  de  terras   descobertas,  através  da  ação  dos  jesuítas;   -­‐  Retomada  do  Tribunal  do  Santo  OTcio  -­‐   Inquisição  :  punir  e  condenar  os  acusados  de   heresias   -­‐  Criação  do  Index  Librorium  Proibitorium  (Índice   de  Livros  Proibidos):  evitar  a  propagação  de   idéias  contrárias  à  Igreja  Católica.  
  • Tomas  Morus  (1478-­‐1535)    As  leis  são   promulgadas  com   a  finalidade  de   que  cada  qual   seja  adverKdo  de   seus  direitos  e   também  dos  seus   deveres  
  • UTOPIA  (do  grego  ou  tópos    lugar  nenhum)   •  Bucolismo,  harmonia  no  convívio  social;   •  Protesto  às  deficiências  do  convívio  social   •  Os  filósofos  devem  aliar-­‐se  aos  governantes   para  iluminar  o  exercício  do  poder   •  As  aKtudes  de  um  rei  devem  condizer  com  o   Bem  Comum  e  sempre  procurar  o  bem  de   seus  súditos  
  • O  estado  utópico  de  Morus    Sistema  comunal  onde  toda  a  produção  é   distribuída  equitaKvamente.    O  voto  é  um  exercício  constante  para  a   escolha  de  representantes  do  povo  que   compõem  um  conselho  de  homens   unanimemente  aclamados  
  • Nicolau  Maquiavel  (1469-­‐1527)    O  fim  justo  legiKma  o  emprego  de  todos   os  meios,  sendo  o  Estado  o  bem   supremo  em  prol  de  quem  tudo  o  mais   deve  ser  sacrificado    A  Itália  de  Maquiavel  é  um  agrupado   disforme  de  pequenas  unidades   extremamente  marcadas  por  conflitos   regionais  
  • Lições  do  Príncipe   XXIII  –  De  como  se  evitam  os  aduladores.   Um  príncipe  prudente  deve  afastar-­‐se  de  aduladores  e  desconsiderar  seus  conselhos,   é  digno  de  um  príncipe  buscar  a  serenidade  e  a  fidelidade  dos  sábios,  mas  quando   entender  que  seja  necessário.     Ao  príncipe  cabe  deliberar  sobre  a  verdade,  mas  não  deve  demonstrar  seu  desprazer.     É  de  um  príncipe  prudente  compreender  e  avaliar  os  conselhos  que  lhe  são  dirigidos   avalizando  o  seu  conteúdo,  e,  por  fim,  acatar  ou  não.    
  •  Todos  os  Estados  bem  governados  e  todos  os   príncipes  inteligentes  Kveram  cuidado  de  não   reduzir  a  nobreza  ao  desespero,  nem  o  povo  ao   descontentamento.    Vale  mais  fazer  e  arrepender-­‐se,  que  não  fazer  e   arrepender-­‐se.    Poucos  vêem  o  que  somos,  mas  todos  vêem  o  que   aparentamos.      Há  três  espécies  de  cérebros:  uns  entendem  por  si   próprios;  os  outros  discernem  o  que  os  primeiros   entendem;  e  os  terceiros  não  entendem  nem  por   si  próprios  nem  pelos  outros;  os  primeiros  são   excelentssimos;  os  segundos  excelentes;  e  os   terceiros  totalmente  inúteis.  
  • Direito  Natural/JUSNATURALISMO   •  A  cidade  de  Deus,  a  lei  eterna,  cede   lentamente  para  o  direito  natural   •  A  laicização  da  cultura  moderna  foi  iniciada   pelo  racionalismo  –  a  razão   – Nicolau  Copérnico  
  • Nicolau  Copernico  
  • Escola  clássica  de  direito  Natural    Hugo  Grócio  (1583  –  1645)    "O  domínio  da  terra  termina  onde  termina  a  força  das  armas."      De  Jure  Belli  ac  Pacis  –  sua  doutrina  do  Direito  natural   reflete  um  desejo  de  autonomia  em  relação  à  teocracia    O  Direito  natural  não  é  arbitrário,  é  racional  (assim  com   a  arKtméKca)    O  Direito  Natural  não  mudaria  seus  ditames  na  hipótese   da  inexistência  de  Deus.  
  • •  A  Lei  natural  regula  a   convivência  das  diversas   nações    contribuiu,   dessa  forma,  para  o   Direito  Internacional   HUGO  GRÓCIO  
  • Samuel  Pufendorf  (1632-­‐1694)   •  Na  medida    em  que  os  homens  se  mulKplicam   a  razão  é  necessária  para  a  ordem,  a   tranquilidade  e  a  conservação  do  gênero   humano   •  As  leis  da  natureza  fazem  do  homem  um   animal  social,  as  de  cada  cidade  fazem  do   homem  um  cidadão.   •  As  leis  divinas  determinam  a  condição  do   cristão  
  •  Deus  é  o  autor  do  Direito  natural    Todo  homem  deveria,  o  quanto  lhe  for   possível,  preservar  e  promover  a   sociedade:  isto  é  o  bem  estar  da   humanidade    Em  um  estado  da  natureza  todo  homem   deve  contar  apenas  com  a  sua  própria   força,  enquanto  numa  comunidade,  todos   estão  a  seu  lado  
  • •  Os  homens  são  mais   capazes  de  causar  mal   uns  aos  outros  do  que   os  irracionais   •  A  condição  social  traz   compensações  paras   uma  comunidade     todos  estão  unidos  
  • JOHN  LOCKE  
  • John    Locke  (1632-­‐1704)   •  Essay  concerning  human  understanding   – Não  existem  leis  inatas,  mas  isso  não  significa   que  ele  não  enxergue  as  outras  leis,  além  da   posiKva   – As  leis  naturais  são  inatas,  não  se  encontram   impressas  na  humana,  estão  na  natureza  e   podem  ser  conhecidas  por  meio  do  uso  da   razão.  
  • Visão  Polí8ca  de  Locke     CriKcou  a  teoria  do  direito  divino  dos  reis,  formulada  pelo  filósofo   Thomas  Hobbes.       A  soberania  não  reside  no  Estado,  mas  sim  na  população    a   supremacia  do  Estado  o  qual  deve  respeitar  as  leis  natural  e  civil.     Locke  também  defendeu  a  separação  da  Igreja  do  Estado       O  poder  deveria  ser  dividido  em  três:  ExecuKvo,  LegislaKvo  e  Judiciário.      De  acordo  com  sua  visão,  o  Poder  LegislaKvo,  por   representar  o  povo,  era  o  mais  importante.   Embora  defendesse  que  todos  os  homens  fossem  iguais,   foi  um  defensor  da  escravidão.  Não  relacionava  a   escravidão  à  raça,  mas  sim  aos  vencidos  na  guerra.  De   acordo  com  Locke,  os  inimigos  e  capturados  na  guerra   poderiam  ser  mortos,  mas  como  suas  vidas  são  manKdas,   devem  trocar  a  liberdade  pela  escravidão.  
  • Thomas  Hobbes  (1508-­‐1608)   •  Leviatã,  ou  matéria,  forma  e  poder  de  um   Estado  eclesiás8co  e  civil:     •  O  seu  ttulo  se  deve  ao  monstro  bíblico  Leviatã   –  Mas  a  mais  nobre  e  ú?l  de  todas  as  invenções  foi  a  da  linguagem,  que   consiste  em  nomes  ou  apelações  e  em  suas  conexões,  pelas  quais  os   homens  registram  seus  pensamentos,  os  recordam  depois  de   passarem,  e  também  os  usam  entre  si  para  a  u?lidade  e  conversa   recíprocas,  sem  o  que  não  haveria  entre  os  homens  nem  Estado,  nem   sociedade,  nem  contrato,  nem  paz  (grifo  nosso),tal  como  não  existem   entre  os  leões,  os  ursos  e  os  lobos  (HOBBES;  p.20:1979)  
  • O  homem    é   o  lobo  do   homem   Homo  homini   lupus  
  • •  O  fim  úl?mo,  causa  final  e  desígnio  dos  homens  (que   amam  naturalmente  a  liberdade  e  o  domínio  sobre  os   outros),  ao  introduzir  aquela  restrição  sobre  si  mesmos   [grifo  nosso]  sob  a  qual  os  vemos  viver  nos  Estados,  é  o   cuidado  com  sua  própria  conservação  e  com  uma  vida   mais  sa?sfeita.     •  Quer  dizer,  o  desejo  de  sair  daquela  mísera  condição  de   guerra  que  é  a  conseqüência  necessária  das  paixões   naturais  dos  homens,  quando  não  há  um  poder  visível   capaz  de  os  manter  em  respeito,  forçando-­‐os,  por  medo  do   cas?go,  ao  cumprimento  de  seus  pactos  e  ao  respeito   àquelas  leis  de  natureza  que  foram  expostas  nos  capítulos   décimo  quarto  e  décimo  quinto.  (  p.103)  
  • •  A  preservação  da  espécie  está   condicionada  á  criação  do  pacto  social   •  É  uma  convenção  que  cria  o  Estado   •  Um  pacto  de  dá  início  á  vida  civil,  no   senKdo  de  abolir  a  guerra  e  a  impunidade   geral  contra  a  violência  
  • Jean   Jacques   Rousseau   (1712-­‐1778)   Ao  defender  que  todos  os   homens  nascem  livres,  e  a   liberdade  faz  parte  da   natureza  do  homem,   Rousseau  inspirou  todos  os   movimentos  que  visavam   uma  busca  pela  liberdade.  
  • •  O  contrato  social  é  uma  deliberação   conjunta  da  formação  da  sociedade  civil  e   do  Estado   •  Constrói  um  senKdo  de  jusKça   •  Liberdade  natural  X  uKlidade  comum   •  União  de  muitos  em  torno  de  um  objeKvo   comum   •  É  uma  forma  de  proteção  e  de  garanKa  de   liberdade   •  Possui  o  respaldo  da  vontade  geral  
  •   No  estado  da  natureza  o  homem  é  livre  e  suas   potencialidades  são  exercidas  ilimitadamente  
  • Direitos  naturais  x  direitos  civis     Advém  do  contrato  social  (  o  direito  natural  é  anterior  ao   direito  civil)     A  corrupção  humana  se  dá  quando  a  sociedade  se  consKtui     A  verdadeira  liberdade  reside  no  conceito  de  legalidade     A  propriedade  e  a  desigualdade  são  a  mesma  coisa     O  poder  de  ditar  as  leis  remonta  à  ideia  de  pacto,  onde  o   único  soberano  é  o  povo  
  • •  O  Poder  LegislaKvo  é  o  coração  do  Estado   enquanto  o  ExecuKvo  é  seu  cérebro  
  • ILUMINISMO   SÉC.  XVIII  
  • •  Movimento  que  caracterizou  o  pensamento  europeu  do   século  XVIII,  baseado  na  crença  do  poder  da  razão  e  do   progresso,  na  liberdade  de  pensamento  e  na   emancipação  políKca.     •  Muitos  dos  filósofos  do  iluminismo  francês  Knham   visitado  a  Inglaterra,  que  em  certo  senKdo  era  mais   liberal  do  que  a  França.  A  ciência  natural  inglesa   encantou  esses  filósofos  franceses.     •  De  volta  a  sua  pátria,  a  França,  eles  começaram  pouco  a   pouco  a  se  rebelar  contra  o  autoritarismo  vigente  e  não   tardou  muito  a  se  voltarem  também  contra  o  poder  da   Igreja,  do  rei  e  da  aristocracia.   •  Eles  começaram  a  reimplantar  o  racionalismo  em  sua   revolução.  A  maioria  dos  filósofos  do  Iluminismo  Knham   uma  crença  inabalável  na  razão  humana.    
  •   A  nova  ciência  natural  deixava  claro  que  tudo  na  natureza   era  racional.  De  certa  forma,  os  filósofos  iluministas   consideravam  sua  tarefa  criar  um  alicerce  para  a  moral,  a   éKca  e  a  religião  que  esKvesse  em  sintonia  com  a  razão   imutável  do  homem.       Os  filósofos  desta  época  diziam  que  só  quando  a  razão  e   o  conhecimento  se  difundissem  era  que  a  humanidade   faria  grandes  progressos.     A  natureza  para  eles  era  quase  a  mesma  coisa  que  a   razão  e  por  isso  enfaKzavam  um  retorno  de  homem  a  ela.       Falavam  também  que  a  religião  deveria  estar  em   consonância  com  a  razão  natural  do  homem.       O  iluminismo  foi  o  alicerce  para  a  Revolução  Francesa  de   1789.  
  • 1724,  Königsberg,     1804,  Königsberg,  ALEMANHA  
  •   Racionalismo    conciliando  empirismo  e  idealismo     “  Se  porém,  todo  o  conhecimento  deriva  da  experiência,    isso  não   prova  que  todo  ele  derive  da  experiência.”    (1994:36)     A  razão  humana  é  insuficiente  para  o  ideal  d  felicidade  que   buscamos    principalmente  a  éKca     “Age  de  tal  modo  que  a  máxima  da  tua  vontade  possa  valer  sempre   ao  mesmo  tempo  como  princípio  de  uma  legislação  universal.   (1995:54-­‐55)     O  agir  livre  é  o  agir  moral    de  acordo  com  o  dever  -­‐fazer  da  lei   subjeKva  um  princípio  de  legislação  universal  
  • •  Servir   como  fim   por  sua   natureza   •  Toda   máxima   deve  servir   de   condição   limitaKva   Determinação  integral   •  Universalid ade   •  ImperaKvo   moral   •  Valos  das   leis   universais   Matéria     Forma     Mundo  moral    conforme  as  leis  morais   •  Toda  lei   deve   concordar   em  um   reino   possível   dos  fins   (como  o   reino  da   natureza)  
  • Direito  e  Moral   Liberdade  Interior   • dever  cumprido  (deontológica)   Liberdade  exterior   • cumprimento  do  dever  (conforme   o  dever)  
  • •  Age  de  tal  modo  que  a  máxima  da   tua  ação  se  possa  tornar  princípio  de   uma  legislação  universal.      
  • Moralidade  e  juridicidade   Moralidade  pressupõe   autonomia   Juridicidade  pressupõe   coerciKvidade  
  • O  direito  pertence   ao  mundo  das   relações  externas   Ele  se  consKtui  na   relação  de  dois  ou  mais   arbítrios   Sua  função  não  é  prescrever  este  ou   aquele  dever  substancial  com   relação  aos  sujeitos  dos  vários   arbítrios,  mas  sim  como  coexisKr   com  o  arbítrio  dos  outros  
  • Hegel  (1770-­‐1831)   •  Fenomenologia  do  espírito   •  Introdução  à  história  da  Filosofia   •  Filosofia  do  direito   •  Filosofia  da  História  Universal  
  • •  A  História  e  seu  movimento  interno  conduzirá   a  concepção  marxista  de  materialismo   dialéKco   •  O  que  é  real  é  racional,  o  que  é  racional  é  real     todo  real  só  é  real  porque  é  conhecido  por   um  sujeito  que  lhe  idenKfica  como  real,  e,   nessa  medida,  aquilo  que  já  foi  conhecido,  já   se  tornou  racional  
  • •  O  direito  consubstancia-­‐se  pela  legislação,  e  com   base  na  legislação  os  indivíduos  agem  para  a  defesa  e   construção  de  seus  direitos:  aí  está  a  jusKça  efeKva   do  sistema  legislaKvo.   •  O  ato  do  legislador  é  um  ato  de  querer    esta  ou   aquela  medida  individual  ou  coleKva   •  A  aproximação  do  direito  posiKvo  da  máxima   racionalidade  dá-­‐se  à  medida  que  alcança  a  noção  de   sistema,  de  harmonia  racional,  de  todo  orgânico,  de   mundo  controlado  e  feito  legislação  
  • KIERKEGAARD  
  • •  Ele  se  opôs  intensamente  aos  pensamentos  de  Hegel   e  disse  que  a  filosofia  da  unidade  dos  românKcos  e  o   historicismo  de  Hegel  Knham  Krado  do  indivíduo  a   responsabilidade  pela  sua  própria  vida.   •  Para  Kierkegaard,  mais  importante  do  que  a  busca  de   uma  verdade  era  a  busca  por  verdades  que  são   importantes  para  a  vida  de  cada  indivíduo.     •  Ele  dizia  também  que  a  verdade  era  subjeKva  não  no   senKdo  de  que  era  totalmente  indiferente  o  que   pensamos  ou  aquilo  em  que  acreditamos,  mas  que   as  verdades  realmente  importantes  eram  pessoais.    
  • Hegel  (1770-­‐1831)  
  • •  Fenomenologia  do  espírito   •  Introdução  à  história  da  Filosofia   •  Filosofia  do  direito   •  Filosofia  da  História  Universal  
  • •  A  História  e  seu  movimento  interno  conduzirá   a  concepção  marxista  de  materialismo   dialéKco   •  O  que  é  real  é  racional,  o  que  é  racional  é  real     todo  real  só  é  real  porque  é  conhecido  por   um  sujeito  que  lhe  idenKfica  como  real,  e,   nessa  medida,  aquilo  que  já  foi  conhecido,  já   se  tornou  racional  
  • O  Espírito  ObjeKvo   •  Se  manifesta  em  direito,  moralidade  e   costume,  determina  a  liberdade  e  suas   aplicações  sociais,  políKcas  e  subjeKvas   •  Moralidade  é  a  liberdade  voltada  para  o   sujeito,  que  dela  se  vale   •  O  costume  é  a  objeKvação  do  que  mora  no   sujeito  em  termos  de  moralidade  (síntese     costume,  entre  direitotese  e  moral     anttese  
  •  O  direito  consubstancia-­‐se  pela  legislação,  e  com   base  na  legislação  os  indivíduos  agem  para  a  defesa  e   construção  de  seus  direitos:  aí  está  a  jusKça  efeKva   do  sistema  legislaKvo.    O  ato  do  legislador  é  um  ato  de  querer    esta  ou   aquela  medida  individual  ou  coleKva    A  aproximação  do  direito  posiKvo  da  máxima   racionalidade  dá-­‐se  à  medida  que  alcança  a  noção  de   sistema,  de  harmonia  racional,  de  todo  orgânico,  de   mundo  controlado  e  feito  legislação  
  •  Hegel  atribuiu  uma  importância  enorme   àquilo  que  chamou  de  forças  objeKvas:  a   família  e  o  Estado.      Ele  achava  que  o  indivíduo  era  a  parte   orgânica  de  uma  comunidade  e  que  a  razão   ou  o  espírito  do  mundo  só  se  tornavam   possíveis  na  interação  das  pessoas  e  dizia   também  que  o  Estado  era  mais  que  o  cidadão   isolado  e  mais  que  a  soma  de  todos  os   cidadãos.      Hegel  achava  impossível  desligar-­‐se  da   sociedade  por  assim  dizer.    
  • Karl  Marx  (  1818-­‐1883)  
  • •  Materialismo  histórico  porque  somos  o   que  as  condições  materiais  (  as  relações   sociais  de  produção)  nos  determinam  a  ser   a  a  pensar.     •  Histórico  porque  a  sociedade  e  a  polí8ca   não  surgem  de  decretos  divinos  nem   nascem  da  ordem  natural,  mas   dependem  da  ação  concreta  dos  seres   humanos  (  M  Chauí)  
  • •  A  exploração  econômica  no  seio  das   aKvidades  sociais,  a  manipulação  do  poder   ecnômico  como  forma  de  exercício  de   dominação,  criação  de  instrumentos  de   servilização  do  homem  pelo  homem,   formação  de  uma  economia  burguesa  que   extrai  da  propriedade  e  da  mercadorias  a  for  a   de  instauração  da  diferença  social   •  Coisificação  do  homem  -­‐  reificação  (homem   res    coisa)  
  • •  O  capitalismo  perverte  a  noção  de  trabalho    o   trabalho  aliena  em  função  do  acúmulo  de  capital   •  O  proletário  é  o  principal  instrumento  de  que  se  vale   o  capitalista,  que  aliado  á  técnica,  permite  a   mulKplicação  da  mais  valia   •  As  relações  jurídicas  não  podem  ser  entendidas  de   modo  formal  isoladamente  de  fatores  sociais  e   econômicos   •  O  Estado  é  uma  superestrutura  constante  de   inúmeros  aparatos  burocráKcos  de  controle  social     mecanismo  de  dominação  
  • Luta  políKca  com  base  econômica  –   Estado  de  proteção  social   Classe   oprimida   Classe   dominante  
  • •  Ele  atacava  fortemente  o  sistema  capitalista  que  vigorava  em   todo  mundo  e  achava  que  seu  modo  de  produção  era   contraditório.     –  Para  ele,  o  capitalismo  era  um  sistema  econômico  autodestruKvo,   sobretudo  porque  lhe  faltava  um  controle  racional.     –  Ele  considerava  o  capitalismo  progressivo,  isto  é,  algo  que  aponta  para   o  futuro,  mas  só  porque  via  nele  um  estágio  a  caminho  do  comunismo.     •  Segundo  Marx,  quando  o  capitalismo  caísse  e  o  proletariado   tomasse  o  poder,  haveria  o  surgimento  de  uma  nova   sociedade  de  classes,  na  qual  o  proletariado  subjulgaria  à   força  a  burguesia.     –  Esta  fase  de  transição  Marx  chamou  de  ditadura  do  proletariado.     •  Depois  disso  a  ditadura  do  proletariado  daria  lugar  a  uma   sociedade  sem  classes,  o  comunismo  e  esta  seria  uma   sociedade  na  qual  os  meios  de  produção  pertenceriam  a   todos.     –  Em  tal  estágio,  cada  um  trabalharia  de  acordo  com  sua  capacidade  e   ganharia  de  acordo  com  suas  necessidades.  
  • FILOSOFIA  DO  DIREITO  –   CONTEMPORANEIDADE   LUCI  BONINI  
  • HANNA  ARENDT   •  Poder,  liberdade  e  direitos  humanos   –  Alemanha,  1906    foi  uma  filósofa   políKca  alemã  de  origem  judaica,  uma   das  mais  influentes  do  século  XX.   –  A  privação  de  direitos  e  perseguição   na  Alemanha  de  pessoas  de  origem   judaica  a  parKr  de  1933,  assim  como   o  seu  breve  encarceramento  nesse   mesmo  ano,  fizeram-­‐na  decidir   emigrar.  O  regime  nazista  reKrou-­‐lhe  a   nacionalidade  em  1937,  o  que  a   tornou  apátrida  até  conseguir  a   nacionalidade  estadunidense  em   1951.  
  • •  "A  esperança  que  inspirou  Marx  e  os  melhores  homens  dos   diversos  movimentos  operários  -­‐  a  esperança  de  que  o  tempo  livre   eventualmente  em  ncipará  os  homens  da  necesidade  (...)  -­‐   repousa  sobre  a  ilusão  de  uma  filosofia  mecanicista  que  assume   que  a  força  despendida  no  trabalho,  como  qualquer  outra,  nunca   se  perde,  de  modo  que,  se  ela  não  for  gasta  e  exaurida  no   trabalho  duro  de  ganhar  a  vida  ,  ela  automa]camente  alimentará   outras  e  'mais  elevadas  '  a]vidades  .  O  modelo  que  guiou  a   esperança  de  Marx  quanto  a  isso  foi  sem  dúvida  a  Atenas  de   Péricles,  a  qual,  no  futuro,  com  a  ajuda  do  enorme  aumento  da   produ]vidade  do  trabalho  humano,  não  mais  precisaria  de   escravos  para  se  sustentar  e,  assim,  poderia  tornar-­‐se  real  idade   para  todos.  Cem  anos  depois  de  Marx,  sabemos  da  falácia  do  seu   raciocínio;  o  tempo  livre  do  animal  laborans  (animal  trabalhador)   nunca  é  gasto  em  nada  a  não  ser  no  consumo  e,  quanto  mais   tempo  ele  adquire,  mais  gananciosos  e  vorazes  se  tornam  seus   ape]tes  ."   (De  A  condição  humana,  Forense  Universitária)  
  • •  A  banalidade  do  mal   •  Holocausto    tragédia  cuja  dimensão  trágica  ninguém   vai  negar,  esquece-­‐se  que  esta  guerra  viKmou  60   milhões  de  pessoas,  entre  os  quais  6  milhões  de   judeus.   –  A  perseguição  aKngiu  as  esquerdas  em  geral,  sindicalistas   ou  aKvistas  de  qualquer  nacionalidade,  além  de  ciganos,   homossexuais  e  tudo  que  cheirasse  a  algo  diferente.   –  O  mal  não  está  nos  torturadores,  e  sim  nos  homens  de   mãos  limpas  que  geram  um  sistema  que  permite  que   homens  banais  façam  coisas  como  a  tortura,  numa   pirâmide  que  vai  desde  o  homem  que  suja  as  mãos  com   sangue  até  um  Rumsfeld  que  dirige  uma  nota  aos  exército   americano  no  Iraque,  exigindo  que  os  interrogatórios   sejam  harsher,  ou  seja,  mais  violentos.  Hannah  Arendt  não   estava  desculpando  torturadores,  estava  apontando  a   dimensão  real  do  problema,  muito  mais  grave.  
  • A  BANALIDADE  DO  MAL  
  • •  Torturar  um  semelhante  choca  os  valores  herdados,  ou   aprendidos.  Portanto,  é  essencial  que  não  se  trate  mais   de  um  semelhante,  pessoa  que  pensa,  chora,  ama,   sofre.  É  um  judeu,  um  comunista,  ou  ainda,  no  jargão   moderno  da  polícia,  um  “elemento”.   •  Na  visão  da  KuKluxKlan,  um  negro.   •  No  plano  internacional  de  hoje,  o  terrorista.   •  Nos  programas  de  televisão,  um  marginal.   •  Até  nos  diverKmos,  vendo  as  perseguições.   –  São  seres  humanos?  O  essencial,  é  que  deixe  de  ser  um  ser   humano,  um  indivíduo,  uma  pessoa,  e  se  torne  uma   categoria.   –  Sufocaram  111  presos  nas  celas?  Ora,  era  preciso   restabelecer  a  ordem.   •     
  • •  O  próximo  fanaKsmo  políKco  não  usará  bigode   nem  bota,  nem  gritará  Heil  como  os  idiotas   dos  “skinheads”.  Usará  terno,  gravata  e   mulKmídia.  E  seguramente  procurará  impor  o   totalitarismo,  mas  em  nome  da  democracia,   ou  até  dos  direitos  humanos.  (L.  Dowbor,   2013)  
  • O  poder   ….. Corresponde à habilidadehumana de não apenas agir, mas de agir em uníssono, em comum acordo. O poder jamais é propriedade de um indivíduo; pertence ele a um grupo e existe apenas enquanto o grupo se mantiver unido. Quando dizemos que alguém está “no poder” estamos na realidade nos referindo ao fato de encontrar-se esta pessoa investida de poder, por um certo número de pessoas, para atuar em seu nome. No momento em que o grupo, de onde originara-se o poder (potestas in populo, sem um povo ou um grupo não há poder), desaparece, “o seu poder” também desaparece. (Arendt, 1985, p. 18-19).
  • • O Poder e a violência se opõem: onde um domina de forma absoluta, outro está ausente. •  A violência aparece onde o poder esteja em perigo, mas se se deixar que percorra o seu curso natural, o resultado será o desaparecimento do poder. • Tal coisa ‘significa que não é correto pensar na não-violência como o oposto da violência; falar do poder não-violento é realmente uma redundância, A violência pode destruir o poder, mas é incapaz de criá-lo (ARENDT, 1958 p.24).
  • Mahatma  Ghandi   •  Líder  do  movimento  de   independência  indiana   nascido  em  Porbandar,   estado  de  Gujarat,  cujos   princípios  religiosos  da  não-­‐ violência  e  a  crença  na   sanKdade  de  todos  os  seres   vivos,  seguidos  com  sucesso   em  suas  aKvidades  políKcas,   o  consagraram   mundialmente.    
  • •  O  ttulo  dado  Mahatma,  que  significa  alma   grande,expressou  o  respeito  e  a  veneração  do   povo  indiano  por  seu  líder.   •  Estudou  no  SamaldasCollege,  em  Bhavnagar,  e   direito  na  Universidade  de  Oxford,  Inglaterra.   Retornou  à  Índia  (1891)  e  depois  mudou-­‐se  para   Natal,  África  do  Sul,  país  com  uma  grande   população  de  indianos,  onde  exerceu  a  advocacia   (1893-­‐1914)  e  deu  início  a  sua  luta  localizada   contra  as  injusKças  e  humilhações  sofridas  pelos   indianos  residentes.    
  • •  Apoiou  os  britânicos  durante  a  primeira  guerra  mundial,   mas  o  massacre  em  Amritsar  (1919),  no  estado  do   Punjab,  onde  soldados  britânicos  mataram  cerca  de  400   indianos   –  Em  consequência  disto  iniciou  sua  luta  pela  independência  do   país  (1920),  o  resultou  em  um  período  na  prisão  (1922-­‐1924).   •  Ao  ser  libertado  teve  que  trabalhar  intensamente  na   reunificação  das  comunidades  e  do  ParKdo  do   Congresso  extremamente  divididos  entre  hindus  e   muçulmanos.   –  Após  a  notória  campanha  da  desobediência  contra  o  imposto   do  sal  (1930),  aceitou  uma  trégua  com  o  Reino  Unido  e   concordou  em  parKcipar  da  II  Conferência  da  Mesa  Redonda   (1931),  em  Londres,  na  qual  mais  uma  vez  reivindicou  a   independência  de  seu  país.    
  • •  Em  protesto  contra  a  decisão  do  governo   britânico  de  segregar  as  castas  inferiores,  os   párias  (1932)  fez  mais  uma  de  suas  notórias   greves  de  fome.   •  Deixando  o  ParKdo  do  Congresso  (1934)   concentrou-­‐se  num  programa  de  organização   da  nação  a  parKr  da  luta  em  favor  dos  pobres,   que  incluía  o  incenKvo  às  indústrias  regionais   e  a  implantação  de  um  sistema  de  educação   voltado  para  as  necessidades  do  povo.    
  • A  não-­‐violência  e  a  covardia  não  combinam.     Possoimaginar  um  homem  armado  até  osdentes  que  no  fundo  é   um  covarde.     A  posse  de  armas  insinua  um  elemento  de  medo,  se  não  mesmo   de  covardia.  Mas  a  verdadeira  não-­‐violência  é  uma  impossibilidade   sem  a  posse  de  um  destemor  inflexível.   A  vida  merece  algo  além  do  aumento  da  sua  velocidade.   Aprendi  através  da  experiência  amarga  a  suprema  lição:  controlar   minha  ira  e  torná-­‐la  como  o  calor  que  é  converKdo  em  energia.   Nossa  ira  controla  da  pode  ser  converKda  numa  força  capaz  de   mover  o  mundo.   As  religiões  sãocaminhos  diferentes  convergindo  para  o  mesmo   ponto.     Que  importância  faz  se  seguimos  por  caminhos  diferentes,  desde   que  alcancemos  o  mesmo  objeKvo?  
  • Marcha  do  Sal   (o  único  condimento  dos  pobres)   •  A  desobediência  civil  foi  iniciada  por  Ghandi,   que  desafiou  o  monopólio  do  governo   britânico  e  desrespeitou  a  lei,  ao   simplesmente  coletar  sal  natural  da  costa  da   Índia,  no  dia  6  de  abril  de  1930.  
  • Nem  todo  nacional  é  um  cidadão,  mas   todo  cidadão  é  um  nacional  
  • Ronald  Dworkin   •  Morreu  em  14/2/13,   aos  81  anos,  o   filósofo  mais  original  e   poderoso  da  lei  de   língua  inglesa.   •  Ele  morreu  em  Londres   com  leucemia.  
  • •  Dworkin  nasceu  nos  Estados  Unidos  em  1931.   •  Estudou  Filosofia  na  Willard  van  Orman  Quine   e,  informalmente,  na  Universidade  de   Harvard.     –  Estudou  Direito  em  Oxford  e  na  Escola  de  Direito   de  Harvard.     –  Foi  professor  de  Direito  na  Universidade  de  Yale   e,  mais  tarde,  na  New  York  University  Law   Schools,  além  de  Oxford  e    University  College   London.  
  • •  O  argumento  central  de  Dworkin  começou  com  a   premissa  de  que  as  frases  cruciais  da  ConsKtuição,   como   •  "liberdade  de  expressão",   •  "devido  processo  legal"  e   •  "igual  proteção  das  leis"   •    foram  elaboradas  com  "uma  linguagem  moral   abstrata  excessivamente".   –  Segundo  ele,  essas  cláusulas  "devem  ser  entendidas  na   forma  que  naturalmente  a  língua  sugere:  elas  se  referem  a   princípios  morais  abstratos  e  devem  ser  entendidas  como   limites  ao  poder  do  governo”  (TheNew  York  Times).  
  • Seus  posicionamentos   •  A  jusKça  não  pode  ser  compreendida  fora  da   linguagem   •  O  Direito  pode  ser  entendido  como  aKtude   interpretaKva   •  O  juiz  está  vinculado  não  somente  pelo  caso,  mas  pelo   conjunto  de  determinações  que  pressionam  a  sua   decisão  para  decidir  abrigando  argumentos  de   princípio,  mas  não  os  de  políKca.   •  O  ontem  está  sempre  recebendo  ajustes  para  caber  no   hoje   •  Para  cada  pessoa  há  uma  interpretação  diferentes  
  • Razoabilidade  (fairness)   •  Os  princípios  (isonomia  processual  das  partes,   amplo  contraditório  como  garanKa  legal,   pactos  devem  ser  observados...)  funcionam   para  o  juiz  como  instrumentos  de  auxílio  à   decisão  judicial,  e,  para  o  direito,    como  dados   fundamentais  para  a  construçào  da  validade   do  sistema  
  • JusKça   •  Algumas  insKtuições  e  práKcas  são  realmente   injustas  independentemente  do  que  eu  ou   vocês  pensemos  a  respeito  delas.   –  Em  palavras  mais  simples  (mas  ainda  dele),  a   escravidão,  ou  a  práKca  da  tortura  de  crianças  por   diversão,  por  exemplo,  são  erradas  em  si,  quer   dizer,  conKnuariam  sendo  erradas  mesmo  que  a   maioria  (ou  que  todos),  por  qualquer  razão,   pensassem  o  contrário.  
  • DIGNIDADE  HUMANA   •  Centro  de  sua  teoria  moral   •  Para  ele,  se  esKvermos  dispostos  a  levar  a  sério  nossa   dignidade,  devemos  obedecer  a  dois  princípios  éKcos:   –  o  princípio  do  respeito  próprio  (principleof  self-­‐respect)      cada   pessoa  deve  levar  a  sua  vida  a  sério,  ou  seja,  deve  aproveitar,  ao   invés  de  desperdiçar,  a  sua  oportunidade  de  viver:  há,  com   efeito,  uma  importância  obje?va  em  se  viver  bem,  de  modo  que   devemos  tratar  nossas  vidas  como  dotadas  dessa  importância.  e     –  o  princípio  da  auten?cidade  (principleofauthen?city)      cada   um  tem  a  responsabilidade  de  idenKficar  aquilo  que  conta   como  sucesso  em  sua  própria  vida  ( já  que  você  se  leva  a  sério  —   pondera  o  autor  —,  viver  bem  expressa  o  seu  próprio  esKlo  de   vida,  a  maneira  com  a  qual  você  a  encara).  
  • “Dworkin é um democrata e um liberal, assim, é possível dizer que sua Filosofia do Direito faz parte de um projeto interdisciplinar no qual ela tem uma função legitimadora na medida que reforça os direitos individuais, especialmente a igualdade, como base para uma democracia efetiva, revitalizando não somente a sua noção, mas também, a do liberalismo que lhe dá sustentação. Nesse sentido, a crítica mais adequada à Filosofia do Direito de Dworkin enseja uma crítica mais ampla e geral ao projeto de modernidade ao qual seu liberalismo se alia e ao modelo em que tal projeto se apoia.” Fonte: Vera Karam - Dicionário de Filosofia do Direito, Editora Renovare Unisinos.
  • • Eduardo Appio (juiz federal) acredita que os princípios servem como guia para que o juiz decida qual o valor preponderante. Da experiência que teve ao ter aulas com Dworkin, no EUA, ele diz ter renovado sua “profissão de fé no direito”. Ele lembra que, para Dworkin, o magistrado não tem como decidir, a não ser a partir de critérios de moralidade. Essa moralidade deve servir também como base em casosnovos, em que ainda não existam normas. “Juízes não podem cair na tentação do arbítrio, de decidir da forma como querem. • Existe um direito a ser aplicado e princípios maiores que têm de ser observados”, enfatiza Appio.
  • •  “A  diferença  práKca  entre  as  duas  teorias  da  jurisdição  é,   portanto,  a  seguinte:  em  um  regime  convencionalista,  os   juízes  não  se  considerariam  livre  para  alterar  regras   adotadas  conforme  as  convenções  jurídicas  correntes,   exatamente  porque,  após  o  exame  de  todos  os  aspectos   da  questão,  uma  regra  diferente  seria  mais  justa  ou   eficiente.  Em  um  regime  pragmáKco,  nenhuma   convenção  desse  Kpo  seria  reconhecida,  e  ainda  que  os   juízes  normalmente  ordenassem  o  cumprimento  de   decisões  tomadas  por  outras  insKtuições  políKcas  no   passado,  eles  não  reconheceriam  nenhum  dever  geral  de   fazê-­‐lo.”  (Dworkin,  1999a,  p.  181)  
  • •  “(...)  o  direito  como  integridade  supõe  que  as   pessoas  têm  direitos  –  direitos  que  decorrem  de   decisões  anteriores  de  insKtuições  políKcas,  e   que,  portanto,  autorizam  a  coerção  –  que   extrapolam  a  extensão  explícita  das  práKcas   políKcas  concebidas  como  convenções.  O  direito   como  completude  supõe  que  as  pessoas  têm   direito  a  uma  extensão  coerente,  e  fundada  em   princípios,  das  decisões  políKcas  do  passado,   mesmo  quando  os  juízes  divergem   profundamente  sobre  seu  significado.”  (Dworkin,   1999a,  p.  164)  
  • Nesse sentido, Dworkin apresenta a imagem de um romance em cadeia para exemplificar a maneira como o direito deve ser interpretado. Os juízes são igualmente autores e críticos. Ao interpretarem uma tradição, introduzem um acréscimo que será interpretadopelosjuízesfuturos. É exatamente o que ocorre em um romance em cadeia: “cada romancista da cadeia interpreta os capítulos que recebeu para escrever um novo capítulo, que é então acrescentado ao que recebe o romancista seguinte, e assim por diante” (Dworkin, 1999a, p. 276).
  • A JUDICIALIZAÇÃO DA POLÍTICA: RONALD DWORKIN •  Nos moldes de uma concepção jurídico-formalista, os Poderes Executivo e Legislativo sobrepõem-se ao Judiciário na formação de políticas publicas e na própria condução do Estado, não cabendo ao Judiciário a participação - legitima e democrática – em decisões publicas. Entretanto, dada a complexidade do mundo contemporâneo, exige-se um Judiciário mais participativo, capaz de decidir conflitos de diversas matizes que surgem em sociedade. –  Em face dessa realidade, alteram-se as funções clássicas dos juizes, que se tornam também responsáveis pelas políticas de outros poderes estatais, passando a orientar as suas atuações de forma a assegurar a integridade da Constituição e dos direitos dos cidadãos nas democracias contemporâneas.
  • Conceito de Judicialização da política À expansão dos poderes do Judiciário sobre as políticas legislativas ou executivas do Estado, que só tem lugar porque o sistema democrático permite tal atuação sobre os atos dos outros poderes, dá-se o nome de judicialização da política. O fundamento da judicializaçao da política reside, assim, no primado da supremacia da Constituição. Destarte, o Judiciário, quando atua no âmbito político, não invade a esfera de outros poderes, mas apenas garante a respeitabilidade a Constituição.
  • Proposta:  resguardar  os  princípios  e  as   insKtuições  democráKcas   •  Essa supremacia se justifica pela necessidade de preservar certos núcleos de direitos, como os direitos fundamentais dos cidadãos, confiando sua guarda as cortes constitucionais. –  Com um papel mais participativo, o Judiciário passa não a criar lei, função essa exercida pelo Poder Legislativo, mas, ao contrário, passa a resguardar os princípios e as instituições democráticas.
  • Incumbência  do  Judiciário   •  Assim, a judicializaçao da política como fenômeno social nas sociedades contemporâneas passa a introduzir uma nova caracterização para os conflitos sociais na medida em que transfere para o Judiciário a incumbência de resolver conflitos antes adstritos aos poderes institucional e democraticamente constituídos para tanto. –  Essa releitura de atuação dos poderes do Estado traz à lume uma série de discussões acerca do papel do Judiciário ante as democracias contemporâneas.
  • Liberalismo  progressista   •  Ronald Dworkin é representante de um liberalismo progressista. –  Para ele, a garantia dos direitos individuais é a função mais importante do sistema jurídico. –  A sua critica ao positivismo jurídico - que é a manifestação por excelência da teoria jurídica liberal tradicional - e a crítica ao utilitarismo - que até hoje tem sido uma das manifestações da filosofia política liberal - o conduzem a um liberalismo progressista pautado em fundamentação igualitária, i.e., liberalismo igualitário.
  • Papel  da  ConsKtuição,  segundo  Dworkin   •  A  ConsKtuição  resguarda    certos  direitos  fundamentais,  da  mesma  forma   em  que  impede  interferências  indevidas  -­‐  fruto  de  eventuais   procedimentos  majoritários  de  formação  da  vontade  políKca  -­‐  nesse   âmbito  de  proteção  consKtucional.   •  Dessa  forma,  nenhuma  diretriz  políKca,  nem  objeKvo  social  coleKvo,  pode   sobrepor-­‐se  a  um  autenKco  direito  individual  -­‐  direito  esse  não  apenas   jurídico,  mas  também  moral.   •  Os  direitos  individuais  adquirem,  pois,  relevância  frente  aos  direitos   coleKvos.   –  Dworkin,  ao  conferir  esse  senKdo  de  validade  aos  princípios  jurídicos,  criKca  a   função  discricionária  dos  juizes  defendida  pelos  posiKvistas,    uma  vez  que  ela   não  resguarda,  de  forma  óKma,  o  respeito  aos  direitos  fundamentais.   –  Enuncia,  portanto,  a  tese  da  resposta  correta  ao  direito,  mesmo  nos  casos   difíceis  -­‐  propugna  que  o  sistema  jurídico  tenha  uma  função  garanKdora  de   direitos.  
  • H.  L.  A.  Hart   •   Nasceu  em  1907,   filho  de  um   alfaiate  polonês   de  ascendência   alemã  
  • •  Em  1952,  mesmo  não  tendo  publicado  muitas   obras,  já  era  membro  extremamente  respeitado   na  nova  escola  dos  filósofos  de  Oxford  no  período   pós-­‐guerra,  e  devido  ao  forte  impulso  dado  por   seu  então  inimigo  teórico  J.  L.  AusKn,  foi  eleito   para  a  cátedra  de  Teoria  Geral  do  Direito  ou   também  chamada  Jurisprudence  desta  renomada   insKtuição,  subsKtuindo  o  professor  Arthur   Goodhart,  onde  permaneceu  até  o  ano  de  1968.   –  Doutor  honoris  causa  pelas  Universidades  de   Glasgow,  Kent,  Estocolmo,  Chicago,  Harvard  e   Cambridge.  Membro  da  Academia  Britânica  e  membro   honorário  de  vários  Colleges  de  Oxford.  
  • Obras   •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  Defini?onandTheory  in  Jurisprudence  (1953);   Causa?on  in  the  Law  (com  Tony  Honoré)  (1959);   TheConceptof  Law  (1961);   Law,  LibertyandMorality  (1963);   TheMoralityomhe  Criminal  Law  (1964);   PunishmentandResponsibility  (1968);   EssaysonBentham:  Studies  in  JurisprudenceandPoli?calTheory  (1982);   Essays  in  JurisprudenceandPhilosophy  (1983).   Em  português:   O  conceito  de  direito.  Lisboa:  Gulbenkian,  1994.   Ensaios  sobre  teoria  e  filosofia  do  direito.  São  Paulo:  Elsevier,  2009.   Direito,  liberdade,  moralidade.  Porto  Alegre:  SAFe,  1987.   Obras  sobre  Hart   MACCORMICK,  Neil.  H.L.A.  Hart.  São  Paulo:  Elsevier,  2009.   LACEY,  Nicola.  A  LifeofH.L.A.  Hart:  TheNightmareandtheNobleDream.  Oxford:   Oxford  UniversityPress.  2004  
  • PENSAMENTO  DE  HART  
  • •  Hart  entende  que  pode  aclarar  os  conceitos   relaKvos  ao  direito  e  é  isso  que  sua  filosofia  do   direito  pretende.   –  Busca  do  verdadeiro  significado  das  palavras.   •  A  filosofia  do  Direito  de  Hart  é  uma  filosofia   baseada  na  filosofia  linguísKca,  que  na  época   era  adotada  em  Oxford.  
  • •  “A  teoria  do  direito  como  ordens  coercivas  encontra  à  parKda   a  objeção  de  que  há  variedades  de  leis  em  todos  os  sistemas   que  ,  em  três  aspectos  principais,  não  se  enquadram   naquela  descrição.   –  Em  primeiro  lugar,  mesmo  uma  lei  criminal,  a  que  mais  se  lhe   aproxima,  tem  muitas  vezes  um  âmbito  de  aplicação  diferente  do   de  ordens  dadas  a  outros;  porque  um  tal  lei  pode  impor  deveres   àqueles  mesmos  que  a  fazem,  tal  como  a  outros.   –  Em  segundo  lugar,  outras  leis  são  disKntas  de  ordens  na  medida   em  que  não  obrigam  pessoas  a  fazer  coisas,  mas  podem  conferir-­‐ lhes  poderes;  não  impõem  deveres  antes  oferecem  disposiKvos   para  a  livre  criação  de  direitos  e  deveres  jurídicos  dentro  da   estrutura  coerciKva  do  direito.   –  Em  terceiro  lugar,  embora  a  promulgação  de  uma  lei  seja  em   alguns  aspectos  análogo  à  emissão  de  uma  ordem,  certas  regras   de  direitos  são  originadas  pelo  costume  e  não  devem  o  seu   estatuto  jurídico  a  qualquer  ato  consciente  de  criação”  (Hart,  O   conceito  de  Direito,  p,  57)  
  • •  É  obvio  que  a  previsibilidade  do  cas8go  é  um   aspecto  importante  das  regras  jurídicas;  mas  não  é   impossível  aceitar  isto  como  uma  descrição   exaus8va  do  que  se  quer  dizer  com  a  afirmação  de   que  uma  regra  social  existe  ou  do  elemento  ‘ter  de’   ou  ‘ter  o  dever  de’  abrangido  nas  regras.  (...)  
  • •  Hart  entende  que  as   pessoas  não  acatam  o   que  está  escrito  nas   normas  pela  sanção   presente  nelas,  mas   porque  entendem  que  o   que  está  nas  normas  é   algo  bom  socialmente.   •  A  sociedade  respeita  as   normas  não  por  sanção,   mas  porque  acreditam   que  as  normas  são  boas.  
  • Em  uma  sociedade  simples  a  grande  maioria  das  regras  são  regras   primárias.  Essas  regras  primárias  tratam  de  restrições  ao  uso  livre  da   violência,  ao  furto,  à  fraude,  buscando  uma  boa  convivência  entre  os   membros  daquela  sociedade.  Nesse  Kpo  de  sociedade  com  regras   primárias,  a  violação  as  regras  tem  de  ser  exceção,  para  que  possa   funcionar.  Essas  regras  primárias  geralmente  não  são  oficiais  (ou  seja,  não   são  feitas  pelo  Estado).   NORMAS  PRIMÁRIAS  
  • •  A-­‐1)  normas  primárias  não  formam  um   sistema,  mas  somente  um  conjunto  de   padrões  separados,  surgindo  dúvidas  sobre   sua  aplicação,  ou  seja,  incerteza;   •  B-­‐1)  possuem  um  caráter  estáKco,  ou  seja,  são   di‘ceis  de  serem  alteradas;   •  C-­‐1)  nesse  Kpo  de  sociedade  há  uma  ineficácia   da  pressão  social  difusa    ela  qual  se  mantém   as  regras,  ou  seja,  não  há  uma  autoridade   certa  para  exigi-­‐las.  
  • •  Regras  secundárias  para  resolver  os  problemas   das  regras  primárias:   –  A-­‐2)  Regra  de  reconhecimento,  que  busca  resolver   o  problema  da  incerteza  das  normas  primárias   –  B-­‐2)Regra  de  alteração,  que  busca  resolver  o   problema  da  estáKca  do  regime  de  regras   primárias.   –  C-­‐2)  Regra  de  julgamento,  que  busca  resolver  o   problema  da  ineficácia  da  pressão  social  difusa.  
  • •  Hart  fala  de  um  núcleo  de  verdade   inquesKonável  nas  doutrinas  de  direito   natural:   •  1)vulnerabilidade  humana,   •  2)igualdade  aproximada,   •  3)recursos  limitados,   •  4)altruísmo  limitado,   •  5)entendimento  limitado  e  força  de  vontade.  
  • •  Até  aqui  apresentamos  tal,  no  caso  da  legislação   como  um  aspecto  geral  da  linguagem  humana,  a   incerteza  na  linha  de  fronteira  é  o  preço  que  deve   ser  pago  pelo  uso  de  determinados  termos   classificatórios  gerais  em  qualquer  forma  de   comunicação  que  respeito  a  questões  de  fato.  
  • -­‐  JUIZ  TEM  ATIVIDADE  CRIADORA,  PORQUE  NEM  TODOS  OS  CASOS   ESTÃO  NAS  LEIS.  HÁ  CASOS  EM  QUE  OS  LEGISLADORES  NÃO   PREVIRAM.  
  • •  Em  qualquer  grande  grupo,  as  regras  gerais,  os   padrões  e  os  princípios  devem  ser  o  principal   instrumento  de  controle  social,  e  não  as   direKvas  parKculares  dadas  separadamente  a   cada  indivíduo.   –  Se  não  fosse  possível  comunicar  padrões  gerais  de   conduta  que  mulKdões  de  indivíduos  pudessem   perceber,  sem  ulteriores  direKvas,  nada  daquilo   que  agora  reconhecemos  como  direito  poderia   exisKr.  
  • Jürgen  Habermas  é  considerado  um  dos  mais  importantes  filósofos  da   atualidade,  suas  idéias  têm  influenciado  os  estudiosos  da  filosofia   consKtucional.  Através  de  sua  teoria  discursiva  do  direito,  Habermas  supera   as  visões  liberais  e  comunitárias  do  direito,  que  não  conseguem  acompanhar   uma  sociedade  mulKcultural,  adotando  uma  concepção  universalista  sensível   as  diferenças.   JURGEN  HABERMAS  
  • •  Jürgen  Habermas  (Düsseldorf,  18  de   Junho  1929)  é  um  filósofo  e  sociólogo  alemão,   inserido  na  tradição  da  teoria  críKca  e   do  pragmaKsmo.   –  É  conhecido  por  suas  teorias  sobre  a  racionalidade   comunicaKva  e  a  esfera  pública,sendo   considerado  como  um  dos  mais  importantes   intelectuais  contemporâneos.  
  • •  O  sistema  de  direitos  reflete  crises  de  legiKmidade  na   produção  normaKva,  bem  como  na  aplicação  da   jusKça.   –  As  sociedades  contemporâneas  passam  por  inúmeras   transformações  e  apresentam  profundas  contradições   sociais,  sendo  que  muitas  vezes  são  instáveis  e   comandadas  pelo  capital.   •  A  teoria  habermasiana  procura  solucionar  a  tensão   existente  entre  democracia  e  direitos  fundamentais,  na   busca  por  um  ideal  de  democracia  efeKva  e  compatvel   com  o  pluralismo  das  sociedades,  procurando  legiKmar   e  efeKvar  os  direitos  fundamentais  previstos  na   ConsKtuição,  proporcionando  um  real  exercício  desses   direitos.    
  • •  Através  de  sua  teoria  discursiva  do  direito,   Habermas  supera  as  visões  liberais  e   comunitárias  do  direito,  que  não  conseguem   acompanhar  uma  sociedade  mulKcultural,   adotando  uma  concepção  universalista   sensível  as  diferenças.  
  • •  Para  o  filósofo  alemão  Jürgen  Habermas,   a  esfera  pública  representa  uma  dimensão  do   social  que  atua  como  mediadora  entre  o   Estado  e  a  sociedade,  na  qual  o  público  se   organiza  como  portador  da  opinião  pública.   Mas  para  que  a  opinião  pública  seja  formada,   tem  de  exisKr  liberdade  de  expressão,  de   reunião  e  de  associação.  Por  conseguinte,  o   acesso  a  tais  direitos  deve  ser  garanKdo  a   todos  os  cidadãos.  
  • Esfera  Pública  
  • •  Segundo  Habermas,  os  cidadãos  se   comportam  como  corpo  público  quando  se   comunicam  de  maneira  irrestrita  sobre   assuntos  de  interesse  geral.   –  Numa  sociedade  de  grandes  dimensões,  esse  Kpo   de  comunicação  requer  meios  específicos  para   transmissão  de  informações.  Hoje,  os  jornais,   revistas,  rádios  e  TVs  conformam  o  que  chamamos   de  "mídia  da  esfera  pública  
  • Esfera  pública  e  ideais  cívicos   •  As  associações  voluntárias  e  a  vida   associacional  bases  sociais  para  a  definição   dos  compromissos  públicos.   –  Em  diversos  países  da  Europa,  a  classe  burguesa   foi  criadora  de  uma  série  de  associações   voluntárias  que  foram  a  matriz  de  formação  das   elites  locais  e  incorporaram  as  bases  de  suas   futuras  reivindicações  sociais.  
  • 1)  arena  da  vida  pública  organizada   (casas  de  encontros,  teatros,  museus,   livrarias);  
  • 2)  infra-­‐estrutura  de  comunicação   social  (editoras,  imprensa  e  outras   mídias  literárias);    
  • 3)  surgimento  de  um  público  leitor   através  de  sociedades  de  língua  e   leitura,  além  de  bibliotecas;  e    
  • 4)  transportes   melhorados  e   centros   adaptados  de   sociabilidade   (cafeterias,   tavernas,   clubes).  
  • •  "Argumentação",  "alegação"  e  "discurso":  são   esses  princípios  comunicaKvos  que  direcionam  a   análise  habermasiana.   –  Os  direitos  de  expressão,  pensamento  e  debate,  com   razoável  troca  entre  iguais,  conformam  o  ideal  que   interessa  a  Habermas.  
  • •  As  normas  jurídicas  assumem  a  tensão  da   linguagem  e  dão  a  ela  forma  parKcular:  no  que   se  refere  ao  seu  conteúdo,  normas  jurídicas   pretendem  ser  ao  mesmo  tempo  normas  de   liberdade  e  normas  de  coerção,  enquanto,  no   tocante  à  sua  produção,  pretendem  ser  ao   mesmo  tempo  posiKvas  e  legíKmas.    
  • •  Habermas  toma  os  direitos  humanos  e  a  soberania   popular  como  as  duas  fontes  de  legiKmação  do  direito   moderno,  integrando  ambos  mediante  a  ideia  de  um   jurisconsórcio  entre  cidadãos  livres  e  iguais  que   regulam  reciprocamente  suas  condutas  por  meio  do   direito  posiKvo    
  • •  O  caminho  para  reafirmar  o  caráter  emancipatório  do  direito   e  da  democracia  em  nosso  tempo  seria,  pois,  o  fomento  da   autonomia  pública,  que  os  paradigmas  liberal  e  social,  ao   tentarem  proteger  a  autonomia  privada  por  meios  formais  e   econômicos  ou  materiais  e  burocráKcos,  teriam  ambos   negligenciado  ou  ameaçado.  
  • •  O  Direito  deve  sua  posiKvidade  ao  poder   políKco,  que  o  impõe  e  aplica;  inversamente,   tal  poder  só  é  tal  como  juridicamente   organizado.   –  No  Estado  de  Direito  o  poder  se  estrutura   juridicamente  em  formas  diferenciadas.   –  A  normaKvidade  social  é  pressionada   externamente  por  um  poder  administraKvo  não   domesKcado  juridicamente  e  pelo  impulso  da   produKvidade  econômica.    
  • REFLEXÕES  ACERCA  DA  DIGNIDADE   HUMANA  E  DA  JUSTIÇA  X  O  DIREITO  
  • O  Princípio  da  dignidade  da  pessoa  humana  é   um  valor  moral  e  espiritual  inerente  à  pessoa,   ou  seja,  todo  ser  humano  é  dotado  desse   preceito,  e  tal  consKtui  o  princípio  máximo   do  estado  democráKco  de  direito  
  • A  dignidade  da  pessoa  humana  abrange  uma   diversidade  de  valores  existentes  na  sociedade.  
  • A  dignidade  da  pessoa  humana:  concede  unidade  aos  direitos   e  garanKas  fundamentais,  sendo  inerente  às  personalidades   humanas.  Esse  fundamento  afasta  a  idéia  de  predomínio  das   concepções  transpessoalistas  de  Estado  e  Nação,  em   detrimento  da  liberdade  individual.    
  • Do  ponto  de  vista  subje?vo,  a  jus?ça  se  traduz  na   a?tude  determinada  pela  vontade  de  reconhecer  o   outro  como  pessoa,  ao  passo  que,  do  ponto  de  vista   obje?vo,  ela  cons?tui  o  critério  determinante  da   moralidade  no  âmbito  intersubje?vo  e  social.  
  • Não  há  dignidade  humana  sem  a  afirmação  dos  direitos   humanos,  mas  somente  com  os  direitos  humanos  não   se  alcança  a  dignidade  humana.  A  relação  entre  direitos   humanos  e  dignidade  humana  é  dialéKca.    
  • Não  há  dignidade  humana  sem  a  afirmação  dos  direitos   humanos,  mas  somente  com  os  direitos  humanos  não   se  alcança  a  dignidade  humana.  A  relação  entre  direitos   humanos  e  dignidade  humana  é  dialéKca.    
  • •  Nesse  senKdo,  o  conceito  de  dignidade  da  pessoa  humana  não  pode   ser  relaKvizado:  a  pessoa  humana,  enquanto  tal,  não  perde  sua   dignidade  quer  por  suas  deficiências  ‘sicas,  quer  mesmo  por  seus   desvios  morais.   –  Deve-­‐se,  nesse  úlKmo  caso,  disKnguir  entre  o  crime  e  a  pessoa  do  criminoso.   –  O  crime  deve  ser  punido,  mas  a  pessoa  do  criminoso  deve  ser  tratada  com   respeito,  até  no  cumprimento  da  pena  a  que  esKver  sujeito.  Se  o  próprio   criminoso  deve  ser  tratado  com  respeito,  quanto  mais  a  vida  inocente.    
  • SEM  JUSTIÇA  NÃO  HÁ  PAZ....