Your SlideShare is downloading. ×
0
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais

7,355

Published on

Trabalho realizado pela professora Clarice Brutes Stadtlober no Encontro de Formação Continuada "Alfabetização e Letramento"

Trabalho realizado pela professora Clarice Brutes Stadtlober no Encontro de Formação Continuada "Alfabetização e Letramento"

2 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
7,355
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
104
Comments
2
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Módulo IV – Trabalhando Matemática nos anos iniciaisProfessora: Clarice Brutes Stadtlober
  • 2. •Segundo a avaliação de Maria HelenaGuimarães de Castro, pesquisadora da Unicamp, oÍndice de Desenvolvimento da Educação Básica(Ideb) mostra uma tendência de melhora nodesempenho em matemática nas séries iniciais. • Para se atingir a meta (média 6), é precisoinvestir muito em formação continuada. Uma das questões a ser discutida a partirdesses resultados é o que nos diz o PCN dematemática (BRASIL, 1997, p.15): 
  • 3. “O ensino de Matemática costuma provocarduas sensações contraditórias, tanto porparte de quem ensina, como por parte dequem aprende: de um lado, a constatação deque se trata de uma área de conhecimentoimportante; de outro, a insatisfação diantedos resultados negativos obtidos com muitafreqüência em relação à sua aprendizagem.”
  • 4. A constatação da sua importância pelo fato daMatemática desempenhar papel decisivo: • na resolução de problemas da vida cotidiana; • pela sua aplicação no mundo do trabalho; •por ser indispensável para a construção deconhecimentos em outras áreas curriculares; •por interferir na formação de capacidadesintelectuais, na estruturação do pensamento e doraciocínio lógico do aluno.
  • 5. A escola é a instituição responsável pelasistematização desses conhecimentos e oprofessor pela transposição didática, dosaber a ensinar ao saber ensinado.Que conhecimentos são esses, em setratando dos anos iniciais? Que conteúdosprecisam ser trabalhados para que o alunoseja alfabetizado em matemática?
  • 6. NÚMEROS E OPERAÇÕES: Ao longo do ensino fundamental osconhecimentos numéricos são construídos eassimilados pelos alunos num processo dialético,em que intervêm como instrumentos eficazespara resolver determinados problemas,considerando-se suas propriedades, relações e omodo como se configuram historicamente(BRASIL, 1997).
  • 7. ALGUMAS POSSIBILIDADES... uso do material dourado;            
  • 8. UNIDADE CENTENA DEZENA UNIDADEDE MILHAR SIMPLES 2 6 5
  • 9. Uso do calendário.
  • 10. Para Brizuela (2006, p.51), embora as convençõessejam importantes “aprender e construirconhecimentos são processos que envolvem invenções,produções novas que criamos, utilizando nossasestruturas cognitivas atuais, enquanto tentamosentender uma situação ou fenômeno.EXEMPLO: 12O 10020
  • 11. As quatro operações fundamentais:Resolver situações-problema e construir, a partirdelas, os significados das operações fundamentais:Adição e subtração: envolve os esquemas de ação dejuntar, retirar e colocar em correspondência um-a-um.* Resolver e elaborar problemas, seguir trilhas, linhasnuméricas…
  • 12. •Envolve os esquemas de ação decorrespondência um-a-muitos e dedistribuir.• sugestão: trabalhar com tabelas egráficos para construir os conceitos.
  • 13. 13245
  • 14. CARRINHOS REAIS 5$ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
  • 15. 3) A GALINHA DOS OVOS DE OURO BOTA 2 OVOSPOR DIA. COMPLETE O GRÁFICO: 1 2 3
  • 16. SUGESTÃO DE LIVROS PARA O PROFESSOR
  • 17. GRANDEZAS E MEDIDAS •“Medir é comparar grandezas da mesma espécie,sendo o resultado de cada medição expresso por umnúmero”. (TOLEDO, Marília; TOLEDO, Mauro, 1997,p.271)•Pode-se introduzir a história das medidas e autilização de medidas como o cúbito, pé, palmos, paraque a criança conclua que não é um modo prático demedir.•Segundo Duhalde e Cuberes (1998) torna-senecessário a realização de medições com unidades nãoconvencionais, para que as crianças percorram umcaminho similar ao da humanidade até chegar a medir.
  • 18. COMPRIMENTO: constatar que as coisas são de tamanhosdiferentesUnidades não convencionais: pé, passos, mão, tiras de papel oumadeira, fios de lã.Unidades convencionais: metro, trena, régua. MASSA : utilização de termos como “pesado – leve”, “maispesado que”. Unidades não convencionais: objetos de metal, embalagens dealimentos com um determinado peso.Unidades convencionais: balanças diversasCAPACIDADE: propriedade que tem alguns corpos deconter algo, estar cheio, vazio, transbordar.Unidades não convencionais: jarras, copos.Unidades convencionais: jarras, copos com graduação…
  • 19. TEMPO: Medir o tempo com o relógio, calendário, tempode uma atividade na escola, tempos de um dia,tempos numa história, meses, anos.DINHEIRO: Diferenciar cédulas e moedas,fazer algumas relações entre elas.
  • 20.  SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM ENVOLVENDO MEDIDASSituação de aprendizagem: 1˚ e 2˚ anos
  • 21. * Foi apresentada uma fita métrica como um dosinstrumentos de medida que serve para descobrir otamanho real dos objetos e pessoas. Ao conhecerem afita métrica medimos cada criança e verbalizamos asua altura, para em seguida representar seu tamanhocom um material concreto utilizamos a lã que foicortada conforme a medida expressa com a trena.* A lã que representou o tamanho de cada criança foiexplorada na área externa. Após foi construído umgráfico com a medida de cada um.
  • 22. Situação de aprendizagem: ( 3˚ano)Após a coleta de dados sobre a profundidadedos oceanos, se problematizou: - Alguém tem noção do quanto é fundo ooceano. A Zona profunda mede 150m, quantoserá isso? (Professora) - É como se fosse daqui até cavar umburaco bem fundo no chão, não sei quanto (A) - Ah, deve ser bastante eu acho. Ummonte de gente se afoga na praia, é maior queuma pessoa. (ME)
  • 23. *Após a discussão e elaboração de algumashipóteses, fomos até um prédio alto.
  • 24. Depois de medir com o barbante,precisávamos utilizar a trena de construtorpara ver qual era a unidade de medidacorrespondente. Medindo o tamanho do barbante Medindo com as crianças deitadas
  • 25. •Em seguida cada criança fez o registroindividual das situações de aprendizagem.Depois que medidos a altura do prédiodescobrimos que aquele tamanho era apenas 13metros. Professora: Como vamos descobrir quantosprédios de 13m precisamos para dar os 150m ?
  • 26. Segundo o PCN (BRASIL, 1997, p.18): Este bloco caracteriza-se por sua forterelevância social, com evidente caráter prático eutilitário. Na vida em sociedade, as grandezas e asmedidas estão presentes em quase todas asatividades realizadas. Desse modo, desempenhampapel importante no currículo, pois mostramclaramente ao aluno a utilidade do conhecimentomatemático no cotidiano.
  • 27. Os conceitos geométricos constituem parteimportante do currículo de Matemática no ensinofundamental, porque, por meio deles, o alunodesenvolve um tipo especial de pensamento que lhepermite compreender, descrever e representar deforma organizada, o mundo em que vive.Além disso, se esse trabalho for feito a partir daexploração dos objetos do mundo físico, de obras dearte, pinturas, desenhos, esculturas e artesanato.
  • 28. O tangram é um quebra-cabeças formadopor sete peças com formas geométricas bemconhecidas. Sua idade e inventor sãodesconhecidos. O Tangram, com apenas setepeças, permite uma extraordinária variedade decaminhos para compor as figuras.
  • 29. CONSTRUIR UM TANGRAM COM E.V.A OU PAPELÃO;MONTAR UMA FIGURA E DESENHAR;REGISTRE A QUANTIDADE DE CADA PEÇA QUE VOCÊ UTILIZOU. COMO SECHAMA CADA FIGURA? QUANTOS LADOS? QUANTOS CANTOS?MONTAR FIGURAS SUGERIDAS UTILIZANDO PEÇAS DO TANGRAM EDESENHAR:FORMAR UM QUADRADO UTILIZANDO DUAS PEÇAS;FORMAR UM TRIÂNGULO COM 3 PEÇAS;FORMAR UM QUADRADO COM 3,4 PEÇAS;PARALELOGRAMA COM 3 PEÇAS. MEDIR UTILIZANDO UMA RÉGUA, MEDIR OS LADOS DE CADA FIGURAFORMADA E CALCULAR O PERÍMETRO.
  • 30. SUGESTÃO DE LIVRO PARA O PROFESSOR:
  • 31. SUGESTÃO DE HISTÓRIAS PARA TRABALHAR COM FIGURAS PLANAS:
  • 32.  EXPLORAR EMBALAGENS VAZIAS…
  • 33. BRIZUELA, Bárbara. Desenvolvimento matemático nacriança: explorando notações. Porto Alegre: Artmed,2006.  NUNES, Teresinha. [et. al.]. Números e operaçõesnuméricas. São Paulo: Cortez, 2005. TOLEDO, Marília; TOLEDO, Mauro. Didática damatemática como dois e dois: a construção damatemática. São Paulo: FTD, 1997.
  • 34. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretariade Educação Fundamental. Parâmetros CurricularesNacionais – Matemática. Brasília: MEC/SEF, v. 3. 1997.DUHALDE, Maria Helena; CUBERES, Maria Tereza.Encontros iniciais com a Matemática: contribuições àEducação Infantil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez: CÂNDIDO,Patrícia. Figuras e Formas. Coleção de Matemática de 0 a 6.Vol. 3. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003.

×