• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Trabalhando Linguagens nos Anos Iniciais
 

Trabalhando Linguagens nos Anos Iniciais

on

  • 2,851 views

Trabalho desenvolvido no Encontro de Formação Continuada "Alfabetização e Letramento".

Trabalho desenvolvido no Encontro de Formação Continuada "Alfabetização e Letramento".

Statistics

Views

Total Views
2,851
Views on SlideShare
2,803
Embed Views
48

Actions

Likes
1
Downloads
70
Comments
0

3 Embeds 48

http://educacaocampo32cre.blogspot.com.br 43
http://www.blogger.com 3
http://www.educacaocampo32cre.blogspot.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Trabalhando Linguagens nos Anos Iniciais Trabalhando Linguagens nos Anos Iniciais Presentation Transcript

    • LETRAMENTO→ um termo para aquém e além do primeiro ano do ensinofundamental.“ É verdade que, de certa forma, a aprendizagem da língua materna, quer escrita, queroral, é um processo permanente, nunca interrompido. Entretanto, é preciso diferenciarum processo de aquisição da língua (oral e escrita) de um processo dedesenvolvimento da língua (oral e escrita); este último é que, sem dúvida, nunca éinterrompido.” (Soares, 2008, p.15)
    • O LETRAMENTO E AS NOVAS PERSPECTIVAS DO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA NOS ANOS INICIAIS•Conquista do direito à escolarização pelas camadas populares.•Análise das determinantes teóricas da prática pedagógicadesse ensino.• O texto como foco do ensino.• As possibilidades de uso da leitura e escrita na sociedade.
    • O acesso ao mundo da escrita é em grande parte responsabilidade daescola, por isso é necessário conceber alfabetização e letramento comofenômenos complexos e se perceba que são múltiplas as possibilidades deuso da leitura e da escrita na sociedade.Assim, as práticas em sala de aula devem estar orientadas de modo que sepromova a alfabetização na perspectiva do letramento e, tomando aspalavras de Soares (2001), que se proporcione a construção de habilidadespara o exercício efetivo e competente da tecnologia da escrita.
    • Esse exercício:[...]implica habilidade várias, tais como: capacidade de ler ou escreverpara atingir diferentes objetivos- para informar ou informar-se, parainteragir com os outros,para imergir no imaginário, no estético, paraampliar conhecimentos, para seduzir ou induzir, para diverti-se, paraorientar-se, para apoio à memória, para catarse...:habilidades deinterpretar e produzir diferentes tipos e gêneros de texto; habilidades deorientar-se pelos protocolos de leitura que marcam o texto ou de lançarmão desses protocolos, ao escrever: atitudes de inserção efetiva nomundo da escrita, tendo interesse e informações e conhecimentos,escrevendo ou lendo de forma diferenciada, segundo as circunstâncias,os objetivos, o interlocutor[...].(Soares, 2001,p.92)
    • Trabalhar considerando múltiplos usos e funções da escrita nasociedade potencializa as possibilidades de refletir criticamentesobre as relações que se estabelecem entre as pessoas em nossasociedade. Ao interpretar e produzir textos escritos em diferentesgêneros, o aprendiz é levado a se indagar sobre quem escreve e emque situação escreve; o que se escreve; a quem o texto se dirige ecom que intenções; quais os efeitos que o texto procura produzir noleitor, etc. Essas indagações favorecem a compreensão de como asrelações sociais são representadas e constituídas na e por meio daescrita.
    • Acreditar que é possível alfabetizar letrando é um aspecto a serrefletido, pois não basta compreender a alfabetização apenas como aaquisição de uma tecnologia. O ato de ensinar a ler a escrever, maisdo que possibilitar o simples domínio de uma tecnologia, criacondições para a inserção do sujeito em práticas sociais de consumo eprodução de conhecimento e em diferentes instâncias sociais epolíticas. Ciente da complexidade do ato de alfabetizar e letrar, oprofessor é desafiado a assumir uma postura política que envolve oconhecimento e o domínio do que vai ensinar.
    • A articulação entre a teoria e a práticaO termo letramento tem sido usado de maneira corrente dentro daescola, mesmo assim essa palavra ainda suscita dúvidas, prova disso éa distância entre a teoria e a prática:•Há professores que consideram necessária a interação comdiferentes gêneros textuais na formação do leitor/escritor, mas que nasala de aula recorrem aos pseudotextos.•Há posturas que revelam a frequente confusão ou sobreposição dosconceitos de alfabetização e letramento. Muitos professores aindaacreditam que somente após o processo de alfabetizaçãoé que deveser iniciado o processo de letramento, ou seja, para se tornar letrado,é preciso adquirir a tecnologia da escrita.•Em outros casos, observa-se o contrário: professores privilegiam ainteração com textos, entretanto, não dão conta aos aspectosespecíficos da alfabetização, o que compromete seriamente oprocesso de aquisição das habilidades de ler e de escrever.
    • Para Castanheira (2009), é importante perceber a sala de aula comoum espaço que possa promover tanto o domínio de capacidadesespecíficas, quanto o domínio de conhecimentos e atitudesfundamentais envolvidos nos diversos usos sociais da escrita. Paraisso é necessário o conhecimento da teoria relativa a esse domínios esua articulação com a prática de ensino. Esse é o grande desafio,tanto para acadêmicos como para professores que atuam com asturmas de alfabetização e anos iniciais.
    • Reflexões sobre atividades de ensino da escrita numa perspectiva do letramentoa) A professora tem como objetivo trabalhar a ordem alfabética.Ciente da necessidade de articular capacidades linguísticas própriasda alfabetização e letramento – reconhecer a sequência alfabéticatendo em vista seus usos sociais-, a professora fez o levantamento dealguns títulos de obras literárias infantis, para que seus alunosorganizassem segundo a ordem alfabética.
    • b) A professora tem como objetivo trabalhar o gênero carta, emmomentos de análise chama a atenção dos alunos para osprotocolos de uma carta, a começar pelo envelope: onde colocaro selo, onde e como registrar nome e endereço do destinatário eremetente. Na sequência, ela leu alguns modelos de carta.
    • As discussões em torno da alfabetização e letramento não seconfiguram num modismo passageiro, e sim em importantestemáticas a serem debatidas e articuladas no trabalho em sala deaula. O modo como o professor conduz o seu trabalho é crucialpara que a criança construa o conhecimento sobre o objeto escritoe adquira habilidades que lhe permitirão o efetivo do ler eescrever em diferentes situações sociais.
    • Referências bibliográficasCASTANHEIRA, Maria Lúcia et al (Org). Alfabetização e letramento nasala de aula.Belo Horizonte: Autêntica Editora: Ceale, 2009. (ColeçãoAlfabetização e Letramento na Sala de Aula).SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto,2008.SOARES. Magda. Letramento e escolarização. In RIBEIRO, V. M.(Org.).Letramento no Brasil, reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo:Global, 2001.