Revista do BLOG DA OCDS - PROVÍNCIA SÃO JOSÉ - - setembro -2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Revista do BLOG DA OCDS - PROVÍNCIA SÃO JOSÉ - - setembro -2012

on

  • 595 views

 

Statistics

Views

Total Views
595
Views on SlideShare
595
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Revista do BLOG DA OCDS - PROVÍNCIA SÃO JOSÉ - - setembro -2012 Document Transcript

  • 1. CarmelitasOrdem dos Carmelitas Descalços Seculares
  • 2. Novo Testamento. É um livro ARTIGOS Catequese do difícil, mas que contém uma Papa Bento grande riqueza. Nos coloca em contato com a oração viva e XVI palpitante da assembleia cristã, reunida "no dia do Senhor" Oração no (Apocalipse 1:10), que é, de fato, Apocalipse o pano de fundo no qual se desenvolve o texto. Um leitor apresenta à assembleiaQuanto mais e melhor rezarmos, mais a mensagem confiada pelonos tornaremos semelhantes a Ele Senhor ao evangelista João. O leitor e a assembleia são, porAs palavras de Bento XVI na assim dizer, os doisAudiência Geral de quarta-feira protagonistas no desenvolvimento do livro. Para eles, desde o início, é dirigida uma saudação festiva: "Bem- aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras da profecia" (1,3). Através do diálogo constante entre eles, brota uma sinfonia de oração, que se desenvolve em uma variedade de formas até a sua conclusão. Ouvindo o leitor que apresenta a mensagem, ouvindo e observando a assembleia que reage, a oração deles tende a se tornar nossa. A primeira parte do Apocalipse (1,4-3,22) tem, na atitude da assembleia que reza, três fasesCIDADE DO VATICANO, quarta- sucessivas. A primeira (1,4-8)feira, 05 de setembro de consiste em um diálogo - único2012(ZENIT.org)- caso no Novo Testamento - que ocorre entre a assembleiaApresentamos as palavras do reunida e o leitor, que lhe dirigePapa Bento XVI dirigidas aos uma saudação de bênção: "Graçafiéis e peregrinos reunidos hoje na e paz" (1,4). O leitor destaca aSala Paulo VI para a tradicional origem dessa saudação: vem daAudiência Geral. Trindade, do Pai, do Espírito Santo, de Jesus Cristo, juntosQueridos irmãos e irmãs, envolvidos no levar adiante oHoje, após as férias, retomamos projeto de criação e de salvaçãoas audiências no Vaticano, para a humanidade. A assembleiacontinuando a "escola de oração" escuta, e quando escuta nomearque estamos vivendo juntos nas Jesus Cristo, há como umacatequeses de quarta-feira. explosão de alegria e respondeHoje gostaria de falar sobre a com entusiasmo, elevando aoração no livro de Apocalipse que, seguinte oração de louvor:como vocês sabem, é o último do "Àquele que nos ama e nos libertou de nossos pecados com
  • 3. o seu sangue, que fez de nós um assim como ascendeu ao céu (cf.reino, sacerdotes para Deus e Atos 1,11b). Então, todos osPai, a Ele a glória e o poder pelos povos o reconhecerão e, comoséculos dos séculos. Amém" exorta São João no quarto(1,5b-6). A assembleia, envolvida Evangelho, "olharão para Aquelepelo amor de Cristo, se sente que transpassaram" (19,37).libertada da escravidão do Pensarão em seus pecados,pecado e proclama o "Reino" de causa de Sua crucifixão, e comoJesus Cristo, que pertence aqueles que haviamtotalmente a Ele. Reconhece a testemunhado de forma diretagrande missão que através do no Calvário”, vão se lamentar" (cf.batismo foi confiada a ela, de Lc. 23,48) pedindo perdão a Ele,levar ao mundo a presença de para segui-Lo na vida e, assim,Deus. E conclui essa celebração preparar a plena comunhão comde louvor olhando de novo Ele, após o seu retorno final. Adiretamente para Jesus e, com assembleia reflete sobre acrescente entusiasmo, mensagem e diz: "Sim, Amém."reconhece Nele "a glória e o (Ap 1,7 b). Exprime com o seupoder" para salvar a humanidade. "sim" a plena aceitação do que foiO "Amém" final conclui o hino de comunicado e pede que issolouvor a Cristo. Já estes possa se tornar uma realidade. Éprimeiros quatro versos contêm a oração da assembleia, queuma riqueza de evidências para medita sobre o amor de Deusnós, diz que a nossa oração deve manifestado de modo supremoser, acima de tudo, escutar a na Cruz e clama por viver com aDeus que fala. Submersos com coerência dos discípulos detantas palavras, estamos pouco Cristo.acostumados a ouvir, sobretudo E esta é a resposta de Deus: "Eua colocar-nos com disposição sou o Alfa e o Ômega, Aquele queinterior e exterior em silêncio é, que era e que há de vir, o Todo-para estar atentos ao que Deus Poderoso" (1,8). Deus se revelaquer nos dizer. Esses versículos como o começo e o fim daensinam-nos que a nossa oração, história, aceita e leva a sério omuitas vezes somente de pedido da assembleia. Ele foi, é epedidos, deve ser antes de tudo, será presente e ativo com o seude louvor a Deus por seu amor, amor nas relações humanas,pelo dom de Jesus Cristo, que tanto no presente, como nonos trouxe força, esperança e futuro e no passado, até chegar osalvação. fim dos tempos. Esta é aUma nova intervenção do leitor promessa de Deus. E aquichama, então, a assembleia, encontramos outro elementocativada pelo amor de Cristo, ao importante: a oração constantecompromisso de assimilar sua desperta em nós um senso depresença na própria vida. Ele diz: presença do Senhor em nossasEis que vem com as nuvens e todo vidas e na história, uma presençaolho o verá, até mesmo aqueles que nos sustenta, nos guia e nosque o traspassaram, e todas as dá grande esperança, mesmo emtribos da terra se lamentarão meio à escuridão de certossobre Ele" (1,7a). Depois de subir acontecimentos humanos; alémao céu em uma "nuvem", símbolo disso, cada oração, mesmo nade transcendência (cf. Atos solidão radical, nunca é um isolar-1:9), Jesus Cristo retornará se e nunca é estéril, mas é a força
  • 4. vital para a alimentação de uma ao Filho do homem" (1,12-13),vida cristã cada vez mais termo particularmente familiarcomprometida e coerente. para João , que indica o próprioA segunda fase da oração da Jesus. Os castiçais de ouro comassembleia (1,9 a22) aprofunda velas acesas, indicam a Igreja deainda mais o relacionamento com todos os tempos em oração naJesus Cristo, o Senhor aparece, Liturgia: Jesus ressuscitado, ofala, age, e a comunidade sempre "Filho do Homem" se encontra emmais próxima a ele, ouve, reage e meio a tudo isso, revestido comacolhe. Na mensagem as vestes do sumo sacerdote doapresentada pelo leitor, São Antigo Testamento, atua comoJoão relata sua experiência mediador junto ao Pai.pessoal de encontro com Cristo: Na mensagem simbólica de João,se encontra na ilha de Patmos, segue uma manifestação visívelpor causa da "palavra de Deus e de Cristo Ressuscitado, com asdo testemunho de Jesus" (1,9) e características próprias deé “o dia do Senhor” (1,10a), o Deus, citadas no Antigodomingo, dia em que celebramos a Testamento. Ele fala de "cabelosRessurreição. E São João está brancos como a lã ..., branco como"tomado pelo Espírito" a neve" (1,14), símbolo da(1,10a). O Espírito Santo eternidade de Deus (cf. Dn. 7,9) epreenche e renova-o, ampliando da Ressurreição. Um segundosua capacidade de acolher Jesus, símbolo é o fogo, que no Antigoque o convida a escrever. A Testamento muitas vezesoração da assembleia que escuta, refere-se a Deus para indicargradualmente assume uma duas propriedades. A primeira é aatitude contemplativa motivada intensidade de seu amorpelos verbos "ver", "olhar": ciumento, que anima a sua aliançacontempla, tudo o que o leitor com o homem (cf. Deuteronômiopropõe, internalizando-o e 04:24). E é essa intensidadetornando-o seu. ardente de amor, que lê-se nosJoão ouve "uma voz forte como olhos de Jesus Ressuscitado:de trombeta" (1,10b), a voz o "Seus olhos eram como chama deordena a enviar uma mensagem fogo" (Apocalipse1,14 a). A"às sete igrejas" (1,11) que se segunda é a capacidadeencontram na Ásia Menor e, por irrestringível de vencer o malmeio disso, a todas as igrejas de como um "fogo devorador" (Dttodos os tempos, juntamente 9:3). Assim também os "pés" decom seus pastores. O termo Jesus, no caminho de enfrentar e"voz... de trombeta", tirado do destruir o mal, tem o brilho dolivro do Êxodo (cf. 20,18), "bronze brilhante" (Ap 1,15). Arecorda a manifestação divina a voz de Jesus Cristo, então,Moisés no Monte Sinai e indica a "como a voz de muitas águas"voz de Deus que fala do céu, da (1,15 c), tem o ruídosua transcendência. Aqui é impressionante "da glória doatribuída a Jesus Cristo, o Deus de Israel", que segue rumo aRessuscitado, que da glória do Jerusalém, mencionado peloPai fala com a voz de Deus à profeta Ezequiel (cf. 43, 2).assembleia em oração. Virando- Seguem ainda três outrosse "para ver a voz" (1,12), João elementos simbólicos quevê "sete candelabros de ouro e mostram o que Jesusem meio a eles, algo semelhante Ressuscitado está fazendo por
  • 5. sua Igreja: a mantém firme em todos os tempos. Jesus entra nasua mão direita, uma imagem realidade particular de cadamuito importante: Jesus tem a igreja, enfatizando luz e sombra,Igreja em sua mão - fala a ela com fazendo um apelo urgente:o poder penetrante de um espada Convertei-vos" (2,5.16; 3,19c).afiada, e revela o esplendor de "Guardai o que tens" (3,11),sua divindade: “Seu rosto era "praticai as primeiras obras"como o sol que brilha em todo o (2,5); "Sejais zelosos, portanto,seu esplendor" (Rev. 1, 16). João e vos convertei" (3,19b)... Estafica tão impressionado com esta palavra de Jesus, se ouvida commaravilhosa experiência do fé, imediatamente passa a serRessuscitado, que se sente fraco eficaz: a Igreja em oração,e cai como morto. acolhendo a Palavra de Deus seDepois desta experiência da transforma. Todas as igrejasrevelação, o Apóstolo diante do devem se colocar em uma escutaSenhor Jesus que fala com ele, atenta do Senhor, abrindo-se aotranquiliza-o, coloca a mão em Espírito, como Jesus pedesua cabeça, revela sua identidade insistentemente, que repetiude Crucificado e Ressuscitado, e este pedido sete vezes: "Aqueleconfia a missão de transmitir a que tem ouvidos, ouça o que osua mensagem à Igreja Espírito diz às igrejas"(Apocalipse . 1,17-18). Algo belo (2,7.11.17.29; 3,6.13.22). Aé esse Deus diante daquele que assembleia ouve a mensagemperde as forças e cai como recebendo um estímulo para omorto. É o amigo da vida, que arrependimento, a conversão, acoloca Sua mão em nossa cabeça. perseverança no amor, aAssim será também para nós: orientação para o caminho.somos amigos de Jesus. Depois Caros amigos, o Apocalipseda revelação de Deus apresenta uma comunidadeRessuscitado, Cristo reunida em oração, porque aRessuscitado, não haverá temor, oração é precisamente onde nósmas será o encontro com o experimentamos a presençaamigo. A Assembleia também vive crescente de Jesus conosco emcom João o momento especial de nós. Quanto mais e melhorluz diante do Senhor, unidos. No rezarmos com constância eentanto, é a experiência do intensidade, mais nosencontro diário com Jesus, tornaremos semelhantes a Ele, eexperimentando a riqueza do Ele realmente entrará em nossacontato com o Senhor, que vida e guiará, dando-nos alegria epreenche todo o espaço da paz. E quanto mais conhecermos,existência. amarmos e seguirmos a Jesus,Na terceira e última fase da mais sentiremos a necessidadeprimeira parte do Apocalipse (AP de parar em oração com Ele,2-3), o leitor propõe à recebendo esperança, serenidadeassembleia uma mensagem em e força em nossas vidas.que Jesus fala na primeira Obrigado pela atenção.pessoa. Dirigida às sete igrejasda Ásia Menor localizadas ao Bento XVI dirigiu a seguinteredor de Éfeso, o discurso de saudação em português:Jesus parte da situaçãoparticular de cada igreja, e então Amados fiéis brasileiros dese espalha para as igrejas de Nossa Senhora das Dores e de
  • 6. São Bento e São Paulo, a graça e história, é sua parte segundo oa paz de Jesus Cristo para todos projeto de Deus. A assembleiavós e demais peregrinos de língua que, escutando a mensagem deportuguesa. Quanto mais e João apresentada pelomelhor souberdes rezar, tanto narrador, redescobriu a própriamais sereis parecidos com o missão de colaborar com oSenhor e Ele entrará desenvolvimento do Reino deverdadeiramente na vossa vida. É Deus como “sacerdotes de Deusna oração que melhor podereis e de Cristo” (Ap 20,6; cfr 1,5;dar conta desta presença de 5,10), e se abre ao mundo dosJesus em vós, recebendo homens. E aqui emergem doisserenidade, esperança e força na modos de viver em uma relaçãovossa vida. Tudo isto vos desejo, dialética entre eles: o primeirocom a minha Bênção. podemos definir como o “sistema de Cristo”, ao qual a(Tradução:MEM) assembleia é feliz de pertencer, e o segundo é o “sistema terrestre anti-Reino e anti- Catequese do Papa aliança posto em prática pela Bento XVI influência do Maligno”, o qual, enganando o homem, quer Oração no Apocalipse II implantar um mundo oposto àquele desejado por Cristo e porA aparente onipotência do Maligno Deus (cfr Pontifícia Comissãocolide com a verdadeira onipotência Bíblica, Bíblia e Moral, raízes dode Deus agir cristão, 70). A AssembleiaA catequese de Bento XVI na deve então saber ler de formaAudiência Geral desta quarta-feira profunda a história que está vivendo, aprendendo a discernirCIDADE DO VATICANO, quarta- com a fé os acontecimentosfeira, 12 de setembro de para colaborar, com sua ação,2012(ZENIT.org)- para o desenvolvimento doApresentamos as palavras de Reino de Deus. E esta obra deBento XVI na catequese dirigida leitura e de discernimento, comoaos fiéis e peregrinos reunidos também de ação, está ligado ànesta manhã, na Sala Paulo VI, oração.para a tradicional Audiência Primeiro, após o apeloGeral. insistente de Cristo que, na primeira parte do Apocalipse,Caros irmãos e irmãs, sete vezes disse: “Quem temQuarta-feira passada falei ouvidos, ouça o que o Espíritosobre a oração na primeira diz à Igreja” (cfr Apparte do Apocalipse, hoje 2,7.11.17.29; 3,6.13.22), apassamos para a segunda parte assembleia é convidada a subirdo livro, enquanto na primeira ao céu para assistir à realidadeparte, a oração é orientada para com os olhos de Deus; e aquio interior da vida eclesial, a encontramos três símbolos,atenção da segunda parte é pontos de referência para avoltada ao mundo inteiro; a leitura da história: o trono deIgreja, de fato, caminha na
  • 7. Deus, o Cordeiro e o livro (cfr Ap Primeiro símbolo, o trono.4,1 – 5,14). Segundo símbolo é o livro, que contém o plano de Deus sobre os acontecimentos e sobre os homens; é fechado hermeticamente por sete selos e ninguém é capaz de lê- lo. Diante dessa incapacidade do homem de analisar o projeto de Deus, João sente uma tristeza profunda que o leva às lágrimas. Mas há um remédio para a perda do homem diante do mistério da história: alguém é capaz de abrirO primeiro símbolo é o trono, o livro e de iluminá-lo.sobre o qual está sentado um E aqui aparece o terceiropersonagem que João não símbolo: Cristo, o Cordeirodescreve, porque supera imolado no Sacrifício da Cruz,qualquer representação mas que está em pé, sinal dahumana; pode somente sugerir o Ressurreição. É o própriosentido de beleza e alegria que Cordeiro, o Cristo morto ese prova encontrando-se diante ressuscitado, quedele. Este personagem progressivamente abre os selosmisterioso é Deus, Deus e revela o plano de Deus, oonipotente que não permaneceu sentido profundo da história.fechado no seu Céu, mas se fez O que dizem estes símbolos?próximo ao homem, entrando em Eles nos recordam qual é aaliança com ele; Deus que faz estrada para saber ler os fatossentir na história, de modo da história e da nossa própriamisterioso mas real, a sua voz vida. Olhando para o Céu desimbolizada por relâmpagos e Deus, no relacionamentotrovões. Há vários elementos constante com Cristo, abrindo aque aparecem ao redor do trono Ele o nosso coração a nossade Deus, como os vinte e quatro mente na oração pessoal eanciãos e quatro seres viventes, comunitária, nós aprendemos aque constantemente louvam o ver as coisas de um modo novo eúnico Senhor da história. a colher o sentido mais verdadeiro. A oração é como uma janela aberta que nos permite ter o olhar voltado para Deus, não somente para nos recordar a meta para a qual nos dirigimos, mas também para deixar que a vontade de Deus ilumine o nosso caminho terrestre e nos ajude a vivê-lo com intensidade e compromisso. De que modo o Senhor guia a comunidade cristã a uma leitura
  • 8. mais profunda da história? O Apocalipse nos diz que aPrimeiro convidando-a a oração alimenta em cada um deconsiderar com realismo o nós e nas nossas comunidadespresente que estamos esta visão de luz e de profundavivendo. O Cordeiro abre agora esperança: convida-nos a nãoos primeiros quatro selos do nos deixarmos vencer pelo mal,livro e a Igreja vê o mundo em que mas a vencer o mal com o bem, aestá inserida, um mundo em que olhar para Cristo Crucificado eexistem vários elementos Ressuscitado que nos associa ànegativos. Existem os males sua vitória. A Igreja vive naque o homem causa, como a história, não se fecha em siviolência, que nasce do desejo de mesma, mas enfrenta compossuir, de prevalecer uns sobre coragem o seu caminho em meioos outros, a ponto de se matar à dificuldade e ao sofrimento,(segundo selo); ou a injustiça, afirmando com força que o malporque os homens não em definitivo não vence o bem, arespeitam as leis que lhes são escuridão não ofusca odadas (terceiro selo). A estes esplendor de Deus. Este é umse unem os males que o homem ponto importante para nós;deve sofrer, como a morte, a como cristãos, jamais podemosfome, a enfermidade (quarto ser pessimistas; sabemos bemselo).Diante dessa realidade, que no caminho da nossa vidamuitas vezes dramática, a encontramos muita violência,comunidade eclesial é convidada mentira, ódio, perseguição, masa não perder nunca a esperança, isto não nosa crer firmemente que a desencoraja. Sobretudo, aaparente onipotência do Maligno oração nos educa a ver os sinaiscolide com a verdadeira de Deus, a sua presença e açãoonipotência de Deus. E o faz sermos nós mesmos luzesprimeiro selo que o Cordeiro do bem, que espalham adissolve contém exatamente esperança e indicam que aesta mensagem. Narra João: “Eu vitória é de Deus.vi: eis um cavalo branco. Com Esta perspectiva leva a elevar aaquele que nele cavalgava tinha Deus e ao Cordeiro graças eum arco; lhe foi dada uma coroa louvores: os vinte e quatroe ele saiu vitorioso para vencer anciãos e os quatro seresainda” (Ap 6,2). Na história do viventes cantam juntos ohomem entrou a força de Deus, “canto novo” que celebra a obraque não somente é capaz de de Cristo Cordeiro, o qual fazequilibrar o mal, mas vencê-lo; a “novas todas as coisas” (Ap 21,cor branca recorda a 5). Mas esta renovação é acimaRessurreição: Deus se fez tão de tudo um dom a ser pedido. Epróximo descendo na escuridão aqui encontramos outroda morte para iluminá-la com o elemento que deve caracterizaresplendor de sua vida divina; a oração: invocar ao Senhor comtomou sobre si o mal do mundo insistência para que o seu Reinopara purificá-lo com o fogo do venha, que o homem tenha oseu amor. coração dócil à soberania deComo crescer nesta leitura Deus, que seja a sua vontade acristã da realidade? orientar a nossa vida e a do
  • 9. mundo. Na visão poder fazer nada, mas édoApocalipse esta oração de exatamente a nossa oração apetição é representada por um primeira resposta e a maisparticular importante: “os vinte eficaz que podemos dar e quee quatro anciãos” e “os quatro torna mais forte o nossoseres viventes” têm em mãos, cotidiano empenho em difundir ojunto à harpa que acompanha o bem. A potencia de Deus tornaseu canto, “taças de ouro cheias fecunda a nossa fraqueza (cfrde incenso” (5,8a) que, como é Rm 8,26-27).explicado, “são as orações dossantos” (5,8b), daqueles, isso é, Gostaria de concluir comque já alcançaram Deus, mas algumas palavras sobre diálogotambém de todos nós que nos final (cfr Ap 22,6-21). Jesusencontramos no caminho. E repete várias vezes: “Eis quevemos que diante do trono de venho sem demora” (ApDeus, um anjo tem em mãos um 22,7.12). Esta afirmação nãoincensário de ouro em que coloca indica somente a perspectivacontinuamente os grãos de futura ao final dos tempos, masincenso, que são nossas também aquela presente: Jesusorações, cuja fragrância doce é vem, coloca sua morada sobreoferecida junto às orações quem acredita Nele e O acolhe. Aque apresentam-se diante de assembleia, então, guiada peloDeus. (cfr Ap 8,1-4). É um Espírito Santo, repete a Jesussimbolismo que nos diz como o convite a tornar-se cada veztodas as nossas orações – com mais perto: “Vem” (Ap 22,17a).todas as limitações, a fadiga, a É como a ‘noiva’ (22,17) quepobreza, a aridez, as aspira ardentemente aimperfeições que podem ter – plenitude do casamento. Pelavêm quase purificadas e terceira vez recorre à invocação:alcançam o coração de “Amém. Vem, Senhor Jesus”Deus. Devemos ter certeza, ou (22,20b); e o narrador concluiseja, que não existem orações com uma expressão quesupérfluas, inúteis; nenhuma é manifesta o sentido dessaperdida. E elas são respondidas, presença: “A graça do Senhormesmo que às vezes de forma Jesus esteja com todos”misteriosa, porque Deus é amor (22,21).e misericórdia infinita. O anjo – O Apocalipse, mesmo naescreve João – “tomou o complexidade de símbolos, nosincensário, encheu-o do fogo do envolve numa oração muito rica,altar e jogou-o na terra: sendo pela qual também nósseguido de trovões, sons, escutamos, elogiamos,relâmpagos e um terremoto” agradecemos, contemplamos o(Ap 8,5). Esta imagem significa Senhor, lhe pedimos perdão. Aque Deus não é insensível à sua estrutura de grande oraçãonossas súplicas, intervém e faz litúrgica comunitária é tambémsentir a sua potencia e a sua voz um forte chamado a redescobrirsobre a terra, faz tremer e o encargo extraordinário e operturba o sistema do poder transformador que tem aMaligno. Muitas vezes, diante do Eucaristia; em particular queromal se tem a sensação de não convidar com força a serem fiéis
  • 10. à Santa Missa dominical no Diado Senhor, o Domingo,verdadeiro centro da semana! A LIVROriqueza da oraçãono Apocalipse nos faz pensar em DOCUMENTOS DAum diamante, que tem umafascinante variedade de OCDSfacetas, mas cuja preciosidadereside na pureza de um úniconúcleo central. As sugestivasformas de oração queencontramosno Apocalipse fazem brilharentão a preciosidade única eindizível de Jesus Cristo.Obrigado.Saúdo os peregrinos de línguaportuguesa, especialmente osportugueses de Avintes eAlpendurada, bem como os fiéisde Curitiba, acompanhados deseu Bispo, Dom Moacyr Vitti etodos os demais grupos debrasileiros. Lembrai-vos de que avida de oração do cristão deveter por centro a Missadominical. É na Eucaristia queexperimentareis como o Senhor As encomendas da 2ª ediçãoJesus vem e faz morada em revista e ampliada do livroquem n’Ele crê e acolhe. E que DOCUMENTOS DA OCDSDeus vos abençoe em todas as poderão ser efetuadasvossas necessidades! Ide em através deste e-paz! (MEM) mail: lucianodidimo@gmail.com . O preço da unidade do livro é R$20,00, no qual já está incluso o valor do frete. A conta para depósito é: CAIXA ECONOMICA FEDERAL AG. 2015 Conta 0637-7 op. 013 LUCIANO DÍDIMO CAMURÇA VIEIRA CPF 429.646.103-63 Envie o comprovante de depósito para o e-mail acima, que nós enviaremos os livros pelo correio para o endereço indicado.
  • 11. PARAOLIMPÍADAS 2012 Entre nós dizemos que cada pessoa é um Castelo habitado pela Trindade. Penso que as Paraolimpíadas nos dizem muito, até muito mais do que as Olimpíadas em si mesmas com sua beleza e seus records, pois nos mostra que o fato dos atletas parolímpicosNestes dias tenho assistido a estarem ali competindo já é umaalgumas competições dos vitória.Jogos Paraolímpicos deLondres. Ver aquelas pessoas, Vitória contra os preconceitos,às vezes em cadeiras de rodas, vitória contra os limites físicos,outras com próteses, outras vitória contra o fatalismo, etc...com pernas mecânicas, sem Para nos dizer que são pessoasbraços, com partes de pernas humanas vivas, possuem umaou mesmo sem a visão ou dignidade humana e são capazesaudição... de muitas coisas.São "defeitos", segundo a Se não possuem alguma partementalidade de parte da do corpo, mesmo assimsociedade que somente valoriza aprenderam a valorizar-se ea perfeição, a beleza física, a souberam desenvolver-se com oeficiência e investe milhões em que tinham, graças à sua garra eprodutos de beleza, cirurgias, ao apoio de outros que ossilicone, etc... ajudaram e acreditaram neles.Porém, olhando além das Enfim, é recordar aquele conviteaparências, como não perceber a feito pela Campanha daoutra Beleza que está além da Fraternidade de 2006, cujoaparência física? lema era: "Levanta-te, vem para o meio" (Mc 3,3).Como não ver que cada vidadestas pessoas e de tantasoutras portadoras de Frei Alzinir Franciscodeficiência é um dom que vem do Debastiani, ocdAutor de cada uma destasvidas?
  • 12. FAZER O BEM SEM OLHAR AQUEM... UMA PEQUENA REFLEXÃO! Para sermos de fato “comunidade cristã”, Tiago nos recorda este critério fundamental da nossa fé, ou melhor dizendo, da prática e do testemunho da fé em Cristo. Pois bem, entretanto, muitas vezes nos deparamos com grandes incoerências dentro da Igreja, nas pastorais, nos grupos de orações e, inclusive, das nossas comunidades e grupos da OCDS. Frequentemente, e não é preciso procurar muito para encontrar, vemos alguns membros da hierarquia da Igreja,A segunda leitura deste XXIII das lideranças de váriosdomingo do tempo comum (Tg movimentos eclesiais, de2,1-5) é um grande convite para coordenadores de pastorais efazermos uma pausa e realizar grupos se esquecerem de queum humilde exame de foram CHAMADOS - econsciência. No fundo, toda a aceitaram LIVREMENTE - paraliturgia nos leva a esta direção. SERVIR os irmãos,Partindo do exemplo que Cristo particularmente os maisdeixou aos seus, Tiago exorta os necessitados, e NÃO PARAprimeiros cristãos sobre um SEREM SERVIDOS. Ademais,aspecto fundamental da vida muitos deixam explícito as suascristã, ou seja, o não fazer preferências pelos “homens comdistinção entre os irmãos. anéis de ouro, trajadosBasta lembrarmo-nos que, magnificamente” em detrimentotodos somos iguais diante do do “pobre” (Tg 2,2). EsquecemPai que nos criou à sua imagem e que Jesus veio para TODOS esemelhança[1]. Sabemos que que nós, uma vez unidos a EleEle, na sua perfeição, “não faz pelo batismo, também devemosdistinção de pessoas, mas em ir ao encontro de todos, “semtoda nação lhe é agradável ver” o credo, o sexo, a raça, a coraquele que o temer e fizer o que ou a condição social eé justo” (At 10, 34-35). intelectual.
  • 13. Resta-nos gritar ao Senhor eUm exemplo desta incoerência pedir-lhe que cure a nossaque comumente podemos cegueira, a nossa surdes eencontrar no nosso meio é em escancare a nossa boca[2] pararelação à tolerância com os anunciar a fé que professamos.irmãos de outros credos. Anunciar não apenas comApesar de todo esforço palavras, mas com a VIDA. Paraecumênico da Igreja, de todos os que na sua infinita misericórdiadocumentos a respeito, de tenha misericórdia dos nossostodos os encontros e contratestemunhos, da nossacongressos inter-religiosos, cegueira de não querer enxergarainda hoje vemos bispos, padres e ouvir os mais necessitados.e leigos criticarem econdenarem os irmãos que Certamente, o século XXI nospraticam, seguem e vivem convida a voltarmos o olhar paraoutros credos como, o a Sagrada Escritura,espiritismo, o candomblé, esta especialmente para o Evangelho,ou aquela doutrina evangélica. e ali redescobrir o verdadeiroCabe refletirmos se com esses sentido do que é SER CRISTÃO.discursos, muitas vezes Cremos que chegou o momentorepletos de preconceitos e de olharmos MAIS para o Cristodogmatismos, não estamos e não para as coisas que falaramfazendo distinções entre Dele, ou ainda, para ospessoas. costumes e tradições que entraram – consciente ouOutras vezes, vemos dentro inconscientemente, pordas nossas comunidades conveniência ou não - na vida daparoquiais, e mesmo das nossas Igreja.comunidades e grupos da OCDS,o padre ou o conselho ter Aproveitemos este mês depreferências por este ou por setembro, que a Igreja dedica àaquele membro. O que se torna leitura orante da Sagradamais grave se for pela sua Escritura, para pensarmos umcondição social. Por vezes, pouco se estamosvemos nas nossas comunidades transformando em VIDA aparoquiais a exclusão de palavra do MESTRE, nossomembros em segunda união; de divino amigo e hóspede, queirmãos que cometeram um erro viveu na plenitude tudo aquilograve, mas que está se que pregou e cujo sacrifícioesforçando para se reerguer; do abarcou e abarca todo oirmão que tem alguma limitação, universo.entre outros. A conclusão é só Grande abraço,uma: a caridade fraterna e acoerência de vida passaram José Eduardo Manfredinilonge do coração daqueles que Comissão de Formaçãoassim agem. Todo zelo nesteponto é pouco, pois todos nóstambém fazemos isto, muitas [1] Cf. Gn 1, 26vezes sem se dar conta. [2] Cf. Mc 7,31-37
  • 14. 9 de setembro de 2012 - 30 anos da Páscoa de Madre Teresa de Jesus, fundadora do Carmelo em Juiz de Fora-MG marco nos 30 anos da morte e ressurreição de Nossa Madre Fundadora Teresa de Jesus. Todos nós fomos beneficiados por sua vida aqui na terra e com certeza, hoje, ela do céu continua a nos olhar, guiar e proteger junto de Deus. Sem limites humanos, poderá ser intercessora que nos vê com o olhar de Deus, sabendo o que realmente nos convém. Madre Teresa, rogai por nós! UM BILHETE AGRADECIDO PARA A MADRE TERESA DE JESUS Latino- americana“Assim como a benignidade deDeus desceu sobre a terra e Só sendo Teresa mesmo, comofalou com os seres humanos, o a Teresa de Jesus da Espanha, ameu desígnio é que cada uma de Teresa de Jesus da França e anós, deste Carmelo, seja como o Teresa de Jesus dos Andes,Cristo: a benignidade de Deus mas sendo a Teresa de Jesus doque fala com as pessoas, para Brasil. Teresa do mesmo Jesus,que elas também queiram falar mas situadamente descoberto,com o seu Deus. Que o Cristo historicamente amado,nos dê a graça de sermos tais, brasileiramente vivido. Filha daque possamos, pela nossa vida, mesma Igreja, mas já não aquelasuscitar nos outros o gosto beligerante conjuntura depela oração.” Trento nem da ofensiva posição(Me. Teresa de Jesus) do Vaticano I, mas respirando diálogo e esperança por entre asQueridos irmãos e amigos em “janelas abertas” do Vaticano IICristo, medida na caminhadaPaz e graça! libertadora do nosso povo,É com grande alegria, esperança evangelicamente acolhida pore fé em Jesus Cristo que Medellín e Puebla, feita CEBs eenviamos esta mensagem como
  • 15. Pastorais socais, CNBB e ao Carmelo, à Igreja local e aosinserção. “sinais dos tempos”. E porque “América Latina e o Brasil têmVocê entendeu o Carmelo como sua fisionomia” você decidiu,“um clima” mais do que como refundando como se diz agora,estrutura, captou – como você que “neste contexto o Carmelorecordara muitas vezes – que o tem que ser latino-americano edeus vivo está disponível, na brasileiro” na inculturação dabrisa suave do profeta encarnação.patriarca. Elias e não naparafernália das leis e das Fruto maduro de uma teimosagrades e dos “fechamentos” coerência, mineiríssima eaprisionadores. evangélica, “corajosa, esperta e livre com toda a veteranaVocê compreendeu no realismo ‘existência vivida no claro e noda fé cristã, que o Deus do escuro, mas com constante“Mistério da Encarnação” se faz gratuidade do Deus que nostempo e lugar: no “hoje e agora”, amou primeiro”, você, nossaque você repetia com vocacional Teresa refundadora, soube criarobsessão; além “dos um “Carmelo Leve eformalismos da época e do Transparente’ onde se pudessepróprio Carmelo”. amar depois das seis da tarde” e antes e sempre. Porque oVocê soube sintonizar com o amor não tem hora e porqueespírito, que é sempre Criador e Deus é Amor e porque é no amorconvenceu-se, audaciosa, livre e que seremos julgados nofiel, de que “é preciso começar entardecer da vida como nossempre”. ensinou o Padre do novo Carmelo, o poeta maior SãoTeresa de Jesus da nossa João da Cruz.América e do tempo nosso, dePetrópolis, de Juiz de Fora e de Os privilegiados, os rotineiros,Itaguaí finalmente – longa “noite os legalistas, a própriaescura”, dura “subida” Carmelo hierarquia menos criativa e maisacima - porque era você acomodados tradicionalismos,predestinadamente da “raça não podiam compreender suados verdadeiros contemplativo” audácia, Teresa. E deviamsoube criar esse Carmelo “leve e obstruí-la. Todas as grandestransparente”, para “servir a fundações eclesiais foramcausa de Jesus de Nazaré” obstinadamente contestadas.engajando a oração e Mas você sabia muito bem erespondendo concretamente repetia “desde o inicio dapela “vida solidária”, “assumindo fundação renovadora” “quea dor dos momentos qualquer coisa fora da cruz éhistóricos”,” testemunhando o ilusão”. E não arredou o pé nem aabsoluto, de Deus no meio dos esperança. Valeu, Teresa, valeu!pobres e aprendendo com eles...” Quem sabe, se você não poderia“Fazendo da escuta da realidade escrever mais uma carta aosmatéria viva da oração”. Um “Pro-foco” de hoje, à CRB, àCarmelo simultaneamente fiel sofrida e coerente CLAR, com
  • 16. aquela mesma “bem lançada oração, na humildade, naletra” – ensolarada de Glória pobreza, na fraternidade” comoagora com aquele mesmo você queria, latino-americana“descortino de ideias” agora Teresa nossa, fundadora dofeitas exemplaridade...! Carmelo leve e transparente. D. Pedro Casaldáliga.Precisa, viu! Em nossa VidaConsagrada há muita “Ofereço minha vida, minhasacomodação. Também nela orações por tudo o que estáparece, às vezes, que já acontecendo profeticamente.teríamos chegado ao fim da Mesmo com a idade avançada,história. Inserção. Sim, inserção sei que dentro de mim existenão!? Novamente os ainda muita energia para sofrer“conventos”. Outras vez uma como que dores de parto a fimcerta retirada de periferias, de de que nasça uma vidafronteiras, de desertos de contemplativa nova. Para Deus,marginalização. Diante do risco com efeito, nada éda profecia, a segurança da impossível." (Trecho da Carta aorotina. Muitas férias, muitas Profoco)viagens, muitos anos sabáticos,muita “conformação com este "Sejamos outras Marias, unasmundo” neoliberal talvez. Sei lá... ao Sagrado coração de Jesus,Há muito receio novamente seu Filho, no seguimento dEle,frente ao Espírito Criador e configuradas com Ele, doerguem-se outras grades presépio ao calvário parafrente à história e o povo, e nem ressuscitar”.sempre nossa Vida Religiosa é (Madre Teresa de Jesus, ocd).aquela “opção de vida radical”,como propunha nosso saudosoFrei Mateus, vivenciada “na
  • 17. OCDS ORGANIZA PEREGRINAÇÃO A ESPANHA EM 2015
  • 18. XXIX CONGRESSO DA OCDS Província São José“Enfim, irmãs minhas, aquilo com que quero concluir é que nãofaçamos torres sem fundamentos, porque o Senhor não olha tantoà grandeza das obras como ao amor com que se fazem; e, desde quefaçamos o que pudermos, Sua Majestade fará com que vamospodendo cada dia mais e mais, conquanto não nos cansemos logo,mas; no pouco que dura esta vida, e porventura será ainda menos doque cada uma pensa, ofereçamos interior e exteriormente aoSenhor o sacrifício que pudermos, pois que Sua Majestade o juntarácom o sacrifício que Ele ofereceu por nós na Cruz a Seu Pai, para quetenha o valor que o nosso amor tiver merecido, embora sejampequenas as obras” (Santa Teresa de Jesus – M 4, 15) Tema: “Não façamos torres sem fundamentos” (Santa Teresa de Jesus, M 4, 15) Lema: “Contudo não caiu, porque estava fundada sobre a rocha” (Mt 7, 25) São Roque – SP 15 a 18 de novembro de 2012
  • 19. Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares Província São José “A essência da perfeita oração é muito amar” (Santa Teresa de Jesus - F. 5, 2) Amados irmãos e irmãs, Estamos terminando neste ano nossa reflexão,partilha e oração do livro das “Fundações” em preparação para osquinhentos anos de nascimento de nossa mãe Santa Teresa. Espero que em nosso coração, na nossa vida, essapalavra acima possa ter produzido frutos de vida nova em cada umde nós. Caso contrário, teria sido em vão esse tempo. Agora já iniciaremos o livro “Castelo Interior ouMoradas”, que começou a ser escrito em 1577, quando SantaTeresa estava com 62 anos. Com sua experiência vai conversando (diz ela) e nósiremos aprendendo de sua sabedoria, de sua paixão pelo Senhor paraquem nunca mediu esforços e enfrentou tudo para alcançar seusobjetivos. Queridos(as), teremos um momento importantepara começarmos bem este estudo–meditação. Desejo, meu irmão e irmã, que estejamos juntos nonosso XXIX Congresso Provincial. Sei que nosso entusiasmo, nossa paixão peloSenhor e pelo Carmelo e nossos relacionamentos fraternos serãorenovados e encorajados nesses dias . “Não façamos torres sem fundamentos” é oconselho que receberemos e creio que “se nossa casa estiverfundada sobre a rocha, ela não cairá”. Aguardo-os com carinho e esperança para essesdias de fraternidade. Maria Eduarda Barbosa de SousaPresidente da Associação das Comunidades da OCDS da Província São José
  • 20. Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares Província São José Caros irmãos em Cristo e no Carmelo, Temos a alegria de convidar as Comunidades eGrupos integrantes da Associação das Comunidades da Ordem dosCarmelitas Descalços Seculares no Brasil da Província São Josépara o nosso XXIX CONGRESSO, a ser realizado no período de 15 a18/11/2012, em São Roque-SP. A participação no congresso é de grande valia, poiso encontro de várias comunidades das diversas regiões do país fazcom que, além de podermos nos aprofundar em nossaespiritualidade carmelitana, tenhamos a oportunidade de exercerconcretamente a vivência fraterna, gerando assim valiosos frutosindividuais e comunitários. Por isso, desejamos imensamente que todas ascomunidades e grupos animem seus membros e se façamrepresentar nesse evento tão importante. Segue em anexo a programação do Congresso e asinformações necessárias para as inscrições. Fraternalmente, Luciano Dídimo Camurça Vieira Coordenador da Comissão de Preparação do Congresso 2012
  • 21. INFORMAÇÕES• O Congresso terá início às 16h00min do dia 15/11/2012 e se encerrará às 12h00min do dia 18/11/2012 (após o almoço).• Acontecerá no Centro Teresiano de Espiritualidade, em São Roque – SP, localizado na Rodovia Raposo Tavares, KM 64 – CEP: 18130- 970 - (Caixa Postal 57) - Telefone: 11-4712-2270.• As inscrições somente serão aceitas se efetuadas pelo presidente da Comunidade ou Coordenador do grupo e devem ser feitas preferencialmente por e-mail com: Carmelita Maria S. da Silva E-mail: carmelita_ocds@yahoo.com.br Rua Tocantins, 59 bairro Pedregulho – Guaratinguetá-SP Cep-12514-660 Tel-res-0xx12-31223346 esc-0xx12-31223613 cel-0xx12-8201-1431-Tim• A taxa de inscrição é de R$ 290,00 (duzentos e noventa reais), que poderá ser depositada em duas parcelas, sendo a primeira até o dia 01/10/2012 no valor de R$ 145,00 (cento e quarenta e cinco reais), e a segunda em igual valor até 01/11/2012. Os depósitos deverão ser efetuados em nome da: Associação das Comunidades da Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares no Brasil da Província São José CNPJ: 08.242.445/0001-90 Banco Itaú Conta corrente: 00039-3 Agência: 736-4• Para que seja realizada a inscrição basta que seja enviada o nome completo do participante e a idade (para divisão dos quartos), o nome da comunidade ou grupo e a cópia do comprovante de depósito (levar o comprovante original para o Congresso a fim de evitar qualquer imprevisto).• Serão disponibilizadas 03 vagas para cada Comunidade e 02 vagas para cada Grupo, para as inscrições efetuadas até 01/10/2012. A partir desta data, sobrando vagas, estas serão disponibilizadas para quem se inscrever primeiro.• Efetuada a inscrição e não havendo o comparecimento no evento, não haverá devolução das parcelas depositadas.• Solicitamos que levem, além dos objetos pessoais, Liturgia das Horas. Não é necessário levar roupa de cama e banho.
  • 22. PROGRAMAÇÃO15/11/12- QUINTA-FEIRA16h00min – ACOLHIDA17h00min – MISSA DEABERTURA – Frei Afonso de Santa Teresinha, ocd (Comemoraçãode Todos os Defuntos de nossa Ordem) – (Liturgia: Comunidade Santa Teresinha doMenino Jesus – São Roque-SP)18h30min –JANTAR19h30min – Acolhida20h00min - Palestra – “Não façamos torres sem fundamentos” - Frei Afonso de SantaTeresinha, ocd – Provincial da OCD – Província São José (abordagem geral sobre olivro Castelo Interior relacionado ao carmelita secular)(M 4, 15)“Enfim, irmãs minhas, aquilo com que quero concluir é que não façamos torres sem fundamentos, porque o Senhornão olha tanto à grandeza das obras como ao amor com que se fazem; e, desde que façamos o que pudermos,Sua Majestade fará com que vamos podendo cada dia mais e mais, conquanto não nos cansemos logo, mas; nopouco que dura esta vida, e porventura será ainda menos do que cada uma pensa, ofereçamos interior eexteriormente ao Senhor o sacrifício que pudermos, pois que Sua Majestade o juntará com o sacrifício que Eleofereceu por nós na Cruz a Seu Pai, para que tenha o valor que o nosso amor tiver merecido, embora sejampequenas as obras” (Santa Teresa de Jesus)16/11/12 – SEXTA–FEIRA07h20min – LAUDES08h00min – CAFÉ09h00min –Palestra: – A torre fundamentada na fé - Frei Fabiano Alcides, ocd –Delegado Provincial para a OCDS do Sudeste e Centro-Oeste (abordagem sobre avivência da fé do carmelita secular relacionado ao Ano da Fé anunciado por BentoXVI – de 11/10/2012 a 24/11/2013)Constituições OCDS, art. 17:A vocação do Carmelo Teresiano é um compromisso de “viver em obséquio de Jesus Cristo”, “meditando dia enoite a lei do Senhor e velando em oração”. Fiel a este princípio da Regra, Santa Teresa pôs a oração comocimento e exercício primordial de sua família religiosa. Por isso, o Secular é chamado a procurar que a oraçãopenetre toda sua existência, para caminhar na presença do Deus vivo (cf. 1Rs 19,14), mediante o exercícioconstante da fé, da esperança e do amor, de maneira que toda sua vida seja uma oração, uma busca da uniãocom Deus. A meta será conseguir integrar a experiência de Deus com a experiência da vida: ser contemplativosna oração e no cumprimento da própria missão.10h00min – Cafezinho – Feirinha10h30min – Palestra: A torre fundamentada na santidade - Hercílio Martelli Júnior, ocds– membro da Comunidade Beata Elizabete da Trindade, de Montes Claros –MG(abordagem sobre a vida de Chiquitunga – Ir. Maria de Jesus Sacramentado, ocd –monja paraguaia)Constituições OCDS, proêmioA grande família do Carmelo Teresiano está presente no mundo de muitas formas. Seu núcleo é a Ordem dosCarmelitas Descalços, formada pelos frades, as monjas de clausura e os seculares. É uma só Ordem com o mesmocarisma. Esta se nutre da longa tradição histórica do Carmelo, recolhida na Regra de Santo Alberto e na doutrinados carmelitas doutores da Igreja e de outras santas e santos da Ordem.11h30min – AVISOS/INFORMES12h00min – ALMOÇO
  • 23. 14h00min – Palestra: A torre fundamentada na formação – Rose Lemos Piotto, ocds –Coordenadora da Comissão de Formação (abordagem sobre a importância daformação para vivência da espiritualidade do carmelita secular)Constituições OCDS, art. 32.O objetivo central do processo de formação na Ordem Secular é a preparação da pessoa para viver o carisma ea espiritualidade do Carmelo em seu seguimento de Cristo, a serviço da missão.15h00min – Cafezinho - Feirinha15h30min- Palestra: A torre fundamentada no serviço – Gustavo do Passo Castro, ocds– Coordenador do Grupo Santa Teresinha, de Camaragibe-PE (abordagem sobre oapostolado dos leigos relacionado aos 50 anos do Concílio do Vaticano II)Constituições OCDS, art. 35:A formação para o apostolado se baseia na teologia da Igreja sobre a responsabilidade dos leigos, e acompreensão do papel dos seculares no apostolado da Ordem ajuda a tomar consciência do lugar que tem aOrdem Secular na Igreja e no Carmelo e oferece uma forma prática para compartilhar as graças recebidas pelavocação carmelitana.16h30min – Vésperas (individualmente) e preparação para saída17h15min – Saída do ônibus para passeio na cidade de São Roque19h00min – Missa na Igreja Matriz de São Roque (concelebrada por Frei LeandroAlcides, ocd)20h15min – JANTAR no Restaurante do Ski Mountain Park17/11/12 – SÁBADO07h00min – MISSA COM LAUDES – Frei Wilson Gomes, ocd (Liturgia: Comunidade SãoJoão da Cruz – Belo Horizonte-MG)08h00min – CAFÉ09h00min –Palestra – A torre fundamentada na Regra de Vida – Frei Wilson Gomes,ocd – Delegado Provincial para a OCDS do Norte/Nordeste (abordagem sobre ospontos da regra de Santo Alberto relacionados ao carmelita secular)Constituições OCDS, art. 6:A Regra de Santo Alberto é a expressão original da espiritualidade do Carmelo. Foi escrita para leigos que sereuniram no Monte Carmelo para viver uma vida dedicada à meditação da Palavra de Deus sob a proteção daVirgem. Nessa Regra se encontram os princípios que orientam a vida carmelitana:viver em obséquio de Jesus Cristo;ser diligentes na meditação da lei do Senhor;reservar tempo para a leitura espiritual;participar na liturgia da Igreja, tanto na Eucaristia como na Liturgia das Horas;interessar-se pelas necessidades e pelo bem dos demais na comunidade;armar-se com a prática das virtudes, ao mesmo tempo que se vive uma vida intensa de fé, esperança e caridade;buscar o silêncio interior e a solidão em nossa vida de oração;usar prudente discrição em tudo que fazemos.10h00min – Cafezinho - Feirinha10h30min – Palestra: A torre fundamentada na contemplação – José Maria AlexandreFelipe, ocds – formador da Comunidade Santa Teresinha, de São Roque-SP(abordagem sobre a experiência de Santa Teresa na contemplação da humanidadede Jesus)Constituições OCDS, 20
  • 24. 20. O Secular procurará ter tempos fortes dedicados à oração, como momentos de maior consciência dapresença do Senhor e como espaço interior para o encontro pessoal e íntimo com Ele. Isso o conduzirá a viver aoração como atitude de vida que o fará “reconhecer sempre e em todo lugar a Deus..., buscar sua vontade emtodos os acontecimentos, contemplar Cristo em todas as pessoas, próximas ou estranhas, e julgar com retidão overdadeiro significado e valor das realidades temporais, em si mesmas e em relação ao fim do homem”.Conseguirá, assim, uma contemplação e ação na história integrando fé e vida, oração e ação, contemplação ecompromisso cristão.11h30min – AVISOS/INFORMES12h00min – ALMOÇO14h00min – Mesa Redonda: A construção da torre tijolo a tijolo -(abordagem sobre asrealidades, desafios, histórico, crescimento e perspectivas da OCDS nas diversasregiões do país):Sudeste/Centro-Oeste: Ana Maria Scarabelli – Ex-presidente da Associação dasComunidades da OCDS da Província São José (2007-2010)Norte/Nordeste: Efigênia Ribeiro – Secretária da Associação das Comunidades OCDSda Província São JoséSul – Sidnei Santos – Presidente do Conselho da Associação das Comunidades daProvíncia Nossa Senhora do Carmo15h30min – Cafezinho – Feirinha16h00min- MOMENTO DOS CONSELHEIROS COM SUAS COMUNIDADES: A torrefundamentada no compromissoConstituições OCDS, art. 12Pela promessa feita à comunidade na presença do Superior da Ordem ou de seu delegado, a pessoa se tornamembro da Ordem Secular. Por este compromisso se empenha em adquirir a formação necessária para conheceras razões, o conteúdo e o propósito do estilo de vida evangélica que se assume.17h30min – Momento Mariano: Maria, Torre de Davi – Maria, Torre de Marfim(Invocações presentes na Ladainha de Nossa Senhora) – Comunidade SantaTeresinha, de Caratinga-MGConstituições OCDS, art. 4:A Virgem Maria se faz presente de maneira especial, sobretudo como modelo de fidelidade na escuta do Senhore em sua atitude de serviço a Ele e aos outros. Maria é aquela que conservava e meditava em seu coração avida e as ações de seu Filho, dando exemplo de contemplação. Nas bodas de Caná, foi ela quem aconselhouque fizessem o que o Senhor lhes dissesse: Maria é exemplo de serviço apostólico. E foi ela, mais uma vez, quemesperou a vinda do Espírito Santo, perseverando em oração com os apóstolos, dando testemunho da oração deintercessão. Ela é Mãe da Ordem. O Carmelita Secular goza de sua especial proteção e cultiva uma sinceradevoção mariana.18h00min - Vésperas19h00min – JANTAR20h00min – RECREIO CARMELITANO18/11/12 – DOMINGO07h00min – MISSA COM LAUDES – Frei Fabiano Alcides,ocd (Liturgia: ComunidadeSanta Teresinha – Sete Lagoas - MG)08h00min – CAFÉ09h00min – Palestra: Os desafios atuais para a construção da torre – Íris Gomes, ocds –Conselheira da Associação das Comunidades da OCDS – Província São José(abordagem sobre os desafios de ser carmelita secular na sociedade “globalizada”)Constituições OCDS, 16
  • 25. Nas bem-aventuranças se encontram um projeto de vida e um modo de entrar em relação com o mundo, com osvizinhos e companheiros de trabalho, com familiares e amigos. Ao prometer viver as bem-aventuranças na vidacotidiana, procuram dar testemunho de vida evangélica como membros da Igreja e da Ordem e, por estetestemunho, convidam o mundo a seguir a Cristo: “Caminho, Verdade e Vida” (Jo 14,6).10h00min – Cafezinho – Feirinha10h30min – Palestra: “Contudo não caiu, porque estava fundada sobre a rocha” –Maria Eduarda Barboza de Souza – Presidente da Associação das Comunidades daOCDS da Província São JoséConstituições OCDS, epílogoEles são chamados a “dar testemunho de como a fé cristã [...] constitui a única resposta plenamente válida paraos problemas e as expectativas que a vida põe a cada pessoa e a cada sociedade”. Isto o realizarão comoSeculares se, a partir de uma contemplação comprometida, conseguem testemunhar em sua vida familiar e socialde cada dia “a unidade de uma vida que no Evangelho encontra inspiração e força para se realizar emplenitude”. Como Seculares, filhos e filhas de Teresa de Jesus e João da Cruz, estão chamados a “ser perante omundo testemunhas da ressurreição e vida do Senhor Jesus e sinal do Deus vivo”, mediante uma vida de oração,de um serviço evangelizador e por meio do testemunho de uma comunidade cristã e carmelitana.11h30min – Encerramento: – avisos – partilha - mensagens finais oração final12h00min - ALMOÇO
  • 26. COMUNIDADES São Luís-MA – Comunidade São João da Cruz “Não se deve estabelecer limites a um Deus tão grande que tanto deseja nos obsequiar.” (Santa Teresa de Jesus) No dia 18/08/2012 Célia Regina do Sagrado Coração de Jesus, da Comunidade São João da Cruz, da OCDS de São Luís - MA, fez suas promessas definitivas em celebração eucarística presidida pelo Delegado Provincial para a OCDS, Frei Wilson Gomes, ocd. A cerimônia foi realizada na capela do Carmelo São José. O Conselheiro Provincial Luciano Dídimo, acompanhado de sua esposa Ruth, esteve em visita à Comunidade São João da Cruz, da OCDS de São Luís-MA de 14 a 16/09/2012, onde ministrou um encontro formativo sobre os Documentos da OCDS. Foram momentos de estudo, leitura e partilha onde se buscou um aprofundamento sobre a identidade, a missão e as etapas de formação do carmelita secular. Ao final um alegre encontro com as monjas do Carmelo São José.Luciano Dídimo e os membros da Comunidade São João da Cruz Encontro com as Monjas do Carmelo São José - São Luís-MA E-mail de envio de notícias para o Blog da OCDS - Província São José: noticiasocds@gmail.com
  • 27. Petrópolis-RJ Visita ao Carmelo Nossa presidente provincial Maria Eduarda esteve em visita aoCamelo de Petrópolis, onde em breve terá um novo grupo da OCDS. Barra do Piraí – RJ Comunidade Pequena Flor de Santa Teresinha As conselheiras provinciais Iris Gomes e Antônia Catanhedeestiveram em visita a Comunidade Pequena Flor de Santa Teresinha, em Barra do Piraí, no Estado do Rio.
  • 28. Franca-SPNo dia 26 de agosto de 2012 o Sim, sabendo que elas eram asnosso Carmelo comemorou 25 servas e Deus o Altíssimo, oanos de vida, vida de oração e Senhor que terminaria a obraentrega de amor a Deus e à Igreja. começada. Foram anos deTudo começou de um SIM, de um vitórias e sofrimentos e bênçãos,gesto de fidelidade de nosso mas em tudo o bom Deus se fezamado pai Dom Diógenes, que fiel presente e em sua grandeao querer de Deus, que colocou misericórdia, sustentando-as emem seu coração o desejo de silenciosa imolação, dia após dia,erguer em sua Diocese o Carmelo chegando até este dia. A capelada Virgem Maria para que este estava muito linda, todafosse o para-raios e fecundasse enfeitada para comemorar estaa terra de toda obra de data tão importante. A soleneevangelização nela nascente e celebração foi presidida porque tivesse um especial zelo nosso Bispo Dom Pedro Luizpelas vocações, santificação do Stringhini. Muitos sacerdotes daClero e todo povo de Deus. Deus Diocese estavam presentes eem sua Divina providência já havia para nossa alegria tambémpreparado estes corações, que estavam os nossos irmãoscapazes de realizar tamanho carmelitas frei Pierino e freisacrifício, deixariam seu Carmelo Salim. Nestes 25 anos dede origem, e se colocariam a presença do Carmelo em Franca,caminho para que, como desejava o nosso eterno agradecimento àsnossa Santa Madre Teresa: orações, o testemunho de vida, a“mais um sacrário onde Jesus presença amorosa de nossasfosse amado e muitas almas irmãs, nos acolhendo, nosfossem salvas”. Somente a ouvindo, nos ajudando com seusentrega de amor de Madre sorrisos e mostrando-nos a faceRaimunda, Ir. Maria do Carmo do amorosa de Deus através deCristo Rei, Ir. Verônica, Ir. Denise suas atitudes. Deus lhes pagueme nossa madre Maria Stella por tudo!!!! A vocês nossas irmãsseriam capazes de dar início a queridas o nosso eterno amor.esta obra. Com a Virgem Maria ,nossas fundadoras deram o seu Cidinha, ocds
  • 29. Divinópolis-MG Comunidade Santa Edith SteinA Comunidade Santa Edith Stein teve seu retiro espiritual no dia23/09/2012, tendo como pregador Frei André, ocd, que abordou otema: A VOCAÇÃO DO CARMELITA SECULAR.Vivemos momentos intensos de partilha, de crescimento fraterno eespiritual e de muitas graças.O secular é chamado a procurar que a Trilhar o caminho teresiano é colocar-seoração penetre toda a sua existência, para nas mãos de Deus e deixar que Ele noscaminhar na presença de Deus vivo. conduza. "Eis aqui meu coração, deponho-o em vossa palma."
  • 30. Rio de Janeiro-RJ Comunidade Santa TeresaNo dia 26 de agosto comemoramos os 15 anos de nossa Comunidade,com um dia de retiro e ao final, a Santa Missa em Ação de Graças. Naocasião fez suas Promessas Definitivas Jurema, e PromessasTemporárias Maria e Ana Cláudia. A Irmã Lidiane, das CarmelitasServas dos Pobres, local onde nos reunimos, renovou seus votos. Aofinal, uma linda festa."As misericórdias do Senhor, eternamente eu cantarei"
  • 31. CARMELO VIRTUAL BLOGS DA OCDS DO SUDESTE Comunidade Alegria da Sagrada Face (OCDSREDES SOCIAIS de Itapetininga-SP): http://ocdsalegriadasagradaface.blogspot.com/TWITER: Comunidade Santa Teresinha do Menino http://twitter.com/ocdsbrasil Jesus (OCDS de São Roque-SP): http://saoroqueocds.blogspot.com/FACEBOOK:http://www.facebook.com/pages/Ordem-Dos-Carmelitas-Descal%C3%A7os- Comunidade Nossa Senhora do Carmo (OCDSSeculares/132884536754686 de Goiânia-GO) http://www.comunidadenossasenhoradocarmogo. blogspot.com/BLOGS DA OCDSBLOG DA OCDS - PROVÍNCIA SÃO JOSÉ Comunidade Santa Teresinha do Meninohttp://ocdsprovinciasaojose.blogspot.com/ Jesus (OCDS de Campinas-SP) http://blogocdscampinas.blogspot.com/BLOG DOS JOVENS CARMELITAShttp://carmelitasjovens.blogspot.com/ Comunidade Santa Teresinha do Menino Jesus (OCDS de Passos-MG)BLOG DOS CASAIS CARMELITAS Comunidade Santa Edith Stein (Três Pontas-http://casaiscarmelitas.blogspot.com/ MG) http://ocdssantaedith.blogspot.com/BLOG DOS TEXTOS CARMELITANOShttp://documentosocdsigreja.blogspot.com/ BLOGS DA OCDS DO CENTRO- OESTELUGAR DE PARTILHA – LENDO JUNTOSSANTA TERESA Comunidade Santa Teresinha do Meninohttp://lendojuntossantateresa.blogspot.com Jesus e Santo Eliseu (OCDS de Brasília-DF) http://ocdsdebrasilia.blogspot.com/SÃO JOSÉ – PATRONO DO CARMELOhttp://saojosepatronodocarmelo.blogspot.com/ BLOGS DA OCD Boletim de Notícias da Província São JoséBLOGS DA OCDS DO NORDESTE http://provsjose.blogspot.com/Comunidade Rainha do Carmelo (OCDS deFortaleza-CE): Pastoral Vocacional Carmelitanahttp://rainhadocarmelo.blogspot.com/ http://www.pastoralvocacionalcarmelitana.blogspo t.com/Comunidade São José de Santa Teresa (OCDSde Fortaleza-CE): Centro Teresiano de Espiritualidade:http://saojosedesantateresa.blogspot.com http://centroteresianodeespiritualidade.blogspot.c om/Grupo São João da Cruz (OCDS de Ibiapina-CE):http://ocdsibiapina.blogspot.com/Comunidade Santa Teresinha do Menino Jesus(OCDS de Teresina-PI):http://stateresinhadomeninojesus.blogspot.com REVISTA DO BLOG DA OCDS -Grupo Santa Teresinha do Menino Jesus e da PROVÍNCIA SÃO JOSÉSagrada Face (Camaragibe-PE):http://ocdscamaragibe.blogspot.com.br/ POSTAGENS DE AGOSTO/2012 ANO I - Nº 2 ORGANIZAÇÃO, EDIÇÃO E DIAGRAMAÇÃO: LUCIANO DÍDIMO