Mídia - Meio Televisão

10,397 views

Published on

Apresentação da disciplina de Mídia do curso de Publicidade e Propaganda com o tema Meio Televisão.

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,397
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
217
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mídia - Meio Televisão

  1. 1. Meio Televisão Prof. Lucas Pelaez lucaspelaez@gmail.com Aula: 09
  2. 2. O Meio Televisão • É o meio mais utilizado nas campanha de mídia, recebendo a maior participação do bolo de investimento publicitário; • Possui penetração de quase 100% sobre a população brasileira;
  3. 3. O Meio TelevisãoFonte: Intermeios 2012 + IAB
  4. 4. Perfil do Meio Televisão 46% 54% Fonte: Mídia Dados 20102
  5. 5. Perfil do Meio Televisão Classe Econômica 23% 24% 25% 12% 10% 2% 4% 1% Fonte: Mídia Dados 20102 A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Faixa Etária 20% 19% 17% 15% 9% 11% 9% 10/14 15/19 20/29 30/39 40/49 50/64 65 +
  6. 6. Penetração do Meio Televisão 97% 97% Fonte: Mídia Dados 20102 Fonte: Mídia Dados 2010
  7. 7. Penetração do Meio Televisão Classe Econômica 95% 96% 97% 98% 98% 96% 91% 85% Fonte: Mídia Dados 20102 A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Faixa Etária 99% 97% 97% 97% 97% 97% 96% 10/14 15/19 20/29 30/39 40/49 50/64 65 +
  8. 8. Penetração em Domicílios por RegiãoNorteDomicílios: 3.623 NordestePosse: 88,6% Domicílios: 13.912 Posse: 91,8% Fonte: Mídia Dados 20102 Centro Oeste Sudeste Domicílios: 4.246 Domicílios: 24.998 Posse: 95,5% Posse: 97,7% Sul Domicílios: 8.719 Posse: 96,9% Fonte: Mídia Dados 2010
  9. 9. Evolução do número de telespectadores Ano Quantidade (mil) Posse 1970 4.250 24,1% 1980 14.143 56,1% Fonte: Mídia Dados 20102 1990 26.226 73,7% 2000 38.907 87,0% 2010 55.446 94,7% 2011 54.260 95,2% 2012 55.499 95,2%
  10. 10. Quantidade de Veículos • Existem aproximadamente 34 emissoras de televisão (Donos da Mídia 2000) • A grande maioria concentra-se em redes, conforme abaixo: Emissora Geradoras 1 Rede Globo 122 Fonte: Mídia Dados 20102 2 SBT 97 3 Band 82 4 Record 55 5 Rede TV 40 6 MTV 7 7 CNT 6 8 TV Gazeta 1 - Total 410 - TV Educativa 43
  11. 11. Cobertura das Principais Redes Emissora Domicílios % Rede Globo 55.315 99,6% SBT 53.880 96,7% Band 49.636 88,4% Record 51.305 91,8% Fonte: Mídia Dados 20102 Rede TV 43.672 78,2% MTV 20.228 35,2% CNT 20.521 35,8% TV Gazeta 12.476 21,8% Total 55.499 100,0%
  12. 12. Audiência das Principais Redes Outros Globo 19% 34% Rede TV 2% Fonte: Mídia Dados 20102 Record 20% Band SBT 5% 20%
  13. 13. Pesquisa IBOPE 2011
  14. 14. Audiência x Share• Qual a diferença de Audiência e Share? Fonte: Mídia Dados 2010
  15. 15. Audiência x Share• Audiência: total pessoas (ou percentual) com televisores ligados;• Share: percentual das pessoas que estão visualizando um determinado programa em relação ao total das pessoas que estão com a televisão ligada; Fonte: Mídia Dados 2010
  16. 16. Curva de Audiência Fonte: Mídia Dados 2010
  17. 17. Curva de Audiência Fonte: Mídia Dados 2010
  18. 18. ConstelaçãoMediática
  19. 19. ConstelaçãoMediática
  20. 20. Vantagens• Principal fonte de informação e o maior veículo para comunicação de massa;• Alta cobertura geográfica / grande alcance por mensagem transmitida;• Um dos CPM mais baixos, apesar dos altos investimentos;• Possui a maior penetração entre todos os meios de comunicação;• Dinamismo: aliando som, imagem, cor e movimento;• Não exige instrução, nem renda para ser consumida – único investimento: aquisição de um aparelho.
  21. 21. Desvantagens• É uma das mídias que mais necessita investimento;• Necessidade de repetição (frequência);• Por ser um veículo de comunicação de massa, tem baixa seletividade e acumula alto índice de dispersão;• Desvantagens técnicas – antecedência nas reservas;• Considerável custo de produção;
  22. 22. Formas de Comercialização • Formatos mais comuns: • 15 segundos (75% do valor de 30” em alguns casos) • 30 segundos (o mais comum) • 45 segundos • 60 segundos • 90 segundos (poucos veículos ainda aceitam) • O tempo comercial é de 25%, ou seja, a cada hora de programação podem ser destinados 15 minutos de comerciais em até 5 blocos;
  23. 23. Formas de Comercialização • Outros formatos: • Patrocínio: vinheta de abertura e encerramento (5”); • Break Exclusivo (criado na abertura de um programa); • Comercial Chamado; • Programetes; • Bonificação / Descontos / Reaplicação; • Merchandising;
  24. 24. Formas de Comercialização • O que se pode esperar de uma ação de Merchandising: • Criação ou Mudança de hábitos e padrões de comportamento (o público tende a imitar seus ídolos); • Garantia do envolvimento do telespectador (devido à sua adequação editorial e perfil dos personagens); • Poder da recomendação decorrente da credibilidade dos personagens; • Impacto da mensagem potencializado; • Exemplo: http://www.youtube.com/watch?v=yJOj83VbIIE
  25. 25. Formas de Comparação• Quais são os critério utilizados para escolha do veículo/programa?
  26. 26. Formas de Comparação• São utilizados diversos critérios para a escolha do veículo/programa, são eles: • Dia e horário de veiculação; • Adequação com o público alvo da campanha; • Perfil do público do programa; • Alcance do veículo; • Audiência e Share; • Investimento e CPM;
  27. 27. Alcance do Veículo
  28. 28. Perfil do Público
  29. 29. Audiência e Share
  30. 30. Investimento
  31. 31. Formas de Mensuração• No meio televisão a principal informação utilizada para avaliar o investimento realizado em determinada campanha é o GRP;• Outros dados de mensuração são impactos e CPM;
  32. 32. GRP• Nos EUA desde 40. No Brasil desde 1969 (Ibope);• Pontos Brutos de Audiência (Gross Rating Pointing);• É a soma das audiências;• Saber o “esforço de veiculação” das programações de TV;• O total de GRP de uma programação é calculado multiplicando- se o número de inserções de determinado programa pelo seu índice de audiência.
  33. 33. GRP• Fórmula: Inserções x Audiência Programa Inserções Audiência (%) Cálculo GRP Novela III 3 50 3 x 50 150 Jornal Nacional 2 49 2 x 49 98 TOTAL 5 - 150 + 98 248 ATENÇÃO: Dois programas podem ter a mesma quantidade GRP mais exigir investimentos diferentes.
  34. 34. Impactos• A quantidade de vezes que um determinado comercial é visualizado pelo telespectador;• É o GRP expresso em números absolutos; • Fórmula: GRP x População
  35. 35. Custo por Mil – CPM• Valor investido pelo cliente necessário para impactar mil pessoas / telespectadores;• Fórmula: Preço ou Verba x 1000 Total de pessoas ou impactos
  36. 36. TV Digital• A TV Digital viabiliza a aplicação do conceito TV 2.0;• Os conceitos para TV 2.0 não são todos iguais aos da WEB 2.0 mas se aproxima muito – TV o usuário escolhe o que quer ver na hora que quer ver, ou seja, ele faz sua programação;• As pessoas deixam de ser somente consumidores, mas também como produtores de comunicação;
  37. 37. TV Digital• TiVo: um dos primeiros movimentos na era da DTV, grava a programação para visualizar depois.
  38. 38. TV Digital• Current TV: emissora de TV via web onde o assinante pode enviar programas para ser compartilhado.
  39. 39. TV Digital• Current TV: emissora de TV via web onde o assinante pode enviar programas para ser compartilhado.
  40. 40. TV Digital• TV Pagas: TVs por assinatura já utilizam sistema digital tanto no sinal quanto na interatividade.
  41. 41. TV Digital• Smart TVs: movimento atual para gerar interação com o usuário, porém não utiliza a plataforma da TV Digital, mas sim a internet.
  42. 42. TV Digital• Diferença entre sinal digital e TV Digital; Sinal HD/FullHD Interatividade
  43. 43. TV Digital• Ginga: sistema de interatividade da TV Digital brasileira;• Vídeo: http://youtu.be/knpFrNvLvPk
  44. 44. TV Digital • Melhor qualidade de imagem e som; • Mudança na Maneira de Consumir e por consequência de programar e comprar a mídia; • Televisão a qualquer hora e qualquer local; • Grande transformação: mobilidade, portabilidade, interatividade; • Vídeo interatividade: http://youtu.be/MlylAi7v0WA
  45. 45. TV Digital • Indústria de eletrônicos já acompanha toda as mudanças que a DTV trouxe nos hábitos dos telespectadores. Novas opções de acesso, incentivarão a portabilidade e interatividade. Computador Celular TV portátil Geladeira Carro Ônibus Micro system
  46. 46. TV Digital • Como ficará a publicidade com a TV Digital? • Vídeo (publicidade na DTV): http://youtu.be/VMaDe81Fbls • Vídeo (propaganda interativa): http://youtu.be/YrHcdldlgSY • Vídeo (uso do Ginga): http://youtu.be/QRsDG57E354
  47. 47. TV Paga / TV por Assinatura
  48. 48. O Meio Televisão por Assinatura • Uma das mídias que mais oferece possibilidades de segmentação; • Segmentar não é dividir, mas reunir. É a personalização na mídia (Jaime Troiano);
  49. 49. O Meio Televisão por AssinaturaFonte: Intermeios 2012 + IAB
  50. 50. Perfil do Público 48% 52% Fonte: Mídia Dados 2012
  51. 51. Perfil do Público Classe Econômica 31% 24% 17% 10% 11% 5% 2% 0% A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Fonte: Mídia Dados 2012 Faixa Etária 32% 22% 17% 9% 10% 7% 3% 10/14 15/19 20/29 30/39 40/49 50/64 65 +
  52. 52. Penetração do Meio 18% 17% Fonte: Mídia Dados 2012 Fonte: Mídia Dados 2010
  53. 53. Penetração do Meio Classe Econômica 52% 43% 34% 23% 13% 8% 4% 1% A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Fonte: Mídia Dados 2012 Faixa Etária 34% 27% 18% 16% 10% 8% 5% 10/14 15/19 20/29 30/39 40/49 50/64 65 + Fonte: Mídia Dados 2010
  54. 54. Evolução do Número de Assinantes (mil)Fonte: Mídia Dados 2012
  55. 55. Evolução do Número de Assinantes (mil)Fonte: Portal Anatel
  56. 56. Número Assinantes NET Santa Catarina
  57. 57. Valores de Veiculação NET
  58. 58. Tecnologia UtilizadaFonte: Mídia Dados 2012
  59. 59. Tecnologia UtilizadaFonte: Portal Anatel Fonte: Mídia Dados 2010
  60. 60. Tecnologia UtilizadaFonte: Portal Anatel Fonte: Mídia Dados 2010
  61. 61. Tecnologia UtilizadaFonte: Portal Anatel Fonte: Mídia Dados 2010
  62. 62. Curva de AudiênciaFonte: Midia Dados 2012
  63. 63. ConstelaçãoMediática
  64. 64. ConstelaçãoMediática
  65. 65. Vantagens• É uma mídia seletiva, possui público qualificado;• Ótima qualidade de som e imagem;• Baixo valor absoluto dos comerciais;• Flexibilidade na negociação dos formatos comerciais;• Ótima segmentação do público;
  66. 66. Desvantagens• Baixa audiência;• Baixa penetração do meio;• Não favorece a regionalização dos anúncios;
  67. 67. Formas de Comercialização• Indeterminado: rotativo;• Determinado: por faixa horária, horário e programa;• Gênero: por canal e programa;• Patrocínios de programas;• Projetos Especiais;
  68. 68. Formas de Comercialização
  69. 69. Tendências• Os pacotes com programações reduzidas tem aumentado o percentual de participação da classe C;• Venda conjunta de serviços (vídeo, banda larga e telefone) impulsiona o crescimento. Ex.: NET Combo.• Crescimento do PAY-PER-VIEW (futebol, filmes, reality shows, etc.)• Comercialização Regional;
  70. 70. Cinema
  71. 71. Cinema• Meio estritamente local;• Considerada uma mídia complementar;• Baixa participação no bolo publicitário;
  72. 72. O Meio CinemaFonte: Intermeios 2012 + IAB
  73. 73. Perfil do Público 48% 52% Fonte: Mídia Dados 2012
  74. 74. Perfil do Público Classe Econômica 31% 24% 17% 10% 11% 5% 2% 0% A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Fonte: Mídia Dados 2012 Faixa Etária 32% 22% 17% 9% 10% 7% 3% 10/14 15/19 20/29 30/39 40/49 50/64 65 +
  75. 75. Penetração do Meio 18% 17% Fonte: Mídia Dados 2012
  76. 76. Penetração do Meio Classe Econômica 52% 43% 34% 23% 13% 8% 4% 1% A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Fonte: Mídia Dados 2012 Faixa Etária 34% 27% 18% 16% 10% 8% 5% 10/14 15/19 20/29 30/39 40/49 50/64 65 +
  77. 77. Número de Cinemas que Exibem Publicidade Fonte: Mídia Dados 2010
  78. 78. ConstelaçãoMediática
  79. 79. ConstelaçãoMediática
  80. 80. Vantagens• Alta concentração à mensagem;• Alta seletividade do público jovem;• Baixo investimento absoluto;
  81. 81. Desvantagens• Baixa cobertura;• Necessidade de programação em um grande número de salas;• Dificuldade de controle e fiscalização;
  82. 82. Formas de Comercialização • Alto custo de produção, mas o de veiculação é baixo; • Os cinemas são classificados em classes A, AB, BC, CD, conforme sua localização, instalação e número de habitantes da cidade; • São duas as técnicas de comercialização: • Cine-semanas –inserções em todos os intervalos da sessão de cinema; • Cine-rotativo – Compra de pacotes de cinema, agrupados por classe, com programação mínima de três meses;
  83. 83. Formas de Comercialização
  84. 84. Formas de Comercialização • A propaganda no cinema foi regulamentada em 1996. A mensagem comercial é limitada a 3 por sessão, devendo o comercial ser exibido à meia luz. Embora não havendo revogação do Decreto-Lei 43 de 18/11/1966, essa determinação é pouco respeitada no dia-a-dia.
  85. 85. Formas de Comercialização

×