A sociedade feudal - 7-ano

18,210 views
18,007 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
18,210
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4,006
Actions
Shares
0
Downloads
369
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A sociedade feudal - 7-ano

  1. 1. A SOCIEDADE FEUDAL
  2. 2. ORIGENS DO FEUDALISMO
  3. 3. O FEUDALISMO PODE SER DEFINIDO COMO UMA FORMA DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL POLÍTICA E ECONÔMICA BASEADA NA RELAÇÃO DE FIDELIDADE E DEPENDÊNCIA ENTRE OS HOMENS
  4. 4. COMEÇOU A SER FORMAR COM A CRISE DO IMPÉRIO ROMANO E ENTROU EM DECLÍNIO NO SÉCULO XIV
  5. 5. O MODELO CLÁSSICO DO FEUDALISMO VERIFICOU-SE EM PARTES DA FRANÇA E DA ALEMANHA, QUE FORMARAM O IMPÉRIO CAROLÍNGIO.TAMBÉM ESTEVE PRESENTE NA ITÁLIA NA ESPANHA E NA INGLATERRA.
  6. 6. DEPOIS DA DESINTEGRAÇÃO DO IMPÉRIO CAROLÍNGIO OS REIS PERDERAM GRANDE PARTE DE SEU PODER PARA OS MEMBROS DA NOBREZA.
  7. 7. A FIM DE ASSEGURAR A LEALDADE DOS NOBRES OS REIS FAZIAM COM ELES ALIANÇAS INDIVIDUAIS, POR MEIO DAS QUAIS JURAVAM FIDELIDADE DE UM AO OUTRO .
  8. 8. NA MAIORIA DESSES COMPROMISSO ERA SELADO COM A DOAÇÃO DE UM BENEFÍCIO – O FEUDO – EM GERAL TERRAS , POR PARTE DO REI.
  9. 9. OS REIS AO CONCEDEREM O FEUDO SOB FORMA DE TERRAS , CEDIAM TAMBÉM AOS SENHORES OS DIREITOS SOBRE A POPULAÇÃO ALI EXISTENTE
  10. 10. CARACTERÍSTICAS DO FEUDALISMO
  11. 11. ENFRAQUECIMENTO DO PODER CENTRAL.
  12. 12. FRAGMENTAÇÃO DO TERRITÓRIO EM DIVERSOS FEUDOS: PODER DOS NOBRES; LAÇOS DE DEPENDÊNCIA PESSOAL
  13. 13. ECONOMIA AGRÍCOLA DE SUBSISTÊNCIA.
  14. 14. O FEUDO <ul><li>O FEUDO ERA UM BENEFÍCIO, MUITAS VEZES UMA ÁREA TERRITORIAL, QUE O SENHOR DOAVA A UM NOBRE. </li></ul><ul><li>QUEM DOAVA ERA CHAMADO DE SUSERANO OU SENHOR QUE RECEBIA A DOAÇÃO CHAMAVA-SE VASSALO. </li></ul>
  15. 15. FEUDO
  16. 16. SUSERANO E VASSALO
  17. 17. <ul><li>O VASSALO NÃO ERA PROPRIETÁRIO DO FEUDO – ELE PODIA USUFRUIR DESSE BEM. </li></ul><ul><li>MAS ESTAVA PROIBIDO DE VENDER A TERRA. </li></ul><ul><li>A PARTIR DO SÉCULO IX, O FEUDO TORNOU-SE UM BEM HEREDITÁRIO. </li></ul><ul><li>AO RECEBER AS TERRAS O VASSALO TORNAVA-SE SENHOR DAS TERRAS , QUE RECEBIA. </li></ul><ul><li>ELE PODIA ENTÃO DOAR PARTE DESSAS TERRAS A UM OUTRO HOMEM , E ASSIM TORNAR-SE TAMBÉM SUSERANO OU SENHOR . </li></ul><ul><li>TAL PROCEDIMENTO PODERIA OCORRER DIVERSAS VEZES. PORTANTO ERA COMUM UM HOMEM SER SENHOR E VASSALO DE DIFERENTES PESSOAS. </li></ul>
  18. 18. O VASSALO NÃO ERA PROPRIETÁRIO DO FEUDO – ELE PODIA USUFRUIR DESSE BEM. MAS ESTAVA PROIBIDO DE VENDER A TERRA
  19. 19. ELE PODIA ENTÃO DOAR PARTE DESSAS TERRAS A UM OUTRO HOMEM, E ASSIM TORNAR-SE TAMBÉM SUSERANO OU SENHOR
  20. 20. A ORGANIZAÇÃO DO SENHORIO <ul><li>O SENHORIO ERA A TÍPICA UNIDADE DE PRODUÇÃO FEUDAL . </li></ul><ul><li>CONCEDIDO PELO REI A UM SENHOR , CONSISTIA EM UM DOMÍNIO FORMADO PELA TERRAS E PELA AUTORIDADE SOBRE SEUS HABITANTES PARA FAZER JUSTIÇA, COBRAR IMPOSTOS E ORGANIZAR A DEFESA MILITAR. </li></ul><ul><li>ERA DIVIDO EM TRÊS PARTES – RESERVAS SENHORIAS, MANSOS SERVIS E TERRAS COMUNAIS </li></ul>
  21. 21. A ORGANIZAÇÃO DO SENHORIO
  22. 22. RESERVAS SENHORIAIS <ul><li>TERRAS EXCLUSIVAS DO SENHOR CULTIVADAS PELOS CAMPONESES DURANTE ALGUNS DIAS DA SEMANA EM BENEFÍCIO DO SENHOR FEUDAL </li></ul>
  23. 23. RESERVAS SENHORIAIS
  24. 24. MANSOS SERVIS <ul><li>PEQUENAS FAIXAS DE TERRA CEDIDAS AOS CAMPONESES PARA QUE CULTIVASSEM PARA SEU PRÓPRIO SUSTENTO. </li></ul>
  25. 25. MANSOS SERVIS
  26. 26. TERRAS COMUNAIS <ul><li>TERRAS USADAS TANTO PELO SENHOR QUANTO PELOS CAMPONESES, PRINCIPALMENTE PARA A PASTAGEM DOS ANIMAIS, A COLETA DE FRUTOS E A EXTRAÇÃO DE MADEIRA </li></ul>
  27. 27. TERRAS COMUNAIS
  28. 28. NO CENTRO DOS DOMÍNIOS SENHORIAIS FICAVA A RESIDÊNCIA DO SENHOR: O CASTELO (OU ABADIA, NO CASO DE O SENHORIO TER SIDO CONCEDIDO A IGREJA)
  29. 29. UMA SOCIEDADE DIVIDIDA
  30. 30. SEGUNDO O BISPO ADALBERON, A ESTRUTURA DA SOCIEDADE FEUDAL FOI DIVIDA EM CLERO, NOBREZA E CAMPESINATO E NÃO PODERIA SER MODIFICADA, PORQUE ESSA ESTRUTURA ERA REFLEXO DA ESTRUTURA CELESTE
  31. 31. ESSA ESTRUTURA ERA REFLEXO DA ESTRUTURA CELESTE, REPRESENTADA PELO PAI FILHO E PELO ESPÍRITO SANTO, ALTERÁ-LA SERIA O MESMO QUE IR CONTRA VONTADE DE DEUS.
  32. 32. <ul><li>PORTANTO QUEM NASCIA NUMA FAMÍLIA DE SERVOS OU DE NOBRES DEVERIAM PERMANECER NESSAS CONDIÇÕES PARA SEMPRE, O MESMO ACONTECENDO COM GERAÇÕES SEGUINTES </li></ul>
  33. 33. OS QUE LUTAVAM
  34. 34. OS NOBRES ERAM OS ÚNICOS QUE PODIAM RECEBER FEUDOS.
  35. 35. A NOBREZA DIVIDIA-SE EM VÁRIOS GRAUS DE IMPORTÂNCIA, DETERMINADA PELO TÍTULO DO NOBRE: CONDE,DUQUE, MARQUES E CAVALEIRO.ESSES TITULOS PASSAVAM DE PAI PARA FILHO
  36. 36. O REI ERA O MAIS IMPORTANTE DOS NOBRES.
  37. 37. EM TEMPOS DE PAZ ERA PROMOVIDOS TORNEIOS QUE SIMULAVAM COMBATES
  38. 38. COM O PASSAR DO TEMPO A IGREJA CRIOU REGRAS PARA ESSES TORNEIOS, A FIM DE EVITAR PERDAS DE VIDAS E DESTRUIÇÃO DAS PLANTAÇÕES.
  39. 39. OS QUE ORAVAM
  40. 40. OS QUE ORAVAM <ul><li>O CLERO DIVIDIA-SE EM DOIS GRUPOS PRINCIPAIS: O ALTO CLERO E O BAIXO CLERO. </li></ul><ul><li>O ALTO CLERO ERA FORMADO, EM SUA MAIORIA POR PESSOAS NASCIDAS NAS FAMÍLIAS NOBRES. </li></ul><ul><li>SEUS MEMBROS TINHAM MUITO PODER E TERRAS E ASSUMIAM AS SEGUINTES TAREFAS: </li></ul>
  41. 41. O ALTO CLERO ERA FORMADO, EM SUA MAIORIA POR PESSOAS NASCIDAS NAS FAMÍLIAS NOBRES
  42. 42. O ALTO CLERO CUIDAVA DA ADMINISTRAÇÃO DOS FEUDOS, POIS ERA, EM GERAL, OS ÚNICOS ALFABETIZADOS.
  43. 43. POR SEREM CONSIDERADOS INTERMEDIÁRIOS ENTRE OS HOMENS E DEUS, ERAM RESPONSÁVEIS POR CONDUZIR AS ALMAS NO CAMINHO DA SALVAÇÃO
  44. 44. AO BAIXO CLERO, CABIA O TRABALHO BRAÇAL NAS PARÓQUIAS E O ATENDIMENTO AOS POBRES E NECESSITADOS
  45. 45. OS QUE TRABALHAVAM
  46. 46. O SERVO, OU SERVO DA GLEBA , ERA A PRINCIPAL FORÇA DE TRABALHO DO SISTEMA FEUDAL .
  47. 47. EM TROCA DE PROTEÇÃO E DO USUFRUTO DA TERRA, O SERVO DEVIA CULTIVAR OS TERRENOS RECEBIDOS E AS TERRAS PESSOAIS DO SENHOR.
  48. 48. ALÉM DISSO PAGAVA IMPOSTOS E FAZIA VÁRIAS OUTRAS TAREFAS COMO CONSERTAR PONTES, ESTRADAS, ETC.
  49. 49. A RELAÇÃO ENTRE OS SERVOS APOIAVA-SE NA SOLIDARIDADE .
  50. 50. OS VILÕES <ul><li>ERAM CAMPONESES LIVRES QUE VIVIAM NAS VILAS. </li></ul><ul><li>ELES SE ORIGINARAM DOS TRABALHADORES LIVRES DO IMPÉRIO ROMANO QUE CONSEGUIRAM COMPRAR PEQUENOS LOTES DE TERRA. </li></ul><ul><li>COM PASSAR DO TEMPO MUITO VILÕES FORAM OBRIGADOS A CEDER SUAS PROPRIEDADES PARA OS SENHORES EM TROCA DE PROTEÇÃO </li></ul>
  51. 51. OS VILÕES ERAM CAMPONESES LIVRES QUE VIVIAM NAS VILAS.
  52. 52. OS ESCRAVOS <ul><li>A ESCRAVIDÃO ERA PEQUENA E RESTRITA. </li></ul><ul><li>OS ESCRAVOS TRABALHAVAM, PRINCIPALMENTE, NOS AFAZERES DOMÉSTICOS DOS CASTELOS SENHORIAIS. </li></ul>
  53. 53. OS ESCRAVOS TRABALHAVAM, PRINCIPALMENTE, NOS AFAZERES DOMÉSTICOS DOS CASTELOS SENHORIAIS
  54. 54. SINAL DE STATUS <ul><li>ASSIM COMO A ROUPA, O MODO DE COMER CARNE , NA IDADE MEDIA , TAMBEM ERA INDICADOR DO STATUS SOCIAL DA CADA INDIVIDUO . </li></ul><ul><li>EM GERAL, OS SERVOS CONSUMIAM A CARNE COZIDAS, COMO UM COMPLEMENTO PARA AS SOPAS E PAPAS DE CEREAIS E LEGUMES. </li></ul><ul><li>ISSO INDICAVA QUE A ALIMENTAÇÃO DELES ERA BOA PARTE VEGETARIANA. </li></ul><ul><li>OS SENHORES COMIAM A CARNE PREFERENCIALMENTE ASSADA OU GRELHADA. </li></ul><ul><li>ENFATIZAVAM ESSA FORMA DE COMER COMO UMA DEMOSTRAÇÃO DE FORÇA : ASSOCIAVAM O “GUERREIRO” AO “ANIMAL PREDADOR ”, CAPAZ DE CAÇAR E ABATER SUAS PRESAS COMO FORÇA E DESTREZA. </li></ul>
  55. 55. ASSIM COMO A ROUPA, O MODO DE COMER CARNE, NA IDADE MEDIA, TAMBEM ERA INDICADOR DO STATUS SOCIAL DA CADA INDIVIDUO.
  56. 56. EM GERAL, OS SERVOS CONSUMIAM A CARNE COZIDAS, COMO UM COMPLEMENTO PARA AS SOPAS E PAPAS DE CEREAIS E LEGUMES. ALIMENTAÇÃO DELES ERA BOA PARTE VEGETARIANA.
  57. 57. OS SENHORES COMIAM A CARNE PREFERENCIALMENTE ASSADA OU GRELHADA .
  58. 58. ROUPAS DA IDADE MEDIA

×