Your SlideShare is downloading. ×
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Paradigmas midiologicos   levy
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Paradigmas midiologicos levy

133

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
133
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  Pierre Lévy . Francês, nasceu em 1956 . “Filósofo da informação”, estuda as interações entre a Internet e a sociedade . Doutorou-se em Sociologia e em Ciências da Informação e da Comunicação . Lecionou em várias universidades de Paris e Montréal . É professor da UQTR (Université du Québec à Trois-Rivières) . Presta serviço a vários governos, organismos internacionais e grandes empresas sobre as implicações culturais das novas tecnologias . Autor de obras filosóficas sobre a cultura do mundo virtual e as novas tecnologias Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 2.  Obras traduzidas . As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática (1992) . As árvores de conhecimentos (1995, em co-autoria com Michel Authier) . O que é o virtual? (1996) . A ideografia dinâmica: para uma imaginação artificial? (1997) . A ideografia dinâmica: rumo a uma imaginação artificial? (1998) . A máquina universo: criação, cognição e cultura informática (1998) . Cibercultura (1999) . A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço (2000) . Filosofia world: o mercado, o ciberespaço, a consciência (2000) . A Conexão Planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência (2001) . Ciberdemocracia (2003) Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 3.  Tecnófilos . Corrente de pensadores esperançosa nas boas novas para o homem que nos traria o progresso das tecnologias de informação . Outros: Nicholas Negroponte, Phillippe Quéau e Alvin Toffler . Tecnologia exige uma nova filosofia prática, em vez de crítica; corrigir os erros, em vez de denunciá-los . Proposta: aprender o real que está nascendo, torná-lo autoconsciente, acumulável e guiar seu movimento de forma que venha a tornar suas potencialidades mais positivas Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 4.  Ciberespaço . Novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores . Não só infraestrutura material, mas o oceano de informações que a comunicação digital abriga, assim como os humanos que navegam, habitam e se alimentam desse universo  Cibercultura . Conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço . Tendências da cibercultura: universalização, virtualização Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 5.  Perspectiva . Internet inaugura um espaço de comunicação inovador, inclusivo, dinâmico, universal e transparente . Internet representa uma abertura para o mundo e a liberdade de expressão . Constitui igualmente a infraestrutura da nova economia, cujos altos e baixos não devem mascarar a tendência de fundo, inegavelmente construtiva . As redes em que ela se apoia estimulam o aparecimento de uma nova ecologia cognitiva, a difusão de uma inteligência coletiva e a expansão da cidadania através do exército da tecnodemocracia Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 6.  Inteligência Coletiva . Um dos principais motores da cibercultura . É uma inteligência distribuída por toda a parte, incessantemente valorizada, coordenada em tempo real, que resulta em mobilização efetiva das competências . Ninguém sabe tudo, todos sabem alguma coisa, todo o saber está na humanidade . Novo tipo de pensamento sustentado por conexões sociais que sãoviáveis através da utilização das redes abertas de computação da Internet . Ex: Wiki Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 7.  Técnicas e Tecnologias . Metáfora do “impacto” não é adequada para tratar a tecnologia . Tecnologias são produtos de uma sociedade e de uma cultura . A técnica é um ângulo de análise dos sistemas sócio-técnicos globais, um ponto de vista que enfatiza a parte material e artificial dos fenômenos humanos, e não uma entidade real, que existira independentemente do resto . Por trás das técnicas agem e reagem ideias, projetos sociais, utopias, interesses econômicos, estratégias de poder, toda a gama dos jogos do homem em sociedade . Novas implicações cognitivas, culturais, econômicas e sociais . Velocidade de transformação é uma constante da cibercultura (dificuldade de domínio) Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 8.  Técnicas e Tecnologias . A emergência do ciberespaço acompanha, traduz e favorece uma evolução geral da civilização . Uma técnica é produzida dentro de uma cultura, e uma sociedade encontra-se condicionada por suas técnicas . Uma técnica não é nem boa, nem má (isto depende dos contextos, dos usos e dos pontos de vista), tampouco neutra (já que é condicionante ou restritiva, já que de um lado abre e de outro fecha o espectro de possibilidade) Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 9.  Virtual . Virtual pode ser entendido pelo sentido filosófico, ou de uso corrente . Filosófico: virtual é o que existe apenas em potência e não em ato . Algo que não é físico, apenas conceitual . Dimensão importante da realidade . Uso corrente: irrealidade . Em filosofia, contudo, o virtual não se opõe ao real mas sim ao atual: virtualidade e atualidade são apenas dois modos diferentes da realidade . O virtual carrega uma potência de ser, enquanto o atual já é Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 10.  Ciberespaço é universal, NÃO totalizante . Quanto mais o ciberespaço se amplia, mais ele se torna “universal”, e menos o mundo informacional se torna totalizável . Tende a um interconexão geral das informações, da máquina e dos homens . Se “a mídia é a mensagem” (McLuhan), a mensagem dessa mídia é o universal, ou a sistematicidade transparente e ilimitada. . A escrita abriu um espaço de comunicação desconhecido pelas sociedades orais; atores da comunicação não dividiam mais a mesma cena, não estavam mais em interação direta; “fora de contexto” . Mídias de massa dão continuidade ao ideal universal e totalizante da escrita; busca um denominador comum Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 11.  Ciberespaço é universal, NÃO totalizante . Cibercultura: mensagem inserida num contexto vivo e dinâmico, todos compartilham mesmo contexto . Não pode mais haver um fechamento semântico ou uma totalização . Tendência comunitária e libertária é que comanda o crescimento do ciberespaço . Universal: presença (virtual) da humanidade em si mesma . Totalidade: conjunção estabilizada do sentido de uma pluralidade . A cibercultura mostra que existe uma outra forma de instaurar a presença virtual da humanidade em si mesma (o universal) que não seja por meio da identidade do sentido (a totalidade) Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico
  • 12.  Conclusões . A técnica não é uma forma real, os sujeitos são os seres humanos situados social e historicamente . Não reduz a cultura à tecnologia; sua atitude tecnófila não é alheia a um credo humanista . As tecnologias de comunicação, longe de se adequarem apenas a um uso instrumental e calculável, são importantes fontes de imaginação . Crítica: sucumbe à crença na boa vontade humana - para ele, os homens que o capitalismo criou preferem o esclarecimento ao lucro e poderio econômico . As esperanças postas por ele no ciberespaço só podem ser vistas como utópicas Teoria da Comunicação UNIDADE III: Paradigma Midiológico

×