GEEK’sEditora Luaedição 1 - ano 1 - nº 105 de novembro de 2012                                                       QUADR...
SUMARIO	Sociedade	   O RECONHECIMENTO DA CULTURA GEEK				                       04Comportamento	  PERIGOS DA TECNOLOGIA 		...
PUBLICIDADE              Editorial                                             EXPEDIENTE                                 ...
CIDADE                                                                                                                    ...
Foto: Paula Carolina O. SilvaPUBLICIDADE   	              A                      té algum tempo atrás, um tipo específico ...
Entrevistamos o publici-                                                                                                  ...
Igor. Há uma diversificação constante. O                     ser uma pessoa que entende, e saiba maispessoal responsável p...
ESPORTE                                                          Foto: Juliana FacioDIGA NÃO AO SEDENTARISMO      E SAIBA ...
no mínimo praticar 20 minutos de atividade       somente uma vida virtual, não podemos es-                                ...
PUBLICIDADEGEEK´S 13
Ensaio FotográficoRealizado em 04 de novembro de 2012 no Centro Cultural da Juventude – Ruth Cardoso (CCJ),representando a...
GEEK´S 17
GEEK´S 19
GEEK´S 21
GEEK´S 23
GEEK´S 25
PUBLICIDADEGEEK´S 27
ECONOMIA                                                                               Foto: Paula Carolina O. Silva   COL...
R        enan Pizii, proprietário da importa-                                   	     Já no inicio dos anos 2000 a fran-  ...
do cinema, de ficção científIca e terror. Posso   	     Uma linha luxuosa escala 1:6 (30 cen-                             ...
Palavra de Empresário        Foto: Paula Carolina O. Silva                                                                ...
MEIO AMBIENTE                                                               Contraste entre o céu, a                      ...
Medidas como, reciclagem, regula-                       mentos que compensem as emissões que                              ...
PUBLICIDADE              GEEK´S 41
Vilões são de Verdade                                                                       dos e “perfeitos” se davam bem...
EXPERIÊNCIA CONSCIENTIZADORA                                                              Teorias e suas teoriasPor Julian...
Durante o escaneamento, pude imaginar vários outros títulos como bons filmes, porLiteratura X Cinema                      ...
“Triste” Constatação!PUBLICIDADE              Por Paula Carolina O. Silva              As mulheres vivem dizendo que os ho...
ARTE / CULTURAA ARTE DOS QUADRINHOS NADA INFANTISE quem disse que não é possível trabalhar no que se gosta?Por Paula Carol...
d      e três meses ou espera para com-         mais longas aos poucos, participei de      prar os encadernados. Com a che...
HQ - Cachalote que                                                	 Na diferenciação de será lançado na França em novem-  ...
Revista GEEK´s 1ª Edição
Revista GEEK´s 1ª Edição
Revista GEEK´s 1ª Edição
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Revista GEEK´s 1ª Edição

1,490 views

Published on

Revista sobre universo NERD / GEEK criada para conclusão do curso de Jornalismo 2012 por Paula Carolina (Lua), Juliana Facio e Juliana Vasconge.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,490
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista GEEK´s 1ª Edição

  1. 1. GEEK’sEditora Luaedição 1 - ano 1 - nº 105 de novembro de 2012 QUADRINISTAS O que você precisa saber para se aventurar no em- prego que toda criança já teve. Comportamento Popularização da tecnologia contribui para crescimento da cultura POP ESPORTE Saia do sedentarismo já! Colecionáveis Mercado cresce muito nos últimos anos e atrai novos adeptos com o aumento de adaptações de HQ´s para o cinema. GEEK´SGEEK´S1
  2. 2. SUMARIO Sociedade O RECONHECIMENTO DA CULTURA GEEK 04Comportamento PERIGOS DA TECNOLOGIA 11Esporte DIGA NÃO AO SEDENTARISTO E SAIBA PORQUÊ 12Moda ENSAIO FOTOGRÁFICO INSPIRADO NOS NERD´s 18Economia e Negócios COLECIONÁVEIS – A FORÇA ESTÁ COM ELES 32Meio ambiente CENÁRIOS DO AQUECIMENTO GLOBAL 40Colunistas Paula Carolina O. Silva : Vilões são de verdade 46 Juliana Vasconge : Experiência Concientizadora 48 Paula Carolina O. Silva : Teorias e suas teorias 49 Carlos Zyon : Literatura x Cinema 50 Paula Carolina O. Silva : “Triste Constatação“ 53Cultura A ARTE DOS QUADRINHOS NADA INFANTIS 54Criticas LITERATURA - AGRADÁVEL AVENTURA GALÁCTICA 60 TV - O DESPREPARO ATRÁS DAS TELAS 61Serviços EXPOSIÇÃO - HERÓIS URBANOS 62 GEEK´SGEEK´S3
  3. 3. PUBLICIDADE Editorial EXPEDIENTE Editora-chefe: Paula Carolina O. Silva Q uando um bebê nasce, seja em qualquer Repórteres: Juliana Facio, Juliana Vas- condição, trás felicidade para todas da fa- conge e Paula C. O. Silva; mília. A GEEK’s está nascendo e o senti- mento é que surge um filho para nossa equipe, Diagramadora: Paula C. O. Silva; com toda a felicidade que pode acarretar. A cultura Revisoras: Juliana Facio, Juliana Vas- Nerd / Geek / Pop, hoje com tantos nomes, acaba conge; seguindo um único objetivo, fazer pensar. Não ser comum. Colaboradores: Allyne Christina, Car- los Zyon, LuckySonic; Nosso primeiro volume trás reportagens que Colunistas: Paula C. O. Silva, Juliana farão nosso mais novo melhor amigo, VOCÊ, de- Vasconge; sejar ingressar no mundo dos colecionadores, es- Produção Gráfica: Paula C. O. Silva; colher a profissão de quadrinista e nunca deixar de ser criança, se reconhecer na sessão compor- tamento que fala sobre as mudanças no cenário nerd nos últimos anos. Vá correndo para a repor- tagem internacional e descubra os lugares feitos especialmente pra vocês nos EUA. Ah, esportes!!! Pra quem exercita a mente e esquece o corpo, um registro sobre os benefícios de mexer as cadeiras de vez em quando. Enfim, divirtam-se lendo, pois nos divertimos mui- to preparando essa revista pra você, leitor. “QUE A FORÇA ESTEJA COM VOCÊ” Paula Carolina O. Silva – Editora Chefe GEEK´SGEEK´S5
  4. 4. CIDADE Foto: Paula Carolina O. SilvaO RECONHECIMENTO DA CULTURA GEEKFrequentemente isolada do “mundo social“, a Cultura POP entra de vezno cenário atual com um mercado exclusivoPor Juliana Vasconge Em 25 de abril 2012 a cidade de São Paulo ganhou um es- paço exclusivo aos amantes da cultura pop, nerd e geek. A proposta da loja é direcionada a um público que até então era carente deste tipo de em- Fachada da Loja preendimento no Brasil. Geek.etc.br em São Paulo - Av. Paulista GEEK´S 1
  5. 5. Foto: Paula Carolina O. SilvaPUBLICIDADE A té algum tempo atrás, um tipo específico de pessoas, que se interessava bastan- te por tecnologia, computadores, games, livros, quadrinhos entre outros, eram isolados pela sociedade, sendo conhecidos na época como CDFs, em seguida passaram a ser cha- mados de nerd, termo utilizado para referir-se a pessoa que vivia confinada em casa com esses aparatos, e não tinha uma boa relação social. Porém, devido ao avanço da tecnologia, o aces- so da massa, possibilitou que os nerds ganhas- sem espaço, ou seja, tudo aquilo que era admi- rado apenas por eles como smartphone, tablet, a comunicação virtual, passou a ser objetos de consumo da sociedade então, que consequen- temente passou a interagir com esse público. Porém, hoje pessoas que tem essa preferência ou gosto pelos produtos citados acima são co- nhecidas como geek, numa alusão de desvin- cular a visão que tinham do individuo nerd ao indivíduo atual. É o que afirma Lígia Ferro investigadora do Popularização da Tecnologia Centro de Investigação e Estudos de Sociologia “Anteriormente ser geek signi- do Instituto Universitário de Lisboa (CIES-ISC- TE/IUL) e membro da organização da SICYUrb ficava fazer parte de um gru- (Second International Conference of Young Ur- po minoritário e, de certa for- ban Researchers) que devido ao crescimento ma, desviante. Atualmente, ser e a popularização da tecnologia tem propiciado geek, implica, em pertencer a que o termo e o público geek, se tornasse cada uma comunidade transnacional” vez mais conhecido, “fazendo com que cada vez mais seja pronunciado, porque se associa a prá- tica e estilo de vida ditos ‘inovadores’”. e completa afirmando que não vê problemas E que a definição desse público pode ser ou efeito negativo nesse gosto, que possa vista por múltiplos significados, entre eles a ado- causar problemas, pois, considera que os ção de diferentes estilos de vida. No qual “ante- meios tecnológicos são como uma alavan- riormente ser geek significava fazer parte de um ca para o estabelecimento de sociabilidades grupo minoritário e, de certa forma, desviante. e de interações “enquanto antes estávamos Atualmente, ser geek, implica, em pertencer a limitados às redes sociais estabelecidas na uma comunidade transnacional” que se intera- família, na escola, agora podemos conhecer gem e se organizam no espaço virtual, afirma. pessoas de diferentes localidades” expandin- Mas ainda hoje existe o preconceito de do as redes de contato, conhecimento “e par- que os geeks são pessoas viciadas em tecnolo- ticularmente importantes para a vida laboral gia, porém, segundo Ferro não é uma questão de cada um de nós” finaliza. de vício, e sim “pessoas que desenvolveram um gosto pelas tecnologias e em especial pela novi- dade tecnológica”, GEEK´S 3
  6. 6. Entrevistamos o publici- Algumas diferenças entre Geek´s e Nerd´s:Foto: Paula Carolina O. Silva tário Rodrigo Fontoura que afir- ma já ter sido um nerd e sofrido bulling, mas que hoje se conside- Geek ra um geek. Para ele a definição • Ligados à tecnologia, ficção científica, literatura fantástica e cyberpunk; de nerd e um geek não tem mui- • Se identificam com as ciências; ta diferença, ambos gostam pra- • Fã de jogos de ação RPG – jogos de interpretação de personagens; ticamente das mesmas coisas, • Seguidores romances gráficos – Mangás; porém o nerd é visto como aque- • Sabem programar um computador e o fazem freqüentemente; le que era excluído por todo mun- • Têm interesse na cultura de massa; do. Ao contrário do geek que é • Pode ter ou não sido um bom aluno na escola enxergado pela sociedade como descolado, e que tem uma visão Nerd tecnológica. Já de acordo com o • Lêem muito: filosofia, literatura clássica, ciência, história, assuntos acadêmicos. • Pessoas intensas, passionais, preocupadas ou fascinadas com assuntos inte- lectuais que a maioria das pessoas acharia chatos ou irrelevantes. • Aluno nota 10 na escola Designer de Games Lucas Soa res, a sociedade foi muito injusta, de forma que só passou a • Nem um pouco interessados na cultura de massa, exceto talvez no seu sentido aceitar esse público, quando teve acesso aos mesmos produtos que por ela descriminado. mais antropológico. • Geralmente tem problemas relacionados com excesso ou intensidade de leitu- A partir daí pesquisamos dentro da cidade de São Paulo locais que disponibiliza produtos ras. destinados a essa nova cultura geek. Existem várias lojas, porém, a única que oferece um es- paço exclusivo a esse público é a Geek.etc.br. Entrevistamos o coordenador do projeto, Igor de Oliveira para saber como foi a idéia do empreendimento: Fonte: Pesquisa Científica “Quando os Nerd’s dominaram o Mundo” TCC Paula Carolina O. da Silva – 2012 GEEKS. Como surgiu a ideia de montar a loja para um público tão específico? IGOR. Bom, anteriormente neste mesmo local em que está localizada a loja geek era uma livraria da editorial Records parceira da cultura, todos os livros do editorial eram disponibiliza- dos na loja. Neste momento eu trabalhava numa outra repartição da livraria cultura, parte de games; e numa reunião, em que era comentado que a livraria cultura não ia mais fazer parce- ria com o editorial então, sugeri que no local fosse colocado uma loja de games, abrangendo PUBLICIDADE todo o universo geek. O projeto partiu da ideia de projetar um crescimento de games da livraria cultura, abrangendo um público disseminado, que não tinham até então um local específico na cidade de São Paulo. Cujo dia 25 de abril de 2012 os amantes dessa cultura, ganhou um espa- ço exclusivo. G. Teve a ajuda de algum geek? Igor. Olha todos os envolvidos, inclusive eu, temos muita afinidade com esse universo. Não tivemos, portanto, a necessidade de um especialista técnico, já que temos um bom material humano conhecedor das preferências deste público. G. O público alvo da loja são pessoas que vivem antenados nas mais variadas tendências tec- nológicas, como manter a atualização e a novidade fazendo com que as pessoas voltem mais vezes, e encontrem sempre coisas novas? Têm especialistas por trás de toda essa organiza- ção? GEEK´S 5
  7. 7. Igor. Há uma diversificação constante. O ser uma pessoa que entende, e saiba maispessoal responsável pela atualização dos que nós, como também uma pessoa novataprodutos são pessoas muito antenadas, que ainda não entende nada. Tem avós que comportamentode forma que nada escape diante de seus vem na loja para comprar presentes paraolhos. E lembrando que toda essa organiza- seus netos. Lembrando que o público da lojação é feita por profissionais da própria livra-ria cultura, não tendo nenhuma interferência 70% são homens e apenas 30% mulheres, acredito até mesmo que ainda exista um pré- PERIGOS DA TECNOLOGIAexterna. conceito em relação às mulheres. Mas não gostamos de restringir a um só público, pois Descubra quais as precauções que devem ser tomadas, para evitar que a temos como interesse captar o maior público necessidade de se comunicar através dos aparatos tecnológicos não seG. Como você define o perfil desse público, possível. torne uma doença.são muito exigentes? Por Juliana VascongeIgor. Não existe um perfil específico pode G Qual é o carro chefe da loja, ou seja, um Não podemos negar a importância da tecnologia nas nossas vidas, e seus produto que não pode faltar? aspectos positivos, como a rapidez e a praticidade para nos comunicar. Igor. De categorias pode- se dizer os quadri- Porém toda essa tecnologia requer uma atenção especial, já que também nhos e os games. Mas tivemos uma resposta Foto: P pode ser prejudicial quando não utilizada de forma adequada. É o que re- positiva em relação aos novos produtos que lata o psicólogo Fábio Passos especializado em Terapia Comportamental foram colocados na loja como as canecas, e Cognitiva que a tecnologia pode ser considerada como um ponto positivo aula C os jogos para adultos. até o momento em que não assuma como sendo prioridade para essa pes- soa, e interfira nos contatos sociais, podendo até mesmo passar de um arolina G A loja Geek é uma inovação de mercado na simples hobby, para se tornar um vício. cidade de São Paulo? O. Silv Igor. Em alguns aspectos sim, existem ou- E que se por um lado esses recursos permitem a tras lojas aqui perto, porém, algumas vendem comunicação em longa distância, podem ao mes- a apenas games, outra só tem quadrinhos. Ao mo tempo isolar a pessoa do universo. Um termo contrário da nossa que agrega num só espa- que define bem esse comportamento é chamado ço um grande acervo de produtos variados. de ‘Tecnose’, “quando a pessoa não sabe mais se comportar fora de sua prática habitual com apare- G. Acredita que no fundo todo mundo é um lhos” afirma. pouco geek? Ou até mesmo tenha alguma Foto: Juliana Vasconge . Silva ula Carolina O Foto: Pa preferência que pode ser considerada tam- De acordo com o site Tech Tudo a International Telecommunication Union bém como uma característica desse grupo, divulgou recentemente uma pesquisa aponta que a quantidade de pessoas mas não admita ou saiba? que utilizam as redes sociais em todo o mundo já supera o número de um Igor. Sim. Têm pessoas a que vem visitar a bilhão. Das cadastradas, 90% estão no Facebook, em seguida o Twitter loja e acaba se identificando com algum obje- com 200 milhões de usuários, e com 120 milhões o lindeIn. to que ele gostava quando criança, e que hoje ele tem dinheiro para comprar. E nós temos De acordo com Passos estar em contato com o mundo da tecnologia é essa função de mostrar e fazer com que as normal, porém é necessário descobrir outras formas de prazer “encontrar pessoas entendam que é normal, que muitas com pessoas que não são desse meio facilita para que se dê origem a ou- pessoas curtem, e que hoje o preconceito em tros assuntos”. E fazer com que as atividades realizadas apenas através relação a isso diminuiu muito. Eu mesmo me dos aparelhos sejam desenvolvidas sem ele. Caso não consiga é hora de considero um geek. G procurar um especialista que verifique as mudanças que devem ser feitas,dAcima Lucas Soares para alterar esse comportamento obsessivo por uma prática saudável. Ge abaixo Rodrigo Fon-toura - Frequentado- GEEK´S 7res da loja
  8. 8. ESPORTE Foto: Juliana FacioDIGA NÃO AO SEDENTARISMO E SAIBA PORQUÊPor Juliana Facio Não é de hoje que ouvimos falar dos benefícios da prática esporti- va, ou do que a inclusão de ativi- dades físicas trás na nossa rotina diária, na vida e na mente de todos os grupos de pessoas, mas, em es- pecial, os sedentários devem pres- tar atenção, pois, o sedentarismo é considerado uma doença. Grupo abadá capoeira, apresentação no Centro cultural da juventude- vila nova cachoeirinha. GEEK´S 9
  9. 9. no mínimo praticar 20 minutos de atividade somente uma vida virtual, não podemos es- física por dia. Silvio também complementa quecer que habitamos em um corpo que ne- dizendo que a prática esportiva é mais radi- cessita de determinados cuidados para fun- cal, pois esta muito ligada a desafios de vida cionar bem”.Foto: Juliana Facio e resultados maiores, porém a atividade físi- Jefferson também faz um alerta quanto ca é o que de fato vem a se enquadrar mais à postura das pessoas que esta sendo mui- facilmente na vida das pessoas. to prejudicada após uma maior concentra- A correria do dia a dia sempre existiu, ção no uso da internet principalmente com o mas hoje entra uma circunstancia alarman- uso do notebook que acarreta diversos dis- te com a ascensão da internet e as diver- túrbios na coluna, e afirma que isso ocorre sidades tecnológicas, fica muito mais fácil mais facilmente para as pessoas que tem a as pessoas se distraírem, ocuparem o seu musculatura frágil, sem nenhuma proteção tempo com outras coisas, segundo afirma o e fortalecimento que só os exercícios físicos Educador físico Jefferson de Araújo “a inter- garantem. net hoje é a maior causadora da perda de Para quem já sofre com danos origi- interesse das pessoas em querer praticar nários de seu sedentarismo fica a dica da qualquer atividade que seja, a internet trou- atividade física como essencial coadjuvante xe sim, muitos benefícios, mas isso não sig- para manter saudável aquilo que nos man- nifica que tenhamos a partir de então tém de pé: o nosso corpo! G Aula de ginástica para todas as idades, acade- mia Sport center, casa verde É PUBLICIDADE o que relata o Silvio Alabarse, Profes- param de surgir, junto à internet levam as sor e Mestre em ciências da saúde pessoas a fazer substituições muito sim- e Coordenador na reabilitação física ples, mas, de total diferença para o cor- do CRI (Centro de Referência do Idoso) “O po, como deixar de caminhar até o banco sedentarismo é considerado pela Organiza- para poder fazer uma transação bancária ção Mundial de Saúde (OMS) como doen- via internet. São pequenas diferenças hoje ça, tendo uma relação direta com todas as que somadas, em alguns anos acarretarão outras patologias. Um sujeito sedentário tem mudanças muito maiores e nem sempre maiores chances de desenvolver obesidade, agradáveis, é como afirma Pedro de Jesus, diabetes, depressão, problemas articulares, reparador automotivo, “não tenho tempo de isolamento social e outras morbidades.” ficar na fila do banco, então hoje em dia eu Ainda segundo Silvio um segredo bá- só vou no banco se tiver que falar com a sico para evitar os diversos malefícios de fi- gerente, caso contrário para mim ir ao ban- carmos parados e sentados na maior parte co é coisa do passado”. Explica. do tempo “é procurar manter uma hábito de Portanto fica um alerta aos internau- vida saudável com mudanças simples, po- tas de plantão, que podem continuar se rém efetivas, como por exemplo, fazermos maravilhando dos benefícios tecnológicos, caminhada e realizar afazeres domésticos”. porém devem ter a consciência de que, Diz. para deixar de ser considerada sedentária Os aparatos tecnológicos que não uma pessoa deve GEEK´S 11
  10. 10. PUBLICIDADEGEEK´S 13
  11. 11. Ensaio FotográficoRealizado em 04 de novembro de 2012 no Centro Cultural da Juventude – Ruth Cardoso (CCJ),representando a moda Geek atual. Divulgando vestuário, acessórios e calçados utilizados atual-mente.Fotos: Paula Carolina O. SilvaModelos: Leka Salvi / LuckySonic / Nath / Anakin / Loren (mascote) GEEK´S 15
  12. 12. GEEK´S 17
  13. 13. GEEK´S 19
  14. 14. GEEK´S 21
  15. 15. GEEK´S 23
  16. 16. GEEK´S 25
  17. 17. PUBLICIDADEGEEK´S 27
  18. 18. ECONOMIA Foto: Paula Carolina O. Silva COLECIONÁVEIS – A FORÇA ESTÁ COM ELES Mercado tem grande crescimento nos últimos anos Por Paula Carolina O. Silva Os colecionáveis vem espan- tando os especialistas com seu cres- cimento nos últimos anos e têm en- contrado bastante espaço no mercado financeiro. São bonecos, espadas, es- tátuas, livros — em suas edições es- peciais e limitadas, que variam entre cinema, ficção científica, quadrinhos, RPG, terror, militar, etc. Existem peças em tamanho real que são vendidas por até R$ 28.000,00 pela principal impor- tadora do ramo no Brasil, a PiziiToys.Colecionáveis da Loja Mas a real importância deles é o cará-Limited Editions - Star ter raro do item. Que torna o compra-Wars dor especial entre outros com GEEK´S 29 o mes- mo interesse.
  19. 19. R enan Pizii, proprietário da importa- Já no inicio dos anos 2000 a fran- dora, conta qual a peça mais rara quia da Marvel criou uma linha de figuras Números e curiosidades Linha Star Wars que têm hoje, “a peça mais valiosa de ação baseada em seus quadrinhosem nosso showroom é um Velociraptor Star Wars é a maior franquia cinematográfica e comerciais de todos os tempos. Se levar- chamada Marvel Legends, inicialmentefeito no molde original da maquete usada mos em conta somente os número da saga no eBay.com, que é a maior rede online de venda de produzida pela Toy Biz (após 2007 pelano filme do Jurassic Park em 1995, foram produtos do planeta, veremos o poder dessa franquia: Hasbro), que contou com nada mais nadafeitas apenas quatro peças e uma delas menos que quinze séries numa média deestá conosco. É algo que não tem preço.“ • A cada 2 segundos pelo menos 1 item relacionado a Star Wars é vendido. sete bonecos cada uma. São figuras de 6 Segundo a economista Herida Cris- • Somente em 2011 mais de 1 milhão de itens foram comercializados. polegadas e ampla quantidade de pontostina Tavares, a sensação de exclusividade • Entre Janeiro a Julho de 2011, os clientes do eBay, gastaram mais de 23 milhões de articulação e, que acabaram formatan-é um motivo forte para esse aumento, “no de dólares em artigos Star Wars. do o pensamento de que o Action Figurecaso de colecionáveis, um novo mercado (figuras de ação) são uma coisa possível.surge com a questão de se tornar moda, São miniaturas – exceto as naves – em escala 1:32 e feitas a partir de uma peça únicade se tornar exclusivo, do falecimento de criada exclusivamente para a coleção e pintadas à mão.alguém famoso, de algum lançamento Darth Vader, Han Solo, Yoda, Luke Skywalker, Princesa Leia, Padmé Amidala, Obi-Wanpor exemplo.” Kenobi, Lando Calrissian, Darth Maul, R2-D2 C3PO, tropas e vários outros personagens fazem Outros motivos possíveis são os co- parte da coleção, que também contém naves e veículos, como a Millenium Falcon entre outras.lecionadores antigos de franquias consa- Foto: Paula Carolina O. Silvagradas como Star Wars, Star Trek, Cava-leiros do Zodíaco, Marvel e DC Comics,que aumentaram seus acervos com ummaior leque de opções, a grande onda deadaptações para o cinema de histórias A esquerda, Alexandreem quadrinhos como Homem Aranha, Lopes e sua coleção deBatman e os Vingadores ou ainda essa Predadores,nova popularização da cultura nerd. A direita Velociraptor da PiziiToys Marcelo Forlani, editor e criador dosite Omelete, famoso na cultura pop atu- Foto: Paula Carolina O. Silvaal, explica as diferenças do mercado hoje, Foto: Paula Carolina O. Silva“Antes só encontrávamos estes “brinque-dos” em lojas de shoppings, quando dá-vamos sorte, pois ficava entre bonecas ejogos. Há nestas lojas especializadas umcuidado muito maior com o produto e como consumidor.“ Apesar de não se considerar umcolecionador e sim um comprador, Forla-ni acompanha esse mercado desde seuinicio em 1994 através de Todd Mcfarla- Diminuíram também o estigma done, famoso quadrinista canadense e sua Muitas vezes feitas em quantidade mí- Alexandre Lopes, colecionador e responsável preconceito, mostrando que são uma li-loja, a Mcfarlane Toys com a série Spawn nima, dificultando a comercialização e fazen- pelo site FDACAST (O Podcast do Fórum de nha de bonecos especiais, que não sãoe seus personagens, inspirados no qua- do o colecionador ter muito trabalho pra con- Figuras de Ação), diz que “Todo colecionador feitos para brincar, o detalhamento e adrinho criado por ele. Passando depois seguir o item desejado, o colecionável não é é obsessivo!”. Na área de coleções desde elaboração praticamente artesanais dãopara a série Movie Maniacs com figuras um item barato na maioria das vezes e pode 2004 e diferente da maioria, não tem prefe- um toque especial a cada peça.de terror. As peças tinham 7 polegadas e facilmente se tornar um vicio, já que quanto rência por heróis ou quadrinhos “meu foco éimpressionavam pelos detalhes e acaba- mais raro, mais desejado e valioso se torna. baseado em action figures de personagens 31 GEEK´Smento da pintura.
  20. 20. do cinema, de ficção científIca e terror. Posso Uma linha luxuosa escala 1:6 (30 cen- Foto: Paula Carolina O. Silvaconsiderar as franquias Star Wars e Aliens as tímetros) e feições idênticas do ator Christianmais recorrentes em minha coleção.” Mostran- Bale intérprete do herói da DC Comics e dodo orgulhoso sua estátua de 18 cm do perso- vilão Coringa e a interpretação marcante denagem Darth Maul (vilão da saga Star Wars). Heath Ledger. Os colecionáveis são produzidos exclu- É um negócio que tende a crescer pro-sivamente no exterior. Ainda que empresas porcionalmente ao lançamento de novos fil-brasileiras estejam começando a licenciar al- mes de super-heróis e seus valores se estabili-guns produtos como a empresa Iron Collec- zando no mercado atual. Até pela parceria dastibles Studios que abriu seu escritório no ano empresas estrangeiras que detém os direitos Foto: Paula Carolina O. Silvade 2011 em São Paulo, e que desenvolve todo com as brasileiras que tem ótimos profissio-o projeto no Brasil, seus escultores e pintores nais. Porém a produção de bonecos está lon-são brasileiros, acabam enviando para produ- ge de acontecer em nosso território, enquantoção em grande quantidade as fabricas na chi- a China tiver a mão de obra mais barata dona que fazem com maiores detalhes e mão de mundo. Infelizmente para nós. Gobra muito mais barata. Outras Figuras bem cotadas no mercadosão as da nova série de Batman – O Cavaleirodas Trevas do diretor Christopher Nolan com amarca Hot Toys. Colecionáveis japoneses PUBLICIDADE São chamados de GASHAPON, retratam personagens de animes, mangas e jogos japoneses, além de mascotes kawaii (algo como fofo, delicado), as figuras japonesas são conhecidas pela sua riqueza de detalhes, cores e movimentos. Tem as caracterizas como a cabeça maior do que o corpo, com olhos grandes. As figuras femininas são mais conhecidas por terem quase sempre a pele branquinha, cabelos coloridos e postura sedutora. Japoneses são os principais consumidores desses colecionáveis, pois adoram produtos limi- tados e exclusivos. Todas as grandes redes de lojas do país fazem promoções e oferecem algo por tempo limitado, como brindes, descontos ou quaisquer outros benefícios que façam a pessoa consumir. Outro aspecto importante é que eles estão mais acostumados a pagar antes de rece- ber, as famosas pré-vendas, seja uma figura, um ingresso para shows ou filmes. E por isso reservam um produto com meses de adiantamento, fazem o pagamento e esperam sua con- fecção, diminuindo a possibilidade de figuras se acumularem nas prateleiras. O mercado japonês de colecionáveis trabalha muito bem a lei da oferta e da procura. E os preços podem variar muito sem aviso prévio. Se no Japão a venda de itens limitados e ex- clusivos é uma prática constante, uma vez que a figura não foi comprada no lançamento, o valor dela pode triplicar, dependendo da sua procura. Por isso uma figura que tinha o preço de lançamento de R$200,00 pode chegar a R$1.000,00 dependendo de quantas pessoas estão procurando a mesma estatueta. Principais Colecionáveis Japoneses: Cavaleiros do Zodíaco Dragon Ball Z Poseidon - Cavaleiros do Zodíaco e Coringa - BatmanGEEK´S 33
  21. 21. Palavra de Empresário Foto: Paula Carolina O. Silva Foto: Paula Carolina O. Silva Renan Pizii – PiziiToys é uma empresa jovem que busca trazer para o mercado produtos inovadores, criativos e de última geração. Todos os produtos colecionáveis importados pela PiziiToys são extremamente conceituados no mundo e exclusivos no Brasil. GEEK´S – Quando iniciou a PiziiToys? Rodolfo Pranaitis – A Limited Edition vai muito além de somente uma loja de artigos cole- Renan – Tudo começou como uma brincadeira, eu era colecionador desde pequeno, tive cionáveis. Ela participa ativamente na produção de material sobre as peças e cobertura toda a serie do Spawn, além da Movie Maniacs entre outros. Pouquíssimas lojas vendiam de eventos sobre colecionáveis. as peças no Brasil. Em 2005 meu tio (que tem uma empresa de software) resolveu desen- volver um site como brincadeira, o que começou sem nenhuma intenção profissional virou um marco para o mercado nacional, em 2007 a Piziitoys abriu sua importadora devido GEEK´S – Por que iniciou a loja Limited Edition? ao convite de representar a Neca no Brasil, e fomos procurados por todas as empresas Rodolfo – Eu como colecionador sentia a carência de mercado em relação a esses produ- colecionáveis, hoje distribuímos as peças na América Latina, sendo 88% para o Brasil e tos, sabia que outras pessoas também tinham o mesmo problema que o meu e então eu os outros 12% para Argentina, Chile e Uruguai, etc. Temos a exclusividade das marcas na e meus sócios decidimos abrir uma loja de colecionador para colecionador. America Latina. G – Sendo um colecionador, quais franquias prefere? G – Sendo um colecionador, quais franquias prefere? R – Eu gosto muito de Cavaleiros do Zodíaco, One Piece, filmes da Marvel em geral, De R – Gosto muito de tudo o que é bem feito, as franquias que mais me interessam são Volta para o Futuro, Sr. dos Anéis, Star Wars, etc. Jurassic Park, Star Wars, Marvel e DC. G – Quais as peças mais e menos valiosas que tem na loja? G – Qual a peça mais rara da sua coleção pessoal? R – Nós já tivemos um Homem de Ferro de R$ 29.900,00 na loja, mas existem colecioná- R – Com certeza o diorama do Hulk VS Spiderman, a versão que tenho apenas 50 pe- veis a partir de 5 ou 10 reais. ças foram fabricadas para o mundo todo. Além disso tenho um quadro autografado pelo Marlon Brandon e Al Pacino no set de filmagens de O Poderoso Chefão, é uma foto emol- G – Qual a peça mais rara da sua coleção pessoal? durada com certificado de autenticidade, um site de leilão americano me ofereceu U$ R – Da minha coleção pessoal é o Franky do desenho japonês One Piece. Na loja temos 15,000.00 pela peça, porém, não tenho intenção de vendê-la. várias raridades, seria injusto destacar uma peça. GEEK´S 35
  22. 22. MEIO AMBIENTE Contraste entre o céu, a cidade e a natureza. Os cenários do aquecimento globalPor Juliana FacioFoto: Juliana Facio Hoje em dia, o público mais inte- ressado em games, novidades, es- tudos, e principalmente novas tec- nologias, é o público mais jovem, que vem crescendo e ouvindo falar sobre o temido aquecimento glo- bal, e muitas vezes surge aquela dúvida de como tudo começou, va- mos entender, o inicio dessas ma- nifestações e o processo cientifico do assunto. GEEK´S 37
  23. 23. Medidas como, reciclagem, regula- mentos que compensem as emissões que gem constante dos automóveis, para evitar não conseguimos evitar. Se não pelo Plane- a queima de combustível de forma desregu- ta e pelos outros seres da natureza, por nósFoto: Juliana Facio lada, optar pelo transporte coletivo, ao invés próprios, segundo alertou James Lovelok: de automóvel, uma impactante inserção do “Não é a terra que é frágil. Nós é que somos biocombustível, são medidas que podem di- frágeis. A natureza tem resistido a catástro- minuir e retardar esse processo de aqueci- fes muito piores do que as que produzimos. mento. Nada do que fazemos destruirá a natureza. De acordo com Diego Pascoal, jorna- Mas podemos facilmente nos destruir.” Con- lista formado pela UNIP, “as notícias não são clui. o suficiente, para conscientizar as pessoas, Apesar disso alguns cientistas ainda atri- para serem de fato inseridas medidas ecoló- buem o fenômeno como um processo natu- gicas impactantes, de cada um de nós, pois, ral, mas, podemos observar que as mudan- o aquecimento global de hoje, não afeta só ças nos hábitos de cada um de nós podem no aumento de temperatura, existe uma sé- retardar esse processo, que no futuro não rie de outras coisas que acontecem até che- nos trará consequências agradáveis. G gar neste ponto” E nós ainda podemos fazer a diferença, complementa ele. Nada do que fazemos Para nos explicar de uma maneira mais destruirá a natureza. clara, contamos com a ajuda de Adalberto Mas podemos facil- Marcondes que é Diretor da revista Envol- mente nos destruir.” verde, “Quando uma pessoa está com febre, é fundamentaltomar logo dois tipos de atitu- PUBLICIDADE des, uma emergencial, para abaixar a febre A e outra para descobrir e resolver o problema ntigamente o cenário era este: Em diminuição de 5,2 de Co2, em relação aos que está causando a febre. Sabemos que 1960 de acordo com o site slidesha- níveis de antes. medidas para abaixar a febre são neces- re, os cientistas descobriram ano- O cenário atual é de cautela, entre sárias e urgentes, mas são paliativas. Para malias na temperatura e desenvolveram a uma época e outra, propagandas, reporta- resolver o problema de verdade, só indo à “tese” do aquecimento global, porém o clima gens especiais nos alertam para a bomba sua origem. Com o nosso Planeta não pare- ainda era de tranquilidade e pouco se falava. relógio que é o aquecimento global, e nos ce ser diferente. Como um organismo vivo, Em 1970, começaram os confrontos entre os remete a pensar em medidas mais enérgi- ele está com febre. E o problema não está ambientalistas e as indústrias, que desde já, cas para não deixarmos essa bomba estou- no cobertor de gases de efeito estufa que não gostaram e não queriam comprar a ideia rar, assim como afirma o ambientalista Vil- o envolve, pois ele está aí a milênios, e o de que seus produtos estariam contribuindo mar Berna, formado em ciências ambientais Planeta sempre conseguiu auto-regular sua diretamente para a morte do planeta, além pela UNESP, “O mundo, como nossos pais temperatura. O problema está no aumento de que, isso acarretaria grandes perdas lu- e avós e nós próprios, adultos, conhecemos, exagerado deste cobertor! Quando estamos crativas para as indústrias. mudou. As escolhas das gerações que nos com frio, um cobertor é agradável para aju- Em 1980 houve a criação da fiscaliza- antecederam, da era pós-industrial, aque- dar a aquecer, mas se em vez de um, fo- ção das indústrias pelos governos, através ceram o planeta e as consequências desse rem vários cobertores, o que era agradável, de órgãos oficiais. Logo após foi implanta- aquecimento já começam a ser sentidos por torna-se desagradável.” Mas, qual seria a do mais precisamente em 1997 o protocolo todo o planeta, inclusive no Brasil. Cinco dos solução para o planeta superar essa febre? Kyoto, na cidade japonesa de Kyoto, este seis anos mais quentes da história foram a Marcondes complementa “É urgente substi- protocolo tem como objetivo fazer a medição sequência de 2001 a 2005. As concentra- tuir a matriz energética petroquímica por ou- da emissão dos gases- estufa na atmosfera ções de CO2 estão 30% mais altas que a tras mais limpas, que não agravem o efeito foi quando ainda em 90 ele registrou uma média dos últimos 650 mil anos.” estufa, e investir em tecnologias e conheci- GEEK´S 39
  24. 24. PUBLICIDADE GEEK´S 41
  25. 25. Vilões são de Verdade dos e “perfeitos” se davam bem na vida. Não teve escolha, foi direcionado ao mal. EPor Paula Carolina O. Silva gostou.É engraçado pensar nas histórias que amamos. São fantásticas ficções com seus heróis Coringa – Passado desconhecido, amoral, caótico e insano. Tá bom, não entra na listacheios de virtude, os escolhidos pelo universo, os amigos que ajudam, os percalços pelos motivos lá de cima, mas gosto dele de graça.que atrapalham tudo numa corrida alucinante para chegarmos sempre (ou quase sem-pre) ao mesmo lugar. A vitória do bem! Tubarão – FOME / Instinto.Afinal, é super fácil ser ALTRUÍSTA, justo, leal, desprendido, destemido, humilde, Loki – Sempre teve ciúmes / inveja porque sabia que seu pai Odin gostava mais donunca desistir, sempre agir pelo bem, ter moral e ética em todas as suas ações. (tsc tsc) Thor. Sempre viu o irmão sendo egoísta, imaturo e ainda assim o trono de Asgard foi dado a ele. No meio de tudo isso descobriu que era adotado. Já imagina o final disso.Mas eu sempre fui do contra. Prefiro mesmo os vilões. Sempre fui assim. São com- Vilão, claro!provadamente mais engraçados, estilosos, inteligentes e reais. Enfim, gente como agente. O passado deles geralmente mostra o motivo das maldades, e são motivos que Tom – Também é instinto. O gato caça o rato. Malvado mesmo é o Jerry. Como nin-fariam qualquer um mudar de lado. Quando apontam os defeitos do mocinho ou as guém vê isso?falhas das situações em que vivem tem total razão sobre o que falam. Vingador – Lá vem o nome poderoso. Tudo no Vingador exala poder. É o clássicoVilões são de verdade! vilão. Em que universo um baixinho, velho e misterioso poderia ganhar disso tudo? Pois é...Tem defeitos, claro. Trocam os pés pelas mãos, agem quando não devem e na hora Hcolocam seu brilhante plano a perder, mas estão a serviço do roteiro num mundo em As Exceções:que o vilão não pode se dar bem. Darth Vader – Era o escolhido, era bom, era amado. Era um lindo Anakin Skywalker,Odeio quando vejo o malfeitor lá, por cima da carne seca, altivo e arrasando com o criança sensível, ótima índole, toda a cara de herói. Se tornou um adolescente amo-herói (que esta sempre sofrido, cabisbaixo e consciente de sua derrota iminente). Por- roso, engraçado, sedento de conhecimento, porém, apaixonado. Isso acabou com oque sei, em algum momento tudo muda e lá vai o mesmo bonzinho fraco, dar a volta Anakin. Tinha visões do futuro combinadas com o medo de perder. Não aceitou ono poderoso vilão e vencer a batalha. Mas, por que o bem precisa ser tão fraco diante curso natural da vida e perdeu a cabeça uma, duas vezes. Foi manipulado pelo Impe-do mal? Até o nome dos vilões tem mais poder. rador e se tornou o maior vilão de todos os tempos, por amor. Nasceu pra ser herói, se tornou vilão e morreu fazendo o que dizia a profecia, trazendo equilíbrio à força.Herói: Metroman = Homem de Metrocity – Vilão: Megamind = o nome poderoso jádiz tudo Batman – É sombrio, frio, desprovido de senso de humor e não confia em ninguém. É a cara de um vilão. Tem um passado triste em que vê os pais serem mortos por umListei meus vilões favoritos com duas exceções que quebraram essa regra de um jeito bandido, cresce e viaja pelo mundo aprendendo artes marciais e o domínio do própriomais que especial: corpo. Ao contrário do que parece, combate o crime em Gothan City.Magneto – Judeu na segunda guerra, viu sua mãe ser morta na sua frente para que Pra terminar, uma citação da pensadora Nanny Miranda.mostrasse seus poderes. Se antes de saber tudo isso já o amava, imagina agora. Ele tá “Vilões são meus heróis.certo em tudo o que pensa. Pra que proteger os humanos? Nem nós nos protegemos. ¬Vilões são mais racionais, se vestem melhor eSevero Snape – Personagem complexo, dúbio, sofreu bullying durante os anos de es- têm sempre mais dinheiro.cola, foi preterido pela mulher que amava, inteligência acima do normal. Provou que Torço por eles, fico feliztodo história tem dois lados. quando se dão bem e saem impunes”Megamente – Começou sendo isolado pelo destino, daí pra frente viu que só os lin- GEEK´S 43
  26. 26. EXPERIÊNCIA CONSCIENTIZADORA Teorias e suas teoriasPor Juliana Vasconge Por Paula Carolina O. SilvaHá quatro meses, a Paula Carolina, editora chefe da nossa revista, veio até nós com Hoje tive uma aula de Teoria do Jornalismo (A Teoria Crítica) com todos os contrasuma ideia que interessou a todo o nosso grupo de reportagem. Ela propôs que fizésse- de uma aula teórica acrescido do povo da minha sala que não para de falar...mos uma revista direcionada ao público “Geek”, um público até então carente destetipo de informação, já que quando têm são superficiais, ao contrário da proposta da Mas essa aula me fez pensar muito nessa história dos filósofos ADORNO e HORKHEI-nossa revista que tem como objetivo principal uma contextualização maior em nossas MER lá nas décadas de 20, 30... Pensamentos tão escondidos na Industria Culturalreportagens. que se iniciava e ao mesmo tempo tão atuais, mesmo vindo de 90 anos atrás. Quando diziam que uma música sendo tocada em rádio ou gravada num LP estava despresti-A princípio, achei o assunto muito interessante, porém, um pouco desconhecido. Pior, giando a arte do musico ao vivo. Ou a adaptação de uma obra literária para o cinemadepois de apresentarmos o projeto a professora Adriana ela adorou a ideia, nos incen- acabaria com a essência dessa obra. Popularizar o erudito... Um crime na opiniãotivando que devíamos ir a fundo, porque seria uma inovação no mercado. Pois bem desses filósofos.topamos o desafio. Ao ir a campo para coletar as primeiras informações para minhareportagem da editoria “Cidade”, confesso fiquei atônica. A minha primeira visita foi A Classe Dominante (os que tem poder) popularizava uma obra literária com a in-na loja “Geek.etc.br”. tenção da Massa (povo) acreditar que tinha o conhecimento. Ouviam uma musica clássica no rádio e podiam dizer que conheciam a ópera correspondente. AssistiamAo entrar na loja me senti em outro mundo, os frequentadores da loja, os produtos me um filme de um escritor famoso e poderiam dizer que sabiam muito sobre sua obra. Osoavam um tanto estranho. À primeira vista me deparei com uma loja pequena, porém famoso “Pão e Vinho” – Alimentar a Massa.bem arrumada. Em seguida comecei a analisar os pequenos objetos que compunhamaquelas vitrines, fui adentrando mais e vi jovens entre 25 a 35 anos interagindo com Trazendo essa historia pra hoje em dia, ainda temos as mesmas perguntas e pratica-uns jogos no centro da loja, e uma fila imensa de compradores. Subi uma pequena mente as mesmas respostas de ADORNO. A minha professora usou como exemplo aescada em caracol e continuei a ver objetos que eram desconhecidos para mim até musica da Legião Urbana – Geração Coca Cola, escrita em 1985. Renato Russo foientão, porém notei um jogo que também gostava mais que com o passar do tempo o percussor do Rock Brasileiro com letras altamente criticas ao Sistema. Seguido dedeixei de lado por acaso. Eu e minha chefe convidamos alguns frequentadores para grandes bandas nesse mesmo padrão, porque essa é a essência do Rock... Pra isso osaber e entender mais sobre tudo aquilo. Fiz as entrevistas, e continuei olhando ten- Rock foi criado, pra chocar!!! Para ser REBELDE... A rebeldia da dança do Elvis, datando entender como alguém podia gostar daquilo, e pagarem por um preço tão alto voz dos metaleiros, das letras fortes das bandas americanas dos anos 70, da poesiapara adquirir tais produtos. do Jim Morrison, do Punk. É, definitivamente a musica do confronto. Aquela que a “Classe Dominante” tem que engolir porque os jovens têm sede de rebeldia...Bom, minha chefe não precisa nem dizer uma “Nerd” total entendia de tudo e maisum pouco. Passou então a me explicar o que significava e qual o valor daqueles obje- Mas, como tudo, o “Sistema” também se adaptou... Conseguiram acabar com o Rock...tos para aquelas pessoas. Ainda assim finalizei a reportagem, mas não as perguntas na Surgiram os derivados do Rock, bandinhas bem comportadas que falam exclusiva-minha mente a respeito de tudo que tinha visto. Na verdade comecei a me interessar mente de amores, sejam os mal terminados, os que vão começar, os que poderiam ser,ainda mais, agora além de uma reportagem, aquilo era um desafio, precisava compre- etc. Aí você me pergunta: “o que você tem contra uma musica falar de amor?”. Euender. Continuei as entrevistas para compor a reportagem, e no final de tudo... aquilo não tenho nada contra, muito pelo contrário. Cazuza escrevia maravilhosamente so-que era inexplicável, passou a ser entendido. bre amor e ainda nos presenteou com musicas como “Brasil” ou “Blues da Piedade”. Porque o artista tem a obrigação desse desafio. Principalmente o roqueiro.Para resumir posso dizer que aquelas pessoas não são pessoas viciadas em tecnolo-gias, ou presas em um mundo de fantasias. Mas sim, pessoas sem preconceitos ou A Massa quer ouvir sobre amor, situações cotidianas e qualquer coisa que as façavergonha de dizer que ainda gosta de tudo aquilo que um dia gostaram, e que não fugir da verdade. É o que faz a novela, o filme de Hollywood, o sertanejo, o pagode,reprimem dentro de si seus desejos, a vontade se ser feliz, e principalmente de se rea- o Restart (representando o novo rock). Tudo o que possa camuflar a desigualdadelizar como pessoa. Aquela loja para mim, ah... aquela loja, talvez um dia volte. social, cultural, intelectual, financeira, etc. É a nossa ópera atual! GEEK´S 45
  27. 27. Durante o escaneamento, pude imaginar vários outros títulos como bons filmes, porLiteratura X Cinema exemplo, Neuromancer (William Gibson, 1984), que é um dos meus favoritos e in-Por Carlos Zyon – Convidado fluenciaram diretamente Matrix (1999), dos irmãos Wachowski, junto com os outros dois livros da trilogia: Count Zero (1986) e Mona Lisa Overdrive (1988), aliás, foiHá algum tempo atrás encontrei uma amiga on-line e resolvi indicar um livro de anunciado em 2011 pela Seven Arts Pictures que, em acordo com Prodigy Picturesficção científica que tinha acabado de ler e pensei que iria gostar. A resposta dela: produzirá Neuromancer com um orçamento de $60 milhões, que será escrito e dirigi-“Uau!!! Rsrsrs Gostei!!! E já vai virar filme!!!”. Confesso que fiquei desapontado do por Vincenzo Natali, de Splice-A Nova Espécie e Cube-Cubo); Daemon (Daniele pensei algo do tipo: “Esta Gen Y não vai aprender a ler nunca?”. Mas, ao mesmo Suarez, 2006), que, ao que consta, já tem os direitos adquiridos pela Paramount Pictu-tempo, uma sub-rotina que programei em meu cérebro há muito tempo chamada de res e Unison – A Rede Social do Futuro (Andy Marino, 2012), que, se não for filmado“Alert_ctra_qq_tip_precnct” foi acionada e emitiu um SIGSTOP 19, me obrigando a logo, vira realidade.entrar em modo debug e repensar no assunto. (Ok, neste ponto vocês já perceberamque sou um Gen X criado por Baby Boomers). Sub rotina finalizada, foi emitido um SIGCONT 18 e pude reconhecer, aliviado, que ler um bom livro e assistir a um bom filme de sci-fi não são experiências excludentes,Afinal, cinema e literatura de ficção científica sempre andaram de mãos dadas desde mas complementares, pois os detalhes de um livro que são (invariavelmente por contaos primórdios do cinema, com filmes como Viagem à Lua, dirigido por Georges Mé- do tempo) descartados, são, por outro lado, enriquecidos pelas visões e experiênciasliès em 1902, baseado em dois romances populares de seu tempo: Da Terra à Lua, de dos produtores, diretores, atores e uma grande equipe de apoio, que, somadas à nossaJúlio Verne e Os Primeiros Homens na Lua, de H. G. Wells (autor roteirizado até hoje, própria visão do livro, expandem essa experiência única, íntima e singular para umacom títulos como Guerra dos Mundos, O Homem Invisível, A Máquina do Tempo, A experiência compartilhada, distribuída e, consequentemente, mais completa, exce-Liga Extraordinária, Vinte Mil Léguas Submarinas e A Ilha do Dr. Moreau). tuando se, é claro, a horripilante visão de Sting vestido apenas com sua sunguinha harkonnen, em Duna.Iniciando no horizonte de eventos da minha própria estante, escaneei alguns títulosclássicos de sci-fi, como Farenheit 451 (Ray Bradbury, 1953), dirigido por François Para finalizar, é claro, mais um título: O Jogador Número 1 (Ernest Cline, 2011),Truffaut em 1966; 2001, Uma Odisséia no Espaço (Arthur C. Clarke, 1968), dirigido com os direitos adquiridos pela Warner e que, como disse uma amiga Gen Y: “... Epor Stanley Kubrick em 1968; Duna (Frank Herbert, 1965), dirigido por David Lynch já vai virar filme!!!”, e, quando virar, será recebido com uma sessão de cinema comem 1984 e Eu Robô (Isaac Asimov, 1950), dirigido por Alex Proyas em 2004; passan- os amigos com direito a baldes de pipocas e boas garrafas de vinho, uma experiênciado por Uma Princesa de Marte (Edgar Rice Burroughs, 1917), dirigido por Andrew impossível de ser compartilhada enquanto lemos o livro.Stanton em 2012 com o título de John Carter: Entre Dois Mundos, que também con-tém elementos da sequencia Os Deuses de Marte (1918) e chegando, inevitavelmente,à obra de Philip K. Dick, talvez o autor mais roteirizado do gêneroUma coletânea inédita, lançada no Brasil pela Editora Aleph sob o nome de Realida-des Adaptadas, reúne os contos de PKD que inspiraram grandes sucessos do cinema,como Lembramos Para Você a Preço de Atacado (1966) / O Vingador do Futuro,dirigido por Paul Verhoeven em 1990, com direito a remake dirigido por Len Wi-seman em 2012; Minority Report (1956) dirigido por Steven Spielberg em 2002; OPagamento (1953) dirigido por John Woo em 2003; Equipe de Ajuste (1954) / OsAgentes do Destino, dirigido por George Nolfi em 2011; O Homem Dourado (1953)/ O Vidente, dirigido por Lee Tamahori em 2007; Impostor (1953) dirigido por GaryFleder em 2001; e Segunda Variedade (1953) / Screamers-Assasinos Cibernéticos,dirigido por Christian Duguay em 1995.Além desses contos, impossível deixar de citar outros livros de PKD: Do AndoidsDream of Eletric Sheep? (1968) eternizado no filme Blade Runner – O Caçador deAndroides, dirigido por Ridley Scott em 1982 e O Homem Duplo (1977), dirigido porRichard Linklater em 2006. GEEK´S 47
  28. 28. “Triste” Constatação!PUBLICIDADE Por Paula Carolina O. Silva As mulheres vivem dizendo que os homens estão em falta no mercado. Mas homens fajutos nós vemos aos montes. Em todos os lugares como trabalho, baladas, faculda- de, amigos de amigos. Ou seja, estão faltando mesmo os homens certos. Mas, será que não são os homens certos para mulheres certas? A mulherada tá meio desesperada, atira pra todos os lados e acaba ficando com um cara mesmo que não seja o perfil dela. Enfim... Não sobrou nenhum NERD gatinho... Eles estavam lá... Eu lembro muito bem. Até namorei um deles, mas quando o namoro acabou, resolvi mudar a tática. Fui ser des- colada. Pro mundo eu era a louca. Nisso, a nerd dentro de mim tirou umas longas fé- rias. Eu perdi muito tempo sendo “A Alienada”, tomando todas, curtindo outro mundo e deixando meu lado nerd de lado... Agora olho em volta e lá estão eles... Fofos, gatos, nerds, perfeitos, mas... Com uma moça a tira colo... Mulheres são espertas e aprenderam que eles são os melhores namorados. Não são tão bitolados na aparência, são inteligentes, divertidos, meio loucos, mas tudo bem... São magrinhos ou gordinhos, nada de músculos. Roupas com pouco estilo. Passam horas e horas lendo um livro indecifrável aparentemente ou assistindo um filme esquisito pela milésima vez. Mas, são defeitos toleráveis. A banda Seminovos quando criou a musica “Escolha Já Seu Nerd” também atrapa- lhou um pouco. Olha esse refrão: O nerd de hoje é o cara rico de amanhã O nerd de hoje é o cara lindo de amanhã O nerd de hoje é o bom marido de amanhã Garota, escolha já seu nerd! É a mais pura verdade. Além de tudo são ingênuos. No caso da maioria das mulheres, é só dar uma fingidinha que gosta de apenas uma das preferências do nerd que ele se apaixona e ela pode voltar ao normal logo depois. Quantas mulheres vc conhece que REALMENTE gostam de STAR WARS, Senhor dos Anéis, Matrix, Super Heróis, etc? São poucas, garanto que são. Mas é só ela assistir à uma hora de “A Ameaça Fan- tasma”, dizer um comentário clássico, colocar no Facebook que curte a saga TODA e pronto, olha o cara apaixonado. E assim, as nerd´s femininas e verdadeiras perdem o terreno. Pode isso, produção? GEEK´S 49
  29. 29. ARTE / CULTURAA ARTE DOS QUADRINHOS NADA INFANTISE quem disse que não é possível trabalhar no que se gosta?Por Paula Carolina O. Silva Foto: Paula Carolina O. Silva Quem quando criança não pegou um papel e um lápis de cor e começou a desenhar só por diversão? E se essa criança cresce e continua a fazer isso, mas agora como profissão. Ganhando a vida com isso. A vontade de ser quadri- nista quase sempre começa na infância, com aquele lápis de cor e o papel. O mercado de quadrinhos é es- sencialmente estrangeiro, e vive, basica- mente, de traduções, muitas vezes com um grande atraso entre o que sai lá fora e o que é publicado aqui. Pois comercialmente, é preciso ver se o material é bom e vai ter continuida- de já que a procura aqui é muito menor. Há também no exterior a cultura dos en- cadernados (eles não tem o conceito de bancas de revistas e jornais como temos aqui), o leitor encomenda on-line ou na sua loja de quadrinhos – comic-shop – Rafael Coutinho no mais próxima, com uma antecedência Projeto Fachada na loja El Cabriton GEEK´S 51
  30. 30. d e três meses ou espera para com- mais longas aos poucos, participei de prar os encadernados. Com a che- duas coletâneas, Bang Bang e Contos gada da editora Italiana Panini Co- dos Irmãos Grimm. Foi daí que conhecimics ao Brasil em 1998 em parceria com meus primeiros contatos no meio. De ar-a editora Abril, começaram a ser vendi- tistas a editores.” Afirma. das as histórias encadernadas depois de É uma linha da literatura que porcompletas em sagas ou arcos, além de muito tempo foi carregada de precon-materiais clássicos, que antes só podiam ceitos, de que atrapalhavam os jovensser achados em sebos. pela linguagem infantil ou que deveriam Marcelo Forlani, admirador e con- ser apenas uma ponte para a literaturasumidor de quadrinhos fala sobre o perfil mais “pesada”. Na década de 80 isso foidos quadrinistas, “O brasileiro sempre foi desmistificado por publicações completa-muito bom em copiar o que estava sendo mente adultas como a Chiclete com Ba-feito lá fora, até por uma questão de mer- nana, uma revista com alto teor de críticacado e influência. Hoje em dia nós temos social e humor ácido. Personagens rebel- Foto: Paula Carolina O. Silvaquadrinistas brasileiros, como os irmãos des como: Piratas do Tietê, Rê Bordosa,Fábio Moon e Gabriel Bá, Rafael Couti- Wood & Stock, etc. Trazia uma misturanho e Rafael Albuquerque fazendo seu de cartunistas, mas principalmente: An-trabalho autoral, sem ter que “imitar” o geli, Laerte, e Glauco que se destacavamestilo estadunidense, com mais liberdade pelavariedade de personagens que cria-de achar seu próprio estilo.” Diz. vam, e ainda hoje são reconhecidos por O mercado para os quadrinistas na- seus trabalhos.cionais está em um bom momento, desde2006, com o Programa Nacional Biblio-teca da Escola (PNBE), literaturas clás-sicas estão sendo adaptadas aos quadri-nhos para serem adotadas por escolas.Obras de Machado de Assis, MonteiroLobato, Júlio Verne e Dante Alighieri já fo- Rafael Coutinho já publicou suas histórias em quadrinhos em países comoram adaptadas. A tendência da literatura Bogotá, Colômbia, Argentina e tem lançamento confirmado para novembroem quadrinhos não é nova, mas ganhou na França. Participou em outubro do Projeto Fachada, criado pela loja “El Ca- Foto: Divulgaçãoforça nos últimos anos e isso abre o leque briton” (www.elcabriton.com), que fica em São Paulo, onde a cada mês umde opções de trabalho. artista ilustra as paredes externas da loja. Para Rafael Coutinho, quadrinis-ta desde 2000 quando ainda estava na É filho do cartunista Laerte. Fizeram alguns trabalhos juntos e cuidam do “Nar-faculdade de artes plásticas na UNESP, val Comix” (www.narvalcomix.com.br), iniciativa independente de produçãoo importante para iniciar a carreira é di- de quadrinhos autorais venda de produtos próprios (E-loja).vulgar o trabalho, saber qual o tipo dequadrinhos vai escolher e ser paciente. Duas gerações que usam formas diferentes de se expressar para uma mesma“Comecei publicando em uma revista in- arte!dependente chamada “Sociedade Radio-ativa”. Fiquei quatro anos contribuindo,passei a fazer parte do corpo editorial.Lançamentos em bares em que bandasde amigos tocavam, entregávamos flyers GEEK´S 53na noite. Passei a me dedicar a histórias
  31. 31. HQ - Cachalote que Na diferenciação de será lançado na França em novem- estilos, as técnicas de dese- bro. nho mudam de acordo com o assunto ou referencia local de onde está o profissional, Marcelo Hessel, jornalista do site Omelete fala sobre essa diferença, “HQ´s de Marvel e DC Comics não têm uma di- ferença entre traços. Não é como Mangá e HQ Francesa, por exemplo, que são obvia- mente diferentes. O que exis- te de distinto são os estilos de cada desenhista, mas mesmo esses estilos podem mudar com o tempo, como aconte- ceu com o Mike Deodato, que mudou o estilo dele com os anos.”Conclui. O lado negro de todas as profissões são onde e em quê condições trabalhar. Segundo a AQC-ESP (Associação dos Foto: Divulgação Quadrinhistas e Caricaturistas Piratas do Tietê - Sucesso nos anos 80. do Estado de São Paulo), ins- tituição criada em 1984, exis- O Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), foi desenvolvido em 1997 e tem como tem cerca de 300 profissionais objetivo incentivar à leitura e o acesso à cultura aos alunos e professores distribuindo obras de que não trabalham exclusiva- literatura e pesquisa. A cada ano incluem na lista dos escolhidos mais HQ´s adaptadas da litera- mente com quadrinhos (por tura. A lista do foi divulgada e os nomes que estavam mais cotados e entraram são: exemplo, nos grandes estú-Foto: Divulgação dios como Mauricio de Souza, Confira alguns nomes da lista de quadrinhos selecionados para 2013: são exclusivamente quadrinhos) e existem os semi-profissionais que trabalham em outras funções Dom Casmurro Ivan Jaf e Rodrigo Rosa Ática como diagramação eletrônica, desenho animado, caricatura ou ilustrações. E sobre estabilidade, A Escrava Isaura Ivan Jaf e Guazzelli Ática Worney Almeida, presidente da Associação explica como funciona. “A grande maioria produz por Frankenstein em HQ Taisa Borges Peirópolis demanda de trabalho (freelancer), alguns tem carteira assinada como desenhistas, ilustradores O Guarani Juliano Oliveira e Sam Hart Scipione ou jornalistas, porém, quadrinistas são muito poucos e geralmente trabalham em redações de jor- Hamlet Emma Vieceli Record nais. Infelizmente a categoria é precarizada e a grande maioria constitui uma Microempresa (ME) A ilha do tesouro A. Harrar e Richard Kohlrus DCL para emitir notas fiscais dos trabalhos produzidos.” A ilha do tesouro D. Chauvel e Fred Simon Salamandra Caminhos para se tornar um quadrinista bem sucedido são os mais variados, mas talento, O Negrinho do Pastoreio André Diniz Ygarapé estudo, paciência e vontade são essenciais para qualquer profissional de sucesso e para Couti- Nietzsche em HQ Singular nho, essa é a hora para investir na carreira, “Estamos num bom caminho, creio. Os artistas brasi- Otelo Jozz e Akira Sanoki Nemo leiros andam muito inspirados, testando esses limites criativos e de mercado, acho que vivemos numa fase de ouro.” Completa. Então corram! G GEEK´S 55

×