Your SlideShare is downloading. ×
0
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Reunião pedagógica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Reunião pedagógica

1,454

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,454
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. REUNIÃO PEDAGÓGICA ORIENTADORA EDUCACIONAL ROSANE GORGES Somos muitos professores neste país preocupados com salários, com capacitação, com condições de trabalho, com a tarefa de ensinar. Segundo Gadotti (1999), na busca permanente de aprendizado e sem autonomia (referindo-se a Pedagogia da Autonomia, de Freire) não há ensino, nem aprendizagem .
  • 2. Para Hoffmann, a avaliação escolar hoje só faz sentido se tiver o intuito de buscar caminhos para a melhor aprendizagem. M. R. Almeida (2011), por sua vez, diz que a avaliação existe para possibilitar o aperfeiçoamento do ensino-aprendizagem, ou seja, aperfeiçoar o processo primeiro de quem ensina e depois de quem aprende, em seu artigo O Monstro-que-assuta-criancinhas.   Disponível em http://www.swainstituto.com.br/artigo.php?id=96   <ul><li>PRIMEIRO QUESTIONÁRIO APLICADO </li></ul><ul><li>Perfil da turma; </li></ul><ul><li>Indisciplina na sala de aula; </li></ul><ul><li>Avaliações oportunizadas; </li></ul><ul><li>Trabalhos realizados; </li></ul><ul><li>Atividades não entregues pelos alunos; </li></ul><ul><li>Baixo rendimento escolar; </li></ul><ul><li>Registros no diário de classe das atividades regulares; </li></ul><ul><li>Atividades e recuperação de estudos; </li></ul><ul><li>Frequência dos alunos registrada no diário; </li></ul><ul><li>Sugestões visando melhoria na qualidade do ensino-aprendizagem. </li></ul>
  • 3. Todos estes questionamentos foram feitos para que nós reflexionássemos acerca de: <ul><li>Qual é a missão da escola? </li></ul><ul><li>Meus alunos estão aprendendo? </li></ul><ul><li>Estou buscando nas deficiências (lembrando Freire (1999) “se não houve aprendizagem, não houve ensino”) novas estratégias de ensino? </li></ul><ul><li>Como avalio os meus alunos, com avaliações (diagnóstica, formativa, somativa) ou só algumas provas e trabalhos? </li></ul><ul><li>Estou oportunizando a recuperação dos estudos? </li></ul>
  • 4. RECUPERAÇÃO PARALELA <ul><li>Conforme preconiza a LDB no seu art. 10 (resolução da SED 158) entende-se por recuperação dos estudos o processo didático-pedagógico que visa oferecer novas oportunidades de aprendizagem ao aluno para superar deficiências ao longo do processo ensino-aprendizagem. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Art. 11, da LDB, normatiza que a recuperação dos estudos será oferecida sempre que for diagnosticada NO ALUNO , insuficiência no rendimento durante todo o processo regular de apropriação de conhecimentos e do desenvolvimento de competências.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Sendo que, de acordo com a mesma legislação, o resultado obtido na avaliação, após os estudos de recuperação em que O ALUNO demonstre ter superado as dificuldades, substituirá o anterior quando maior referente aos mesmos objetivos. </li></ul>
  • 5. ENTREVISTA ESPECIAL COM PEDRO DEMO SOBRE EDUCAÇÃO
  • 6. SEGUNDO QUESTIONÁRIO APLICADO <ul><li>FEEDBACK (RETROALIMENTAÇÃO) DO CONSELHO DE CLASSE </li></ul><ul><li>  </li></ul>Como constatado na entrevista especial com Pedro Demo sobre educação, nós educadores, antes de sermos professores devemos ser pesquisadores e foi pensando nisto que elaborei este questionário de curto alcance de análise qualitativa.
  • 7. <ul><li>Esta pesquisa objetivou: </li></ul><ul><li>Ouvir alunos por meio de seus registros: opiniões, sugestões, diagnosticando, assim, as suas possíveis dificuldades; </li></ul><ul><li>Servir de feedback também como parâmetro para a qualidade da educação; </li></ul><ul><li>Questionar alunos quanto à indisciplina. Ao questioná-los percebemos que suas sugestões coincidem com a realidade desta e de muitas outras escolas, ou seja, eles elencam que indisciplina é falta de respeito, bagunça, xingar professor, não ter responsabilidade, não estudar e outros motivos. </li></ul><ul><li>Combater indisciplina para os alunos significa mandar bilhetes aos pais ou responsável ou chamá-los à escola, conversar, ter aulas mais interessantes e elaboradas entre outras sugestões. </li></ul>
  • 8. <ul><li>DÁ VOZ AO ALUNO </li></ul><ul><li>Para a pedagoga Madalena Freire (2003) “somos educadores, temos que escutar os alunos, não para obedecer a seus desejos, mas para organizar sua busca do conhecimento. </li></ul><ul><li>Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u574.shtml </li></ul>
  • 9. O QUE SUGERE A ORIENTADORA EDUCACIONAL ROSANE GORGES PARA TRABALHAR A INDISCIPLINA NA ESCOLA? <ul><li>Promover a prática conciliatória com mais ênfase; </li></ul><ul><li>Construir um contrato pedagógico unificando-o onde todas as disciplinas dialoguem utilizando a mesma linguagem; </li></ul><ul><li>Trabalhar valores, interdisciplinarmente, na sala de aula. A Orientadora Educacional iniciou este trabalho em algumas salas (escala de valores do grupo); </li></ul><ul><li>Domínio de classe é fundamental para que o professor conquiste o respeito do grupo; </li></ul><ul><li>Não permitir que os conflitos transformem-se em combates. </li></ul>
  • 10. AS SURPRESAS NA SALA DE AULA

×