Your SlideShare is downloading. ×
CóPia De Sistema LíMbico 13
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

CóPia De Sistema LíMbico 13

4,184
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,184
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.
    • DA RAIVA À AGRESSÃO
    • LUTA = ataque defensivo
    • MEDO
    • FUGA
    • ATAQUE DEFENSIVO
    • Barulhento, com gestual (conjunto estereotipado de defesas)
    • Diferente
    • ATAQUE OFENSIVO
    • Aproximação silenciosa, sem espalhafação de gestos e expressões
    • Ataques frio e mortal, direcionado ao pescoço da presa
    • No ser humano “a agressividade perdeu a sua função” -> organização
    • Social, necessidade relativa de sobrevivência, mecanismos cognitivos
    • da razão = capaz de “controlar”
    • RELATIVO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
  • 2.
    • Indivíduo com raiva (emoção que determina um comportamento para o
    • ataque)
    • Sentimento de medo pode preceder.
    • RAIVA MEDO
    • Grita Chora
    • Gestos Ofensivos de aproximação Afasta-se
    • Ataque ao oponente Ataque para afastar-se do
    • oponente, fugindo ou defendendo-se
    • com braços e pernas
    • A Expressão facial entre as duas condições é diferente
  • 3.
    • NEUROBIOLOGIA DA AGRESSÃO
    • Gato com o Hipotálamo desconectado = pseudoagressão
    • Hipotálamo = estrutura chave
    • HIPOTÁLAMO LATERAL = ATAQUE OFENSIVO
    • HIPOTÁLAMO MEDIAL = ATAQUE DEFENSIVO
  • 4. REGULAÇÃO DOS PROCESSOS EMOCIONAIS E MOTIVACIONAIS
    • Ablação bilateral da parte anterior do lobo temporal em macacos
    • Rhesus = lesão tb de hipocampo, giro para-hipocampal e o corpo
    • Amigdalóide = Resultado – Síndrome de Klüver e Bucy
    • Domesticação do animal usualmente selvagem e agressivo
    • Perversão do apetite – alimentação de coisas que não comiam
    • Agnosia visual
    • Tendência oral – levar a boca todos os objetos que encontravam
    • Tendência hipersexual – ato contínuo de cópula homo e/ou hetero
    • Agnosia por provável lesão em lobo temporal
    • Todos os demais sintomas = lesão do sistema límbico
    • A DIMINUIÇÃO DA AGRESSIVIDADE
    • PRINCIPALMENTE AO CORPO AMIGDALÓIDE
  • 5.
    • John Dower – década de 60
    • Removeu a amigdala de um lado e fez uma transecção do quiasma
    • Óptico e das comissuras cerebrais – separou um hemisfério do
    • Outro
    • CONCLUSÃO
    • Animal agressivo quando tapa olho estava no lado lesado
    • Animal dócil quando tapa olho estava no lado não operado
    • O estímulo que provoca o comportamento agressivo = eficaz quando
    • visualizado por um dos olhos que mantinham conexões através do
    • tálamo e do córtex com a amigdala normal
  • 6.
    • Corpo amigadalóide = disparador de medo e raiva -> Hipotálamo
    • Amigdala central Grísea periaqueductal = coordenadora
    • Hipotálamo Medial de ataque defensivo característico do
    • MEDO
    • HIPOTÁLAMO LATERAL ÁREA TEGMENTAR VENTRAL
    • RAIVA
    • OBS; No Hipotálamo medial existem receptores de androgênio e
    • também esteróides anabolizantes que contém androgênio = núcleos
    • De controle neuroendócrino
  • 7. ÁREA SEPTAL
    • Abaixo do corpo caloso, anterior a lâmina terminal
    • Conexões com o hipotálamo e formação reticular (feixe prosencefálico
    • medial)
    • Lesões bilaterais = raiva septal – hiperatividade emocional +
    • Ferocidade + raiva diante de situações neutras
    • Aumento de sede
    • Estimulação da área septal = alteração da pressão arterial e do ritmo
    • cardíaco.
    • Auto estimulação mostra que é um dos centros de prazer = ESTÍMULO
    • AO REFORÇO POSITIVO OU RECOMPENSA DE DETERMINADOS
    • COMPORTAMENTOS
  • 8.
    • James Olds e Peter Milner implantaram eletrólitos na área septal de
    • Ratos e os mantiveram em gaiolas dotadas de alavancas capazes de
    • Acionar estímulos elétricos.
    • Os animais não só se auto estimulavam mas pareciam gostar
    • Pareciam estar viciados.
    • Conjunto de regiões ao longo do feixe prosencefálico medial ->
    • Provocavam auto-estimulação “compulsiva”
    • Pacientes com narcolepsia e epilesia, com eletrodos em diversas
    • áreas encefálicas.
    • Hipocampo = prazer moderado
    • Amigdala e núcleo caudado = prazer moderado
    • ÁREA SEPTAL = prazer intenso – quase orgasmo
    • Tegmento mesencefálico = prazer de embriagues
  • 9.  
  • 10.
    • VIAS DO PRAZER
    • Hipotálamo lateral -> Área Tegmentar Ventral -> núcleos pontinos
    • dorsais
    • SEXO E BUSCA PELO PRAZER
    • Tendência entre animais, inibida normalmente por fatores biológicos e
    • sociais -> liberadas em situações especiais
    • No ser humano o lado prazeroso do sexo separou-se da procriação.
    • Nos seres humanos encontram-se outra formas de prazer – comer,
    • Beber, jogar, esporte, ler, ver televisão, cinema, música etc.
    • A vida humana em sociedade passou a ser uma busca ininterrupta por
    • prazer
  • 11.
    • PRAZER SEXUAL
    • Sinais neurais e químicos provenientes de todo o corpo, integrados
    • pelo hipotálamo com a participação de outras regiões.
    • Sistema mesolímbico – capaz de responder a estímulos + gerando um
    • Estado motivacional complexo = repetir o comportamento para
    • obtenção de mais prazer - NÍVEIS EXTREMOS = COMPULSÃO E DEPENDÊNCIA
    • COMPORTAMENTO SEXUAL PODE SER:
    • APETITIVOS = atração macho e fêmea, provocação de excitação,
    • preparação do organismo
    • CONSUMATÓRIOS = ato sexual
  • 12.
    • HIPOTÁLAMO -> ÁREA PRÉ OPTICA E VENTROMEDIAL = RECEPTORES PARA HORMÔNIOS ESTERÓIDES DAS GÔNADAS
    • Nas fêmeas o núcleo ventro medial – controla o posicionamento para a
    • Cópula.
    • Axônio para a grísea periaqueductal formação
    • Reticular bulbar feixe retículo espinhal controle da ação
    • dos moto neurônios.
    • Nos machos o núcleo pré-óptico medial tegmento mesencefálico
    • núcleo da base
    • medula inervação para a penetração
    • inervação para a ejaculação
    • Sinal químico que dispara o processo no hipotálamo = estradiol
    • (metabólito da testosterona)
  • 13.
    • OUTRAS INFORMAÇÕES SENSORIAIS
    • Informações olfatórias específicas (ferormônios) -> órgão vômero –
    • nasal -> córtex olfatório -> núcleos córtico medial da amigdala ->
    • hipotálamo
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.
    • Estados Motivacionais – comportamentos apetitivos e consumatórios
    • Consumatórios = comandados pelo hipotálamo -> (monitora
    • continuamente cada uma das variáveis ou nível de hormônios
    • relevantes para cada caso)
    • Mas e os comportamentos apetitivos?
    • Parece estar ligado a regiões próximas do feixe prosencefálico medial
    • – desde o tronco cerebral e o mesencéfalo, até os núcleos da base e
    • as regiões mediais do córtex cerebral.
    • Feixe prosencefálico medial tem diferentes sistemas de fibras mas a
    • Desmotivação estava ligada á lesão de fibras dopaminérgicas das
    • áreas tegmentar ventral do mesencéfalo – hipotálamo – corpo estriado
    • (principalmente o núcleo acumbente) – córtex cingulado – córtex pré-
    • frontal
  • 17. GIRO DO CÍNGULO
    • Ablação cingulectomia) = domesticação de animais selvagens
    • Usado em pacientes com quadros agressivos
    • Quando faz-se a simples secção do fascículo do cíngulo
    • (cingulotomia) = melhora quadros de depressão e ansiedade.
    • Córtex cingulado anterior e insular – alterações emocionais no estado
    • fisiológico do corpo
    • O Córtex cingulado está envolvido no processo de cognição seletiva,
    • Na focalização da atenção para as informações que entram.
  • 18. HIPOCAMPO
    • Papez = aumento da reatividade emocional em lesões do hipocampo
    • Lesões bilaterais = aumento de agressividade
    • Importante no fenômeno da memória.
    • Memória recente = mais lábil que a remota (provavelmente
    • armazenada em áreas de associação do neocórtex)
    • Memória recente depende do sistema límbico = processo de retenção,
    • consolidação de informações novas, armazenamento temporário e
    • transferência para áreas neocorticais de associação.
  • 19.
    • 1- retirada de parte lobo temporal bilateral contendo o hipocampo p/
    • controle de epilepsia = amnésia anterógrada + retrógada recente
    • 2- Comprometimento da memória era também em função da lesão do
    • corpo amigdalóide – piorava mais a amnésia
    • 3- acometimento do sistema límbico (lobo temporal, fornix e corpo
    • mamilar) = amnésia anterógrada – Síndrome de Korsakoff
    • (degeneração do corpo mamilar)
    • 4- Doença de Alzheimer – degeneração dos neurônios colinérgicos do
    • núcleo basal de Meynert – perda da ação moduladora sobre o sistema
    • Límbico e do neocórtex relacionados com a memória.
  • 20.
    • Outros Fatores mais importantes:
    • Degeneração seletiva de dois grupos de neurônios do sistema
    • límbico:
    • Parte do Hipocampo que dá origem as principais fibras eferentes
    • Área entorrinal, no giro para-hipocampal = porta de entrada das vias, que do neo-córtex se dirigem ao hipocampo passando por este giro
    • Hipocampo fica Isolado
    • HIPÓTESE
    • Memória recente inicialmente armazenada no hipocampo e na amígdala
    • e depois transferida para o Neocórtex ou,
    • Já no neocórtex sendo gradualmente consolidada e transformada em
    • memória remota pela ação do hipocampo e da amigdala
  • 21.
    • Núcleos do Trato Solitário – volume de sangue, nível de açucar etc
    • Hipotálamo –
    • Hormônios sexuais
    • Bulbo Olfatório -
    • Amígdala = informação sobre as
    • necessidades físicas do corpo
    • INPUT
    • Córtex Pre-Frontal
    • Lobo Temporal
    • Cingulado
    • Animal + atento e o
    • S.N.Simpático ativado (excitado, agressivo)
    • Em Humanos, no ato cirúrgico alucinações semelhante a déjavù –
    • desagradáveis -> ansiedade
    Núcleo Basal Núcleo Lateral
  • 22.
    • Corpo Amigdalóide = local na qual a percepção de um estímulo é
    • combinada à informação sobre a significação biológica dele.
    • Estímulo visual de um objeto redondo com um talo no topo + cheiro
    • do objeto integrado pela amigdala basolateral + memória que é
    • Comestível = Maçã
    • OUTPUT – Núcleo central do corpo amigdalóide = interface com
    • vários outros sistemas de output
  • 23.
    • Núcleo
    • Basal
    Núcleo Lateral NÚCLEO CENTRAL Hipotálamo- Ativar o S. N. Simpático Locus Ceruleus – controlar a liberação de Norepinefrina Área Tegmentar Ventral – controlar a liberação de Dopamina Núcleo Vago – Ativação Parassimpático Cinza central, núcleo motor facial – Prostração e expressão facial de medo Núcleo Reticular pontino – Reflexo do sobressalto Núcleo Dorso medial – Córtex pré-frontal – motivação
  • 24.
    • Experiência com macacos – eletrodo no corpo amigdalóide
    • Neurônios disparam + quando vêm alimentos favoritos (laranja) X
    • Neurônios disparam - quando vêm alimentos comuns;
    • Neurônios disparam + quando vêm aranhas X
    • Neurônios disparam - quando vêm 1 rolo de fita
    • Neurônios disparam + quando, sedentos viam garrafa de água X
    • Neurônios disparam - quando, matavam a sede
    • Neurônios disparam + quando sempre que viam uma garrafa de suco
    • de laranja = desejo (saboroso) mesmo sem sede
  • 25.
    • Em humanos
    • Em exames de Pet Scan – face de alegria ou medo = alteração do
    • fluxo sanguíneo do corpo amigdalóide.
    • Medo = aumento do fluxo sanguíneo do corpo amigdalóide esquerdo
    • Corpo amigdalóide pode fazer o processamento a nível inconsciente
    • Palavras ameaçadoras ativam mais o corpo amigdalóide que palavras
    • neutras
  • 26.
    • 1 – O Corpo Amigdalóide e o Hipocampo – input novos glutamatérgico para a (ATV) área tegmentar ventral -> Influenciando a DA liberada
    • nos neurônios do núcleo acubens (NA)
    • Hipocampo facilita o fluxo de informações do córtex pré-frontal para o
    • NA e depois para o pálido ventral – aumenta a capacidade do
    • organismo em ações de acordo com um plano de longo prazo sem se
    • Perder em dispersões.
    • A amigdala também facilita o fluxo de informações para o NA somente
    • 30 a 40 milisegundos depois que foi estimulado.
    • Quando o corpo amigdalóide é estimulado ele passa por cima do
    • estímulo hipocampal de ação planejada de longo prazo.
  • 27.
    • A Atividade ATV-NA é vivenciada de forma clara como prazerosa
    • O córtex pré-frontal está envolvido no planejamento de longo prazo e
    • na inibição de ações motoras inadequadas –
    • Curva tálamo – médial - pre-frontal – dorsal
    • O output tônico do pálido ventral é inibido e pode ser iniciado um
    • programa motor
    • Enquanto a curva motora influencia no início do comportamento motor
    • De rotina, a curva límbica desempenha um papel fundamental no início
    • de ações ligadas a sobrevivência
    • A curva estriatal límbica + corpo amigdalóide + hipocampo ajuda a
    • determinar a responsividade do organismo e estímulos ambientais,
    • Principalmente de medo ou de recompensa
  • 28.  

×