• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo X
 

CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo X

on

  • 3,573 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,573
Views on SlideShare
3,558
Embed Views
15

Actions

Likes
1
Downloads
94
Comments
0

1 Embed 15

http://www.slideshare.net 15

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo X CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo X Presentation Transcript

    • ESQUIZOFRENIA – MÓDULO X
      • Tratamento da Esquizofrenia
      • Questões Gerais
      • Tratamentos Farmacológicos
      • Terapia Eletroconvulsiva
      • Intervenções Psicosociais Específicas
      • Individuais – Psicoterapia de insight x TCC
      • Intervenções Familiares
      • Grupais – Treinamento de Habilidades Sociais
      • Psicoeducação
      • Intervenções Comunitária
      • Reabilitação
      • Programas Específicos de Intervenção Precoce
      • TRATAMENTO DA ESQUIZOFRENIA
      • Questões Gerais
      • Aspectos Transversais - estado clínico atual
      • Aspectos Longitudinais - freqüência, gravidade, os tratamentos e
      • conseqüências de episódios passados
      • Envolvimento do paciente e sua família.
      • Muitos pacientes necessitam de abordagens abrangentes ao longo da vida
      • Objetivo do tratamento = diminuir a mortalidade e morbidade associadas ao
      • transtorno.
      • diminuir a freqüência, gravidade e conseqüências
      • psicosociais dos episódios
      • Maximizar o funcionamento psicossocial
      • Objetivos específicos depende da fase do tratamento e de outras características
      • específicas do paciente.
      • Manejo Psiquiátrico
      • ● Estabelecimento e manutenção de uma aliança terapêutica.
      • ● Monitoramento do estado psiquiátrico do paciente
      • ● Oferecimento de uma educação com relação à esquizofrenia e seu tratamento
      • ● Determinação da necessidade de medicamentos e tratamentos específicos
      • e desenvolvimento de um plano geral de tratamento.
      • ● Melhora na adesão ao plano de tratamento
      • ● Aumentando o entendimento e a adaptação aos efeitos psicossociais do
      • transtorno
      • ● Promovendo o reconhecimento precoce de episódios e a introdução do tratamento e auxiliando na identificação de fatores que precipitam ou perpetuam os episódios.
      • ● Iniciando os esforços para aliviar o sofrimento e melhorar o funcionamento familiar.
      • ● Facilitando o acesso a serviços e coordenando recursos entre os sistemas de saúde mental, saúde médica em geral e outros serviços
      • TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
      • Tratamento de episódios agudos
      • OBJETIVOS
      • ● Prevenir danos
      • ● Controlar comportamento perturbado
      • ● Reduzir a gravidade da psicose e sintomas associados (agitação, agressividade, sintomas negativos e afetivos)
      • ● Determinar e tratar os fatores que levaram à ocorrência do episódio agudo.
      • ● Efetuar retorno rápido ao melhor nível de funcionamento.
      • ● Desenvolver uma aliança terapêutica com o paciente e familiares.
      • ● Formular planos de tratamento de curto e longo prazo.
      • ● Viabilizar a relação do paciente com a cuidado adequado para tratamento na comunidade
      • Prevenção de episódios futuros
      • Melhoras dos sintomas entre os episódios
      • TERAPIA ELETROCONVULSIVA – ECT
      • Tão eficaz quanto os antipsicóticos
      • Antipsicóticos + ECT = Superior a cada um isoladamente.
      • Não é tão eficiente para pacientes crônicos
      • Indicado quando o tratamento antipsicótico não é eficaz ou tolerado
      • INTERVENÇÕES PSICOSSOCIAIS ESPECÍFICAS
      • Terapia Individual
      • Somatório de várias abordagens e estratégias ajustadas para cada paciente.
      • Técnicas de apoio e resolução de problemas
      • Estratégias de apoio voltadas para a realidade
      • TCC – aumenta a capacidade de enfrentamento dos processos delirantes-
      • alucinatórios
      • Terapias exploratórias – pequeno número de pacientes que atingiram uma
      • remissão estável e estabeleceram uma aliança terapêuticas sólida
      • Intervenções Familiares
      • Com objetivo de promover mudanças no ambiente familiar adverso e diminuir o
      • nível de estresse (comportamento crítico e superprotetor de algum família) e a
      • recaída
      • Educação, orientação e apoio
      • Treinamento e ajuda a lidar com o paciente.
      • TERAPIAS DE GRUPO
      • Psicoeducação, aconselhamento, terapia de grupo
      • Aqui e agora
      • Efetivos para aumentar a habilidade dos pacientes (enfrentamento dos sintomas psicóticos)
      • Ensino de habilidades interpessoais e de enfrentamento
      • Oferecimento de uma rede social de apoio (diminui o isolamento social)
      • Monitoramento dos pacientes no início dos sintomas
      • Psicoeducação
      • Educação sobre a doença, seu curso, as medicações e seus efeitos
      • colaterais, alimentação, enfrentamento e habilidade de soluções de
      • problemas dentro da família,
      • Adesão do paciente ao tratamento.
      • PROGRAMAS ESPECÍFICOS DE INTERVENÇÃO PRECOCE
      • Intervenção na fase prodrômica = prevenção de recaídas e de
      • internações ou reinternações
      • Programas específicos de psicoeducação de pacientes e familiares sobre os
      • sinais e sintomas prodrômicos -> Intervenção
      • INTERVENÇÃO PRECOCE EM PACIENTES VÍRGENS DE TRATAMENTO
      • UNIVERSAL, SELETIVA OU FOCAL
      • CRITÉRIOS PREDITIVOS PARA PSICOSE INCIPIENTE
      • EXEMPLO DO PROGRAMA PACE
      • Estratégia de aproximação – identificação de 1 grupo de alto risco para a psicose dentro de um período curto de seguimento.
      • Avaliação da psicopatologia e de preditores potenciais
      • (variáveis neurocognitivas e de imaginologia neurológica)
      • CRITÉRIO DE INCLUSÃO (PROSPECTIVO) = INDIVÍDUOS COM
      • CARACTERÍSTICAS PSICÓTICAS ATENUADAS E/OU SINTOMAS
      • PSICÓTICOS ISOLADOS
      • SINTOMAS ISOLADOS – DSM – IV
      • 1 - idéia de referência
      • 2 - crenças estranhas ou pensamentos mágicos
      • 3 - perturbação perceptiva
      • 4 - pensamento e discurso bizarros
      • 5 - ideação paranóide
      • 6 - comportamento ou aspectos bizarros ou perturbação de personalidade esquizotípica
      • Desvio dos sintomas da norma no mínimo 2x/ e devem permanecer por pelo
      • menos uma semana.
      • 1 ou 2 no item referente à alucinação da Brief Psychiatric Rating Scale (BPRS);
      • 2- 3 no item de conteúdo bizarro do pensamento ou
      • 2-3 no item de desconfiança ou convicção afirmada com um grau razoável, definida por 2 escalas de valores de delírio da Comprehensive Assessment of Symptoms and History (CASH).
      • Os sintomas psicóticos atenuados ( brief psycotic symptoms – BLIPS)
      • presença de pelo menos 1 dos seguintes sintomas:
      • alucinações, definida por um resultado de 3 ou mais itens da BPRS –
      • alucinações; delírio, definido por um resultado de 4 ou mais no item
      • conteúdo bizarro do pensamento da BPRS – relativo à desconfiança
      • ou afirmado com uma forte convicção, por 3 ou mais valores de delírio
      • da CASH; ou perturbação formal do pensamento definida por um
      • resultado de 4 ou mais no item da BPRS – desorganização conceptual.
      • A duração da BLIPS deve ser inferior a uma semana com resolução
      • espontânea.
      • A segunda estratégia de identificação dos indivíduos de alto risco a curto
      • prazo foi a aplicação de uma estratégia de aproximação à abordagem de
      • alto risco genético, o que implicou em seleção de fatores de risco de
      • perturbação psicótica, tanto de traço como de estado. Os fatores de risco
      • de traço escolhidos foram a história familiar em primeiro grau com
      • qualquer perturbação psicótica ou a presença de perturbação
      • esquizotípica de personalidade do espectro esquizofrênico
      • INSTRUMENTOS UTILIZADOS
      • 1- Psicopatologia
      • ∙ Brief Psychiatric Rating Scale
      • ∙ Scale for the Assessmen of Negative Symptoms
      • ∙ Hamilton Scale for Depression
      • ∙ Hamilton Rating Scale for Anxiety
      • ∙ Mania Rating Scale
      • ∙ Quality of Life Scale
      • ∙ Schedule for Clinical Assessment in Neuropsychiatry
      • 2 - RMC em lamelas de 1,2 mm para medir o volume do cérebro
      • 3 - Testes Neurocognitivos :
      • ∙ National Adult Reading Test (NART) – avaliar a inteligência pré-mórbida
      • ∙ Controlled Oral Word Association Test (COWAT), Verbal Fluency Test, Wisconsin Card Sorting Test e o Trail Making Test – avaliar o funcionamento executivo.
      • ∙ Red Auditory Verbal Learning Test (RAVLT)
      • Dejeto Symbol-Delay – avaliar a memória.
      • 4- História do desenvolvimento
      • ∙ Family Interview for Genetic Studies – documentar a história familiar de
      • perturbação psicótica
      • ∙ Lewis Obstetric Complications Scale – avaliar perturbações obstétricas
      • ∙ Premorbid Adjustment Scale (PAS) – avaliar o desenvolvimento.
      • ∙ Personality Disorders Examination (PDE) – itens de traços de esquizoidia e
      • esquizotipia - avaliar aspectos da personalidade
      • ∙ Dados sobre idade materna, história maternal geral,
      • ∙ Sucesso em marcos (andar, falar)
      • As medidas psicopatológicas e o Structure Clinical Interview completo foram repetidas mensalmente e o Quality of Life Scale foi repetido no final dos 12 meses
      • O estudo preditivo – PACE iniciou-se em março de 1995 e acabou com um número de 49 participantes para a investigação.
      • 35 com critérios atenuados de admissão
      • 12 com critérios para BLIPS
      • 18 com critérios de marcadores de traços.
      • Quanto à sobreposição:
      • 6 doentes preencheram os critérios de traços e atenuados,
      • 4 satisfizeram os critérios BLIPS e atenuados e
      • 2 satisfizeram os critérios de traço e BLIPS
      • 2 sujeitos satisfizeram todos os três critérios.
      • Durante os doze meses, 20 (40,8%) sujeitos ficaram psicóticos e dois sujeitos desenvolveram psicose após aos 15 e 25 meses. Dos 20 que ficaram psicóticos,
      • - 12 apresentaram psicose do tipo esquizofrênico (11 esquizofreniforme e 1 esquizofrenia);
      • - 3 apresentaram psicose afetiva (1 perturbação bipolar e 2 depressão maior com aspectos psicóticos);
      • - 1 apresentou perturbação esquizoafetiva tipo depressiva
      • - 1 apresentou psicose breve de mais de uma semana
      • - 2 apresentaram perturbação psicótica sem outras especificações
      • - 1 apresentou quadro de psicose mas faltam dados.
      • O poder preditivo mais significativo foi:
      • - duração dos sintomas maior que 900 dias
      • - resultado menor que 51 na Avaliação Global de Funcionamento
      • - resultado maior que 2 na sub-escala psicótica do BPRS
      • - resultado de atenção maior que 1 na SANS
      • - resultado maior que 18 na HRS- Depressão
      • - volume normal do Hipocampo esquerdo
      • - dependência de cannabis
      • - idade materna maior que 30 anos
      • INTERVENÇÕES SOCIAIS E COMUNITÁRIAS
      • 1 - Intervenções
      • manejo de caso - criação de uma equipe ou de um indivíduo designado para garantir o contínuo recebimento de serviços coordenados, contínuo e abrangente.
      • PACT - Tratamento comunitário Assertivo
      • manejo + tratamento ativo por equipe
      • SQZ marginalmente ajustados e de fraco funcionamento.
      • equipes que trabalham 24 horas do dia, 7 dias da semana
      • tratamento na casa do paciente.
      • razão paciente/quipe = 10/1
      • Asilo de Fairwather - residências comunitárias para pacientes que apresentam quadros e estruturas compatíveis e complementares.
      • Hospitalização -> residência comunitária
      • d) Clubes psicossociais - clubes com funções recreativas, ocupacionais e residenciais onde o paciente vai gradativamente assumindo mais e mais responsabilidades e privilégios nas áreas
      • de recreação, trabalho e supervisão residencial.
      • 2 – Reabilitação
      • Treinamento de Habilidades Sociais
      • Reabilitação Ocupacional
      • Oficinas Protegidas
      • Apoio ao emprego
      • Clubes para busca de emprego
      • Modelo da Universidade de Boston
      • Emprego de Transição
      • Remediação e Terapia Cognitiva
      • 3 – Grupos de auto-ajuda