Your SlideShare is downloading. ×
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Viii
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Viii

7,109
views

Published on

Published in: Travel, Technology

1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
7,109
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
229
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESQUIZOFRENIA – MÓDULO VIII
    • TRANSTORNO DO ESPECTRO ESQUIZOFRÊNICO
    • Características e Transtorno de Personalidade
    • Paranóide
    • Esquizóide
    • Esquizotípico
    • Sintomas e Transtornos Psicóticos
    • Transtorno Esquizofreniforme
    • Transtorno Esquizoafetivo
  • 2.
    • TRANSTORNO DO ESPECTRO DA ESQUIZOFRENIA
    • Transtornos que se assemelham a esquizofrenia, mas não preenchem
    • os critérios diagnósticos.
    • Necessário a existência de relação etiológica (fatores familiares e
    • genéticos) com a esquizofrenia.
    • Características (traços) e sintomas e transtornos psicóticos
    • transtornos de personalidade com curso episódico, que
    • compartilham características
    • clínicas com a SQZ crônica, sem
    • preencher o diagnóstico completo
  • 3.
    • CARACTERÍSTICAS DA PERSONALIDADE E TRANSTORNO DE
    • PERSONALIDADE
    • Parentes não afetados de esquizofrênicos apresentam características de
    • personalidade estranhas, excêntricas e peculiares, como também traços de
    • comportamentais que não se encaixam nos padrões de diagnóstico de
    • transtornos psicóticos ou afetivo
    • Também observado anormalidade em indivíduos que desenvolveram síndrome
    • esquizofrênica subseqüentemente -> Personalidade Paranoide
    • Característica
    • Transtorno da personalidade caracterizado por uma sensibilidade excessiva face
    • às contrariedades, recusa de perdoar os insultos, caráter desconfiado, tendência
    • a distorcer os fatos interpretando as ações imparciais ou amigáveis dos outros
    • como hostis ou de desprezo; suspeitas recidivantes, injustificadas, a respeito da
    • fidelidade sexual do esposo ou do parceiro sexual; e um sentimento combativo e
    • obstinado de seus próprios direitos. Pode existir uma superavaliação de sua auto-
    • importância, havendo freqüentemente auto-referência excessiva.
  • 4.
    • Critérios Diagnósticos para Transtorno da Personalidade Paranóide .
    • A Um padrão de desconfiança e suspeitas invasivas em relação aos outros, de modo que seus motivos são interpretados como malévolos, que começa no início da idade adulta e se apresenta em uma variedade de contextos, como indicado por pelo menos quatro dos seguintes critérios: (1) suspeita, sem fundamento suficiente, de estar sendo explorado, maltratado ou enganado pelos outros (2) preocupa-se com dúvidas infundadas acerca da lealdade ou confiabilidade de amigos ou colegas (3) reluta em confiar nos outros por um medo infundado de que essas informações possam ser maldosamente usadas contra si (4) interpreta significados ocultos, de caráter humilhante ou ameaçador, em observações ou acontecimentos benignos
  • 5.
    • (5) guarda rancores persistentes, ou seja, é implacável com insultos, injúrias ou deslizes
    • (6) percebe ataques a seu caráter ou reputação que não são visíveis pelos outros e reage rapidamente com raiva ou contra-ataque
    • (7) tem suspeitas recorrentes, sem justificativa, quanto à fidelidade do cônjuge ou parceiro sexual
    • B . Não ocorre exclusivamente durante o curso de Esquizofrenia, Transtorno do Humor Com Aspectos Psicóticos ou outro Transtorno Psicótico, nem é decorrente dos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral.
    • Nota: Se os critérios são satisfeitos antes do início de Esquizofrenia, acrescentar "Pré-Mórbido", por ex., "Transtorno da Personalidade Paranóide (Pré-Mórbido)".
  • 6.
    • PREVALÊNCIA = 0,5 A 2,5%
    • MAIS COMUM EM HOMENS QUE EM MULHERES
    • PARENTES DE PACIENTES ESQUIZOFRÊNICOS APRESENTAM MAIOR
    • INCIDÊNCIA
    • NÃO PARECE EXISTIR PADRÃO FAMILIAR OU INCIDÊNCIA MAIOR EM HOMOSEXUAIS.
    • MAIS COMUM EM GRUPOS DE MINORIA, IMIOGRANTES E SURDOS DO QUE NA POPULAÇÃO EM GERAL
    • DIAG. DIFERENCIAL = TRANSTORNOS DELIRANTES
    • SQZ PARANÓIDE
    • TRASNSTORNO BORDERLINE
    • TRANSTORNO ESQUIZÓIDE
    • CURSO E PROGNÓSTICO
    • PERDURA POR TODA VIDA, CAMINHA PARA A ESQUIZOFRENIA, DÃO
    • LUGAR A FORMAÇÃO REATIVA, A PREOCUPAÇÕES ALTRUISTAS.
    • EM GERAL = PROBLEMAS OCUPACIONAIS, CONJUGAIS E NO CONVÍVIO HUMANO
  • 7.
    • Bleuler em 1911, observa desvio de comportamento mais leves nos
    • parentes não tratados de esquizofrênicos que eram semelhantes a esquizofrenia pela presença de afeto embotado, ambivalência, pensamento bizarro, contato e relacionamento interpessoal deficiente -> Esquizofrenia Latente (Borderline) -> Transtorno de Personalidade esquizóide ou esquizotípica
    • SÍNDROME COM GRAUS VARIADOS AO LONGO DA ESCALA DO
    • PATOLÓGICO AO NORMAL
    • Kretschmer (1921)
    • Comportamento Normal___Carater esquizoide_____Esquizofrenia
    • CONTINUUM
    • Caráter Esquizoide anti-social, tímido, nervoso, socialmente
    • indiferente e simultaneamente hipersensível, às vezes excêntrico
  • 8.
    • Caráter esquizóide quando apresenta variações disfuncionais mais graves =
    • Transtorno de Personalidade Esquizóide.
    • Critérios Diagnósticos para Transtorno da Personalidade Esquizóide
    • Um padrão invasivo de distanciamento das relações sociais e uma faixa restrita de expressão emocional em contextos interpessoais, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, como indicado por pelo menos quatro dos seguintes critérios:
    • não deseja nem gosta de relacionamentos íntimos, incluindo fazer parte de uma família
    • quase sempre opta por atividades solitárias
    • manifesta pouco, se algum, interesse em ter experiências sexuais com outra pessoa
    • tem prazer em poucas atividades, se alguma
    • não tem amigos íntimos ou confidentes, outros que não parentes em primeiro grau
  • 9.
    • mostra-se indiferente a elogios ou críticas de outros
    • demonstra frieza emocional, distanciamento ou afetividade embotada
    • B. Não ocorre exclusivamente durante o curso de Esquizofrenia, Transtorno do Humor Com Aspectos Psicóticos, outro Transtorno Psicótico ou um Transtorno Invasivo do Desenvolvimento, nem é decorrente dos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral.
    • Nota: Se os critérios são satisfeitos antes do início de Esquizofrenia, acrescentar "Pré-Mórbido", por ex., "Transtorno da Personalidade Esquizóide (Pré-Mórbido)".
  • 10.
    • Epidemiologia
    • Prevalência = 7,5%
    • Proporção entre os sexos = desconhecida - 2 ♂/ 1♀ ?
    • Busca de empregos solitários que envolvem pouco ou nenhum contato. – trabalhos noturnos a diurnos
    • Diagnóstico Diferencial
    • Sem parentes com esquizofrênicos
    • Personalidade paranóide – mais agressiva, maior envolvimento social, tendência a projeção dos sentimentos
    • Personalidade Esquizotípica – mais parecida com o SQZ nas
    • percepções e comunicações extravagantes
    • Personalidade Esquivantes – isoladas mas com um desejo intenso de participar nas atividades
  • 11.
    • Estudo de gemeos (Kallmann) -> SQZ sob controle genético
    • Genótipo esquizofrênico – Esquizótipo (Rado) = variedade de fenótipos esquizofrênicos expressos hipoteticamente pelo genótipo esquizofrênico.
    • Anedonia = fenótipo central
    • Meehl – vulnerabilidade à esquizofrenia = fenótipo essencial = esquizotipia
    • Personalidade esquizotípica = anedonia, deslizes cognitivos – relaxamento das associações -, ambivalência e aversão interpessoal
    • (ansiedade social, desconfiança, antecipação de rejeição, baixa auto-estima)
    • Condição de personalidade duradoura, com base em um déficit neurointegrativo de causa genética – esquizoataxia = resultado de um gene autossômico único de baixa penetração clínica.
  • 12. Critérios Diagnósticos para Transtorno da Personalidade Esquizotípica
    • Um padrão invasivo de déficits sociais e interpessoais, marcado por desconforto agudo e reduzida capacidade para relacionamentos íntimos, além de distorções cognitivas ou perceptivas e comportamento excêntrico, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, como indicado por pelo menos cinco dos seguintes critérios:
    • (1) idéias de referência (excluindo delírios de referência) (2) crenças bizarras ou pensamento mágico que influenciam o comportamento e são inconsistentes com as normas da subcultura do indivíduo (por ex., superstições, crença em clarividência, telepatia ou "sexto sentido"; em crianças e adolescentes, fantasias e preocupações bizarras) (3) experiências perceptivas incomuns, incluindo ilusões somáticas (4) pensamento e discurso bizarros (por ex., vago, circunstancial, metafórico, superelaborado ou estereotipado)
  • 13.
    • (5) desconfiança ou ideação paranóide (6) afeto inadequado ou constrito (7) aparência ou comportamento esquisito, peculiar ou excêntrico (8) não tem amigos íntimos ou confidentes, exceto parentes em primeiro grau (9) ansiedade social excessiva que não diminui com a familiaridade e tende a estar associada com temores paranóides, ao invés de julgamentos negativos acerca de si próprio
    • B. Não ocorre exclusivamente durante o curso de Esquizofrenia, Transtorno do Humor Com Aspectos Psicóticos, outro Transtorno Psicótico ou um Transtorno Invasivo do Desenvolvimento.
    • Nota: Se os critérios são satisfeitos antes do início de Esquizofrenia, acrescentar "Pré-Mórbido", por ex., "Transtorno da Personalidade Esquizotípica (Pré-Mórbido)".
  • 14.
    • Epidemiologia
    • 3% da população com proporção entre o sexo desconhecida
    • Maior associação de casos entre parentes de pacientes crônicos
    • Maior incidência em gêmeos monozigóticos (33%) do que os
    • gêmeos dizigóticos (4%). – mais associado a sintomas/critérios negativos do transtorno.
    • Diagnóstico Diferencial
    • Transtorno de personalidade X Transtorno de Personalidade Esquiva e esquizóide Esquizotípica
    • Excentricidade do pensamento, compotamento e
    • percepção e comunicação + história familiar de
    • esquizofrenia
  • 15.
    • Transtorno de Personalidade Esquizotípica x Esquizofrenia
    • Ausência de psicose ou sintomas leves ou fragmentados
    • Transtorno de Personalidade Paranoide sem o comportamento extravagante
  • 16.
    • Transtorno do Eixo I – grande agregação familiar
    • 1 -Transtorno Esquizofreniforme (2 semanas a 6 meses) – DSM IV
    • Algumas revisões colocam este transtorno dentro da esquizofrenia
    • (esquizofrenia de prognóstico favorável)
    • 2 - Transtorno Esquizoafetivo – sintomas esquizofrênicos ocorrendo de
    • Forma consecutiva ou simultânea com mania ou depressão.
    • 3 - Outros Transtorno Psicóticos co-agregados à SQZ em família.
    • Ainda não totalmente validado
  • 17.
    • TRANSTORNO ESQUIZOFFRENIFORME – Gabriel Langfeldt – 1939
    • Epidemiologia, incidência, prevalência e razão entre os sexos ainda não relatadas
    • Mais comum em adultos jovens ?
    • Freqüência menor que a metade da SQZ ?
    • História Familiar - parentes de pacientes com Transtorno Esquizofreniformes com alto risco de Transtornos Psiquiátricos.
    • + Transtornos de humor do que parentes de esquizofrenicos
    • + Transtorno psicótico do humor do que parentes de bipolares
    • Etiologia
    • Estreita relação com a esquizofrenia e com o transtorno de humor (natureza
    • episódica)
    • Alguns transtorno esquizofreniformes com sintomas maníacos
    • Maior número de parentes com transtorno de humor
  • 18.
    • Imagens Cerebrais
    • Déficit na ativação de região pré-frontal inferior em testes de distribuição de
    • Cartões de Wisconsin – limitado ao hemisfério esquerdo
    • Aumento ventricular = questionado
    • Diagnóstico
    • 1 -Presença de sintomas da fase ativa (delírio, alucinação e afeto plano) por pelo menos 1 mês e menos que 6 meses (fase prodrômicas e residual)
    • 2 – Critério de exclusão para Transtorno esquizoafetivo e transtorno de humor
    • Com aspectos psicóticos, transtornos mentais relacionados a substâncias e
    • devido a uma condição médica em geral
    • Bom prognóstico – rápido início, um grau de prejuízo cognitivo, bom ajuste pré-
    • Mórbido, ausência de sintomas afetivos deficitários.
    • Mau prognóstico – embotamento afetivo, alogia (incapacidade para falar) e
    • fraco contato visual com o examinador
  • 19.
    • Critérios Diagnósticos para Transtorno Esquizofreniforme
    • Satisfaz os critérios A, D e E para Esquizofrenia.
    • Um episódio do transtorno (incluindo as fases prodrômica, ativa e residual) dura no mínimo 1 mês, mas menos de 6 meses (quando o diagnóstico deve ser feito sem aguardar a recuperação, este deve ser qualificado como "Provisório").
    • Especificar se: Sem Bons Aspectos Prognósticos Com Bons Aspectos Prognósticos: evidenciados por dois ou mais dos seguintes critérios:
    • (1) início dos sintomas psicóticos proeminentes dentro de quatro semanas após a primeira alteração perceptível no comportamento ou funcionamento habitual (2) confusão ou perplexidade no auge do episódio psicótico (3) bom funcionamento social e ocupacional pré-mórbido (4) ausência de afeto plano ou embotado
  • 20.
    • Sinais Clínicos – semelhante a da esquizofrenia
    • Presença de sintomas afetivos = curso favorável
    • Presença de afeto plano ou embotado = curso desfavorável
    • Curso e Prognóstico
    • confusão e perplexidade no auge do episódio = bom prognóstico
    • Risco alto de suicídio
    • Propensos a um período de depressão após o episódio psicótico.
    • Tratamento
    • Hospitalização nos episódios
    • Drogas antipsicóticas – Esquizofreniformes respondem melhor que os
    • esquizofrênicos (75% /20% em 8 dias)
    • ECT – quando graus acentuados de estupor catatônico ou depressivo
    • Lítio, Carbamazepina ou Valproato em profilaxia
    • Psicoterapia = integração da experiência psicótica em seu entendimento sobre
    • sua vida
  • 21.
    • TRANSTORNO ESQUIZOAFETIVO
    • Características da SQZ e dos Transtornos Humor
    • História
    • 1913 – George H. Kirby Características mistas SQZ + T.H
    • 1921 – August Hoch s/ curso deteriorante – PMD
    • 1933 – Jacob Kasanin – Transtorno Esquizoafetivo
    • 1933 – 1970 – Pacientes classificados como T. Esquizoafetivo,
    • Esquizofrenia atípica, de bom prognóstico, em remissão,
    • psicose ciclóide
    • Sintomas de início súbito, freqüentemente na adolescência, com um bom nível
    • de funcionamento pré-mórbido.
    • Apresentavam história familiar para transtorno de humor e o início do episódio
    • estava ligado a um estressor específico.
    • 1970 – Carbonato de Lítio = efetivo nos transtornos bipolares e esquizoafetivos
    • Estudo de Cooper USA - UK
  • 22.
    • EPIDEMIOLOGIA
    • Prevalência – 0,5 – 0,8
    • Mais baixa em homens do que em mulheres
    • Idade para as mulheres é mais tardia do que para os homens
    • Homens tendem a exibir comportamento anti-social e inadequação e embotamento
    • afetivo acentuado.
    • Esquizofrenia e transtorno esquizoafetivo são co-agregados em famílias.
    • Maior evidência = subtipo esquizofreniformes e Sqz crônica
    • ETIOLOGIA - 4 MODELOS
    • 1- PODE SER UM TIPO DE ESQUIZOFRENIA OU DE TRANSTORNO DE HUMOR
    • 2 – COMBINAÇÃO DE ESQUIZOFRENIA OU DE TRANSTORNO DE HUMOR
    • 3 – TIPO DISTINTO DE PSICOSE SEM RELAÇÃO
    • 4 – GRUPO HETEROGÊNEO DAS TRÊS POSSIBILIDADES ACIMA
  • 23.
    • Conclusão após consolidação dos dados é que:
    • O transtorno esquizoafetivo constitui-se de um grupo heterogêneo, sendo que uns têm esquizofrenia com predomínio de sintomas afetivos, outros têm transtorno de humor com sintomas esquizofrênicos proeminentes e um terceiro grupo possui uma síndrome clínica distinta.
  • 24.
    • CARACTERÍSTICA CLÍNICA
    • Sinais e Sintomas de esquizofrenia, episódios maníacos, transtornos depressivos.
    • Sintomas esquizofrênicos e de transtorno de humor podem apresentar-se juntamente ou de forma alternada.
    • O curso pode variar de exacerbações e remissões a um curso deteriorante.
    • Aspectos psicóticos incongruentes com humor = mau prognóstico
  • 25.
    • Critérios Diagnósticos para Transtorno Esquizoafetivo DSM - IV
    • A. Um período de doença ininterrupto durante o qual, em algum momento, existe um Episódio Depressivo Maior, um Episódio Maníaco ou um Episódio Misto, concomitante com sintomas que satisfazem o Critério A para Esquizofrenia.Nota: O Episódio Depressivo Maior deve incluir o Critério A1: humor deprimido.
    • B. Durante o mesmo período de doença, ocorreram delírios ou alucinações por pelo menos 2 semanas, na ausência de sintomas proeminentes de humor.
  • 26.
    • C. Os sintomas que satisfazem os critérios para um episódio de humor estão presentes por uma porção substancial da duração total dos períodos ativo e residual da doença.
    • D. A perturbação não se deve aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (por ex., uma droga de abuso, um medicamento) ou a uma condição médica geral.Especificar tipo:
    • Tipo Bipolar: se a perturbação inclui um Episódio Maníaco ou Misto (ou um Episódio Maníaco ou Misto e Episódios Depressivos Maiores). Tipo Depressivo: se a perturbação apenas inclui Episódios Depressivos Maiores
  • 27.
    • CID-10
    • Trata-se de transtornos episódicos nos quais tanto os sintomas afetivos quanto os esquizofrênicos são proeminentes de tal modo que o episódio da doença não justifica um diagnóstico quer de esquizofrenia quer de episódio depressivo ou maníaco. Outras afecções em que os sintomas afetivos estão superpostos a doença esquizofrênica pré-existente ou coexistem ou alternam com transtornos delirantes persistentes de outros tipos, são classificados em F20-F29. Os sintomas psicóticos que não correspondem ao caráter dominante do transtorno afetivo, não justificam um diagnóstico de transtorno esquizoafetivo.
  • 28.
    • F25.0 - Transtorno esquizoafetivo do tipo maníaco
    • Transtorno em que tanto sintomas esquizofrênicos quanto maníacos são proeminentes de tal modo que o episódio da doença não justifica um diagnóstico quer de esquizofrenia quer de episódio maníaco. Esta categoria deveria ser usada tanto para um único episódio, quer para classificar um transtorno recorrente no qual a maioria dos episódios são esquizoafetivos do tipo maníaco. Psicose: · esquizoafetiva, tipo maníaco · esquizofreniforme, tipo maníaco
  • 29.
    • F25.1 Transtorno esquizoafetivo do tipo depressivo
    • Transtorno em que os sintomas esquizofrênicos e os sintomas depressivos são proeminentes de tal modo que o episódio da doença não justifica o diagnóstico nem de esquizofrenia nem de um episódio depressivo. Esta categoria deve ser utilizada para classificar quer um episódio isolado, quer um transtorno recorrente no qual a maioria dos episódios são esquizoafetivos do tipo depressivo.
    • Psicose: · esquizoafetiva, tipo depressivo · esquizofreniforme, tipo depressivo
    • F25.2 Transtorno esquizoafetivo do tipo misto Esquizofrenia cíclica Psicose esquizofrênica e afetiva mista F25.8 Outros transtornos esquizoafetivos F25.9 Transtorno esquizoafetivo não especificado Psicose esquizoafetiva SOE
  • 30.
    • DSM-III-R/IV prioriza a duração relativa das síndromes associadas (deve ter curta duração em relação à duração de sintomas psicóticos)
    • Sintomas esquizofrênicos têm que persistir na ausência de depressão ou mania por pelo menos duas semanas
    • CID - 10 é substancialmente mais ampla que a DSM
    • CID - 10 - seqüência temporal do início - as síndromes psicóticas devem ocorre antes.
    • Se a síndrome SQZ não for primária = variações de síndromes esquizofrênicas e afetivas
  • 31.
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
    • Todos os diagnósticos diferenciais de Transtorno de Humor e Esquizofrênico
    • Esteróides
    • Abusadores de anfetamina e fenilciclidina
    • Epilepsia do lobo temporal
    • CURSO E PROGNÓSTICO
    • Pior prognóstico que os pacientes com Transtorno de Humor e melhor
    • prognóstico do que os pacientes com Esquizofrenia.
    • Fatores de piora do prognóstico = fraca história pré-mórbida, início insidioso, ausência de qualquer fator desencadeante, predomínio de sintomas psicóticos, especialmente os sintomas deficitários ou negativos, um início precoce, curso sem remissão e uma história familiar de esquizofrenia
  • 32.
    • Suicídio = 10%
    • Mais comum em mulheres
    • TRATAMENTO
    • Hospitalização
    • Medicações = antidepressivos e antimaníacos devem ser prescritos
    • antipsicóticos só em SOS
    • QUANDO OS Antidepressivos e antimaníacos não produzem resultados
    • Antipsicóticos
    • Esquizoafetivo tipo bipolar - estabilizadores de humor
    • Esquizoafetivos tipo depressivo - antidepressivos e ECT