Your SlideShare is downloading. ×
A revolução digital
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A revolução digital

616

Published on

Documento sobre novas tecnologias na formação.

Documento sobre novas tecnologias na formação.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
616
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 1 Introdução A revolução digital e o desenvolvimento tecnológico que a tem acompanhado transformaram a nossa vida tanto a nível profissional como nas actividades de lazer. Esta transformação invadiu particularmente o mundo da formação. Os novos equipamentos e tecnologias têm alterado drasticamente a actuação do formador e do formando bem como a utilização dos equipamentos e conteúdos em sala e fora dela. Os meios tradicionais continuam a ser utilizados mas verifica-se que, por exemplo, os acetatos para retroprojector e as cassetes VHS cada vez são menos usados. A maioria das entidades e empresas que se dedicam à formação já se actualizaram e adaptaram às novas tecnologias. Por outro lado, os formandos já aderiram a esta revolução tecnológica e desenvolveram novas competências que os tornaram mais exigentes. Quem não se actualizar e não acompanhar esta evolução cada vez mais rápida corre o risco de ficar marginalizado, de não usufruir das vantagens de ser um elemento participativo da comunidade global. Actualmente a maior parte dos formadores utilizam o computador portátil e uma aplicação (PowerPoint do Office/Microsoft) para criar e adaptar os conteúdos dos módulos que ministram. Para a reprodução destas apresentações é necessário utilizar um projector de data/vídeo ligado ao computador que projecta as imagens para um ecrã de grandes dimensões. Também podemos ligar o portátil a televisores LCD/LED de grandes dimensões. Estas apresentações tornam muito mais dinâmicas as sessões de formação pois permitem na apresentação além de texto e desenhos, a inserção de fotografias e vídeo. Os equipamentos mais utilizados actualmente são: ‣ Computador portátil; ‣ Projector de data/vídeo (normalmente conhecido por projector de vídeo); ‣ Reprodutor/gravador de CD, DVD e Blu-ray; ‣ Máquina fotográfica digital e respectivos cartões de memória; ‣ Camcorder digital ‣ Pens de memória flash e discos duros externos; ‣ Quadros copiadores; ‣ Quadros interactivos; ‣ Visualisadores; ‣ Pens/Cartões de ligação à Internet, sem fios; ‣ Comandos a distância para apresentações de PowerPoint e Keynote; ‣ Televisores/monitores de Plasma, LCD e LED; ‣ Telemóveis; ‣ Tablets; ‣ Gravadores/leitores multimédia.
  • 2. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 2 Os programas e tecnologias mais utilizados são: ‣ Microsoft Office, sobretudo o PowerPoint; ‣ Aplicações para catalogação e manipulação de imagem; ‣ Aplicações para navegação na Internet – Browsers; ‣ Aplicações para mail; ‣ Bluetooth; ‣ Plataformas de e-learning; ‣ Blogs; ‣ Podcasts. Analisemos de seguida cada um destes equipamentos. COMPUTADORES PORTÁTEIS O computador portátil tem um papel fundamental porque além da portabilidade permite a: ‣ Criação, adaptação, actualização e apresentação dos conteúdos; ‣ Ligação à Internet com todas as vantagens que daí advêm sobretudo quanto a consulta, pesquisa e obtenção de conteúdos variados (sites, texto, imagem, vídeos, etc.) que podem complementar e dinamizar toda a espécie de documentação; ‣ Utilização de mail e, por exemplo, do Microsoft Messenger, do Skype e de Facebook para comunicação; ‣ Reprodução e gravação de CD e DVD para backup de dados ou distribuição de documentação aos formandos; ‣ Montagem e sonorização de videogramas; ‣ Criação de blogs e sites. Computador portátil Apple MacBook Pro onde, além do sistema operativo MacOSX pode também instalar outros sistemas operativos como Windows Seven e/ou Linux
  • 3. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 3 PROJECTORES DE VÍDEO/DATA O projector de vídeo/data permite a reprodução num ecrã de tudo o que pode ser visionado no monitor do computador e ainda a reprodução de CD, DVD e cassetes de vídeo de diferentes formatos (VHS, Video8, MiniDV, etc.). A visualização das gravações de autoscopias podem ser feitas em ecrã de grandes dimensões em vez do tradicional televisor. Já existem modelos, com tecnologia wireless, que fazem a ligação aos computadores sem necessidade de cabos/fios e também há modelos com possibilidade de ligação HDMI. Projector de vídeo/data Sugestão de site a consultar: http://www.projectorpeople.com/default.asp LEITORES DE DVD e BLU-RAY Os leitores de DVD e Blu-Ray em sala permitem a reprodução de CD de dados ou música e DVD de filmes ou dados. Os gravadores fazem gravações, em diferentes formatos, de filmes, fotos e slideshows e ainda de dados por exemplo para backup. Podem ter uma ou duas camadas por face (single layer ou double layer) e sua capacidade máxima para amadores é de 8,5GB (GigaBytes). O Blu-Ray pode ir até 30 GB em discos de dupla camada. Leitor de DVD/CD e respectivo comando a distância
  • 4. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 4 MÁQUINAS FOTOGRÁFICAS DIGITAIS Actualmente, as máquinas fotográficas digitais têm imensas potencialidades: À esquerda máquina fotográfica digital do tipo compacto e à direita do tipo reflex bridge. Qualquer delas pode também gravar filmes digitais em alta definição. Vejamos alguns exemplos da rentabilidade da fotografia digital em formação: ‣ Utilização na produção de materiais didácticos: manuais, apresentações em Power Point; transparências, diaporamas, etc. Exemplo de documento com fotografias digitais inseridas ‣ Reprodução total ou parcial de objectos que, pelas suas características, são de difícil ou impossível deslocação até ao espaço de formação; ‣ Criação de uma base de dados de imagens para consulta ou utilização por formandos e formadores com objectivos pedagógico-didácticos;
  • 5. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 5 Base de dados de imagens/fotografias ‣ Registo de trabalhos ou situações de formação para posterior avaliação ou utilização;
  • 6. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 6 ‣ Transferência/partilha de ficheiros com imagem via Internet; Duas fotografias digitais inseridas num e-mail ‣ Alternativa ao projector de diapositivos, evitando o obscurecimento da sala; ‣ Criação de bases de dados de formandos, com utilização da respectiva fotografia, para consulta aquando da avaliação; ‣ Situações de role playing ou brain storming; ‣ Impressão em papel, de formatos maiores a preços mais acessíveis! Sugestão de site a consultar: http://www.dpreview.com/
  • 7. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 7 CAMCORDERS DIGITAIS As camcorders digitais permitem a captação de imagem e som que podem ser montados/editados nos PC. Posteriormente esses videogramas podem ser gravados em DVD ou CD e reproduzidos em sala. Também as autoscopias podem ser gravadas nestes equipamentos e posteriormente gravadas em CD ou DVD. Muitas destas camcorder funcionam também como máquinas fotográficas digitais. Alguns modelos, topo de gama, permitem a conversão de analógico em digital ou seja; converter antigas gravações em formato VHS para MiniDV ou DVD. Podem ligar-se directamente ao PC através de um cabo FireWire/iLink e/ou USB. Após esta ligação e usando software adequado (por exemplo Windows Movie Maker ou Mac iMovie) podemos transferir para o disco duro do PC o filme que captámos e proceder à sua montagem e sonorização. Essa montagem pode incluir transições, efeitos, inserção de fotos, títulos e sub-títulos, sons (ruídos, música e locução), etc. No final da montagem quando o videograma estiver pronto, com outro software, podemos criar um DVD com layout, menús e capítulos ao nosso gosto e necessidades. À esquerda fichas FireWire mais comuns. À direita duas tomadas USB e duas FireWire. Traseira de computador e disco duro externo com várias tomadas FireWire e USB
  • 8. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 8 Imagem de um computador portátil onde está assinalada a tomada FireWire Também existem modelos HD (High Defenition – Alta Definição) a preços relativamente acessíveis. Camcorder com sensor CMOS de alta definição que também faz fotografias Há camcorders que gravam em cassete (MiniDV), outros em DVD e já se comercializam modelos que gravam em disco duro, memórias internas ou cartões de memória. Camcorder cujo suporte de gravação é um disco duro interno de 30GB (Gigabites)
  • 9. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 9 A maioria dos recentes aparelhos deste tipo tem óptima qualidade de imagem e som e podem-se produzir videogramas excelentes para apoio à formação. À esquerda uma camcorder digital cujo suporte de gravação é uma cassete. Na da direita o suporte de gravação é um DVD. DISCOS DUROS EXTERNOS e PEN As pens de memória flash e discos duros externos servem para gravação, armazenamento, transporte e troca de ficheiros tornando assim bastante mais fácil a portabilidade de ficheiros de grandes dimensões bem como a execução das imprescindíveis cópias de segurança. No caso das pens a capacidade vai até perto da dezena de GB (GigaBytes) e a ligação ao computador é feita em tomadas USB. No caso dos discos duros externos a capacidade pode ser de várias centenas de GB (GigaBites) e as ligações ao computador podem ser por USB e/ou FireWire. Há discos externos de 3.5”, de 2.5”e de 1.8’’ À esquerda, uma pen USB. À direita, discos duros externos.
  • 10. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 10 QUADROS COPIADORES Os quadros copiadores têm a particularidade de terem uma impressora acoplada que permite transferir para papel todos os conteúdos que são escritos ou desenhados nesses quadros. Posteriormente as folhas de papel podem ser fotocopiadas e distribuídas aos formandos ou participantes de uma sessão de formação ou de brainstorming. Há quadros com várias dimensões e diferentes superfícies de escrita que se deslocam horizontalmente por comando eléctrico. Há modelos em que uma das superfícies é mate para poder ser usada como ecrã de projecção. Quadro copiador
  • 11. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 11 QUADROS INTERACTIVOS Os quadros interactivos permitem usar os dedos ou canetas virtuais, para escrever, apagar, controlar aplicações, tomar notas ou realçar informação importante. Permitem também controlar diferentes sistemas operativos, programas e ainda outros conteúdos multimédia directamente a partir do quadro, pelo toque da sua superfície sensitiva. Pode-se escrever ou anotar durante as apresentações e guardar as anotações/desenhos para uso,impressão ou distribuição posterior, como ficheiros em diferentes extensões: jpg, tiff, bmp, etc. É possível gravar ficheiros Windows Media Player, Quick Time ou Flash (vídeo) de toda ou parte das apresentações para, por exemplo, fazer uma revisão no final da sessão ou arquivar. Todos os ficheiros criados/guardados podem ser enviados/distribuidos via Internet. Durante a apresentação de ficheiros anteriormente guardados é ainda possível acrescentar anotações, guardá-las e imprimir. Usando os programas fornecidos, pode-se partilhar apresentações e aplicações de forma que todos, independentemente da localização geográfica, possam colaborar no mesmo documento. O contacto com a superfície do quadro é convertido em mouse clicks. Pode usar os dedos como um rato para desenhar ou escrever. O software que acompanha o quadro reconhece a escrita manual e converte-a em texto editável. A utilização destes quadros em conjunto com projectores de data/vídeo tem como inconveniente a projecção da sombra do utilizador na sua superfície o que prejudica o visionamento. Quando desligado do computador e do projector pode ser usado como um quadro de escrita tradicional. Quadro interactivo Sugestão de site a consultar: http://www.smarttech.com/
  • 12. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 12 VISUALIZADORES OU APRESENTADOR VISUAL ELECTRÓNICO Estes aparelhos trazem importantes inovações na área dos audiovisuais, tanto na formação como em apresentações em auditórios. São constituídos por uma base (porta documentos) com retro-iluminação, um braço de suporte de uma mini-câmara de vídeo a cores, de elevada resolução, suportes orientáveis com lâmpadas do tipo fluorescente e em alguns modelos, por um pequeno monitor de cristais líquidos também a cores, para o utilizador fazer o controlo e acerto das imagens. À esquerda o Visualizador e à direita o mesmo aparelho em utilização numa sala de formação Os documentos que podem ser apresentados são dos mais variados tipos : ‣ Acetatos ‣ Documentos opacos – livros, revistas ou qualquer documento até A4 ‣ Diapositivos de 35mm ou maiores ‣ Negativos a cores ou branco/preto ‣ Objectos tridimensionais O visionamento de todos estes documentos pode ser feito num vulgar televisor ou através de um projector de data/vídeo apontado a um ecrã. Os modelos que possuem monitor de cristais líquidos permitem fazer o ajuste da imagem sem que o utilizador tenha de olhar para o televisor ou ecrã, permitindo a sua colocação em qualquer ponto da sala, actuando virado para a audiência e sem obstruir o visionamento no ecrã ou televisor. Uma das funções permite “congelar” a última imagem apresentada enquanto preparamos a seguinte (recorrendo ao monitor de cristais líquidos). Outra função consiste em converter negativos fotográficos em positivos. Estes aparelhos, normalmente possuem na base, saídas e entradas de vídeo e áudio de diferentes tipos, que nos permitem, por exemplo, gravar em qualquer videogravador doméstico ou profissional os sinais obtidos.
  • 13. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 13 A câmara de vídeo tem zoom, o que permite captar desde documentos muito pequenos, como um diapositivo, até aos de dimensões do formato A4. As principais funções da câmara são automáticas, nomeadamente a focagem e a exposição. Tal como num vulgar retroprojector, o Apresentador Visual Electrónico pode ser também utilizado para escrita directa (colocando folhas A4 no porta documentos e escrevendo sobre elas). Em alguns modelos a câmara pode ser rodada para o lado e captar, por exemplo, um cartaz numa parede. Para uma maior versatilidade de utilização há aparelhos que permitem, através dos diferentes inputs serem utilizados como centrais de apresentação de outros equipamentos audiovisuais, tais como, videogravadores, leitores de DVD, etc. Por vezes, também é possível ligar um microfone com regulação de volume, que permite ao utilizador sobrepor comentários aos documentos apresentados. Este aparelho pode substituir 5 recursos didácticos tradicionais: retroprojector, episcópio, projector de diapositivos, quadro de escrita e ainda uma camcorder. PEN DE LIGAÇÃO À INTERNET As pen de ligação à Internet, na óptica do formador, permitem uma rápida e simples ligação à Internet, sem fios, em qualquer local onde haja rede de telemóvel e onde não haja tomadas de rede ou telefónicas. A velocidade de ligação está cada vez mais rápida e a cobertura do país aumenta progressivamente. Qualquer das operadoras de telemóvel, além de outras empresas disponibilizam dispositivos deste tipo. Dispositivos, de diferentes operadoras nacionais, que permitem ligação de computadores portáteis à Internet, em qualquer local onde exista sinal de antena de telemóvel. Modems/Routers portáteis, com baterias, cuja autonomia permite cerca de 3 horas de operação e para 5 dispositivos que se possam ligar por wi-fi.
  • 14. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 14 COMANDOS A DISTÂNCIA PARA APRESENTAÇÕES Comandos a distância para apresentações em PowerPoint e/ou Keynote que permitem ao formador/ utilizador controlar praticamente todas as funções de uma apresentação. Como funciona via rádio, não é necessário apontar o comando ao computador o que permite uma grande liberdade de posicionamento/ movimentação em sala. Alguns destes comandos têm ponteiro laser. Exemplo de comandos deste tipo em: http://www.targus.com/uk/accessories_presenters.asp À esquerda, comando a distância, com ponteiro laser, para software de apresentações e respectivo receptor. À direita, arrumação do receptor e localização das pilhas. Uma das pilhas fornece energia ao dispositivo, a outra é de reserva. Este comando tem um selector que permite a utilização com sistemas operativos Mac OS e Windows , bem como PowerPoint ou Keynote. Há também software que se pode instalar em alguns telemóveis e que permite fazer ainda mais funções. Um destes software é grátis e pode fazer download a partir deste endereço:http://www.irowan.com/romeo/. Outro, não grátis, pode ser encontrado neste endereço: http://www.salling.com/
  • 15. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 15 TELEVISORES E MONITORES DE PLASMA, LCD e LED Os televisores e monitores com tecnologias plasma, LCD e/ou LED têm vindo a substituir com inúmeras vantagens os tradicionais aparelhos CRT volumosos e pesados. Muitos deles também podem ser usados como monitores de computador de grandes dimensões. Há modelos com superfícies sensíveis ao toque o que permite interactividade com o computador. Possuem várias entradas de diferentes tipos para conectividade de quase todo o tipo de aparelhos (Leitores de DVD, CD com dados, fotos ou filmes, gravadores VHS, camcorders, Computadores, etc.) Televisor/monitor LCD Variedade de ligações no painel traseiro dos televisores/monitores. A que reproduz melhor qualidade de imagem é a que se designa por HDMI.
  • 16. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 16 TELEMÓVEIS Os actuais telemóveis, de 3ª geração, têm potencialidades que podem ser úteis em ambiente de formação. A 4ª geração já vem a caminho. Além das normais chamadas e mensagens estes aparelhos podem fazer fotografias, filmes, enviar e receber mail, servir de modem para ligação à Internet e até ver e gravar emissões de televisão. Os dados armazenados na memória do aparelho ou nos cartões de memória que alguns destes aparelhos também suportam podem ser transferidos para um computador e posteriormente usados em documentação para formação. Como já foi referido, alguns modelos também podem ser usados para controlar apresentações a distância após instalação de software adequado. Telemóveis de 3ª geração. O da esquerda tem uma máquina fotográfica com 8 megapixel.
  • 17. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 17 TABLETS Um tablet PC ou simplesmente tablet é um dispositivo pessoal em formato de prancheta que pode ser usado para diversas actividades: acesso à Internet, organizador pessoal, visualizador de fotos, vídeos, leitura de livros, jornais e revistas e para entretenimento com jogos 3D. Tem um monitor touchscreen e como dispositivo de entrada principal a ponta dos dedos ou uma caneta, em vez de um teclado ou rato. É um novo conceito. Não deve ser comparado com um computador portátil embora haja diversas funcionalidades em comum. Recentemente, foram lançados tablets da Apple - iPad e da Samsung Galaxy Tab. Fazem parte de uma nova era de tablets que possuem um Sistema Operativo próprio, em vez de usar o mesmo dos computadores Windows, Mac ou Linux. A maior parte dos Tablet PCs utilizam Windows Xp tablet pc edition, ou também o Google Android como sistema operativo, embora tendam a utilizar no futuro o Windows 7 , dado que algumas versões do novo sistema operativo da Microsoft incorporam funcionalidades dedicadas ao Tablet PC, entre elas o Windows Journal. São poucos os que utilizam o sistema operativo Linux. Outra novidade entre os Tablets vem da Lenovo que lançou na CES 2011 um Tablet Híbrido. O IdeaPad u1 Hybrid utiliza sistema operativo Android, porém pode ser acoplado a uma base com teclado que o transforma num notebook com sistema operativo Windows 7. A Microsoft já faz software para iPad como por exemplo o Bing for iPad À esquerda exemplos de tablets. Àdireita o Bing para iPad.
  • 18. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 18 GRAVADORES/LEITORES MULTIMÉDIA Estes aparelhos surgiram recentemente no mercado e têm várias aplicações. Podem gravar e reproduzir: música e outros sons, fotografias, filmes, ficheiros informáticos, etc. Também podem ter funções de agenda como contactos, compromissos e afazeres. Podem ser interligados com computadores e aparelhos de reprodução de imagem (TV LCD e Plasma, projectores de vídeo, etc.) e som (Alta fidelidade). Alguns modelos têm ranhuras para cartões de memória de máquinas fotográficas digitais o que permite fazer armazenamento ou backup e visualização das fotos gravadas nos cartões e reutilizar os mesmos para captura de novas fotografias. Exemplos de leitores/reprodutores multimédia Alguns tipos de gravador/leitor multimédia Exemplo de um Tablet ligado a um monitor LCD/LED Sugestão de sites a consultar: http://www.archos.com/ http://www.apple.com/ipodtouch/ http://www.apple.com/ipad/
  • 19. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 19 SOFTWARE e OUTRAS TECNOLOGIAS Os mais usados no mundo da formação são os que fazem parte do pacote Office da Microsoft, nomeadamente o PowerPoint para apresentações (http://www.microsoft.com/business/smb/pt-pt/office/ default.mspx). Em ambiente Mac OS, além do Office, (http://www.microsoft.com/mac/) usa-se o Keynote da Apple (http://www.apple.com/iwork/keynote/). Para catalogação e divulgação de imagem (Photo Sharing) podemos usar o Picasa (http:// picasa.google.com/) ou o Flickr (http://www.flickr.com/). Para manipulação de imagem o mais conceituado é o Adobe Photoshop. Como este software é dispendioso podemos usar o Gymp que é freeware e se pode “descarregar” da Internet (http://gimp- win.sourceforge.net/) Seguem-se 2 endereços para consulta e/ou download de software grátis disponível na Internet: Para ambiente Windows - http://www.opensourcewindows.org/ Par ambiente Mac OS – http://www.opensourcemac.org/ Existe ainda um pacote de software grátis, idêntico ao Office da Microsoft que pode ser consultado/ descarregado em: http://www.openoffice.org/ ou o Neooffice em: http://www.neooffice.org/neojava/en/ index.php As aplicações de navegação na Internet e de mail são conhecidas de todos e a escolha será ao critério de cada um. BLUETOOTH Bluetooth é uma tecnologia de baixo custo para a comunicação sem fios entre dispositivos móveis. Começou a ser desenvolvida em 1994 pela Ericsson, e a partir de 1998 pelo Bluetooth Special Interest Group (SIG), consórcio inicialmente estabelecido pela Sony, Ericsson, IBM, Intel, Toshiba e Nokia. Hoje este consórcio inclui mais de 2000 empresas. É usado para comunicação entre pequenos dispositivos de uso pessoal, como PDAs, telemóveis de última geração, computadores portáteis, mas também é utilizado para a comunicação de periféricos, como impressoras, scanners, ratos e/ou qualquer dispositivo dotado de um chip Bluetooth. Em relação à sua velocidade pode chegar a 812 Kbps. A principal desvantagem desta tecnologia é o seu raio de alcance, 100 metros (http://www.bluetooth.com/Pages/Bluetooth-Home.aspx). e-Learning A aplicação destas tecnologias da informação e da comunicação à área da formação levou à criação duma nova modalidade de aprendizagem a distância, o e-learning. Numa acção em e-learning, o formando aprende ao seu ritmo, com o apoio dum tutor, mantendo a possibilidade de interagir com os restantes participantes do seu curso. Uma das grandes vantagens é a dos recursos estarem sempre disponíveis, podendo os formandos aceder em qualquer altura e acompanhar em tempo real a a progressão e avaliação da aprendizagem. Em termos de equipamento, basta dispor de um computador com ligação de banda larga, à Internet. Tempo e força de vontade são os outros factores para conseguir fazer os cursos que lhe interessam.
  • 20. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 20 Também o blended-learning, ou b-learning, tem aumentado em popularidade, como modalidade de formação que assenta no recurso ao e-learning e à formação presencial com papéis complementares. BLOGS Um weblog ou blog é um página da Web cujas actualizações (chamadas posts) são organizados cronologicamente (como um histórico ou diário). Estes posts podem ou não pertencer ao mesmo género de escrita, referirem-se ao mesmo assunto ou à mesma pessoa. A maioria dos blogs são miscelâneas onde os autores escrevem com total liberdade. O weblog conta com algumas ferramentas para classificar informações técnicas a seu respeito, todas elas são disponibilizadas na Internet por servidores. As ferramentas abrangem: registo de informações relativas a um site ou domínio da Internet quanto ao número de acessos, páginas visitadas, tempo gasto, de qual site ou página o visitante veio, para onde vai do site ou página actual e uma série de outras informações. Os serviços mais conhecidos em todo o mundo são o Blogger e o WordPress. Em Portugal são o Blogs no Sapo e o Weblog.com.pt. Os sistemas de criação e edição de blogs são muito atraentes pelas facilidades que oferecem, pois dispensam o conhecimento de HTML, o que atrai pessoas a criá-los, ao invés de sites pessoais mais elaborados. Os blogs educativos são um grande atractivo na educação como ferramenta educacional utilizada para o registo de idéias de professores/formadores e alunos/formandos. Para apoio á formação também se podem criar blogs. Podemos por exemplo criar um blog acerca de um curso onde estão informações tais como: ‣ Introdução/apresentação; ‣ Calendário com datas de realização do curso; ‣ Objectivo geral; ‣ Objectivos específicos; ‣ Duração da acção; ‣ Pré-requisitos ‣ Localização e fotos da sala de formação; ‣ Perfil do formador/es; ‣ Equipamento existente em sala; ‣ Módulos da acção; ‣ Instrumentos, factores e parâmetros de avaliação, etc. Podem adicionar-se posts de cada vez que se encerra um curso onde adicionamos por exemplo: Fotografias e nomes dos participantes; Opiniões e avaliação dos formandos sobre o curso, etc. A quem pretender frequentar ou informar-se acerca do curso pode ser indicado/enviado o endereço do blog a visitar. Exemplo de blog deste tipo em: http://pptprodutosinteractivos.blogspot.com/ Alguns sites tem inovado e usado o blog como um tipo de média, no qual jornalistas colocam notícias e comentários da sua área (política, desporto, televisão, etc.). Para aprender a fazer um blog vá a: http://tecnologiasnaformacao.blogspot.com
  • 21. A Revolu!"o Digital e a Forma!"o Mar/2011 - Luis Relvas - (http://formadorluisrelvas.blogspot.com) 21 PODCAST Os programas ou arquivos, gravados em qualquer formato digital (MP3, AAC e OGG) são os mais utilizados nos podcasts de áudio), ficam armazenados num servidor na Internet. Por meio do feed RSS, que funciona como um índice actualizável dos arquivos disponíveis, novos programas de áudio, vídeo ou fotos. São automaticamente descarregados para o leitor através de um agregador, um programa ou página da internet que verifica os diversos feeds adicionados, reconhece os novos arquivos e descarrega-os de maneira automática para a máquina. Os arquivos podem ainda ser transferidos para leitores portáteis. O conceito do Podcast é creditado ao ex-VJ da MTV Adam Curry, que criou o primeiro agregador de podcasts usando applescript e disponibilizou o código na Internet, para que outros programadores pudessem ajudar. Dave Winer incluiu o enclosure, um elemento na especificação RSS 2.0, o que possibilitou o conceito do podcast ser realmente utilizado. A utilização de feeds RSS para distribuir o conteúdo é a grande diferença do Podcasting em relação aos audioblogs, vlogs e flogs. Um marco na massificação do conceito foi o lançamento da versão 4.9 do leitor de música digital iTunes, da Apple, que ampliou o suporte aos podcasts, incluindo uma secção na sua loja de música dedicada ao serviço e também uma actualização para o iPod que adiciona a categoria "Podcasts" ao menu "Music". O formato de transmissão é hoje utilizado por diversas empresas no mundo para divulgar notícias e programação, assim como algumas universidades que começam a disponibilizar aulas neste formato. Para aprender a fazer podcasts vá a: http://tecnologiasnaformacao.blogspot.com Exemplos de podcasts em: http://www.lusocast.com http://www.mypodcasts.net http://www.tsf.pt/online/podcasting/default.asp

×