Luís Rasquilha BuzzMedia: Convergent Media

  • 53 views
Uploaded on

 

More in: Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
53
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.     LUÍS RASQUILHA - CEO DA AYR WORLDWIDE O New Media Morreu. A Convergent Media está aí para ficar http://buzzmedia.controlinveste.pt/artigos-de-opiniao/102/luis-rasquilha/o-new-media-morreu.-a-convergent-media- esta-ai-para-ficar Dentre os múltiplos chavões que se utilizam no mundo da Comunicação de Marketing, o binómio New Media / Old Media, infelizmente, ainda é um dos mais presentes. Mas, pelo visto, e felizmente, estamos certos de que esta distinção, tecnicamente nula e inexistente aos olhos do consumidor, vai deixar de existir e os marketeers, publicitários e medias concentrar-se-ão, cada vez mais, no que é uma verdade anunciada já há mais de 2 anos pelo Trends Research Center, através da macro-tendência Global Connection & Convergence: a chegada da Convergent Media. Esta chegada é suportada por um estudo da Strategy Analytics que mostra que o que existe cada vez mais é uma convergência entre os “aparelhos de TV” e a cada vez maior “capacidade de ver TV”, seja nos ecrãs dos computadores, seja nos ecrãs dos dispositivos digitais móveis – smartphones e tablets. Ou seja, o meio continua a existir, é cada vez mais forte, e pode ser alcançado e acedido por cada vez mais gente, em cada vez mais situações. O estudo chamado TV is Not Dying, It's Changing comprova isto, assente em dados que mostram que a base global de dispositivos capazes de receber TV está a passar por uma segunda onda de expansão rápida. A primeira ocorreu em 2007 com os PCs e a atual atingiu seu pico em 2012, impulsionada pelos dispositivos móveis, como mostra o gráfico abaixo.
  • 2. De facto, esses dispositivos móveis são chamados pela Strategy Analytics de "as novas TVs" e fizeram com que o setor (juntando o de televisores tradicionais) atingisse a marca de 5,1 mil milhões de aparelhos no final de 2013. Assim, até 2017 mais de 2 mil milhões de aparelhos de TV terão sido adicionados ao quotidiano da população mundial. E, segundo David Mercer, vice-presidente e analista principal da Strategy Analytics, "as empresas de TV e vídeo, estejam elas na produção de conteúdos, distribuição ou qualquer disciplina relacionada, devem sair da mentalidade de que o seu negócio está puramente centrado sobre o ecrã da televisão tradicional. A era da TV multi-ecrã está verdadeiramente sobre nós, e este estudo demonstra que uma grande e nova oportunidade está a surgir para aqueles dispostos a adotar estratégias múltiplas". Fonte: GlobalTV.com Este surgimento da Convergent Media, bem como da cada vez maior expansão e influência da Global Connection & Convergence confirmam que podemos, muito em breve, não somente antecipar, mas já começar a trabalhar sobre oportunidades tão importantes e relevantes para as marcas como: - Alterações profundas em modelos de Marketing como o “Funil de disposição do Consumidor” e a sua evolução para o “Modelo Web Viva Instantâneo”, onde as forças da TV e do ponto-de-venda unem-se para formar uma arma extremamente poderosa de atração, esclarecimento e aprofundamento de informações sobre serviços e produtos, bem como de programas de CRM verdadeiramente interativos e, sobretudo ativos; - E, ainda, um papel extremamente mais relevante e recompensante – seja do ponto de vista do retorno para as marcas, seja para a sociedade em geral - para a TV Social, que pode e deve servir como ferramenta de educação, seja ela formal, seja ela do consumidor em geral, para que possamos ter consumidores mais avisados e informados que, em retorno, gerarão uma sociedade mais rica e, sobretudo, mais estável. Imagem de topo: AIC / Direitos Reservados