Your SlideShare is downloading. ×
10 insights para quem pensa na china
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

10 insights para quem pensa na china

231
views

Published on

D

D

Published in: Business

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
231
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 10 insights para quem pensa na China agosto, 2012 Documento licenciado a Luis
  • 2. ÍndiceI. Definições 3II. Introdução e Metodologia 4III. Os 10 Insights 1. Qualidade não deve significar elitismo 5 2. O que surgiu no Ocidente há anos lá pode ser novo 6 3. Faça o seu original muito valorizado 7 4. A criatividade deve ser protegida para poder florescer 8 5. A personalização do massificado é essencial 9 6. Acrescente um toque especial ao meramente funcional 10 7. Conhecimento = Confiança = Oportunidade 11 8. Criado na uma aposta certa nos jovens afluentes 12 9. Mantenha o tradicional para ser revolucionário junto aos jovens 13 10. Compaixão em ação, sim. Pena, não. 14 Documento licenciado a Luis
  • 3. 1. DefiniçõesTENDÊNCIAUma Tendência é um processo de mudança que resulta da observação docomportamento dos consumidores e que origina a criação e o desenvolvimentode novas ideias: de negócio, de produto ou serviço, de marca ou de ação.É um processo de mudança comportamental que está assente em mentalidadesemergentes e que é suportada, posteriormente, em interpretações passíveis degerar capazes de serem convertidos em negócios.COOLHUNTA observação etnográfica e qualitativa com o registo disciplinado e metodológicode acontecimentos e fenómenos Culturais, Sociais, Humanos e Políticos, mastambém de Marketing, Comunicação e Gestão com vista à identificação deTendências e construção de insights empresariais para potenciar a Inovação.COOL EXAMPLESSão observações individualizadas que são recolhidas pelosobservadores de Tendências (Coolhunters) e que para serem válidas eúteis aos propósitos de um devem:1. Ser representativas da(s) Tendência(s) em observação/análise;2. Ser atrativas ou seja, que chamem a atenção;3. Ser ispiradoras ou seja, que tenham a capacidade de gerar para além da sua interpretação mais óbvia;4. Indicar ter potencial de crescimento ou a capacidade de contagiar grupos e segmentos de pessoas. 3 Documento licenciado a Luis
  • 4. 2. Introdução e Metodologia1. IntroduçãoO crescimento e o poder atuais da China dispensam maiores comentários, pelo que étambém escusado insistir que é muito perigoso não estar atento ao que lá se passa,particularmente para os que lá pensam ir para fazer negócios. Para tal, já existeabundante informação quantitativa disponível, atualizada quase que diariamente, sobrea evolução do imenso mercado chinês, e que mercados e indústrias mais oferecemoportunidades para quem quer lá investir, seja através da exportação, seja através damontagem de negócios no país.E foi para complementar esta informação situ que a Science of the Time levou acabo 3 Coolhunts dedicados exclusivamente a explorar, entender e articular o que vaina cabeça e no coração dos chineses hoje, à luz das Tendências e Mentalidades doConsumidor. Estes Coolhunts foram publicados no site da Science of the Time, e seria,portanto, redundante repeti-los aqui.O nosso intuito com este documento foi o de, a partir do resultado destes Coolhunts, eà luz de várias Macro-Trends, articular insights sobre as mentalidades dosconsumidores que neste momento se estão a formar ou a prevalecer, seja sobreoportunidades de negócio que se estão a descortinar na China.Portanto, e novamente, este documento não pretende e nem poderia ser umapara quem queira apostar na China como fonte de negócios. Mas pode e deve serolhado como uma fonte de insights para ou começar a esboçar a montante ou pararefinar a jusante, os seus objetivos e estratégias de negócio com e para a China.2. Metodologia Qualitativa; 100% em linha com os princípios e métodos de Coolhunting desenvolvidos e praticados pela Ayr Consulting. 4 Documento licenciado a Luis
  • 5. 1. Qualidade não deve significar elitismo ou baixo volumeA prática do skating é um exemplo. Os jovens começaram a praticá-lo, e logo a seguir o governo deShanghai projetou e construiu o SMP, um complexo de skating que não deixa nada a desejar em relaçãoaos melhores do mundo, e que já sediou alguns campeonatos internacionais de peso. Só que:1. O SMP está a uma boa distância do centro de Shanghai, e nem todos os jovens conseguem deslocar-se até lá;2. Pelo que só é frequentado por uma pequena elite.Pelo que, o que se vê aqui é um exemplo de uma adoção rápida e de alta qualidade de uma práticaocidental, mas que deixa a maioria da população de fora, o que limita o seu potencial de retorno comercialpresente.A lição que se tira daqui para quem quiser investir em áreas de crescimento como esta é a de facilitar noseu projeto o maior acesso possível de clientes. Os números não mentem e o tamanho da populaçãochinesa facilita em muito os retornos em volume. 5 Documento licenciado a Luis
  • 6. 2. O que surgiu no Ocidente há 10 anos, lá pode ser algo 100% novoCom uma população crescente e mais afluente, a questão logística e de serviços torna-se cada vez maisimportante. O Sherpa s Food Delivery Service apresenta-se como um serviço essencial para quempretende obter uma refeição rapidamente e sem trabalho. Começou o negócio em Shanghai e agoraexpande-se a outras cidades da China, com a seguinte oferta:1. O Cliente tem a refeição que requisitou no prazo de 45 minutos. Tendo em conta que em cidades caóticas é dificil circular, este é impressionante;2. O Cliente pode encomendar refeições de inúmeros restaurantes com várias tradições gastronómicas (Chinesa, Japonesa, Ocidental, etc.);3. O serviço funciona 365 dias por ano e encontra-se aberto durante quase todo o dia.Apostar em modelos de serviço sucesso no Ocidente, mesmo que de há 10 anos atrás, tem todo osentido nas grandes cidades da China. Com um toque de inovação, este vasto mercado apresenta-secomo um bom investimento para o desenvolvimento de empresas, serviços e negócios. A logística seráuma das grandes forças deste mercado. O mercado de distribuição é uma das chaves. 6 Documento licenciado a Luis
  • 7. 3. Faça o seu original muito valorizado, porque as cópias são fundamentais para a vida do paísA China encontra-se num dilema. Shanzai é um termo que, muito simplesmente, significa pegar numproduto e copiá-lo quase até à perfeição. O segredo consiste em ser idêntico, e muitas marcas têm-sedeparado com esta questão, particularmente a Apple, cuja Apple Store enfrenta a concorrência de que atraem números impressionantes de Clientes.E um aspeto muito interessante deste Coolhunt foi o de que o próprio gerente da Apple Store, emboraentendendo que as causam danos de imagem à sua marca, encara-as como algoimportante para o país, na medida em que elas geram emprego e melhores condições de vida paramuitíssimos, pelo que:1. A cópia na China é uma realidade não somente presente como ainda aceite como indispensável à economia e ao bem-estar da população;2. Isto cria um dilema, pois apesar de ser um crime contra os direitos de propriedade, é uma forma crescente de produzir riqueza interna;3. Mas este género de negócios é muito lucrativo e apela ao um sentido patriótico de produção nacional que faz com que as e de cópias tão correntes nos mercados ocidentais não sejam tão incentivadas e nem mesmo apreciadas lá.Atacar as cópias de forma aberta e indiscriminada pode causar prejuízos de imagem às Marcas, já queserão vistas como da . Portanto, a boa proteção de Marcas não ocorre através da vialegal, mas sim do estabelecimento de uma diferença e valorização percetível ainda maior do que noOcidente entre a Marca e a cópia. 7 Documento licenciado a Luis
  • 8. 4. A criatividade deve ser protegida para poder florescerEight Bridge é uma área de Shanghai que reúne um conjunto de empresas e projetos de várias áreascriativas de modo a providenciar um espaço capaz de produzir um espírito de inovação que busca:1. Criar uma relação entre lojas, estúdios de design e empresas de media para potenciar o nascimento de novas ideias e conceitos.2. Permitir uma formação on-the-job para jovens designers, artistas, etc.;3. Criar uma relação inspiradora com a natureza através de espaços mais verdes e apelativos.Os Clusters de criatividade são um exemplo de como as de devem ser quaseque separadas da vida normal das cidades, já que o ritmo de vida e o tradicionalismo chinês vê o quesaia da rotina estabelecida como algo que não é de maior relevância para o seu dia-a-dia ou até comoum empecilho ao seu bom funcionamento. 8 Documento licenciado a Luis
  • 9. 5. A massificação já é uma realidade. E a personalização do massificado é essencial.É impossível andar por Shanghai sem esbarrar numa máquina de vendas acionada por um cartão Velo, avender cupons de descontos para quase que tudo.O cartão Velo funciona segundo o mesmo princípio de um moedas de há 15 anos atrás,mas pode ser personalizado de milhares de formas e tornar-se num acessório de personalização detelemóveis, carteiras, etc..E o mesmo princípio do cartão Velo aplica-se a inúmeras outras categorias de produtos.O Chinês já tem acesso a uma enorme gama de produtos, graças à massificação criada pela suaextraordinária capacidade de produção. E por isso mesmo valoriza tudo aquilo que o possa ajudar apersonalizar aquilo que é seu e, portanto, dar-lhe todos os benefícios da massificação mas preservando asua individualidade e personalidade. 9 Documento licenciado a Luis
  • 10. 6. Acrescente um toque especial ao meramente funcionalAqui o que vemos é um corolário do insight anterior, e válido fundamentalmente para quem tem comoTarget os mais jovens, e para quem poder adquirir algo meramente funcional por mais avançado ouprático que seja já não basta.O acima é demonstrado por estas USBs que têm tido imenso sucesso entre os jovens, exatamente poradicionarem uma dimensão decorativa a algo extremamente funcional e perfeitamente quotidiana nassuas vidas.E isto aplica-se desde o mais simples ao mais sofisticado e, como já dissemos anteriormente, é primo-direito da personalização que os chineses tanto desejam.Já não basta oferecer o funcional, por mais barato ou eficiente que seja, para atrair os mais jovens. Háque acrescentar-lhe um toque especial que pode ir da irreverência ao meramente decorativo para sedestacar da concorrência. 10 Documento licenciado a Luis
  • 11. 7. Conhecimento = Confiança = OportunidadeEnquanto no Ocidente as barreiras interpessoais e hierárquicas são cada vez menores, na China elascontinuam a ser um fator de extremo peso no estabelecimento e mesmo na continuidade de relaçõescomerciais. Por exemplo:1. O Prof. Dr. Carl Rohde deparou-se com a dificuldade de fazer com que os estudantes na audiência das suas palestras tivessem uma participação mais (inter)ativa nelas. Isto não indica nem falta de preparo nem de iniciativa por parte dos estudantes, mas sim de 2 fatores: a. Assuntos de importância não são nem levantados nem muito menos discutidos na frente de estranhos; b. Quando se está defronte a um interlocutor seja pela posição, seja pela experiência, a tendência é deferir a este interlocutor em praticamente tudo.2. Plataformas como o Kick Starter, que carreiam fundos para fomentar ideias de negócios, tem poucas chances de momento na China, já que, na opinião de ínúmeros Coolhunters não haveria muita razão nem incentivo para se enviar dinheiro para desconhecidos.Na China, o é uma expressão que deve ser levada muito literalmente. 11 Documento licenciado a Luis
  • 12. 8. uma aposta certa nos jovens mais afluentesO mercado chinês está cada vez mais saturado de marcas internacionais, já que se tornaram naverdadeira do e os consumidores já começam a percecionar o valor que reside nosprodutos e marcas na e não somente in .Através de redes sociais e plataformas como a da Yoho.cn, a voguemate.com e a Kaixin001, aexposição de novas ideias, pensamentos, estilos, modas, etc., permite a formação de grupos e subgruposde comportamentos capazes de surpreender e desafiar os mais sofisticados profissionais de sociologia eestudos de mercado. Acontecimentos como o com muita bebida e diversão), e caminhadas noturnas pelas cidades, etc., tornam-se cada vez mais comuns e frequentes.A posição do Ocidente de que inovamos e a China não somente é bastante arrogante, comoestá fadada a satisfazer a um mercado pouco afluente e decrescente ao longo dos anos. E Joe Dembsratifica a ideia do na como base para uma mentalidade emergente que se vai afirmar como,o na . 12 Documento licenciado a Luis
  • 13. 9. Mantenha o tradicional para ser revolucionário junto aos jovensQuem pretende atingir jovens chineses enquanto público-alvo, terá de os caracterizar quase que comosendo jovens ocidentais, e tratá-los como um conjunto de comunidades com interesses e característicasdiversas e marcada.Um exemplo disto é um nicho de mercado, chamado de adeptos de jogos online e offline, e quepodem ir dos jogos chineses mais tradicionais como o (praticado extensiva e intensivamentepelos mais velhos) até aos mais sofisticados e recentes jogos online.Ser jovem e com bom poder aquisitivo na China de hoje não repreesenta abraçar o Ocidente e descartaros valores tradicionais da China. É essencial gerar e manter uma convivência equilibrada entreque não pertencem somente ao passado, mas que fizeram com que a China superasse tudo e todos e sejaa potência que é hoje, com o inovador e o revolucionário, para os fazer sentirem-se seguros de que o seucaminho pode ser aberto sobre bases sólidas e confiáveis. 13 Documento licenciado a Luis
  • 14. 10. Compaixão em ação, sim. Pena, não.Chen Ming Jin é um milionário que decidiu atuar contra a discriminação de que sofrem as pessoaspequenas na sociedade moderna. E para este efeito criou o People um parque de 5,000hectares em Yunnan que custou 85 milhões de Euros cuja gestão, operação e entretenimento são feitosexclusivamente por anões, que atualmente residem em caráter permanente.Isto causou um choque extremamente salutar na sociedade e, ao mesmo tempo, obliterou qualquerperceção de que os anões que lá trabalham estão a ser explorados como de já que amaioria das respostas do público e das autoridades foi que ele os olhos para a realidade deexclusão das pessoas pequenas que, são tão capazes quanto qualquer outra pessoa".Além disso, os funcionários e gerentes dizem que isto os tirou de uma posição marginalizada que durantemuito tempo levou muitos deles à mendicância e colocou-os numa posição normal, produtiva e gratificantena sociedade um lugar que eles não desejam abandonar e têm esperança que sejam abertos muitosmais, como este ou não.As políticas de Responsabilidade Social, Cidadania e Inclusividade, para serem eficazes, não devemapontar o problema, mas sim irem diretamente à solução, numa demonstração de semque não coloca os beneficiários em posição de e ajuda a gerar adesão e mudança positiva decostumes. 14 Documento licenciado a Luis
  • 15. Documento licenciado a Luis