• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Roteamento OSPF, Roteador Quagga
 

Roteamento OSPF, Roteador Quagga

on

  • 6,971 views

Roteamento OSPF. Simulação de um Roteador utilizando o software Quagga (Zebra), no Linux Debian.

Roteamento OSPF. Simulação de um Roteador utilizando o software Quagga (Zebra), no Linux Debian.

Statistics

Views

Total Views
6,971
Views on SlideShare
6,971
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
199
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Roteamento OSPF, Roteador Quagga Roteamento OSPF, Roteador Quagga Document Transcript

    • Inaldo J.Lourenço Tássio Ricardo Graduandos em Sistema de Informação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas – IF AL Professor: Tárcio Bezerra Gerência e Configuração de Serviços de Internet Trabalho 1 Roteamento OSPF 27 de Março de 2009
    • Sumário 1. Introdução 2. Softwares utilizados 2.1 Sistema Operacional hospedeiro 2.2 VMware 2.3 Debian GNU Linux 2.4 Quagga 2.5 Wireshark 3. Equipamentos utilizados 4. Cenário2 4.1 Evento 1 4.2 Evento 2 4.3 Evento 3 5. Análise no Wireshark das mensagens trocadas entre os Roteadores 6. Conclusão 7. Referências
    • 1. Introdução O objetivo desse trabalho é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores utilizando o protocolo de roteamento OSPF no Sistema Operacional Debian GNU/Linux. No Linux, as principais funções de roteamento estão implementadas ao nível do Kernel. Contudo, os protocolos de roteamento são considerados aplicações de mais alto nível, e não estão no Kernel. O Quagga não altera as funções de roteamento do Kernel do Linux. Ele é um pacote de alto nível que introduz os protocolos de roteamento e uma interface de gerenciamento de alto nível. A função do Quagga é preencher de forma automática as tabelas de roteamento.
    • 2. Softwares utilizados 2.1 Sistema Operacional hospedeiro Windows XP Professional Service Pack 3 Versão 2002 Empresa Microsoft Figura 1 – Sistema operacional hospedeiro.
    • 2.2 VMware Server console O VMware é um software que permite executar e rodar vários sistemas operacionais na mesma máquina física, cada uma se comportando como se fossem independentes ou seja máquinas virtuais. Virtualização de máquinas é um método que permite ao usuário de computador instalar e usar simultaneamente mais de um sistema operacional na mesma máquina física. Figura 2 – VMware- características da máquina “Roteador 1” Versão 1.0.3 build - 44356
    • Figura 3 – VMware- Configuração das interfaces de rede existente no hospedeiro. 2.3 Debian GNU Linux O Linux é um sistema operacional de código fonte aberto, derivado do Unix adotado em servidores do mundo todo para as mais diversas tarefas. O kernel ou núcleo do sistema operacional GNU/Linux é o responsável, entre outras funções, pelo acesso aos dispositivos e protocolos de rede. Em muitos casos ele é auxiliado por daemons (processos executados em background), e por comandos que configuram parâmetros.
    • Figura 4 – Debian GNU/Linux instalado no VMware 2.4 Quagga O projeto quagga é oriundo de um projeto mais antigo, denominado zebra. O GNU Zebra é um software livre que gerencia protocolos de roteamento baseados em TCP/IP. O Zebra suporta BGP, RIP e OSPF.O Zebra foi idealizado pelo Kunishiro Ishiguro e após isso surgiu uma ramificação chamada Zebra-pj, que recentemente foi rebatizado de Quagga. Quando o projeto ainda se chamava zebra, ele contava com menos participantes. Quando o projeto cresceu, ele foi renomeado, e passou a contar com a contribuição de uma comunidade mais ampla. Trabalharemos com os programas do quagga: zebra: efetua a comunicação entre os protocolos de roteamento e o kernel do Linux. Não importa qual protocolo de roteamento esteja sendo usado, o programa "zebra" precisará estar sempre rodando. Se o zebra estiver inativo, não haverá criação de rotas nas tabelas de rotemento do linux. É possível acessar esse deamon de maneira remota fazendo-se um telnet na porta TCP 2601. Através do telnet é possível, por exemplo, verificar as tabelas de roteamento remotamente. ospfd: implementa o protocolo ospfv2 para IPv4. Os parâmetros do ospf podem ser configurados remotamente por telnet, através da porta TCP 2604.
    • 2.4.1 Baixar o Quagga no Debian Instalação no Debian # apt-get install guagga 2.5 Wireshark O Wireshark é um programa que verifica os pacotes transmitidos pelo dispositivo de comunicação (placa de rede, placa de fax modem ) do computador. O objetivo deste tipo de software, também conhecido como sniffer, é auxiliar na administração de redes, detectar problemas, conexões suspeitas, auxiliar no desenvolvimento de aplicativos e qualquer outra atividade relacionada a rede. 3. Equipamentos utilizados • 1- HUB - 3Com® SuperStack® II Hub 10 12-Port TP • 8 - Computadores HP Compaq dc5750 Microtower PC Windows XP Professional • 4 - Cabo de rede crossover • Laboratório 3 - Bloco de Informática – IF AL
    • 4. Cenário 2 Figura 5 – Cenário Ideal dos Roteadores com as suas respectivas interfaces Figura 6 – Cenário encontrado no dia 26/03/09 – Roteador 4 com Problemas de Roteamento
    • 4.1 Evento1 Origem – ROTEADOR 1 192.168.50.1 (Eth1) Destino – ROTEADOR 8 192.168.60.8 9 (Eth2) 1ª Situação – Com a interface 10.10.30.1 (eth2) em funcionamento. A rota dinâmica para o destino passou pela interface 10.10.30.2 para em seguida atingir o seu destino. Apresentação da tabela do OSPF apresentava-se desta forma:
    • 2ª Situação – Derrubando a interface 10.10.30.1 Com a queda da interface 10.10.30.1 o caminho para o roteador 192.168.60.8 passou pelas interfaces 192.168.50.6 e 10.10.30.10. A tabela do OSPF apresentou-se da seguinte forma: Observa-se na segunda tabela de rotas do OSPF que a interface 10.10.30.2 não mais se apresenta, devido ao desligamento da interface 10.10.30.1. Desta forma, via 192.168.50.6, os pacotes são enviados para o destino.
    • 4.2 Evento2 Origem – 192.168.50.1 Destino – 192.168.50.6 1ª Situação – Com a interface 192.168.50.1 ligada. Os pacotes seguiram direto para o destino. Tabela de rotas do OSPF: 2ª Situação – Desligamento da interface 192.162.50.1 Na segunda situação, o caminho para atingir o destino passou por 3 interfaces, devido a queda da 192.168.50.1. Os pacotes seguiram pela conexão ponto-a-ponto entre 10.10.30.1 e 10.10.30.2 depois seguiu via conexão multiponto (conectado pelo switch) para 192.168.50.8, em seguida via ponto-a-ponto entre os roteadores 8 e 7, chegando ao destino pela conexão ponto-a-ponto entre roteadores 7 e 6. Tabela de roteamento após queda da interface 192.168.50.1:
    • Todas as rotas seguem via a conexão ponto-a-ponto, devido a queda da interface eht1 do roteador 1 4.3 Evento 3 Origem – 192.162.50.1 Destino – Estação 192.168.57.2 1ª Situação – Com a interface 192.168.50.6 ligada A rota passou pela conexão multiponto (Ethernet IF-AL) entre roteadores 1 e 6, em seguida conexão ponto-a-ponto entre 10.10.30.9 e 10.10.30.10 (roteadores 6 e 7) para chegar na estação. A tabela de rotas do OSPF encontrava-se desta forma:
    • 2ª Situação – Com a interface 192.168.50.6 desligada. Com o desligamento da interface do roteador 6, os pacotes seguiram em direção ao roteador 2 (conexão ponto-a-ponto), depois seguiu pela conexão multiponto entre roteadores 2 e 8, em seguida pela conexão ponto-a-ponto entre 10.10.30.14 e 10.10.10.30.13 para chegar na estação. 5. Análise no Wireshark das mensagens trocadas entre os Roteadores Capturas no Roteador 1 – interface 192.168.50.1
    • Capturas no Roteador 1 – interface 10.10.30.1 6. Conclusão Durante a execução do trabalho simulamos um ambiente real de roteamento. Presenciamos o funcionamento anormal no VMware devido a uma configuração equivocada nas placas de redes do software. Além disso em alguns computadores não havia a segunda placa de rede necessária para efetuar a ligação ponto a ponto, mas a equipe de monitores conseguiu solucionar em tempo hábil. O Roteador 4 apresentou problemas de configuração no ospf, sendo decisivo para a mudança das rotas. (lembrando que o problema apresentado no Roteador 4 foi solucionado). Queremos enaltecer o espírito de equipe do grupo participante do projeto.
    • 7. Referências “Quagga” A routing software package for TCP/IP networks - Kunihiro Ishiguro, 0.99.4 July 2006 How to enable IP Forward - The Journal Of A Linux Sysadmin http://www.ducea.com/2006/08/01/how-to-enable-ip-forwarding-in-linux/ BestLinux – Configuração do http://www.bestlinux.com.br/index.php?Itemid=79&id=1413&limit=1&limitstart=1&o ption=com_content&task=view Wikipédia – Enciclopédia Livre http://pt.wikipedia.org/wiki/Crossover_(cabo) Protocolos de Roteamento – RIP & OSPF, Aline Felisberto – UFRJ, http://www.gta.ufrj.br/grad/98_2/aline/indice.html Trabalho sobre Roteadores, Alessandro Trindade Vieira – CEFET, http://200.9.149.38/Ensino/Engenharia/redeslocais/trabalhos/Roteadores/ROUTER.HT M Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis e Nilton Alves Jr http://www.rederio.br/downloads/pdf/nt01100.pdf