Guia de estudo 101 completo

971 views
946 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
971
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
84
Actions
Shares
0
Downloads
115
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Guia de estudo 101 completo

  1. 1. Guia de Estudo LPIC - 101Montado seguindo os objetivos retirados direto do Site da LPIhttp://www.lpi.org/eng/certification/the_lpic_program/lpic_1/exam_101_detailed_objectives 1
  2. 2. Índice1. TOPICO 101 - ARQUITETURA DE SISTEMA ..................................................................... 6 1.1 CONFIGURAÇÃO DE ATRIBUTOS FUNDAMENTAIS DE BIOS ...................................................................................... 6 1.2 RECURSOS DE HARDWARE ........................................................................................................................................... 6 1.1.1. COLDPLUG E HOTPLUG .............................................................................................. 6 1.2.1. LSPCI .......................................................................................................................... 6 1.2.2. LSUSB ......................................................................................................................... 7 1.2.3. MODPROBE ................................................................................................................. 7 1.2.4. LSMOD ........................................................................................................................ 7 1.3 SISTEMA DE BOOT .......................................................................................................................................................... 7 1.3.1. VAR/LOG/MESSAGES .................................................................................................. 7 1.3.2. DMESG ........................................................................................................................ 7 1.3.3. LAST ........................................................................................................................... 7 1.3.4. BOOTLOADER ............................................................................................................. 7 1.3.5. KERNEL ......................................................................... Error! Bookmark not defined. 1.3.6. INIT ............................................................................................................................. 8 1.4 MUDE RUNLEVELS E PARADA PROGRAMADA OU RECARREGUE O SISTEMA ........................................................ 8 1.4.1. RUNLEVELS ................................................................................................................ 8 1.4.2. ETC/INITTAB ................................................................................................................ 8 1.4.3. SHUTDOWN ................................................................................................................ 8 1.4.4. ETC/INIT.D ................................................................................................................... 8 1.4.5. TELINIT........................................................................................................................ 82. TÓPICO 102: INSTALAÇÃO DE LINUX E GERÊNCIA DO PACOTE .................................. 9 2.1 DISPOSIÇÃO DO DISCO RIGIDO DO PROJETO ............................................................................................................ 9 2.1.1. SWAP SPACE .............................................................................................................. 9 2.1.2. MOUNT POINTS ........................................................................................................... 9 2.1.3. PARTIÇÕES ................................................................................................................. 9 2.2 INSTALAR UM GERENCIADOR DE BOOT .................................................................................................................... 10 2.2.1. GRUB ......................................................................................................................... 10 2.2.2. MBR ........................................................................................................................... 10 2.2.3. SUPERBLOCO ............................................................................................................ 10 2.2.4. LILO............................................................................................................................ 10 2.3 BIBLIOTECAS COMPARTILHADAS ................................................................................................................................ 11 2.3.1. LDD ............................................................................................................................ 11 2.3.2. LDCONFIG .................................................................................................................. 11 2.3.3. LD_LIBRARY_PATH .................................................................................................... 11 2.4 ADMINISTRAÇÃO DE PACOTES DEBIAN (.DEB) ......................................................................................................... 11 2.4.1. DPKG ......................................................................................................................... 11 2.4.2. APT ............................................................................................................................ 12 2.4.3. APTITUDE................................................................................................................... 12 2.4.4. DSELECT.................................................................................................................... 12 2.4.5. ALIEN ......................................................................................................................... 12 2.5 ADMINISTRAÇÃO DE PACOTES REDHAT (.RPM) ....................................................................................................... 13 2.5.1. RPM ........................................................................................................................... 13 2.5.2. RPM2CPIO .................................................................................................................. 13 2.5.3. YUM ........................................................................................................................... 133. TÓPICO 103: GNU E COMANDOS DO UNIX .................................................................... 14 3.1 TRABALHANDO NA LINHA DE COMANDO ................................................................................................................... 14 3.1.1. SHELL ........................................................................................................................ 14 3.1.2. BASH .......................................................................................................................... 14 3.1.3. ALIAS ......................................................................................................................... 14 3.1.4. ECHO ......................................................................................................................... 14 3.1.5. ENV ............................................................................................................................ 14 3.1.6. EXEC .......................................................................................................................... 14 3.1.7. EXPORT ..................................................................................................................... 14 3.1.8. PWD ........................................................................................................................... 14 3.1.9. FILE ............................................................................................................................ 14 3.1.10. SET ............................................................................................................................ 14 3.1.11. UNSET........................................................................................................................ 14 2
  3. 3. 3.1.12. MAN ........................................................................................................................... 14 3.1.13. UNAME ....................................................................................................................... 15 3.1.14. HISTORY .................................................................................................................... 15 3.1.15. VARIÁVEIS PRÉ-DEFINIDAS ....................................................................................... 15 3.1.16. VARIÁVEIS ESPECIAIS ............................................................................................... 15 3.1.17. ARQUIVOS DE CONFIGURAÇÃO ................................................................................ 15 3.1.18. COMANDOS SEQÜENCIAIS ........................................................................................ 153.2 PROCESSAR FLUXOS DE TEXTO ATRAVÉS DE FILTROS ......................................................................................... 16 3.2.1. CAT ............................................................................................................................ 16 3.2.2. MORE ......................................................................................................................... 16 3.2.3. LESS .......................................................................................................................... 16 3.2.4. TAC ............................................................................................................................ 16 3.2.5. CUT ............................................................................................................................ 16 3.2.6. EXPAND ..................................................................................................................... 16 3.2.7. HEXDUMP .................................................................................................................. 16 3.2.8. FMT ............................................................................................................................ 17 3.2.9. HEAD.......................................................................................................................... 17 3.2.10. OD .............................................................................................................................. 17 3.2.11. DIFF ........................................................................................................................... 17 3.2.12. JOIN ........................................................................................................................... 17 3.2.13. NL .............................................................................................................................. 17 3.2.14. PASTE ........................................................................................................................ 18 3.2.15. PR .............................................................................................................................. 18 3.2.16. SED ............................................................................................................................ 18 3.2.17. SORT.......................................................................................................................... 18 3.2.18. SPLIT.......................................................................................................................... 18 3.2.19. TAIL ............................................................................................................................ 19 3.2.20. TR .............................................................................................................................. 19 3.2.21. UNEXPAND................................................................................................................. 19 3.2.22. UNIQ .......................................................................................................................... 19 3.2.23. WC ............................................................................................................................. 193.3 GERENCIAMENTO BÁSICO DE ARQUIVOS ................................................................................................................. 19 3.3.1. CP .............................................................................................................................. 19 3.3.2. FIND ........................................................................................................................... 20 3.3.3. MKDIR ........................................................................................................................ 20 3.3.4. MV .............................................................................................................................. 20 3.3.5. LS ............................................................................................................................... 20 3.3.6. RM.............................................................................................................................. 21 3.3.7. RMDIR ........................................................................................................................ 21 3.3.8. TOUCH ....................................................................................................................... 21 3.3.9. TAR ............................................................................................................................ 21 3.3.10. CPIO ........................................................................................................................... 22 3.3.11. DD .............................................................................................................................. 22 3.3.12. FILE ............................................................................................................................ 22 3.3.13. GZIP ........................................................................................................................... 22 3.3.14. GUNZIP ...................................................................................................................... 22 3.3.15. BZIP2............................................................................. Error! Bookmark not defined. 3.3.16. FILE GLOBBING .......................................................................................................... 233.4 FLUXOS, CANALIZAÇÃO E REDIRECIONAMENTOS DE SAÍDA.................................................................................. 23 3.4.1. 0 - STDIN .................................................................................................................... 23 3.4.2. 1 - STDOUT................................................................................................................. 23 3.4.3. 2 - STDERR................................................................................................................. 23 3.4.4. CANALIZAÇÃO ............................................................................................................ 23 3.4.5. TEE ............................................................................................................................ 23 3.4.6. XARGS ....................................................................................................................... 233.5 CRIAR, MONITORAR E FINALIZAR PROCESSOS ........................................................................................................ 24 3.5.1. & ................................................................................................................................ 24 3.5.2. BG .............................................................................................................................. 24 3.5.3. FG .............................................................................................................................. 24 3.5.4. JOBS .......................................................................................................................... 24 3.5.5. KILL ............................................................................................................................ 24 3.5.6. NOHUP ....................................................................................................................... 24 3.5.7. PS .............................................................................................................................. 25 3
  4. 4. 3.5.8. TOP ............................................................................................................................ 25 3.5.9. FUSER........................................................................................................................ 25 3.5.10. FREE .......................................................................................................................... 26 3.5.11. UPTIME ...................................................................................................................... 26 3.5.12. PIDOF ......................................................................................................................... 26 3.5.13. KILLALL ...................................................................................................................... 26 3.5.14. PSTREE ...................................................................................................................... 26 3.6 MODIFICAR A PRIORIDADE DE EXECUÇÃO DE UM PROCESSO .............................................................................. 27 3.6.1. NICE ........................................................................................................................... 27 3.6.2. RENICE ...................................................................................................................... 27 3.7 PROCURAR EM ARQUIVOS DE TEXTO USANDO EXPRESSÕES REGULARES ....................................................... 273.7.1. CARACTERES ESPECIAIS EM EXPRESSÕES REGULARES ......................................... 273.7.2. GREP ................................................................................................................................... 27 3.7.3. EGREP ....................................................................................................................... 27 3.7.4. FGREP ....................................................................................................................... 27 3.7.5. SED ............................................................................................................................ 28 3.7.6. REGEX(7) ...................................................................... Error! Bookmark not defined. 3.7.7. )..................................................................................... Error! Bookmark not defined. 3.8 EDIÇÃO BÁSICA DE ARQUIVOS COM O VI .................................................................................................................. 294. TÓPICO 104: DISPOSITIVOS, FHS , PADRÃO DA HIERARQUIA DE FILESYSTEM ...... 30 4.1 CRIAÇÃO DE PARTIÇÕES E SISTEMAS DE ARQUIVOS ............................................................................................. 304.1.1. IDENTIFICAÇÃO DOS DISPOSITIVOS .............................................................................. 304.1.2. FDISK ................................................................................................................................... 30 4.1.3. MKFS.......................................................................................................................... 31 4.1.4. SWAP ......................................................................................................................... 31 4.2 MANUTENÇÃO DA INTEGRIDADE DE SISTEMAS DE ARQUIVOS .............................................................................. 31 4.2.1. DU .............................................................................................................................. 31 4.2.2. DF .............................................................................................................................. 31 4.2.3. FSCK .......................................................................................................................... 32 4.2.4. E2FSCK ...................................................................................................................... 32 4.2.5. MKE2FS...................................................................................................................... 32 4.2.6. DEBUGFS ................................................................................................................... 32 4.2.7. DUMPE2FS ................................................................................................................. 32 4.2.8. TUNE2FS .................................................................................................................... 32 4.2.9. XFS F TOOLS (TAIS COMO O XFS_METADUMP E O XFS_INFO)Error! Bookmark not defined. 4.3 CONTROLE DA MONTAGEM E DESMONTAGEM DOS SISTEMAS DE ARQUIVOS ................................................... 33 4.3.1. ETC/FSTAB ................................................................................................................. 33 4.3.2. MEDIA ........................................................................................................................ 33 4.3.3. MOUNT ....................................................................................................................... 33 4.3.4. UMOUNT .................................................................................................................... 33 4.4 ADMINISTRAÇÃO DE COTAS DE DISCO ...................................................................................................................... 344.4.1. QUOTA ................................................................................................................................ 34 4.4.2. EDQUOTA................................................................................................................... 34 4.4.3. REPQUOTA ................................................................................................................ 35 4.4.4. QUOTACHECK ............................................................................................................ 35 4.4.5. QUOTAOFF................................................................................................................. 35 4.4.6. QUOTAON .................................................................................................................. 36 4.5 CONTROLE DE PERMISSÕES E ACESSO À ARQUIVOS ............................................................................................ 364.5.1. REPRESENTAÇÕES .......................................................................................................... 364.5.2. TIPOS DE PERMISSÃO ...................................................................................................... 36 4.5.3. CHMOD ...................................................................................................................... 36 4.5.4. UMASK ....................................................................................................................... 37 4.5.5. CHOWN ...................................................................................................................... 37 4.5.6. CHGRP ....................................................................................................................... 37 4.5.7. SUID ........................................................................................................................... 37 4.5.8. SGID ........................................................................................................................... 37 4.5.9. STICK BIT ................................................................................................................... 37 4
  5. 5. 4.6 CRIAR E ALTERAR LINKS SIMBÓLICOS E LINKS FÍSICOS ......................................................................................... 374.6.1. HARDLINKS (LINKS FÍSICOS) ........................................................................................... 37 4.6.2. SOFTLINKS (LINKS SIMBÓLICOS) ............................................................................... 374.6.3. LN ......................................................................................................................................... 37 4.7 ENCONTRAR ARQUIVOS DE SISTEMA E CONHECER SUA LOCALIZAÇÃO CORRETA ......................................... 38 4.8.1. FIND ........................................................................................................................... 38 4.8.2. LOCATE ...................................................................................................................... 38 4.8.3. WHEREIS ................................................................................................................... 38 4.8.4. WHICH........................................................................................................................ 38 4.8.5. TYPE ............................................................................. Error! Bookmark not defined.5. GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS DO SISTEMA ........................................................... 39 5.1.1 CRIANDO USUÁRIOS E GRUPOS ................................................................................................................................. 39 5.1.2 USERADD ................................................................................................................... 39 5.1.3 USERDEL ................................................................................................................... 39 5.1.4 USERMOD .................................................................................................................. 39 5.1.5 PASSWD..................................................................................................................... 39 5.1.6 GROUPADD ................................................................................................................ 40 5.1.7 GROUPDEL ................................................................................................................ 40 5.1.8 GROUPMOD ............................................................................................................... 40 5.1.9 GPASSWD .................................................................................................................. 40 5.1.10 CHAGE ....................................................................................................................... 40 5.1.11 ARQUIVOS E DIRETÓRIOS DOS USUÁRIOS ............................................................... 40 5
  6. 6. 1. TOPICO 101 - ARQUITETURA DE SISTEMA 1.1 CONFIGURAÇÃO DE ATRIBUTOS FUNDAMENTAIS DE BIOS 1.2 RECURSOS DE HARDWARE  /proc/cpuinfo: Informação sobre o(s) processador(es) encontrado(s) pelo sistema;  /proc/dma: Informação sobre os canais de acesso direto à memória;  /proc/ioports: Informação sobre endereços de memória usados pelos dispositivos;  /proc/interrupts: Informação sobre as requisições de interrupção (IRQ) nos processadores.  /proc – Contem informações sobre recursos de dispositivos  /sys –  /dev – Arquivos de dispositivos , necessários para acessar discos e outros dispositivos 1.1.1. COLDPLUG E HOTPLUG São vários os componentes responsáveis por identificar o dispositivo e carregar o módulo correspondente. O sistema tra vos internos fixos quanto os dispositivos removíveis e externos. Coldplug Significa a necessidade de desligar a máquina para conectar um dispositivo. Exemplos de dispositivos coldplug são placas PCI e dispositivos IDE. Na maioria dos computadores, CPU e módulos de memória são coldplug. Porém, alguns servidores de alta performance suportam hotplug para esses componentes. Hotplug É o sistema que permite conectar novos dispositivos à máquina em funcionamento e usá-los imediatamente, como no caso de dispositivos USB. O sistema hotplug foi incorporado ao Linux a partir do kernel 2.6. Dessa forma, qualquer barramento (PCI, USB etc.) pode disparar eventos hotplug quando um dispositivo é conectado ou desconectado. Assim que um dispositivo é conectado ou desconectado, o hotplug dispara um evento correspondente, geralmente trabalhando junto ao subsistema Udev, que atualiza os arquivos de dispositivos em /dev. Mesmo alguns dispositivos coldplug são configurados pelo sistema hotplug. Na hora da inicialização, o script /etc/init.d/hotplug (ou /etc/rc.d/rc.hotplug em alguns sistemas) dispara os scripts agentes em /etc/hotplug/ para configurar aqueles dispositivos que já estavam presentes antes de a máquina ser ligada. 1.2.1. LSPCI Lista informações de chipset dos componentes PCI. Opções  -v - Lista I/O e IRQ dos dispositivos OBS : LSPCI não detecta o MAC 6
  7. 7. 1.2.2. LSUSB Mostra os dispositivos USB conectados à máquina 1.2.3. MODPROBE Carrega um módulo e suas dependências manualmente. Este comando permite carregar diversos módulos e dependências de uma só vez. O comportamento do modprobe é modificado pelo arquivo /etc/modules.conf . 1.2.4. LSMOD Lista quais módulos estão carregados atualmente pelo kernel. O nome lsmod é uma contração de ls+módulos - Listar Módulos. A listagem feita pelo lsmod é uma alternativa ao uso do comando cat /proc/modules. 1.3 SISTEMA DE BOOT 1.3.1. /VAR/LOG/MESSAGES Arquivo de Log´s principal do sistema . 1.3.2. DMESG Mostra as mensagens de inicialização do kernel. São mostradas as mensagens da última inicializaçãodo sistema. 1.3.3. LAST Mostra a data que o sistema desligou e iniciou e também o login 1.3.4. BOOTLOADER Há dois principais programas responsáveis por carregar um sistema Linux: o Grub e o Lilo, ambos denominados bootloader (carregador de boot). O mais popular deles é o Grub, mas o Lilo ainda é utilizado em algumas distribuições. Ambos funcionam de maneira semelhante. Antes de carregar o kernel, o bootloader apresenta um prompt no qual é possível alterar o comportamento padrão de carregamento do sistema. Geralmente é necessário apertar uma tecla como [Esc] ou [Tab] para que o prompt apareça . ETAPAS DO PROCEDIMENTO DO BOOT  1 – POST – Inicialização de Hardware – Leitura da BIOS  2 – GERENCIADOR DE BOOT – Programa responsável pela escolha do sistema LILO / GRUB  3 – KERNEL LINUX – Etapa onde o kernel do Linux é carregado e assume o controle da maquina  4 – INIT – Primeiro programa carregado , responsável pela inicialização e carregamento de outros programas  5 – SCRIPTS DE INICIALIZAÇÃO – Scripts localizados no /etc/rc.d/ que são responsáveis pela inicialização de serviços e configurações inicias 7
  8. 8. 1.3.5. INIT O init é o pai de todos os processos e é o último passo executado no processo de inicialização do sistema. Oinit procura pelo arquivo /etc/inittab que descreve os processos a serem inicializados para o funcionamento dosistema.O init distingue vários níveis de execução (runlevels), onde cada nível possui o seu próprio conjunto de processos aserem iniciados. São níveis de execução válidos para o Linux: 0-6, A, B e C. Os níveis de execução 0, 1 e 6 sãoreservados. O nível 0 é usado para parar o sistema, o nível 1 é usado para inicializar o sistema em modomonousuário e o nível 6 é usado para reinicializar o sistema.Quando o processo init ler o arquivo /etc/inittab, ele procura pela entrada initdefault que define o nível de execuçãoinicial do sistema. Caso esta entrada não exista ou o arquivo /etc/inittab não seja encontrado, será solicitado aousuário que ele informe o nível de execução do sistema. 1.4 MUDE RUNLEVELS E PARADA PROGRAMADA OU RECARREGUE O SISTEMA 1.4.1. RUNLEVELS  0 – Modo onde o sistema é Desligado (Halt)  1 – Modo Single (monousuário)  2 – Modo Multiusuário , mas sem montagem de sistemas de arquivos remotos  3 – Modo Multiusuário completo , mas sem login gráfico  4 – Mesmo que o 3, mas pode ser utilizado para algum fim particular do usuário  5 – Modo Multiusuário grafico  6 – Modo onde o sistema é reiniciado  S – Modo monousuário , utilizado na inicialização ou para manutenção 1.4.2. /ETC/INITTAB Arquivo de configuração dos Runlevels Caminho /etc/inittab Após editar o inittab , execute o comando “init q” para as alterações surtirem efeito 1.4.3. SHUTDOWN Desliga ou reinicia a maquina segura Opções  -h – Desliga a maquina  -r +n – Reinicia a maquina  -F – Força a verificação da integridade do disco quando o sistema for iniciado novamente  -c – Cancela o shutdown  -k : apenas manda mensagem para usuários sem parar o sistema 1.4.4. /ETC/INIT.D 1.4.5. TELINIT Altera o runlevel sem reiniciar a maquina 8
  9. 9. 2. TÓPICO 102: INSTALAÇÃO DE LINUX E GERÊNCIA DO PACOTE 2.1 DISPOSIÇÃO DO DISCO RIGIDO DO PROJETO 2.1.1. SWAP SPACE Este tipo de partição é usado para oferecer o suporte a memória virtual ao GNU/Linux em adição a memóriaRAM instalada no sistema. Este tipo de partição é identificado pelo tipo 82 nos programas de particionamento dedisco para Linux. 2.1.2. MOUNT POINTS Partição que deseja montar. /etc/fstabSistema_de_arquivos Ponto_de_Montagem Tipo Opções dump ordem /dev/hda1 / ext2 defaults 0 1 /dev/hda2 /boot ext2 defaults 0 2 /dev/hda3 /dos msdos defaults,noauto,rw 0 0 /dev/hdg /cdrom iso9660 defaults,noauto 0 0 2.1.3. PARTIÇÕES HIERARQUIA PADRÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVOS (FHS) O FHS (do inglês: Filesystem Hierarchy Standard) Devem existir no dispositivo/partição raiz (/):  /bin e /sbin - Contém os programas necessários para carregar o sistema e comandos especiais.  /etc - Arquivos de configuração específicos da máquina.  /lib - Bibliotecas compartilhadas pelo programas em /bin e /sbin e módulos do kernel.  /mnt - Pontos de montagem para outras partições ou dispositivos  /proc - Armazena informações do kernel em tempo de execução  /dev – Onde está todos os dispositivos Podem ser pontos de montagem para outras partições e/ou dispositivos:  /boot - Kernel e mapas do sistema e os carregadores de boot de segundo estágio  /home - Os diretórios dos usuários  /root - Diretório do superusuário  /tmp - Arquivos temporários  / usr - Conteúdo para uso dos usuários. Programas, bibliotecas, documentos, etc.  /usr/local e /opt - Programa adicionais. Também podem conter as bibliotecas necessárias para os programas  adicionais.  /var/www e /var/FTP - Páginas HTML e diretórios para FTP anônimo.  /var - Dados de programas como configurações variantes e logs. Contém diretórios compartilhados  (ex: /var/spool/mail) e não compartilhados (ex: /var/log) Primaria – 4 partições e uma delas ativa Estendida – Variante da partição primaria, mas não é capaz de ter um FS Lógica – numeradas de 5 a 16 9
  10. 10. 2.2 INSTALAR UM GERENCIADOR DE BOOT 2.2.1. GRUB O grub (Grand Unified Bootloader) é uma alternativa ao lilo. Também é instalado na MBR; pelo comando /sbin/grub ou pelo /sbin/grub-install, que obtém as instruções de /boot/grub/grub.conf. GLOBAL default - imagem de boot padrão (começa por 0) timeout - tempo de espera para iniciar o boot, em segundos IMAGEM title - nome para a imagem root - localização do carregador de segundo estágio e do kernel (hd0,0 = /dev/hda) kernel - caminho para o kernel à partir de root ro - read-only initrd - caminho para a imagem initrd Uma vez instalado, o carregador de boot do grub lê o arquivo /boot/grub/grub.conf diretamente. 2.2.2. MBR Tanto o gerenciador de boot quanto a tabela de particionamento do HD são salvos no primeiro setor do HD, afamosa trilha MBR, que contém apenas 512 bytes. Destes, 446 bytes são reservados para o setor de boot, enquantoos outros 66 bytes guardam a tabela de partição. 2.2.3. SUPERBLOCO É onde ficam as informações de indexação para os inodes. Funciona da mesma maneira que a fat nodos/windows, fazendo a correspondência da posição física no disco com um endereço lógico em memória. 2.2.4. LILO O LILO (Linux Loader) o carregador propriamente. É instalado na MBR e carrega o boot loader de segundo estágio, geralmente localizado em /boot/boot.b /etc/lilo.conf - arquivo de configuração para o lilo. Principais opções em /etc/lilo.conf: boot - Onde o lilo deve ser instalado. Geralmente na MBR, em /dev/hda. install - O carregador de segundo estágio (/boot/boot.b é o padrão). prompt - Oferece ao usuário a escolha do SO a iniciar. default - Rótulo do dispositivo iniciado por padrão. Se não houver, o primeiro listado em /etc/lilo.conf será escolhido. timeout - Associado a prompt, especifica a espera em décimos de segundo. image ou other - kernel ou dispositivo a ser carregado (usar “other” para outros sistemas). No início do processo de boot, apenas os primeiros 1024 cilindros do disco estarão acessíveis ao carregador de boot. Portanto, é importante certificar-se de que a partição contendo o kernel (geralmente pequena, montada em /boot) esteja abaixo deste limite de 1024 cilindros) label - Rótulo para a imagem de kernel root - localização do dispositivo contendo o sistema de arquivos raiz. read-only - monta a raiz como somente leitura, para o fsck agir apropriadamente append - passa parâmetros para componentes compilados estaticamente no kernel linear/lba32 - obriga o lilo a ler o disco usando endereçamento de bloco linear. A opção “linear” é geralmente usada para discos muito grandes e “lba32” para permitir que o lilo leia além dos primeiros 1024 cilindros do disco. Essas opções não são aconselháveis. message - especifica um arquivo contendo uma mensagem a ser mostrada no painel de boot do lilo. delay - tempo de espera para que o usuário invoque o prompt, caso este não for invocado automaticamente. vga - valor numérico especificando as preferências visuais do terminal /sbin/lilo - O utilitário que lê as configurações em /etc/lilo.conf e instala o carregador de boot. Deve ser executado toda vez que uma alteração for feita ao /etc/lilo.conf Para criar um novo gerenciador de partida através do arquivo /etc/lilo.conf , execute o LILO. 10
  11. 11. 2.3 BIBLIOTECAS COMPARTILHADAS 2.3.1. LDD Exibe as bibliotecas compartilhadas requeridas 2.3.2. LDCONFIG Atualiza o arquivo de cachê ld.so OPÇÔES  -p – Exibe o conteúdo do cachê atual , em vez de recriá-lo  -v – Modo verbose 2.3.3. LD_LIBRARY_PATH Arquivo de bibliotecas /etc/ld.so.conf2.4 ADMINISTRAÇÃO DE PACOTES DEBIAN (.DEB) 2.4.1. DPKG Gerenciador de pacotes do Debian Arquivo de configuração /var/lib/dpkg OPÇÕES  Available – É a lista de todos os pacotes disponíveis  Status – Contem atributos do pacote  -E – Instrui o comando a não sobrescrever um pacote da mesma versão  -G – Instrui o comando a não sobrescrever o pacote previamente instalado de versão mais antiga  -R (--recursive) – Processa recursivamente arquivos de pacotes em subdiretórios especificados  --configure package – configura um pacote desempacotado  -i package_file (--install package_file) Instala um pacote contido no package_file  -l [pattern] (--list[pattern]) – Exibe informações sobre nomes de pacotes instalados que batam com patterm  -L package (--listfiles) – Lista os arquivos instalados a partir de um package  --print-avil package – Exibe os detalhes encontrados em /var/lib/dpkg/available do package  -r ou --purge package – Remove tudo a respeito do package  -r package (--remove package) – Remove tudo, exceto os arquivos de configuração de package  -s package (--status package) – Relata o status do package  -S search_patterm (--search search_patterm) – Procura por um nome do arquivo , dos pacotes instalados que batam com patterm  --unpack package_file – Desempacota package_file, mas não instala 11
  12. 12. 2.4.2. APT Gerenciamento Ferramentas avançadas, usa nomes de pacotes Arquivo de repositórios /etc/apt/source. list OPÇÕES  -d – Faz download de arquivos mas não instala  -s – Simula os passos de modificação, mas não modifica  -y – Responde “YES” automaticamente  dist-upgrade – Faz upgrade automaticamente para versões mais novas  Install – Instala ou faz upgrade de um ou mais pacotes  Remove – Remove pacotes  Update – obtêm a lista de pacotes atual  Upgrade – Faz upgrade do conjunto completo de pacotes  Cachê – Procura por informações do pacote2.4.3. APTITUDE Tem um funcionamento bem semelhante para a instalação de pacotes Opções  Install – instala pacote  Remove – Remove pacotes  Search – lista e localiza pacotes2.4.4. DSELECTPermite gerenciar pacotes interativamente2.4.5. ALIEN Instala pacotes não deb OPÇÕES  -i – Instala automaticamente o pacote de saída e remove o arquivo que foi convertido  -r – Converte o pacote para RPM  -t – Converte o pacote em arquivo gzip tar 12
  13. 13. 2.5 ADMINISTRAÇÃO DE PACOTES REDHAT (.RPM) 2.5.1. RPM Instalação de programas em plataformas RPM Opções  -i -Ou --install. Instala o pacote  --nodeps - Instala o pacote sem checar as dependências  -allmatches – Remove todos os pacotes  --oldpackage - Pacotes antigos  --force - Força a instalação/atualização  --test - Mostra como seria a instalação mas não instala  --requires - Com “q”, mostra as exigências para o pacote especificado  --whatrequires - Com “q”, mostra quais dependem do pacote especificado  -U -Ou --update. Atualiza ou instala o pacote  -F -Ou --freshen. Atualiza o pacote apenas se o mesmo estiver instalado  -V -Ou --verify. Verifica o tamanho, MDB, permissões, tipo,integridade, etc.  -q -Ou --query. Investiga pacotes e arquivos  -e -Ou --erase. Desinstala o pacote  -qa – Lista Todos Os Pacotes Instalados  -h(--hash) – Exibe uma string de 50 sinais #  -qi – Descrição Dos Pacotes Instalados  -qf – Quem Instalou Determinado Pacote  -ql – Lista Todos Os Arquivos Instalados Pelo Pacote  -qlv – Lista Detalhada De Todos Os Arquivos Instalados Pelo Pacote  -a(--all) -Aplica em todos pacotes instalados  -c(--configfiles) -Com “q” lista arquivos de configuração  -d(--docfiles) -Com “q” lista arquivos de documentação  -f(--file) -Com “q” verifica qual pacote instalou o arquivo referido  h -Mostra progresso visual da instalação  i -Com “q” lista informações sobre o pacote  -R(--riqueres) – Lista os pacotes do qual este depende  -l(--list) -Com “q” lista todos arquivos e diretórios do pacote  -p -Com “q” indica que a investigação é realizada no arquivo .rpm  -v -Modo descritivo  -ivh - Instala pacote com detalhes de progresso  -Uvh - Atualiza pacote com detalhes de progresso  -qpR - Mostra arquivos pendentes  -K - Verifica integridade 2.5.2. YUM Funciona igual o APT_GET // Arquivo de configuração: /etc/yum.repos.d/ Opções  yum search - Procura um pacote por palavras yum install - Instala pacotes de programas yum remove - Remove pacotes de programas do sistema yum update - Atualiza os pacotes do sistema yum check-update - Verifica se há atualizações de pacotes disponíveis yum list - Lista todos os pacotes instalados e disponíveis no repositório yum list available - Lista os pacotes disponíveis para instalação yum grouplist - Lista os grupos de pacotes instalados e disponíveis no repositório yum groupinstall - Instala grupos de pacotes yum groupremove - Remove grupos de pacotes do sistema  yum provides - Mostra pacotes que incluem um determinado arquivo 2.5.3. RPM2CPIO Converte um pacote RPM em CPIO 13
  14. 14. 3. TÓPICO 103: GNU E COMANDOS DO UNIX 3.1 TRABALHANDO NA LINHA DE COMANDO 3.1.1. SHELL O shell padrão no GNU/Linux é o bash (Born Again Shell) ,terminando em $ ou # para o usuário root, indicaque está pronto para receber instruções. 3.1.2. BASH 3.1.3. ALIAS Cria um codinome para um comando, no formato $ alias codinome=nome_do_programa --opções 3.1.4. ECHO Imprime variáveis Echo $HOJE 3.1.5. ENV Para ver apenas as variáveis exportadas 3.1.6. EXEC O comando iniciado através de exec não se torna um processo filho do shell, mas toma seu lugar. Dessa forma, o shell é finalizado quando o comando terminar. 3.1.7. EXPORT Compartilha variáveis 3.1.8. PWD Exibe sua atual localização 3.1.9. FILE Retorna o tipo de arquivo Opções  -b – Não inclui o nome dos arquivos nas linhas de saída  -f – arq_desc - 3.1.10. SET Lista todas as variáveis 3.1.11. UNSET Remove valor de variáveis Unset HOJE 3.1.12. MAN Procura determinada string na descrição das paginas - iguala ao APROPOS Opções  -k – Procura String 14
  15. 15. 3.1.13. UNAME Mostra informações do sistema operacional e do computador. Opções  -a - para obter mais detalhes  -r – Versão do Kernel  -m : exibe o tipo de máquina (hardware).  -n : exibe o nome de rede da máquina.  -s : exibe o nome do sistema operacional.  -v : exibe a data de compilação do sistema operacional3.1.14. HISTORY E um comando embutido do bash. É possível usar atalhos no estilo do emacs para listar o histórico:  Ctrl+p -Linha anterior  Ctrl+n -Próxima linha  Ctrl+b -Volta um caractere  Ctrl+f -Avança um caractere  Ctrl+a -Começo da linha  Ctrl+e -Fim da linhaOutros atalhos:  !! -roda o último comando  !a -roda o último comando que começa pela letra “a”  !2 -roda o comando na 2ª posição do histórico  !-2 -roda o penúltimo comando  ^termo1^termo2 -roda o último comando substituindo “termo1” por “termo2”3.1.15. VARIÁVEIS PRÉ-DEFINIDAS  DISPLAY Usado pelo X para saber onde executar os aplicativos clientes  HISTFILE Caminho para o histórico de comandos do usuário (geralmente HOME/.bash_history)  HOME Caminho para o diretório pessoal do usuário  LOGNAME O nome que o usuário usou para entrar no sistema  PATH Lista de diretórios nos quais programas serão procurados caso tenham sido solicitados sem o caminho completo ou relativo  PWD O diretório atual  SHELL O shell utilizado (neste caso, /bin/bash)  TERM O tipo de emulador de terminal utilizado3.1.16. VARIÁVEIS ESPECIAIS  $! -PID do último processo filho  $$ -PID do shell atual  $? -Retorna 0 se o último comando foi bem sucedido, caso contrário retorna 1  ~ -Corresponde ao diretório pessoal do usuário atual  ~alaor -Corresponde ao diretório pessoal do usuário chamado “alaor”3.1.17. ARQUIVOS DE CONFIGURAÇÃO  /etc/profile – Arquivo global do sistema , login de todos os usuários  $HOME/.bash_profile – Configurações do ambiente definidas pelo usuário  /etc/bashrc – Arquivo global do sistema com funções e apelidos  /$HOME/.bashrc – Arquivos do usuário com funções e apelidos  /etc/inputrc – Não são executados do BASH – Teclado e monitor  $HOME/.inputrc – Não são executados do BASH – Teclado e monitor  $HOME/.bash_logout – Arquivo de logout – finalização do Shell3.1.18. COMANDOS SEQÜENCIAIS  $ Comando1 ; comando2 ; comando3 15
  16. 16. 3.2 PROCESSAR FLUXOS DE TEXTO ATRAVÉS DE FILTROS 3.2.1. CAT É usado para mostrar o conteúdo de arquivos Opções  -n -Numera as linhas  -b -Numera apenas linhas que não estejam em branco  -A -Mostra quebra de linhas  -E -Exibe $ como fim de linha  -T -Exibe ^I como caractere de tabulação 3.2.2. MORE Exibe o conteúdo de um arquivo na tela paginando o seu resultado Opções  -d -Exibe as informações adicionais no rodapé da tela  -s -Suprime linhas em brancos consecutivas  +NN -Exibe o conteúdo do arquivo a partir de uma linha especifica N  -p – Limpa a tela e depois exibe o conteúdo 3.2.3. LESS Paginador de Texto 3.2.4. TAC Tem a mesma função do cat, mas mostra o conteúdo de trás para frente: 3.2.5. CUT Delimita um arquivo em colunas, em determinado número de caracteres ou por posição de campo. Opções  -d - para especificar o caractere que delimita os campos  -f - para informar a posição do campo  -c – Lista de colunas a exibir  -b list – Exibe em bytes nas posições list Exemplo $ cut -c 1-5 /etc/group 3.2.6. EXPAND Substitui espaços de tabulação (TABs) por espaços simples, mantendo a mesma distância aparente. Opções  -i – Substitui apenas as ocorrências em inicio de linha  -t N – Valor a ser substituído para o tamanho da tabulação 3.2.7. HEXDUMP Mostra arquivos binários. Opções  -C - torna a saída mais legível, mostrando a coluna de endereço hexadecimal, seguida pela coluna dos dados do arquivo . 16
  17. 17. 3.2.8. FMT Formata para determinado número de caracteres por linha. O padrão é 75. Opções  -w Largura -indica o número de caracteres por linha  -s -quebra linhas grandes mas não as preenche  -u -um espaço entre palavras e dois espaços entre sentenças.  -t – Deixa a identação da primeira linha de cada parágrafo diferente das demais  -p string – Unifica apenas as linhas que iniciam com a string indicada3.2.9. HEAD Mostra o começo de arquivos. Por padrão, as 10 primeiras linhas são mostradas.Opções  -c N - Especifica o número de caracteres (bytes) a serem mostrados no lugar de linhas:  -n NN - Quantidade de Linhas mostradas3.2.10. OD Faz um dumping de arquivos em octalOpções  -t tipo – Especifica o tipo de saída  -a – Caracter nomeado  -c – Caracter ASCI  -o – OCTAL  -x – Hexadecimal3.2.11. DIFFExibe a diferença entre 2 arquivosOpções  --brief – Não mostra detalhes da diferença  -i – Não faz distinção de Maiúsculas e Minúsculas  --paginate – Passa o resultado para o comando PR  -r – modo recursivo , percorre subdiretórios  -u – A formatação da diferença esta inclusa no Resultado3.2.12. JOIN Exibe uma linha para cada par de linhas de entradaOpções  -o - delimitar quais campos mostrar  -j campo – Indica o valor do campo que será utilizado para comparação – Padrão 1  -e „string‟ – Acrescenta a string no lugar dos campos de entrada que estiver faltando valor  -i – Compara o valor do campo chave ignorando o fato de maiúsculas e minúsculas3.2.13. NLNumera linhas, como cat -b.Opções  -ba - faz numerar todas as linhas  -bt - enumera apenas as que não estejam em branco 17
  18. 18. 3.2.14. PASTE Cola as linhas correspondentesOpções  -d n – Separa as colunas com o caractere n no lugar do tab padrão.  -s – Funde as linhas de um arquivo em uma só linha3.2.15. PR Converte um arquivo texto em uma versão paginadaOpções  -d – Espaço duplo  -h cabeçalho – Usa cabeçalho no lugar do nome do arquivo no cabeçalho  -l linhas – define a extensão da pagina em linhas – Padrão 66  -o Largura – Define a margem esquerda como largura  DOS2UNIX – Converte um arquivo texto do formado MSDOS para UNIX  UNIX2DOS – O inverso do dos2unix3.2.16. SED O comando sed é mais utilizado para procurar e substituir padrões em textos, mostrando o resultado emstdout.Opções  -e -Executa a expressão e comando a seguir.  -f -Lê expressões e comandos do arquivo indicado pela opção.  -n -Não mostrar as linhas que não correspondam a expressão.  s -Substituir.  d -Apagar a linha.  r -Insere o conteúdo do arquivo indicado na ocorrência da expressão.  w -Escreve a saída no arquivo indicado.  g -Substitui todas ocorrências da expressão na linha atual.3.2.17. SORT Ordena alfabeticamente.Opções  -n - ordena numericamente  -r - inverte o resultado  -b – Ignora espaços em branco  -d – efetua ordenação em ordem de dicionário  -f – Ignora maiúsculas e minúsculas  -k – Campo a ser utilizado para ordenação  -u – elimina linhas duplicadas3.2.18. SPLIT Divide um arquivo em arquivos menores seguindo critérios como tamanho ou número de linhas.Esse comando criará arquivos chamados parte_aa, parte_ab, parte_ac, etc. Para concatenar novamente oarquivo, usa-se cat:Opções  -l n - indica o número de linhas de cada parte do arquivo dividido .  -b n - indica qual o tamanho de cada parte  -n – Divide o arquivo de entrada em segmentos de n linhas . Padrão 1.000  -a – Indica o numero de caracteres que devera ser utilizado na criação do sufixo para o nome dos arquivos . 18
  19. 19. 3.2.19. TAIL Mostra o final de arquivos. Por padrão, as 10 últimas linhas são mostradas Opções  -f (follow) - Mostra o arquivo conforme vai crescendo  -n n - Informa a quantidade de Linhas a serem mostradas  -c n - especifica o número de caracteres (bytes) a serem mostrados no lugar de linhas  + - “+” indica que a leitura deve ser feita a partir da linha de número especificado após o “+”: 3.2.20. TR Converte caracteres. O comando tr lê apenas diretamente via stdin. Opções  -d XX – Apaga o caractere informado em XX  -s – Substitui ocorrências duplicadas por apenas uma  -c – Usa o complemento 3.2.21. UNEXPAND Substitui dois ou mais espaços simples por espaços de tabulação (TABs). Opções  -a – Converte todos os espaços  -t numero – Específica a extensão de TABS 3.2.22. UNIQ Escreve input em output eliminando linhas duplicadas Opções  -d – Processa apenas as linhas não únicas  -u – Processa apenas as linhas únicas  -c – Indica quantas vezes cada linha apareceu no arquivo ou na entrada padrão  -i – Não faz distinção entre letras maiúsculas e minúsculas 3.2.23. WC Conta linhas, palavras ou caracteres . Opções  -l - Conta o numero de linhas do arquivo  -w – Conta o numero de palavras  -c – Conta o numero de caracteres3.3 GERENCIAMENTO BÁSICO DE ARQUIVOS 3.3.1. CP É utilizado para copiar arquivos Opções  -a -Preserva todas as características do arquivo/diretório  -b -Faz backup do arquivo de destino caso ele exista  -f -força a gravação do arquivo  -d -Realiza a copia de Links Simbólicos  -i -Modo interativo. Pergunta antes de sobrescrever um arquivo.  -p -Copia também os atributos do arquivo original.  -R ou -r -Copiar recursivamente o conteúdo do diretório de origem.  -v -Modo detalhado onde cada arquivo copiado é listado 19
  20. 20. 3.3.2. FIND O argumento diretório indica onde o find deve iniciar a busca e critério pode ser o nome do arquivo /diretório aser procurado e/ou uma regra para a busca.Opções  -type - Tipo do arquivo (d para diretório, f para arquivo comum e l para link)  -name nome - Nome do arquivo  -iname – Localiza o objeto baseado no nome ignorando maiúsculas e minúsculas  -perm – localiza objetos com permissão especificada – find / -perm -4000  -user usuário - Dono do arquivo  -empty – Localiza objetos com tamanho 0 bytes  -atime -/+n - Data de último acesso ao arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.  -ctime -/+n - Data de criação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.  -mtime -/+n - Data de modificação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.  -amin -/+n - Data de último acesso ao arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.  -cmin -/+n - Data de criação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.  -mmin -/+n - Data de modificação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.  -newer arquivo - O arquivo procurado foi criado/modificado mais recentemente que arquivo.  -perm modo - O arquivo procurado tem permissão mode  -perm -modo - O arquivo procurado tem todos as permissões listadas em mode  -perm +modo –  -exec comando {} ; - Executa um comando para cada achado pelo FIND  -type – Especifica o tipo de arquivo , F – Arquivo , D – Diretorio L – Link Exemplo find diretório critério [-exec comando {} ;]3.3.3. MKDIR Cria diretórios.Opções  - p - Para criar uma árvore de diretórios recursivamente  - m - Para alterar as permissões do diretório no ato da criação3.3.4. MV Move e renomeia arquivos. Opções  -i -pede por confirmação antes de sobrescrever um arquivo de destino.  -f -Força a gravação do destino  -b -Efetua o backup antes da gravação  -v -Verbose mode3.3.5. LS É usado para listar arquivos e conteúdo de um diretório Opções  -s - mostra o tamanho em kilobytes  -d - mostra o diretório, e não seu conteúdo.  -l - exibe detalhes sobre o(s) arquivo(s)  -a – Exibe todos os objetos dentro do diretório  -F – Acrescenta ao nome do objeto um caractere para indicar o seu tipo /-diretórios e * executáveis  -r – Ordem inversa  -R – Modo recursivo  -1 – Exibe uma saída simples  -S – ordena a saída dos objetos  --color – saída colorida  -h – Exibe o tamanho de arquivos em forma humana 20
  21. 21. 3.3.6. RM Apaga diretórios com conteúdoOpções  - r ou –R - Apaga Recursivamente  - f - Força a remoção  -d – Remove diretórios mesmo que não estejam vazios  -i – Modo interativo3.3.7. RMDIR Apagar diretórios vaziosOpções  - p - Para apagar uma árvore de diretórios vazios  -m mode – Define o modo de acesso ao diretório3.3.8. TOUCH Usado sem argumentos, touch altera a data e a hora de criação e modificação de um arquivo para os valoresatuais do sistema.Opções  - m - Altera a data de modificação do Arquivo  - a - Altera a data  - t - Altera o valor de tempoExemplo touch -t 01010001 texto_simples3.3.9. TAR Compactação de Arquivos Opções  -c - cria um novo arquivo tar; -t - exibe o conteúdo de um arquivo tar; -p - mantém as permissões originais do(s) arquivo(s); -r - adiciona arquivos a um arquivo tar existente; -f - permite especificar o arquivo tar a ser utilizado; -v - exibe detalhes da operação; -w - pede confirmação antes de cada ação no comando; -x - extrai arquivos de um arquivo tar existente; -z - comprime o arquivo tar resultante com o TAR.GZ  -C - especifica o diretório dos arquivos a serem armazenados  -j – Comprime o arquivo resultando em BZIP2 Exemplos Cria arquivo Tar –cf /tmp/bkp.tar /etc Descompacta Tar –xvf /tmp/bkp.tar tar –zxvf ficheiro.tar.gz Descompacta (untar) um ficheiro (*.tar.gz ou *.tgz), habitualmente retirado da internet. *.tar.gz ou *.tgz – tarred and compressed tarball tar –xvf ficheiro.tar Descompacta um ficheiro (*.tar). *.tar – tarred but uncompressed tarball 21
  22. 22. 3.3.10. CPIO Copia arquivo de ou para um arquivo em formato cpio ou tar Opções -F – Envia o arquivo para a saída padrão ou dispositivo definido -o – Cria o pacote -v – Modo verbose > - Redireciona a saída padrão para o arquivo ao compactar arquivo -p – Diz para o comando colocar os arquivos encontrados no diretório de destino -i – Extrai arquivos -d – Cria arvore de diretórios ao extrair Exemplo Criar arquivo Cpio –ov >teste.cpio Descompactar arquivo Cpio –iv < teste.cpio3.3.11. DD Converte e copia arquivos Dd IF=origem of=destino bs=bytes count=bloks3.3.12. FILE Não inclui o nome do arquivo nas linhas de saída  -b - Não inclui o nome do arquivo nas linhas de saída3.3.13. GZIP Compactação de ArquivosOpções  -c - extrai um arquivo para a saída padrão; -d - descompacta um arquivo comprimido; -l - lista o conteúdo de um arquivo compactado; -v - exibe detalhes sobre o procedimento; -r - compacta pastas; -t testa a integridade de um arquivo compactado3.3.14. GUNZIP É um novo compactador que vem sendo cada vez mais usado porque consegue atingir a melhor compactação em arquivos texto . A extensão dos arquivos compactados pelo bzip2 é a .bz2 Opções  -d, --decompress [arquivo] - Descompacta um arquivo.  -f - Força a compactação, compactando até mesmo links.  -l [arquivo] - Lista o conteúdo de um arquivo compactado pelo bzip2.  -r - Compacta diretórios e sub-diretórios.  -c [arquivo] - Descompacta o arquivo para a saída padrão.  -t [arquivo] - Testa o arquivo compactado pelo bzip2.  -[num], --fast, --best 22
  23. 23. 3.3.15. FILE GLOBBING O caractere “ * ” substitui qualquer seqüência de caracteres: - $ ls /etc/host* O caractere “ ? ” substitui apenas um caractere: - $ ls /dev/fd? O uso de colchetes “[]” indica uma lista de caracteres: - $ ls /dev/hd[abc] Chaves “{}” indicam uma lista de termos separados por vírgula: - $ ls /dev/{hda,fd0} Coringas precedidos de barra invertida “ ” não desempenham função substitutiva: $ ls /dev/fd[!01]3.4 FLUXOS, CANALIZAÇÃO E REDIRECIONAMENTOS DE SAÍDA 3.4.1. 0 - STDIN É o teclado 3.4.2. 1 - STDOUT Saida de Erro 3.4.3. 2 - STDERR Telas do computador 3.4.4. CANALIZAÇÃO  > Redireciona a saída para um arquivo novo  >> Redireciona a saída para um arquivo existente anexando os dados ao final do arquivo  < Redireciona a entrada padrão , lendo os dados do arquivo  << Redireciona a entrada padrão  2> , 2>> O numero 2 identifica a saída de erro padrão  2>&1 Direcionamos a saída de erro para o mesmo caminho da saída padrão O conteúdo redirecionado por padrão é o de stdout. Para especifar stderr usa-se 2>. Para redirecionar ambos simultaneamente, usa-se &>. 3.4.5. TEE Le a primeira entrada padrão e escreve em um ou mais arquivos Opções  -a – Anexa os arquivos em vez de sobrescrevê-los 3.4.6. XARGS Executa o comando seguido de seus argumentos Opções  -n maxargs – Limita o numero de argumentos adicionais  -p – Modo interativo 23
  24. 24. 3.5 CRIAR, MONITORAR E FINALIZAR PROCESSOS 3.5.1. & Coloca o processo em segundo plano 3.5.2. BG Joga Para Segundo Plano 3.5.3. FG Volta Para Primeiro Plano 3.5.4. JOBS Lista as tarefas ativas Opções  -l – Lista também os PID´s 3.5.5. KILL Envia sinais de controle para processos. O sinal padrão quando nenhum sinal é informado é SIGTERM, de valor numérico 15 . Opções  -l – Lista todos os sinais possíveis para o comando kill  -s SINAL – Envia o sinal informando ao processo especificado Sinais comuns:  SIGHUP - Termina ou reinicia o processo. Valor numérico 1.  SIGINT - Interrompe o processo, igual a Ctrl+c. Valor numérico: 2.  SIGQUIT - Fecha o processo. Valor numérico: 3.  SIGKILL - Força a finalização o processo. Valor numérico: 9.  SIGTERM - Pede ao processo para finalizar. Valor numérico: 15. LISTA DE SINAIS  4 – SIGILL  9 – SIGKILL  11 – SIGSEGV  15 – SIGTERM  18 - SIGCONT  19 - SIGSTOP 3.5.6. NOHUP Mantém um processo rodando após você sair do sistema 24
  25. 25. 3.5.7. PS Mostra os processos de maneira detalhada.Opções  ux -Mostra todos processos do usuário.  aux -Mostra todos processos no sistema.  -u -Mostra apenas processos cujo dono seja o indicado pela opção -u.  -g -Mostra apenas processos cujo grupo seja o indicado pela opção -g.  -a – Exibe processos ligados a terminais  -e – Exibe variáveis de ambiente que o processo utiliza depois da linha de comando  -f – Exibe Em forma de arvore os processos  -tXX – Exibe Os processos no terminal XX  -u – Exibe informações de usuário e hora de inicio  -w – Acrescenta mais uma coluna a exibição de dados na tela  -x – Exibe processos não ligados ao terminal  -o – Permite definir o formado de exibição  -C – Exibe os processos originais pelo comando informando  --user – Exibe os processos o usuário informando  -l – Formato longo  -U – Exibe os processos do usuário indicado3.5.8. TOP Monitora continuamente os processos, mostrando informações como uso de memória e CPU de cadaprocesso. A tecla “h” fornece ajuda sobre o uso do programa. Pode ser usado para alterar a prioridade de umprocessoOPÇÕES FORA DO TOP  -b – Modo não interativo  -d – Tempo entre as atualizações  -i – Mostra apenas os processos interativos  -u – Mostra os processos do usuário informando  -p – mostra os processos informados pelo PID  -q – Roda sem atraso  -s – Roda em modo seguroOPÇÕES DENTRO DO TOP  F – Escolhe o campo de ordenação  M – Ordena pela utilização de Memória  P - Ordena pela utilização de CPU  R – Inverte a exibição  Enter – Atualiza  d- altera o intervalo em segundos  k – finaliza processo  q – encerra o TOP  r – altera o nível de prioridade do processo  u – lista processos por usuário3.5.9. FUSER Lista o numero de processos que estão acessando determinando arquivo ou diretorioOpções  -u – Mostra o PID e o usuário que roda o comando  -v – Altera o formato de exibição para a saída do comento PS  -k – Finaliza os processos que estão acessando o arquivo  -a – Mostra os arquivos , mesmo quando não estão sendo acessados 25
  26. 26. 3.5.10. FREE Mostra detalhes sobre a utilização da memória RAM do sistema. Opções -b - Mostra o resultado em bytes. -k - Mostra o resultado em Kbytes. -m - Mostra o resultado em Mbytes. -o - Oculta a linha de buffers. -t - Mostra uma linha contendo o total. -s [num] - Mostra a utilização da memória a cada [num] segundos. O free é uma interface ao arquivo /proc/meminfo.3.5.11. UPTIME Mostra o tempo de execução do sistema desde que o computador foi ligado.3.5.12. PIDOF Retorna o número PID para o programa solicitado, se o programa estiver em execução.PID do daemon crond:Opções  -s – Exibe apenas o PID do primeiro processo localizado  -x – Exibe o PID de scripts também3.5.13. KILLALL Tem função igual a de kill,porém usa o nome do processo no lugar do PID.Opções  -l - lista os sinais possíveis  -i – solicita uma confirmação para o envio do sinal especificado  -s SINAL – Envia o sinal especificado para o processo informando  -v – modo detalhado informando quais processos foram finalizados  -w – Envia o sinal aos processos e aguarda até que todos sejam executados Exemplo # killall -SIGHUP cupsd3.5.14. PSTREE Mostra processos ativos em formato de árvore genealógica (processos filhos ligados aos respectivosprocessos pais).Opções  -p -Inclui PIDs dos processos.  -h -Lista apenas os processos do usuário atual.  -a – mostra os argumentos da linha de comando  -A – Exibe a arvore de processos em ASC  -h – destaca o processo corrente  -H – Destaca um processo informado  -c – Desabilita a compactação de sub-arvores idênticas 26
  27. 27. 3.6 MODIFICAR A PRIORIDADE DE EXECUÇÃO DE UM PROCESSO 3.6.1. NICE Altera a prioridade de um processo Opções  -n PRIO – Define a prioridade de execução 3.6.2. RENICE Altera a prioridade de um processo em execução Opções  PRIO – Define a prioridade de um processo para a execução do comando  -p PID – Numero do processo a ser alterado  -u USER – Altera os processos do usuário informando3.7 PROCURAR EM ARQUIVOS DE TEXTO USANDO EXPRESSÕES REGULARES 3.7.1. CARACTERES ESPECIAIS EM EXPRESSÕES REGULARES  ^ -Começo de linha  $ -Fim de linha  . -Qualquer caractere  -Qualquer seqüência de zero ou mais caracteres  [] -Qualquer caractere que esteja presente nos colchetes  (esse|aquele) casa as palavras esse ou aquele  [^abc] – Lista negada 3.7.2. GREP É o mais comum para realizar buscas por expressões regulares em textos. Opções  -c -Conta as linhas contendo o padrão.  -i -Ignora a diferença entra maiúsculas ou minúsculas.  -f -Usa a expressão regular contida no arquivo indicado por essa opção.  -n -Procurar somente na linha indicada por essa opção.  -v -Mostra todas as linhas exceto a que corresponder ao padrão.  -l -Quando indicar * no lugar dos arquivos retorna apenas o nome do arquivo  -E -Ativa o modo de expressões regulares  -h – Exibe as linhas encontradas  -n – Exibe as linhas encontradas prefixadas com o respectivo numero da linha 3.7.3. EGREP O comando egrep tem mais recursos que o grep. Um exemplo disso é quando queremos obter um resultado de um arquivo, omitindo algumas strinsgs. 3.7.4. FGREP Procura em um ou mais arquivos , linhas que correspondem a string de texto especificada Opções  -f string – String a localizar 27
  28. 28. 3.7.5. SED Ele pode editar automaticamente, sem interação do usuário, vários arquivos seguindo um conjunto de regrasespecificadas. Opções  = imprime o número da linha atual do [ARQUIVO]  # inicia um comentário  ! inverte a lógica do comando  ; separador de comandos  , separador de faixas de endereço  { início de bloco de comandos  } fim de bloco de comandos  s substitui um trecho de texto por outro  y traduz um caractere por outro  i insere um texto antes da linha atual  c troca a linha atual por um texto  a anexa um texto após a linha atual  g restaura o [TEXTO] contido no ESPAÇO RESERVA (sobrescrevendo)  G restaura o [TEXTO] contido no ESPAÇO RESERVA (anexando)  h guarda o [PADRÃO] no ESPAÇO RESERVA (sobrescrevendo)  H guarda o [PADRÃO] no ESPAÇO RESERVA (anexando)  x troca os conteúdos dos ESPAÇO PADRÃO e RESERVA  p imprime o [PADRÃO]  P imprime a primeira linha do [PADRÃO]  l imprime o [PADRÃO] mostrando caracteres brancos  r inclui conteúdo de um arquivo antes da linha atual  w grava o [PADRÃO] num arquivo  : define uma marcação  b pula até uma marcação  t pula até uma marcação, se o último s/// funcionou (condicional)  d apaga o [PADRÃO]  D apaga a primeira linha do [PADRÃO]  n vai para a próxima linha  N anexa a próxima linha no [PADRÃO]  q finaliza o sed imediatamente 28
  29. 29. 3.8 EDIÇÃO BÁSICA DE ARQUIVOS COM O VI O vi localiza-se em /bin. A maneira mais comum de entrar no modo de inserção é apertando a tecla “i” ou “a”. É o modo mais intuitivo, usado para digitar texto no documento. Dentro do VI  0,$ -Início e fim de linha  1G , G -Início e fim de documento  b,e -Início e fim de palavra  (,) -Início e fim de sentença  {,} -Início e fim de parágrafo  w, W -Pular palavra e pular palavra contando com a pontuação  h,j,k,l -Esquerda, abaixo, acima, direita  /,? -Busca para frente e para trás  I -Entra no modo de inserção na posição atual do cursor  a, A -Entra no modo de inserção depois do cursor ou no fim da linha  o, O -Adiciona linha e entra no modo de inserção depois ou antes do cursor  s, S -Apaga item ou linha e entra no modo de inserção  c -Modifica um item através de inserção de texto  r -Substitui um único caractere  x -Apaga um único caractere  y, yy -Copia um item ou toda linha  p, P -Cola o conteúdo copiado depois ou antes do cursor  u -Desfazer  ZZ -Fecha e salva se necessário  ZQ -Fecha e não salva  Q e Q! – Sai do VI sem salvar alterações  X –sai – Salva e sai  d - Apaga a linha Comando ultima linha  :! -Chama um comando do shell  :quit ou :q -Fecha  :quit! ou :q! -Fecha sem gravar  :wq -Salva e fecha  :exit ou :x ou :e -Fecha e grava se necessário  :visual -Volta para o modo de comando  :setnumber -Enumera as linhas  Crtl R – Desfazer  / palavra – Procura pela palavra  :%s/Win/Linux/g – substitui Win por Linux  :set autowrite - Salva constantemente  : set is hls - Incremento de busca /  :set visualbell - Acaba com os apitos  :w Salva o arquivo que está sendo editado no momento. :x - Idem. ZZ - Idem. :w! - Salva forçado. :q! - Sai forçado. :wq! - Salva e sai forçado. 29
  30. 30. 4. TÓPICO 104: DISPOSITIVOS, FHS , PADRÃO DA HIERARQUIA DE FILESYSTEM 4.1 CRIAÇÃO DE PARTIÇÕES E SISTEMAS DE ARQUIVOS 4.1.1. IDENTIFICAÇÃO DOS DISPOSITIVOS A identificação de discos rígidos no GNU/Linux é feita da seguinte forma: /dev/hda1 | | || | | ||_Número que identifica o número da partição no disco rígido. | | | | | |_Letra que identifica o disco rígido (a=primeiro, b=segundo, etc...). | | | |_Sigla que identifica o tipo do disco rígido (hd=ide, sd=SCSI, xt=XT). | |_Diretório onde são armazenados os dispositivos existentes no sistema. Abaixo algumas identificações de discos e partições em sistemas Linux: * /dev/fd0 - Primeira unidade de disquetes. * /dev/fd1 - Segunda unidade de disquetes. * /dev/hda - Primeiro disco rígido na primeira controladora IDE do micro (primary master). * /dev/hda1 - Primeira partição do primeiro disco rígido IDE. * /dev/hdb - Segundo disco rígido na primeira controladora IDE do micro (primary slave). * /dev/hdb1 - Primeira partição do segundo disco rígido IDE. * /dev/sda - Primeiro disco rígido na primeira controladora SCSI. * /dev/sda1 - Primeira partição do primeiro disco rígido SCSI. * /dev/sdb - Segundo disco rígido na primeira controladora SCSI. * /dev/sdb1 - Primeira partição do segundo disco rígido SCSI. 4.1.2. FDISK É o programa padrão para manipular partições no GNU/Linux. OPÇÔES  -l - Lista os dispositivos e partições existentes Uma vez dentro do fdisk, certas letras corresponderão a comandos. Alguns comandos bastante utilizados:  p -Lista as partições  n -Cria uma nova partição interativamente  t -Muda a identificação da partição  d -Apaga uma partição  q -Sai do fdisk sem gravar as alterações  w -Sai do fdisk e grava as alterações  m -Mostra a ajuda de comandos  a – Ativa uma partição  l – Lista os tipos de partição  n – Nova partição 30
  31. 31. 4.1.3. MKFS Cria sistemas de arquivos em partições. Opções  -t TYPE – Tipo de sistemas a serem criados – ext2 e ext3  -c – Força a verificação da superfície do disco  -b SYZE – Tamanho do bloco a ser criado  -L LABEL – Rotulo a ser criado na partição  -n rotulo – Define o rotulo do volume 11 char  -v – usado para entrar em modo verbose  -j – Cria um arquivo ext3 Outros comandos para criar partição mkfs.ext2 mke2fs, mkfs.ext3 mkfs.xfs mkreiserfs mkdosfs mkfs.vfat. 4.1.4. SWAP  MKSWAP – Formata uma partição para ser utilizada como área de swap  SWAPON – Habilita o espaço de swap criada  SWAPOFF – Desabilita todos os espaços de troca4.2 MANUTENÇÃO DA INTEGRIDADE DE SISTEMAS DE ARQUIVOS 4.2.1. DU Mostra o espaço ocupado.. Opções  -a – Mostra todos os arquivos e não apenas os diretórios -c – Produz um total geral para todos os itens listados -h – Exibe os resultados em um formato legível -s – Exibe um resultado para cada um dos diretórios especificados -S – Exclui subdiretórios de contagem e de totais --block-size - Mostra os arquivos por tamanho de blocos -b - Mostra o tamanho em bytes -H - Mostra as informações do mesmo modo que a opção –h, porém o tamanho de bloco é 1000 e não 1024. -k - Mostra o tamanho em kilobytes -l - Mostra o espaço utilizado pelos links simbólicos. -m - Mostra o tamanho em megabytes -x - Omite diretórios de arquivos de sistemas diferentes -X - Exclui arquivos iguais a um determinado arquivo. 4.2.2. DF Mostra o espaço disponível em cada dispositivo. A análise é feita diretamente no dispositivo. Opções  -h – Exibe os resultados em formato legível  -i – Exibe informações de inodes restantes 31
  32. 32. 4.2.3. FSCK Deve ser executado em partições que apresentarem erros ou em dispositivos que foram desligados incorretamente. Como o comando mkfs, o fsck possui a opção -t para especificar o tipo do sistema de arquivos e um comando específico para cada partição: fsck.ext2 ou e2fsck, fsck.ext3, fsck.xfs, reiserfsck e dosfsck. Opções  -p – Recuperação automática  -y – exibe todas as perguntas e assume YES como resposta  -c – Força a checagem da superfície de bloco  -f – Força a checagem do disco mesmo que esteja marcado como integro (Sem Falhas)  -A – Roda as verificações em todos os sistemas de arquivos especificados no fstab  -N – Não executa , mas mostra o que seria feito  -t tipo – Especifica o tipo de sistema de arquivos a ser verificado  -b superbloco – Usa uma copia alternativa de superbloco Depois de executado ele retorna as seguintes condições:  0 - Não houve erros  1 - Sistema de arquivos com erros corrigidos  2 - O sistema deverá ser reinicializado  4 - Sistema de arquivos com erros não corrigidos  8 - Erro operacional  16 - Tratamento ou erro de sintaxe  128 - Erro de bibliotecas compartilhadas 4.2.4. E2FSCK 4.2.5. MKE2FS Formata uma partição de disco usando o sistema de arquivos ext2 Opções  -b num : especifica num bytes por bloco. -c : verifica e formata o disco usando um método mais rápido. -m num : reserva num% de espaço no disco para o superusuário. 4.2.6. DEBUGFS Depurador interativo de sistemas de arquivos. Examina sistemas ext2 e ext3. Muda diretórios, examina dadosde inodes, apaga arquivos, cria links, mostra o log de journalling ext3, etc. É usado em casos extremos, geralmenteapós o fsck ter falhado. 4.2.7. DUMPE2FS Mostra informações de grupo de blocos e de superblocks. 4.2.8. TUNE2FS Configura parâmetros ajustáveis em sistemas de arquivos ext2 ou ext3, como rótulo e limites de montagem antes de checar automaticamente. Opções  -l dispositivo – Lista os parâmetros ajustáveis para o dispositivo  -c n – Define a contagem máxima de montagem como n  -i n – Define como n o tempo Maximo entre 2 verificações no sistema de arquivos  -L rotulo – Define como rotulo o rotulo do volume do sistema de arquivos  -j – Adiciona um arquivo Journaling ext3 ao sistema de arquivos  -m n – Define como n a porcentagem de blocos preservadas 32
  33. 33. 4.3 CONTROLE DA MONTAGEM E DESMONTAGEM DOS SISTEMAS DE ARQUIVOS 4.3.1. /ETC/FSTAB Durante os procedimentos de carregamento do sistema, é o arquivo /etc/fstab que determina os pontos de montagem dos dispositivos. Cada linha corresponde a um dispositivo, contendo os seguintes termos separados por tabulações ou espaços:  DISPOSITVO  PONTO DE MONTAGEM (“swap” se for uma partição de swap)  TIPO DE SISTEMA DE ARQUIVOS  OPÇÕES  DUMP (0 ou 1). Determina se dispositivo deverá ser considerado pelo comando dump. 6. FSCK (1 ou 2). Determina a ordem da checagem feita pelo fsck durante o boot. Para a partição raiz (/), deve ser 1.Sistema_de_arquivos Ponto_de_Montagem Tipo Opções dump ordem /dev/hda1 / ext2 defaults 0 1 /dev/hda2 /boot ext2 defaults 0 2 /dev/hda3 /dos msdos defaults,noauto,rw 0 0 /dev/hdg /cdrom iso9660 defaults,noauto 0 0 4.3.2. /MEDIA 4.3.3. MOUNT Usado sem argumentos mostra os dispositivos montados e outros detalhes, como ponto de montagem e tipo do sistema de arquivos. Opções  -a – Monta todas as partições especificadas no fstab  -h – exibe ajuda sobre o comando mount  -o mount_options – Especifica opções de montagem na linha de comando  -r – Monta o sistema de arquivos como somente leitura  -t fstype – Especifica que o tipo de sistema de arquivos a ser montado é fstype  -v – Modo verbose  -w – Monta o sistema de arquivos no modo leitura/escrita  rw ou RO - Gravável ou somente leitura  noauto - Não é montado automaticamente  users - O dispositivo poderá ser montado e desmontado por usuários comuns  user - Apenas quem montou terá permissão de desmontar  owner - As permissões do dispositivo montado se adequarão ao usuário que o montou  usrquota - Habilita o uso de quotas de disco para usuário  grpquota - Habilita o uso de quotas de disco para grupo  remount - Remonta um dispositivo montado com outras opções. Útil para remontar um dispositivo como somente leitura, por exemplo. 4.3.4. UMOUNT Desmonta um Sistema de Arquivos Opções  -a – Desmonta todos os sistemas de arquivos 33

×