Metadados com XML
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Metadados com XML

on

  • 3,502 views

Paulo Augusto Loncarovich Gomes - UNESP - Mestrado em Ciência da Informação e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Faculdade de Filosofia e Ciências - Campus de ...

Paulo Augusto Loncarovich Gomes - UNESP - Mestrado em Ciência da Informação e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Faculdade de Filosofia e Ciências - Campus de Marília - Av. Hygino Muzzi Filho, 737 - Campus Universitário 17525-900 - Marilia, SP - Brasil - Caixa-Postal: 181
e-mail: loncarovich@marilia.unesp.br

Apresentado em 31 de Agosto de 2009.

Statistics

Views

Total Views
3,502
Views on SlideShare
3,385
Embed Views
117

Actions

Likes
2
Downloads
105
Comments
0

7 Embeds 117

http://pergaminhodigital.blogspot.com 64
http://pergaminhodigital.blogspot.com.br 41
http://www.slideshare.net 7
http://www.pergaminhodigital.blogspot.com 2
http://health.medicbd.com 1
http://pergaminhodigital.blogspot.ca 1
http://pergaminhodigital.blogspot.in 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Metadados com XML Metadados com XML Presentation Transcript

    • METADADOS e XML Formas de representação: dos catálogos aos repositórios digitais Metadados Fluxo de Criação de Metadados Metadados e XML Paulo Augusto Loncarovich Gomes – Bolsista CAPES UNESP - Mestrado em Ciência da Informação e Tecnologia
    • Metadados Conceitos Metadados (DD ou Dicionário de dados), ou Metainformação, são dados sobre outros dados. Os METADADOS permitem: - Organizar os dados geográficos; - Manter controle sobre os níveis de atualização dos dados; - Documentar origem, formato, estrutura e sistemas de referência dos dados; - Permitir intercâmbio entre diferentes sistemas; - Definir autoria, armazenamento, disponibilização e utilização dos dados. Entretanto Metadados são as lentes pelas quais enxergamos a informação. GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Origem do Metadados Teve início em 1995, por um grupo (Library of Congress, universidades, empresas de TIC, organizações não governamentais, etc.) liderado pela OCLC reuniu-se na cidade de Dublin, no estado americano de Ohio, para propor uma padronização para estas informações sobre informações dos arquivos digitais. Depois de mais algumas reuniões, o grupo chegou a um conjunto mínimo de elementos para a identificação dos objetos digitais. O conjunto ficou conhecido como Dublin Core (DC) e é mantido pela Dublin Core Metadata Initiative. Em 2003, o DC tornou-se o uso padrão ISO 15836. GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Fluxo de criação de Metadados Podemos considerar que há três formas possíveis de relacionar estruturas de informação e as estruturas descritivas de metadados relacionadas: metadados embebidos é aquele que se pode conseguir nos recursos em formato HTML, onde os metadados podem ser embebidos nos cabeçalhos dos documentos (em HTML é possível, através de uma “tag” <META>, a especificação de qualquer elemento de metadados que se pretenda, o que poderá ser ignorado pelas máquinas de processamento de HTML mas pode ser aproveitado por outros sistemas que identifiquem esses elementos). metadados associados é inerente ao próprio conceito de hipertexto. Tomando como referência a tecnologia XML, será possível definir um recurso como um grupo de ficheiros representando o nó de acesso (documento em XML), a referência ao seu DTD ou espaço de nomes, referências para metadados, e ainda referências para outros ficheiros com outros conteúdos (texto, som, imagens, etc.). metadados separados é a do modelo da biblioteca tradicional, com bases de dados bibliográficas existentes em sistemas próprios e os recursos, isto é, os livros, existindo nas prateleiras... GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Atributos dos Metadados Identificam-se ainda quatro classes de atributos de metadados a levar em consideração: Origem e modo de criação: processo e agente criador (exemplo: catalogador humano, termos de indexação extraídos por uma aplicação informática, informação fornecida pelo editor, etc.). Estrutura e semântica: metadados organizados segundo estruturas semânticas normalizadas ou não, registos criados seguindo controlo de autoridades e vocabulários ou não (ex.: Dublin Core, MARC, EAD, utilização das AACR, etc.). Estatuto: metadados estáticos, dinâmicos, persistentes ou temporários (ex.: elementos estáticos como título ou autor, ou elementos dinâmicos como preço, condições de acesso e uso, etc.). Nível: nível de descrição (detalhado ou básico), descrição de colecções, objectos ou itens, etc. (ex.: Dublin Core, MARC, RSLP, etc.). GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Criação de Interface para Metadados Segundo Gohil, 1999, a criação de Interface para Metadados funcionais pode ser obtidas apenas com o uso de informações de METADADOS , a completude dessas somente é alcançada através da participação do ambiente da computação, o qual adiciona funcionalidades específicas como a dependência de controles, ajustes na aparência e a adição das regras do ambiente (empresa, biblioteca, e outras). Para realizar essa tarefa de interface METADADOS, é proposto o uso de cinco fontes de informação para o mecanismo gerador. - A primeira é o uso dos METADADOS, esses são traduzidos durante a execução do sistema e originam as características principais, consideradas básicas para os elementos da interface gerada, como tipos dos controles na tela, domínios de valores e estruturas essenciais de ligação entre os elementos produzidos. - A segunda é o uso de heurísticas, que permite a descoberta de propriedades e comportamentos com base em conceitos simples, porém nem sempre utilizados. Como exemplo simplista cita-se a escolha da ordem de apresentação dos campos na interface, o que pode ser feito seguindo a ordem de declaração dos atributos no objeto de negócio, sua obrigatoriedade ou nível de complexidade. - A terceira é o conhecimento empírico, que permite a reutilização de soluções de sucesso, obtidas através de experiências anteriores. Esse tipo de informação é válido, principalmente no tocante à otimização das interfaces. A escolha do momento em que validadores de conteúdo devem ser aplicados, adição de suporte a operações de arrastar e soltar e a correta relação entre o tipo de dado e o controle de tela que o representa são apenas alguns exemplos. - A quarta é o uso da inferência, a qual permite obter novas informações a partir de um conjunto inicial de valores. Nesse contexto enquadram-se a construção de mensagens de auxílio para o usuário, nomes para controles de tela e o preenchimento de valores default. E finalmente, como quinta proposta o artifício para melhoria contínua das interfaces geradas, o uso de retroalimentação. Em outras palavras, um histórico de uso e configuração é continuamente armazenado. (Moreira e Mrack, 2002) e (Clifton, 2005) GOMES. METADADOS e XML, 2009. Denomina-se 'heurística' à capacidade de um sistema fazer inovações e desenvolver técnicas de forma imediata e positivas para um determinado fim.
    • Classes de Requisitos para Metadados Requisitos para o desenvolvimento de um modelo para METADADOS. Metadados descritivos Descrição bibliográfica e identificação dos recursos, tais como títulos, autores, informação de indexação ou classificação, resumos, etc. Metadados administrativos Informação para administração do recurso, tais como elementos sobre a sua forma de aquisição, custo, etc. Preservação dos recursos Requisitos e condições, técnicas ou formais, para preservação a longo prazo. Descrição estrutural e técnica dos recursos Requisitos técnicos para manipulação do recurso (equipamento e aplicações), incluindo informação de autenticação, chaves de codificação ou de descodificação, informação estrutural, etc. Acesso, uso e reprodução dos recursos Estabelece termos e garantias de acesso e uso, registo de acessos. Metadados para gestão administrativa e técnica dos próprios metadados Informação sobre os próprios metadados do recurso, nomeadamente a sua data e forma de criação, proveniência, autenticidade, etc GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • XML para descrição de METADADOS Extensible Markup Language (XML) é linguagem de marcação de dados (meta-markup language) que provê um formato para descrever dados estruturados. O uso da linguagem facilita as declarações mais precisas do conteúdo e resultados mais significativos de busca através de múltiplas plataformas. Portanto o XML é utilizado como ferramenta para criação dos METADADOS. O XML foi criado na década de 90 pelo W3C (World Wide Web Consortium). Foi desenvolvido com o intuito de ser uma METALINGUAGEM flexível, mas formal, permitindo a troca de dados entre instituições, através da internet, devido a adaptabilidade, seu uso é utilizado para trocar informações complexas que não eram adequadamente expressas em HTML. GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Exemplo XML e METADADOS Dublin Core metadata editor GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • XML e METADADOS A complexidade de um modelo de dados depende da complexidade estrutural da informação que se quer representar. A terminologia utilizada em geral para descrever dados semi-estruturados é baseada na teoria de grafos. Szwarcfiter (1986) Teoria dos Grafos A Teoria dos Grafos é um ramo da matemática que estuda as relações entre os objetos de um determinado conjunto. GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • O Controle de qualidade para a criação de metadados Um aspecto muito importante para o desenvolvimento de bases de dados de utilização por diversos grupos de usuários, com múltiplos interesses, é a documentação de seu conteúdo. Uma vez encontrados os dados, normalmente é necessário conhecer como foram coletados e que acurácias possuem. As descrições desses dados armazenados são comumente denominadas de METADADOS. Organizações nos Estados Unidos, no Canadá e na Europa, por exemplo, já estabeleceram padrões uniformes. Esses padrões cobrem conteúdo e semântica dos metadados, incluindo sua documentação detalhada e também sua representação digital. Esses metadados são atualmente utilizados com níveis variados de detalhes, abordando, numa visão geral, os seguintes tópicos: - Controle de qualidade: metadados detalhados são essenciais para permitir a garantia de qualidade da informação nas organizações que produzem e mantém grandes bases de dados. Os metadados documentam por completo o ciclo-de-vida dos dados, incluindo sua coleção, pré-processamento e manutenção. Esse tipo de metadados normalmente é muito pormenorizado; - Intercâmbio de dados: devido ao alto custo na coleta e aquisição de dados geográficos, por meio de levantamentos específicos, o intercâmbio desses dados é encorajado pelas organizações e promovido pelos produtores desses dados, tornando-se uma regra geral no processamento da informação geoespacial. Os dados geográficos que faltam ou que são mal interpretados, representam uma das fontes de erros e de incertezas quando se trata do uso de Bancos de Dados externos às organizações. Os detalhes encontrados nos metadados, relativos a grandes bases de dados, contribuem para evitar esses tipos de problema; - Diretórios de dados: a necessidade de reuso (reutilização) de conjuntos de dados caros motiva o estabelecimento de diretório de dados. Eles permitem que os usuários conheçam e acessem as descrições de conteúdo de conjuntos de dados, sem ser necessário acesso aos dados propriamente ditos a partir de sua base. Um exemplo típico: usuários estão interessados em conhecer e localizar dados para uma determinada região geográfica. Diretórios devem ser criados pelas organizações contendo descrições do conteúdo dos metadados de bibliotecas digitais a partir de suas fontes. Esses metadados tipicamente requerem um nível baixo de minúcias. (JACOBSON, 1994) GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Benefícios da linguagem XML - Esta característica confere à linguagem XML "habilidades" semânticas, que possibilitam melhorias significativas em processos de recuperação e disseminação da informação. - As possibilidades e os benefícios reais em processos de recuperação da informação. - Buscas mais eficientes. - Desenvolvimento mais flexível para documentos Web. - Distribuição dos dados via rede de forma mais comprimida e escalável. - Padrões abertos. GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • METADADOS: criação de registros e Ferramentas Editor de metadados DC-Dot's Dublin Core http://www.ukoln.ac.uk/metadata/dcdot/ Ferramentas Dublin Core http://dublincore.org/tools Learning Object Metadata Editors http://www.cancore.ca/editors.html Ferramentas de metadados FGDC http://www.nbii.gov/datainfo/metadata/tools/ Ferramentas Específicas OAI http://www.openarchives.org/tools/tools.html Editores e Ferramentas RDF http://www.ilrt.bris.ac.uk/discovery/rdf/ Software TEI http://www.tei-c.org/Software/index.html Planilhas personalizadas para ferramentas de busca codificadas em EAD-Encoded Finding Aids http://www.cdlib.org/inside/projects/oac/toolkit/templates/ GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Considerações Finais Dentro do contexto das Formas de representação: dos catálogos aos repositórios digitais a Criação de METADADOS diretamente com aúxílio da linguagem XML apresenta um fluxo de criação, interfaces, controle de qualidade e benefícios considerável e relevância no que diz respeito ao desenvolvimento de mecanismos de buscas e recuperação de informação a partir da representação do conhecimento. GOMES. METADADOS e XML, 2009.
    • Bibliografia • AMBLER. User Interface Design: Tips and Techniques. Ambler, Scott W. 1998. Disponível em http://www.ambysoft.com/userInterfaceDesign.pdf • CLIFTON. A Dynamically Generated XML Data Editor. Clifton, Marc. Disponível em http://www.codeproject.com/dotnet/xmldataeditor.asp • JACOBSON, B. M.; JENNINGS, G D. & STALLINGS, C. 1994. Multi-User / Multi-Purpose GIS Databases.Computers in Agriculture.Proceedings of The 5th International Conference. Orlando, ASAE: American Society of Agricultural Engineers. • LUCCHESI. C. L.. Introdução à Teoria dos Grafos. 12º - Colóquio Brasileiro de Matemática. IMPA (Instituto de Matemática Pura e Aplicada), 1979. • MARCHAL, B. XML by example. Indianapolis : Que, 2000. • Microsoft Developer Network Online – Web Workshop – XML Home http://msdn.microsoft.com/en-us/xml/default.aspx • MOREIRA E MRACK. Sistemas Dinâmicos Baseados em Metamodelos. Moreira, Diego; Mrack, Marcelo. II Workshop de Computação e Gestão da Informação – Univates. 2002. • Organization for the Advancement of Structured Information Standards – http://www.oasis-open.org/home/index.php • The XML Industry Portal – XML.ORG http://www.oasis-open.org/home/index.php GOMES. METADADOS e XML, 2009.