Your SlideShare is downloading. ×
Variação ling.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Variação ling.

12,951
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
12,951
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
172
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.
    • Discentes:
    • Talita Romero
    • Roberta Macedo
    • Risoleide de Jesus
    • Jacira Batista
    • Janai Monteiro
    • Sheila Azevedo
    • Vanessa Santos
    • Lorena Vanessa
    Faculdade Castro Alves
  • 2. Diversidade Lingüística
    • Variação Lingüística;
    • Geográfica;
    • Histórica;
    • Etária;
    • Variação Sexo (feminino e masculino)
  • 3.
    • A língua de um povo constitui-se com um dos seus bens mais preciosos.
    • A língua e suas diversas formas e variantes é uma entidade viva, dinâmica e é o código utilizado pelo ser humano para se comunicar com seus semelhantes, trocar informações, difundir idéias e conceitos.
  • 4.
    • Figurando também os sotaques, ligados às características orais da linguagem. É uma maneira particular de determinado locutor pronunciar determinados fonemas em um idioma ou grupo de palavras. É a variante própria de uma região, classe ou grupo social, etnia, sexo, idade ou indivíduo, em qualquer grupo lingüístico,
  • 5.
    • É importante ter um discurso condizente com a realidade social, mas a consideração da modalidade lingüística que o educando traz de casa, é essencial, já que a democracia e a liberdade de expressão devem acontecer desde o espaço escolar e, porque por meio dessa linguagem é possível estabelecer a comunicação.
  • 6.
    • Dialetos isto é, variações faladas por comunidades geograficamente definidas .
      • Idioma é um termo intermediário na distinção dialeto-linguagem e é usado para se referir ao sistema comunicativo estudado (que poderia ser chamado tanto de um dialeto ou uma linguagem ) quando sua condição em relação a esta distinção é irrelevante (sendo, portanto, um sinônimo para linguagem num sentido mais geral);
    • Socialetos , isto é, variações faladas por comunidades socialmente definidas.
    • linguagem padrão ou norma padrão, padronizada em função da comunicação pública e da educação
    • Idioletos , isto é, uma variação particular a uma certa pessoa
    • registros (ou diátipos), isto é, o vocabulário especializado e/ou a gramáticas de certas atividades ou profissões
    • Etnoletos , para um grupo étnico
    • Ecoletos , um idioleto adotado por uma casa
  • 7.
    • É, no Brasil, bastante grande e pode ser facilmente notada. além de ocorrer na pronúncia, pode também ser percebida no vocabulário, em certas estruturas de frases e nos sentidos diferentes que algumas palavras podem assumir em diferentes regiões do país.
    • Exemplo de variação geográfica, o trecho abaixo, em que Guimarães Rosa, no conto "São Marcos", recria a fala de um típico sertanejo do centro-norte de Minas:
  • 8.
    • "- Mas você tem medo dele... [de um feiticeiro chamado Mangolô!]. - Há-de-o!... Agora, abusar e arrastar mala, não faço. Não faço, porque não paga a pena... De primeiro, quando eu era moço, isso sim!... Já fui gente. Para ganhar aposta, já fui, de noite, foras d’hora, em cemitério...(...). Quando a gente é novo, gosta de fazer bonito, gosta de se comparecer. Hoje, não, estou percurando é sossego..“
    • A variação geográfica é conhecida também como variação DIATÓPICA, ou seja, são diferenças na linguagem de um ou mais território.
  • 9.
    • A variação se manifesta com maior evidencia no léxico (vocabulário) na realizações dos determinados sons como “r” “e” “o” e “t” e no ritmo da fala de maneira a distinguir ares lingüísticas e faladas. Para denominar uma planta muito conhecida da família da euforbiáceas temos nomeações diversas.
    • Ex: Em MG e conhecida como mandioca, no RJ como aipim e em PE macaxeira.
  • 10. Chopis Centis – Mamonas Assassinas Composição: Dinho / Júlio Rasec Eu 'di' um beijo nela E chamei pra passear A gente 'fomos' no shopping, Pra 'mó de' a gente lanchar Comi uns bichos estranhos, Com um tal de gergelim Até que tava gostoso, Mas eu prefiro aipim Quanta gente, Quanta alegria, A minha felicidade É um crediário Nas Casas Bahia (2x) Esse tal "Chópis Cêntis" É muicho legalzinho, Pra levar as namoradas E dar uns rolêzinhos Quando eu estou no trabalho, Não vejo a hora de descer dos andaime Pra pegar um cinema, ver o Schwarzenegger "Tombém" o Van Daime.
  • 11.
    • As palavras alteram com o passar do tempo e com o uso;
    • Acontece ao longo de um determinado período de tempo;
    • Muda a forma de falar, mudam as palavras, a grafia e o sentido das palavras.
  • 12.
    • “ Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do balaio...”
    •                              Carlos Drummond de Andrade
    MADEMOISELLES, PRENDADAS, JANOTAS, P É -DE-ALFERES, BALAIO. “ MINA ” , “ GATINHA ” , “ MARAVILHOSAS ” , “ SARADAS ” , “ DA HORA ” , “ OS MANOS ” , “ A GALERA, ” “ DAVAM UMA CANTADA
  • 13. ARCA Í SMO L É XICO Ceroula Cueca Pederasta Gay Urinou Pinico Bidê Vaso sanit á rio Mancebo Rapaz Marinete Ônibus Graxeira Empregada dom é stica Escul á pio Médico Califon Sutian Quente-frio Garrafa térmica Mascate Cacheiro viajante Vendedor ambulante / Camelô VARIA Ç ÃO GR Á FICA Elephante Elefante Pharm á rcia Farm á cia Baptista Batista Cincoenta Cinq ü enta Cinquenta
  • 14.
    • As variações lingüísticas ligadas as faixas etárias marcam grupos distintos como crianças, jovens, adultos e idosos. Ao longo da vida, as pessoas vão alternando diferentes modos de falar conforme passam de uma faixa etária a outra.
    • Neste tipo de variações temos diferenças fonéticas, léxicas, morfossintáticas e pragmáticas que se diferem de regiões para regiões do país.
  • 15.
    • Homem:
    • Cara, preciso te falar o que aconteceu ontem na festa...
    • Mulher:
    • -Ai menino! Preciso te contar o que aconteceu ontem na festa...
    • _____________________________
    • Homem:
    • -Comprei uma camisa legal!
    • Mulher:
    • -Comprei uma blusinha linda!
    • A variação lingüística ligada ao sexo está ligada aos papeis sociais que o homem e a mulher exercem.
  • 16. Conclusão   Depois de realizado este trabalho conclui que a variação lingüística vem se modificando desde o inicio do Brasil, e vem se modificando até hoje. Podemos observar que as variações lingüísticas aconteceram por necessidade, muitas pessoas começaram a "portuguesaram" palavras do Latim, pois não conseguiam falar as palavras em português. Na antiguidade, se fazia necessária às gírias, pois muitos não conseguiam pronunciar as palavras certas. Hoje em dia as gírias não são mais necessidades e sim uma moda, e servem também para distingui as diferences classes sociais. Este trabalho foi importante para nós, pois descobrimos mas sobre nossa língua e por que apresenta variações de acordo com as classes sociais, faixa etária e sexo.
  • 17. Bibliografia: http://www.idbrasil.org.br/usuarios/linguagem/c4_c_mayara.htm BUDIN, J. e ELIA, Sílvio. Compêndio de Língua e de Literatura. 2 ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1954. CABRAL, Leonor Scliar. Introdução à lingüística. 7 ed. Rio de Janeiro: Globo, 1988. CAMACHO, R. A variação lingüística. In: Subsídios à proposta curricular de Língua Portuguesa para o 1º e 2º graus. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, 1988. CUNHA, Celso Ferreira da. Gramática da Língua Portuguesa. 12 ed. Rio de Janeiro: FAE, 1992. MARTINET, A. Elementos de lingüística geral. Trad. de J. Morais-Barbosa. Lisboa, Liv. Sá da Costa, 1964. (ELG) NASCENTES, Antenor. Tesouro da Fraseologia Brasileira. 2 ed. Rio de Janeiro: Livraria Freitas Bastos S.A. , 1966. PRADO MENDES, Soélis T. (2000) A ausência de artigo definido diante de nomes próprios no português mineiro da comunidade de Barra Longa: caso de retenção?, dissertação de mestrado,FALE/UFMG. RAMOS, Jânia (1998) “História social do português brasileiro: perspectivas”, in CASTILHO, A (org.) Para uma história do português brasileiro, SP: Humanitas.