Conviver com a diversidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Conviver com a diversidade

on

  • 4,508 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,508
Views on SlideShare
3,400
Embed Views
1,108

Actions

Likes
1
Downloads
13
Comments
0

7 Embeds 1,108

http://saladeaulaempic.blogspot.com.br 419
http://infoeducacionalpedroivocampos.blogspot.com.br 360
http://infoeducacionalpedroivocampos.blogspot.com 322
http://www.infoeducacionalpedroivocampos.blogspot.com 3
http://nonosanosempic.blogspot.com 2
http://www.google.com.br 1
http://infoeducacionalpedroivocampos.blogspot.pt 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Conviver com a diversidade Presentation Transcript

  • 1. ESCOLA MUNICIPAL GOV. PEDRO IVO CAMPOSTRABALHOS: Produção textual “Conviver com a diversidade”PRODUÇÃO E ILUSTRAÇÃO5º Anos B e CAno/2010PROJETO : “CONVIVER COM A DIVERSIDADE”PROFESSORAS DAS TURMAS3º ANO B - Priscila Rufino3º ANO C - Roberta GodoiPARTICIPAÇÃOProfessora Lourdes Grasel Barbosa(Informática Educacional)http://sites.google.com/site/empedroivocamposempedroivocampos@gmail.com
  • 2. CONVIVIVER COM ADIVERSIDADE
  • 3. O preconceito é uma idéia ou uma opiniãonegativa sobre um grupo de pessoas ousobre determinado assunto, formada de modoprecipitado, sem conhecimento profundo ereflexão necessária. O preconceito leva àdiscriminação, à exclusão e à violência. Preconceito não é legal.
  • 4. A discriminação é o tratamento desigual àspessoas com direitos iguais, negando a elas asmesmas oportunidades. Uma discriminação pode ser sofrida porminorias étnicas, religiosas, grupos de tradiçõesnacionais e culturais. Muitas vezes também édirigida a idosos, mulheres, pessoas pobres,deficientes e de diferentes orientações sexuais. Preconceito não é legal.
  • 5. O pensamento preconceituoso e as atitudesde discriminação revelam e acentuam asdesigualdades entre as pessoas. E, por isso,combater o preconceito e a discriminação éajudar a construir uma sociedade democrática eigualitária, em que a felicidade coletiva sejauma realidade possível. Preconceito não é legal.
  • 6. A Constituição Federal, a lei máxima em nossopaís, afirma que todos somos iguais perante a lei,não sendo admitidos preconceitos de origem,raça, sexo, cor, idade, ou quaisquer outrasformas de discriminação. Preconceito não é legal.
  • 7. Também existem princípios éticos paraprevenir a discriminação. A Declaração Universaldos Direitos Humanos (1948) dispõe que “todapessoa tem todos os direitos e liberdades (...),sem distinção alguma de raça, cor, sexo, idioma,religião, opinião política ou de qualquer outraíndole, origem nacional ou social, posiçãoeconômica, nascimento ou qualquer outracondição.” Preconceito não é legal.
  • 8. A Declaração de Princípios sobre a Tolerância(1995) define o significado de tolerância comorespeito, aceitação e apreço da riqueza e dadiversidade das culturas de nosso mundo, denossos modos de expressão e de nossas maneirasde exprimir nossa qualidade de seres humanos. E étambém não tolerar a injustiça social. Preconceito não é legal..
  • 9. Portanto, em seu significado profundo e atual,tolerância é aceitar a diversidade e combater todasas formas de opressão e de desigualdades sociais. Em síntese, tolerância é a atitude de solidariedadeentre indivíduos, grupos, povos, nações e, também,dos seres humanos para com a natureza em geral. Preconceito não é legal..
  • 10. O Tema “Conviver com a Diversidade” foi a forma que as professoras dos 4os Anos da EMPIC encontraram como instrumento educativo para estimular reflexões e debates, entre os alunos, sobre algumas formas de intolerância e preconceito no dia a dia na Escola. Preconceito não é legal.
  • 11. Tarefa 1 – Ler o textoEra uma vez uma Escola chamada Desrespeitosa, naqual estudavam alunos de características diferentes.Meninas que gostavam de jogar futebol, de usar cabeloscurtos, já os meninos traziam bonecas e usavamcabelos compridos, roupas cor de rosa.Entre os colegas sempre haviam apelidos e tudo eramotivo para deboche. Se um era magrinho era oesqueleto,se era gordinho era a baleia, sempre tinha umque fazia a piadinha do gayzinho.
  • 12. Tarefa 2 – Produção TextualVocê foi estudar na Escola Desrespeitosa. E também viroumotivo de deboche. Conte como você se sentiu. TEXTOS DOS ALUNOSEu me senti muito mal, afinal eu tive vontade de falaro mesmo, mas isso é ofensivo e tive vontade de socare espancar o Rafael. Fui xingado , chamado depalavrões, espancado, soqueado, debochado e agredidofisicamente. Minha mãe Ghiseli foi conversar sobre oBULLYNG recebido dos colegas.A partir daquele dia eu parei de ser XINGADO econtinuei estudando e gostando da escola.
  • 13. Num certo dia ,eu fui a escola desrespeitosa ver se eume encaixava, quando entrei já fui sendo motivo dedeboche devo ter recebido uns 20 deboches .Quandovoltei para a casa minha mãe me perguntou como foieu respondi bem triste que não dava para ficar lá e quea escola deveria ter algum tipo de policiamento. O diainteiro fiquei triste e magoada e sabendo que ficaria láuma semana até achar uma escola boa e que todoseram tratados iguais ,na semana inteira fiquei tãomagoada, triste e me sentia anormal . Depois daquelasemana quando fui para outra escola pedi para aminha mãe fazer um B.O na policia para que osalunos sejam punidos e vissem o queverdadeiramente estavam fazendo.
  • 14. Tainá Mattei 4 Ano B
  • 15. Jailson Rodrigues Mendes 4 Ano B
  • 16. Eu me senti muito mal porque todos só falavam palavrõespor qualquer coisa. Eu queria mudar de escola porque todomundo me xingava de palavrões e me batiam. Eu queria fazer omesmo só que iria ser desrespeitoso. Ai minha mãe Márcia foi lá conversar sobre o bullyng. Ainuca mais fui desrespeitado.
  • 17. André 4 Ano B
  • 18. Eu me sentiria muito triste se eu fosse chamada degorda e baleia. Eu conversaria com a minha mãe sobreesta escola e minha mãe ia falar com a diretora edepois perguntaria como foi a conversa dependendo doresultado não iria mais estudar nesta escola.No outro dia eu não tive coragem para ir a escola, masminha mãe me incentivou para ir. Só que me chamaramde um novo apelido feia e chata e minha mãe fez umB.O e a escola foi fechada e eu sai dessa escola, e fuipara outra, lá na nova escola ninguém me chamou debaleia, gorda, feia e chata FIM
  • 19. Eduarda de Santana 4 Ano B
  • 20. Eu me senti muito chateado,mal humorado,triste, emburrado. Posso ser gordinho mas souesperto e mesmo assim eles me chamavam degordinho ou de baleia. Não adiantava. Entãopercebi que não devia me importar, pois sabiaque não era nada disso e levei na brincadeira.
  • 21. Guilherme e Denis 4 Ano B
  • 22. Me senti muito triste, magoado e sozinha, falarampalavras para mim muito chatas. Imagine eles fazem issocom os outros e ficam debochando é muito chato fazerisso com os outros. Na minha escola eu já fui debochadade mirião não gostava mas uma hora eles vão ser omotivo do deboche e não vão gostar então eles vão ver oque é que uma pessoa sente quando sofre deboches.Eutambém iria contar para os meus pais. Vanessa Correia de Freitas 4 Ano B
  • 23. Era uma vez um menina que se chamava Rebeka ..Ela era um menina que gostava de chamar os guri e asguria de gay, molenga, gorda e baleia.Num dia ela se ferro porque ela ficava assim com as pessoas.Ai ela apanhou e parou com isto ai quem ficou chorando foi oscolegas dele que ela chamo de gay, molenga, gorda e baleia aiagora ela não chama mais as pessoas assim. E assim foi a historia da menina... Rebeka 4 Ano B
  • 24. Eu me senti muito triste porque as pessoas me xingavame ficavam me chamando de pequeno e dentuço e maisalguns palavrões muito feios.Quando cheguei em casa meus pais me respeitavammuito e mandaram eu tomar uma decisão. E me mudeide escola e na outra escola ninguém me xingava e euvirei amigo de todo o mundo. FIM
  • 25. Thiago 4 Ano B
  • 26. Eu me senti muito triste e falei para a minha mãedenunciar a escola. Danyele 5 Ano B
  • 27. Eu me senti muito triste e chateado e com muita raiva dequem me chama de gay e na aula eles me xingavam deporco, de baleia,de esquisito, de esqueleto, de girafa, detartaruga e de todos os xingamentos do mundo e medavam uma surra e eu lutava. E eu contei para aprofessora e ela falou com os outros colegas de classeque se alguém xingasse iria para a diretoria aí eu não fuimais xingado. Luiz e Yan 5 Ano B
  • 28. Eu me sentia muito mal falar dos outros,porque falar maldos outros não ajuda nada,e ficar sem amigos é muitoruim,por que quando batia o sinal do recreio agente tinhaque lanchar sozinho por que não tinha mais nem umamigo para conversar,por isso não devemos xingarninguém da nossa escola,porque seremos xingadostambém,devemos cumprir ordem daescola,simplesmente da diretora da escola,e tambémnão devemos debochar as pessoas mais velhas ecolegas,se agente debochar dos colegas não teremosamigos para brincar,se divertir.
  • 29. Bruno e Sara 4 Ano B
  • 30. Me senti magoada e chateada por que os alunos daquela escolame deram varios apelidos e também falaram palavrões paramim.Me chamavam de quatro olhos só por que eu usava óculos etambém me chamaram de cdf só por que eu tirava boas notasem todas as matérias.Depois eu mudei de escola fiz novos amigos e tambémnimguém nunca mais me chamaram de outros nomes. Agatha 4 Ano C
  • 31. Nós estávamos numa escola onde tudo mundo nos xingava deidiota,reta,etc... Porque pensavam que a gente falava mal delespor trás . Num certo dia procuramos a professora e contamos tudo queestava acontecendo que os alunos nos xingavam. A professorafalou que ia falar com eles, mas eles não paravam nem com aprofessora falando com eles. Pedimos para nossos pais nos tirar daquela escola,elesaceitaram porque não queriam ver a gente sofrer. Eles nosmudaram de escola e a gente não era xingado daquelas coisas,ali era todo mundo igual.Fim!!! Alunos:Camila e Ademar.:)
  • 32. Alunos:Camila e Ademar.:)
  • 33. Eu fiquei muito triste por que as pessoas ficavamdebochando de mim que eu era chata e ficavam mechamando de idiota.E só por que eu jogava futebol elesficavam me chamando de menino,eu não gostei nada efui falar para a diretora.A diretora disse que ia falar com ospais dos alunos que me chamavam desses apelidos.Nodia seguinte a diretora disse que a proxima vez ia chamaros pais ,mas não chamou e a zombaria continuou.No dia seguinte meus pais vieram à escola reclamar porque eu chegava chorando em casa, só assim a diretoratomou uma atitude.Terminou que no dia seguinte todos vieram pedirdesculpas e eu continuei nessa escola e nunca mais mechamaram de apelidos.
  • 34. Gabriela Neumann 4 Ano C
  • 35. Nós estávamos na escola desrespeitosa e veio um grupo depessoas e falou: -Olha ali os dois idiotas conversando sobre a prova deciências!!!Nós nos sentimos muito mal com essas pessoas queficavam falando mal da gente.Nós fomos conversar com a diretora,e ela disse: -Se eles continuarem a falar mal de vocês de novopodem me chamar que eu chamarei os pais deles. Entãoeles falaram de novo, e outra vez fomos contar para adiretora. E ela tomou uma providência, mas não foi o que eladisse. Ela disse:-Vocês vão pintar a escola,e fazer o projeto contra opreconceito.
  • 36. Eduardo e Isabela 4 Ano C
  • 37. Eu me senti muito mal, por que na escoladesrespeitosa tem muito mais preconceito doque educação, lugar que magoa. Eu mesma mesenti muito magoada, fui vitima e taxada comogorda. Com essa situação eu sai de lá porque euachei muito constrangida com essa atitude muitofeia. E no fim eu contei para a diretora por que aspessoas que estudavam lá não eram muito legais.
  • 38. Amanda 4 Ano C
  • 39. Nós nos sentimos muito magoadas,porque eles não respeitavamporque eles chamava de apelidos, como feia,idiota,burra etc...Emagoa as pessoas, novas, velhas e ate crianças.Fomos vitimas de preconceito, tendo como atitude informar aspessoas responsaveis pela a escola ou a diretora.Nós achamos que isto não deveria existir,então nós procuramosoutra escola porque eles chamavam nós de apelidos feios. Leiana de Souza Dias e Alessandra 4 Ano C
  • 40. Eu me senti muito mal porque eles me chamavam degay, fui ao banheiro e comecei a chorar.Com essa situação fui a sala da diretora e falei para elaque eles estavam debochando de mim, ela não feznada aí eu falei para os meus pais e me tiraramdaquela escola . Meus pais me colocaram em outra escola onde pudeencontrar respeito e um lugar em que ninguém debochade ninguém.
  • 41. Kamila e Guilherme 4 Ano C
  • 42. Eu fiquei chateado, todos as pessoas me chamava debochechudo.Eu falei aos meus pais e eles falaram para eu mudar de escolaEu não gostava dos apelidos feios, que me davam na escoladesrespeitosa, daí um garoto falou que eu não deveria ligarpara essa bobagem, a partir desse dia eles nunca mais falaramporque eu ignorava e não ligava mais.E na escola eu encontrei amigos que me tratavam bem Lucas e Elian 4 Ano C
  • 43. Era uma vez uma escola que se chamava EscolaDesrespeitosa, quando a gente chegou lá todomundo nos chamava de : gays,idiotas,etc....Eramuito ruim. Decidimos tomar uma providencia para adiretoria da escola Desrespeitosa,ela nem ligou parao que agente falou. Chegamos em casa falamospara nossos pais e eles iriam falar com a diretora daescola Desrespeitosa. Depois de um tempo, a gentefoi estudar numa escola da Educação muito maiscalma. Chegando na escola da Educação tudo eramais calmo. Ninguém nos xingava de nada. E nuncamais saímos de lá. Eduardo Felipe e Ana Paula 4 Ano C
  • 44. Eu me senti muito mal porque não gosto que me chamem deapelidos muito feios. Quando eu tinha 7 anos me chamavam degayzinho porque eu tinha cabelo grande, também me chamavamde tigela devido esse meu cabelo e eu ficava bem triste no meucanto. Aos pouquinhos pararam desta brincadeira de mau gosto eeu fiquei amigo deles.Depois de algum tempo, eu mudei de escola na qual estou agora enunca mais fui vítima de preconceito. Aluno:Gustavo Henrique Farias Pereira 4º ano C Professora Roberta