• Like
  • Save
Museu Paulista
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Museu Paulista

on

  • 2,781 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,781
Views on SlideShare
2,765
Embed Views
16

Actions

Likes
0
Downloads
29
Comments
0

1 Embed 16

http://www.slideshare.net 16

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Museu Paulista Museu Paulista Presentation Transcript

    • São Paulo: Minha Cidade! 07 MUSEU PAULISTA  “ Um povo sem memória, é um povo sem passado e sem futuro” (autor desconhecido) p/ avançar as fotos use as setas ou mouse (MUSEU DO IPIRANGA)
      • Em 1885 começava a construção de um imponente edifício que seria o ”monumento” para celebrar a nossa independência, e consequentemente a monarquia então vigente. Projetado pelo italiano Tommaso Gaudêncio Bezzi, e construído pelo empreiteiro Luigi Pucci, o edifício, ainda incompleto foi dado por terminado em 189l, já que ao governo republicano recém-assumido não interessava exaltar o antigo regime. Pensou-se numa finalidade para o grande edifício: seria uma escola ou faculdade, idéia logo abandonada, já que o local por ser alto e descampado, era sujeito a muita ventania, prejudicial portanto à saúde dos estudantes. Resolveu-se então, que seria implantado no prédio, um museu de história natural. Assumido pelo governo estadual em 92, no ano seguinte recebia a denominação “Museu Paulista”, sendo inaugurado em 7 de setembro de 1895. Em 1917, Affonso de Escragnole de Taunay, assumindo sua direção, encarregou-se de prepará-lo para as celebrações do 1º centenário da independência, tornando-o um museu histórico, voltado principalmente para a história paulista. Em 1963 o museu é incorporado à Universidade de São Paulo – USP. Por fim, vale lembrar aqui que o museu é popular e carinhosamente conhecido como “Museu do Ipiranga”.
    • 7 DE SETEMBRO DE 1895, SOLENIDADES DE INAUGURAÇÃO
    • O museu na atualidade
    • NESTA VISTA AÉREA DOS JARDINS, OBSERVE OS DOIS DRAGÕES ABAIXO, SÍMBOLO DA DINASTIA DOS BRAGANÇA
    • Olhando-se para o lado norte, após o espelho d’água, vamos ver na baixada, junto às margens do riacho Ipiranga, o monumento comemorativo à nossa independência. Foi projetado para as celebrações do 1º centenário da independência, no exato lugar onde o então príncipe-regente D. Pedro, teria dito a famosa frase: “Independência ou Morte”. Seu projeto e construção deve-se ao escultor italiano Ettore Ximenes, e na verdade só foi inaugurado em 7 de setembro de 1926. Em sua cripta, encontram-se os restos mortais do imperador D.Pedro I, e da imperatriz Da. Leopoldina
    •  
    •  
    •  
    •  
    • A chamada “Casa do Grito”, situa-se pouco acima do monumento, à esquerda. A casa não é da época da independência, mas quando o pintor Pedro Américo, veio ao local para fazer os esboços para o seu quadro (c. 1880), ela estava ali há já algumas décadas, e então, para efeitos de composição, ele resolveu incluí-la na pintura. Atualmente está restaurada, e ali funciona um pequeno museu, pertencente à prefeitura de SP.
    • O belo jardim, e nfeitado por fontes e espelhos d’água, à maneira dos jardins de Versailles, foi projetado por Arsênio Putemans, e inaugurado em 1920
    •  
    •  
    • Detalhes artísticos da construção
    • As luminárias do jardim
    •  
    • Transposta a entrada principal, estamos no grande saguão, decorado com colunas gregas, tendo à frente a magnífica escadaria de mármore que nos leva ao andar superior. À esquerda deparamos com a estátua do bandeirante Raposo Tavares, em atitude de perscrutar os horizontes. Já à direita, a escultura do bandeirante Fernão Dias Pais, o “caçador de esmeraldas”. Essas duas esculturas, feitas pelo artista Luiz Brizzolara, representam aí, dois ciclos do bandeirismo: o ciclo do apresamento e caça ao índio, por Raposo Tavares, e o ciclo da procura de pedras preciosas, que levaram ao alargamento de nossas fronteiras. Na galeria à esquerda, a exposição “A Cidade se Transforma”, mostra os serviços públicos de São Paulo entre 1890/1920 e ao fundo a biblioteca. Na galeria à direita, a exposição “Imagens Recriam a História”, com obras de Benedicto Calixto, Oscar Pereira da Silva, Almeida Júnior, Henrique Bernardelli, J. Wasth Rodrigues e outros, além da maquete “São Paulo em 1841”
    • Fotos: Museu Paulista
    • Foto: Museu Paulista
    • BIBLIOTECA Instalada já na inauguração do Museu, tem seu perfil especializado na área de História, Em seu acervo existem cerca de 26.000 livros, 2.300 títulos de periódicos, e 2.800 separatas. Integra o Sistema de Bibliotecas da USP, (SIBI-USP) estando disponível pelo Dedalus - Banco de Dados Bibliográficos da USP.
    • Nesta sala, fazendo parte da exposição “Imagens Recriam a História”, vemos ao fundo a tela de Benedicto Calixto, “Fundação de São Vicente”. É um óleo-sobre-tela, medindo 192 x 385, datado de 1900. Na parede oposta, está a tela de Oscar Pereira da Silva, “Fundação de São Paulo”, um óleo-sobre-tela, medindo 185 x 340, de 1909 IMAGENS RECRIANDO A NOSSA HISTÓRIA
    • Na escadaria, onde a escultura de D. Pedro centraliza toda a atenção, estão representadas as principais figuras da expansão bandeirista para as diversas regiões brasileiras. Na escada propriamente dita, ânforas de vidro contêm a água dos principais rios formadores do território brasileiro. E no teto, circundando a clarabóia, os retratos dos principais personagens envolvidos com o processo da independência. Ao final da escada, temos duas galerias, à esquerda, com a exposição “Cotidiano e Sociedade” e à direita, “Universo do Trabalho”. À frente através de duas grandes portas, chegamos à parte mais importante do Museu: o Salão Nobre.
    • Fotos: Museu Paulista
    • Foto: Museu Paulista
    • Escultura em bronze, de Pedro I, feita por Rodolfo Bernardelli, inaugurada em 1926 Fotos: Museu Paulista
    • Foto: Museu Paulista
    • Este quadro, óleo-sobre-tela, denominado “Independência ou Morte”, foi encomendado ao pintor Pedro Américo, ainda pelo imperador Pedro II, em meados da década de 1880, para figurar no salão nobre do então “monumento do Ipiranga”, que se construía no sítio onde fora proclamada a independência. O quadro foi finalizado em 1888, no atelier do artista, em Florença, Itália, e retrata o momento em que o príncipe, cercado por sua guarda, arranca do braço as divisas portuguesas, e sacando sua espada, pronuncia a célebre frase. Foi montado no salão, às vésperas da inauguração, em 1894. Suas dimensões são 760 x 415 cm.
    • Foto: Museu Paulista
    • Foto: Museu Paulista
    •  
      • - As fotos atuais externas são de nossa autoria.
      • As fotos sem referências à autoria, foram localizadas na WEB
      • - Referências históricas: publicações do Museu Paulista
      • PPS: Idealizado e montado pelo fotógrafo Gilberto Calixto Rios.
      • - Fundo musical: Suite Orquestral nº 1 (gavotte) de J.S. Bach
      • © Gilberto Calixto Rios - SP - 2009
      • Mais informações sobre o Museu em: www.mp.usp.br
      • - Mais fotografias de São Paulo, em nosso site:
      • http://imagensdesaopaulo.hd1.com.br
      [email_address] CRÉDITOS