Trabalho da bia de artes

222 views
176 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
222
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalho da bia de artes

  1. 1. Textos do romantismoAinda Uma Vez – Adeus!I – Enfim te vejo! – enfim posso,Curvado a teus pés, dizer-teQue não cessei de querer-te,Pesar de quanto sofri.Muito Penei! Cruas ÂnsiasDos teus olhos afastadoHouveram-me acabrunhado,A não lembrar-me de ti!Uma febre, um ardor nunca apagado,Um querer sem motivo, um tédio à vida,Sem motivo também – caprichos loucos,Anelo doutro mundo e doutras coisasDesejar coisas vãs, viver de sonhos,Correr após um bem logo esquecido,Sentir amor e só topar frieza,Cismar venturas e encontrar só flores.A Lira Quebrada – Último CantosTextos do realismoCírculo ViciosoBailando no ar, gemia inquieto vaga-lume:- Quem me dera que fosse aquela loura estrela,que arde no eterno azul, como uma eterna vela !Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:- Pudesse eu copiar o transparente lume,que, da grega coluna á gótica janela,contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela !Mas a lua, fitando o sol, com azedume:
  2. 2. - Misera ! tivesse eu aquela enorme, aquelaclaridade imortal, que toda a luz resume !Mas o sol, inclinando a rutila capela:- Pesa-me esta brilhante aureola de nume...Enfara-me esta azul e desmedida umbela...Porque não nasci eu um simples vaga-lume?No altoO poeta chegara ao alto da montanha,E quando ia a descer a vertente do oeste,Viu uma cousa estranha,Uma figura má.Então, volvendo o olhar ao subtil, ao celeste,Ao gracioso Ariel, que de baixo o acompanha,Num tom medroso e agrestePergunta o que será.Como se perde no ar um som festivo e doce,Ou bem como se fosseUm pensamento vão,Ariel se desfez sem lhe dar mais resposta.Para descer a encostaO outro lhe deu a mão.A uma senhora que me pediu versosPensa em ti mesma, acharásMelhor poesia,Viveza, graça, alegria,Doçura e paz.Se já dei flores um dia,Quando rapaz,As que ora dou têm assazMelancolia.Uma só das horas tuasValem um mêsDas almas já ressequidas.Os sóis e as luasCreio bem que Deus os fezPara outras vidas.

×