Your SlideShare is downloading. ×
0
PalestraSistemas de Informação na Administração PúblicaMestrado em Gestão, do ramo de Administração Pública,Escola Superio...
FAZERFUTUROE AS PALAVRASESPERANÇACONFIANÇA
SUMÁRIONota préviaO contexto actualDados, informação e conhecimentoDesafios e oportunidadesUma reflexão sobre GovernaçãoAs...
O CONTEXTO ACTUAL
O MUNDO EM QUE VIVEMOS Queda do        Ataque às               Crise              Crise económicamuro de Berlin Torres Gém...
O mundo está mudado Mais digital Mais competitivomas também: Menos previsível Com mais gente que conta Com mais neces...
AS QUESTÕES DO TERRITÓRIO
Globalizaçãocomplexodinâmicoimprevisível                        CARACTERIZAR O                        MOMENTO ACTUAL   mas...
Globalização                            Expande o território                            Aumenta a fronteira         TERRIT...
GlobalizaçãoComprime o territórioElimina a fronteira                        TERRITÓRIO           Desenvolvimento          ...
Globalização                                  Valoriza o território                                  Reforça a fronteira  ...
AS PROMESSAS DO DIGITAL
DO ANALÓGICO PARA O DIGITALaprender...no analógico, memorizar para aprenderno digital, esquecer para aprendertrabalhar.....
A informação já não é o que era…    (e nem toda é igual) abstracção &                                                     ...
NO DIGITALCrescente mediação de computadores e redes no relacionamento   humanoDesmaterialização de actividades e processo...
O E-GOVERNMENT(GOVERNO DE BASE ELECTRÓNICA)
O E-GOVERNANCEGOVERNAÇÃO DE BASE ELECTRÓNICA
DO E-GOVERNMENT AO E-GOVERNANCE
GOVERNO E GOVERNAÇÃO•   Governação (conceito descritivo – 1995) e posteriormente teórico…•   A direcção do governo já não ...
ALTERNATIVAS DE CONCEPTUALIZAÇÃO    FINGER E PÉCOUD (2003)e-governação como      satisfação do cliente   processos e      ...
NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA    NAVARRA E CORNFORD (2004)                             DESCENTRALIZAÇÃO                      ...
Gestão                    Consultivo                   Participado                   Disciplinar                     manag...
MODELO DE E-GOVERNAÇÃOFINGER E PÉCOUD (2003)                                         ão                                   ...
COMPLEXIDADE
OPORTUNIDADES
LIMITES
Aprendemos todos os dias, de todas as formas Sempre mais para fazer, do que o que se pode Mais solicitações do que tempo...
Excesso de informação Sobrecarga cognitiva Refrear a curiosidade natural Conter a dispersão Lidar com a nossa  criativ...
O que há de novo?  Gerir as tarefas  Gerir o tempo  Criatividade
Da competência clássica  ao novo Do racional aos afectos e à  emoção (retorno?) Da preocupação com a  literacia básica, ...
RISCOS
PARADIGMAS E A PROGRESSÃO DOTEMPO
AMEAÇAS
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃOUma sociedade que  predominantemente utiliza  o recurso às tecnologias da  informação e comunicação...
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃOUso intensivo de tecnologias de   informação e comunicação Uso crescente do digital   Organização e...
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃOUso intensivo de tecnologias de   infra-estruturas   informação e comunicação                      ...
DIGITAL: “ O ROLO COMPRESSOR ”
O DIGITAL NÃO É TUDO…
LOGÍSTICA
UTILIZAÇÃO E BOAS PRÁTICAS
DIMENSÃO HUMANA
AS PESSOAS!
O MERCADO ENQUANTO PERCURSO
AINDA É …”BUSINESS AS USUAL”?
CRIAR VALOR – UMA REFLEXÃO
REFLETIR SOBRE A ORGANIZAÇÃO DOTERRITÓRIO
FRONTEIRAS GLOBAIS, CONCEITOS GLOCAIS
FAZER MAIS COM MENOS…
FAZER MAIS +COM MENOS –(information, use it or loose it...)
REFLETIR SOBRE O PAPEL DA SOCIEDADE CIVIL
REFLETIR SOBRE O PAPEL DO GOVERNO LOCAL
REFLETIR SOBRE O PAPEL DO GOVERNOCENTRAL
O “LOCAL DO MEIO”
REFLETIR SOBRE A RELAÇÃO DO LOCAL COM OEXTERIOR
INTERESSE, GEOMETRIA VARIÁVEL - VOLÁTIL
ORGANIZAÇÃO EM REDE
A REDE (I)Promessas da sociedade da informação Partilha de informação (e do conhecimento) Novas relações tempo-espaço  c...
A REDE (II)Fenómenos de transferência Altera as relações de poder Redistribui e redefine custos de  deslocação entre nós...
A REDE (III)Efeito de propagação Altera a proximidade/distância e influência mútua Atracção e reconfiguração de espaços ...
FORÇAS DE COESÃOProximidadeEscala humanaConfiança
A IMPORTÂNCIA DO INDIVÍDUOA(s) rede(s) aumentam o valor do indivíduo   Indivíduo aumenta valor da(s) rede(s)
A CONDIÇÃO HUMANAwww.serendipidade.com/2008/12/   Celso Alvarez Cíccamo, 2004
DESAFIOS E PROPOSTAS
CRIATIVIDADES, MAS…
“Não podemos resolverproblemas, utilizando omesmo tipo de pensamentoe práticas com que foramcriados”  Albert Einstein (187...
LEITURAS
Compilação dos recursos enunciados no decurso da apresentação edisponibilizados para uso livre:Artigo sobre os Media Socia...
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance

845

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
845
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "As oportunidades e desafios do digital para o território: do e-government ao e-governance"

  1. 1. PalestraSistemas de Informação na Administração PúblicaMestrado em Gestão, do ramo de Administração Pública,Escola Superior de GestãoInstituto Politécnico da GuardaGuarda, 14 de Outubro de 2011Luis Borges Gouveia@lbgouveia | lmbg@ufp.edu.pt
  2. 2. FAZERFUTUROE AS PALAVRASESPERANÇACONFIANÇA
  3. 3. SUMÁRIONota préviaO contexto actualDados, informação e conhecimentoDesafios e oportunidadesUma reflexão sobre GovernaçãoAs questõesLOCAL E-GOVERNMENT: do e-government ao e-governanceA Administração Pública é, sem dúvida, um dos pilares da organização do País e umactor crucial para a organização dos seus recursos, nomeadamente de informação(em especial de interesse público). O seu bom funcionamento contamina de formapositiva a actividade económica e dissemina boas práticas.É garante da soberania nacional e viabiliza a regulação, proximidade e equilíbrio danossa sociedade, sendo a governação uma das preocupações de momento.
  4. 4. O CONTEXTO ACTUAL
  5. 5. O MUNDO EM QUE VIVEMOS Queda do Ataque às Crise Crise económicamuro de Berlin Torres Gémeas financeira e social Nov, 1989 Set, 2001 Set, 2008 (?)Set, 2009/11 ? fronteiras segurança qualidade economia físicas e defesa de vida Imagem retirada do Estudo sobre Governação, Abril de 2009 – APDSI (Gouveia et al., 2009)
  6. 6. O mundo está mudado Mais digital Mais competitivomas também: Menos previsível Com mais gente que conta Com mais necessidade de errar e menos tempo para o fazer
  7. 7. AS QUESTÕES DO TERRITÓRIO
  8. 8. Globalizaçãocomplexodinâmicoimprevisível CARACTERIZAR O MOMENTO ACTUAL mas...simples Desenvolvimento Sociedade da sustentável Informaçãoconstantecontrolável
  9. 9. Globalização Expande o território Aumenta a fronteira TERRITÓRIODesenvolvimento Sociedade da sustentável Informação
  10. 10. GlobalizaçãoComprime o territórioElimina a fronteira TERRITÓRIO Desenvolvimento Sociedade da sustentável Informação
  11. 11. Globalização Valoriza o território Reforça a fronteira TERRITÓRIODesenvolvimento Sociedade da sustentável Informação
  12. 12. AS PROMESSAS DO DIGITAL
  13. 13. DO ANALÓGICO PARA O DIGITALaprender...no analógico, memorizar para aprenderno digital, esquecer para aprendertrabalhar...no analógico, tomar tempo para trabalharno digital, trabalhar sem tomar o tempo
  14. 14. A informação já não é o que era… (e nem toda é igual) abstracção & estratégia e complexidade previsão suporte à acção suporte à decisão simplificação do real dados conhecimento estrutura & contexto informação sabedoria
  15. 15. NO DIGITALCrescente mediação de computadores e redes no relacionamento humanoDesmaterialização de actividades e processos associadosTransformação da actividade humana O tempo com diferentes ciclos Virtualização e transformação do conceito de tempo e espaço (exemplo: o sítio na Web…) (implica) espaço (físico) com diferentes significados
  16. 16. O E-GOVERNMENT(GOVERNO DE BASE ELECTRÓNICA)
  17. 17. O E-GOVERNANCEGOVERNAÇÃO DE BASE ELECTRÓNICA
  18. 18. DO E-GOVERNMENT AO E-GOVERNANCE
  19. 19. GOVERNO E GOVERNAÇÃO• Governação (conceito descritivo – 1995) e posteriormente teórico…• A direcção do governo já não é suficiente Necessário um outro modo de governar…Processo de direcção estruturado (institucional/técnico) orientado à acção colectiva por via da cooperação Produto da participação, da sociedade e governo (que é dinâmico e negociado entre os seus actores) Na governação já não existe um actor central (processo de direcção da sociedade em que interdependência, integração, co produção e co- responsabilidade são aspectos constantes na acção)
  20. 20. ALTERNATIVAS DE CONCEPTUALIZAÇÃO FINGER E PÉCOUD (2003)e-governação como satisfação do cliente processos e ferramentas interacçõesNíveis de políticas Nacional e por vezes Nacional e local Nacional e por vezes local localActores Consumidores, Público e privado Estado administraçãoFunções de políticas Operações, prestação Operações e produção Em geral, prestação de serviços de políticas de serviçosUso de TICs Substituição e Interacção Baseado na tecnologia comunicação
  21. 21. NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NAVARRA E CORNFORD (2004) DESCENTRALIZAÇÃO Passagem de responsabilidade para autoridades locais Proximidade DevoluçãoCOMUNICAÇÃO Dimensão partilhada EFICIÊNCIAMarketing e boas práticas E-GOVERNO Práticas de gestãoMonitorização de contratos Medir o desempenho Gestão de processos de negócioPartilha de riscos Gestão por objectivos Reinventar o governo Orientação ao cliente e participação TRANSPARÊNCIA Gestão de desempenho Orçamentação programada Foco no cidadão
  22. 22. Gestão Consultivo Participado Disciplinar managerial consultive participatory disciplinaryActores e Governo, clientes, Governo, clientes, Associações voluntárias, Governo, negócio, NGOs negócios, media negócio, grupos de grupos de interesses, interesses interesse grupos autónomosFoco nas políticas Marketing, eficiência, Descentralização, Legitimidade do Estado, Bem público, vigilância, accountability transparência, teste democracia, accountability, de politicas e participação, cumprimento da lei inovação envolvimento do cidadão nas politicas e na definição de prioridadesFoco nos serviços Impostos em linha, e-votação, recolha de Mecanismos autónomos Infra-estruturas de solicitação de opiniões instantânea, na fronteira dos informação benefícios, balcão petições, reuniões Estados, listas de aplicáveis a serviços único, pesquisa de virtuais locais, discussão, específicos dados de marketing, recolha de opinião e tecnologias ponto a (aplicações informação do sugestões de ponto, e- verticais) governo ao público eleitores e grupos de participação interesse representação, adesão do cidadão e reactividade a políticas
  23. 23. MODELO DE E-GOVERNAÇÃOFINGER E PÉCOUD (2003) ão se a çõ aç c íti ra ul ol eg pe P R O Sector privado Governo Terceiro sector Global Nacional e-governação Local Exploração contínua das TICs
  24. 24. COMPLEXIDADE
  25. 25. OPORTUNIDADES
  26. 26. LIMITES
  27. 27. Aprendemos todos os dias, de todas as formas Sempre mais para fazer, do que o que se pode Mais solicitações do que tempo disponível Maior carga cognitiva do que a nossa resistência permite
  28. 28. Excesso de informação Sobrecarga cognitiva Refrear a curiosidade natural Conter a dispersão Lidar com a nossa criatividade Agir, inovar, experimentar, difundir, agir…
  29. 29. O que há de novo?  Gerir as tarefas  Gerir o tempo  Criatividade
  30. 30. Da competência clássica ao novo Do racional aos afectos e à emoção (retorno?) Da preocupação com a literacia básica, funcional, informacional, comunicacional e tecnológica a…… emoção!
  31. 31. RISCOS
  32. 32. PARADIGMAS E A PROGRESSÃO DOTEMPO
  33. 33. AMEAÇAS
  34. 34. SOCIEDADE DA INFORMAÇÃOUma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias da informação e comunicação para a troca de informação em formato digital e que suporta a interacção entre indivíduos com recurso a práticas e métodos em construção permanente (Gouveia e Gaio, 2004)
  35. 35. SOCIEDADE DA INFORMAÇÃOUso intensivo de tecnologias de informação e comunicação Uso crescente do digital Organização em rede
  36. 36. SOCIEDADE DA INFORMAÇÃOUso intensivo de tecnologias de infra-estruturas informação e comunicação & acesso processos Uso crescente do digital & formação de comando & controlo Organização em rede para partilha & regulação
  37. 37. DIGITAL: “ O ROLO COMPRESSOR ”
  38. 38. O DIGITAL NÃO É TUDO…
  39. 39. LOGÍSTICA
  40. 40. UTILIZAÇÃO E BOAS PRÁTICAS
  41. 41. DIMENSÃO HUMANA
  42. 42. AS PESSOAS!
  43. 43. O MERCADO ENQUANTO PERCURSO
  44. 44. AINDA É …”BUSINESS AS USUAL”?
  45. 45. CRIAR VALOR – UMA REFLEXÃO
  46. 46. REFLETIR SOBRE A ORGANIZAÇÃO DOTERRITÓRIO
  47. 47. FRONTEIRAS GLOBAIS, CONCEITOS GLOCAIS
  48. 48. FAZER MAIS COM MENOS…
  49. 49. FAZER MAIS +COM MENOS –(information, use it or loose it...)
  50. 50. REFLETIR SOBRE O PAPEL DA SOCIEDADE CIVIL
  51. 51. REFLETIR SOBRE O PAPEL DO GOVERNO LOCAL
  52. 52. REFLETIR SOBRE O PAPEL DO GOVERNOCENTRAL
  53. 53. O “LOCAL DO MEIO”
  54. 54. REFLETIR SOBRE A RELAÇÃO DO LOCAL COM OEXTERIOR
  55. 55. INTERESSE, GEOMETRIA VARIÁVEL - VOLÁTIL
  56. 56. ORGANIZAÇÃO EM REDE
  57. 57. A REDE (I)Promessas da sociedade da informação Partilha de informação (e do conhecimento) Novas relações tempo-espaço concorrentes num mesmo local Móvel, imediato, ubiquo, universalA relação e o relacionamento são elementos essenciais, realizados com recurso a computadores e redes (de telecomunicações) Apesar de tudo, um fenómeno social: Barry Wellman, Manuel Castells, …
  58. 58. A REDE (II)Fenómenos de transferência Altera as relações de poder Redistribui e redefine custos de deslocação entre nós da redeFomenta uma evolução contínua, mantendo a mudança como constante Diversidade Mudança permanente Acolhe inovação e criatividade
  59. 59. A REDE (III)Efeito de propagação Altera a proximidade/distância e influência mútua Atracção e reconfiguração de espaços e fronteiras Esferas de influência mais dinâmicas, com modelos mais complexosFavorece sistemas abertos e autónomos Sistema distribuído, com capacidade de auto-regulação Escala resultado da interacção; quanto mais interacção, maior densidade
  60. 60. FORÇAS DE COESÃOProximidadeEscala humanaConfiança
  61. 61. A IMPORTÂNCIA DO INDIVÍDUOA(s) rede(s) aumentam o valor do indivíduo Indivíduo aumenta valor da(s) rede(s)
  62. 62. A CONDIÇÃO HUMANAwww.serendipidade.com/2008/12/ Celso Alvarez Cíccamo, 2004
  63. 63. DESAFIOS E PROPOSTAS
  64. 64. CRIATIVIDADES, MAS…
  65. 65. “Não podemos resolverproblemas, utilizando omesmo tipo de pensamentoe práticas com que foramcriados” Albert Einstein (1879 – 1955)
  66. 66. LEITURAS
  67. 67. Compilação dos recursos enunciados no decurso da apresentação edisponibilizados para uso livre:Artigo sobre os Media Sociais, Luis BG, 2009 – UFPEnquadra a sociedade da informação e discute o potencial de rede e o seuimpacte para as relações entre indivíduosConclusões Fórum da Arrábida 2009 – APDSIPropõe uma reflexão de quais os elementos a considerar para computadores eredes auxiliarem na superação da criseEstudo sobre Governação, Abril de 2009 – APDSIConjunto de textos sobre o tema, que incluem uma introdução estruturada dosconceitos e um conjunto de reflexões temáticas sobre o conceito da governação eda sua aplicaçãoDisponibilização integral do texto de 3 livros publicados sobre temas conexos coma apresentaçãoE-book sobre Negócio Electrónico, 2006 – SPIE-book sobre e-local government, 2004 – SPIE-book sobre Sistemas de Informação, 2004 – SPI
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×