Jogos Eletrônicos
e
Violência
Nomes : Lucas Lopes nº25
Gabriel Lemos nº11
Sala : Beatles
Introdução
A linha de pensamento adotada pela
dupla é que os jogos não geram
violência, já que muitas pessoas jogam
jogos ...
Casos Famosos
Muitas pessoas acompanharam o mais
recente caso de violência que a mídia julgou
como tendo influência os jog...
Dados Científicos
Foi realizado um estudo pelo Dr. Cristopher
Ferguson e Dr. Stephanie Rueda em 2010, em
que mais de cem j...
Exemplos Pessoais

Nós começamos a jogar desde cedo jogos considerados
violentos, como Mortal Kombat , GTA e God of War, e...
Conclusão

Após apresentado os resultados da
pesquisa, visto o grande número de pessoas de
diversas “faixas” de idade que ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Jogos eletrônicos e violencia

125

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
125
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jogos eletrônicos e violencia

  1. 1. Jogos Eletrônicos e Violência Nomes : Lucas Lopes nº25 Gabriel Lemos nº11 Sala : Beatles
  2. 2. Introdução A linha de pensamento adotada pela dupla é que os jogos não geram violência, já que muitas pessoas jogam jogos considerados violentos e nem por isso elas cometem crimes, devemos analisar com um olhar crítico aquilo imposto pelos grandes meios de comunicação e consultar dados científicos antes de tirarmos uma conclusão.
  3. 3. Casos Famosos Muitas pessoas acompanharam o mais recente caso de violência que a mídia julgou como tendo influência os jogos violentos. O caso do menino Marcelo Pesseghini de 13 anos repercutiu nos telejornais, os quais afirmaram que o jovem matou seus pais e alguns outros parentes devido à má influência causada pelo jogo Assassin’s Creed. O fato é que a mídia apenas impõe que os jogo geram violência, mas não defendem suas hipóteses com argumentos muito válidos.
  4. 4. Dados Científicos Foi realizado um estudo pelo Dr. Cristopher Ferguson e Dr. Stephanie Rueda em 2010, em que mais de cem jovens foram separados em três grupos: não jogadores de jogos ; jogadores de jogos não violentos; e jogadores de jogos violentos. Depois foi analisado a reação de cada grupo ao tentar executar uma tarefa frustrante e impossível. Após os resultados, os cientistas chegaram à seguinte conclusão: “Os jogos eletrônicos não tiveram nenhum impacto no comportamento agressivo dos jovens, inclusive o grupo de não jogadores foi aquele que teve a
  5. 5. Exemplos Pessoais Nós começamos a jogar desde cedo jogos considerados violentos, como Mortal Kombat , GTA e God of War, e jogamos até hoje. Esses são jogos considerados violentos, mas nem por isso temos algum tipo de comportamento violento, na verdade acaba ocorrendo o contrário. Mesmo matando e roubando nos jogos, conseguimos diferenciar isso da vida real, e acreditamos que não há nenhuma dificuldade nisso para pessoas mentalmente normais, pois aquela é uma realidade fictícia,um outro mundo que não existe, e por isso sabemos que o que acontecia nos jogos era de mentira, por isso a violência nos jogos nunca nos impactou,e cremos que ela não impressiona facilmente crianças, pois elas estão um tanto desconectadas da violência na vida real. Analisando o passado, em relação aos “jogos violentos ” chegamos à
  6. 6. Conclusão Após apresentado os resultados da pesquisa, visto o grande número de pessoas de diversas “faixas” de idade que jogam jogos, sejam violentos ou não e a nossa realidade apresentada a respeito dos jogos, é possível afirmar claramente que os jogos não geram violência, devemos apenas “ver o outro lado da moeda” e não acreditar somente naquilo que é dito pela comunicação de massa, já que a sociedade não é totalmente igual, sabemos que a mídia geralmente impõe seus preconceitos e tentam fazer com que todos sejam alienados, além de que devemos lembrar que
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×