Tradução literária ii

  • 817 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
817
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
28
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Em inglês não haveria essa ambiguidade: o auto usaria who para o cineasta e which para a obra.
  • O Past Perfect, p.ex., por indicar uma ação q aconteceu antes de outra também já passada, corresponde ao nosso pretérito-mais-que-perfeito do indicativo

Transcript

  • 1. Universidade Gama Filho Pós-Graduação em Tradução de Inglês outubro 2012
  • 2. Mercado editorial brasileiro Global Map of Publishing Markets 2012 / Mapa Global de Mercados Editoriais 2012 Brasil ocupa 9ª posição com um valor de mercado ao consumidor final estimado em 2,54 bilhões de euros. Atrás da Espanha e à frente da Índia, o mercado brasileiro aparece consolidado como o maior da América Latina. Uma observação importante é a forte participação do governo brasileiro no faturamento das editoras – em 2011 ela ficou em 28,7%. Blog do PublishNews - 08/10/2012 - Por Carlo Carrenho
  • 3. Mercado editorial brasileiro  58.192 títulos produzidos, sendo  20.405 primeiras edições, das quais  4.686 são obras traduzidas, o que corresponde a  cerca de 12 livros traduzidos lançados a cada dia, dos quais  mais de 60% têm o inglês como idioma original  existem cerca de 500 editoras ativas no país Dados referentes a 2011, fonte: SNEL
  • 4. Tradução  tradução interlingual reformulação de uma mensagem num idioma diferente daquele em que foi concebida INGLÊS > PORTUGUÊS
  • 5. Tradução  em latim, traducere é levar alguém pela mão para o outro lado, para outro lugar  quem leva é o tradutor  mas quem ele leva?
  • 6. Tradução  o tradutor tem a função de transpor para um novo universo  o autor e sua obra  o leitor
  • 7. Tradução “[...] uma das mais importantes razões de ser da tradução [é] permitir às pessoas formular ideia sobre a maneira de viver e sentir das que vivem em outras partes do mundo.” [Paulo Rónai. A tradução vivida, p.50]
  • 8. Tradução não é mera substituição de palavras de uma língua por palavras equivalentes em outro idioma as palavras não possuem sentido isoladamente, mas dentro de um contexto, e por estarem dentro desse contexto
  • 9. Tradução A diferença entre a denotação de uma palavra e sua conotação é muito significativa em tradução. Nem sempre o problema é saber o q uma palavra designa – a denotação –, e sim como as pessoas reagem a ela – isto é, sua conotação. [Eugene Nida apud Rónai, A tradução vivida, p.50, rodapé 14]
  • 10. Tradução As mesmas palavras, a mesma estrutura, diferentes significados: She made Harry a good wife. She made Harry a good husband. She made Harry a good cake. She made Harry a cuckold.
  • 11. Tradução O tradutor é como um filtro colocado entre o autor e o leitor – é aquele que torna compreensível aquilo que antes era ininteligível Um bom tradutor serve a dois senhores – ao autor e ao leitor “O problema central da tradução consiste em manter o sentido.” [Erwin Theodor.Tradução: ofício e arte. Cultrix/Edusp, 1976. p.15]
  • 12. Tradução Traduzir significa transferir o conteúdo de um texto com os meios próprios de outra língua Na tradução literária, a equivalência informativa deve ser acompanhada de correspondência formal, pois a obra de arte só se mantém se, além de conservarmos as ideias, preservarmos o condicionamento estético que presidiu sua confecção
  • 13. Tradução  atividade seletiva e reflexiva  pois existem ambiguidades tanto no idioma de partida quanto no idioma de chegada  a noção de fidelidade está ligada aos usos e estruturas do idioma de chegada e não à aderência às palavras da língua de partida
  • 14. Tradução editorial  é a tradução literária e suas variantes científica, técnica, comercial, informativa etc.  tipos de texto Ficção romances, contos, quadrinhos, teatro... Não-ficção culinária e gastronomia; artigos de jornal e revista; guias de viagem; textos de divulgação de história, física, biologia, matemática etc.; biografias e autobiografias...
  • 15. Trabalho do tradutor  6h/dia  entre 2 e 3 laudas/hora  lauda = 2100 caracteres (350 palavras + 10%)  entre 7 e 8 laudas finais/dia  remuneração = entre R$20 e R$35/lauda  Sintra - Sindicato Nacional dos Tradutores, valores praticados em 2012: Tradução literária R$26,00/lauda + direitos autorais* Tradução ING>PORT R$0,26/palavra Versão PORT>ING R$0,35/palavra
  • 16.  mesa e cadeira adequadas – ergonômicas  bola Pilates (de acordo com sua altura) – para a coluna!  monitor LCD – o ideal é um para o texto e outro para pesquisa – mínimo 20”  teclado de longo curso  no break com 3h de autonomia  suporte para livros – sugestão marca Yes  Power Ball – contra LER, tendinites e afins Trabalho do tradutor
  • 17. 1. Original  Leitura e análise  pesquisa sobre a obra e o autor  referências e citações Trabalho do tradutor
  • 18. Trabalho do tradutor 2. Tradução a transposição de um idioma a outro; a transposição de um universo cultural a outro; a mudança de estrutura CONTEÚDO & FORMA
  • 19. Trabalho do tradutor 3. Cotejo  coerência entre original e tradução : estilo de época; estilo de autor – vocabulário e registro  repetições e supressões  ordenação da frase  referente  polissemia  falsos cognatos  supressão de possessivos e pronomes
  • 20. Trabalho do tradutor 4.Revisão e leitura final  independência do original : fluência do idioma de chegada – a tradução não pode ser um texto que revele a estrutura do idioma de partida
  • 21. Trabalho do tradutor  Estratégias para leitura final : leitura em voz alta; leitura por parágrafo, de trás para frente; revisar o trabalho da véspera; fechar um capítulo e revisar o anterior. toda REVISÃO RADICAL GERA UM NOVO TEXTO que deverá ser revisado como se fosse uma 1ª versão a leitura final é uma LEITURA, portanto nessa fase a interferência deve ser mínima
  • 22. Problemas na tradução 1. Insuficiente domínio do idioma de partida 2. Insuficiente domínio do idioma de chegada 3. Correspondências insuficientes entre os dois idiomas 4. Imperfeição intrínseca de cada idioma
  • 23. alguns exemplos que, sem dúvida, não esgotam o tópico...
  • 24. Problemas na tradução 1. ordenação  Ele chegou de trem à Alemanha.  Ele chegou de trem ontem pela manhã por volta das nove horas, acompanhado por sua namorada, à Alemanha. – onde se chega deve estar colado ao verbo
  • 25. Problemas na tradução 2. ambiguidade  Ele conhece bem a obra do cineasta John Ford, que todos admiram. – quem é admirado, a obra ou o cineasta? – é muito comum a ambiguidade provocada pelo pronome relativo “que”  Ele disse que gostava muito de sua irmã. – irmã de quem? De quem fala ou da pessoa com quem ele fala?
  • 26. Problemas na tradução 3. excesso de subordinação “A vítima do assédio moral é isolada do grupo, passando a ser hostilizada, ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada e desacreditada diante de seus pares, sendo que os mesmos, atemorizados pelo medo do desemprego e pela vergonha de serem também humilhados, associado ao estímulo constante e continuado à competitividade, rompem os laços afetivos com a vítima e, frequentemente, reproduzem e reatualizam ações, atos e comportamentos do agressor no ambiente de trabalho, instaurando o pacto da tolerância e do silêncio coletivo, enquanto a vítima vai gradativamente se desestabilizando e fragilizando, perdendo sua auto-estima.”
  • 27. Problemas na tradução 4. gerúndio  Making friends and influencing people Fazendo amigos e influenciando pessoas vs. Como fazer amigos e influenciar pessoas
  • 28. Problemas na tradução 5. subjuntivo  It’s important that he does all the exercises.  É importante ele fazer todos os exercícios.  É importante que ele faça todos os exercícios. O subjuntivo é um modo verbal que vem desaparecendo nas traduções do inglês para o português
  • 29. Problemas na tradução 6. polissemia – aqui é o lugar da desconfiança!  She looked through the window and saw the red brick sleeping policeman in front of her house  Ela olhou pela janela e viu a estátua do policial adormecido, feita em tijolos vermelhos, bem em frente à sua casa.
  • 30. Problemas na tradução tradução correta: Ela olhou pela janela e viu o quebra-molas [feito] de tijolos vermelhos bem em frente à sua casa
  • 31. Problemas na tradução 6. ainda polissemia  He eased the vehicle over to the shoulder and draped one arm over the wheel  Ele aliviou o veículo pelo ombro e agarrou o volante com o braço.
  • 32. Problemas na tradução tradução correta: Ele conduziu o veículo pelo acostamento, parou o carro e apoiou o braço no volante SHOULDER 8. the strip of unpaved land that borders a road [World English Dictionary, Collins] in: http://dictionary.reference.com/
  • 33. Problemas na tradução 7. expressões idiomáticas  Ele queima o óleo da meia-noite em casa to burn the midnight oil = trabalhar ou estudar até altas horas, “queimar as pestanas”  Nós somos como duas ervilhas numa vagem like two peas in a pod = ser muito parecidos e inseparáveis, “como unha e carne”
  • 34. Problemas na tradução 8. falsos cognatos  Actually, I don’k drink very much. Atualmente, eu não bebo muito. Na verdade, eu não bebo muito.  Eventually we will all die. Eventualmente, morreremos todos. Ao fim e ao cabo, morreremos todos
  • 35. Problemas na tradução 9. possessivos  I raised my arm and asked the teacher if I could move my chair closer to the board.  Eu levantei meu braço e perguntei ao professor se podia mover minha cadeira para mais perto do quadro.  Levantei o braço e perguntei ao professor se podia mover minha cadeira para mais perto do quadro.
  • 36. Problemas na tradução 11. emprego  He made a mistake.  Ele fez um erro → Ele cometeu um erro.  When Peter saw the lights, he realised Jane was already at home.  Quando Peter viu as luzes, realizou que Jane já estava em casa → Ao ver as luzes, Peter se deu conta de que Jane já estava em casa.
  • 37. Problemas na tradução 10. referente não perca de vista quem é o sujeito da ação; fique atento às concordâncias verbais e nominais; atenção aos pronomes demonstrativos.
  • 38. Problemas na tradução 11. pronomes  I decided to go alone. I thought this would be the best thing to do. It was long ago since I last saw him, so I was not sure what reaction I should expect from him. em português, a flexão já indica a pessoa – cuidado com o excesso, especialmente no caso da 1ª pessoa, singular ou plural
  • 39. Problemas na tradução 12. negativas & afirmativas “Mary tried to reach Peter on his mobile. Each time she got the message that the subscriber could not be reached” Mary tentava falar com Peter pelo celular. A cada tentativa, ouvia a mensagem que informava que o assinante estava fora da área de cobertura.
  • 40. Problemas na tradução 13. verbos não há equivalência entre o sistema verbal dos dois idiomas – inglês e português certos tempos verbais existente em português não têm equivalente em inglês, e vice versa, sendo traduzidos por mais de um tempo verbal, de acordo com o contexto – pretérito imperfeito do indicativo – Present Perfect
  • 41. Problemas na tradução 14. expressões idiomáticas e convencionais  expressões convencionais – significado transparente  expressões idiomáticas – significado codificado, diferente do significado de suas partes integrantes
  • 42. Sobre tradução, em português 1. BRITTO, Paulo Henriques. A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012. 2. RÓNAI, Paulo. A tradução vivida. 2ª edição ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. 3. THEODOR, Erwin. Tradução: ofício e arte. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1976. 4. ARROJO, Rosemary. Oficina de tradução: a teoria na prática. 4ª edição, São Paulo: Ática, Série Princípios, 1999. 5. BRITTO, Paulo Henriques. “Tradução e criação” Cadernos de tradução. UFSC, n. IV, 1999. p.239-62. disponível em www.periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/5534/4992
  • 43. Sobre tradução, em inglês 1. LANDERS, Clifford E. Literary translation: a practical guide. Clevedon (UK): Multilingual Matters, 2001. 2. STEINER, George. After Babel: aspects of language and translation. London: Oxford University Press, 1975.
  • 44. Dicionários 1. Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011. 2. Webster’s Third New International Dictionary of the English Language. Chicago: Merriam/ Encyclopædia Britannica, 1976. 3. AZEVEDO, Francisco Ferreira dos Santos. Dicionário analógico da língua portuguesa (ideias afins). DF: Editora de Brasília, 1974. 4. MCARTHUR, Tom. Lexicon of Contemporary English. Harlow (UK): Longman, 1981. 5. Dicionário eletrônico Webster Inglês-Português/Português- Inglês
  • 45. Dicionários 6. SERPA, Oswaldo. Dicionário escolar inglês- português/português-inglês. 4ª edição, Brasília: MEC, 1964. 7. http://dictionary.reference.com/ 8. http://www.urbandictionary.com/ 9. LUFT, Celso Pedro. Dicionário prático de regência nominal. 4ª edição, São Paulo: Ática, 2006. 10. LUFT, Celso Pedro. Dicionário prático de regência nominal. 8ª edição, São Paulo: Ática, 2006
  • 46. Sobre escrita e linguagem 1. GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27ª edição atualizada, Rio de Janeiro: FGV, 2010. 2. VANOYE, Francis. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. (tradução e adaptação de Clarisse Madureira, Sabóia). 4ª edição, São Paulo: Martins Fontes, 1983.
  • 47. Sobre literatura 1. LODGE, David. A arte da ficção. (Trad. Guilherme da Silva Braga) Porto Alegre: L&PM Pocket, 2010. 2. MESQUITA, Samira Nahid de. O enredo. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1986. 3. LEITE, Ligia Chiappini Moraes. O foco narrativo. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1985. 4. BRAIT, Beth. A personagem. 2ª edição, São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1985.
  • 48. Sobre literatura 1. CADEMARTORI, Lígia. Períodos literários. 9ª edição, São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 2002. 2. SANT’ANNA, Afonso Romano. Paródia, paráfrase & cia. 7ª edição, São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 2003. 3. CEVASCO, Ma Elisa & SIQUEIRA, Valter Lellis. Rumos da literatura inglesa. 5ª edição, São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1999.
  • 49. Usos da língua, português 1. BACCEGA, Maria Aparecida. Concordância verbal. 3ª edição, São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 2002. 2. HAUY, Amini Boainain. Vozes verbais: sitematização e exemplário. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1992. 3. BOMFIM, Eneida. Advérbios. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1988. 4. CARVALHO, Nelly. Empréstimos linguísticos. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1989
  • 50. Usos da língua, inglês 1. TAGNIN, Stella Ortweiler. Expressões idiomáticas e convencionais. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1989. 2. SIQUEIRA, Valter Lellis. O verbo inglês: teoria e prática. São Paulo: Editora Ática, Série Princípios, 1987. 3. SANTOS, Agenor Soares dos. Guia prático de tradução inglesa: comparação semântica e estilística entre cognatos de sentido diferente em inglês e português. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1981. 4. Phrasal verbs: http://www.englishclub.com/vocabulary/phrasal-verbs- list.htm