Seminário ethos tucano

  • 61 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
61
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. DISCURSO, TOM e CARÁTER: uma análise do ethos tucano (Dissertação de Mestrado de Fabiana Miqueletti. IEL/Unicamp, 2002) Apresentação: Bruno Sampaio Garrido Disciplina: Produção de Sentido e Alteridade Docente: Profª. Dra. Marina Célia Mendonça
  • 2.  Capítulo analisado: “Tucanos, 'mal-entendidos' e a modalização autonímica (capítulo 3).  Objetivos da autora no capítulo: analisar as formas de heterogeneidade mostrada no discurso e do ethos. Estudar os mal-entendidos no discurso e as formas do enunciador em corrigir “erros de interpretação”, isto é, em tentar fixar o sentido em meio a outros possíveis (não-coincidência com a palavra consigo mesma).  Estratégias usadas: formas metaenunciativas e sinais de pontuação (aspas). Percurso de Análise
  • 3. Fundamentação teórica  Fundamentação teórica principal: interincompreensão constitutiva do discurso e construção da polêmica (MAINGUENEAU, 1997; 2008) e formas de heterogeneidade mostrada (AUTHIER-REVUZ, 1990; 1998).  Interincompreensão: reação de um enunciador, inserido em uma determinada formação discursiva (FD), a outro dizer – referente a outra FD.  Discurso em questão: modelo desenvolvimentista de “modernização” do PSDB, iniciado no governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2003).
  • 4. Fundamentação teórica  Cenografia do discurso tucano: identidade social sinalizada pelo comportamento verbal, a qual deve ser compatível com o mundo a ser construído no enunciado – espaço do interdiscurso – e, a partir daí, legitima o ethos enunciativo.  Termos debatidos nesse capítulo: “o caso de 'Caipiras'”, “o caminho do meio: desvio à direita”, “nacionalismo”, “esquerda” e “fisiologismo e política”.
  • 5. “Caipiras”
  • 6. “Caipiras”
  • 7. “Caipiras”  “Caipira”: Palavra marcada, com efeitos de sentido cristalizados.  Sentido normalmente atribuído: ignorante, atrasado, ingênuo.  Sentido usado por FHC: provinciano, fechado.  Significados em oposição: brasileiros fechados, provincianos X governantes cosmopolitas, sábios.  Polêmica: Intelectual que não conhece a realidade do povo, estrangeiro no próprio país (saber formal X saber experimental).  Ethos: remete a uma maneira de ser (caráter).  Ethos no discurso: sociólogo que analisa criticamente o país, com competência e legitimidade para tal. Entretanto, não escapa a um tom assertivo e arrogante.
  • 8. “O caminho do meio: desvio à direita”
  • 9. “O caminho do meio: desvio à direita”
  • 10. “O caminho do meio: desvio à direita”  Termo em questão: “política industrial” - é também uma palavra marcada.  Sentido normalmente atribuído: intervencionismo estatal, industrialização induzida pelo Estado, movida a “aumento de tarifa, renúncia fiscal e juros subsidiados” (“velha política industrial”).  Sentido usado por FHC: política industrial progressista, movida pela competição, com transparência e sem intervenção excessiva do Estado (cronografia – oposição velho X novo).  Deslocamento de sentidos em um mesmo termo: marcação de alteridade como forma de demostrar rejeição a um conteúdo, distanciamento.  “Velha política industrial”: atribuído à oposição (atraso).
  • 11. “Nacionalismo”
  • 12. “Nacionalismo”
  • 13. “Nacionalismo”  “Nacionalismo”: Termo ressignificado, assim como o anterior – em seu sentido normalmente atribuído, soaria anacrônico.  Sentido normalmente atribuído: aparelhamento estatal, Estado- empresário, gestor da economia, “não-sadio”, “botocudo”, “aquele que olha para trás”.  Sentido usado por FHC: Estado incentivador e estimulador da produção de riquezas pelas indústrias - “está ao lado da História”, “aberto”.  Discurso tucano: em prol de um nacionalismo moderno, condizente com os tempos atuais, e não um “nacionalismo velho e encarquilhado” (atribuído ao discurso da oposição).  Internacionalização da economia: fato gerador desse deslocamento de sentido – o discurso do nacionalismo “velho” esvaneceu-se.
  • 14. “Esquerda”
  • 15. “Esquerda”
  • 16. “Esquerda”
  • 17. “Esquerda”
  • 18. “Esquerda”  Uso constante da modalização autonímica – formas de comentar o próprio dizer como forma de provocar um efeito de distanciamento entre elementos de formações discursivas distintas (com sentidos pertencentes a essas FDs), sem, contudo, romper com a ordem sintática.  Construção de identidades: Presidente FHC e grupos esquerdistas.  Sentido histórico de “direita”: grupos político-ideológicos de tendência conservadora, cuja preocupação é a defesa da “ordem social”, do status quo.  Sentido rotulado: grupos elitistas, contrários ao fim das desigualdades sociais.
  • 19. “Esquerda”  Sentido histórico de “esquerda”: grupos político-ideológicos de tendência reformista ou revolucionária, cujo objetivo é provocar transformações no cenário social – ruptura do status quo.  São conceitos que não são absolutos, mas historicamente relativos (BOBBIO, 1995) e que podem, no curso histórico, até mesmo se inverter (esquerdas conservadoras/direitas reformistas).  Uso de esquerda entre aspas, por FHC (não-coincidência das palavras consigo mesmas): esquerda que não é esquerda, isto é, uma esquerda contrária a mudanças e, portanto, contra o desenvolvimento do Brasil.
  • 20. “Esquerda”  Outras possibilidades de reformas não são postas em discussão: polarização entre duas propostas.  Proposta de FHC: proposta social-democrata, com posição tida como reformista, inovadora, que rompa com a “velha” direita e a “velha” esquerda.  Proposta da esquerda: chamada de neoliberal, por promover a falência gradual do Estado (ao ser contrária às reformas) e vinculada a um modelo econômico-político fracassado (socialismo)  Metadiscurso e uso de aspas, ao usar a palavra “esquerda”: procura deslegitimar a esquerda, ao trazer discursos oriundos de outras FDs e ressignificá-los.
  • 21. “Esquerda”  Ethos do novo social-democrata: prevê a participação do Estado para melhorar a vida das pessoas ao fomentar condições que levem as empresas a inovar e os trabalhadores a se tornarem mais eficientes, e não mais oferecendo subsídios às empresas ou proteção às pessoas – construção de uma posição intermediária entre “direita” e “esquerda”.  Ethos controverso: posiciona-se como vanguardista, mas apaga ou desqualifica posicionamentos diferentes dos que prega – autoritarismo.
  • 22. “Fisiologismo e Política”
  • 23. “Fisiologismo e Política”  Dupla marcação de sentidos: as formas de designar o referente (política e fisiologismo) testemunham o encontro de dois enunciadores. Formas e posições diferentes de se dizer a mesma coisa.  Primeiro enunciador: troca de cargos por apoio (fisiologismo)  Segundo enunciador: distribuir posições entre os apoiadores (política).  Os especificadores “normal” e “perverso” são reconhecidamente sustentados por uma voz tucana.  Tucanos leem política onde os não entendidos leem fisiologismo – desqualificação de vozes contrárias.
  • 24. “Fisiologismo e Política”  Política: sentido normal, ligado à necessidade de constituir alianças, em prol de uma “governabilidade” – entendido como algo “moderno”.  Fisiologismo: sentido negativo, ligado ao “loteamento” de cargos públicos a aliados e apadrinhados políticos – entendido como algo “atrasado”.  Recurso a Max Weber: reforço de autoridade enunciativa, argumento de autoridade que busca não apenas fundamentar o discurso, mas legitimar o ethos (homem de ciência, representante de ideias da modernidade).