Uma Visão do Mundo Daqui a Dois Anos - SXSW e TED 2013

  • 683 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
683
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
32
Comments
0
Likes
4

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Pelo  terceiro  ano  seguido,  enviamos  alguns  de  nossos  profissionais  para  Austin,  no  Texas,  para  beber  na  fonte  do  SXSW,  evento  de  interatividade,  música  e  cinema.  A  cidade  reúne,  em  pouco  mais  de  uma  semana,  pessoas  que  estão  a  frente  das  grandes  transformações  que  acontecem  no  mundo  da  tecnologia  e  da  economia  criativa.  É  lá  que  nasceram  ferramentas  como  Twitter,  Foursquare,  entre  muitas  outras. É  tanto  conteúdo  relevante  e  importante  para  os  negócios,  que   achamos  que  não  vale  a  pena  ficar  só  conosco.  Por  isso,  na  edição  de  2013,  fizemos  uma  cobertura  especial  para  o  jornal  Meio&Mensagem  para  apresentar  aos  que  não  puderam  participar  do  festival  as  principais  ideias  discutidas  por  lá.  Desta  proposta,  nasceram  seis  artigos  repletos  de  referências  e  novidades  das  melhores  palestras  e  encontros  vividos  pelo  nosso  time  durante  o  SXSW  2013.Equipes  LiveAD  e  Profile
  • 2. Bem-vindos ao SXSW 2013 A   pequena   Austin,   no   Texas,   é   um   oasis   de   cultura   independente,   produção   artística   e   tecnológica.   Nela   acontece   todos   os   anos   o   South   by   Southwest   (SxSw),  que  começou  como  festival  de  música  e  hoje  abriga  cinema  e  interativi-­ dadePor  Lucas  Mello  (*)"Everything  is  bigger  and  better  in  Texas"  (tudo  é  maior  e  melhor  no  Texas).  É  assim  que,  carin-­hosamente,  os  texanos  se  referem  ao  seu  estado  em   um   ditado   popular   conhecido   nos   quatro  cantos   dos   Estados   Unidos.   Mas,   além   dos  famosos   ranchos,   dos   xerifes   que   vemos   em  filmes  e  do  excelente  churrasco  que  simbolizam  esse   famoso   estado   americano,   é   no   Texas,   em  uma  pequena  cidade  chamada  Austin,  que  acon-­tece  um  dos  maiores  eventos  de  interatividade,  cinema  e  música  do  mundo:  o  South  by  Southwest,  ou  SxSw,  como  é  mais  popularmente  conhecido.Mas,  para  os  americanos,  Austin  não  é  um  exemplo  de  cidade  texana.  Com  uma  atmosfera  jovem,   forte   cultura   hipster   e   extremamente   vibrante,   essa   pequena   cidade   se   tornou  referência  em  tecnologia  há  29  anos,  quando  a  Dell  lá  foi  criada.  Em  paralelo,  por  conta  das  universidades  locais,  Austin  já  reunia  milhares  de  jovens  ávidos  por  se  expressarem  por   meio   da   música   e   do   cinema   em   produções   independentes   que,   aos   poucos,   foram  ganhando  fama  e  espaço  no  território  americano.  Ao  contrário  da  aura  conservadora  do  Texas,  formou-­se  um  oásis  de  cultura  independente,  produção  artística  e  tecnológica  num  dos  mais  improváveis  espaços  dos  Estados  Unidos.Mas  foi  em  1987  que  uma  pessoa  chamada  Roland  Swenson  decidiu  organizar  um  festival  de   música   para   reunir   todas   as   bandas   locais.   Acontecia,   então,   a   primeira   edição   do  SxSw,   que   aos   poucos   foi   incorporando   cinema   e   interatividade   como   novos   temas,  formando  um  evento  de  características  únicas  por  reunir  indústrias  tão  separadas,  mas  que  cada  vez  mais  se  integram  por  conta  dos  avanços  da  era  digital.Essa  combinação  de  talentos  e  conhecimentos  criou  um  dos  maiores  eventos  da  atuali-­dade,   com   mais   de   cinco   mil   atividades   entre   shows,   palestras,   sessões   de   autógrafo   e  feiras  de  música  e  tecnologia.  Tudo  isso  em  um  pouco  mais  de  uma  semana.  Um  volume  imenso   de   informação   que   faz   com   que   as   experiências   de   cada   participante   do   evento  sejam  completamente  diferentes  umas  das  outras.Diz-­se  que  foi  no  SxSw  que  empresas  como  o  Foursquare  e  o  Twitter  foram,  de  fato,  apre-­sentadas  ao  público  pela  primeira  vez.  Não  há  como  negar  que  o  encontro  de  tanta  diversi-­dade  seja  o  momento  e  o  local  propícios  para  lançamentos  de  startups  e  criação  de  ideias  que,  em  alguns  anos,  irão  se  transformar  em  empresas  ou  produtos  de  sucesso.
  • 3. Ao   contrário   do   Cannes   Lions,   o   SxSw   não   reúne   necessariamente   grandes   nomes   da  propaganda  mundial.  Mas  reúne  pessoas  que  estão,  de  alguma  forma,  moldando  o  futuro  dos  negócios  através  da  criação  de  empresas,  ferramentas  e  pensamentos  que  transfor-­mam  radicalmente  a  nossa  forma  de  ver  o  mundo  e  as  vidas  e  os  hábitos  de  milhões  de  pessoas.   Foi   por   isso   que,   em   2011,   decidimos   colocar   o   SxSw  no  calendário  oficial  de  eventos  da  LiveAD.   Ainda   naquele   ano   inscrevemos   um   projeto   da   agência   chamado   “Bovap”   (a   Bolsa   de   Valores   Políticos  criada  para  a  corretora  Souza  Barros,  que   no   mesmo   ano   ganhou   um   Leão   de   Prata   em   Cannes)   no   Interactive   Award,   um   festival   que   premia   as   melhores   iniciativas   interativas   do   mundo.  O  trabalho  foi  o  único  projeto  brasileiro  da  A  LiveAD  marca  presença  no  SxSw  desde  2011.  Neste   história  a  ser  colocado  entre  os  finalistas  na  catego-­ano,  a  equipe  terá  Lucas  Mello,  CEO  da  agência,  e  mais  seis  pessoas. ria  “Ativismo”.  A  partir  daí,  voltamos  todos  os  anos   para   Austin,   levando   sempre   o   maior   número  possível  de  profissionais  para  que  consigamos  absorver  o  máximo  desse  conhecimento  e  depois  compartilhar  isso  com  os  times  da  agência  e  aplicar  novas  visões  nos  projetos  de  nossos  clientes.Esse  ano  vamos  marcar  presença  com  sete  pessoas  da  LiveAD  e  faremos  uma  cobertura  exclusiva  para  o  Meio  &  Mensagem.  Compartilharemos  com  vocês  os  melhores  momentos  do   dia   que   conseguirmos   captar,   dentre   as   centenas   de   palestras   e   debates.   O   evento  começa  nesta  sexta-­feira,  8,  e  grandes  palestrantes  como  Scott  Belsky  (CEO  da  Behance),  Sean  Parker  (fundador  do  Napster,  Causes  e  Airtime)  e  Brian  Chesky  (fundador  e  CEO  do  Airbnb)   já   estão   confirmados.   Esperamos   conseguir   transmitir   a   todos   pelo   menos   um  pouco  da  inspiração  e  conhecimento  que  o  festival  nos  gera  todos  os  anos.  Sejam  todos  bem-­vindos  ao  SxSw  2013.(*)  Lucas  Mello  é  CEO  da  LiveAD.  Ele  está  em  Austin,  junto  com  a  equipe  da  agência,  e  escreve  como  colaboração  para  Meio  &  Mensagem. Fonte: www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/noticias/2013/03/08/Bem-vindos-ao-SxSw-2013.html
  • 4. O primeiro dia da primeira vez No  SXSW  Interactive,  dois  destaques:  o  trabalho  da  Archicture  for  Humanity  e   a   importância   do   compartilhamento   de   dados,   na   análise   do   cofundador   da   Identified.  Tudo  na  ótica  de  Aline  Rossin,  da  LiveAD,  que  estreia  no  South  by   Southwest Por  Aline  Rossin  (*) Estava  difícil  controlar  a  ansiedade  para  chegar  a   Austin.  Depois  de  acompanhar  o  evento  à  distân-­ cia  por  meio  de  amigos  e  redes  sociais,  chegou  a   vez   de   conhecer   de   perto   esse   mundo   chamado   SXSW   (para   saber   mais   sobre   o   evento,   leia   "Bem-­vindos   ao   SXSW   2013";;   o   festival   une   música,  cinema  e  interatividade  e  este  ano  acon-­ tece  até  o  dia  17).O  SXSW,  que  acontece  em  Austin  até  o  dia  17  de  março,  se  divide  em  Música,  Cinema  e  Interatividade. A  cidade,  com  ruas  e  avenidas  largas  e  tranqui-­las,  se  volta  toda  para  a  região  central  onde  os  painéis,  palestras,  debates,  shows  e  perfor-­mances   acontecem.   A   quantidade   de   opções   é   algo   que   empolga   e   assusta   ao   mesmo  tempo.   Fico   feliz   por   ter   seguido   a   orientação   de   amigos   e   ter   feito   uma   programação  prévia  no  aplicativo  do  evento.No   primeiro   dia   do   SXSW   Interactive,   dois   momentos   merecem   ser   destacados.   A  palestra  de  Cameron  Sinclair,  fundador  da  Archicture  for  Humanity,  organização  sem  fins  lucrativos  que  reúne  arquitetos  ao  redor  do  mundo  para  reconstruir  lugares  afetados  por  desastres  naturais.Sinclair  falou  sobre  como  a  conexão  entre  pessoas  tem  um  poder  avassalador  em  momen-­tos   de   reconstrução   e   citou   casos   incríveis   pós-­Katrina,   Sandy   e   outras   manifestações  naturais,  que  mostram  como  a  união  da  comunidade  pode  transformar  e  fazer  tudo  voltar  a  ser  o  que  era  antes.  Na  verdade,  na  maioria  das  vezes,  voltar  a  ser  melhor  do  que  já  foi  um  dia.Cameron  salientou  a  importância  de  confiar  aos  membros  da  comunidade  a  liderança  dos  projetos   e   fazer   com   que   as   pessoas   se   envolvam   em   reconstruções   onde   um   interesse  pessoal  está  presente.  Um  exemplo  é  a  movimentação  feita  pelos  pais  de  escolas  haitianas  que  foram  destruídas  após  um  terremoto.  Eles  mesmo  ajudaram  a  construir  as  paredes,  pisos  e  teto  das  escolas  de  seus  filhos  juntamente  com  os  arquitetos.  “Certamente  os  pais  vão  querer  a  escola  mais  segura  para  os  seus  filhos.  Farão  tudo  com  o  maior  cuidado  e  carinho  possível”,  afirmou  Sinclair.Outro  destaque  foi  para  um  painel  sobre  banco  de  dados  e  gamification.  Pela  primeira  vez  os   dois   assuntos   foram   tratados   em   conjunto   e   o   objetivo   da   discussão   era   mostrar   o  quanto  estratégias  que  usam  ferramentas  de  jogos  podem  se  tornar  cada  vez  mais  podero-­sas  se  os  dados  informados  pelos  seus  jogadores  forem  interpretados  de  maneira  inteli-­gente  e  profunda.
  • 5. Para   Brendan   Wallace,   cofundador   da   empresa   Identified   e   um   dos   participantes   do   painel,   o   consumidor  nunca  forneceu  tantos  dados  da  vida   pessoal   e   profissional   de   maneira   voluntária   como   faz   hoje,   e   cabe   às   empresas   saber   interpretá-­los  e  usá-­los  para  que  seja  criada  uma   relação  de  longa  data  com  os  clientes. Wallace   destacou   como   o   Facebook   faz   uso   de  Brendan  Wallace,  da  Identified:  a  boa  interpretação  dos   ferramentas  de  jogo  e  citou  o  like  como  o  maior  dados  fornecidos  pelos  consumidores  vai  mudar  a   prêmio   desejado   atualmente   nas   redes   sociais.  maneira  como  se  planeja  o  marketing. Continua   dizendo   que,   se   há   dez   anos   alguém  perguntasse  se  espontaneamente  qualquer  um  de  nós  dividiria  dados  tão  pessoais  como  fotos   da   família,   restaurante   onde   está   almoçando,   local   onde   passamos   as   nossas  últimas   férias   e   inúmeros   outros   dados   que   compartilhamos   diariamente   em   nossas  redes,  certamente  a  grande  maioria  responderia  que  não.Dez   anos   depois,   o   Facebook   registra   um   upload   e   compartilhamento   de   bilhões   de  dados  como  esses  diariamente  em  países  de  todos  os  continentes.  Wallace  terminou  o  painel  dizendo  que  a  força  de  uma  boa  interpretação  das  informações  fornecidas  pelos  consumidores  vai  mudar  a  forma  como  se  faz  marketing  de  maneira  radical  nos  próxi-­mos  anos.*Aline   Rossin   é   diretora   de   atendimento   da   LiveAD   e   está   na   equipe   da   agência   que  acompanha  o  SXSW  em  Austin.  Ela  escreve  como  colaboração  para  Meio  &  Mensagem.Fonte: www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2013/03/11/O-primeiro-dia-da-primeira-vez.html
  • 6. De que fonte você bebe? Cannes ou SXSW? O  poder  das  pequenas  transformações  cotidianas,  o  equipamento  que  faz  leitura   3D  do  movimento  das  mãos  e  o  conceito  de  serendipidade  (conhece?).  Tudo  isso   foi  discutido  no  evento  de  Austin  e  pode  ser  importante  para  você Por  Mauro  Silva  (*) Logo  após  o  Festival  de  Cannes  do  ano  passado,  o   Meio   &   Mensagem   organizou   um   evento   para   estudantes  no  Mackenzie,  para  o  qual  fui  convidado   a   participar   de   um   painel.   Nessa   noite   expressei   uma   opinião   que   gerou   uma   certa   controvérsia.   Falei   que,   como   criativo   e   planejador   de   comuni-­ cação,  preferia  observar  o  que  acontecia  no  SXSW   do   que   em   Cannes.   E   expliquei   minhas   razões:  Apresentado  no  SXSW,  o  Leap  Motion  Controler  é  um  pequeno  gadget  que  está  na  etapa  de  pré-­compra  (vai   olhar   para   o   SXSW   é   como   olhar   para   o   futuro  custar  US$  79,99).  Com  o  aparelho,  é  possível  interagir  com  computadores  sem  usar  mouse  ou  touchscreens. próximo  e  olhar  para  Cannes  é  como  olhar  para  o   passado.   O   primeiro   é   um   evento   caótico.   O  segundo  é  um  evento  linear.  Ambos  são  muito  bem  organizados  e  muito  úteis  para  ser  um  bom  profissional  de  comunicação.  Mas  é  aqui  no  SXSW  que  você  enxerga  além  do  mer-­cado  da  propaganda  e  se  alimenta  das  disciplinas  que  estão  moldando  o  futuro.  Enfim,  é  como  viver  em  um  futuro  próximo  por  alguns  dias  (o  evento  acontece  em  Austin  até  17  de  março).  Tiny  habitsA  primeira  palestra  que  vi  no  dia  foi  do  BJ  Fogg,  o  cara  que  fez  uma  pesquisa  sobre  o  que  ele  chama  de  behavior  design  (design  de  comportamento).  Ele  fez  um  estudo  dos  hábitos  das  pessoas  e  observou  comportamentos  que  revelam  que  pequenos  alterações  de  hábitos  tem  mais  poder  transformador  do  que  grandes  mudanças.Por  que  isso  é  importante  para  mim  (e  talvez  para  você):Entender   esse   estudo   e   essa   lógica   contra-­intuitiva   é   um   passo   na   direção   de   entender  melhor  como  conduzir  projetos  de  comunicação  que  venham  a  construir  transformações  verdadeiras.   Essa   visão   extrai   a   ingenuidade   e   coloca   um   layer   técnico   em   todo   o  pensamentos   estratégico.   Acredito   que   quem   assimila   isso   tem   melhor   capacidade   de  chegar  em  ideias  relevantes.Dez  dedos,  duas  mãos  e  um  enorme  salto?Outro   painel   interessante   foi   com   os   fundadores   da   empresa   chamada   Leap   Motion  (www.leapmotion.com),  que  está  lançando  o  Leap  Motion  Controler,  um  pequeno  gadget  que  está  na  etapa  de  pré-­compra  (vai  custar  US$  79,99).  Eles  apresentaram  o  produto  e  a  sua   visão   de   como   as   pessoas   podem   interagir   com   computadores   sem   usar   mouse   ou  touchscreens.
  • 7. O   produto   deles   faz   uma   leitura   3D   das   mãos   do   usuário   (e   de   quaisquer   apetrechos   que   essa   pessoa  estiver  usando)  e  faz  com  que  esses  movi-­ mentos  captados  sejam  traduzidos  em  comandos.   Interessante  é  que  tem  precisão  tanto  para  peque-­ nos  quanto  para  grandes  movimentos.  Então  isso   acaba  sendo  algo  que  pode  ter  usos  muito  variados   e  até  surpreendentes. Por  que  isso  é  importante  para  mim  (e  talvez  para  Leap  Motion  Controler,  aparelho  que  faz  uma  leitura  3D  das  mãos  do  usuário  e  "traduz"  os  movimentos. você):Eu  sinceramente  ainda  não  sei.  Mas  acho  que,  em  algum  momento,  essa  tecnologia  vai  surgir  na  minha  cabeça  e  poderá  ser  um  ingrediente  interessante  na  composição  de  um  projeto  de  comunicação.  Está  ligado  a  serendipidade,  ou  seja,  algo  de  bom  pode  acontecer  para  aqueles  que  estiverem  atentos  e  lerem  os  sinais.  Afinal,  cada  inovação  tecnológica  gera  um  novo  universo  de  possibilidades.  SerendipidadeAno   passado   existiram   diversos   painéis   sobre   esse   conceito   que   é   um   dos   mais   impor-­tantes  da  atualidade  (entenda  um  pouco  sobre  isso  aqui).  Esse  ano  ele  não  foi  tema  de  muitas  palestras,  talvez  por  já  ter  sido  assimilado  pela  comunidade  que  vem  ao  evento.  Mas  ele  vem  com  todo  peso  quando  o  diretor  geral  do  evento,  Hugh  Forrest,  sobe  no  palco  principal  e  invoca  o  comportamento  que  ele  acredita  ser  o  mais  desejado.  A  orientação  que  ele  dá  é  a  seguinte:  “Abandone  seus  amigos.  Aproxime-­se  de  estranhos.  Converse  com  eles  e  permita-­se  ser  surpreendido.  O  SXSW  tem  tudo  a  ver  com  serendipidade”.Por  que  isso  é  importante  para  mim  (e  talvez  para  você):Quem  trabalha  com  comunicação  sabe  o  valor  de  ter  o  comportamento  de  esponja,  que  nos  permite  assimilar  muita  coisa  e  criar  repertório  vasto  para  então  usar  de  forma  cria-­tiva.   Pois   entender   e   viver   na   serendipidade   é   uma   forma   mais   evoluída   de   ser   uma  esponja.  Não  se  trata  apenas  de  assimilar  conhecimento.  Trata-­se  também  de  se  colocar  em   situações   que   não   necessariamente   tem   algo   exato   para   ser   extraído,   mas   que,   por  algum  motivo  impensável,  talvez  possa  trazer  algo  realmente  novo  e  surpreendente.  Acho  que  isso  tem  um  valor  enorme  para  todos  que  estão  envolvidos  com  pensamento  criativo  e  inovação.(*)  Mauro  Silva  é  vice-­presidente  de  planejamento  e  criação  da  LiveAD.   Fonte: www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2013/03/12/De-que-fonte-voce-bebe-.html
  • 8. Qualquer pessoa guarda um hacker dentro de siNo  quarto  dia  do  SXSW,  destaque  para  as  palestras  do  Dennis  Crowley,  cofun-­dador   do   Foursquare;;   Scott   Belsky,   fundador   e   CEO   do   Behance   Network;;   e  Stephen  Wolfram,  criador  do  sistema  Wolfram|Alpha (*)  Por  Tiago  Pereira Antes  de  falar  dos  grandes  nomes  que  passaram   por  aqui  na  segunda-­feira  11,  queria  compartilhar   essa  mensagem  que  vi  em  uma  pequena  palestra   feita  pelo  pessoal  da  Technology  Will  Save  Us  na   Hackney   House:   "We   (and   you)   are   hackers".   Essa   frase,   que   a   princípio   parece   um   pouco   generosa   demais,   começa   a   fazer   todo   o   sentido   quando  você  conhece  alguns  projetos  e  iniciativas  SXSW:  qualquer  um  pode  ser  hacker  ou  como  ter  agressividade  construtiva  em  relação  ao  tudo incríveis   que   foram   feitas   por   pessoas   comuns,   que   não   se   consideram   hackers,   tipo   eu   e   você.  Um   deles   é   o   IkeaHackers   -­   uma   comunidade   que   reúne   pessoas   que   modificam   os  móveis   da   marca   para   deixá-­los   melhores   ou   mais   interessantes.   Ninguém   lá   é   profis-­sional:  são  apenas  pessoas  dispostas  a  cortar  uns  pedaços  de  madeira  para  deixar  suas  casas   mais   legais.   Outro   projeto   é   o   Free   Universal   Construction   Kit:   uma   espécie   de  adaptador  universal  dos  brinquedos,  criado  para  que  uma  criança  possa  criar  encaixes  perfeitos  entre  brinquedos  diferentes.  Outra  invenção  interessante  que  foi  mostrada  por  aqui  é  a  Sugru,  uma  borracha  inventada  para  ajudar  você  a  consertar  qualquer  coisa.  São  exemplos   simples,   não   digitais,   mas   que   nos   fazem   começar   a   acreditar   que   podemos  exercitar  nosso  espírito  hacker.É  esse  tipo  de  postura,  carregada  de  uma  agressividade  construtiva  em  relação  a  tudo  que  parece  já  estar  pronto  e  uma  vontade  de  deixar  as  coisas  melhores,  que  também  faz  nascer  grandes  plataformas  como  o  Foursquare.  O  @dens,  cofundador  da  plataforma,  disse  em  sua  apresentação  que  o  Foursquare  foi  criado  porque  cidades  são  muito  difíceis  de  usar.  Em  sua  apresentação,  Dennis  Crowley  mostrou  diversas  transformações  que  está  fazendo  na   plataforma,   todas   elas   com   um   objetivo:   ajudar   as   pessoas   a   ter   uma   experiência  urbana  cada  vez  melhor.  Ele  definiu,  de  maneira  simples,  como  o  Foursquare  quer  ser  visto:  “The  best  of  what’s  nearby  -­  friends,  deals,  cool  spots.”  E  para  ser  compreendido  dessa  forma,  eles  estão  diminuindo  a  relevância  dos  badges,  posicionando  o  campo  de  busca  como  o  principal  item  de  sua  interface  e  concentrando  sua  proposta  no  que  eles  realmente  conseguem  fazer  bem.  Contrariando  pedidos  e  perguntas  sobre  novas  funcion-­alidades,  ele  disse:  “Seria  inocência  achar  que  as  pessoas  vão  usar  o  Foursquare  todos  os  dias,  todas  as  horas.  Queremos  resolver  apenas  um  problema  e  fazer  isso  muito  bem  (A  título  de  curiosidade:  segundo  ele,  o  Brasil  é  o  país  que  mais  usa  o  recurso  de  check-­ins)”.
  • 9. No  final  de  sua  palestra,  ele  mostrou  os  braços  cheios  de  pulseiras  e  aparelhos  de  self-­tracking,  como  a  FuelBand  da  Nike  -­  e  disse:  isso  é  o  que  os  nerds  fazem  agora  e  o  que  as  pessoas   normais   farão   no   futuro.   E   manifestou   seu   interesse   em   fazer   do   Foursquare  uma   plataforma   que   não   precisa   funcionar   somente   através   do   smartphone,   mas  também  em  relógios,  óculos  e  outros  aparelhos. Criativos  desorganizados Outro  cara  que  emana  esse  espírito  empreende-­ dor   e   hacker   que   domina   o   SXSW   é   o   Scott   Belsky,  fundador  do  Behance  Network  e  da  99%   Conference.   Em   sua   palestra,   ele   contou   a   história   e   os   planos   que   têm   para   a   plataforma.   Belsky  acha  que  o  mercado  de  criativos  é  o  mais   desorganizado  do  mundo,  e  que  o  Behance  existe   para   ajudar   a   torná-­lo   mais   organizado,   produ-­O  fundador  do  Behance  Network  e  da  99%  Conference,  Scott  Belsky,  acredita  que  o  mercado  de  criativos  é  o  mais   tivo  e  com  base  em  mérito.  Em  meio  à  sua  missão  desorganizado  do  mundo  e  quer  mudar  isso de  ajudar  criativos  a  expor  seu  portfólio  e  fomen-­tar  novos  trabalhos,  um  dos  maiores  desafios  é  “medir”  a  qualidade  dos  projetos  posta-­dos.   Para   isso,   ele   não   acredita   na   mecânica   de   likes   como   a   solução   principal.   No  Behance,  o  ranking  e  reconhecimento  dos  projetos  acontecem  através  de  uma  estratégia  que  envolve  três  parâmetros:  1)  How  many  liked  it  -­  o  número  de  pessoas  aleatórias  que  clicaram  no  botão  curtir;;  2)  Who  liked  it  -­  quais  pessoas  relevantes  e  credenciadas  curti-­ram   o   projeto;;   3)   Did   we   liked   it?   -­   curadoria   feita   pelo   time   de   criativos   do   Behance.  Belsky  acredita  que,  para  manter  o  nível  de  curadoria  da  plataforma,  essas  três  frentes  precisarão  sempre  coexistir.O  executivo  anunciou  também  que  o  Behance  agora  faz  parte  da  Adobe.  A  ideia  da  fusão  é  integrar  o  momento  da  criação  ao  de  compartilhamento  e  diminuir  o  atrito  que  existe  nesse  processo.  Essa  fusão  pode  facilitar  a  vida  dos  criativos  e  fomentar  o  compartilha-­mento  de  seus  trabalhos.  Dentre  seus  planos  e  sonhos,  um  deles  é  garantir  que  todos  os  projetos  compartilhados  na  internet  tenham  uma  ficha  técnica  indissociável,  de  maneira  que  o  trabalho  saia  do  Photoshop  (ou  de  qualquer  outro  software)  para  o  portfólio  de  seus  autores  de  forma  automática  -­  e  sempre  que  esse  trabalho  for  visto  em  qualquer  outro  site  os  autores  estejam  presentes.  Para   Belsky,  isso   teria  um   grande   impacto   na  criação   de  oportunidades   de   trabalho.   No   momento   em   que   a   autoria   se   perde,   as   oportunidades  também  se  perdem.Falando  sobre  a  época  em  que  começou  o  Behance,  disse  que  não  tinha  uma  ideia  estru-­turada  do  que  estava  fazendo.  Só  queria  fazer  com  que  os  criativos  conseguissem  produzir  mais  e  melhor.  Com  isso  em  mente,  largou  todas  as  outras  oportunidades  que  tinha  na  mão  para  investir  em  seu  projeto  pessoal.  O  movimento  deu  certo  e  se  transformou  na  lição  com  a  qual  ele  terminou  a  palestra:  “Nothing  extraordinary  is  ever  achieved  through  ordinary  means.”
  • 10. GenialidadeOutra  palestra  muito  marcante  foi  a  do  Stephen  Wolfram.  O  criador  do  Wolfram|Alpha  tem  uma  trajetória  repleta  de  genialidade  e  reconhecimento,  mas  que  passa  por  inven-­ções  tão  complexas  que  prefiro  deixar  para  a  Wikipedia  te  contar.  Mas  apresentou  duas  novidades   que   valem   a   pena   ser   compartilhadas.   Uma   delas   é   o   projeto  computerbasedmath.org,  que  terá  sua  estreia  na  Estônia,  e  visa  reformular  o  ensino  da  matemática  através  de  computadores  de  maneira  que  as  crianças  usem  a  inteligência  da  computação   para   resolver   rapidamente   todos   os   cálculos   e   invistam   seu   tempo   na  geração   de   conceitos   e   ideias.   Se   você   quer   ter   uma   ideia   do   que   se   trata,   entre   em  wolframalpha.com  e  digite  ‘the  size  of  the  world  divided  by  two’  ou  qualquer  outra  coisa  que  necessite  de  um  cálculo.A  outra  é  novidade  uma  plataforma  que  usa  os  dados  do  seu  perfil  no  Facebook  para  te  entregar   insights   e   informações   mais   profundas   sobre   sua   vida   social   digital:  wolframalpha.com/facebook.  O  report  é  bem  detalhado  e  inclui  informações  como  ‘seu  amigo  mais  distante  (geograficamente)’,  ‘sua  foto  mais  curtida’,  ‘seus  amigos  mais  influ-­entes’  e  uma  série  de  outras  coisas  que  outros  apps  por  aí  já  mostram.  Não  acho  que  seja  uma  grande  novidade,  mas  vale  a  pena  ficar  de  olho.  Stephen  Wolfram  é  reconhecido  como  o  cara  que  mais  coletou  dados  sobre  si  mesmo  durante  a  vida  e  com  certeza  tem  algo  a  acrescentar  ao  tema  do  self-­tracking,  tão  discutido  recentemente.Através   dessas   e   outras   milhares   de   palestras,   atrações   e   encontros,   a   sensação   que   o  SXSW   deixa   é   que   todo   mundo   deve   se   apropriar   do   espírito   hacker   e   abraçar   o  empreendedorismo  para  reinventar  as  coisas.  E,  assim,  ajudar  o  mundo  a  seguir  dando  passos  para  frente.(*)  Tiago  Pereira  é  diretor  de  criação  da  LiveAD.  Ele  está  com  a  equipe  da  agência  em  Austin,  acompanhando  o  SXSW,  e  escreve  como  colaborador  para  o  Meio  &  Mensagem. Fonte: www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2013/03/14/10-razoes- para-se-arrepender-de-nao-ter-ido-ao-SXSW.html#.UUYJ7ltARIb
  • 11. 10 razões para lamentar não ter ido ao SXSWDo  Grumpy  Cat,  o  gato  mais  famoso  da  web,  às  novas  startups  que  vão  estourar  logo  mais O  South  by  Southwest  (SXSW)  atrai  diferentes  perfis  de  profissionais  para  acompanhar  seus  painéis  que  tratam  de  interatividade,  cinema  e   música.  O  evento,  em  Austin,  termina  no  dia  17 (*)  Por  Keke  Toledo  Piza 1.   Assistir   ao   keynote   de   Jason   Silva,   do   National  Geographic  Channel,  especialmente  a   parte   em   que   ele   fala   que   outros   sistemas   em   nossa   vida,   como   o   sistema   educacional   ou   nosso   sistema   de   crenças,   deveriam   ser   constantemente   atualizados   para   ter   menos   bugs  como  acontece  com  os  sistemas  operacio-­ nais  de  computador  e  de  smartphone.No  SXSW,  a  oportunidade  de  ouvir  gente  como  o  filmmaker  Jason  Silva,  o  "Timothy  Leary  da  era  do  vídeo  viral",  como  descreveu  o  The  Atlantic 2.  Tirar  uma  foto  com  o  Grumpy  Cat  –  o  gato  mais  famoso  da  internet  na  atualidade  –  no  espaço  do  Mashable  montado  no  evento.
  • 12. No  final  de  sua  palestra,  ele  mostrou  os  braços  cheios  de  pulseiras  e  aparelhos  de  self-­tracking,  como  a  FuelBand  da  Nike  -­  e  disse:  isso  é  o  que  os  nerds  fazem  agora  e  o  que  as  pessoas   normais   farão   no   futuro.   E   manifestou   seu   interesse   em   fazer   do   Foursquare  uma   plataforma   que   não   precisa   funcionar   somente   através   do   smartphone,   mas  também  em  relógios,  óculos  e  outros  aparelhos.3.   Ouvir   por   toda   parte   conceitos   como   civic   hacking   e   constructive   hacking,   o   que  mostra  que  o  termo  hack  evoluiu  de  algo  temido  e  condenável  para  algo  importante  e  necessário  na  reinvenção  dos  modelos  econômicos  atuais.    4.  Ver  Baauer,  o  produtor  que  criou  a  música  meme  fenômeno  Harlem  Shake,  tocar  ao  vivo  para  uma  multidão  em  transe  com  esse  sucesso  das  interwebz.  5.   Entender   que   a   revolução   peer   to   peer,   que   começou   anos   atrás   com   o   Napster  (lembram?),   agora   está   se   estendendo   para   o   mundo   físico.   AirBnb   e   Lyft   são   dois  grandes  exemplos  disso.6.  Ficar  sabendo  que  o  #catvidfest,  festival  de  vídeo  dedicado  exclusivamente  a  vídeos  de  gato,  reuniu  mais  de  dez  mil  pessoas  ao  Walker  Open  Field,  em  Minneapolis.  Muito  mais  público  que  grandes  festivais  de  cinema  pelo  mundo.  7.  Observar  como  o  empreendedorismo  digital  é  um  dos  revitalizantes  econômicos  mais  importantes  no  cenário  atual  de  descrença  no  mercado  financeiro.  8.   Ver   em   primeira   mão   as   novas   startups   que   têm   tudo   pra   estourar   nos   próximos  meses  como  Plotter,  Speakerfy  e  Bondsy.9.  Rir  com  a  foto  de  um  cara  bêbado  fazendo  uma  "mangina"  no  photo  wall  interativo  do  espaço  da  Vice,  uma  das  empresas  melhor  sabe  usar  a  liberdade  e  a  não-­hipocrisia  da  era  digital.10.  Aprender  que  listas  como  essa  aqui  em  geral  têm  muito  mais  views  que  textos  corri-­dos  e  que  é  por  isso  que  o  BuzzFeed  usa  esse  recurso  todo  o  tempo  e  está  entre  os  sites  mais  acessados  da  internet.(*)  Keke  Toledo  Piza  é  vice-­presidente  de  criação  da  LiveAD.  Ele  está  em  Austin  e  escreve  como  colaborador  para  o  Meio  &  Mensagem. Fonte: www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2013/03/14/10-razoes- para-se-arrepender-de-nao-ter-ido-ao-SXSW.html#.UUYJ7ltARIb
  • 13. Austin, palco perfeito da vida moderna Cidade  lança  tendências  contemporâneas  ano  a  ano  no  intenso  SXSW,  que  se   encerrou  neste  domingo,  17 Por  Rodrigo  Vieira  da  Cunha* O   segundo   ano   em   um   festival   intenso   como   o   SXSW   –   que   se   encerrou   neste   domingo,   17   –   é   sempre   mais   fácil.   Principalmente   de   entender,   perceber  as  conexões  que  se  formam  nas  entrelin-­ has  da  massiva  quantidade  de  informações.  Nave-­ gar   bem   pela   imensa   quantidade   de   palestras   e   eventos  é  uma  arte,  principalmente  a  de  lidar  com  a  O  SXSW  acontece  em  Austin  e  reúne  palestras  e   sensação   de   estar   sempre   perdendo   algo.   Isso   é  apresentações,  que  vão  de  tecnologia  à  música.  O  evento  impacta  a  cidade  também,  com  ações  e  intervenções   inevitável,   mas   com   boas   conversas   –   e   isso   está  artísticas cheio  em  Austin  –  dá  para  se  captar  rapidamente  o   zeitgeist  da  conferência.  O  SXSW  é  uma  grande  disputa  por  espaço.  A  boa  nova  é  que  no  mundo  digital  parece  ter  espaço  para  todo  mundo  –  ou  pelo  menos  para  quem  tiver  e  conseguir  executar  uma  boa  ideia.  A  cidade  fica  repleta  de  ativações  que  buscam  encontrar  repercussão  entre  os  princi-­pais  canais  que  cobrem  o  evento,  uma  grande  competição  entre  centenas  de  novos  apps.  De   um   ano   para   o   outro,   alguns   ganham   mais   espaço,   como   o   Highlight,   que   começa   a  ganhar  corpo  com  uma  rede  de  usuários  mais  ativa.  E  outros  se  consolidam  de  maneira  definitiva.  Como,  por  exemplo,  o  Foursquare.  Durante  sua  palestra,  o  CEO  Dennis  Crow-­ley  contou  que  existem  15  milhões  de  pontos  de  interesse  marcados  na  ferramenta,  sendo  que  destes,  um  milhão  são  lugares  “oficiais”  (sem  incluir  residências  de  pessoas,  por  exem-­plo).  Crowley  disse  que  estão  focando  cada  vez  menos  na  mecânica  de  badges  e  cada  vez  mais   em   mostrar   os   melhores   lugares   ao   redor   de   cada   pessoa.   Uma   missão   com   altas  chances  de  sucesso. Em   meio   à   infinidade   de   possibilidades   que   se   apresentam   na   internet,   é   interessante   ver   um   modelo   de   negócios   se   consolidando   a   partir   de   uma   escolha,   mas   principalmente   da   criação   de   utilidade  para  as  pessoas.  Neste  sentido,  o  exemplo   do  BuzzFeed  é  muito  relevante  nesta  visão.  O  que   eles  fazem  é  organizar  a  informação  disponível  na   internet  basicamente  em  pequenos  pedaços  que  se   tornam  virais.O  fundador  do  BuzzFeed,  Johan  Peretti,  esteve  entre  os  convidados  deste  ano.  Estes  são  algumes  elementos  que  ele  compartilhou  com  o  público
  • 14. O   fundador   do   site   Johan   Peretti,   ao   final,   apresentou   uma   lista   de   elementos   que  ajudam   os   conteúdos   a   serem   espalhados.   São   ensinamentos   básicos   como   cuidar   do  contexto  emocional  da  mensagem,  ajudar  as  pessoas  a  reforçarem  suas  identidades  por  meio  do  compartilhamento  e,  muito  importante,  capturar  o  momento.  Apesar  de  criti-­cado  muitas  vezes  por  usar  e  abusar  dos  posts  de  animais  (que  são  altamente  compartil-­háveis,   por   sinal),   Peretti   mostrou   como   o   BuzzFeed   está   se   posicionando   como   um  veículo  extremamente  inovador  e  marcante  na  cultura  digital.Recentemente,  um  jornalista  com  passagem  por  veículos  importantes  se  juntou  ao  Buzz-­Feed   e   o   site   começou   a   furar   veículos   tradicionais   como   CNN   e   New   York   Times   na  cobertura  política,  inclusive,  aproveitando  o  alto  nível  de  compartilhamento  das  pessoas  que  acompanham  o  canal.  Além  disso,  o  BuzzFeed  tem  feito  peças  muito  eficientes  com  uma  visão  de  advertorial,  ou  publieditorial,  como  é  conhecido  no  Brasil.  São  conteúdos  criados   pelo   canal   para   as   marcas   lançarem   produtos,   sempre   com   a   visão   de   criar  conteúdos  de  qualidade,  que  sejam  facilmente  compartilháveis.  “A  era  digital  trouxe  a  chance   de   fazer   os   anúncios   voltarem   a   ser   incríveis”,   diz   Peretti.   Vejo   este   canal   e   a  maneira  como  criam  conteúdo  com  um  grande  potencial  de  posicionar  o  jornalismo  e  a  publicidade  de  uma  maneira  diferente  nesta  era  digital,  quando  os  modelos  tradicionais  da  indústria  estão  em  cheque  e  passando  por  um  período  forte  de  transição.Em  meio  ao  mar  de  painéis  que  acontecem  ao  mesmo  tempo,  neste  ano  resolvi  focar  nas  maiores  palestras.  Abri  mão  de  encontrar  possíveis  palestras  inovadoras  e  escondidas,  mas  preferi  ficar  atento  às  grandes  conversas  e  tendências  que  o  time  de  curadores  do  SXSW  conseguiu  apresentar  este  ano.Além  dos  destaques  que  citei,  chamo  a  atenção  ainda  para  o  keynote  com  Elon  Musk.  Ele  é  tido  como  o  Henry  Ford  dos  tempos  modernos  pela  contribuição  disruptiva  que  trouxe  para   quatro   diferentes   indústrias:   a)   Paypal,   reinventando   o   mercado   financeiro;;   b)  Tesla,  reinventando  os  carros  elétricos;;  c)  XSpace,  reinventando  os  vôos  de  foguete  e  d)  SolarCity,  em  busca  de  um  modelo  mais  eficiente  de  geração  de  energia  solar.Vale   ainda   falar   de   Julie   Urhman,   que   inventou   um   novo   console   de   videogame   que  custará  US$  99  e  foi  totalmente  viabilizado  por  mais  de  US$  1  milhão  levantados  pelo  kickstarter.   O   fato   de   ela   ter   sido   convidada   a   fazer   um   dos   cinco   keynotes   do   SXSW  deixa  muito  clara  a  grande  celebração  da  tecnologia  e  das  possiblidades  da  vida  moderna  que  é  o  SXSW.  Não  se  trata  de  digital,  música  ou  filme.  Trata-­se  de  uma  congregação  de  mentes  criativas  que  certamente  estão  transformando  o  mundo  bit  por  bit.  Ao  mesmo  em  que  se  divertem  bastante  na  agradável  e  vibrante  Austin.(*)  Rodrigo  Vieira  da  Cunha  é  sócio-­fundador  da  Profile,  ligado  a  O  Grupo,  holding  de  empresas  da  qual  também  fazem  parte  LiveAD  e  Box1824.   Fonte: www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2013/03/13/Qualquer- pessoa-guarda-um-hacker-dentro-de-si.html