CaçA Palavras LiteráRio

16,003 views

Published on

Published in: News & Politics, Sports
1 Comment
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
16,003
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
24
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
1
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

CaçA Palavras LiteráRio

  1. 1. D P M O C D A C M T O T N A L P O A J R Q A O E N P E A G R A C I O S A Q I O I CAÇA-PALAVRAS LITERÁRIO T P O C E C M P A S O M O T B N U R M J Abaixo, você tem três trechos da Carta a D. Manoel, escrita por Pero Vaz de F A O A Ç B K I U M T O T N W E D E Y A C G H S S M D X A S L A S O A Ç Q S A M Caminha no ano de 1500. Leia atentamente o texto, responda os exercícios A A L T H G Q U E S E J A A Q S T C A E e, em seguida, procure no diagrama as palavras que estão grafadas com N I X I F U T E D C A R E J E H F O B N negrito e maiúsculo. Um bom estudo e uma boa diversão. I O Ã Ç J S F A S O M O A P O O C R M T Trecho I: “E dali AVISTAMOS homens que andavam pela praia, uns sete ou C F J A A Q C M T O T N O M Z D F R G E oito, segundo disseram os navios pequenos que chegaram primeiro. Então O E P L O U A E A Ã C E C G H S E E U O lançamos fora os batéis e ESQUIFES. E logo vieram todos os capitães das L E O Q A R O A V I S T A M O S O A S O naus a esta nau do Capitão-mor. E ali falaram. E o Capitão mandou em terra A T A A E G E I C E E L A S O I E I F I a NICOLAU COELHO para ver aquele rio. E tanto que ele começou a ir-se U N E D C P B F O A R V O R E D O S O Z para lá, ACUDIRAM pela praia homens aos dois e aos três, de maneira que, C E G F E O A O E C T L A S O S D U Q L quando o BATEL chegou à boca do rio, já lá estavam dezoito ou vinte. O Ç A N D I T R I O Ã U A I S E T R O C E S Q U I F E S A O O A S O M E O C H N Pardos, nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas VERGONHAS. L H U S V D L Z A L L A S O C G H S O E Traziam arcos nas mãos, e suas setas. Vinham todos RIJAMENTE em H U G A F E C H Q N O S S M D I C O L Ç direção ao batel. E Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E O S S P F C N O U E D C A P I T Ã O D S eles os DEPUSERAM. Mas não pôde deles haver fala nem ENTENDIMENTO O O Q M O I D C R Ç Q Z Y L M T O T N H que aproveitasse, por o mar quebrar na costa”. S D U Q L F T I G S T S D U Q L N R R L Trecho II: O CAPITÃO, quando eles vieram, estava sentado em uma cadeira, D A R A D E C A P H F Y A A S O M R O F aos pés uma ALCATIFA por estrado; e bem vestido, com um colar de ouro, R R G H I D F Z C X C C G H S H A E H Z mui grande, ao pescoço. E Sancho de Tovar, e SIMÃO DE MIRANDA, e G E P C L A S O M L E V E R G O N H A S Nicolau Coelho, e AIRES CORRÊA, e nós outros que aqui na nau com ele Q P Ç A J A A Q I D A D M T O T N L Z Y U M T E D C A L A S O D C A R N E I R O íamos, sentados no chão, nessa alcatifa. Acenderam-se tochas. E eles B E R D C G H S E S D U Q L E J I A C E entraram. Mas nem sinal de CORTESIA fizeram, nem de falar ao Capitão; M T O T N E M I D N E T N E O S S M D F nem a alguém. Todavia um deles fitou o COLAR do Capitão, e começou a G A V F G H A A U A Z E T L A A S S O V fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se M L P U A S O M J A A Q A C U D I R A M quisesse dizer-nos que havia ouro na terra. E também olhou para um S I M Ã O D E M I R A N D A E A S O M E CASTIÇAL de prata e assim mesmo acenava para a terra e novamente para o castiçal, como se lá também houvesse prata! Mostraram-lhes um PAPAGAIO pardo que o Capitão traz consigo; tomaram-no logo na mão e acenaram para a terra, como se os houvesse ali. Mostraram-lhes um CARNEIRO; não fizeram caso dele. Mostraram-lhes uma GALINHA; quase tiveram medo dela, e não lhe queriam pôr a mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados. Trecho III: De ponta a ponta é toda praia... muito chã e muito FORMOSA. Pelo SERTÃO nos pareceu, vista do mar, muito grande; porque a estender olhos, não podíamos ver senão terra e ARVOREDOS — terra que nos parecia muito extensa. Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de METAL, ou ferro; nem lha vimos. Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e TEMPERADOS como os de Entre-Douro-e-Minho, porque neste tempo d'agora assim os achávamos como os de lá. Águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é GRACIOSA que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem! Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que VOSSA ALTEZA em ela deve lançar. EXERCÍCIOS a) “Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem” 01. Segundo Pero Vaz Caminha, Nicolau Neto não conseguiu comunicar-se oral- b) “Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta mente com os índios. gente”. a) O que alegou como causa? 05. O século XVI marca, na Europa, o Renascimento; na literatura portuguesa, b) Qual foi o verdadeiro motivo pelo qual a comunicação oral não se realizou? esse período é conhecido como Classicismo, pois é todo voltado para a cultura 02. Caminha descreve o primeiro encontro entre os índios e o capitão. clássica de Grécia e Roma. A partir do quadro apresentado, responda: a) O que revela a postura do capitão? a) Podemos falar em Renascimento no Brasil? Justifique. b) Qual foi a reação dos índios e o que revela? b) Comente a seguinte afirmação de Oswald de Andrade, retirada do Manifesto da 03. Quais eram as informações que os portugueses mais desejavam obter acerca Poesia Pau-Brasil: “Contra a fatalidade do primeiro branco aportado e denominando da nova terra? diplomaticamente as selvas selvagens. Citando Virgilio para os tupiniquins. O ba- charel.” 04. Os portugueses não encontraram na terra recém-descoberta aquilo que mais lhe interessava. Indique o que Caminha humildemente propõe ao monarca nos trechos: www.literaturaeshow.com.br ©todos os direitos reservados LITERATURA 1

×