• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Augusto dos anjos 2013
 

Augusto dos anjos 2013

on

  • 6,144 views

Slides sobre Augusto dos Anjos

Slides sobre Augusto dos Anjos

Statistics

Views

Total Views
6,144
Views on SlideShare
5,204
Embed Views
940

Actions

Likes
8
Downloads
1
Comments
1

4 Embeds 940

http://www.literaturaeshow.com.br 899
http://leituraeshow.blogspot.com.br 39
http://static.slidesharecdn.com 1
http://www.google.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Augusto dos anjos 2013 Augusto dos anjos 2013 Presentation Transcript

    • AUGUSTO de Carvalho Rodrigues DOS ANJOS  Cruz do Espírito Santo-PB, 1884  Leopoldina-MG, 1914
      • Saia de mim como suor Tudo o que eu sei de cor Sai de mim como excreto Tudo que esta correto Saia de mim (2x)
      • Saia de mim como um peido Tudo o que for perfeito Saia de mim como um grito Tudo o que eu acredito Tudo que eu não esqueça Tudo que for certeza
      Saia de Mim (Titãs)
      • Saia de mim vomitado, Expelido, exorcizado Tudo que está estagnado Saia de mim como escarro Espirro, pus, porra, sarro, Sangue, lágrima, catarro.
      Saia de Mim (Titãs)
      • "Se algum dia o prazer vier procurar-me, dize a esse monstro que fugi de casa!"
      • Poeta paraibano, identificado muitas vezes como simbolista ou parnasiano, mas muitos críticos, como o poeta Ferreira Gullar, concordam em situá-lo como pré-moderno . É conhecido como um dos poetas mais estranhos do seu tempo , e até hoje sua obra é admirada (e detestada) tanto por leigos como por críticos literários.
      Augusto dos Anjos
    • Augusto dos Anjos
      • AUTO-EPÍTETOS
      • Poeta da morte;
      • Poeta do hediondo;
      • Poeta raquítico.
      • OBRA
      • Eu (1912)
      • Eu e Outras Poesias (1919).
      • Os poemas de sua única obra, Eu (1912), chocam pela agressividade do vocabulário e pela visão dramaticamente angustiante da matéria, da vida e do cosmo. Integram a linguagem termos até então considerados antipoéticos, como escarro , verme , germe , etc.
      • Os temas, igualmente, são inquietantes: a prostituta , as substâncias que compõem o corpo humano, a decrepitude dos cadáveres , os vermes , o sêmen , etc.
      Augusto dos Anjos
      • Além da "camada científica" de sua poesia, verifica-se, por outro lado, a dor de ser dos simbolistas, a poesia de anseios e angústias existen-ciais , provável influência do pessimismo do filósofo ale-mão Arthur Schopenhauer.
      Augusto dos Anjos Arthur Schopenhauer
      • Para Augusto dos Anjos não há Deus nem esperança; há apenas a supremacia da ciência.
      • Quanto ao homem, as substâncias e energias do universo que o geraram, compondo a matéria de que é feito, ― carne, sangue, instinto, células ―, tudo fatalmente se arrasta para a podridão e para a decomposição, para o mal e para o nada.
      Augusto dos Anjos
      • Em síntese, a poesia de Augusto dos Anjos é marcada pela união de duas concepções de mundo distintas: de um lado, a objetividade do átomo; de outro, a dor cósmica , que busca o sentido da essência humana.
      • A obra de Augusto conta com uma instigante popularidade . Talvez tenha sido o poeta mais original de nossa Literatura no tempo em que escrevia.
      Augusto dos Anjos
      • Popularidade;
      • Originalidade.
    • Augusto dos Anjos vocábulos esdrúxulos e animada de uma virulência pessimista sem igual em nossas letras". VIRULÊNCIA: O poder de um agente infeccioso de produzir lesão. Alfredo Bosi "Essa popularidade [de Augusto dos Anjos] deve-se ao caráter original , paradoxal, chocante mesmo, de sua linguagem, tecida de BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1996.
    • Augusto dos Anjos "EU, FILHO DO CARBONO E DO AMONÍACO"
      • As leituras de Schopenhauer, Darwin, La-marck, Spencer, entre outros, fundamentam a postura existencial de Augusto.
      • Adesão ao Evolucionismo;
      • Fatalismo;
      • Angústia profunda.
    • Augusto dos Anjos "NÃO SOU CAPAZ DE AMAR MULHER ALGUMA"
      • O asco ao prazer é apresentado de maneira contundente. Reduz o amor humano à cega e torpe luta de células, cujo fim não é senão criar um projeto de cadáver.
      "SE ALGUM DIA O PRAZER VIER PROCURAR-ME, DIZE A ESSE MONSTRO QUE FUGI DE CASA!"
    • Augusto dos Anjos Arnaldo Antunes, ex-integrante do grupo Titãs, comprovou seu interesse pela poesia de Augusto dos Anjos ao musicar o poema Budismo moderno em seu CD Ninguém (1995) Capa do CD Ninguém, de A. Antunes (1995)
    • Augusto dos Anjos Tome, Dr., esta tesoura e... corte Minha singularíssima pessoa. Que importa a mim que a bicharia roa Todo o meu coração depois da morte?! Ah! Um urubu pousou na minha sorte! Também, das diatomáceas da lagoa A criptógama cápsula se esbroa Ao contrato de bronca destra forte! BUDISMO MODERNO
    • Augusto dos Anjos Tome, Dr., esta tesoura e... corte Minha singularíssima pessoa. Que importa a mim que a bicharia roa Todo o meu coração depois da morte?! Ah! Um urubu pousou na minha sorte! Também, das diatomáceas da lagoa A criptógama cápsula se esbroa Ao contrato de bronca destra forte! BUDISMO MODERNO
    • Augusto dos Anjos Dissolva-se, portanto, minha vida Igualmente a uma célula caída Na aberração de um óvulo infecundo; Mas o agregado abstrato das saudades Fique batendo nas perpétuas grades Do último verso que eu fizer no mundo!
    • Augusto dos Anjos Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância... Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco. PSICOLOGIA DE UM VENCIDO
    • Augusto dos Anjos Já o verme — este operário das ruínas — Que o sangue podre das carnificinas Come e à vida em geral declara guerra, Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
    • Augusto dos Anjos Já o verme — este operário das ruínas — Que o sangue podre das carnificinas Come e à vida em geral declara guerra, Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
    • Augusto dos Anjos
      • CRIPTÓGAMO: Vegetal que não se reproduz por meio de flores, e que tem órgãos reprodutivos pequeninos, dificilmente perceptíveis pelo leigo.
      • DIATOMÁCEA: Microrganismos autotróficos providos de uma rígida carapaça silicosa formada por duas valvas que se encaixam, e que, em algumas espécies, é ricamente ornamentada. Vivem na água doce e na salgada, formando, não raro, colônias gelatinosas.
      • EPIGÊNESE: Teoria segundo a qual a constituição dos seres se inicia a partir de célula sem es-trutura e se faz mediante sucessiva formação e adição de novas partes que, previamente, não existem no ovo fecundado; epigênese.
      • FLÂMEO: Que flameja; chamejante
      • HETERÓCLITO: Singular, excêntrico, extravagante
      • MÔNADAS: Segundo Leibniz (v. leibniziano), cada uma das substâncias simples e de número infinito, de natureza psíquica (dotada de apercepção e apetição), e que não têm qualquer rela-ção umas com as outras, que se agregam harmoniosamente por predeterminação da divindade, constituindo as coisas de que a natureza se compõe; enteléquia.