Débora leite david

2,841 views
2,680 views

Published on

Dissertação de Débora Leite David

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,841
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Débora leite david

  1. 1. DEBORA LEITE DAVID DOIS CÁRCERES, UMA CERTEZA: A MORTE. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo 2006
  2. 2. DEBORA LEITE DAVID DOIS CÁRCERES, UMA CERTEZA: A MORTE. UM ESTUDO COMPARADO ENTRE A VIDA VERDADEIRA DE DOMINGOS XAVIER DE JOSÉ LUANDINO VIEIRA E MEMÓRIAS DO CÁRCERE DE GRACILIANO RAMOS Dissertação apresentada como exigência parcial e final para obtenção do título de Mestre em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, sob a orientação do Professor Doutor Carlos Moreira Henriques Serrano. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MAIO - 2006.
  3. 3. Para o meu grande amor Baturité, Minha filha Isadora, querido anjo de luz, E meu irmão Daniel (in memoriam).
  4. 4. Agradecimentos Ao professor Carlos Moreira Henriques Serrano, orientador e amigo, que me guiou pelos tortuosos caminhos da pesquisa acadêmica, acreditando em minha determinação e capacidade; orientação que espero retribuir sempre com reconhecimento e lealdade. À professora Benilde Justo Caniato pelas sugestões e indicações no Exame de Qualificação; ao professor Hélder Garmes por suas sugestões e indicações no Exame de Qualificação, e por sua supervisão no Programa de Aperfeiçoamento de Ensino (PAE). À professora Vania Pinheiro Chaves, co-orientadora pelo Estágio no Exterior, que carinhosamente me acolheu em Lisboa e orientou-me na condução dos trabalhos de pesquisa nesse período. À amiga Maria Manuel Ferreira Marques Rodrigues, incansável pesquisadora que carinhosamente me recebeu em Lisboa e em sua casa, acompanhando-me “de lés-a-lés” por terras lusitanas. À poeta Ana Paula Tavares que prontamente ajudou-me a intermediar meu encontro com José Luandino Vieira. À Ana Mafalda Leite e Beatriz Weigert pelo carinho e atenção durante a minha estadia em Lisboa. Ao escritor José Luandino Vieira que gentilmente recebeu-me para uma entrevista, transformada numa tarde mágica de lembranças e nostalgia. Aos professores Benjamin Abdala Júnior, Salete de Almeida Cara e Carlos António Alves Reis, pelas orientações recebidas nas disciplinas cursadas durante o mestrado. À amiga-irmã Susanna Ventura, brilhante pesquisadora que com sua presença constante e leal apresentou-me o universo acadêmico e tornou possível a realização de um antigo sonho. Aos amigos Eduardo de Araújo Teixeira e Ana Cláudia da Silva, pelos diálogos e apoio nesse percurso. À Eliane Junqueira, bibliotecária da Casa de Portugal; à Creusa e à Márcia do Centro de Estudos Portugueses; à Iara, ao Jacó e à Lina da secretaria de pós-graduação, pelo atendimento sempre atencioso. À Capes pela concessão da bolsa de estudos que tornou possível minha dedicação exclusiva à pesquisa. À Cátedra Jaime Cortesão e ao Instituto Camões pela concessão de bolsa para Estágio no Exterior, que possibilitou o enriquecimento da pesquisa através da recolha de novo material e da entrevista com o escritor José Luandino Vieira.
  5. 5. RESUMO Este trabalho apresenta uma análise comparada empreendida ao abrigo da linha de pesquisa “literatura e sociedade nos países de língua portuguesa.” Deste modo, realizamos o cotejo entre as obras A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira, escrita em 1961 e publicada em 1974, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos, escrita entre os anos de 1946 e 1952, e publicada logo após a morte do escritor em 1953. O objetivo desse trabalho é o estudo do engajamento da Literatura nos problemas sociais e políticos de uma nação e, como recorte principal, a atuação relevante dos escritores no painel social em que se encontram inseridos. A leitura das obras, em que aparece plasmada a realidade representada pelos regimes de exceção mostrou-nos a amplitude da transfiguração da realidade operacionalizada em tais regimes, a iminência da absoluta aniquilação física e psicológica do ser humano, o cárcere no seu interior e o desrespeito à dignidade humana. No entanto, encontramos também diferenças como a estratégia formal adotada por cada escritor e a relação construída entre a identidade individual e coletiva. Essas observações entre outras possíveis permitiram a elaboração de um diálogo comparatista que se orienta principalmente pela problemática do tratamento da forma literária a partir de determinados elementos incidentais e comuns às referidas obras, que são o autoritarismo e a violência. PALAVRAS-CHAVE: Engajamento; Intelectual; José Luandino Vieira; Graciliano Ramos; identidade.
  6. 6. ABSTRACT This work presents a compared analyze taked under the reserch line of “literature and society in countries of portuguese language.” In this way, we carry through a comparative study between the narratives A vida verdadeira de Domingos Xavier of José Luandino Vieira, writen in 1961 and published in 1974, and Memórias do cárcere of Graciliano Ramos, writen in the period of 1946 to 1952, and published after the writer’s death in 1953. The objective of this work is the study of Literature’s enrollment in social and politicians problems nationals and, as main clipping, the excellent writers’s performance on social panel where they are inserted. The narratives’s reading, where appears shaped the reality represented by the regimes of exception showed to us the amplitude for the reality’s representation. It happens in such regimes, when occurs the imminence of absolute physical and psychological destruction of human being, the inside of jail and the disrespect to the dignity human being. However, we also find differences as the formal strategy adopted by each writer and the relation constructed between the individual and collective identity. These among others possible comments had allowed the elaboration of a comparative dialogue that guides mainly for the problematic treatment of the literary form from determined incidental and common elements to the related narratives, that are the authoritarianism and the violence. KEY-WORDS: Enrollment; Intellectual; Jose Luandino Vieira; Graciliano Ramos; identity.
  7. 7. “Eu não tenho hora pra morrer, por isso sonho”. Coisas da Vida (Rita Lee)
  8. 8. Sumário 1. INTRODUÇÃO.................................................................................................................9 2. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS .....................................................................................16 2.1 COMPARATISMO...................................................................................................................... 19 2.2 CAMPO INTELECTUAL ............................................................................................................. 29 3. O INTELECTUAL E O ESCRITOR ...........................................................................34 3.1 LUANDINO E ANGOLA ............................................................................................................. 40 3.2 GRACILIANO E BRASIL ............................................................................................................ 46 4. DOIS CÁRCERES, UMA CERTEZA: A MORTE. ...................................................50 4.1 AS PALAVRAS QUE FAZEM VIVER ........................................................................................... 66 5. LITERATURA E DIREITOS HUMANOS..................................................................77 5.1 A VIOLÊNCIA........................................................................................................................... 83 5.2 O AUTORITARISMO E O TESTEMUNHO..................................................................................... 92 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS .........................................................................................98 7. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO....................................................................100 7.1 DOS AUTORES ....................................................................................................................... 101 7.2 SOBRE GRACILIANO RAMOS ................................................................................................. 102 7.3 SOBRE JOSÉ LUANDINO VIEIRA ............................................................................................ 107 7.4 GERAL ................................................................................................................................... 110 8. ANEXOS........................................................................................................................116 8.1 ANEXO A - “QUANDO OS MOSQUITOS FAZEM PARTE DA PENA” (1974)............................... 116 8.2 ANEXO B - “APRENDER ATÉ MORRER” (2006)..................................................................... 129 8.3 ANEXO C - “PORÃO” (1937)................................................................................................. 151 8.4 ANEXO D - “OS AMIGOS DO POVO” (1945) .......................................................................... 153 8.5 ANEXO E - EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO PORTUGUESA NA ADMINISTRAÇÃO DAS COLÔNIAS ................................................................................................................................... 155
  9. 9. 9 1. Introdução Apresentamos nesta dissertação, como resultado das pesquisas empre- endidas durante o curso de Mestrado realizado junto à Área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, uma análise comparada de duas obras, realizada ao abrigo da linha de pesquisa “literatura e sociedade nos países de língua portuguesa.” Assim, realizamos o cotejo entre duas obras relevantes nas literaturas nacionais de An- gola e do Brasil, que são A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vi- eira em Angola, escrita em 1961 e publicada em 1974, e Memórias do cárcere de Gra- ciliano Ramos no Brasil, escrita entre os anos de 1947 e 1952, e publicada logo após a morte do escritor em 1953. O presente trabalho tem como objetivo o estudo do engaja- mento da Literatura nos problemas sociais e políticos de uma nação,1 e como recorte principal, a atuação dos escritores em papel social relevante. Assim, podemos dizer que as obras em tela são capazes de mostrar-nos o que os cidadãos viviam em Angola sob a égide do colonialismo português na década de 1960, e no Brasil sob os desmandos da ditadura de Getúlio Vargas na década de 1930. Encontramos nestas obras, outrossim, um espelho da situação biográfica experimentada pelos próprios autores. Se de um lado temos Graciliano Ramos que narra a sua própria experiência dentro do cárcere, de outro, Luandino Vieira narra sobre a experiência de outros militantes, mas em certa medida, também sobre a sua própria ao ser condenado como terrorista antes de ser enviado ao Campo de Concentração do Tarrafal em Cabo Verde. A leitura das obras, em que aparece plasmada a realidade representada pelos regimes de exceção mostrou-nos a amplitude da transfiguração da realidade ope- racionalizada em tais regimes, a iminência da absoluta aniquilação física e psicológica do ser humano, o cárcere no seu interior e o desrespeito à dignidade humana. No en- tanto, encontramos também diferenças como a estratégia formal adotada por cada es- 1 Adotaremos para este estudo o conceito de “nação” lançado por Benedict Anderson, como sendo uma comunidade política imaginada, existindo para seus membros através de uma imagem de comunhão e de companheirismo profundo.
  10. 10. 10 critor e a relação construída entre a identidade individual e coletiva. Essas observações entre outras possíveis permitiram a elaboração de um diálogo comparatista que se ori- enta principalmente pela problemática do tratamento da forma literária a partir de de- terminados elementos incidentais e comuns às referidas obras, que são o autoritarismo e a violência. Deste modo, escolhemos ressaltar em tais obras um recorte de caráter espe- cífico através da análise da forma literária adotada, que cremos tenha a sua razão em fatores político-sociais como a violência e o autoritarismo, o papel dos escritores como intelectuais inseridos num panorama de repressão existente em regimes de exceção e a criação literária que resulta dessa conformação e reflete o desrespeito aos Direitos Hu- manos. Esta corrente literária laboriosa e persistente, marcada pela denúncia e pelo testemunho, mesmo que somente possa surgir inicialmente na dita ilegalidade, al- cança ao fim e ao cabo o seu destino, ora denunciante, ora formador, ao expor as maze- las sociais e políticas de sua comunidade. A Literatura emerge do caos para abordar temas polêmicos como a violação dos direitos humanos em períodos dominados por regimes de exceção, que entendemos como a forma despótica e tirânica de governo, pela qual são tolhidas as prerrogativas dos Poderes Legislativo e Judiciário. Estas prer- rogativas são cumuladas ao Poder Executivo – personificado pelo ditador, que é, no mais das vezes, carismático e populista. Desta forma são exterminadas a representativi- dade popular e a aplicação do devido processo legal para o julgamento dos acusados. Em Portugal temos como representante da figura do ditador, António Salazar, cujo governo ditatorial iniciado na década de 1920, alcançava Angola através de uma administração colonial rígida e cruel, apesar de esboçar justificativas à sua for- ma de gerir os assuntos do ultramar. Isto ocorre amiúde em documentos oficiais após o final da Segunda Guerra Mundial, no decorrer das décadas de 1950 e 1960, período em que se percebe o interesse crescente das grandes potências mundiais pelo respeito aos direitos humanos.2 No Brasil o governante que se mantêm pela força no poder é Getúlio Vargas. A ditadura brasileira que se instaura no período de 1930 a 1945 tem seu ápice 2 Ao pesquisar a legislação pertinente à administração das colônias como o Acto Colonial e o Estatuto do Indígena, encontramos quase sempre justificativas até mesmo filosóficas às determinações legais para a dominação e exploração colonial. Cf. Anexo E deste trabalho.
  11. 11. 11 com a promulgação da Lei de Segurança Nacional em 1935,3 ocasionando incontáveis prisões de militares, políticos, funcionários públicos e escritores nos anos seguintes. Através de um estudo comparado buscaremos, portanto, analisar o pa- pel da Literatura engajada nas questões sociais e políticas de uma nação, bem como a função social que os escritores exercem através de suas obras, demonstrando a impor- tância da arte literária nas transformações sociais e políticas e na construção da identi- dade nacional de seu país. Essa análise utilizará recortes secundários específicos dentro da narrativa de Graciliano Ramos, que antes mesmo de qualquer militância política de esquerda, como Secretário da Educação em Alagoas, promovia ações marcadamente sociais e éticas como a instituição de merenda escolar na rede pública de ensino e a ex- tinção de favoritismos na nomeação de professores. De outro lado, temos a narrativa de José Luandino Vieira, escritor nacionalista comprometido com a Luta de Libertação de Angola,4 um militante com participação ativa em seu país, quer na vida política pela luta clandestina através do MPLA desde 1959, quer na vida cultural como fundador da Uni- ão de Escritores Angolanos. Após a Independência de Angola em 11 de novembro de 1974, exerceu sucessivamente o cargo de diretor de programas da Televisão Popular de Angola, diretor do Departamento de Orientação Revolucionária do MPLA e diretor do Instituto Angolano de Cinema. O denominador comum entre A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira e Memórias do cárcere de Graciliano Ramos, apresenta-se como a exposição do desrespeito à dignidade daqueles que lutam por idéias que muitas vezes são consideradas como uma ameaça à ordem do Estado. A atitude classificada como subversiva transforma-se em justificativa àqueles que detêm o poder para cometer atrocidades inimagináveis, comprometendo a manutenção do Estado de Direito, pelo qual a lei deve ser regra comum a todos. Inicialmente observamos a importância do re- gistro social, político e histórico através do texto, de ações e fatos próprios de um de- terminado período e lugar. 3 A Lei de Segurança Nacional, promulgada em 4 de abril de 1935, definia crimes contra a segurança do Estado e sua principal finalidade era submetê-los a um regime mais rigoroso, com o abandono das garan- tias processuais. Em setembro de 1936, sua aplicação foi reforçada com a criação do Tribunal de Segu- rança Nacional. Mesmo com a queda da ditadura de Vargas em 1945, a Lei de Segurança Nacional foi mantida nas Constituições brasileiras que se sucederam. 4 Cf. Chaves, Rita. Entre intenções e gestos: a formação do romance angolano. São Paulo: FFLCH/USP, 1993, pág. 159.
  12. 12. 12 A impressão da realidade, como sendo a visão dos fatos ocorridos, é mais rica quando oriunda da experiência vivida pelo escritor. É visível a importância da experiência de privação da liberdade no caso dos autores das obras em destaque neste trabalho. A prisão por motivos políticos que oprimiu Graciliano Ramos e José Luandino Vieira traz uma vivência peculiar que se nota na riqueza de detalhes com que descrevem os martírios do cárcere. O presente trabalho versa, desse modo, sobre a importância da postura social na produção da literatura, pela qual os escritores denunciam problemas sociais e políticos, conscientizando seus leitores acerca de assuntos pertinentes a questões da mo- ral e da ética humanas, por exemplo, mazelas político-sociais tão graves como a tortura e o desrespeito aos direitos humanos de uma forma geral, comuns nos regimes antide- mocráticos. Em verdade o escritor acaba percorrendo um caminho sem volta, pois não há como escrever para escravos quando a liberdade de escrever implica a liberdade do cidadão.5 Verificando a fortuna crítica existente em relação aos textos analisados e a sua recepção pelos leitores em geral, percebemos a importância do impacto da narrativa como testemunho e denúncia. As obras visitadas são instrumentos eficazes no testemu- nho da degradação humana, através da violação das garantias individuais de suas perso- nagens. Coincidentemente, as duas narrativas foram adaptadas ao cinema, imortalizando também em película os momentos vividos por Domingos Xavier e seus companheiros na luta pela Independência de Angola, bem como as angústias dos inte- lectuais, entre eles Graciliano Ramos, silenciados pela prisão política durante a ditadura de Getúlio Vargas no Brasil. Sambizanga é o título da adaptação feita por Sarah Maldo- ror para o cinema do romance A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira. O roteiro foi filmado na República do Congo no período em que acontecia a luta pela libertação de Angola. A ação se passa em 1961 quando Mario de Andrade, marido de Sarah, era o presidente do MPLA, e aborda as ações iniciais do movimento que esta- 5 Jean-Paul Sartre descreve como inevitável o destino do escritor: “Assim, qualquer que seja o caminho que você tenha seguido para chegar a ela, quaisquer que sejam as opiniões que tenha professado, a litera- tura o lança na batalha; escrever é uma certa maneira de desejar a liberdade; tendo começado, de bom grado ou à força você estará engajado.” SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura? São Paulo: Ática, 1989, p. 53.
  13. 13. 13 beleceu a luta armada contra a colonização portuguesa em território angolano. Essa adaptação enfatizou a experiência da personagem Maria, esposa de Domingos Xavier, e das mulheres que a cercam. A crítica aclamou este filme por sua capacidade de informar os espectadores ocidentais sobre a realidade do país, ao mostrar um pouco da história da luta de libertação de Angola. Premiado com o Tanit d´Or no Festival de Carthage de 1972 na Tunísia, neste filme está apontada a história da revolução de um ponto de vista normalmente negligenciado não apenas no cinema, como em outras manifestações ar- tísticas – a perspectiva de uma mulher, Maria. Além de Sambizanga, Sarah Maldoror também dirigiu Un dessert pour Constance (1981), Aimé Césaire (1986) e Léon G. Da- mas (1995), entre outros.6 O filme Memórias do cárcere dirigido por Nelson Pereira dos Santos estreou nas telas brasileiras em 1984 e teve seu elenco formado por Carlos Vereza, Gló- ria Pires, José Dumont, Wilson Gray, Jofre Soares, Fábio Barreto, Nildo Parente, Ligia Diniz e Marcus Vinícius.7 Nelson Pereira dos Santos, um dos fundadores do cinema novo, imprimiu à adaptação do livro de memórias o mesmo tom seco e direto presente nas narrativas de Graciliano Ramos. O filme conta a experiência vivida pelo escritor Graciliano após ser preso em Alagoas, suspeito de colaborar com a Aliança Nacional Libertadora (ALN). Apesar de se considerar apenas um funcionário público “chinfrin,” nas próprias palavras de Graciliano, ocupava em 1936 o cargo de diretor da Instrução Pública do Estado de Alagoas. Podemos dizer que o cárcere criado por Nelson Pereira dos Santos é uma metáfora da sociedade brasileira. No espaço exíguo da prisão ocorrem dinâmicas próprias de cada grupo social: o militar, o jovem, a mulher, o negro, o nor- destino, o sulista. Temos também o encontro com o prisioneiro comum, o ladrão, o as- saltante, o homossexual, tudo retratado por Graciliano, ainda que tivesse que superar seus próprios preconceitos. Assim a liberdade da cadeia ultrapassa as grades do presí- dio, da cela, é preciso libertar-se da cadeia das relações sociais e políticas que aprisio- nam mesmo os que estão do lado de fora.8 6 O fato de Lucas Matesso, uma das estórias que compõem o livro Vidas novas, de José Luandino Vieira, também foi adaptado para o cinema por Sarah Maldoror em 1968 e filmado na Argélia, recebendo o título Monangambee. Este trabalho rendeu à cineasta o prêmio de curta metragem no Festival Internacional do Filme de Expressão Francesa, na cidade francesa de Dinard em julho de 1970. 7 No mesmo ano o filme Memórias do cárcere, de Nelson Pereira do Santos, recebeu prêmio de melhor filme no Festival de Cannes. 8 Em 1963 Nelson Pereira dos Santos já havia filmado outra obra de Graciliano Ramos, Vidas Secas, que recebeu o Prêmio Cinema de Arte, o de Melhor Filme para a Juventude e o Prêmio Office Catolique de Cinéma, durante o XVII Festival Internacional de Cinema de Cannes.
  14. 14. 14 O interesse que os cineastas Sarah Maldoror e Nelson Pereira dos Santos depositaram nas obras ora cotejadas, demonstra, a nosso ver, a importância que as mesmas tiveram no seu tempo. Mais do que uma “literatura fácil” e “subversiva”, as narrativas de Luandino e Graciliano trazem consigo uma latente beleza artística que se verifica no cuidado com a linguagem, e também aponta para imagens poderosas, o que fica ressaltado nas adaptações cinematográficas, superando as fronteiras do universo literário. O trabalho do referidos cineastas permitiu não apenas a ampliação do público leitor das referidas narrativas, mas também uma perspectiva crítica sobre todo um pano- rama social de um período de convulsão histórica e repressão política. Entendemos que a escolha de uma obra literária para adaptação em outra forma de manifestação artística ocorre em razão do seu apelo incontornável, mantendo-se como uma forte e indelével referência para o seu público em geral, mas especialmente aos artistas do seu tempo. Assim podem ser tomadas as obras literárias A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos. Na perspectiva apontada de aproximação entre Luandino e Graciliano, e principalmente nestas obras que colocamos em destaque, e que são permeadas do ele- mento da denúncia, a função pedagógica da Literatura se faz presente no sentido em que suas narrativas podem ser entendidas também como manuais de ética e moral para as relações humanas, e não somente como um simples instrumento de denúncia. Lembra- mos, assim, que, nas obras em questão, vemo-nos diante da constatação que a Literatura faz viver, remete o leitor a uma realidade sem que ele próprio arrisque a sua vida, a sua integridade, a sua felicidade. Neste ponto as obras estudadas remetem para a idéia de uma Literatura essencialmente humanística, tornando possível uma conscientização coletiva sobre as necessidades humanas que ultrapassa em muito o pequeno grupo de leitores que o escritor pudesse imaginar na construção da sua narrativa. A presente dissertação está dividida em quatro capítulos assim nome- ados: “Pressupostos teóricos,” “O intelectual e o escritor,” “Dois cárceres, uma certeza: a morte” e “Literatura e direitos humanos.” Iniciamos o trabalho com a exposição, ao longo da “Introdução”, das razões pelas quais foram adotadas as obras ficcionais em referência para a realização do estudo comparado ao abrigo da linha de pesquisa “Lite- ratura e sociedade”. Em seguida passamos a refletir acerca de determinados pontos teó-
  15. 15. 15 ricos no decorrer do capítulo “Pressupostos teóricos”, que entendemos serem eficazes na fundamentação do nosso trabalho, abarcando conceitos singulares do comparatismo como “sistema literário nacional,” “comparatismo da solidariedade,” “supranacionali- dade,” “intertextualidade,” “macrossistema de literaturas de língua portuguesa” e “cam- po intelectual.” O capítulo “O intelectual e o escritor” dedicamos ao entendimento de conceitos de intelectualidade e do engajamento em relação à Literatura, bem como a uma breve exposição biográfica dos escritores estudados. A seguir, no capítulo “Dois cárceres, uma certeza: a morte,” realizamos a análise sob o cunho comparatista propri- amente dito sem excluir a apreciação de alguns dos elementos que compõem cada uma das narrativas. No capítulo “Literatura e direitos humanos,” refletimos sobre os ele- mentos incidentais e comuns às narrativas em cotejo que são a violência, o autoritaris- mo e o testemunho. Como fechamento das reflexões empreendidas ao longo da pesquisa apresentamos, nas “Considerações finais”, a conclusão obtida ao final deste trabalho. Acompanha a presente dissertação a transcrição de textos como “Anexos” que enten- demos relevantes à complementação do presente trabalho, a saber: duas entrevistas de José Luandino Vieira (“Quando os mosquitos fazem parte da pena”, de 1974 e “Apren- der até morrer”, de 2006), duas crônicas de Graciliano Ramos (“Porão”, de 1937 e “Os amigos do povo”, de 1945) e excertos de legislação colonial que nos ajudaram a com- preender a complexidade da situação angolana, proporcionando um movimento dialéti- co em que se ilumina tanto a obra de Luandino quanto a situação social vivenciada em Angola no período pré-Independência. Por fim, seguem no “Levantamento bibliográfi- co” as obras que contribuíram à formação das reflexões críticas da autora e que foram agrupadas de modo a delimitar os campos pesquisados, ou seja, a base ficcional do es- tudo comparado pretendido, outras obras ficcionais auxiliares, o material teórico-crítico e outras obras de interesse geral.
  16. 16. 16 2. Pressupostos teóricos A partir da exposição que iniciamos na Introdução do presente traba- lho, passamos a refletir sobre as questões teóricas que entendemos pertinentes à realiza- ção do comparatismo entre A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos. De um lado temos um romance, gênero tradicional do cânone ocidental, mas que não representa a preferência de Luan- dino Vieira, prestigiado e premiado por suas narrativas curtas, a que chama de estórias,9 como é o caso do livro Luuanda distinguido em 1964 com o Prêmio Literário Mota Veiga em Angola, e em 1965 com o Grande Prêmio de Novelística da Sociedade Portu- guesa de Escritores em Portugal. De outro lado temos um “livro de memórias”, ponto culminante de uma carreira literária que seguiu por vários caminhos, nos quais o escritor brasileiro conduziu a sua criação através da crônica, do conto e do romance numa espi- ral que partiu da ficção até alcançar um nível autobiográfico. Apesar de parecer num primeiro momento de que se tratam de duas obras de gêneros completamente distintos, e elaboradas em contexto, tempo e espaço inconciliáveis, pretendemos demonstrar como este romance e este relato autobiográfico estão inseridos num mesmo campo no qual é possível a sua aproximação e a realização de um diálogo crítico. Assim, iniciamos esse estudo com a exposição de reflexões teóricas que possam fundamentar e permitir o comparatismo entre as duas obras escolhidas. A princípio, trataremos da questão do gênero como estratégia ou instrumento de criação possível para estes escritores. O estranhamento se coloca diante da difícil conciliação entre duas obras classificadas em universos distintos que são a ficção no caso do romance, e a “re- alidade/verdade” em se tratando de memorialismo. Contudo, devemos centrar-nos em questão de maior relevância que é a representação da realidade, e que existe em quais- quer tipos de criação literária. A memória como o ato de “fazer memória de alguma 9 Vocábulo derivado do inglês, story, datado do século XIII, que indica narrativa em prosa ou verso, fictí- cia ou não, com o objetivo de divertir e/ou instruir o ouvinte ou o leitor. No Brasil, desde 1912, narrativa de cunho popular e tradicional ou história, segundo Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa, versão eletrônica, disponível no endereço http://houaiss.uol.com.br e acessado em 25/04/2006.
  17. 17. 17 coisa, trazê-la à lembrança; simbolizá-la, representá-la,”10 não é o retrato fiel de um fato. No momento em que a memória é inscrita, reduzida, estará definitivamente altera- da em razão de sua conformação à verossimilhança – alicerce maior da literatura. Então, mesmo no memorialismo, a pequena porção de ficção que haja, individualiza e mantêm distante o narrador do seu autor. A partir de então o escritor adentra o terreno da ficção, e não existe outra forma de atuação que não seja a de narrador, uma ponte, é certo, ou melhor, um passaporte para que o escritor possa efetivamente ultrapassar as fronteiras daquele tema ficcional. No entanto, a nosso ver o escritor torna-se ele próprio partici- pante do mundo ficcional, através do uso das ferramentas do imaginário. Ao refletirmos acerca da ficção propriamente dita, então, fica ainda mais distanciada de tal pretensão, pois que se trata de “simulação, fingimento,” ou ainda, “idéias falsas que o orador apre- senta como verdadeiras para dar mais força ao seu discurso,”11 restando maculada a “realidade verdadeira,” por obra do próprio autor. Ficamos então diante da problemática representação do real, da verdade, em obras que entendemos como libelos de denúncia e testemunho de seu tempo, e mais do isso, um instrumento de conscientização do público leitor. A vida verdadeira de Domingos Xavier, escrita por José Luandino Vi- eira difere da obra brasileira em seu gênero, pois se trata de uma narrativa elaborada ficcionalmente na forma romance, muito embora existam vários detalhes dentro da obra que espelhem fatos ou curiosidades da vida do autor, e principalmente da vida cotidiana da Angola às vésperas do início da luta armada contra o colonialismo português, em 04 de fevereiro de 1961. O romance estava pronto antes da segunda prisão de José Luandi- no Vieira em 20 de novembro de 1961, e teve a sua primeira circulação em fotocópias distribuídas pelos companheiros da Sociedade Cultural de Angola. Muito embora se trate de uma elaboração ficcional, o romance angolano foi concebido de maneira a tratar dos fatos mais relevantes em curso na sociedade angolana daquele período, numa lin- guagem simples que ainda não apresentava o mesmo trabalho formal com a linguagem que virá posteriormente com Luuanda, livro de estórias12 escrito durante o período em que Luandino se encontrava preso em Luanda aguardando o seu julgamento. A vida 10 AULETE, Caldas. Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Delta, 1958, p. 3213. 11 Ibidem, p. 2212. 12 O livro Luuanda é composto por três estórias: “Vavó Xixi e seu neto Zeca Santos,” “Estória do ladrão e do papagaio” e “Estória da galinha e do ovo”. VIEIRA, José Luandino. Luuanda. Lisboa: Caminho, 2004.
  18. 18. 18 verdadeira de Domingos Xavier é de fato a obra mais próxima em nível temporal da dinâmica dos ideais da angolanidade e da luta de libertação de Angola, pois foi escrita e disponibilizada em cópias mimeografadas ainda no momento dos acontecimentos que inspiraram o romance. Da mesma forma em que no ano de 1973 outro escritor angolano, Pepetela escreveu Aventuras de Ngunga,13 publicado em 1973 como texto exemplar para a utilização na alfabetização dos guerrilheiros, este romance de Luandino é escrito a partir de um projeto de criação literária que, a nosso ver, busca desde o seu princípio a afirmação da identidade angolana através da valorização da tradição africana e da im- bricação de culturas. Essa característica alinhada a uma linguagem simples e a uma história presente naquele momento confere ao romance de Luandino Vieira o estatuto de manual ético e moral, tomando uma função pedagógica entre os companheiros empe- nhados no combate ao colonialismo português. A narrativa em Memórias do cárcere está enredada na verossimilhan- ça como afirma o próprio Graciliano Ramos na “Primeira parte – Viagens”, em que ex- plica ao leitor as razões que o levaram a escrever e as que o retardaram na empreitada. Referindo-se ao extenso material composto por notas que se perderam, Graciliano nos diz: Quase me inclino a supor que foi bom privar-me desse material. Se ele existisse, ver-me-ia propenso a consultá-lo a cada instante, morti- ficar-me-ia por dizer com rigor a hora exata de uma partida, quantas demoradas tristezas se aqueciam ao sol pálido, em manhã de bruma, a cor das folhas que tombavam das árvores, num pátio branco, a for- ma dos montes verdes, tintos de luz, frases autênticas, gestos, gritos, gemidos. Mas que significa isso? Essas coisas verdadeiras podem não ser verossímeis. [...] Em conversa ouvida na rua, a ausência de algumas sílabas me levou a conclusão falsa – e involuntariamente criei um boato. Estarei mentindo? Julgo que não. Enquanto não se reconstituírem as sílabas perdidas, o meu boato, se não for absurdo, permanece, e é possível que esses sons tenham sido eliminados por 14 brigarem com o resto do discurso. Essa postura de permanente diálogo com o leitor que se encontra ao longo do texto revela a incessante busca por uma narrativa que privilegiasse as memóri- 13 Na Frente Leste, região militar localizada na Província de Moxico em Angola, Pepetela auxiliava os professores responsáveis pela educação dos jovens guerrilheiros escrevendo textos de apoio em língua portuguesa e também na língua mbunda. Assim nasceu o livro Aventuras de Ngunga, que também foi utilizado no ensino oficial de Angola após a sua independência. 14 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 36.
  19. 19. 19 as da cadeia, e não apenas da vida do escritor. Cadeia essa composta por sujeitos peculi- ares a partir dos quais Graciliano criou suas personagens exibidas em tecido social muito próprio espelhando a sociedade brasileira nos seus tipos mais ilustres, personali- dades íntegras e exemplares, mas também nos seus mais ordinários, escroques e malan- dros. A recusa do escritor em compor memórias de sua própria vida se dispõe, em nosso entender, como um distanciamento crítico a que Graciliano Ramos se impôs para dar à sua narrativa alguma imparcialidade, alguma coerência, e deste modo fugir das agruras do “pronomezinho irritante,”15 do qual não escapou, todavia, como estratégia suficiente para dar conta do tom de depoimento e testemunho de sua narrativa. Corroborando esse distanciamento, os apontamentos que no início da prisão ainda eram feitos e guardados, aos poucos foram todos lançados fora, e mesmo liberto, Graciliano Ramos hesitou por longo tempo em começar a escrever as memórias da sua cadeia, iniciando a escrita somente em 1946, isto é, após o final do Estado Novo e o retorno do Partido Comunista Brasileiro ao universo da legalidade. Trabalhou ardu- amente para que os fatos ressurgissem de sua memória como matéria cercada da maior verossimilhança possível. Dessa forma não haveria mais compromisso com a realidade pura, mas somente com a verossimilhança, item primordial para o desenvolvimento das suas memórias.16 Portanto, como se tratam de representações da realidade trabalhadas a partir do pressuposto maior da criação literária que é a verossimilhança, conferimos o mesmo estatuto ficcional às memórias de Graciliano Ramos. 2.1 Comparatismo Como este trabalho está embasado no comparatismo, é importante que façamos uma breve exposição em torno da Literatura Comparada, disciplina cuja ori- gem se confunde com a origem da Literatura, uma vez que, ao longo do tempo e, espe- cialmente a partir do final do século XIX, concepções diversas e por vezes conflitantes passaram a compor um quadro de disciplina bem definido por Sandra Nitrini como uma 15 Expressão usada por Graciliano Ramos para designar o pronome eu, desagradável, mas facilitador da narração. 16 “Não resguardei os apontamentos obtidos em largos dias e meses de observação: num momento de aperto fui obrigado a atirá-los na água. Certamente me irão fazer falta, mas terá sido uma perda irrepará- vel?”. RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 36.
  20. 20. 20 disciplina indisciplinada.17 Assim, traçamos um breve histórico com ênfase às concep- ções que nos parecem mais adequadas à composição do nosso pensamento neste traba- lho. Desde o surgimento de mais de uma literatura configurou-se uma ten- dência para compará-las, apreciando o mérito de cada uma. Essa inclinação aperfeiço- ou-se até meados do século XIX, quando as universidades francesas sistematizaram a disciplina ministrada por Abel Villemain, Jean-Jacques Ampère e Philarète Chasles. O termo “literatura comparada” surge nesse período em meio à consolidação das fronteiras nacionais e à ampla discussão sobre cultura e identidade nacional por toda a Europa, e por isso, está intimamente ligada à política e adota o conceito da “influência”, que per- manecerá até a primeira metade do século XX como instrumento teórico e de orientação para os estudos comparatistas. Deste modo, caracterizou-se como disciplina autônoma cujo objeto é estudar as relações entre as diversas literaturas, apontando tudo o que pas- sou de uma para outra. A partir da década de 1950 surgem críticas ao modelo francês de comparatismo que se apresentava como internacional, vinculado à História e calcado no conceito de “nacionalidade”. Em contrapartida os teóricos americanos propõem um novo modelo para o comparatismo que seja supranacional, e esteja ligado às questões da Literatura, da crítica e da teoria literárias. O século XX foi marcado por críticas ao comparatismo e inúmeras novas propostas à delimitação do campo da Literatura Com- parada, todavia, sem nenhuma resposta bastante para a sua definição, restando somente a certeza da falência do comparatismo tradicional eurocêntrico, pois em razão da pers- pectiva adotada para o estudo das literaturas, “o centro está em toda parte” e “nenhuma literatura é superior a outra.”18 A íntima ligação da Literatura Comparada com aspectos sociais e po- líticos desde a sua consolidação no decorrer do século XIX, ocasião em que a disciplina foi mantida em estreito contato com os debates em torno da cultura e da identidade na- cionais representa importante característica responsável pela evolução dessa disciplina. Por isso, as profundas e múltiplas mudanças sociais e políticas que abalaram o mundo 17 NITRINI, Sandra. Literatura comparada. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000, p. 117. 18 Ibidem, p. 285.
  21. 21. 21 durante o século XX promoveram a necessidade de novos instrumentos teóricos e críti- cos que fossem suficientes para o desenvolvimento e fundamentação do comparatismo, surgindo diversas linhas de pensamento crítico para abarcar sutilezas nos mais diferen- tes contextos como das literaturas latino-americanas ou das africanas pós-coloniais, por exemplo. Portanto, podemos dizer que a Literatura Comparada é uma disciplina dinâmica e que necessita constantemente de questionamentos teóricos para a sua sobre- vivência acadêmica. Nesse passo, como tratamos aqui do estudo de duas obras oriundas de Angola e do Brasil, e de períodos históricos relevantes às suas sociedades, além de pertencerem à periferia da globalização mundial, buscamos referências teóricas que fossem capazes de cuidar dos aspectos da cultura e da identidade nacional destes países. Valemo-nos, então, do pensamento teórico e crítico de Claudio Guillén, através do con- ceito de “supranacionalidade,” e de Benjamin Abdala Júnior, com a perspectiva do “macrossistema das literaturas de língua portuguesa” e do “comparatismo da solidarie- dade”, tornando possível um ponto de vista próprio e periférico, em vez de alheio e eu- rocêntrico, para o estudo das literaturas de língua portuguesa. Segundo Claudio Guillén, a Literatura Comparada é um ramo da in- vestigação literária que tem por objeto o estudo sistemático de conjuntos supranacio- nais. A expressão “conjuntos supranacionais”19 é a resposta crítica do teórico espanhol à falência do comparatismo eurocêntrico como proposta para a substituição da tradicional definição de Literatura Comparada, ou seja, o estudo das literaturas sob uma perspectiva internacional. Para Guillén, essa perspectiva internacional imposta ao exercício do com- paratismo colocava em destaque apenas o ponto de vista do observador, relegando à obscuridade as contribuições de classes ou categorias que não podem ser classificadas como “nacionais.” A supranacionalidade se apresenta como um conceito que tenta dar conta de um possível caráter universal próprio de diferentes sistemas literários,20 supe- rando assim a questão do nacionalismo no estudo comparado das literaturas. Deste modo, Guillén tornou possível uma nova perspectiva crítica que amplia a faculdade do comparatismo, permitindo uma laçada teórica mais firme no caso das literaturas de lín- gua portuguesa, por exemplo, em que estão inseridos os autores estudados – José Luan- 19 GUILLÉN, Claudio. Entre lo uno e lo diverso. Barcelona: Editorial Crítica, 1985, p. 13-14.
  22. 22. 22 dino Vieira e Graciliano Ramos – além de afastar absolutamente a questão da influência e suas ramificações. Guillén organizou a forma comparada de análise através da supranaci- onalidade indicando três modelos chamados de A, B e C, que permitem a relação entre o universal e o local e apontar características convergentes e divergentes nas literaturas estudadas. O modelo A estuda os fenômenos e os conjuntos supranacionais que impli- cam internacionalidade, isto é, contatos genéticos e outras relações entre autores e pro- cessos pertencentes a diferentes âmbitos nacionais, ou premissas culturais comuns, de uma mesma nação. Modelo B é aquele em que se estudam fenômenos e processos ge- neticamente independentes, pertencentes a diferentes nações, mas implicando em condi- ções sociais e históricas comuns. Este modelo B postula a existência de processos e des- envolvimentos sociais e econômicos comuns que permitem comparar fatos políticos pertencentes a nações distintas. O modelo C por sua vez, é constituído por fenômenos geneticamente independentes que formam os conjuntos supranacionais, de acordo com princípios derivados da Teoria da Literatura. Este modelo significa o diálogo entre a unidade e a diversidade que estimula o comparatismo. Apesar de ter definido os três modelos acima declinados, Claudio Guillén afirma que estes não excluem a possibilida- de de surgimento de outros modelos que assumam relações de supranacionalidade, dei- xando aberta a sua concepção teórica a uma eventual demanda crítica colocada pelo dinamismo da Literatura Comparada. Refletindo acerca da perspectiva teórica acima, entendemos que os objetos escolhidos para o estudo comparado conduzido neste trabalho que trata do en- gajamento presente na criação literária de José Luandino Vieira e Graciliano Ramos, situam-se entre os modelos B e C propostos por Guillén. Temos diferentes nações, An- gola e Brasil, que possuem condições históricas comuns em razão de terem sido ambas colônias de Portugal, mas que apresentam fenômenos e processos geneticamente inde- pendentes. Contudo, muito embora estas nações apresentem fenômenos geneticamente independentes, é possível afirmar o seu pertencimento a um conjunto supranacional determinado pela presença da língua portuguesa como laço comum. Assim, buscaremos através de uma análise crítica e orientada pelo conceito da supranacionalidade demons- 20 Sistema literário na acepção de Antonio Candido. Cf. CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993, p. 23-24.
  23. 23. 23 trar que as obras em questão, apesar de pertencerem a diferentes âmbitos nacionais, apresentam condições sociais e culturais semelhantes, permitindo o comparatismo atra- vés da identidade de tema entre as suas narrativas, permeadas por aspectos sociais e políticos. Antes de iniciarmos nossas reflexões acerca do macrossistema das li- teraturas de língua portuguesa e do comparatismo da solidariedade proposto por Benja- min Abdala Júnior, destacamos a importância do conceito de “sistema literário” cunha- do por Antonio Candido. Nas palavras do teórico brasileiro, a Literatura é “um sistema de obras que estão ligadas por denominadores comuns, que permitem reconhecer as notas dominantes duma fase.”21 Os chamados denominadores comuns estão divididos em internos e externos. São considerados denominadores comuns internos a língua, os temas e as imagens, enquanto que os externos são representados por elementos de natu- reza social e psíquica literariamente organizados. A manifestação histórica destes de- nominadores comuns faz da Literatura um aspecto orgânico da civilização. Deste modo, com a observação dos denominadores comuns pertencentes a um sistema literário naci- onal, podemos determinar três elementos que o compõe: um conjunto de produtores literários com determinado grau de consciência de seu papel, um conjunto de receptores dessa produção literária – o público, e um mecanismo transmissor que é a linguagem. Feita essa consideração sobre o sistema literário nacional, podemos re- fletir sobre o macrossistema e o comparatismo da solidariedade, conceitos propostos por Benjamin Abdala Júnior para fundamentar o estudo comparado entre a literaturas pro- duzidas nos países de língua portuguesa. Estas ferramentas teóricas são elaboradas a partir de duas perspectivas importantes: o olhar crítico determinado pelo lugar de onde se fala e o distanciamento desse olhar com o uso de critérios próprios de valor. Na com- preensão da primeira perspectiva cumpre considerar as características culturais presen- tes na América Latina, onde encontramos o elemento mestiço envolvido pelas culturas ameríndias, africanas e européias. Essa imbricação de culturas “traz-nos um estatuto crioulo – a crioulidade – uma forma plural de nos imaginarmos, com repertórios de vá- rias culturas.”22 Assim, é possível vislumbrar uma comunidade cultural ibero-afro- americana que tem por elemento principal a crioulidade, marca visível da mistura exis- 21 CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993, p. 23. 22 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 66.
  24. 24. 24 tente numa figuração, a princípio, abstrata do sujeito híbrido, mas potencialmente reali- zável através de uma perspectiva “crioula”. A segunda perspectiva pede um distanciamento do olhar crítico e a apropriação de critérios próprios de valor para que seja possível “observar nossas cultu- ras a partir de um ponto de vista próprio.”23 Esta estratégia teórica importa na busca de um descentramento para o comparatismo que se faz num primeiro momento pelos pa- ralelos, isto é, que supera o critério geográfico, todavia apreende as similaridades soci- ais e culturais. Desta maneira, podemos observar nesta mesma comunidade ibero-afro- americana que os países ibéricos se encontram em paralelo equivalente ao de suas ex- colônias, permitindo o comparatismo das literaturas pertencentes ao eixo sul. Essa busca pelo que existe de próprio e comum nas culturas do eixo sul representa o comparatismo da solidariedade que vem tomar o lugar do comparatismo da necessidade, em que pre- valecia a movimentação norte/sul entre as literaturas das metrópoles portuguesa e espa- nhola e suas ex-colônias, mantendo marcada somente a instância da comparação sob a perspectiva da influência e da apropriação antropofágica. O comparatismo da ordem da solidariedade promove uma circulação mais intensa entre as culturas periféricas pertencentes à comunidade ibero-afro- americana, e revela-se um instrumento teórico eficaz às circunstâncias do momento atual posto que “em face da ênfase universal na procura de afinidades culturais – direci- ona-nos para o pólo dialético contrário da tendência globalizadora.”24 A condição mes- tiça que perpassa os repertórios culturais periféricos aponta para uma universalidade intrínseca à sua existência, dando voz ao outro, ao diferente, num movimento pluridire- cional. Por sua vez, a globalização como ferramenta homogeneizante é massificadora, unidirecional e busca a negação do outro, a aniquilação do diferente. O conflito entre estes dois movimentos tem enfraquecido cada vez mais a tendência pelo comparatismo histórico norte/sul da ordem da necessidade, consolidando-se em seu lugar o compara- tismo da solidariedade. Deste modo, a busca por afinidades sociais e culturais entre as minorias periféricas permite a circulação de valores estéticos, culturais, sociais e políti- cos que atravessam as fronteiras nacionais, além de manter um movimento de oposição às linhas homogeneizantes da globalização. 23 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 67. 24 Ibidem, p. 75.
  25. 25. 25 Delimitados os parâmetros do comparatismo da solidariedade, passa- mos à exposição acerca do conceito de macrossistema das literaturas em língua portu- guesa proposto por Benjamin Abdala Júnior. A teorização em tela envolve os sistemas literários nacionais dos países que tem em comunhão a mesma língua como instrumento de comunicação e expressão, que no presente caso são Portugal e os países por ele colo- nizados. O macrossistema das literaturas de língua oficial portuguesa, que reúne os sis- temas literários acima descritos, permite apontar formas, modelos e temas que ultrapas- sam as fronteiras de seus países de origem, características culturais estas que são apro- priadas pelas literaturas nacionais. Deste modo, é possível encontrar inúmeros pontos de similaridade entre as produções literárias desses países, perpassadas pelas respectivas condições históricas, sociais e políticas. A similaridade entre os sistemas literários de língua portuguesa existe primordialmente em face da característica colonização realizada pelos portugueses, que por razões numéricas de população e poderio econômico, esbarravam em limitações durante o processo de exploração colonial. A miscigenação havida entre os colonizado- res e os nativos das diferentes colônias contribuiu para a assimilação dos traços culturais da população local, que por sua vez eram transmitidos pelos portugueses aos nativos das outras colônias por onde passavam. A partir do início do estudo comparativo das litera- turas dos países de língua oficial portuguesa percebe-se uma tradição histórica e cultural subjacente e comum que perpassa as suas produções artísticas. Essa constatação decorre da origem de todo texto literário de língua portuguesa, que parte de “uma linguagem modelada desde a Idade Média européia, num processo contínuo de aproximações e diferenciações que motivou o contexto comunicativo que se estabeleceu a partir dos tempos coloniais.”25 A existência de um macrossistema que reúne os vários sistemas literários nacionais de língua oficial portuguesa é possível em virtude dessa dinâmica comunicação em português. Essa circulação que ocorre em razão da aproximação dos sistemas nacionais permite ao macrossistema alimentar-se da origem comum e também da atualização constante das literaturas de língua portuguesa. Colocados estes primeiros e principais pressupostos teóricos, vemos a necessidade da exposição sobre a intertextualidade existente entre as produções literári-
  26. 26. 26 as dos países de língua oficial portuguesa, notadamente entre Brasil e Portugal, e Brasil e Angola. Deste modo, destacamos a apropriação que verificamos das características da segunda fase do Modernismo Brasileiro, o chamado regionalismo de 1930, pelos escri- tores portugueses para a consolidação do Neo-realismo português, e pelos escritores africanos de língua portuguesa para a imaginação das nações independentes. Essa apro- ximação entre as literaturas de língua portuguesa encontra-se referenciada em vários textos críticos e depoimentos como no trecho abaixo de um ensaio crítico de Maria Apa- recida Santilli: Quanto ao estímulo de modernismo brasileiro para o embalo das contemporâneas literaturas africanas de língua portuguesa, anunci- am-no praticamente em unanimidade os depoimentos dos escritores caboverdianos e angolanos [...]. E de testemunhos publicados pelos próprios escritores de Cabo Verde e Angola irradia-se o assentimento prazeroso quanto a essas aproximações, como se instauradoras de uma confraternização literária entre povos que, então, já não chega- vam apenas à catarse da ânsia de libertação nacional, mas que en- contravam sua hora de se exorcizarem da dependência de coloniza- 26 dos. A teoria da intertextualidade concebida por Júlia Kristeva a partir de sua leitura acerca das reflexões e proposições de Bakhtin, apresentados em La poétique de Dostoievski, encerra a ligação existente entre diversas escrituras: a do escritor, a do destinatário (ou da personagem), do contexto atual ou anterior. Assim o texto estará incrustado na história e na sociedade, e estas impregnadas no universo do escritor ao reescrevê-las, como nos ensina Sandra Nitrini: O escritor participa da história mediante a transgressão dessa abstra- ção, por meio da escritura-leitura; em outras palavras, da prática de uma estrutura significante em razão de ou em oposição a uma outra 27 estrutura. A intertextualidade é composta pelo sujeito da escritura, o destinatário e os textos exteriores, elementos que se inter-relacionam em dois eixos, isto é, horizon- talmente entre o sujeito e o destinatário, e verticalmente entre o texto e o contexto. Bakhtin chama o eixo horizontal de diálogo (entre sujeito e destinatário) e o vertical de ambivalência (entre o texto e o contexto). Segundo Sandra Nitrini, “o termo ambivalên- 25 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 103. 26 SANTILLI, Maria Aparecida. Africanidade. São Paulo: Ática, 1985, p. 25. 27 NITRINI, Sandra. Literatura Comparada. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000, p. 159.
  27. 27. 27 cia implica a inserção da história e da sociedade no texto e do texto na história,”28 e mais, “todo texto se constrói como mosaico de citações, todo texto é absorção e trans- formação de um outro texto.”29 O texto remete a outros textos e através de sua transfor- mação confere a estes textos uma nova roupagem com significação própria. Um novo texto é sempre uma absorção e transformação de um texto anterior. Podemos dizer então, que um texto sozinho não se basta, não pode ser isolado de forma hermética e cristalizada, porque o processo de escrita é o resultado do proces- so de leitura de um texto literário anterior. Deste modo, a relação de dependência entre um texto literário e outro deixa de existir, não há mais a dívida que um texto adquiria com seu antecessor. Temos, sim, um procedimento natural e contínuo de reescrita dos textos. A dissolução das amarras da colonização intelectual cresce em meio à imitação do modelo, e a partir dessa iniciação é que teremos uma produção literária ma- dura e consciente, desenvolvendo um sistema literário próprio e característico. A Lite- ratura Comparada tradicional, inicialmente, mantinha-se atrelada ao eurocentrismo, através do qual os sistemas literários do Velho Mundo eram venerados como modelos. Este fato era corroborado pela dependência cultural que se formava com a atitude passi- va dos países colonizados de contemplação da Europa como matriz intelectual. A des- colonização literária no Brasil, e de uma forma geral nas demais ex-colônias, se dá com a dialética do localismo e do cosmopolitismo, existindo uma oscilação entre duas fortes tendências que afirmaram cada vez mais o sistema literário nacional, e que são a afir- mação do nacionalismo literário e a imitação consciente do padrão europeu. Assim, o sistema literário nacional colonizado inicia a ruptura da de- pendência cultural desenvolvendo os motivos nacionais através dos moldes da tradição européia. Vale dizer que o colonizado, a partir de sua sensibilização ao nacionalismo e a busca de sua Independência, dispõe seus próprios frutos no balaio de outrem até que possa tecer o seu próprio, caminhando assim, rumo à sua maturidade cultural, e afir- mando definitivamente a sua identidade nacional. A intertextualidade pode ser usada 28 Ibidem, p. 160. 29 NITRINI, Sandra. Literatura Comparada. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000, p. 161.
  28. 28. 28 como instrumento para a descolonização literária, pois a escrita que oferece caminhos para a releitura de textos produzidos segundo a ideologia dominante não é apenas imita- ção, mas sim o resgate daquele texto colocando-o no tempo presente, com as circuns- tâncias que norteiam o novo texto e o seu meio. Como nos explica Benjamin Abdala Júnior, “ninguém cria do nada. [...] Quando o escritor escreve, pode julgar que o texto é apenas seu, não tendo consciência de que na verdade é a sociedade que se inscreve atra- vés dele”.30 Isto significa a apropriação que o escritor realiza até mesmo inconsciente- mente não apenas da matéria pertencente à sociedade local e ao patrimônio cultural co- letivo, como também das outras literaturas com as quais interage dialeticamente. Retomando as aproximações ocorridas na primeira metade do século XX entre as literaturas brasileira e portuguesa, recordamos o exemplo do romance Ca- etés, de Graciliano Ramos, em que encontramos a apropriação da estrutura do romance A ilustre casa de Ramires, de Eça de Queirós. A estratégia narrativa do romance embu- tido dentro do romance, que no caso se traduz na história da personagem narradora, João Valério, que escreve a sua história, ainda é resgatada no romance São Bernardo. Ainda com relação ao romance Caetés, Benjamin Abdala Júnior aponta para uma curio- sidade histórica, pela qual “os índios caetés, por sua vez, são recorrência histórica an- tropofágica: eles devoraram o Sardinha português.”31 Há, portanto, uma interação entre as literaturas de língua portuguesa, e podemos dizer que Portugal pode se ver no Brasil em razão desse tipo de apropriação. Talvez isso explique a propensão para o caminho inverso pelo qual Portugal vem apropriar-se das referências literárias do Modernismo brasileiro, durante o Neo-Realismo português. Em relação aos países africanos de língua portuguesa, podemos dizer que algo de semelhante ocorreu, principalmente nas décadas de 1940 e 1950 quando, por exemplo, em Angola havia uma geração de intelectuais e escritores que se preocupavam com a consolidação de um sistema literário nacional e de uma consciência de identidade nacional. Essa geração encontrou na Literatura Brasileira semelhanças da mescla cultural que eles próprios viviam, e com isso os elementos ne- cessários para desenvolver seus projetos culturais e políticos. 30 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 112. 31 Ibidem, p. 68.
  29. 29. 29 2.2 Campo intelectual Face o desenvolvimento deste trabalho através de perspectivas que tomam os escritores como intelectuais do seu tempo, consideramos relevante a teoriza- ção que Pierre Bourdieu elaborou acerca do significado do termo “campo intelectual”. Desta maneira, é possível compreender a posição que Luandino Vieira e Graciliano Ramos ocupavam nos seus respectivos contextos e a relação dos mesmos com o campo de poder em que estavam inseridos. As reflexões empreendidas nesse sentido buscam o entendimento da posição ocupada pelos escritores e intelectuais na sociedade. Nas pala- vras de Bourdieu, o campo intelectual consiste em um “sistema de posições predetermi- nadas abrangendo, assim como os postos de um mercado de trabalho, classes de agentes providos de propriedades (socialmente constituídas) de um tipo determinado.”32 Esse sistema de posições é determinado em função do espaço que ocupa no campo de poder independentemente da autonomia alcançada pelo campo intelectual. Deste modo, é pos- sível refletir sobre a condição do escritor/intelectual e suas diferentes categorias em pe- ríodo histórico e lugar específico. A existência de um segmento intelectual característico ocorre por sua interação com o habitus33 socialmente constituído, e compreendendo esse diálogo podemos vir a distinguir a posição ocupada por esse segmento no campo inte- lectual, bem como as conseqüentes opções estéticas ou ideológicas adotadas. As origens do pensamento sobre o campo intelectual estão presentes na recusa da valorização desmedida da biografia do escritor e do artista para a compre- ensão da sua obra. A relevância extremada atribuída aos aspectos da vida privada do artista implica numa perspectiva crítica pela qual se avalia o seu projeto estético em razão de toda a história pessoal do artista, em que se toma a obra como a expressão da pessoa do artista em sua singularidade. Mas essa estratégia crítica mostrou-se ao longo do tempo ser absolutamente falhada, sendo consenso a extensão das dificuldades acar- retadas por esse método na compreensão inteira e completa das criações artísticas e seus criadores. Para suprir essa lacuna mostrou-se necessário considerar também o entorno social e político do artista, como bem explica Bourdieu: 32 BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 184. 33 Segundo Pierre Bourdieu, habitus é um “sistema das disposições socialmente constituídas que, en- quanto estruturas estruturadas e estruturantes, constituem o principio gerador e unificador do conjunto das práticas e das ideologias características de um grupo de agentes.” BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 191.
  30. 30. 30 (...) considerando o campo ideológico de que fazem parte e que ex- prime, de uma forma mais ou menos transfigurada, a posição de uma categoria particular de escritores na estrutura do campo intelectual, por sua vez incluído em um tipo específico de campo político, caben- 34 do uma posição determinada à fração intelectual e artística.” Quanto à Literatura, Bourdieu expõe que é durante o Romantismo, na primeira metade do século XIX que a vida do escritor se torna uma espécie de obra de arte. O escritor ao viver experiências dignas de coleta autobiográfica e eternizar esses momentos de sua existência através do gênero “memórias”, fazendo da sua vida a maté- ria da obra de arte, estimula uma leitura biográfica de sua obra. Tornando possível desse modo, uma aproximação entre o autor e o leitor, numa comunhão pessoal. Essa venera- ção “romântica” da biografia se traduz na “criação” como expressão irredutível da “pes- soa” do artista ou a utopia de uma intelectualidade baseada numa inteligência aristocrata e carismática. Esse vínculo entre “criador” e “obra” traz efeitos percebidos ainda nos dias de hoje segundo Pierre Bourdieu: “Não seria difícil mostrar que são esses os mes- mos princípios que engendram ainda hoje a representação que os intelectuais possuem do mundo social e de sua função neste mundo.”35 Podemos dizer, outrossim, que a exaltação biográfica também insiste em guiar a História da Arte e da Literatura, que podem apresentar essa mesma “relação mágica” entre o artista ou escritor e sua obra, como já havia na época romântica. Para escapar da limitada leitura biográfica e romper com a citada ide- ologia carismática é preciso considerar o objeto da análise nos limites do campo ideoló- gico em que está inserido. Desta forma, se faz possível o estabelecimento das relações entre o referido objeto e a posição que o grupo, ao qual pertence o seu criador, ocupa no campo intelectual. Para empreender essa leitura crítica sob a égide do campo intelectual é necessário observar as três etapas que compõem essa análise. A primeira, verificando qual a posição dos intelectuais e dos artistas na estrutura da classe dirigente, ou a rela- ção que eles mantêm com essa estrutura quando não fazem parte dela. O segundo passo dessa análise é observar as relações existentes entre os grupos concorrentes pela legiti- midade intelectual ou artística e as suas posições num certo momento dentro do campo 34 Ibidem, p. 184. 35 BOURIDEU, Pierre. A troca das economias simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 185.
  31. 31. 31 intelectual. Pierre Bourdieu alerta que “em termos metodológicos rigorosos, a constru- ção da lógica peculiar a cada um dos sistemas imbricados de relações relativamente autônomas (o campo do poder e o campo intelectual) constitui a condição prévia de construção da trajetória social como sistema dos traços pertinentes de uma biografia individual ou de um grupo de biografias.”36 A terceira e última etapa diz respeito ao habitus que é um sistema das disposições sociais que geram e unificam as práticas e as ideologias de um grupo de agentes. Assim, teremos a posição e a trajetória de determi- nadas práticas e ideologias dentro do campo intelectual, e este, por sua vez, ocupará também uma certa posição no campo de poder, o que definirá a espécie de relação exis- tente entre intelectuais / artistas e a classe dominante. Portanto, revela-se muito importante a relação que se estabelece entre intelectuais e artistas em seu conjunto e as diferentes frações das classes dominantes, pois permite explicar as características específicas de um conjunto de obras, que desse modo recebem uma leitura crítica diferenciada em consonância ao contexto da sua con- cepção. No estudo dessa relação entre os membros do campo intelectual e de poder, há uma proporcionalidade na importância das posições ocupadas. À medida que o campo intelectual e artístico fica mais autônomo, e em conseqüência seus agentes detêm um estatuto social mais elevado, verifica-se cada vez mais o ingresso por iniciativa própria destes intelectuais e artistas nos conflitos em curso entre as frações da classe dominan- tes. No entanto, essa autonomização dos intelectuais e artistas não é bastante para supe- rar uma situação de dependência material e impotência política diante das frações domi- nantes da burguesia, de onde se origina a maioria dos seus membros, seja por suas ori- gens familiares ou ainda pelo estilo de vida que mantêm. Como nos faz lembrar Pierre Bourdieu, “os escritores e artistas constituem, pelo menos desde a época romântica, uma fração dominada da classe dominante [...].”37 A posição ocupada por esses indivíduos na estrutura da classe dominante tem por excelência um caráter ambíguo, pois são obri- gados a manter uma relação ambivalente tanto com os burgueses, como também com o povo, num trânsito caótico entre classe dominante e classe dominada, o que lhes acar- reta uma posição obscura e incerta na sociedade, além de uma função social duvidosa. 36 BOURIDEU, Pierre. A troca das economias simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 191. 37 Ibidem, p. 192.
  32. 32. 32 A autonomização cada vez maior do campo intelectual em relação às coerções das frações da classe dominante, em última instância apenas aumenta a força explicativa quanto à posição que intelectuais e artistas ocupam no campo de poder, na mesma medida em que há o crescimento de um mercado dos bens simbólicos produzi- dos por estes agentes. A partir dessa ampliação explicativa verificamos que as posições estéticas e políticas contidas no campo intelectual variam em sua autonomia de acordo com as relações mantidas entre os artistas e o poder num dado período histórico. Como já dissemos os intelectuais e os artistas ocupam uma posição ambígua na estrutura da classe dominante, e apresentam-se oscilando entre duas categorias, ora como dominan- tes, ora como dominados. Destas categorias temos a classificação de três tipos possíveis de produção de bens simbólicos: a “arte social” (dominados), a “arte burguesa” (domi- nantes), e a “arte pela arte” (ambíguos). Poderíamos dizer que se trata de um critério de medida para o engajamento intelectual e artístico que está presente na “arte social” e na “arte burguesa”, o que não ocorre na “arte pela arte”. Os intelectuais e artistas tornam-se porta-vozes da classe que os reco- nhecem e à qual dirige a sua obra. Então, temos os agentes burgueses/dominantes reco- nhecidos pelo público burguês, e os defensores da “arte social”, dominados, que se soli- darizam à classe dominada em função da sua condição econômica e sua exclusão social. No caso daqueles que defendem a “arte pela arte”, verificamos uma posição ambígua no campo intelectual, o que implica numa medida duplamente aumentada das contradições inerentes à posição já ambígua da fração intelectual e artística na estrutura das frações das classes dominantes. Pierre Bourdieu explica essa condição em razão da forma con- comitante que aqueles agentes trabalham a sua identidade estética e política, conforme a conjuntura política, em oposição aos “artistas burgueses” e também contra os “artistas socialistas”, formando imagens contraditórias de si mesmos e de seus oponentes. Essa tendência da “arte pela arte” que, segundo Sérgio Miceli reside na problemática kantia- na, encontrando como seus herdeiros Cassirer, Sapir, inclusive Durkheim e Lévi- Strauss, “considera a cultura – e por extensão todos os sistemas simbólicos, como a arte, o mito, a linguagem etc. – em sua qualidade de instrumento de comunicação e conheci- mento responsável pela forma nodal de consenso, qual seja o acordo quanto ao signifi- cado dos signos e quanto ao significado do mundo.”38 A conseqüência mais grave dessa 38 MICELI, Sérgio. “A força do sentido” (prefácio). In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas sim- bólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. VIII.
  33. 33. 33 tendência é o privilégio da cultura como estrutura estruturada em vez de estrutura es- truturante, deixando de atribuir aos bens simbólicos as funções econômicas e políticas que lhes são inerentes, e valorizando apenas a sua análise interna e de natureza simbóli- ca. Consideramos a relevância da observação dos escritores estudados neste trabalho através da perspectiva do campo intelectual elaborado por Pierre Bourdi- eu, posto tratarem-se de dois artistas que sempre conduziram suas criações literárias para o encontro de suas convicções políticas e humanas. Perseguindo a primazia da es- tética em consonância a uma postura crítica das experiências vivenciadas e recriadas pela ficção, Luandino e Graciliano trabalharam incansavelmente em prol de ideais hu- manísticos. Ao pensarmos na jovem intelectualidade angolana que impulsionou o movimento cultural e político do país com a bandeira “Vamos descobrir Angola”, en- tendemos que este projeto foi suficiente para a consolidação da literatura nacional an- golana. O amadurecimento político-cultural ocorreu numa razão diretamente proporcio- nal ao processo de autonomização dos intelectuais em Angola. Essa força motriz repre- sentada pelas atividades culturais e políticas transformou-se na alavanca necessária à sedimentação da angolanidade, como sentimento e consciência nacional, e que se man- teve mesmo sob as terríveis convulsões sociais e políticas ocasionadas pela Guerra Civil após a Independência de Angola. Deste modo, a autonomização da classe intelectual em Angola permitiu que se fizesse uma frente de força contra a classe dominante represen- tada pela Administração Colonial até 1975. No entanto, após a Independência temos a inversão dos papéis destes mesmos intelectuais que compunham os quadros do MPLA, que então representa a nova classe dominante. Essa nova situação coloca os intelectuais angolanos num plano de ambigüidade como a referida por Bourdieu. A movimentação que se seguiria à Independência, ou seja, a conquista de uma consciência política e soci- al para promover o aprimoramento da nação, foi interrompida com a Guerra Civil. E assim ainda são muito recentes os movimentos intelectuais em Angola para que fosse possível posicionar essa intelectualidade que lutou pela Independência nesta nova con- figuração dos campos intelectual e de poder
  34. 34. 34 No Brasil, a “Geração de 30” representou o amadurecimento da pri- meira fase do Modernismo Brasileiro. Os escritores chamados regionalistas, na sua maioria representantes do Nordeste do Brasil, colocaram-se, a nosso ver, como uma oposição ao controle do poder pelo sul do país, o que era personificado pela figura de Getúlio Vargas. Mais do que um movimento literário que estava sendo engrossado des- de o final da década de 1920 com José Américo de Almeida39 e Rachel de Queirós,40 os regionalistas que vemos se destacar no Nordeste nas décadas de 1930 e 1940 parecem uma intelectualidade capaz de se opor ao poder ditatorial. Isto é possível com a autono- mização dessa classe de escritores que valorizam o sertanejo, os seus costumes, que promovem a exposição escancarada da ausência de atuação do governo, do Estado, em favor do cidadão. Essa característica “esquerdista” presente no trabalho literário de muitos escritores dessa geração os levou a uma situação desconfortável que permaneceu durante muito tempo. Muitos deles pertenceram aos quadros do Partido Comunista Bra- sileiro e eram perseguidos por essa razão. Interessante notar que no Brasil a sua esquer- da não subiu ao poder, inexistindo o conflito da situação dos intelectuais daquela época. E quando a esquerda conseguiu ascender, temos novamente uma situação de exceção com o Golpe de 1964 que instaurou uma ditadura militar. Notamos através de alguns textos esparsos da época, e que exemplificamos com a crônica41 na qual Graciliano Ra- mos critica a posição de José Lins do Rego, que logo após a queda de Getúlio Vargas existiram movimentações dos intelectuais brasileiros criando situações conflitantes entre escritores que eram solidários e lutavam juntos por uma mesma causa. 3. O intelectual e o escritor Em razão da postura adotada por José Luandino Vieira e por Gracilia- no Ramos verificamos a necessidade de tecer considerações sobre o papel de intelectual, bem como o engajamento dos referidos autores nas suas sociedades. Um escritor enga- jado não está apenas ligado a questões estéticas e formais. Ao trabalhar a escrita através da ficção e de elementos formais buscando um resultado “literário”, o escritor desempe- 39 A bagaceira, romance publicado em 1928. 40 O quinze, romance publicado em 1930. 41 Cf. Anexo D deste trabalho.
  35. 35. 35 nha também um papel simbólico especial, qual seja, a de intelectual, ao manipular criti- camente, além de ficcionalmente, uma matéria que esteja diretamente ligada a questões sociais e políticas do seu lugar e do seu tempo. Construindo uma linha discursiva crítica ou irônica no ato da sua escrita para dizer a verdade diante do poder ou testemunhar perseguições e sofrimentos, o escritor – como nos conta Edward Said – atua de forma singular na manipulação de valores intelectuais.42 Todavia, em razão da colagem de estereótipos realizada pela sociedade, é comum considerar o escritor e o intelectual como sujeitos de características muito distintas. O primeiro seria aquele que produz literatura, utilizando-se da estética para modelar a sua criatividade e a sua originalidade, enquanto o segundo estaria empenhado na produção e transmissão de idéias, de símbo- los, de visões do mundo e de ensinamentos práticos através do uso da palavra.43 No en- tanto, a constatação da tensão existente entre a estética e o social leva a crer que estes dois artesãos da palavra têm muito em comum, quando se voltam para questões da prá- xis44 humana. Não cabe apartar, para o âmbito de nosso trabalho, o criador literário do intelectual atuante, pois a literatura é também um instrumento do exercício de transmis- são de idéias, e observamos que escritor e intelectual constituem um só elemento, repre- sentando papéis distintos que se unem. Os textos ficcionais selecionados para o nosso trabalho espelham a opção de José Luandino Vieira e Graciliano Ramos ao mediarem a realidade das suas localidades de origem nas suas criações literárias. Ainda que se per- ceba o apelo social ou político em suas narrativas, não há resquício algum de uma lite- ratura panfletária ou de qualidade literária duvidosa. Todavia, ainda que entendendo que o escritor e o intelectual estejam circunscritos a linhas justapostas de atuação, convém observar melhor do que se trata o engajamento da Literatura e qual a origem do termo intelectual. Norberto Bobbio45 nos remete para a origem do uso da palavra intelectualidade. Apesar da questão dos pensa- dores – como criadores, portadores e transmissores de idéias – ser antiga, a denomina- ção dessa classe de sujeitos é recente e provém do russo intelligencija, e surgiu pouco 42 SAID, Edward W. Cultura Política. São Paulo: Boitempo, 2003, p. 29. 43 Adotamos o conceito de intelectual como artesão de idéias na acepção de Norberto Bobbio. Segundo a mesma, independentemente da nomeação que receba nas diferentes sociedades, o intelectual sempre está presente ao lado das esferas econômica e política. BOBBIO, Norberto. Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea. São Paulo: Unesp, 1997, p. 11. 44 A acepção neste caso refere-se à teoria da práxis marxista, pela qual o homem é considerado um ser ontocriativo, isto é, um indivíduo que, ao interagir com o mundo, modela seus pensamentos e ações. 45 BOBBIO, Norberto. Norberto Bobbio: o filósofo e a política: antologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003, p. 441.
  36. 36. 36 antes da revolução socialista, designando um grupo de livre-pensadores – autores políti- cos, críticos literários ou escritores e romancistas – que fizeram crescer o processo de crítica à autocracia czarista e às condições de atraso da sociedade russa. A noção de antagonismo ao poder perdurou ao longo dos anos como atributo essencial do intelectu- al, do modo como surgiu na sua designação original. Tal antagonismo está presente na posição de distanciamento crítico diante da dominação exercida através da coerção po- lítico-social que instaura a opressão das idéias. O intelectual exerce, assim, uma função crítica em relação ao poder dominante e a classe instalada no poder. No tocante ao engajamento da Literatura, podemos dizer que o escri- tor engajado é aquele que expõe uma postura parcial, ainda que implicitamente, apre- sentando um discurso comprometido com uma determinada coletividade. Essa posição tomada pelo criador literário implica no reconhecimento de pertencimento a um grupo em especial, e conseqüentemente uma atitude de diálogo sobre as mais diversas ques- tões pertinentes a esse segmento da sociedade. Assim, deixa de lado uma posição de mero espectador para seguir uma direção específica, o que estará espelhado não apenas em suas idéias como também em suas criações artísticas. Segundo Benoît Denis o en- gajamento tem o seu sentido determinado por três elementos semânticos: “colocar em penhor, fazer uma escolha, estabelecer uma ação.”46 Essa perspectiva semântica é cor- roborada tanto pela definição encontrada nos dicionários como também pela acepção glosada por Jean-Paul Sartre. Podemos dizer que se tratam de três pontos basilares do engajamento e que se verificam também na sua produção literária quando o escritor se alinha a uma corrente de pensamento, compromete-se com os seus ideais e os coloca em prática na sua criação. Uma característica importante do engajamento é a sua ligação ao tem- po presente. Não basta, portanto, uma participação ativa do escritor para manifestar a sua adesão a uma causa. O engajamento pressupõe uma temporalidade absolutamente distinta daquela que acompanha a evolução tradicional da Literatura. É necessário que o escritor reconheça o contexto histórico que o cerca e persiga a transfiguração dessa rea- lidade na sua escrita, o que reproduzirá um discurso dirigido ao presente. Muito embora a literatura engajada esteja sempre imbuída de um imediatismo inerente a sua manifes- tação, não há como escapar do que Benoît Denis chama de retardamento de sua escritu-
  37. 37. 37 ra.47 Isto se dá em razão da demora que existe entre a criação e a divulgação do texto literário, e o coloca numa situação deslocada ao acontecimento que o originou. A lite- ratura engajada poderia estar assim condenada ao fracasso sem o reconhecimento da sua pertinência contextual e histórica pelo público e pela recepção crítica. Contudo, é possí- vel verificar a existência de um trabalho literário atuante que possua qualidade estética suficiente para suprir esse caráter negativo do engajamento na arte. Aliás, é essa quali- dade que separa a literatura chamada de panfletária e oportunista, daquela que possua um alto nível literário. O escritor que é capaz de tratar dialeticamente o univer- sal/coletivo e o local/particular na sua criação literária, preocupando-se com a forma e a linguagem, consegue, ainda que imbuído de um discurso engajado, produzir uma lite- ratura que perdura através do tempo possibilitando uma leitura crítica de valores e ideais universais, mesmo que descolada do contexto de sua origem. Observando o caminho percorrido pelos romancistas José Luandino Vieira e Graciliano Ramos, pensamos em como cada um conseguiu através da sua obra literária transmitir uma mensagem de cunho social e político que ultrapassou o seu tem- po. Grande parte da obra destes romancistas centra-se na questão da opressão político- social e da decadência da dignidade humana. Nas obras em questão – A vida verdadeira de Domingos Xavier e Memórias do cárcere – há um cenário semelhante de violência institucional e vilipêndio da dignidade humana. No caso de José Luandino Vieira, nota- bilizado não só por sua brilhante produção literária, mas também por seu envolvimento na mobilização política contra a dominação colonial portuguesa através do MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola,48 observamos que, se por um lado, sua atuação foi alentadora para os companheiros de militância ao narrar sobre as prisões, as torturas e a luta clandestina, por outro, pôde apresentar através da sua escrita o envolvi- mento das massas populares na consciência da sua identidade, imprimindo à narrativa dos fatos da vida cotidiana a forma da oralidade tradicional africana. Graciliano Ramos, por sua vez, buscou na realidade do sertão nordes- tino os elementos mediados em sua obra, representando em expressão literária a visão 46 DENIS, Benoît. Literatura e engajamento: de Pascal a Sartre. Bauru (SP): Edusc, 2002, p. 32. 47 Ibidem, p. 40. 48 Este movimento surgiu da mobilização de jovens intelectuais mestiços, brancos e negros, em meados da década de 50 (século XX), com atividades panfletárias e culturais em periódicos, incitando a mobiliza- ção do povo e reivindicando a independência do país.
  38. 38. 38 do seu lugar: um nordeste miserável e mantido sob o jugo do coronelismo. O seu dis- curso narrativo carregado de intensa crítica à miséria e aos desmandos políticos culmina com a sua prisão, retratada na forma de memórias para denunciar os porões, daquilo que denominou “fascismo tupinambá”. Por isso, na esfera de tensão entre o estético e o so- cial observamos, em projetos de escrita como os de José Luandino Vieira e Graciliano Ramos, como o escritor passa a atuar como um intelectual a fim de reforçar e reiterar a necessidade de oposição ao poder político instalado e de crítica à sociedade, buscando a livre fruição e transição das idéias, no intuito, ainda que utópico, de se alcançar o futuro que “deve ser”. Consideramos relevante também considerar a atuação dos escritores em pauta fora do âmbito de sua criação literária. Por isso destacamos a relação que estes tiveram com as manifestações culturais mais expressivas de seu tempo. Destaca-se no cenário angolano do final da década de 1940 o movimento literário e cultural Vamos descobrir Angola do qual José Luandino Vieira participou ao lado de outros jovens in- telectuais como António Jacinto, Mário Pinto de Andrade, António Cardoso entre ou- tros. Como nos explica Carlos Serrano, esse movimento teve como mentor o poeta Viri- ato da Cruz e significou uma resposta dessa geração à negação sistemática dos valores do povo angolano pelo colonialismo português.49 Esse movimento que desde sempre primou pela busca da consolidação da literatura nacional angolana e de uma consciência nacional que abarcasse todas as etnias existentes no território angolano, era impulsiona- do por jovens estudantes que compunham a Sociedade Cultural de Angola em Luanda e a Casa dos Estudantes do Império em Lisboa. Há uma intensa produção literária e críti- ca através da publicação de poemas, contos e ensaios em periódicos como a Revista Cultura e o Boletim Mensagem, que se tornaram uma referência na divulgação da pro- dução intelectual angolana nas décadas que antecederam a Independência de Angola. No Brasil gostaríamos de ressaltar uma característica político-cultural do Estado Novo que jogava às prisões elementos formadores da opinião pública, como são os jornalistas, escritores, políticos e intelectuais. Esta percepção da considerável influência que pode existir da intelectualidade sobre as massas foi evidenciada no início da década de 1940, com a publicação da Revista Cultura Política, por iniciativa do go- 49 SERRANO, Carlos. “Angola: a Geração de 50, os jovens intelectuais e a raiz das coisas”. In: Vários. Abrindo caminhos: homenagem a Maria Aparecida Santilli. São Paulo: FFLCH/USP, 2002, p. 57.
  39. 39. 39 verno Vargas, para a qual intelectuais eram “convidados” a colaborar com artigos de maneira a enaltecer a autoridade do poder vigente. Assim, percebemos que no Estado Novo existiu uma forte imposição política no tratamento da cultura e o governo institui instrumentos para a difusão dos “ideais oficiais” na sociedade brasileira. Um destes instrumentos de divulgação e propaganda foi a Revista Cultura Política, dirigida por Almir de Andrade e vinculada ao DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), periódico em que Graciliano Ramos colaborou entre abril de 1941 e agosto de 1944. Acreditamos que algumas circunstâncias além da remuneração certa e generosa encorajaram Graciliano a permanecer este período como colaborador da revista, ainda que a situação se mostrasse embaraçosa em relação a sua posição polí- tica. A primeira delas seria a proximidade com o poeta Carlos Drummond de Andrade que a essa altura era chefe de gabinete do Ministro da Educação e Cultura Gustavo Ca- panema, ambos ligados à esquerda e que haviam auxiliado na sua nomeação como ins- petor federal de ensino. Além disso, havia a participação de Portinari, seu grande amigo, na colaboração de novo projeto do Ministério da Educação. Essa “revista governamental” estudava as questões sociais e econômi- cas pertinentes à sociedade brasileira como indicava o seu subtítulo – “revista de estu- dos brasileiros”. O seu primeiro número foi publicado em março de 1941 e a sua tira- gem foi mensal até outubro de 1945, caracterizando-se como um periódico de fácil acesso ao público uma vez que a sua distribuição alcançava bancas de jornal, principal- mente no Rio de Janeiro e em São Paulo. Curiosamente as colaborações convocadas à revista tinham origem em várias correntes de pensamento. Por essa razão encontramos lado a lado simpatizantes do regime como Almir de Andrade, Francisco Campos, Aze- vedo Amaral, Lourival Fontes e Cassiano Ricardo, e representantes da oposição a Var- gas como Graciliano Ramos, Gilberto Freyre e Nelson Werneck Sodré. Entendemos ser de muita relevância colocar a situação que cada um dos escritores estudados enfrentava e como se dava a sua manifestação pública. Luandi- no Vieira quase sempre colaborava com poemas e contos, pequenas histórias, restrin- gindo-se, aparentemente, apenas à ficção. Todavia, devemos lembrar que a situação de censura e controle das publicações era muito intensa e problemática em Angola no perí-
  40. 40. 40 odo imediatamente anterior à Independência durante a década de 1960. Além disso, Luandino permaneceu preso durante todo esse período, e foi libertado somente em 1972 em Lisboa, havendo raras oportunidades para fazer chegar os seus escritos à publicação. Graciliano Ramos, por sua vez, desde cedo colaborava em pequenos jornais publicando poemas e crônicas. Constatamos uma especial preferência pelas crônicas, demonstrando nessa seara também uma característica impactante na sua obra ficcional, qual seja, a ironia cáustica sobre os pequenos “causos” do dia-a-dia do homem comum. As crônicas possuem os mais variados assuntos, questões políticas, literárias, críticas, e até mesmo questionamentos de foro íntimo, mas sempre com um olhar crítico e ácido.50 3.1 Luandino e Angola Uma leitura atenta dos sistemas literários das ex-colônias portuguesas em África, revela em Angola a produção notável do escritor José Luandino Vieira. Sub- vertendo a norma culta da língua portuguesa, o romancista angolano estampa no seu texto uma técnica literária diferenciada para a descolonização da linguagem. Essa dife- rença revela-se pela inserção de registros lingüísticos do quimbundo51 na língua portu- guesa, o que além de resultar em neologismos que retratam a fala dos musseques de Luanda, aproximou a literatura e a experiência da tradição oral africana.52 Essa “trans- gressão literária” representa um ato de liberdade contra o domínio colonial português, constituindo um elemento de autonomia para que os angolanos construam a sua própria identidade.53 Outro aspecto de suma importância é apontado por Laura Cavalcante Pa- dilha ao abordar a forma de “mentar angolanamente” o texto em prosa através da reto- mada da tradição: O pacto com a modernidade literária se dá em Angola há aproxima- damente quatro décadas. O salto qualitativo chega quando o produtor 50 Cf. nova edição de Linhas tortas com a supervisão de Wander Melo Miranda (UFMG), que tomou por base a primeira edição da obra pela Editora Martins em 1962. RAMOS, Graciliano. Linhas tortas. 21ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2005. 51 Língua banta de Angola. AULETE, Caldas. Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Delta, 1958, p. 4201. 52 Não está no foco desta reflexão a veracidade lingüística desta questão, mas sim o fato da cristalização de uma linguagem poeticamente construída através da filtragem das imbricações culturais em Luanda. 53 Tomamos a concepção de identidade a partir de Manuel Castells, como “o processo de construção de significado com base em um atributo cultural, ou ainda um conjunto de atributos culturais inter- relacionados, o(s) qual(ais) prevalece(m) sobre outras fontes de significado”. CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001, p. 22.

×