Your SlideShare is downloading. ×
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Débora leite david
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Débora leite david

2,512

Published on

Dissertação de Débora Leite David

Dissertação de Débora Leite David

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,512
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. DEBORA LEITE DAVID DOIS CÁRCERES, UMA CERTEZA: A MORTE. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo 2006
  • 2. DEBORA LEITE DAVID DOIS CÁRCERES, UMA CERTEZA: A MORTE. UM ESTUDO COMPARADO ENTRE A VIDA VERDADEIRA DE DOMINGOS XAVIER DE JOSÉ LUANDINO VIEIRA E MEMÓRIAS DO CÁRCERE DE GRACILIANO RAMOS Dissertação apresentada como exigência parcial e final para obtenção do título de Mestre em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, sob a orientação do Professor Doutor Carlos Moreira Henriques Serrano. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MAIO - 2006.
  • 3. Para o meu grande amor Baturité, Minha filha Isadora, querido anjo de luz, E meu irmão Daniel (in memoriam).
  • 4. Agradecimentos Ao professor Carlos Moreira Henriques Serrano, orientador e amigo, que me guiou pelos tortuosos caminhos da pesquisa acadêmica, acreditando em minha determinação e capacidade; orientação que espero retribuir sempre com reconhecimento e lealdade. À professora Benilde Justo Caniato pelas sugestões e indicações no Exame de Qualificação; ao professor Hélder Garmes por suas sugestões e indicações no Exame de Qualificação, e por sua supervisão no Programa de Aperfeiçoamento de Ensino (PAE). À professora Vania Pinheiro Chaves, co-orientadora pelo Estágio no Exterior, que carinhosamente me acolheu em Lisboa e orientou-me na condução dos trabalhos de pesquisa nesse período. À amiga Maria Manuel Ferreira Marques Rodrigues, incansável pesquisadora que carinhosamente me recebeu em Lisboa e em sua casa, acompanhando-me “de lés-a-lés” por terras lusitanas. À poeta Ana Paula Tavares que prontamente ajudou-me a intermediar meu encontro com José Luandino Vieira. À Ana Mafalda Leite e Beatriz Weigert pelo carinho e atenção durante a minha estadia em Lisboa. Ao escritor José Luandino Vieira que gentilmente recebeu-me para uma entrevista, transformada numa tarde mágica de lembranças e nostalgia. Aos professores Benjamin Abdala Júnior, Salete de Almeida Cara e Carlos António Alves Reis, pelas orientações recebidas nas disciplinas cursadas durante o mestrado. À amiga-irmã Susanna Ventura, brilhante pesquisadora que com sua presença constante e leal apresentou-me o universo acadêmico e tornou possível a realização de um antigo sonho. Aos amigos Eduardo de Araújo Teixeira e Ana Cláudia da Silva, pelos diálogos e apoio nesse percurso. À Eliane Junqueira, bibliotecária da Casa de Portugal; à Creusa e à Márcia do Centro de Estudos Portugueses; à Iara, ao Jacó e à Lina da secretaria de pós-graduação, pelo atendimento sempre atencioso. À Capes pela concessão da bolsa de estudos que tornou possível minha dedicação exclusiva à pesquisa. À Cátedra Jaime Cortesão e ao Instituto Camões pela concessão de bolsa para Estágio no Exterior, que possibilitou o enriquecimento da pesquisa através da recolha de novo material e da entrevista com o escritor José Luandino Vieira.
  • 5. RESUMO Este trabalho apresenta uma análise comparada empreendida ao abrigo da linha de pesquisa “literatura e sociedade nos países de língua portuguesa.” Deste modo, realizamos o cotejo entre as obras A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira, escrita em 1961 e publicada em 1974, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos, escrita entre os anos de 1946 e 1952, e publicada logo após a morte do escritor em 1953. O objetivo desse trabalho é o estudo do engajamento da Literatura nos problemas sociais e políticos de uma nação e, como recorte principal, a atuação relevante dos escritores no painel social em que se encontram inseridos. A leitura das obras, em que aparece plasmada a realidade representada pelos regimes de exceção mostrou-nos a amplitude da transfiguração da realidade operacionalizada em tais regimes, a iminência da absoluta aniquilação física e psicológica do ser humano, o cárcere no seu interior e o desrespeito à dignidade humana. No entanto, encontramos também diferenças como a estratégia formal adotada por cada escritor e a relação construída entre a identidade individual e coletiva. Essas observações entre outras possíveis permitiram a elaboração de um diálogo comparatista que se orienta principalmente pela problemática do tratamento da forma literária a partir de determinados elementos incidentais e comuns às referidas obras, que são o autoritarismo e a violência. PALAVRAS-CHAVE: Engajamento; Intelectual; José Luandino Vieira; Graciliano Ramos; identidade.
  • 6. ABSTRACT This work presents a compared analyze taked under the reserch line of “literature and society in countries of portuguese language.” In this way, we carry through a comparative study between the narratives A vida verdadeira de Domingos Xavier of José Luandino Vieira, writen in 1961 and published in 1974, and Memórias do cárcere of Graciliano Ramos, writen in the period of 1946 to 1952, and published after the writer’s death in 1953. The objective of this work is the study of Literature’s enrollment in social and politicians problems nationals and, as main clipping, the excellent writers’s performance on social panel where they are inserted. The narratives’s reading, where appears shaped the reality represented by the regimes of exception showed to us the amplitude for the reality’s representation. It happens in such regimes, when occurs the imminence of absolute physical and psychological destruction of human being, the inside of jail and the disrespect to the dignity human being. However, we also find differences as the formal strategy adopted by each writer and the relation constructed between the individual and collective identity. These among others possible comments had allowed the elaboration of a comparative dialogue that guides mainly for the problematic treatment of the literary form from determined incidental and common elements to the related narratives, that are the authoritarianism and the violence. KEY-WORDS: Enrollment; Intellectual; Jose Luandino Vieira; Graciliano Ramos; identity.
  • 7. “Eu não tenho hora pra morrer, por isso sonho”. Coisas da Vida (Rita Lee)
  • 8. Sumário 1. INTRODUÇÃO.................................................................................................................9 2. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS .....................................................................................16 2.1 COMPARATISMO...................................................................................................................... 19 2.2 CAMPO INTELECTUAL ............................................................................................................. 29 3. O INTELECTUAL E O ESCRITOR ...........................................................................34 3.1 LUANDINO E ANGOLA ............................................................................................................. 40 3.2 GRACILIANO E BRASIL ............................................................................................................ 46 4. DOIS CÁRCERES, UMA CERTEZA: A MORTE. ...................................................50 4.1 AS PALAVRAS QUE FAZEM VIVER ........................................................................................... 66 5. LITERATURA E DIREITOS HUMANOS..................................................................77 5.1 A VIOLÊNCIA........................................................................................................................... 83 5.2 O AUTORITARISMO E O TESTEMUNHO..................................................................................... 92 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS .........................................................................................98 7. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO....................................................................100 7.1 DOS AUTORES ....................................................................................................................... 101 7.2 SOBRE GRACILIANO RAMOS ................................................................................................. 102 7.3 SOBRE JOSÉ LUANDINO VIEIRA ............................................................................................ 107 7.4 GERAL ................................................................................................................................... 110 8. ANEXOS........................................................................................................................116 8.1 ANEXO A - “QUANDO OS MOSQUITOS FAZEM PARTE DA PENA” (1974)............................... 116 8.2 ANEXO B - “APRENDER ATÉ MORRER” (2006)..................................................................... 129 8.3 ANEXO C - “PORÃO” (1937)................................................................................................. 151 8.4 ANEXO D - “OS AMIGOS DO POVO” (1945) .......................................................................... 153 8.5 ANEXO E - EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO PORTUGUESA NA ADMINISTRAÇÃO DAS COLÔNIAS ................................................................................................................................... 155
  • 9. 9 1. Introdução Apresentamos nesta dissertação, como resultado das pesquisas empre- endidas durante o curso de Mestrado realizado junto à Área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, uma análise comparada de duas obras, realizada ao abrigo da linha de pesquisa “literatura e sociedade nos países de língua portuguesa.” Assim, realizamos o cotejo entre duas obras relevantes nas literaturas nacionais de An- gola e do Brasil, que são A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vi- eira em Angola, escrita em 1961 e publicada em 1974, e Memórias do cárcere de Gra- ciliano Ramos no Brasil, escrita entre os anos de 1947 e 1952, e publicada logo após a morte do escritor em 1953. O presente trabalho tem como objetivo o estudo do engaja- mento da Literatura nos problemas sociais e políticos de uma nação,1 e como recorte principal, a atuação dos escritores em papel social relevante. Assim, podemos dizer que as obras em tela são capazes de mostrar-nos o que os cidadãos viviam em Angola sob a égide do colonialismo português na década de 1960, e no Brasil sob os desmandos da ditadura de Getúlio Vargas na década de 1930. Encontramos nestas obras, outrossim, um espelho da situação biográfica experimentada pelos próprios autores. Se de um lado temos Graciliano Ramos que narra a sua própria experiência dentro do cárcere, de outro, Luandino Vieira narra sobre a experiência de outros militantes, mas em certa medida, também sobre a sua própria ao ser condenado como terrorista antes de ser enviado ao Campo de Concentração do Tarrafal em Cabo Verde. A leitura das obras, em que aparece plasmada a realidade representada pelos regimes de exceção mostrou-nos a amplitude da transfiguração da realidade ope- racionalizada em tais regimes, a iminência da absoluta aniquilação física e psicológica do ser humano, o cárcere no seu interior e o desrespeito à dignidade humana. No en- tanto, encontramos também diferenças como a estratégia formal adotada por cada es- 1 Adotaremos para este estudo o conceito de “nação” lançado por Benedict Anderson, como sendo uma comunidade política imaginada, existindo para seus membros através de uma imagem de comunhão e de companheirismo profundo.
  • 10. 10 critor e a relação construída entre a identidade individual e coletiva. Essas observações entre outras possíveis permitiram a elaboração de um diálogo comparatista que se ori- enta principalmente pela problemática do tratamento da forma literária a partir de de- terminados elementos incidentais e comuns às referidas obras, que são o autoritarismo e a violência. Deste modo, escolhemos ressaltar em tais obras um recorte de caráter espe- cífico através da análise da forma literária adotada, que cremos tenha a sua razão em fatores político-sociais como a violência e o autoritarismo, o papel dos escritores como intelectuais inseridos num panorama de repressão existente em regimes de exceção e a criação literária que resulta dessa conformação e reflete o desrespeito aos Direitos Hu- manos. Esta corrente literária laboriosa e persistente, marcada pela denúncia e pelo testemunho, mesmo que somente possa surgir inicialmente na dita ilegalidade, al- cança ao fim e ao cabo o seu destino, ora denunciante, ora formador, ao expor as maze- las sociais e políticas de sua comunidade. A Literatura emerge do caos para abordar temas polêmicos como a violação dos direitos humanos em períodos dominados por regimes de exceção, que entendemos como a forma despótica e tirânica de governo, pela qual são tolhidas as prerrogativas dos Poderes Legislativo e Judiciário. Estas prer- rogativas são cumuladas ao Poder Executivo – personificado pelo ditador, que é, no mais das vezes, carismático e populista. Desta forma são exterminadas a representativi- dade popular e a aplicação do devido processo legal para o julgamento dos acusados. Em Portugal temos como representante da figura do ditador, António Salazar, cujo governo ditatorial iniciado na década de 1920, alcançava Angola através de uma administração colonial rígida e cruel, apesar de esboçar justificativas à sua for- ma de gerir os assuntos do ultramar. Isto ocorre amiúde em documentos oficiais após o final da Segunda Guerra Mundial, no decorrer das décadas de 1950 e 1960, período em que se percebe o interesse crescente das grandes potências mundiais pelo respeito aos direitos humanos.2 No Brasil o governante que se mantêm pela força no poder é Getúlio Vargas. A ditadura brasileira que se instaura no período de 1930 a 1945 tem seu ápice 2 Ao pesquisar a legislação pertinente à administração das colônias como o Acto Colonial e o Estatuto do Indígena, encontramos quase sempre justificativas até mesmo filosóficas às determinações legais para a dominação e exploração colonial. Cf. Anexo E deste trabalho.
  • 11. 11 com a promulgação da Lei de Segurança Nacional em 1935,3 ocasionando incontáveis prisões de militares, políticos, funcionários públicos e escritores nos anos seguintes. Através de um estudo comparado buscaremos, portanto, analisar o pa- pel da Literatura engajada nas questões sociais e políticas de uma nação, bem como a função social que os escritores exercem através de suas obras, demonstrando a impor- tância da arte literária nas transformações sociais e políticas e na construção da identi- dade nacional de seu país. Essa análise utilizará recortes secundários específicos dentro da narrativa de Graciliano Ramos, que antes mesmo de qualquer militância política de esquerda, como Secretário da Educação em Alagoas, promovia ações marcadamente sociais e éticas como a instituição de merenda escolar na rede pública de ensino e a ex- tinção de favoritismos na nomeação de professores. De outro lado, temos a narrativa de José Luandino Vieira, escritor nacionalista comprometido com a Luta de Libertação de Angola,4 um militante com participação ativa em seu país, quer na vida política pela luta clandestina através do MPLA desde 1959, quer na vida cultural como fundador da Uni- ão de Escritores Angolanos. Após a Independência de Angola em 11 de novembro de 1974, exerceu sucessivamente o cargo de diretor de programas da Televisão Popular de Angola, diretor do Departamento de Orientação Revolucionária do MPLA e diretor do Instituto Angolano de Cinema. O denominador comum entre A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira e Memórias do cárcere de Graciliano Ramos, apresenta-se como a exposição do desrespeito à dignidade daqueles que lutam por idéias que muitas vezes são consideradas como uma ameaça à ordem do Estado. A atitude classificada como subversiva transforma-se em justificativa àqueles que detêm o poder para cometer atrocidades inimagináveis, comprometendo a manutenção do Estado de Direito, pelo qual a lei deve ser regra comum a todos. Inicialmente observamos a importância do re- gistro social, político e histórico através do texto, de ações e fatos próprios de um de- terminado período e lugar. 3 A Lei de Segurança Nacional, promulgada em 4 de abril de 1935, definia crimes contra a segurança do Estado e sua principal finalidade era submetê-los a um regime mais rigoroso, com o abandono das garan- tias processuais. Em setembro de 1936, sua aplicação foi reforçada com a criação do Tribunal de Segu- rança Nacional. Mesmo com a queda da ditadura de Vargas em 1945, a Lei de Segurança Nacional foi mantida nas Constituições brasileiras que se sucederam. 4 Cf. Chaves, Rita. Entre intenções e gestos: a formação do romance angolano. São Paulo: FFLCH/USP, 1993, pág. 159.
  • 12. 12 A impressão da realidade, como sendo a visão dos fatos ocorridos, é mais rica quando oriunda da experiência vivida pelo escritor. É visível a importância da experiência de privação da liberdade no caso dos autores das obras em destaque neste trabalho. A prisão por motivos políticos que oprimiu Graciliano Ramos e José Luandino Vieira traz uma vivência peculiar que se nota na riqueza de detalhes com que descrevem os martírios do cárcere. O presente trabalho versa, desse modo, sobre a importância da postura social na produção da literatura, pela qual os escritores denunciam problemas sociais e políticos, conscientizando seus leitores acerca de assuntos pertinentes a questões da mo- ral e da ética humanas, por exemplo, mazelas político-sociais tão graves como a tortura e o desrespeito aos direitos humanos de uma forma geral, comuns nos regimes antide- mocráticos. Em verdade o escritor acaba percorrendo um caminho sem volta, pois não há como escrever para escravos quando a liberdade de escrever implica a liberdade do cidadão.5 Verificando a fortuna crítica existente em relação aos textos analisados e a sua recepção pelos leitores em geral, percebemos a importância do impacto da narrativa como testemunho e denúncia. As obras visitadas são instrumentos eficazes no testemu- nho da degradação humana, através da violação das garantias individuais de suas perso- nagens. Coincidentemente, as duas narrativas foram adaptadas ao cinema, imortalizando também em película os momentos vividos por Domingos Xavier e seus companheiros na luta pela Independência de Angola, bem como as angústias dos inte- lectuais, entre eles Graciliano Ramos, silenciados pela prisão política durante a ditadura de Getúlio Vargas no Brasil. Sambizanga é o título da adaptação feita por Sarah Maldo- ror para o cinema do romance A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira. O roteiro foi filmado na República do Congo no período em que acontecia a luta pela libertação de Angola. A ação se passa em 1961 quando Mario de Andrade, marido de Sarah, era o presidente do MPLA, e aborda as ações iniciais do movimento que esta- 5 Jean-Paul Sartre descreve como inevitável o destino do escritor: “Assim, qualquer que seja o caminho que você tenha seguido para chegar a ela, quaisquer que sejam as opiniões que tenha professado, a litera- tura o lança na batalha; escrever é uma certa maneira de desejar a liberdade; tendo começado, de bom grado ou à força você estará engajado.” SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura? São Paulo: Ática, 1989, p. 53.
  • 13. 13 beleceu a luta armada contra a colonização portuguesa em território angolano. Essa adaptação enfatizou a experiência da personagem Maria, esposa de Domingos Xavier, e das mulheres que a cercam. A crítica aclamou este filme por sua capacidade de informar os espectadores ocidentais sobre a realidade do país, ao mostrar um pouco da história da luta de libertação de Angola. Premiado com o Tanit d´Or no Festival de Carthage de 1972 na Tunísia, neste filme está apontada a história da revolução de um ponto de vista normalmente negligenciado não apenas no cinema, como em outras manifestações ar- tísticas – a perspectiva de uma mulher, Maria. Além de Sambizanga, Sarah Maldoror também dirigiu Un dessert pour Constance (1981), Aimé Césaire (1986) e Léon G. Da- mas (1995), entre outros.6 O filme Memórias do cárcere dirigido por Nelson Pereira dos Santos estreou nas telas brasileiras em 1984 e teve seu elenco formado por Carlos Vereza, Gló- ria Pires, José Dumont, Wilson Gray, Jofre Soares, Fábio Barreto, Nildo Parente, Ligia Diniz e Marcus Vinícius.7 Nelson Pereira dos Santos, um dos fundadores do cinema novo, imprimiu à adaptação do livro de memórias o mesmo tom seco e direto presente nas narrativas de Graciliano Ramos. O filme conta a experiência vivida pelo escritor Graciliano após ser preso em Alagoas, suspeito de colaborar com a Aliança Nacional Libertadora (ALN). Apesar de se considerar apenas um funcionário público “chinfrin,” nas próprias palavras de Graciliano, ocupava em 1936 o cargo de diretor da Instrução Pública do Estado de Alagoas. Podemos dizer que o cárcere criado por Nelson Pereira dos Santos é uma metáfora da sociedade brasileira. No espaço exíguo da prisão ocorrem dinâmicas próprias de cada grupo social: o militar, o jovem, a mulher, o negro, o nor- destino, o sulista. Temos também o encontro com o prisioneiro comum, o ladrão, o as- saltante, o homossexual, tudo retratado por Graciliano, ainda que tivesse que superar seus próprios preconceitos. Assim a liberdade da cadeia ultrapassa as grades do presí- dio, da cela, é preciso libertar-se da cadeia das relações sociais e políticas que aprisio- nam mesmo os que estão do lado de fora.8 6 O fato de Lucas Matesso, uma das estórias que compõem o livro Vidas novas, de José Luandino Vieira, também foi adaptado para o cinema por Sarah Maldoror em 1968 e filmado na Argélia, recebendo o título Monangambee. Este trabalho rendeu à cineasta o prêmio de curta metragem no Festival Internacional do Filme de Expressão Francesa, na cidade francesa de Dinard em julho de 1970. 7 No mesmo ano o filme Memórias do cárcere, de Nelson Pereira do Santos, recebeu prêmio de melhor filme no Festival de Cannes. 8 Em 1963 Nelson Pereira dos Santos já havia filmado outra obra de Graciliano Ramos, Vidas Secas, que recebeu o Prêmio Cinema de Arte, o de Melhor Filme para a Juventude e o Prêmio Office Catolique de Cinéma, durante o XVII Festival Internacional de Cinema de Cannes.
  • 14. 14 O interesse que os cineastas Sarah Maldoror e Nelson Pereira dos Santos depositaram nas obras ora cotejadas, demonstra, a nosso ver, a importância que as mesmas tiveram no seu tempo. Mais do que uma “literatura fácil” e “subversiva”, as narrativas de Luandino e Graciliano trazem consigo uma latente beleza artística que se verifica no cuidado com a linguagem, e também aponta para imagens poderosas, o que fica ressaltado nas adaptações cinematográficas, superando as fronteiras do universo literário. O trabalho do referidos cineastas permitiu não apenas a ampliação do público leitor das referidas narrativas, mas também uma perspectiva crítica sobre todo um pano- rama social de um período de convulsão histórica e repressão política. Entendemos que a escolha de uma obra literária para adaptação em outra forma de manifestação artística ocorre em razão do seu apelo incontornável, mantendo-se como uma forte e indelével referência para o seu público em geral, mas especialmente aos artistas do seu tempo. Assim podem ser tomadas as obras literárias A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos. Na perspectiva apontada de aproximação entre Luandino e Graciliano, e principalmente nestas obras que colocamos em destaque, e que são permeadas do ele- mento da denúncia, a função pedagógica da Literatura se faz presente no sentido em que suas narrativas podem ser entendidas também como manuais de ética e moral para as relações humanas, e não somente como um simples instrumento de denúncia. Lembra- mos, assim, que, nas obras em questão, vemo-nos diante da constatação que a Literatura faz viver, remete o leitor a uma realidade sem que ele próprio arrisque a sua vida, a sua integridade, a sua felicidade. Neste ponto as obras estudadas remetem para a idéia de uma Literatura essencialmente humanística, tornando possível uma conscientização coletiva sobre as necessidades humanas que ultrapassa em muito o pequeno grupo de leitores que o escritor pudesse imaginar na construção da sua narrativa. A presente dissertação está dividida em quatro capítulos assim nome- ados: “Pressupostos teóricos,” “O intelectual e o escritor,” “Dois cárceres, uma certeza: a morte” e “Literatura e direitos humanos.” Iniciamos o trabalho com a exposição, ao longo da “Introdução”, das razões pelas quais foram adotadas as obras ficcionais em referência para a realização do estudo comparado ao abrigo da linha de pesquisa “Lite- ratura e sociedade”. Em seguida passamos a refletir acerca de determinados pontos teó-
  • 15. 15 ricos no decorrer do capítulo “Pressupostos teóricos”, que entendemos serem eficazes na fundamentação do nosso trabalho, abarcando conceitos singulares do comparatismo como “sistema literário nacional,” “comparatismo da solidariedade,” “supranacionali- dade,” “intertextualidade,” “macrossistema de literaturas de língua portuguesa” e “cam- po intelectual.” O capítulo “O intelectual e o escritor” dedicamos ao entendimento de conceitos de intelectualidade e do engajamento em relação à Literatura, bem como a uma breve exposição biográfica dos escritores estudados. A seguir, no capítulo “Dois cárceres, uma certeza: a morte,” realizamos a análise sob o cunho comparatista propri- amente dito sem excluir a apreciação de alguns dos elementos que compõem cada uma das narrativas. No capítulo “Literatura e direitos humanos,” refletimos sobre os ele- mentos incidentais e comuns às narrativas em cotejo que são a violência, o autoritaris- mo e o testemunho. Como fechamento das reflexões empreendidas ao longo da pesquisa apresentamos, nas “Considerações finais”, a conclusão obtida ao final deste trabalho. Acompanha a presente dissertação a transcrição de textos como “Anexos” que enten- demos relevantes à complementação do presente trabalho, a saber: duas entrevistas de José Luandino Vieira (“Quando os mosquitos fazem parte da pena”, de 1974 e “Apren- der até morrer”, de 2006), duas crônicas de Graciliano Ramos (“Porão”, de 1937 e “Os amigos do povo”, de 1945) e excertos de legislação colonial que nos ajudaram a com- preender a complexidade da situação angolana, proporcionando um movimento dialéti- co em que se ilumina tanto a obra de Luandino quanto a situação social vivenciada em Angola no período pré-Independência. Por fim, seguem no “Levantamento bibliográfi- co” as obras que contribuíram à formação das reflexões críticas da autora e que foram agrupadas de modo a delimitar os campos pesquisados, ou seja, a base ficcional do es- tudo comparado pretendido, outras obras ficcionais auxiliares, o material teórico-crítico e outras obras de interesse geral.
  • 16. 16 2. Pressupostos teóricos A partir da exposição que iniciamos na Introdução do presente traba- lho, passamos a refletir sobre as questões teóricas que entendemos pertinentes à realiza- ção do comparatismo entre A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos. De um lado temos um romance, gênero tradicional do cânone ocidental, mas que não representa a preferência de Luan- dino Vieira, prestigiado e premiado por suas narrativas curtas, a que chama de estórias,9 como é o caso do livro Luuanda distinguido em 1964 com o Prêmio Literário Mota Veiga em Angola, e em 1965 com o Grande Prêmio de Novelística da Sociedade Portu- guesa de Escritores em Portugal. De outro lado temos um “livro de memórias”, ponto culminante de uma carreira literária que seguiu por vários caminhos, nos quais o escritor brasileiro conduziu a sua criação através da crônica, do conto e do romance numa espi- ral que partiu da ficção até alcançar um nível autobiográfico. Apesar de parecer num primeiro momento de que se tratam de duas obras de gêneros completamente distintos, e elaboradas em contexto, tempo e espaço inconciliáveis, pretendemos demonstrar como este romance e este relato autobiográfico estão inseridos num mesmo campo no qual é possível a sua aproximação e a realização de um diálogo crítico. Assim, iniciamos esse estudo com a exposição de reflexões teóricas que possam fundamentar e permitir o comparatismo entre as duas obras escolhidas. A princípio, trataremos da questão do gênero como estratégia ou instrumento de criação possível para estes escritores. O estranhamento se coloca diante da difícil conciliação entre duas obras classificadas em universos distintos que são a ficção no caso do romance, e a “re- alidade/verdade” em se tratando de memorialismo. Contudo, devemos centrar-nos em questão de maior relevância que é a representação da realidade, e que existe em quais- quer tipos de criação literária. A memória como o ato de “fazer memória de alguma 9 Vocábulo derivado do inglês, story, datado do século XIII, que indica narrativa em prosa ou verso, fictí- cia ou não, com o objetivo de divertir e/ou instruir o ouvinte ou o leitor. No Brasil, desde 1912, narrativa de cunho popular e tradicional ou história, segundo Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa, versão eletrônica, disponível no endereço http://houaiss.uol.com.br e acessado em 25/04/2006.
  • 17. 17 coisa, trazê-la à lembrança; simbolizá-la, representá-la,”10 não é o retrato fiel de um fato. No momento em que a memória é inscrita, reduzida, estará definitivamente altera- da em razão de sua conformação à verossimilhança – alicerce maior da literatura. Então, mesmo no memorialismo, a pequena porção de ficção que haja, individualiza e mantêm distante o narrador do seu autor. A partir de então o escritor adentra o terreno da ficção, e não existe outra forma de atuação que não seja a de narrador, uma ponte, é certo, ou melhor, um passaporte para que o escritor possa efetivamente ultrapassar as fronteiras daquele tema ficcional. No entanto, a nosso ver o escritor torna-se ele próprio partici- pante do mundo ficcional, através do uso das ferramentas do imaginário. Ao refletirmos acerca da ficção propriamente dita, então, fica ainda mais distanciada de tal pretensão, pois que se trata de “simulação, fingimento,” ou ainda, “idéias falsas que o orador apre- senta como verdadeiras para dar mais força ao seu discurso,”11 restando maculada a “realidade verdadeira,” por obra do próprio autor. Ficamos então diante da problemática representação do real, da verdade, em obras que entendemos como libelos de denúncia e testemunho de seu tempo, e mais do isso, um instrumento de conscientização do público leitor. A vida verdadeira de Domingos Xavier, escrita por José Luandino Vi- eira difere da obra brasileira em seu gênero, pois se trata de uma narrativa elaborada ficcionalmente na forma romance, muito embora existam vários detalhes dentro da obra que espelhem fatos ou curiosidades da vida do autor, e principalmente da vida cotidiana da Angola às vésperas do início da luta armada contra o colonialismo português, em 04 de fevereiro de 1961. O romance estava pronto antes da segunda prisão de José Luandi- no Vieira em 20 de novembro de 1961, e teve a sua primeira circulação em fotocópias distribuídas pelos companheiros da Sociedade Cultural de Angola. Muito embora se trate de uma elaboração ficcional, o romance angolano foi concebido de maneira a tratar dos fatos mais relevantes em curso na sociedade angolana daquele período, numa lin- guagem simples que ainda não apresentava o mesmo trabalho formal com a linguagem que virá posteriormente com Luuanda, livro de estórias12 escrito durante o período em que Luandino se encontrava preso em Luanda aguardando o seu julgamento. A vida 10 AULETE, Caldas. Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Delta, 1958, p. 3213. 11 Ibidem, p. 2212. 12 O livro Luuanda é composto por três estórias: “Vavó Xixi e seu neto Zeca Santos,” “Estória do ladrão e do papagaio” e “Estória da galinha e do ovo”. VIEIRA, José Luandino. Luuanda. Lisboa: Caminho, 2004.
  • 18. 18 verdadeira de Domingos Xavier é de fato a obra mais próxima em nível temporal da dinâmica dos ideais da angolanidade e da luta de libertação de Angola, pois foi escrita e disponibilizada em cópias mimeografadas ainda no momento dos acontecimentos que inspiraram o romance. Da mesma forma em que no ano de 1973 outro escritor angolano, Pepetela escreveu Aventuras de Ngunga,13 publicado em 1973 como texto exemplar para a utilização na alfabetização dos guerrilheiros, este romance de Luandino é escrito a partir de um projeto de criação literária que, a nosso ver, busca desde o seu princípio a afirmação da identidade angolana através da valorização da tradição africana e da im- bricação de culturas. Essa característica alinhada a uma linguagem simples e a uma história presente naquele momento confere ao romance de Luandino Vieira o estatuto de manual ético e moral, tomando uma função pedagógica entre os companheiros empe- nhados no combate ao colonialismo português. A narrativa em Memórias do cárcere está enredada na verossimilhan- ça como afirma o próprio Graciliano Ramos na “Primeira parte – Viagens”, em que ex- plica ao leitor as razões que o levaram a escrever e as que o retardaram na empreitada. Referindo-se ao extenso material composto por notas que se perderam, Graciliano nos diz: Quase me inclino a supor que foi bom privar-me desse material. Se ele existisse, ver-me-ia propenso a consultá-lo a cada instante, morti- ficar-me-ia por dizer com rigor a hora exata de uma partida, quantas demoradas tristezas se aqueciam ao sol pálido, em manhã de bruma, a cor das folhas que tombavam das árvores, num pátio branco, a for- ma dos montes verdes, tintos de luz, frases autênticas, gestos, gritos, gemidos. Mas que significa isso? Essas coisas verdadeiras podem não ser verossímeis. [...] Em conversa ouvida na rua, a ausência de algumas sílabas me levou a conclusão falsa – e involuntariamente criei um boato. Estarei mentindo? Julgo que não. Enquanto não se reconstituírem as sílabas perdidas, o meu boato, se não for absurdo, permanece, e é possível que esses sons tenham sido eliminados por 14 brigarem com o resto do discurso. Essa postura de permanente diálogo com o leitor que se encontra ao longo do texto revela a incessante busca por uma narrativa que privilegiasse as memóri- 13 Na Frente Leste, região militar localizada na Província de Moxico em Angola, Pepetela auxiliava os professores responsáveis pela educação dos jovens guerrilheiros escrevendo textos de apoio em língua portuguesa e também na língua mbunda. Assim nasceu o livro Aventuras de Ngunga, que também foi utilizado no ensino oficial de Angola após a sua independência. 14 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 36.
  • 19. 19 as da cadeia, e não apenas da vida do escritor. Cadeia essa composta por sujeitos peculi- ares a partir dos quais Graciliano criou suas personagens exibidas em tecido social muito próprio espelhando a sociedade brasileira nos seus tipos mais ilustres, personali- dades íntegras e exemplares, mas também nos seus mais ordinários, escroques e malan- dros. A recusa do escritor em compor memórias de sua própria vida se dispõe, em nosso entender, como um distanciamento crítico a que Graciliano Ramos se impôs para dar à sua narrativa alguma imparcialidade, alguma coerência, e deste modo fugir das agruras do “pronomezinho irritante,”15 do qual não escapou, todavia, como estratégia suficiente para dar conta do tom de depoimento e testemunho de sua narrativa. Corroborando esse distanciamento, os apontamentos que no início da prisão ainda eram feitos e guardados, aos poucos foram todos lançados fora, e mesmo liberto, Graciliano Ramos hesitou por longo tempo em começar a escrever as memórias da sua cadeia, iniciando a escrita somente em 1946, isto é, após o final do Estado Novo e o retorno do Partido Comunista Brasileiro ao universo da legalidade. Trabalhou ardu- amente para que os fatos ressurgissem de sua memória como matéria cercada da maior verossimilhança possível. Dessa forma não haveria mais compromisso com a realidade pura, mas somente com a verossimilhança, item primordial para o desenvolvimento das suas memórias.16 Portanto, como se tratam de representações da realidade trabalhadas a partir do pressuposto maior da criação literária que é a verossimilhança, conferimos o mesmo estatuto ficcional às memórias de Graciliano Ramos. 2.1 Comparatismo Como este trabalho está embasado no comparatismo, é importante que façamos uma breve exposição em torno da Literatura Comparada, disciplina cuja ori- gem se confunde com a origem da Literatura, uma vez que, ao longo do tempo e, espe- cialmente a partir do final do século XIX, concepções diversas e por vezes conflitantes passaram a compor um quadro de disciplina bem definido por Sandra Nitrini como uma 15 Expressão usada por Graciliano Ramos para designar o pronome eu, desagradável, mas facilitador da narração. 16 “Não resguardei os apontamentos obtidos em largos dias e meses de observação: num momento de aperto fui obrigado a atirá-los na água. Certamente me irão fazer falta, mas terá sido uma perda irrepará- vel?”. RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 36.
  • 20. 20 disciplina indisciplinada.17 Assim, traçamos um breve histórico com ênfase às concep- ções que nos parecem mais adequadas à composição do nosso pensamento neste traba- lho. Desde o surgimento de mais de uma literatura configurou-se uma ten- dência para compará-las, apreciando o mérito de cada uma. Essa inclinação aperfeiço- ou-se até meados do século XIX, quando as universidades francesas sistematizaram a disciplina ministrada por Abel Villemain, Jean-Jacques Ampère e Philarète Chasles. O termo “literatura comparada” surge nesse período em meio à consolidação das fronteiras nacionais e à ampla discussão sobre cultura e identidade nacional por toda a Europa, e por isso, está intimamente ligada à política e adota o conceito da “influência”, que per- manecerá até a primeira metade do século XX como instrumento teórico e de orientação para os estudos comparatistas. Deste modo, caracterizou-se como disciplina autônoma cujo objeto é estudar as relações entre as diversas literaturas, apontando tudo o que pas- sou de uma para outra. A partir da década de 1950 surgem críticas ao modelo francês de comparatismo que se apresentava como internacional, vinculado à História e calcado no conceito de “nacionalidade”. Em contrapartida os teóricos americanos propõem um novo modelo para o comparatismo que seja supranacional, e esteja ligado às questões da Literatura, da crítica e da teoria literárias. O século XX foi marcado por críticas ao comparatismo e inúmeras novas propostas à delimitação do campo da Literatura Com- parada, todavia, sem nenhuma resposta bastante para a sua definição, restando somente a certeza da falência do comparatismo tradicional eurocêntrico, pois em razão da pers- pectiva adotada para o estudo das literaturas, “o centro está em toda parte” e “nenhuma literatura é superior a outra.”18 A íntima ligação da Literatura Comparada com aspectos sociais e po- líticos desde a sua consolidação no decorrer do século XIX, ocasião em que a disciplina foi mantida em estreito contato com os debates em torno da cultura e da identidade na- cionais representa importante característica responsável pela evolução dessa disciplina. Por isso, as profundas e múltiplas mudanças sociais e políticas que abalaram o mundo 17 NITRINI, Sandra. Literatura comparada. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000, p. 117. 18 Ibidem, p. 285.
  • 21. 21 durante o século XX promoveram a necessidade de novos instrumentos teóricos e críti- cos que fossem suficientes para o desenvolvimento e fundamentação do comparatismo, surgindo diversas linhas de pensamento crítico para abarcar sutilezas nos mais diferen- tes contextos como das literaturas latino-americanas ou das africanas pós-coloniais, por exemplo. Portanto, podemos dizer que a Literatura Comparada é uma disciplina dinâmica e que necessita constantemente de questionamentos teóricos para a sua sobre- vivência acadêmica. Nesse passo, como tratamos aqui do estudo de duas obras oriundas de Angola e do Brasil, e de períodos históricos relevantes às suas sociedades, além de pertencerem à periferia da globalização mundial, buscamos referências teóricas que fossem capazes de cuidar dos aspectos da cultura e da identidade nacional destes países. Valemo-nos, então, do pensamento teórico e crítico de Claudio Guillén, através do con- ceito de “supranacionalidade,” e de Benjamin Abdala Júnior, com a perspectiva do “macrossistema das literaturas de língua portuguesa” e do “comparatismo da solidarie- dade”, tornando possível um ponto de vista próprio e periférico, em vez de alheio e eu- rocêntrico, para o estudo das literaturas de língua portuguesa. Segundo Claudio Guillén, a Literatura Comparada é um ramo da in- vestigação literária que tem por objeto o estudo sistemático de conjuntos supranacio- nais. A expressão “conjuntos supranacionais”19 é a resposta crítica do teórico espanhol à falência do comparatismo eurocêntrico como proposta para a substituição da tradicional definição de Literatura Comparada, ou seja, o estudo das literaturas sob uma perspectiva internacional. Para Guillén, essa perspectiva internacional imposta ao exercício do com- paratismo colocava em destaque apenas o ponto de vista do observador, relegando à obscuridade as contribuições de classes ou categorias que não podem ser classificadas como “nacionais.” A supranacionalidade se apresenta como um conceito que tenta dar conta de um possível caráter universal próprio de diferentes sistemas literários,20 supe- rando assim a questão do nacionalismo no estudo comparado das literaturas. Deste modo, Guillén tornou possível uma nova perspectiva crítica que amplia a faculdade do comparatismo, permitindo uma laçada teórica mais firme no caso das literaturas de lín- gua portuguesa, por exemplo, em que estão inseridos os autores estudados – José Luan- 19 GUILLÉN, Claudio. Entre lo uno e lo diverso. Barcelona: Editorial Crítica, 1985, p. 13-14.
  • 22. 22 dino Vieira e Graciliano Ramos – além de afastar absolutamente a questão da influência e suas ramificações. Guillén organizou a forma comparada de análise através da supranaci- onalidade indicando três modelos chamados de A, B e C, que permitem a relação entre o universal e o local e apontar características convergentes e divergentes nas literaturas estudadas. O modelo A estuda os fenômenos e os conjuntos supranacionais que impli- cam internacionalidade, isto é, contatos genéticos e outras relações entre autores e pro- cessos pertencentes a diferentes âmbitos nacionais, ou premissas culturais comuns, de uma mesma nação. Modelo B é aquele em que se estudam fenômenos e processos ge- neticamente independentes, pertencentes a diferentes nações, mas implicando em condi- ções sociais e históricas comuns. Este modelo B postula a existência de processos e des- envolvimentos sociais e econômicos comuns que permitem comparar fatos políticos pertencentes a nações distintas. O modelo C por sua vez, é constituído por fenômenos geneticamente independentes que formam os conjuntos supranacionais, de acordo com princípios derivados da Teoria da Literatura. Este modelo significa o diálogo entre a unidade e a diversidade que estimula o comparatismo. Apesar de ter definido os três modelos acima declinados, Claudio Guillén afirma que estes não excluem a possibilida- de de surgimento de outros modelos que assumam relações de supranacionalidade, dei- xando aberta a sua concepção teórica a uma eventual demanda crítica colocada pelo dinamismo da Literatura Comparada. Refletindo acerca da perspectiva teórica acima, entendemos que os objetos escolhidos para o estudo comparado conduzido neste trabalho que trata do en- gajamento presente na criação literária de José Luandino Vieira e Graciliano Ramos, situam-se entre os modelos B e C propostos por Guillén. Temos diferentes nações, An- gola e Brasil, que possuem condições históricas comuns em razão de terem sido ambas colônias de Portugal, mas que apresentam fenômenos e processos geneticamente inde- pendentes. Contudo, muito embora estas nações apresentem fenômenos geneticamente independentes, é possível afirmar o seu pertencimento a um conjunto supranacional determinado pela presença da língua portuguesa como laço comum. Assim, buscaremos através de uma análise crítica e orientada pelo conceito da supranacionalidade demons- 20 Sistema literário na acepção de Antonio Candido. Cf. CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993, p. 23-24.
  • 23. 23 trar que as obras em questão, apesar de pertencerem a diferentes âmbitos nacionais, apresentam condições sociais e culturais semelhantes, permitindo o comparatismo atra- vés da identidade de tema entre as suas narrativas, permeadas por aspectos sociais e políticos. Antes de iniciarmos nossas reflexões acerca do macrossistema das li- teraturas de língua portuguesa e do comparatismo da solidariedade proposto por Benja- min Abdala Júnior, destacamos a importância do conceito de “sistema literário” cunha- do por Antonio Candido. Nas palavras do teórico brasileiro, a Literatura é “um sistema de obras que estão ligadas por denominadores comuns, que permitem reconhecer as notas dominantes duma fase.”21 Os chamados denominadores comuns estão divididos em internos e externos. São considerados denominadores comuns internos a língua, os temas e as imagens, enquanto que os externos são representados por elementos de natu- reza social e psíquica literariamente organizados. A manifestação histórica destes de- nominadores comuns faz da Literatura um aspecto orgânico da civilização. Deste modo, com a observação dos denominadores comuns pertencentes a um sistema literário naci- onal, podemos determinar três elementos que o compõe: um conjunto de produtores literários com determinado grau de consciência de seu papel, um conjunto de receptores dessa produção literária – o público, e um mecanismo transmissor que é a linguagem. Feita essa consideração sobre o sistema literário nacional, podemos re- fletir sobre o macrossistema e o comparatismo da solidariedade, conceitos propostos por Benjamin Abdala Júnior para fundamentar o estudo comparado entre a literaturas pro- duzidas nos países de língua portuguesa. Estas ferramentas teóricas são elaboradas a partir de duas perspectivas importantes: o olhar crítico determinado pelo lugar de onde se fala e o distanciamento desse olhar com o uso de critérios próprios de valor. Na com- preensão da primeira perspectiva cumpre considerar as características culturais presen- tes na América Latina, onde encontramos o elemento mestiço envolvido pelas culturas ameríndias, africanas e européias. Essa imbricação de culturas “traz-nos um estatuto crioulo – a crioulidade – uma forma plural de nos imaginarmos, com repertórios de vá- rias culturas.”22 Assim, é possível vislumbrar uma comunidade cultural ibero-afro- americana que tem por elemento principal a crioulidade, marca visível da mistura exis- 21 CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993, p. 23. 22 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 66.
  • 24. 24 tente numa figuração, a princípio, abstrata do sujeito híbrido, mas potencialmente reali- zável através de uma perspectiva “crioula”. A segunda perspectiva pede um distanciamento do olhar crítico e a apropriação de critérios próprios de valor para que seja possível “observar nossas cultu- ras a partir de um ponto de vista próprio.”23 Esta estratégia teórica importa na busca de um descentramento para o comparatismo que se faz num primeiro momento pelos pa- ralelos, isto é, que supera o critério geográfico, todavia apreende as similaridades soci- ais e culturais. Desta maneira, podemos observar nesta mesma comunidade ibero-afro- americana que os países ibéricos se encontram em paralelo equivalente ao de suas ex- colônias, permitindo o comparatismo das literaturas pertencentes ao eixo sul. Essa busca pelo que existe de próprio e comum nas culturas do eixo sul representa o comparatismo da solidariedade que vem tomar o lugar do comparatismo da necessidade, em que pre- valecia a movimentação norte/sul entre as literaturas das metrópoles portuguesa e espa- nhola e suas ex-colônias, mantendo marcada somente a instância da comparação sob a perspectiva da influência e da apropriação antropofágica. O comparatismo da ordem da solidariedade promove uma circulação mais intensa entre as culturas periféricas pertencentes à comunidade ibero-afro- americana, e revela-se um instrumento teórico eficaz às circunstâncias do momento atual posto que “em face da ênfase universal na procura de afinidades culturais – direci- ona-nos para o pólo dialético contrário da tendência globalizadora.”24 A condição mes- tiça que perpassa os repertórios culturais periféricos aponta para uma universalidade intrínseca à sua existência, dando voz ao outro, ao diferente, num movimento pluridire- cional. Por sua vez, a globalização como ferramenta homogeneizante é massificadora, unidirecional e busca a negação do outro, a aniquilação do diferente. O conflito entre estes dois movimentos tem enfraquecido cada vez mais a tendência pelo comparatismo histórico norte/sul da ordem da necessidade, consolidando-se em seu lugar o compara- tismo da solidariedade. Deste modo, a busca por afinidades sociais e culturais entre as minorias periféricas permite a circulação de valores estéticos, culturais, sociais e políti- cos que atravessam as fronteiras nacionais, além de manter um movimento de oposição às linhas homogeneizantes da globalização. 23 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 67. 24 Ibidem, p. 75.
  • 25. 25 Delimitados os parâmetros do comparatismo da solidariedade, passa- mos à exposição acerca do conceito de macrossistema das literaturas em língua portu- guesa proposto por Benjamin Abdala Júnior. A teorização em tela envolve os sistemas literários nacionais dos países que tem em comunhão a mesma língua como instrumento de comunicação e expressão, que no presente caso são Portugal e os países por ele colo- nizados. O macrossistema das literaturas de língua oficial portuguesa, que reúne os sis- temas literários acima descritos, permite apontar formas, modelos e temas que ultrapas- sam as fronteiras de seus países de origem, características culturais estas que são apro- priadas pelas literaturas nacionais. Deste modo, é possível encontrar inúmeros pontos de similaridade entre as produções literárias desses países, perpassadas pelas respectivas condições históricas, sociais e políticas. A similaridade entre os sistemas literários de língua portuguesa existe primordialmente em face da característica colonização realizada pelos portugueses, que por razões numéricas de população e poderio econômico, esbarravam em limitações durante o processo de exploração colonial. A miscigenação havida entre os colonizado- res e os nativos das diferentes colônias contribuiu para a assimilação dos traços culturais da população local, que por sua vez eram transmitidos pelos portugueses aos nativos das outras colônias por onde passavam. A partir do início do estudo comparativo das litera- turas dos países de língua oficial portuguesa percebe-se uma tradição histórica e cultural subjacente e comum que perpassa as suas produções artísticas. Essa constatação decorre da origem de todo texto literário de língua portuguesa, que parte de “uma linguagem modelada desde a Idade Média européia, num processo contínuo de aproximações e diferenciações que motivou o contexto comunicativo que se estabeleceu a partir dos tempos coloniais.”25 A existência de um macrossistema que reúne os vários sistemas literários nacionais de língua oficial portuguesa é possível em virtude dessa dinâmica comunicação em português. Essa circulação que ocorre em razão da aproximação dos sistemas nacionais permite ao macrossistema alimentar-se da origem comum e também da atualização constante das literaturas de língua portuguesa. Colocados estes primeiros e principais pressupostos teóricos, vemos a necessidade da exposição sobre a intertextualidade existente entre as produções literári-
  • 26. 26 as dos países de língua oficial portuguesa, notadamente entre Brasil e Portugal, e Brasil e Angola. Deste modo, destacamos a apropriação que verificamos das características da segunda fase do Modernismo Brasileiro, o chamado regionalismo de 1930, pelos escri- tores portugueses para a consolidação do Neo-realismo português, e pelos escritores africanos de língua portuguesa para a imaginação das nações independentes. Essa apro- ximação entre as literaturas de língua portuguesa encontra-se referenciada em vários textos críticos e depoimentos como no trecho abaixo de um ensaio crítico de Maria Apa- recida Santilli: Quanto ao estímulo de modernismo brasileiro para o embalo das contemporâneas literaturas africanas de língua portuguesa, anunci- am-no praticamente em unanimidade os depoimentos dos escritores caboverdianos e angolanos [...]. E de testemunhos publicados pelos próprios escritores de Cabo Verde e Angola irradia-se o assentimento prazeroso quanto a essas aproximações, como se instauradoras de uma confraternização literária entre povos que, então, já não chega- vam apenas à catarse da ânsia de libertação nacional, mas que en- contravam sua hora de se exorcizarem da dependência de coloniza- 26 dos. A teoria da intertextualidade concebida por Júlia Kristeva a partir de sua leitura acerca das reflexões e proposições de Bakhtin, apresentados em La poétique de Dostoievski, encerra a ligação existente entre diversas escrituras: a do escritor, a do destinatário (ou da personagem), do contexto atual ou anterior. Assim o texto estará incrustado na história e na sociedade, e estas impregnadas no universo do escritor ao reescrevê-las, como nos ensina Sandra Nitrini: O escritor participa da história mediante a transgressão dessa abstra- ção, por meio da escritura-leitura; em outras palavras, da prática de uma estrutura significante em razão de ou em oposição a uma outra 27 estrutura. A intertextualidade é composta pelo sujeito da escritura, o destinatário e os textos exteriores, elementos que se inter-relacionam em dois eixos, isto é, horizon- talmente entre o sujeito e o destinatário, e verticalmente entre o texto e o contexto. Bakhtin chama o eixo horizontal de diálogo (entre sujeito e destinatário) e o vertical de ambivalência (entre o texto e o contexto). Segundo Sandra Nitrini, “o termo ambivalên- 25 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 103. 26 SANTILLI, Maria Aparecida. Africanidade. São Paulo: Ática, 1985, p. 25. 27 NITRINI, Sandra. Literatura Comparada. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000, p. 159.
  • 27. 27 cia implica a inserção da história e da sociedade no texto e do texto na história,”28 e mais, “todo texto se constrói como mosaico de citações, todo texto é absorção e trans- formação de um outro texto.”29 O texto remete a outros textos e através de sua transfor- mação confere a estes textos uma nova roupagem com significação própria. Um novo texto é sempre uma absorção e transformação de um texto anterior. Podemos dizer então, que um texto sozinho não se basta, não pode ser isolado de forma hermética e cristalizada, porque o processo de escrita é o resultado do proces- so de leitura de um texto literário anterior. Deste modo, a relação de dependência entre um texto literário e outro deixa de existir, não há mais a dívida que um texto adquiria com seu antecessor. Temos, sim, um procedimento natural e contínuo de reescrita dos textos. A dissolução das amarras da colonização intelectual cresce em meio à imitação do modelo, e a partir dessa iniciação é que teremos uma produção literária ma- dura e consciente, desenvolvendo um sistema literário próprio e característico. A Lite- ratura Comparada tradicional, inicialmente, mantinha-se atrelada ao eurocentrismo, através do qual os sistemas literários do Velho Mundo eram venerados como modelos. Este fato era corroborado pela dependência cultural que se formava com a atitude passi- va dos países colonizados de contemplação da Europa como matriz intelectual. A des- colonização literária no Brasil, e de uma forma geral nas demais ex-colônias, se dá com a dialética do localismo e do cosmopolitismo, existindo uma oscilação entre duas fortes tendências que afirmaram cada vez mais o sistema literário nacional, e que são a afir- mação do nacionalismo literário e a imitação consciente do padrão europeu. Assim, o sistema literário nacional colonizado inicia a ruptura da de- pendência cultural desenvolvendo os motivos nacionais através dos moldes da tradição européia. Vale dizer que o colonizado, a partir de sua sensibilização ao nacionalismo e a busca de sua Independência, dispõe seus próprios frutos no balaio de outrem até que possa tecer o seu próprio, caminhando assim, rumo à sua maturidade cultural, e afir- mando definitivamente a sua identidade nacional. A intertextualidade pode ser usada 28 Ibidem, p. 160. 29 NITRINI, Sandra. Literatura Comparada. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000, p. 161.
  • 28. 28 como instrumento para a descolonização literária, pois a escrita que oferece caminhos para a releitura de textos produzidos segundo a ideologia dominante não é apenas imita- ção, mas sim o resgate daquele texto colocando-o no tempo presente, com as circuns- tâncias que norteiam o novo texto e o seu meio. Como nos explica Benjamin Abdala Júnior, “ninguém cria do nada. [...] Quando o escritor escreve, pode julgar que o texto é apenas seu, não tendo consciência de que na verdade é a sociedade que se inscreve atra- vés dele”.30 Isto significa a apropriação que o escritor realiza até mesmo inconsciente- mente não apenas da matéria pertencente à sociedade local e ao patrimônio cultural co- letivo, como também das outras literaturas com as quais interage dialeticamente. Retomando as aproximações ocorridas na primeira metade do século XX entre as literaturas brasileira e portuguesa, recordamos o exemplo do romance Ca- etés, de Graciliano Ramos, em que encontramos a apropriação da estrutura do romance A ilustre casa de Ramires, de Eça de Queirós. A estratégia narrativa do romance embu- tido dentro do romance, que no caso se traduz na história da personagem narradora, João Valério, que escreve a sua história, ainda é resgatada no romance São Bernardo. Ainda com relação ao romance Caetés, Benjamin Abdala Júnior aponta para uma curio- sidade histórica, pela qual “os índios caetés, por sua vez, são recorrência histórica an- tropofágica: eles devoraram o Sardinha português.”31 Há, portanto, uma interação entre as literaturas de língua portuguesa, e podemos dizer que Portugal pode se ver no Brasil em razão desse tipo de apropriação. Talvez isso explique a propensão para o caminho inverso pelo qual Portugal vem apropriar-se das referências literárias do Modernismo brasileiro, durante o Neo-Realismo português. Em relação aos países africanos de língua portuguesa, podemos dizer que algo de semelhante ocorreu, principalmente nas décadas de 1940 e 1950 quando, por exemplo, em Angola havia uma geração de intelectuais e escritores que se preocupavam com a consolidação de um sistema literário nacional e de uma consciência de identidade nacional. Essa geração encontrou na Literatura Brasileira semelhanças da mescla cultural que eles próprios viviam, e com isso os elementos ne- cessários para desenvolver seus projetos culturais e políticos. 30 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas. Cotia (SP): Ateliê, 2003, p. 112. 31 Ibidem, p. 68.
  • 29. 29 2.2 Campo intelectual Face o desenvolvimento deste trabalho através de perspectivas que tomam os escritores como intelectuais do seu tempo, consideramos relevante a teoriza- ção que Pierre Bourdieu elaborou acerca do significado do termo “campo intelectual”. Desta maneira, é possível compreender a posição que Luandino Vieira e Graciliano Ramos ocupavam nos seus respectivos contextos e a relação dos mesmos com o campo de poder em que estavam inseridos. As reflexões empreendidas nesse sentido buscam o entendimento da posição ocupada pelos escritores e intelectuais na sociedade. Nas pala- vras de Bourdieu, o campo intelectual consiste em um “sistema de posições predetermi- nadas abrangendo, assim como os postos de um mercado de trabalho, classes de agentes providos de propriedades (socialmente constituídas) de um tipo determinado.”32 Esse sistema de posições é determinado em função do espaço que ocupa no campo de poder independentemente da autonomia alcançada pelo campo intelectual. Deste modo, é pos- sível refletir sobre a condição do escritor/intelectual e suas diferentes categorias em pe- ríodo histórico e lugar específico. A existência de um segmento intelectual característico ocorre por sua interação com o habitus33 socialmente constituído, e compreendendo esse diálogo podemos vir a distinguir a posição ocupada por esse segmento no campo inte- lectual, bem como as conseqüentes opções estéticas ou ideológicas adotadas. As origens do pensamento sobre o campo intelectual estão presentes na recusa da valorização desmedida da biografia do escritor e do artista para a compre- ensão da sua obra. A relevância extremada atribuída aos aspectos da vida privada do artista implica numa perspectiva crítica pela qual se avalia o seu projeto estético em razão de toda a história pessoal do artista, em que se toma a obra como a expressão da pessoa do artista em sua singularidade. Mas essa estratégia crítica mostrou-se ao longo do tempo ser absolutamente falhada, sendo consenso a extensão das dificuldades acar- retadas por esse método na compreensão inteira e completa das criações artísticas e seus criadores. Para suprir essa lacuna mostrou-se necessário considerar também o entorno social e político do artista, como bem explica Bourdieu: 32 BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 184. 33 Segundo Pierre Bourdieu, habitus é um “sistema das disposições socialmente constituídas que, en- quanto estruturas estruturadas e estruturantes, constituem o principio gerador e unificador do conjunto das práticas e das ideologias características de um grupo de agentes.” BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 191.
  • 30. 30 (...) considerando o campo ideológico de que fazem parte e que ex- prime, de uma forma mais ou menos transfigurada, a posição de uma categoria particular de escritores na estrutura do campo intelectual, por sua vez incluído em um tipo específico de campo político, caben- 34 do uma posição determinada à fração intelectual e artística.” Quanto à Literatura, Bourdieu expõe que é durante o Romantismo, na primeira metade do século XIX que a vida do escritor se torna uma espécie de obra de arte. O escritor ao viver experiências dignas de coleta autobiográfica e eternizar esses momentos de sua existência através do gênero “memórias”, fazendo da sua vida a maté- ria da obra de arte, estimula uma leitura biográfica de sua obra. Tornando possível desse modo, uma aproximação entre o autor e o leitor, numa comunhão pessoal. Essa venera- ção “romântica” da biografia se traduz na “criação” como expressão irredutível da “pes- soa” do artista ou a utopia de uma intelectualidade baseada numa inteligência aristocrata e carismática. Esse vínculo entre “criador” e “obra” traz efeitos percebidos ainda nos dias de hoje segundo Pierre Bourdieu: “Não seria difícil mostrar que são esses os mes- mos princípios que engendram ainda hoje a representação que os intelectuais possuem do mundo social e de sua função neste mundo.”35 Podemos dizer, outrossim, que a exaltação biográfica também insiste em guiar a História da Arte e da Literatura, que podem apresentar essa mesma “relação mágica” entre o artista ou escritor e sua obra, como já havia na época romântica. Para escapar da limitada leitura biográfica e romper com a citada ide- ologia carismática é preciso considerar o objeto da análise nos limites do campo ideoló- gico em que está inserido. Desta forma, se faz possível o estabelecimento das relações entre o referido objeto e a posição que o grupo, ao qual pertence o seu criador, ocupa no campo intelectual. Para empreender essa leitura crítica sob a égide do campo intelectual é necessário observar as três etapas que compõem essa análise. A primeira, verificando qual a posição dos intelectuais e dos artistas na estrutura da classe dirigente, ou a rela- ção que eles mantêm com essa estrutura quando não fazem parte dela. O segundo passo dessa análise é observar as relações existentes entre os grupos concorrentes pela legiti- midade intelectual ou artística e as suas posições num certo momento dentro do campo 34 Ibidem, p. 184. 35 BOURIDEU, Pierre. A troca das economias simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 185.
  • 31. 31 intelectual. Pierre Bourdieu alerta que “em termos metodológicos rigorosos, a constru- ção da lógica peculiar a cada um dos sistemas imbricados de relações relativamente autônomas (o campo do poder e o campo intelectual) constitui a condição prévia de construção da trajetória social como sistema dos traços pertinentes de uma biografia individual ou de um grupo de biografias.”36 A terceira e última etapa diz respeito ao habitus que é um sistema das disposições sociais que geram e unificam as práticas e as ideologias de um grupo de agentes. Assim, teremos a posição e a trajetória de determi- nadas práticas e ideologias dentro do campo intelectual, e este, por sua vez, ocupará também uma certa posição no campo de poder, o que definirá a espécie de relação exis- tente entre intelectuais / artistas e a classe dominante. Portanto, revela-se muito importante a relação que se estabelece entre intelectuais e artistas em seu conjunto e as diferentes frações das classes dominantes, pois permite explicar as características específicas de um conjunto de obras, que desse modo recebem uma leitura crítica diferenciada em consonância ao contexto da sua con- cepção. No estudo dessa relação entre os membros do campo intelectual e de poder, há uma proporcionalidade na importância das posições ocupadas. À medida que o campo intelectual e artístico fica mais autônomo, e em conseqüência seus agentes detêm um estatuto social mais elevado, verifica-se cada vez mais o ingresso por iniciativa própria destes intelectuais e artistas nos conflitos em curso entre as frações da classe dominan- tes. No entanto, essa autonomização dos intelectuais e artistas não é bastante para supe- rar uma situação de dependência material e impotência política diante das frações domi- nantes da burguesia, de onde se origina a maioria dos seus membros, seja por suas ori- gens familiares ou ainda pelo estilo de vida que mantêm. Como nos faz lembrar Pierre Bourdieu, “os escritores e artistas constituem, pelo menos desde a época romântica, uma fração dominada da classe dominante [...].”37 A posição ocupada por esses indivíduos na estrutura da classe dominante tem por excelência um caráter ambíguo, pois são obri- gados a manter uma relação ambivalente tanto com os burgueses, como também com o povo, num trânsito caótico entre classe dominante e classe dominada, o que lhes acar- reta uma posição obscura e incerta na sociedade, além de uma função social duvidosa. 36 BOURIDEU, Pierre. A troca das economias simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 191. 37 Ibidem, p. 192.
  • 32. 32 A autonomização cada vez maior do campo intelectual em relação às coerções das frações da classe dominante, em última instância apenas aumenta a força explicativa quanto à posição que intelectuais e artistas ocupam no campo de poder, na mesma medida em que há o crescimento de um mercado dos bens simbólicos produzi- dos por estes agentes. A partir dessa ampliação explicativa verificamos que as posições estéticas e políticas contidas no campo intelectual variam em sua autonomia de acordo com as relações mantidas entre os artistas e o poder num dado período histórico. Como já dissemos os intelectuais e os artistas ocupam uma posição ambígua na estrutura da classe dominante, e apresentam-se oscilando entre duas categorias, ora como dominan- tes, ora como dominados. Destas categorias temos a classificação de três tipos possíveis de produção de bens simbólicos: a “arte social” (dominados), a “arte burguesa” (domi- nantes), e a “arte pela arte” (ambíguos). Poderíamos dizer que se trata de um critério de medida para o engajamento intelectual e artístico que está presente na “arte social” e na “arte burguesa”, o que não ocorre na “arte pela arte”. Os intelectuais e artistas tornam-se porta-vozes da classe que os reco- nhecem e à qual dirige a sua obra. Então, temos os agentes burgueses/dominantes reco- nhecidos pelo público burguês, e os defensores da “arte social”, dominados, que se soli- darizam à classe dominada em função da sua condição econômica e sua exclusão social. No caso daqueles que defendem a “arte pela arte”, verificamos uma posição ambígua no campo intelectual, o que implica numa medida duplamente aumentada das contradições inerentes à posição já ambígua da fração intelectual e artística na estrutura das frações das classes dominantes. Pierre Bourdieu explica essa condição em razão da forma con- comitante que aqueles agentes trabalham a sua identidade estética e política, conforme a conjuntura política, em oposição aos “artistas burgueses” e também contra os “artistas socialistas”, formando imagens contraditórias de si mesmos e de seus oponentes. Essa tendência da “arte pela arte” que, segundo Sérgio Miceli reside na problemática kantia- na, encontrando como seus herdeiros Cassirer, Sapir, inclusive Durkheim e Lévi- Strauss, “considera a cultura – e por extensão todos os sistemas simbólicos, como a arte, o mito, a linguagem etc. – em sua qualidade de instrumento de comunicação e conheci- mento responsável pela forma nodal de consenso, qual seja o acordo quanto ao signifi- cado dos signos e quanto ao significado do mundo.”38 A conseqüência mais grave dessa 38 MICELI, Sérgio. “A força do sentido” (prefácio). In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas sim- bólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. VIII.
  • 33. 33 tendência é o privilégio da cultura como estrutura estruturada em vez de estrutura es- truturante, deixando de atribuir aos bens simbólicos as funções econômicas e políticas que lhes são inerentes, e valorizando apenas a sua análise interna e de natureza simbóli- ca. Consideramos a relevância da observação dos escritores estudados neste trabalho através da perspectiva do campo intelectual elaborado por Pierre Bourdi- eu, posto tratarem-se de dois artistas que sempre conduziram suas criações literárias para o encontro de suas convicções políticas e humanas. Perseguindo a primazia da es- tética em consonância a uma postura crítica das experiências vivenciadas e recriadas pela ficção, Luandino e Graciliano trabalharam incansavelmente em prol de ideais hu- manísticos. Ao pensarmos na jovem intelectualidade angolana que impulsionou o movimento cultural e político do país com a bandeira “Vamos descobrir Angola”, en- tendemos que este projeto foi suficiente para a consolidação da literatura nacional an- golana. O amadurecimento político-cultural ocorreu numa razão diretamente proporcio- nal ao processo de autonomização dos intelectuais em Angola. Essa força motriz repre- sentada pelas atividades culturais e políticas transformou-se na alavanca necessária à sedimentação da angolanidade, como sentimento e consciência nacional, e que se man- teve mesmo sob as terríveis convulsões sociais e políticas ocasionadas pela Guerra Civil após a Independência de Angola. Deste modo, a autonomização da classe intelectual em Angola permitiu que se fizesse uma frente de força contra a classe dominante represen- tada pela Administração Colonial até 1975. No entanto, após a Independência temos a inversão dos papéis destes mesmos intelectuais que compunham os quadros do MPLA, que então representa a nova classe dominante. Essa nova situação coloca os intelectuais angolanos num plano de ambigüidade como a referida por Bourdieu. A movimentação que se seguiria à Independência, ou seja, a conquista de uma consciência política e soci- al para promover o aprimoramento da nação, foi interrompida com a Guerra Civil. E assim ainda são muito recentes os movimentos intelectuais em Angola para que fosse possível posicionar essa intelectualidade que lutou pela Independência nesta nova con- figuração dos campos intelectual e de poder
  • 34. 34 No Brasil, a “Geração de 30” representou o amadurecimento da pri- meira fase do Modernismo Brasileiro. Os escritores chamados regionalistas, na sua maioria representantes do Nordeste do Brasil, colocaram-se, a nosso ver, como uma oposição ao controle do poder pelo sul do país, o que era personificado pela figura de Getúlio Vargas. Mais do que um movimento literário que estava sendo engrossado des- de o final da década de 1920 com José Américo de Almeida39 e Rachel de Queirós,40 os regionalistas que vemos se destacar no Nordeste nas décadas de 1930 e 1940 parecem uma intelectualidade capaz de se opor ao poder ditatorial. Isto é possível com a autono- mização dessa classe de escritores que valorizam o sertanejo, os seus costumes, que promovem a exposição escancarada da ausência de atuação do governo, do Estado, em favor do cidadão. Essa característica “esquerdista” presente no trabalho literário de muitos escritores dessa geração os levou a uma situação desconfortável que permaneceu durante muito tempo. Muitos deles pertenceram aos quadros do Partido Comunista Bra- sileiro e eram perseguidos por essa razão. Interessante notar que no Brasil a sua esquer- da não subiu ao poder, inexistindo o conflito da situação dos intelectuais daquela época. E quando a esquerda conseguiu ascender, temos novamente uma situação de exceção com o Golpe de 1964 que instaurou uma ditadura militar. Notamos através de alguns textos esparsos da época, e que exemplificamos com a crônica41 na qual Graciliano Ra- mos critica a posição de José Lins do Rego, que logo após a queda de Getúlio Vargas existiram movimentações dos intelectuais brasileiros criando situações conflitantes entre escritores que eram solidários e lutavam juntos por uma mesma causa. 3. O intelectual e o escritor Em razão da postura adotada por José Luandino Vieira e por Gracilia- no Ramos verificamos a necessidade de tecer considerações sobre o papel de intelectual, bem como o engajamento dos referidos autores nas suas sociedades. Um escritor enga- jado não está apenas ligado a questões estéticas e formais. Ao trabalhar a escrita através da ficção e de elementos formais buscando um resultado “literário”, o escritor desempe- 39 A bagaceira, romance publicado em 1928. 40 O quinze, romance publicado em 1930. 41 Cf. Anexo D deste trabalho.
  • 35. 35 nha também um papel simbólico especial, qual seja, a de intelectual, ao manipular criti- camente, além de ficcionalmente, uma matéria que esteja diretamente ligada a questões sociais e políticas do seu lugar e do seu tempo. Construindo uma linha discursiva crítica ou irônica no ato da sua escrita para dizer a verdade diante do poder ou testemunhar perseguições e sofrimentos, o escritor – como nos conta Edward Said – atua de forma singular na manipulação de valores intelectuais.42 Todavia, em razão da colagem de estereótipos realizada pela sociedade, é comum considerar o escritor e o intelectual como sujeitos de características muito distintas. O primeiro seria aquele que produz literatura, utilizando-se da estética para modelar a sua criatividade e a sua originalidade, enquanto o segundo estaria empenhado na produção e transmissão de idéias, de símbo- los, de visões do mundo e de ensinamentos práticos através do uso da palavra.43 No en- tanto, a constatação da tensão existente entre a estética e o social leva a crer que estes dois artesãos da palavra têm muito em comum, quando se voltam para questões da prá- xis44 humana. Não cabe apartar, para o âmbito de nosso trabalho, o criador literário do intelectual atuante, pois a literatura é também um instrumento do exercício de transmis- são de idéias, e observamos que escritor e intelectual constituem um só elemento, repre- sentando papéis distintos que se unem. Os textos ficcionais selecionados para o nosso trabalho espelham a opção de José Luandino Vieira e Graciliano Ramos ao mediarem a realidade das suas localidades de origem nas suas criações literárias. Ainda que se per- ceba o apelo social ou político em suas narrativas, não há resquício algum de uma lite- ratura panfletária ou de qualidade literária duvidosa. Todavia, ainda que entendendo que o escritor e o intelectual estejam circunscritos a linhas justapostas de atuação, convém observar melhor do que se trata o engajamento da Literatura e qual a origem do termo intelectual. Norberto Bobbio45 nos remete para a origem do uso da palavra intelectualidade. Apesar da questão dos pensa- dores – como criadores, portadores e transmissores de idéias – ser antiga, a denomina- ção dessa classe de sujeitos é recente e provém do russo intelligencija, e surgiu pouco 42 SAID, Edward W. Cultura Política. São Paulo: Boitempo, 2003, p. 29. 43 Adotamos o conceito de intelectual como artesão de idéias na acepção de Norberto Bobbio. Segundo a mesma, independentemente da nomeação que receba nas diferentes sociedades, o intelectual sempre está presente ao lado das esferas econômica e política. BOBBIO, Norberto. Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea. São Paulo: Unesp, 1997, p. 11. 44 A acepção neste caso refere-se à teoria da práxis marxista, pela qual o homem é considerado um ser ontocriativo, isto é, um indivíduo que, ao interagir com o mundo, modela seus pensamentos e ações. 45 BOBBIO, Norberto. Norberto Bobbio: o filósofo e a política: antologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003, p. 441.
  • 36. 36 antes da revolução socialista, designando um grupo de livre-pensadores – autores políti- cos, críticos literários ou escritores e romancistas – que fizeram crescer o processo de crítica à autocracia czarista e às condições de atraso da sociedade russa. A noção de antagonismo ao poder perdurou ao longo dos anos como atributo essencial do intelectu- al, do modo como surgiu na sua designação original. Tal antagonismo está presente na posição de distanciamento crítico diante da dominação exercida através da coerção po- lítico-social que instaura a opressão das idéias. O intelectual exerce, assim, uma função crítica em relação ao poder dominante e a classe instalada no poder. No tocante ao engajamento da Literatura, podemos dizer que o escri- tor engajado é aquele que expõe uma postura parcial, ainda que implicitamente, apre- sentando um discurso comprometido com uma determinada coletividade. Essa posição tomada pelo criador literário implica no reconhecimento de pertencimento a um grupo em especial, e conseqüentemente uma atitude de diálogo sobre as mais diversas ques- tões pertinentes a esse segmento da sociedade. Assim, deixa de lado uma posição de mero espectador para seguir uma direção específica, o que estará espelhado não apenas em suas idéias como também em suas criações artísticas. Segundo Benoît Denis o en- gajamento tem o seu sentido determinado por três elementos semânticos: “colocar em penhor, fazer uma escolha, estabelecer uma ação.”46 Essa perspectiva semântica é cor- roborada tanto pela definição encontrada nos dicionários como também pela acepção glosada por Jean-Paul Sartre. Podemos dizer que se tratam de três pontos basilares do engajamento e que se verificam também na sua produção literária quando o escritor se alinha a uma corrente de pensamento, compromete-se com os seus ideais e os coloca em prática na sua criação. Uma característica importante do engajamento é a sua ligação ao tem- po presente. Não basta, portanto, uma participação ativa do escritor para manifestar a sua adesão a uma causa. O engajamento pressupõe uma temporalidade absolutamente distinta daquela que acompanha a evolução tradicional da Literatura. É necessário que o escritor reconheça o contexto histórico que o cerca e persiga a transfiguração dessa rea- lidade na sua escrita, o que reproduzirá um discurso dirigido ao presente. Muito embora a literatura engajada esteja sempre imbuída de um imediatismo inerente a sua manifes- tação, não há como escapar do que Benoît Denis chama de retardamento de sua escritu-
  • 37. 37 ra.47 Isto se dá em razão da demora que existe entre a criação e a divulgação do texto literário, e o coloca numa situação deslocada ao acontecimento que o originou. A lite- ratura engajada poderia estar assim condenada ao fracasso sem o reconhecimento da sua pertinência contextual e histórica pelo público e pela recepção crítica. Contudo, é possí- vel verificar a existência de um trabalho literário atuante que possua qualidade estética suficiente para suprir esse caráter negativo do engajamento na arte. Aliás, é essa quali- dade que separa a literatura chamada de panfletária e oportunista, daquela que possua um alto nível literário. O escritor que é capaz de tratar dialeticamente o univer- sal/coletivo e o local/particular na sua criação literária, preocupando-se com a forma e a linguagem, consegue, ainda que imbuído de um discurso engajado, produzir uma lite- ratura que perdura através do tempo possibilitando uma leitura crítica de valores e ideais universais, mesmo que descolada do contexto de sua origem. Observando o caminho percorrido pelos romancistas José Luandino Vieira e Graciliano Ramos, pensamos em como cada um conseguiu através da sua obra literária transmitir uma mensagem de cunho social e político que ultrapassou o seu tem- po. Grande parte da obra destes romancistas centra-se na questão da opressão político- social e da decadência da dignidade humana. Nas obras em questão – A vida verdadeira de Domingos Xavier e Memórias do cárcere – há um cenário semelhante de violência institucional e vilipêndio da dignidade humana. No caso de José Luandino Vieira, nota- bilizado não só por sua brilhante produção literária, mas também por seu envolvimento na mobilização política contra a dominação colonial portuguesa através do MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola,48 observamos que, se por um lado, sua atuação foi alentadora para os companheiros de militância ao narrar sobre as prisões, as torturas e a luta clandestina, por outro, pôde apresentar através da sua escrita o envolvi- mento das massas populares na consciência da sua identidade, imprimindo à narrativa dos fatos da vida cotidiana a forma da oralidade tradicional africana. Graciliano Ramos, por sua vez, buscou na realidade do sertão nordes- tino os elementos mediados em sua obra, representando em expressão literária a visão 46 DENIS, Benoît. Literatura e engajamento: de Pascal a Sartre. Bauru (SP): Edusc, 2002, p. 32. 47 Ibidem, p. 40. 48 Este movimento surgiu da mobilização de jovens intelectuais mestiços, brancos e negros, em meados da década de 50 (século XX), com atividades panfletárias e culturais em periódicos, incitando a mobiliza- ção do povo e reivindicando a independência do país.
  • 38. 38 do seu lugar: um nordeste miserável e mantido sob o jugo do coronelismo. O seu dis- curso narrativo carregado de intensa crítica à miséria e aos desmandos políticos culmina com a sua prisão, retratada na forma de memórias para denunciar os porões, daquilo que denominou “fascismo tupinambá”. Por isso, na esfera de tensão entre o estético e o so- cial observamos, em projetos de escrita como os de José Luandino Vieira e Graciliano Ramos, como o escritor passa a atuar como um intelectual a fim de reforçar e reiterar a necessidade de oposição ao poder político instalado e de crítica à sociedade, buscando a livre fruição e transição das idéias, no intuito, ainda que utópico, de se alcançar o futuro que “deve ser”. Consideramos relevante também considerar a atuação dos escritores em pauta fora do âmbito de sua criação literária. Por isso destacamos a relação que estes tiveram com as manifestações culturais mais expressivas de seu tempo. Destaca-se no cenário angolano do final da década de 1940 o movimento literário e cultural Vamos descobrir Angola do qual José Luandino Vieira participou ao lado de outros jovens in- telectuais como António Jacinto, Mário Pinto de Andrade, António Cardoso entre ou- tros. Como nos explica Carlos Serrano, esse movimento teve como mentor o poeta Viri- ato da Cruz e significou uma resposta dessa geração à negação sistemática dos valores do povo angolano pelo colonialismo português.49 Esse movimento que desde sempre primou pela busca da consolidação da literatura nacional angolana e de uma consciência nacional que abarcasse todas as etnias existentes no território angolano, era impulsiona- do por jovens estudantes que compunham a Sociedade Cultural de Angola em Luanda e a Casa dos Estudantes do Império em Lisboa. Há uma intensa produção literária e críti- ca através da publicação de poemas, contos e ensaios em periódicos como a Revista Cultura e o Boletim Mensagem, que se tornaram uma referência na divulgação da pro- dução intelectual angolana nas décadas que antecederam a Independência de Angola. No Brasil gostaríamos de ressaltar uma característica político-cultural do Estado Novo que jogava às prisões elementos formadores da opinião pública, como são os jornalistas, escritores, políticos e intelectuais. Esta percepção da considerável influência que pode existir da intelectualidade sobre as massas foi evidenciada no início da década de 1940, com a publicação da Revista Cultura Política, por iniciativa do go- 49 SERRANO, Carlos. “Angola: a Geração de 50, os jovens intelectuais e a raiz das coisas”. In: Vários. Abrindo caminhos: homenagem a Maria Aparecida Santilli. São Paulo: FFLCH/USP, 2002, p. 57.
  • 39. 39 verno Vargas, para a qual intelectuais eram “convidados” a colaborar com artigos de maneira a enaltecer a autoridade do poder vigente. Assim, percebemos que no Estado Novo existiu uma forte imposição política no tratamento da cultura e o governo institui instrumentos para a difusão dos “ideais oficiais” na sociedade brasileira. Um destes instrumentos de divulgação e propaganda foi a Revista Cultura Política, dirigida por Almir de Andrade e vinculada ao DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), periódico em que Graciliano Ramos colaborou entre abril de 1941 e agosto de 1944. Acreditamos que algumas circunstâncias além da remuneração certa e generosa encorajaram Graciliano a permanecer este período como colaborador da revista, ainda que a situação se mostrasse embaraçosa em relação a sua posição polí- tica. A primeira delas seria a proximidade com o poeta Carlos Drummond de Andrade que a essa altura era chefe de gabinete do Ministro da Educação e Cultura Gustavo Ca- panema, ambos ligados à esquerda e que haviam auxiliado na sua nomeação como ins- petor federal de ensino. Além disso, havia a participação de Portinari, seu grande amigo, na colaboração de novo projeto do Ministério da Educação. Essa “revista governamental” estudava as questões sociais e econômi- cas pertinentes à sociedade brasileira como indicava o seu subtítulo – “revista de estu- dos brasileiros”. O seu primeiro número foi publicado em março de 1941 e a sua tira- gem foi mensal até outubro de 1945, caracterizando-se como um periódico de fácil acesso ao público uma vez que a sua distribuição alcançava bancas de jornal, principal- mente no Rio de Janeiro e em São Paulo. Curiosamente as colaborações convocadas à revista tinham origem em várias correntes de pensamento. Por essa razão encontramos lado a lado simpatizantes do regime como Almir de Andrade, Francisco Campos, Aze- vedo Amaral, Lourival Fontes e Cassiano Ricardo, e representantes da oposição a Var- gas como Graciliano Ramos, Gilberto Freyre e Nelson Werneck Sodré. Entendemos ser de muita relevância colocar a situação que cada um dos escritores estudados enfrentava e como se dava a sua manifestação pública. Luandi- no Vieira quase sempre colaborava com poemas e contos, pequenas histórias, restrin- gindo-se, aparentemente, apenas à ficção. Todavia, devemos lembrar que a situação de censura e controle das publicações era muito intensa e problemática em Angola no perí-
  • 40. 40 odo imediatamente anterior à Independência durante a década de 1960. Além disso, Luandino permaneceu preso durante todo esse período, e foi libertado somente em 1972 em Lisboa, havendo raras oportunidades para fazer chegar os seus escritos à publicação. Graciliano Ramos, por sua vez, desde cedo colaborava em pequenos jornais publicando poemas e crônicas. Constatamos uma especial preferência pelas crônicas, demonstrando nessa seara também uma característica impactante na sua obra ficcional, qual seja, a ironia cáustica sobre os pequenos “causos” do dia-a-dia do homem comum. As crônicas possuem os mais variados assuntos, questões políticas, literárias, críticas, e até mesmo questionamentos de foro íntimo, mas sempre com um olhar crítico e ácido.50 3.1 Luandino e Angola Uma leitura atenta dos sistemas literários das ex-colônias portuguesas em África, revela em Angola a produção notável do escritor José Luandino Vieira. Sub- vertendo a norma culta da língua portuguesa, o romancista angolano estampa no seu texto uma técnica literária diferenciada para a descolonização da linguagem. Essa dife- rença revela-se pela inserção de registros lingüísticos do quimbundo51 na língua portu- guesa, o que além de resultar em neologismos que retratam a fala dos musseques de Luanda, aproximou a literatura e a experiência da tradição oral africana.52 Essa “trans- gressão literária” representa um ato de liberdade contra o domínio colonial português, constituindo um elemento de autonomia para que os angolanos construam a sua própria identidade.53 Outro aspecto de suma importância é apontado por Laura Cavalcante Pa- dilha ao abordar a forma de “mentar angolanamente” o texto em prosa através da reto- mada da tradição: O pacto com a modernidade literária se dá em Angola há aproxima- damente quatro décadas. O salto qualitativo chega quando o produtor 50 Cf. nova edição de Linhas tortas com a supervisão de Wander Melo Miranda (UFMG), que tomou por base a primeira edição da obra pela Editora Martins em 1962. RAMOS, Graciliano. Linhas tortas. 21ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2005. 51 Língua banta de Angola. AULETE, Caldas. Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Delta, 1958, p. 4201. 52 Não está no foco desta reflexão a veracidade lingüística desta questão, mas sim o fato da cristalização de uma linguagem poeticamente construída através da filtragem das imbricações culturais em Luanda. 53 Tomamos a concepção de identidade a partir de Manuel Castells, como “o processo de construção de significado com base em um atributo cultural, ou ainda um conjunto de atributos culturais inter- relacionados, o(s) qual(ais) prevalece(m) sobre outras fontes de significado”. CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001, p. 22.
  • 41. 41 textual se conscientiza de que o moderno pode ser encontrado na- 54 quele “velho de milênios” a que se refere o crítico mexicano. O crítico mexicano referido é Octavio Paz, que já havia mencionado como as representações do “velho” podem chegar à modernidade, quando se apresentam como uma forma de ruptura e negação da tradição, apresentando novas propostas. En- tendemos que Luandino Vieira teve êxito em seu trabalho a partir dessa proposta alter- nativa para que a literatura angolana pudesse chegar à modernidade e consolidar-se como literatura nacional. José Luandino Vieira nasceu na pequena Lagoa do Furadouro, nas proximidades de Fátima em Portugal, no ano de 1935 como José Mateus Vieira da Gra- ça, seu nome de batismo. Emigrou ainda criança com a família para Angola e morou no musseque de Braga, em Luanda, durante a sua infância e adolescência, da mesma forma como tantos outros humildes colonos portugueses, que se estabeleciam em outros mus- seques como Makulusu, Kinaxixe e Sambizanga. Estes bairros pobres da periferia de Luanda representaram o espaço da convivência entre brancos, negros e mestiços, e ape- sar de tensa, foi marcada pela interação entre os grupos raciais. Musseque é a designa- ção que o povo deu aos bairros pobres que se formaram à volta da cidade de Luanda, originalmente em razão da areia avermelhada do terreno.55 Estes bairros periféricos – cinturão de miséria e exclusão – representaram um novo espaço social, uma área extre- mamente fértil para o entrecruzamento de culturas. Nestas localidades se encontravam os pequenos agricultores vindos de várias partes do interior de Angola – oriundos de diversas etnias – e os imigrantes portugueses de baixa renda e com pouca ou nenhuma escolaridade vindos de um Portugal sem glória. Esse ambiente de alteridade e diversidade racial e cultural influiu de maneira decisiva para o surgimento de uma consciência política e social característica não só de José Luandino Vieira, como de toda uma geração de intelectuais luandenses: a consciência da unidade nacional como elemento de força bastante para se contrapor ao domínio colonial português. Este espaço urbano terminou por se configurar um local 54 PADILHA, Laura Cavalcante. “Faca amolada: tradição e ruptura em Boaventura Cardoso”. In: ______. Novos pactos, outras ficções: ensaios sobre literaturas afro-luso-brasileiras. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002, p. 19. 55 RIBAS, Óscar. Dicionário de regionalismos angolanos. Matosinhos (Portugal): Contemporânea, 1994, p. 221.
  • 42. 42 privilegiado para que houvesse a interação entre a tradição africana e os costumes euro- peus. Nasceu, assim, um novo modo de pensar e interagir nesta conformação social muito própria dos musseques. O afastamento da identidade puramente étnica e a apro- ximação da cidade do asfalto européia criaram um novo ser social, detentor de novos valores culturais: o angolano. As narrativas de José Luandino Vieira foram capazes de construir si- gnificados relevantes àqueles atores sociais que ansiavam pela consolidação da nação angolana, identificados com a conexão realizada entre a memória, o presente e a expec- tativa de um futuro como “deve ser”. As referências identitárias – resultantes de um determinado contexto – nos remetem à “crioula” Luanda, especialmente no tocante à experiência coletiva dos musseques vivida intensamente por José Luandino Vieira, a ponto de se tornar uma constante em suas obras. E nesta mistura de experiências e tradi- ções é que José da Graça acaba por personificar a cidade no seu nome, tornando-se Luandino. Esta designação, mais do que uma alcunha para o escritor parece demonstrar a identificação do homem com o seu meio. Escritor nacionalista comprometido com o movimento de libertação 56 de Angola, José Luandino Vieira foi um militante de participação ativa em seu país, tanto na vida política pela luta clandestina através do MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola, quanto na vida cultural como colaborador de periódicos e funda- dor da União de Escritores Angolanos. Atuou no processo de desalienação e valorização da tradição africana ao lado de outros jovens de sua época como Mário Antonio e Anto- nio Cardoso, na revista Cultura II entre 1957 e 1960. A partir da sua trajetória de parti- cipação na Sociedade Cultural de Angola onde vários jovens intelectuais exerciam a ação política sob o aspecto cultural, Luandino Vieira é preso em junho de 1959, após a instalação da PIDE57 em Luanda e as inúmeras prisões de militantes do MPLA ocorrida em março do mesmo ano. No entanto, antes do julgamento é solto por falta de provas em dezembro de 1959, quando faz sua primeira visita a Portugal. Regressa em meados de 1960 para Luanda, onde continua sua ação política no campo cultural. 56 CHAVES, Rita. Entre intenções e gestos: a formação do romance angolano. São Paulo: FFLCH/USP, 1999, p. 159. 57 Sigla que designa a polícia política do governo de Salazar durante a década de 1960, e significa Polícia Internacional de Defesa do Estado.
  • 43. 43 Quando começou a luta armada em fevereiro de 1961,58 Luandino Vi- eira trabalhava em Angola para uma companhia americana, EIMCO Corporation, que o incumbiu de fechar a filial angolana e lhe propôs um curso de motores a diesel em Lon- dres. No entanto, mesmo após ter conseguido a emissão do passaporte português e a permissão para sair de Lisboa,59 ele é preso em 20 de novembro de 1961, e trazido de volta a Luanda, onde permanece até o julgamento, sendo condenado a 14 anos de prisão por atividades subversivas contra a segurança do Estado, e transferido para o campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, onde permanece durante oito anos. Em 1972 é libertado, ficando em regime de liberdade vigiada em Lisboa, regressando a Angola somente em janeiro de 1975, após a Independência, quando exerceu sucessivamente os cargos de diretor de programas da Televisão Popular de Angola, diretor do Departa- mento de Orientação Revolucionária do MPLA e diretor do Instituto Angolano de Ci- nema. A acusação de terrorismo atribuída ao escritor angolano – o ápice foi sua condenação e prisão – indicava a consciência do colonizador português quanto à ameaça representada pela expressão literária. Luandino ao subverter a norma culta, mesclando em sua criação literária o quimbundo e o português, se de um lado dá asas à sua invenção e faz nascer neologismos, de outro lado nos apresenta em certa medida a forma de apropriação da língua portuguesa pelas camadas menos favorecidas da popu- lação. Como nos conta Rita Chaves: “O esforço para falar uma língua que não conhecia gerou um curioso processo de contaminação, pelo qual são transferidos para a segunda língua certos mecanismos que regem a gramática da língua materna.”60 Deste modo, a imperfeição do uso da língua do colonizador é a expressão de uma referência identitária importante para o nacionalismo angolano, e o estatuto de obra literária representa não só 58 A luta armada se deu sob a forma de guerrilha. Inicialmente apenas quimbundos e mestiços participa- vam da guerrilha, mas não demorou agregaram-se à luta nacional representantes de outras etnias como os bacongo, trazendo ao movimento de libertação uma dimensão verdadeiramente angolana. Cf. SERRANO, Carlos. “Etnicidade, mobilização e recrutamento da luta de libertação de Angola”. In: NEVES, Fernando Santos (org.). A globalização societal contemporânea e o espaço lusófono: mitideologias, realidades e potencialidades. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, [s/d], [s/p]. 59 Luandino conta que a sua prisão ocorreu em razão de um telegrama vindo de Angola, quando ele já se encontrava no interior da aeronave pronta para decolar do aeroporto de Pedras Rubras, e numa última conferência da lista de passageiros efetuada pela PIDE, ele foi retirado do avião, preso e enviado a Luan- da. Cf. LABAN, Michel. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, testemunhos, entre- vistas). Lisboa: Edições 70, [s/d], p. 47. 60 CHAVES, Rita. “José Luandino Vieira: consciência nacional e desassossego”. Revista de Letras, São Paulo, v. 40, 2000, p. 77.
  • 44. 44 a materialização dessa apropriação imperfeita, como também a legitimação dessa ruptu- ra. Podemos resumir esta interação com palavras do próprio Luandino em entrevista concedida a um jornal brasileiro em janeiro de 1987: Minha infância explica muita coisa. Eu tive uma infância de menino pobre nas favelas de Luanda, chamadas musseques, com todos os meninos da minha idade, branco, preto, mestiço, português, angola- no. Isso deu o caldo cultural que me fez uma criança irrequieta, com um determinado tônus cultural diferente do dos filhos da burguesia colonial. (...) Eu mesmo sou um exemplo dessa pluralidade de culturas que existe em Angola. Há a influência européia sobre populações africanas e vice-versa. Eu, filho de portugueses, educado em escola de feição ni- tidamente portuguesa, tinha porém a rua, os meninos do bairro, e a influência do quimbundo se fez sentir fortemente em mim. Angola, va- riam os casos de aculturação, é entranhadamente isto. A convivência fecunda de etnias e culturas diversas, sem eurocentrismos nem pre- 61 dominâncias culturais obsoletas. E durante prisão, especialmente no campo de concentração do Tarra- fal, Luandino Vieira depara-se com uma mistura mais acentuada de culturas. Nesse pe- ríodo, ao lecionar na escola de instrução primária mantida por iniciativa dos detentos, Luandino percebe a sua volta uma imensa diversidade lingüística, percepção esta propi- ciada pela experiência do encarceramento conjunto de todos os presos, sem nenhuma separação em razão de etnia, classe social ou delito cometido. Luandino nos relata: Claro, encontrei aí camponeses, pequenos funcionários, e tinham vo- 62 cabulários derivados de suas línguas maternas, corrompidas pelo português ou usavam amiúde um português originalíssimo que, de fato, me fascinava. Estavam todos esses falares reunidos ali e eu só 63 tinha que ser sensível ao valor estético literário, dessas linguagens. 61 RIBEIRO, Leo Gilson. “A África e a liberdade de Luandino Vieira”. Jornal da Tarde. Caderno de Programas e Leituras, São Paulo, Sábado, 03 de janeiro de 1987, p. 05. 62 Na mesma entrevista concedida ao Jornal da Tarde, Luandino Vieira relata que até aquele momento teria sido possível fixar com alfabeto, gramática, léxico e manuais de alfabetização seis línguas nacionais, a saber, quimbundo, umbundo, quicongo, tchokwe, bunda e pahá, não havendo, contudo, a possibilidade de se sobreporem ao português como língua oficial, que, por motivos políticos e estratégicos, pôde se desenvolver de modo eficaz e rápido. 63 RIBEIRO, Leo Gilson. Opus citatum, p. 05.
  • 45. 45 A esta percepção juntou-se o contato havido entre o romancista ango- lano e a obra de João Guimarães Rosa, logo após escrever Luuanda, quando lhe chegou às mãos Sagarana. Essa leitura reveladora propiciou – nas palavras de Luandino – a confirmação de que um escritor tem a liberdade de criar uma linguagem a fim de apro- priar-se literariamente “do instrumento falado das personagens.”64 Apesar de José Luandino Vieira ter permanecido preso durante tão longo tempo, ainda assim conseguiu escrever uma vasta e consistente produção literária, com a reprodução muitas vezes clandestina de seus livros. A sua obra é composta dos romances A vida verdadeira de Domingos Xavier (1961), João Vêncio: os seus amores (1979), Nosso musseque (2003) e Nós, os do Makulussu (1975); dos livros de estórias Luuanda (1963), Velhas estórias (1974), No antigamente, na vida (1974), Macandumba (1978) e Lourentinho, Dona Antonia de Sousa & Eu (1981), além dos livros de contos A cidade e a infância (1960) e Vidas Novas (1962). Atualmente, Luandino, cidadão an- golano, vive na região norte de Portugal numa certa reclusão,65 onde permanece distante dos meios acadêmico e editorial. Seus lançamentos mais recentes – Kapapa (1998) e Nosso musseque (2003) – também foram escritos durante o período de sua prisão. A sua última aparição pública como escritor de que se tem notícia foi o lançamento da reedi- ção do conto À espera do luar66 durante um encontro literário em Viana do Castelo (Portugal), no ano de 1997. Em recente entrevista67 concedida à autora, Luandino Vieira confir- mou o relançamento de toda a sua obra em contrato firmado com a editora portuguesa Caminho, além de confidenciar a preparação de originais antigos e inéditos para futura publicação, bem como um romance inédito sobre a guerrilha em Angola. 64 RIBEIRO, Leo Gilson. Opus citatum, p. 05. 65 Vale notar a referência ao exílio que Luandino faz na carta que endereçou a Salim Miguel recentemente por conta da publicação de um livro que reuniu a correspondência entre escritores da África de língua portuguesa e o Grupo Sul no Brasil. MIGUEL, Salim (org.). Cartas d´África e alguma poesia. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005, p. 144. 66 Conto escrito em 1962 e incluído na coletânea Vidas Novas. 67 Cf. Anexo B deste trabalho.
  • 46. 46 3.2 Graciliano e Brasil Quanto ao escritor brasileiro podemos dizer que também se trata de um artesão da linguagem que busca na fala regional nordestina – a do caboclo do sertão – elementos para a construção duma linguagem própria e característica. Em resposta ao respeito e admiração que lhe eram dedicados nos tempos de revisor no Correio da Ma- nhã (Rio de Janeiro), Graciliano dizia que devia muito aos caboclos do sertão nordesti- no, criaturas isoladas e carentes de influências imigratórias, guardiões de expressões náuticas quinhentistas portuguesas como “de vante a ré” ou “ao socairo,”68 que se trans- formou em “assucár”. Contudo, isso de maneira alguma era sinônimo de uma lingua- gem afetada ou obscura, desde sempre repudiada por Graciliano que era largamente conhecido por sua escrita clara e enxuta. Percebemos na escrita de Graciliano Ramos a herança recebida do olhar crítico e do discurso irônico a partir de Eça de Queirós,69 pelo empenho social sem descartar a estética da criação literária. Outra característica da de- glutição de Eça por Graciliano é a técnica do romance embutido no romance, como apa- rece em A ilustre casa de Ramires. Essa estratégia discursiva foi adotada em três ro- mances de Graciliano Ramos: Caetés, São Bernardo e Angústia. Escritor nordestino portador de um discurso neo-realista, foi um dos responsáveis pela remodelação da prosa regionalista tradicional ao lado de José Améri- co, José Lins do Rego, Rachel de Queirós e Jorge Amado, entre outros. Graciliano des- taca-se por sua trajetória que indica uma progressão na sua criação literária caracteriza- da pela problematização da linguagem e da mediação da realidade, em que a experiência vivenciada pelo autor significa a matéria robusta e necessária para a lida literária. Como nos explica Candido,70 o conjunto da obra de Graciliano “permite supor que houve nele uma rotação de atitude literária, tendo a necessidade de inventar cedido o passo, em certo momento, à necessidade de depor”. Essa rotação não significa uma ruptura, mas sim uma seqüência natural de progressivas modificações da forma, sendo comum à sua obra o “espaço autobiográfico”, caracterizado pela presença de traços da personalidade do autor e episódios de sua vida pessoal ao longo dos textos ficcionais ou autobiográfi- 68 Que significa “ao abrigo”, “à sombra”. AULETE, Caldas. Dicionário Contemporâneo de Língua Por- tuguesa. Rio de Janeiro: Delta, 1958, p. 4724. 69 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. “Eça de Queirós e Graciliano Ramos”. In: Vários. 150 anos com Eça de Queirós. São Paulo: FFLCH-USP, 1997, p. 122. 70 CANDIDO, Antonio. Graciliano Ramos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Agir, 1996, p. 14.
  • 47. 47 cos. Alimentando o paradoxo da escrita dividida entre a mediação da realidade e a su- peração autobiográfica, é que Graciliano ultrapassa as fronteiras da narrativa regiona- lista ordinária, conseguindo ampliar os seus limites para retratar questões locais comuns a todo o país, com a consciência da necessidade do desenvolvimento e do engajamento político. Demonstrando essa rotação referida e apesar de reunida dentro de uma mesma unidade de concepção da arte e da vida do seu autor, a obra71 de Graciliano é dividida por vários críticos em três grupos característicos: a) Romances escritos na primeira pessoa: Caetés (1933), São Bernardo (1934) e Angústia (1936);72 b) Narrativas feitas na terceira pessoa: Vidas secas (1938)73 e os contos de Insônia (1947); c) Obras autobiográficas: Infância (1945) e Memórias do cárcere (1953). Nascido em 27 de outubro de 1892 em Quebrangulo, interior de Ala- goas, numa família burguesa, ainda que decadente, dedicada à criação de gado e ao co- mércio, Graciliano Ramos, apesar das incursões pelo mundo literário e jornalístico des- de cedo, publica seu primeiro romance (Caetés) somente em 1933. Trabalhando desde cedo no comércio do pai, o seu caráter reto, a sua postura crítica e as colaborações jor- nalísticas acabam por levá-lo para os lados da política, e em Palmeira dos Índios é eleito Prefeito em 1928. No entanto, para escapar das ameaças e da sensação de insegurança, renuncia ao cargo dois anos depois. Em 1930 um movimento revolucionário põe abaixo as oligarquias es- taduais, derrubando o governo de Washington Luís, ocasião em que Getúlio Vargas – candidato derrotado nas eleições de março – assume provisoriamente a presidência do país. Este momento histórico representa a ruptura da hegemonia da burguesia cafeeira determinada pelo eixo formado pelos estados de Minas Gerais e São Paulo, iniciada a 71 As datas ao lado dos títulos indicam o ano da primeira edição. 72 O romance Angústia recebeu o Prêmio Lima Barreto, conferido pela Revista Acadêmica em 1936. 73 Em 1962, Vidas Secas recebeu o Prêmio da Fundação William Faulkner (EUA) como livro representa- tivo da Literatura Brasileira Contemporânea.
  • 48. 48 partir da eleição do presidente Prudente de Morais em 1894. Mesmo com a existência de disputas e atritos na indicação dos nomes escolhidos para representar a aliança “café- com-leite”, como ficou vulgarmente conhecida, ela seguiu desde então elegendo presi- dentes paulistas e mineiros, com exceção do paraibano Epitácio Pessoa, que foi escolhi- do em razão da morte do Rodrigues Alves em 1919, e do único governo “não controla- do” do Marechal Hermes da Fonseca (1910-1914). Mesmo distante desta movimentação política, Graciliano Ramos preo- cupa-se com o cenário que está debaixo dos seus olhos e que é resultado deste domínio da oligarquia regional. Nomeado diretor da Instrução Pública de Alagoas em 1933 (equivalente a secretário estadual de educação), percebe que muito pouco mudou com o governo de Vargas, a essa altura ditadura instaurada que se mantêm com a prática de atos abusivos como a dissolução do Congresso Nacional e a violação das liberdades individuais. As crianças estão fora dos bancos escolares, andrajosas e famintas, as es- colas “às moscas” e as normalistas apadrinhadas procuram distração para tantas aulas ociosas. Diante deste quadro, Graciliano toma iniciativas pioneiras para combater a eva- são das escolas com a distribuição de merenda escolar que seria instituída a nível nacio- nal pelo governo somente em 1955 durante o mandato de Juscelino Kubitschek.74 Além disso, outra iniciativa polêmica e inovadora o coloca em perigoso destaque, trata-se da efetivação das professoras rurais em detrimento das normalistas favorecidas pelo apa- drinhamento. Enquanto isso, uma nova Constituição surge em 16 de julho de 1934, e Getúlio Vargas é eleito indireta e constitucionalmente, Presidente da República. Pouco depois dessa aparente normalização política e institucional surge a Lei de Segurança Nacional em 04 de abril de 1935, que marca o início de um regime de exceção em que a repressão e as prisões são efetuadas de maneira indiscriminada e em consonância aos interesses locais. A propósito de encarcerar comunistas, socialistas e anarquistas, a ver- dade é que se institui aberta a temporada de “caça às bruxas” aos indesejáveis e aos contestadores de plantão. Ainda que não pertencesse aos quadros do Partido Comunista nessa ocasião, não se envolvesse em episódios revolucionários e tivesse tão somente dois romances inofensivos publicados, segundo a opinião do autor, Graciliano é preso 74 RAMOS, Clara. Mestre Graciliano: confirmação humana de uma obra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979, p. 85.
  • 49. 49 em 3 de março de 1936 sem a existência de acusação formal e nem mesmo processo instaurado. A princípio, o que poderia justificar essa prisão arbitrária seria a recusa ao pedido de um tenente local para favorecer a sua sobrinha professora; os embates com figuras políticas corruptas e reacionárias, ou ainda a supressão nas escolas do Hino de Alagoas. Dessa prisão é que surgirá sua obra final publicada após a sua morte em 1953. Neste período de viagens e detenção que durou dez meses e dez dias, Gracili- ano passou por quartéis em Maceió e Recife, foi transferido para o Rio de Janeiro, num porão de navio (Manaus), ficou preso alguns meses na Casa de Detenção na Rua Frei Caneca, doze dias na Colônia Correcional de Dois Rios na Ilha Grande, regressando então à polícia central no Rio, onde permaneceu internado na Casa de Correção, nas proximidades do primeiro presídio. Foi libertado em 10 de janeiro de 1937 pela ausên- cia de acusação e instauração do devido processo legal, após a intervenção do famoso advogado Lima Sobrinho, defensor de vários presos políticos. No entanto, Graciliano Ramos não mais retornou à sua terra natal estabelecendo-se com a sua família no Rio de Janeiro numa espécie de exílio voluntário, como vemos no trecho a seguir: Viajávamos no Manaus, um calhambeque muito vagabundo. Naquela manhã chegamos a Maceió. Examinei atentamente, por uma vigia, a praia de Pajuçara, tentei localizar a casa onde morei. Que estariam fazendo as crianças? A mais nova ainda não falava direito. Arriado numa caverna, o rosto na abertura, não desviava os olhos daquele ponto. Estava ali a minha gente. O resto da cidade não me desperta- va o mínimo interesse. Voluntariamente nunca mais poria os pés na- 75 quela terra. Além das obras de Graciliano Ramos que citamos foram publicados também os seguintes títulos: A terra dos meninos pelados, conto infanto-juvenil publi- cado em 1939 e que recebeu nesse mesmo ano o Prêmio de Literatura Infantil do Mi- nistério da Educação; Brandão entre o mar e o amor,76 romance publicado em 1942; Histórias de Alexandre, contos do folclore infanto-juvenil publicado em 1944; Histórias incompletas,77 livro de contos publicado em 1946. As obras publicadas postumamente são: Viagem, livro de crônicas publicado em 1954; Linhas tortas, livro de crônicas pu- 75 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: 1984, vol. 1, p. 137. 76 Escrito em parceria com Jorge Amado, José Lins do Rego, Aníbal Machado e Rachel de Queiroz. A parte escrita por Graciliano Ramos intitula-se “Mário”. 77 Volume composto pelos contos “Um ladrão”, “Luciana”, “Minsk”, “Cadeia”, “Festa”, “Baleia”, “Um incêndio”, “Chico Brabo”, “Um intervalo”, “Venta-romba”.
  • 50. 50 blicado em 1962; Viventes das Alagoas,78 quadros e costumes do Nordeste publicado em 1962; Alexandre e outros heróis,79 livro de contos publicado em 1962; Cartas, pu- blicado em 1980; O estribo de prata,80 publicado em 1984; e, Cartas a Heloísa,81 publi- cado em 1992. 4. Dois cárceres, uma certeza: a morte. Para a realização da análise dos textos ficcionais sob o amparo dos pressupostos teóricos do comparatismo que exploramos no capítulo 2, escolhemos reali- zar uma breve exposição que será iniciada por uma paráfrase das obras, e seguida da abordagem de alguns elementos narrativos que entendemos significativos ao nosso tra- balho, consoante os objetivos apontados na Introdução. Em razão das estratégias for- mais diferenciadas que os escritores utilizam nas obras estudadas, optamos por adotar uma abordagem específica para cada uma delas. No caso do romance de Luandino Viei- ra, desde a primeira leitura, a necessidade de um olhar objetivo, capítulo a capítulo, se impôs, visto que a narrativa não está construída a partir de uma base temporal linear. Além disso, a história é contada sob mais de uma perspectiva, havendo um movimento do narrador que focaliza as personagens em grupos, nos seus respectivos espaços. Em contrapartida, para a leitura de Memórias do cárcere, cujo tempo e a narração são linea- res, e a estratégia é basicamente a de uma única perspectiva, a do narrador em primeira pessoa, procuramos empreender uma breve análise, destacando alguns aspectos rele- vantes e pontuais da narrativa. O romance A vida verdadeira de Domingos Xavier foi escrito – pelo que pudemos inferir das entrevistas e fortuna crítica consultadas – no período entre as 78 Os famosos relatórios de prestação de contas, que fazem parte deste livro, também foram publicados em separado, em 1994 sob o título Relatórios, pela Editora Record. 79 Alexandre e outros heróis é o nome que foi dado à reunião de três obras: Histórias de Alexandre (con- tos do folclore infanto-juvenil), História da República (sátira à história do Brasil, inédita até então) e A terra dos meninos pelados (infantil). 80 Uma das Histórias de Alexandre, que foi publicada em separado na coleção “Abre-te Sésamo”, da Editora Record. 81 Edição comemorativa ao centenário de nascimento de Graciliano Ramos.
  • 51. 51 prisões de 1959 e 1961. Além disso, no final da obra o autor refere-se à data de 10 de novembro de 1961, portanto, depois de A cidade e a infância e antes de Nosso Musse- que, que foi nomeado por Luandino primeiramente como Os meninos do musseque.82 Ainda quanto à questão do momento em que foi escrito o romance A vida verdadeira de Domingos Xavier temos em Cartas do Tarrafal, de Carlos Ervedosa, o relato dos acon- tecimentos da prisão que se deu ao final de 1961, em Lisboa: Na manhã seguinte lá voltamos. Depois de grande espera a Linda sempre conseguiu fazer entrega de roupas e ver o Luandino. Mas nessa mesma tarde o transferiram para a cadeia do Aljube onde per- maneceu incomunicável até ao dia em que o enviaram para Luanda num avião militar. Connosco ficaram, além duma angústia e duma dor imensa, a Linda inconsolável e o Xexe, na inocência dos seus três meses de idade, alheio ao drama que se desenhava. Mas a salvo fi- cava o manuscrito de A vida verdadeira de Domingos Xavier, concluí- 83 do poucos dias antes. Esta obra de caráter notadamente político se destaca das narrativas so- bre a infância no musseque que dão o mote dos escritos de Luandino nessa época, como nos contos reunidos em A cidade e a infância, por exemplo. O escritor realiza um tra- balho voltado às experiências da militância em prol da libertação do seu país, plasman- do na ficção a conquista da consciência nacional que solidifica a angolanidade desenha- da pelos jovens intelectuais do seu tempo. Além de mostrar também as dificuldades enfrentadas pelos moradores dos musseques de Luanda e a movimentação frenética de uma extensa rede de militantes formada por crianças, velhos, jovens, mulheres, de- monstrando que são muitos e estão em vários extratos da sociedade aqueles que se preo- cupavam com o destino da sua nação. O romance A vida verdadeira de Domingos Xavier conta a história da prisão e morte de um homem simples, um operário que trabalhava nas obras da barra- gem de Cambambe no rio Cuanza. Domingos Xavier vivia no acampamento84 próximo 82 LABAN, Michel. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, testemunhos, entrevistas). Lisboa: Edições 70, [s/d], p. 50. 83 LABAN, Michel. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, testemunhos, entrevistas). Lisboa: Edições 70, [s/d], p. 88. 84 Vale ressaltar a distinção entre as diferentes moradias dos funcionários na barragem: os operários ne- gros viviam em casas precárias de madeira que ficavam numa região baixa com o esgoto correndo a céu aberto; já os operários brancos viviam em casas de alumínio numa região mais alta; e, os empregados superiores, “em casas com belos jardins em volta, de relva cuidada”. VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 19-20.
  • 52. 52 à barragem para onde retornava todos os dias ao convívio de sua família formada por sua mulher, Maria, e seu filho, Sebastião, levando uma vida pacata. O que causa a per- dição do protagonista foi ter sido delatado como amigo e comparsa do Engenheiro Sil- vestre e de Bernardo Sousa, empregados também na barragem, que exerciam atividades em favor da luta de libertação. A polícia o prende ao anoitecer em sua casa, na presença de sua família e de vizinhos atônitos. A passagem do texto gera a empatia imediata do leitor, pois trata-se de um homem quieto e dedicado à sua família, trabalhador que não se envolvia em confusões era levado preso pela polícia, amarrado, debaixo de socos e pontapés. A narrativa em terceira pessoa do romance angolano apresenta-nos um Domingos Xavier inserido no movimento de libertação nacional, ainda que apenas como simpatizante sem colaboração direta, o que lhe determina o destino da prisão ar- bitrária. Neste romance José Luandino Vieira nos mostra a realidade do angolano à épo- ca, em especial do homem negro, oprimido pelo preconceito racial, social e também político, e o modo como se dava a mobilização da população na luta pela Independência da nação angolana e na defesa de sua tradição cultural. A personagem feminina central, Maria, parte em busca de seu companheiro, Domingos Xavier sem, contudo, lograr su- cesso, apesar da arbitrariedade da prisão de seu marido. Ao final Domingos é assassina- do pelas mãos dos agentes da PIDE, recusando-se a delatar outras pessoas envolvidas no movimento de libertação do país, mas resta vitoriosa a continuidade da luta em razão da manutenção da união e determinação dos angolanos. A epígrafe que abre o romance sugere o tom da narrativa que é cons- truída à volta da nacionalidade angolana. “Nós somos / Mussunda amigo / Nós somos!”, versos do poema “Mussunda amigo,”85 de Agostinho Neto, que traduzem o sentimento de angolanidade em plena efervescência no momento histórico retratado. A afirmação dessa identidade coletiva transparece no modo veemente indicado pela repetição de “Nós somos”, seguida de exclamação. Outro elemento a se destacar é o da cumplicidade que podemos observar do emprego que se faz da palavra “amigo” no poema, adjetivan- do a personagem Mussunda. A semelhança entre os nomes parece-nos sugerir a inspira- ção de Luandino justamente neste poema, do qual teria extraído o nome para configura-
  • 53. 53 ção de sua obra, pontuando com isso, sua adesão também ao sentimento do poema de Agostinho Neto. Esta leitura intertextual mostra elementos que, a nosso ver, indicam a confirmação desse romance de Luandino como uma referência nos âmbitos cultural e político daquele momento vivido em Angola. Mussunda, um alfaiate do Bairro Operário – no romance de Luandino Vieira – é a personagem que parece representar a sabedoria, pois é o mais-velho, aquele que orienta, instrui e consola os mais jovens. Parece mesmo significativa a sua referência no poema tomado como epígrafe no início do romance e a sua presença no último capítulo que encerra a história com uma grande festa na sua casa e onde estão presentes aqueles a quem Domingos Xavier protegeu com a própria vida: Silvestre e Sousinha. A festa – ou “farra” na variante coloquial em Angola – como elemento de congraçamento da coletividade aparece como a afirmação da união dos companhei- ros de luta, “expressão da vitalidade do povo, da sua alegria de viver,”86 mas também como a valorização dos costumes e das tradições da comunidade que vemos na música, na dança e na comida preparada pelas “mamãs gordas ou secas dos anos”. As mulheres preparam suas especialidades, entre elas um bom peixe e o “velho muzongué”, um cal- do de peixe tradicional, e os meninos cuidam das bebidas, gasosas, vinho, cerveja e “quitoto”, uma bebida fermentada de milho. E a música tradicional é referenciada pela performance do conjunto “Ngola”, nomeado no romance como “conjunto do povo”, que tocava músicas angolana, brasileira e cubana, além de baião e merengue. A ênfase no repertório ia a contrapelo da música veiculada pela rádio, cuja programação certamente sofria controle da Administração Colonial, privilegiando as manifestações artísticas e culturais portuguesas. A vida verdadeira de Domingos Xavier divide-se em dez capítulos, que são apenas numerados, sem a atribuição de títulos. O romance se inicia com a nar- ração da chegada de um preso no Posto “na luz do sol da manhã”, acontecimento que tumultua a rotina do musseque e é observado pelo menino Zito que corre para contar ao velho Petelo, colaboradores e olheiros do movimento de libertação. No capítulo 2 per- cebemos a ocorrência de uma analepse pela qual o narrador volta ao fim da tarde do dia 85 Poema que compõe o livro Sagrada Esperança, de Agostinho Neto, líder do MPLA, e que foi o primei- ro presidente da República Popular de Angola após a Independência. NETO, Agostinho. Sagrada Espe- rança. Lisboa: Sá da Costa, 1974. 86 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 104.
  • 54. 54 anterior para contar sobre a vida de Domingos Xavier, antes da sua prisão. Ao final deste capítulo o protagonista já se encontra deitado e padecendo de dores na cela do Posto dos Musseques, em Luanda, “quando o luar estendeu em cima do corpo caído na cela o seu lençol macio,”87 na noite seguinte à sua prisão, como inferimos do seguinte trecho: Na cela, o seu corpo magro e comprido, magoado, custava caber. Não se lembrava de terem lhe levado para ali, tudo era estranho, distante, parecido a luz branca da lua. [...] E mais imagens, mais vi- sões, com o luar a brincar dentro da cela. A longa estrada; os imbon- deiros floridos; a viagem na carrinha, pela madrugada depois da noite na Administração. Pés, mãos e pescoço amarrados numa só corda e o cheiro bom da terra molhada pelo cacimbo da noite entrando no na- 88 riz, dilatando o peito. O bater cego do cipaio a qualquer movimento. Mas o sol da manhã a beijar-lhe as feições inchadas, a revelar-lhe, depois, a larga porta chapeada se abrindo diante dos olhos nessa manhã clara, com os cipaios surrando e correndo atrás do povo que ele sentiu solidário no seu silêncio, que ele ainda viu na frente dos 89 olhos colados e inchados. O capítulo 3 narra o começo da peregrinação da personagem Maria que procura pelo marido preso. No início deste capítulo Maria está em Luanda. Chegou na noite seguinte à prisão de Domingos, e permanece acolhida na casa de sua amiga Sá Tété no musseque de Sambizanga. O narrador, então, volta no tempo até o momento da prisão de Domingos para contar o caminho seguido pela personagem Maria que é acon- selhada ainda de madrugada por Sá Zefa, mãe de Sousinha, a deixar seu lar, uma “cu- bata”90 perto da barragem, com o filho nos braços para procurar por seu marido na vila. No dia seguinte à prisão, ainda de madrugada, ela vai à Administração na vila, onde Toneto, um cipaio, conta-lhe sobre a transferência de Domingos Xavier para Luanda naquela mesma manhã. Toneto conta-lhe também sobre o sofrimento de seu marido, que fora torturado durante o interrogatório para confessar o paradeiro de outro empregado da barragem, Bernardo Sousa. Maria, em seguida, parte para Luanda onde chega so- mente ao final do dia. O capítulo termina com a contemplação do amanhecer pela per- sonagem Maria. Neste trecho do romance percebemos um movimento peculiar da nar- 87 Ibidem, p. 27. 88 Autoridade administrativa africana de baixa categoria. Espécie de polícia que atuava junto da popula- ção autóctone. O mesmo que ximba em gíria de procedência quimbundo. RIBAS, Óscar. Dicionário de Regionalismos Angolanos. Matosinhos (Portugal): Contemporânea, 1994, pág. 60. 89 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 28.
  • 55. 55 rativa, pois Luandino Vieira evidencia as reflexões femininas, focalizando um segmento social específico e que também está submetido ao mesmo sofrimento daqueles direta- mente envolvidos na luta pela libertação. Neste caso, o escritor abre um espaço precioso para dar voz a personagem feminina, a mulher que tem o companheiro preso, o que permite colocar a posição desse segmento social, as mulheres, em relação ao contexto social e político trabalhado ficcionalmente. Este movimento da narrativa que dá a voz às personagens femininas está presente em outras obras de Luandino Vieira como, por exemplo, no conto “À sexta-feira,”91 na “Estória da galinha e do ovo,”92 entre outras. No capítulo 4, o narrador retoma o mesmo dia, aquele em que Maria vai para Luanda, mas a partir do fim da tarde para contar sobre as personagens direta- mente envolvidas no movimento de libertação como Xico João, Mussunda e Miguel, bem como a preocupação com a prisão de um companheiro da barragem. Xico João vai à procura de Miguel para contar da chegada de novo preso no Posto dos Musseques, como tinha sabido através de Zito e Petelo. No capítulo 5 o narrador volta a focalizar o protagonista, Domingos, no interior da cela, na manhã seguinte em que chegou ao Pos- to, portanto o segundo dia após a sua prisão. Encontramos nesse capítulo marcas tempo- rais que indicam a hora do “matabicho,”93 além da referência ao início da manhã e ao dia anterior quando chegou, como nos trechos que segue: Mas, ao pegar na caneca para beber o matabicho, um bilhete boiava ainda no líquido escuro e o coração de Domingos bateu mais depres- sa. Lá fora cantavam os pássaros nos ramos das árvores da cerca e o sol se abria num sorriso. [...] Ontem cheguei, ninguém que me desamarrou. Assim mesmo, irmãos, me obrigaram falar meu nome, emprego, família. E depois um peque- nininho de cara-de-pau – eu não lhe conheço – me levou embora 94 numa sala e mandou para sentar no chão. 90 Palhota, choupana, residência modesta. Resultante de fusão da expressão em quimbundo ku bata (em casa). RIBAS, Óscar. Dicionário de regionalismos angolanos. Matosinhos (Portugal): Contemporânea, 1994, p. 69. 91 Conto que compõe o livro Vidas novas. 92 Narrativa incluída no livro Luuanda. 93 Matabicho – primeira refeição da manhã, café da manhã, na variante angolana do português (coloqui- al). Expressões também utilizadas: matar o bicho ou matabichar. Cf. RIBAS, Óscar. Dicionário de regio- nalismos angolanos. Matosinhos (Portugal): Contemporânea, 1994, p. 171. 94 Ressaltamos a referência que Domingos faz ao “pequenininho de cara-de-pau”, provavelmente “Vinte- e-sete”, cipaio que realiza pequenas tarefas na cadeia, e quem, como João e Mandombe, envergonha a sua gente ao se colocar a serviço dos portugueses contra os seus semelhantes. VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 52.
  • 56. 56 A narrativa prossegue contando sobre a resistência de Domingos ao espancamento promovido pela polícia. Constatamos uma mudança de tom do narrador quando este, ao falar dos pensamentos do protagonista, ali preso, passa a dialogar com Domingos Xavier, como mostra a passagem a seguir: Ontem parecia mesmo que ia morrer. Mas era melhor mesmo morrer como ele estava a pensar. Só que, nessa hora, o sol brinca lá fora nas árvores verdes e os teus irmãos, Domingos, estão contigo. Os teus amigos sabem que estás preso e confiam em ti, te mandam bi- lhetes com palavras de coragem, precisas cumprir, Domingos Xavier. É verdade, irmãos, preciso de cumprir. Ontem já cumpri. Na Adminis- tração me deram com a pancada nos pés, nas mãos, no mataco, ir- mãos. Vocês pensam não custa? E ainda por cima ver nossos irmãos a nos bater? Ai, aqueles cipaios João e Mandombe, se lhes dou en- contro um dia! Mas, irmãos, minha boca não se abriu, meu coração 95 ficou fechado com os segredos do povo. Essa imersão no pensamento do protagonista Domingos funciona como uma estratégia do autor para reforçar a voz do preso martirizado pela tortura e assim tentar alcançar um tom de depoimento, imprimindo o caráter de testemunho à narrativa. Trata-se de um trecho que ocupa quarenta e cinco linhas do texto, a partir do qual o narrador retoma o fio da história que prossegue com a chegada do chefe de bri- gada na cela de Domingos e a continuação do interrogatório sob reiterada tortura. Do- mingos retorna à cela pelas mãos do cipaio, o “Vinte-e-sete”, debaixo da “luz fortíssima do sol”, o que marca o fim desse capítulo, e também o fim dessa manhã do segundo dia após a prisão. No capítulo 6 o narrador retoma a perspectiva da personagem Maria para prosseguir a narração a partir do amanhecer encerrado no capítulo terceiro. Por- tanto, na seqüência dos capítulos a narrativa recua à manhã do segundo dia após a prisão de Domingos. No entanto, a narração continua a partir de uma outra perspectiva, a da personagem Maria, que comparece à Administração. A sua busca pelo marido não tem sucesso, recebendo apenas uma indicação que a leva a se dirigir à Polícia na Baixa, também chamada de Esquadra. Nada encontra também nessa segunda tentativa e a nar- rativa segue pela tarde desse mesmo dia. O funcionário que lhe atende na Esquadra aconselha a procurar também no prédio da Cidade Alta, onde está sediada a polícia que
  • 57. 57 os habitantes locais chamam de “polícia nova, essa que não tem farda, vem de madru- gada com o jipe e leva só”, numa referência a PIDE. Contudo, lhe indicam por fim a cadeia da PIDE que fica no Posto dos Musseques. Maria sai da Esquadra debaixo de uma forte chuva que causa inundação e destruição nos musseques, e deixa para o dia seguinte a continuação de sua busca. O capítulo 7 é marcado por uma nova perspectiva que o narrador co- loca para contar a chegada de Miguel, companheiro de Xico e Mussunda, no Dondo, lugar da barragem de Cambambe, para obter informações sobre o companheiro Sousi- nha, alcunha de Bernardo Sousa, que está sendo procurado pela polícia política. Na se- qüência do capítulo a narrativa recua no tempo para contar a conversa em que Xico pas- sa a informação sobre a prisão de Domingos a Miguel, e a visita que este faz a Mussun- da. Neste capítulo temos uma marca temporal muito clara: “Era quinta-feira, para sába- do dois dias. Saiu na casa do amigo alfaiate, já meia-noite quase...,”96 o que indica que Miguel chega à barragem na manhã do segundo dia após a prisão de Domingos. Após essa analepse o narrador retoma a chegada de Miguel na barragem para procurar pelo Sousinha, a pedido de Mussunda, para saber se é o mesmo companheiro que está preso em Luanda. No capítulo 8 estamos de volta à cela de Domingos Xavier e seu início é marcado pela forte chuva descrita no final do capítulo 6, o que indica tratar-se da tarde de sexta-feira, portanto, final do segundo dia após a sua prisão. A narrativa focaliza o fluxo de pensamento do preso em seus delírios causados pela dor, e logo adiante pontua outra marca temporal dessa vez direta: “Cá fora era noite.”97 Domingos é tirado do inte- rior da cela para ser submetido ao seu último interrogatório que é descrito detalhada- mente. Este capítulo termina com a morte do preso durante a madrugada de sábado, terceiro dia após a prisão de Domingos. Entendemos como emblemático o fato da morte do protagonista ocorrer no terceiro dia a contar do início da narrativa, parecendo apontar para a passagem bíblica sobre a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Domingos com a sua morte no terceiro dia de martírio e dor “começa a sua vida de verdade no coração do povo angolano.”98 95 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 51. 96 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 77. 97 Ibidem, p. 85. 98 Ibidem, p. 110.
  • 58. 58 Os capítulos 9 e 10 apresentam uma temporalidade linear que se inicia na tarde do sábado e termina com a farra realizada na casa de Mussunda nesta mesma noite. Aconselhada por amigos, Maria permanece mais um dia no musseque e vai pro- curar por Domingos na “polícia nova”, a PIDE. Nesse ponto da narrativa temos a junção de duas perspectivas da narrativa que ainda não haviam se encontrado. O núcleo repre- sentado por Maria – e seus amigos que a acolhem em Luanda –, conecta-se ao repre- sentado pelo menino Zito e o velho Petelo. O menino vê quando Maria chega a PIDE e avisa o velho sobre o fato presenciado. Os dois esperam pela saída da mulher. Dentro da PIDE Maria é informada pela autoridade policial de que o seu marido havia sido trans- ferido para Porto Alexandre, mas o olhar do cipaio denuncia a mentira, e a mulher sai à rua desesperada chorando, sendo acudida pelos moradores do musseque. O capítulo 9 termina com o velho e o menino dirigindo-se à casa de Mussunda para avisar sobre a morte de Domingos. No capítulo 10 temos o final do romance com a festa que reúne moradores dos musseques, mas principalmente várias das personagens que estão dire- tamente ligadas ao Movimento de Libertação. A chegada de Petelo e Zito com a notícia da morte de Domingos confirma o tom expressado por toda a narrativa, exaltando a an- golanidade e a percepção da importância da unidade nacional como condição necessária para fazer frente à dominação colonial exercida pelos portugueses. Nesta breve exposição sobre o enredo do romance percebemos a ocor- rência do recurso da analepse em vários pontos. Parece-nos que essa movimentação temporal possibilita a implementação de um panorama mais heterogêneo à história contada, tendo em vista que contempla pontos de vista diferenciados ao retomar o fio da história em determinadas marcas temporais narradas a partir da perspectiva de mais de uma personagem. A presença destas anacronias ao longo da narrativa demonstra a exis- tência de conexões estreitas entre as personagens, que se dá através de liames políticos e ideológicos. Podemos destacar alguns exemplos como o momento da chegada de Do- mingos no Posto dos Musseques, do qual tem-se a perspectiva do menino Zito e do pró- prio protagonista, cujos trechos transcrevemos: Miúdo Zito descrevia, imitando para vavô Petelo, o andar curvado do preso, a cabeça quase nos joelhos, dando passinhos pequenos a caminho da porta. E jurava mesmo pelo sangue de Cristo, os cipaios
  • 59. 59 lhe bateram enquanto se não abriu a porta chapeada e lhe levaram 99 para trás dos grandes muros. [...] Pés, mãos e pescoço amarrados numa só corda e o cheiro bom da terra molhada pelo cacimbo da noite entrando no nariz, dilatando o peito. O bater cego do cipaio a qualquer movimento. Mas o sol da manhã a beijar-lhe as feições inchadas, a revelar-lhe, depois, a larga porta chapeada se abrindo diante dos olhos, nessa manhã clara, com os cipaios surrando e correndo atrás do povo que ele sentiu solidário no seu silêncio, que ele ainda viu na frente dos olhos colados e in- 100 chados. E assim transpôs a porta (...). Outro trecho que podemos destacar também como exemplo é o da descrição de uma forte chuva que se abate sobre o musseque. A mesma ocorrência é narrada em dois momentos diferentes do romance, de um lado a encontrada no capítulo 6 contada pela perspectiva da personagem Maria e mais adiante no capítulo 8 pela pers- pectiva do protagonista Domingos, como vemos a seguir: E foi quando estavam já perto da paragem do maximbombo que saiu no céu negro aquela faísca que iluminou, na tarde, em toda a cidade escurecida, desenhando-lhe contornos brancos de cazumbi, e um trovão gigantesco ribombou fazendo tremecer todos os vidros. Foi o sinal. A chuva em grandes pingos rápidos começou cair cortinas 101 grossas e nada que se distinguia, mesmo a um metro. [...] Quando o trovão rasgou o céu da cidade e a grande chuva começou cair, Domingos Xavier acordou assustado. (...) Lá fora a chuva caía em bátegas fortes em cima do musseque e na terra vermelha se le- 102 vantava aquele cheiro bom que lhe refrescava nos pulmões. A construção do romance A vida verdadeira de Domingos Xavier se pautou pela maior elaboração quanto à focalização do narrador e ao tempo. Percebemos uma manipulação desses elementos narrativos a fim de permitir uma visão abrangente e totalizante do cenário angolano do período pré-Independência, assim como um grande 99 A cena é contada a partir da perspectiva do menino Zito logo no início do romance. VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 10. 100 A mesma cena, mas agora a partir da perspectiva do próprio preso, Domingos Xavier, no segundo capítulo do romance. Ibidem, p. 28. 101 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2003, p. 69. 102 Ibidem, p. 83.
  • 60. 60 painel através do qual o narrador permite a manifestação das diferentes vozes que mani- festam o seu pertencimento à nação angolana. Memórias do cárcere diferentemente do romance de Luandino Vieira, foi um livro de memórias que trilhou um longo caminho até a sua publicação. O livro de memórias escrito por Graciliano Ramos teve a sua criação iniciada em 1946, que se estendeu até a morte do escritor em 1953. Como foi descrito por seu filho Ricardo Ra- mos na “Explicação final” no fim do segundo volume do livro, a sua conclusão era adi- ada sempre com o argumento de que “não há problema. É tarefa de uma semana.”103 A dúvida sempre acompanhou Graciliano quanto à validade literária de compor estas me- mórias do período em que permaneceu preso. Houve sempre uma falta de jeito de como colocar toda a referência à gente de carne e osso, um contexto problemático de perse- guição política que ainda existiu, mesmo após a sua libertação, até 1945. Neste ano, além da queda de Getúlio Vargas e a tentativa de democratização do país, acontece ou- tro fato de relevância ao nascimento de Memórias do cárcere. Graciliano passa a com- por os quadros do Partido Comunista Brasileiro, a convite de Luís Carlos Prestes. Acre- ditamos que essa nova configuração na vida do escritor o fez decidir pelo início da es- crita: de um lado o afrouxamento da censura, e de outro, a intensificação das cobranças pela realização do livro das memórias, principalmente a partir do seu ingresso no PCB. O livro de memórias não foi terminado por Graciliano, e nem recebeu a última revisão que o escritor pretendia e que, possivelmente, modificaria de modo sensível a obra na sua estrutura. Graciliano desejava um fim literário, o que não era pos- sível na conformação que o livro recebeu e que permaneceu na publicação após a sua morte, em 1953, pela Editora José Olímpio. Encontramos em Memórias uma narrativa em primeira pessoa em que se expõe a perseguição a Graciliano, primeiramente através de ameaças, e, em seguida, por sua prisão em 03 de março de 1936. Essa prisão se ca- racterizada pela arbitrariedade das autoridades locais, em vista da absurda ausência de sua motivação e até mesmo de uma acusação formal.104 O narrador passa então a des- 103 RAMOS, Ricardo. “Explicação final”. In: RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 2, p. 318. 104 “Graciliano não definira uma atuação partidária naquela época em que dominava o capricho despótico e as sentenças dos tribunais eram formalidades inconsequentes. (...) tomara na Instrução Pública medidas temerárias: suprimira das escolas o hino de Alagoas, (...); efetivara as professoras rurais, desgostando com a equiparação as moças normalistas das boas famílias; extinguira no magistério o favoritismo, o pistolão. E, precursor da merenda escolar no país, verificara estar na fome a causa do absenteísmo nas escolas,
  • 61. 61 crever a sua convivência dentro da prisão com militares, políticos e intelectuais que como ele, “ameaçavam” a ordem e os bons costumes. Além de seus próprios sofrimen- tos, o narrador apresenta várias personagens da cadeia, oprimidos e opressores, buscan- do entender a intrincada relação de poder e submissão no ambiente carcerário, mas prin- cipalmente mostrando-se admirado com as atitudes de bondade e solidariedade no meio sórdido em que se encontrava. Como testemunha dos horrores da prisão, traz ao público a denúncia em forma de memórias. Este livro de memórias, que descreve um período de transferências e arbitrariedades, traz lembranças de um eu que espreita, observa, reflete, e tenta mostrar mais o outro do que a si mesmo. Para dizer sobre dez meses e dez dias de prisão, o nar- rador se delonga em dois grandes volumes,105 respeitando uma certa ordem cronológica dos fatos em quatro extensos blocos que dividem as etapas do percurso prisional. No primeiro volume temos a “Primeira Parte”, intitulada “Viagens”, e a “Segunda Parte”, intitulada “Pavilhão dos Primários”. Cada uma das partes está dividida em capítulos numerados sem a atribuição de títulos. Essa estrutura se repete no segundo volume, em que temos a “Terceira Parte”, chamada de “Colônia Correcional”, e a “Quarta Parte”, cujo título é “Casa de Correção”. Os títulos são auto-explicativos e indicam sobre o que se trata cada parte. A obra é iniciada com uma espécie de pacto de leitura proposto pelo autor. O primeiro capítulo, portanto, apresenta o livro, nada mais, descrevendo o percur- so da escrita da obra, e propondo um pacto de leitura. Não há nenhuma personagem, marca temporal ou espacial. Entre seus argumentos para explicar a demora em trazer a público a sua história, coloca a necessária distância da catástrofe para que seja possível a narração dos fatos experimentados e vivenciados: “Demais já podemos enxergar luz à distância, emergimos lentamente daquele mundo horrível de treva e morte. Na verdade estávamos mortos, vamos ressuscitando.” Com esse distanciamento temporal entre a experiência e a narração parece que Graciliano buscava um distanciamento crítico sufi- ciente para que pudesse revestir o testemunho de caráter literário, trabalhando a forma e os elementos da narrativa de maneira satisfatória. Contudo, o “receio de cometer indis- instituíra o fornecimento de alimentos, uniformes e sapatos à andrajosa e faminta rede primária estadual”. RAMOS, Clara. Cadeia. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1992, p. 22. 105 A primeira edição do livro realizada pela Editora José Olímpio foi composta em três volumes de “capa amarela”, como Luandino Vieira menciona em recente entrevista. Cf. Anexo B deste trabalho.
  • 62. 62 crição,” arrefeceu, pois o escritor tinha uma noção muito clara da sua debilitada saúde e da proximidade da morte como explica ainda no capítulo inicial: “Estou a descer para a cova, este novelo de casos em muitos pontos vai emaranhar-se, escrevo com lentidão – e provavelmente isto será publicação póstuma, como convém a um livro de memórias.”106 Duas características se destacam na narrativa memorialística de Gra- ciliano. A primeira que trazemos à luz de nossa análise é a do narrador que oscila entre a primeira pessoa do singular e do plural, indistintamente, não sendo possível determi- nar uma coerência na sua alternância. Deste fato, podemos sugerir duas hipóteses para a sua ocorrência. O narrador alterna-se entre o “eu” e o “nós” apenas por facilidade para a narração e pela ausência de uma revisão que pudesse vir a uniformizar o texto. Outra hipótese seria a de que essa determinada postura colocada ao narrador implica no refle- xo da situação experimentada pelo autor durante a sua prisão. Referimo-nos à condição de elemento perdido numa coletividade, e a transformação percebida a cada passo quando o sujeito se percebe como indivíduo, além das sucessivas descobertas sobre si mesmo e sobre o outro. A segunda característica dessa narrativa das memórias é a es- tratégia de escrita que manifesta através da utilização do que chamamos de ecos. Existe uma tendência na narração das memórias, pela qual percebemos a colocação de deter- minadas idéias e falas repetidamente ao longo do texto. Podemos citar alguns exemplos como uma fala do capitão Lobo a Graciliano no capítulo 9 da Primeira Parte: “Respeito as suas idéias. Não concordo com elas, mas respeito-as.”107 Essa frase será encontrada em mais duas oportunidades na seqüência da narrativa. Outro exemplo que apontamos é a repetição da palavra “formalidade” de um modo irônico quando o protagonista recebe uma correspondência que sofre censura prévia à sua frente, e o oficial explica que se trata apenas de “formalidade”. Essa repetição indica um modo irônico que o narrador utiliza para mostrar a sua indignação com a justificativa de um absurdo, que é a violação de sua correspondência, por um ato de polidez do oficial ao dizer “formalidade”. Trans- crevemos os trechos: Executei o movimento exigido, recebi a carta, ia metê-la no bolso e levantar-me quando o rapaz me deteve com um gesto: — Sou forçado a pedir-lhe que abra o envelope na minha presença. — Perdão, perdão, murmurei atrapalhado, recebendo a espátula que ele me entregou. Sem dúvida. 106 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 35. 107 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 80.
  • 63. 63 Obedeci, apresentei-lhe a folha de papel. Tomou-a, virou rapidamente para cima o lado branco, escondendo as letras. Volveu igualmente para o dorso algumas fotografias que se espalharam na mesa e des- viou discretamente os olhos: — Estou satisfeito. Desculpe. É uma formalidade. [...] Um gesto blandicioso de pata macia me indicava uma cadeira; de re- pente uma garra cor-de-rosa surgia na flacidez amável: — “Sou for- çado a pedir-lhe... Desculpe. É uma formalidade.” Aquilo não me en- trava no entendimento. [...] — Faça o favor de sentar-se. Bem. Estou satisfeito. Desculpe. For- malidade. [...] 108 — “Formalidade.” Como estes exemplos temos vários outros que imprimem uma certa cantilena, através da qual parece que o narrador busca a afirmação de valores morais e, principalmente, éticos que perpassam toda a narrativa. Assim como os “causos” que surgem ao longo do relato memorialístico, e através dos quais o narrador sempre coloca uma apreciação própria indicando um juízo de valor às atitudes dos intelectuais e dos ordinários meliantes. Nesse passo temos pequenas histórias que são contadas ao narra- dor-escritor como, por exemplo, os golpes que Paraíba aplica na praça.109 Essa iniciativa em trazer a história ao escritor se revela numa curiosa tendência para a valorização da experiência e da sua transmissão oral. Os tipos ordinários se aproximam, ou ainda, se deixam aproximar por intermédio de terceiros para, talvez, incluir-se na posteridade da criação literária. No entanto, existem também os casos curiosos que permanecem vivos e presentes na memória do autor como a “teoria panglossiana” da personagem Appore- lly como segue: Otimismo panglossiano, Apporelly sustentava que tudo ia muito bem. Fundava-se a demonstração no exame de um fato de que surgiam duas alternativas; excluía-se uma, desdobrava-se a segunda em ou- tras duas; uma se eliminava, a outra se bipartia, e assim por diante, numa cadeia comprida. Ali onde vivíamos, Apporelly afirmava, utili- zando o seu método, que não havia motivo para receio. Que nos po- deria acontecer? Seríamos postos em liberdade ou continuaríamos presos. Se nos soltassem, bem: era o que desejávamos. Se ficásse- mos na prisão, deixar-nos-iam sem processo ou com processo. Se não nos processassem, bem: à falta de provas, cedo ou tarde nos mandariam embora. Se nos processassem, seríamos julgados, ab- solvidos ou condenados. Se nos absolvesse, bem: nada melhor espe- rávamos. Se nos condenassem dar-nos-iam pena leve ou pena gran- de. Se se contentassem com pena leve, muito bem: descansaríamos 108 Ibidem, vol. 1, p. 103 et seq. 109 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 126 et seq.
  • 64. 64 algum tempo sustentados pelo governo, depois iríamos para a rua. Se nos arrumassem pena dura, seríamos anistiados ou não sería- mos. Se fôssemos anistiados, excelente: era como se não houvesse condenação. Se não nos anistiassem, cumpriríamos a sentença ou morreríamos. Se cumpríssemos a sentença, magnífico: voltaríamos para casa. Se morrêssemos, iríamos para o céu ou para o inferno. Se fôssemos para o céu, ótimo: era a suprema aspiração de cada um. E se fôssemos para o inferno? A cadeia findava aí. Realmente ignorá- vamos o que nos sucederia se fôssemos para o inferno. Mas ainda assim não convinha alarmar-nos, pois essa desgraça poderia chegar 110 a qualquer pessoa, na Casa de Detenção ou fora dela. Outra forma de micro-narrativa que encontramos ao longo do livro de memórias, além dos “causos”, é a crônica, como no trecho que transcrevemos: “Um fato nesse dia 6 abalou-me, o único de que tenho lembrança clara. À hora do café abri um jornal do Recife e li, em telegrama do Rio, a notícia arrasadora: Prestes havia sido preso na véspera.”111 Neste trecho, que segue até o final do respectivo capítulo, podemos dizer que Graciliano mescla a sua narrativa com uma pequena “crônica”. Saberemos então a sua apreciação sobre a Coluna Prestes de 1924, além de considerações sobre a “marcha quixotesca” de Luís Carlos Prestes. Ao final deste trecho, Graciliano menciona a sua preocupação com “o fascismo que continua lá fora”, o que entendemos como uma refe- rência ao fascismo italiano de Benito Mussolini e ao nazi-fascismo alemão de Adolf Hitler. Nesse passo, o narrador se ocupa constantemente de externar as suas apreciações e opiniões como se pudesse justificar a sua prisão, afinal não era de forma alguma um desordeiro, apenas um pacato funcionário público. Apesar de sua modéstia e discrição causava muito barulho com as suas iniciativas revolucionárias. Como diz: “O que eu desejava era a morte do capitalismo, o fim da exploração. Ideal? De forma ne- nhuma. Coisa inevitável e presente: o caruncho roía esteios e vigas da propriedade, de pouco serviam os meus livros e as divagações de Xavier.”112 Interessante notar a refe- rência que Graciliano faz ao “caruncho” que rói esteios e vigas da propriedade, um dos pilares do Estado moderno, que anos mais tarde será mencionado por José Saramago em seu conto A cadeira,113 ao descrever a queda de António Salazar não apenas da cadeira 110 Ibidem, vol. 1, p. 236-237. 111 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 81. 112 Ibidem, vol. 1, p. 119. 113 Conto que faz parte do livro Objecto quase. SARAMAGO, José. Objecto quase. São Paulo: Compa- nhia das Letras, 1994.
  • 65. 65 roída pelos carunchos, como também o declínio de seu poder após o prosaico acidente doméstico. Ressaltamos, outrossim, o reiterado diálogo mantido com o leitor como na reformulação do pacto de leitura que fora realizado no início da obra. No ca- pítulo 9, o narrador interrompe os seus relatos para dizer ao leitor que os fatos não po- dem mais seguir uma linha de tempo através de uma narração continuada, visto que não se pode prender à rotina da caserna. A partir de então, o narrador passa a discorrer sobre acontecimentos relevantes e personagens públicas ou da sua relação mais próxima. Esses acontecimentos de três dias foram relatados mais ou menos em ordem, apesar de apresentarem falhas, os lugares surgirem im- precisos, as figuras não se destacarem bem no ambiente novo. A 6 de março, porém, íamos entrando na rotina – e daí em diante não 114 me seria possível redigir uma narração continuada. (grifos nos- sos) Essa mudança na linha do tempo ocorre ainda no início do primeiro volume da obra, no entanto, continuamos encontrando marcas temporais que indicam os períodos de cada dia (manhã, tarde e noite). A partir do capítulo 3 da Segunda Parte “Pavilhão dos Primários,”115 não encontraremos mais nenhuma marca temporal, con- cretizando-se efetivamente a reformulação do pacto de leitura mencionada. Mas ainda haverá algumas pequenas pistas deixadas pelo caminho da narração, pelas quais perce- bemos o movimento temporal entre o narrado e o narrar, como no trecho “Desmanchei uma carteira de cigarros, tire de um dos lados o cartão que tenho aqui sobre a mesa, tomei o lápis e escrevi alguns nomes...”116 Em vários trechos como esse encontramos a confirmação da fragmentação da figura do narrador, que também é protagonista, perso- nagem e autor. A partir da leitura de Memórias do cárcere – considerando-se em pa- ralelo a obra de Graciliano Ramos – é possível atribuir um caráter ficcional a essa nar- rativa memorialística também em função dos pequenos núcleos narrativos que povoam a narrativa. Estas pequenas histórias privilegiam o percurso das personagens em detri- mento da concentração na história do narrador e protagonista das memórias. O encade- 114 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 80. 115 Ibidem, vol. 1, p. 103 et seq. 116 Ibidem, vol. 1, p. 207.
  • 66. 66 amento das pequenas narrativas em que personagens secundárias protagonizam suas próprias histórias demonstra um grande painel do ambiente carcerário que coloca Me- mórias do cárcere para além das fronteiras da representação biográfica da realidade. Tendo em vista a forma como abordamos a análise das obras que compõem o objeto do presente trabalho, retomaremos no decorrer do trabalho, eventu- almente, alguns dos aspectos apontados até o momento. 4.1 As palavras que fazem viver Apesar das diferenças e peculiaridades das narrativas de Luandino e Graciliano, percebemos como um dos aspectos comuns o tom testemunhal que deu uma conformação a cada texto, e que, por isso, parece ter provocado uma expectativa comum em seus leitores. A esperança pela sobrevivência dos protagonistas, da vida e da ética. Todavia, mostrou-se contundente a oposição existente entre a narrativa em primeira pessoa de Graciliano Ramos, e a de Luandino Vieira, em terceira pessoa. Enquanto te- mos uma narrativa angustiada que pressente o próprio fim ao testemunhar os horrores sofridos por outros da coletividade da prisão em Memórias do cárcere, a narrativa de Luandino coloca-se de modo positivo e quase sempre esperançoso, tornando o capítulo da morte do protagonista em momento de violenta comoção ao leitor. Em Memórias do Cárcere surge no capítulo 12 um exemplo marcante da completa vulnerabilidade dos presos que se encontravam na Colônia Correcional, onde um sujeito de farda, miúdo, estrábico e manco, um sujeito “aparentemente insigni- ficante”, profere um discurso para “receber” e apresentar o funcionamento da prisão aos recém chegados. — Aqui não há direito. Escutem. Nenhum direito. Quem foi grande esqueça-se disto. Aqui não há grandes. Tudo igual. Os que têm pro-
  • 67. 67 tetores ficam lá fora. Atenção. Vocês não vêm corrigir-se, estão ou- 117 vindo? Não vêm corrigir-se: vêm morrer. O que até então eram somente suposições, prováveis exageros espa- lhados em forma de suposta ameaça, assumia forma de versão oficial, pois com esta declaração tornava-se evidente que não estavam sujeitos à própria sorte. Estes “pobres diabos” encarcerados sem acusação e sem processo, estavam subtraídos da esfera da dignidade e não tinham qualquer direito, nem mesmo o de viver. A supressão do direito à vida traz ao narrador a visão de um holo- causto à brasileira. Atezanavam-me as palavras do caolho: todos iguais, nenhum direito, os soldados podiam jogar-nos impunemente no chão, rolar-nos a pontapés. E finar-nos-íamos devagar. Isso me trouxe ao pensamento a brandura dos nossos costumes, a índole pacífica nacional apregoa- da por sujeitos de má fé ou idiotas. Em vez de meter-nos em forno 118 crematório, iam destruir-nos pouco a pouco. Por outro lado, a leitura do romance angolano nos mostra através da narrativa ficcional a repressão política violenta exercida pela PIDE (Polícia Internacio- nal de Defesa do Estado) sobre os suspeitos de envolvimento na luta de libertação de Angola das amarras coloniais, a partir do final da década de 50. Até então, apesar da inexistência de respeito a qualquer direito outro, que não fosse o de ser explorado pela maquina administrativa colonial, este achaque era restrito às camadas autóctones da população de Angola. Mas com a intensificação da luta de libertação,119 o crescimento do MPLA e a chegada da PIDE a Angola, a repressão política torna-se intensiva, atin- gindo também mestiços e brancos, ou seja, os colonos portugueses. Não podemos deixar de discorrer mais atentamente sobre o que repre- senta, a nosso ver, o ápice do vilipêndio à dignidade humana que é o absoluto aniquila- mento físico do indivíduo, ou seja, a sua morte, a extinção da vida, bem primeiro sem- 117 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 69. 118 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 69. 119 Adotamos neste trabalho as expressões “luta de libertação” e “movimento nacional”, numa visão da luta do povo angolano, no lugar de Guerra Colonial, denominação utilizada pelos portugueses em refe- rência a este período.
  • 68. 68 pre resguardado não apenas para a preservação da própria espécie humana, mas também para permitir a sobrevivência do grupo social como uma parte inteira, coesa e soberana. Entendemos que as obras em estudo possuem cada qual o seu clímax em episódios nos quais são narrados os acontecimentos relativos à morte. No romance de Luandino não temos a iminência da morte como destino incontornável. A própria construção da narrativa de modo a mostrar alternadamente acontecimentos no interior do cárcere e fora dele, parece-nos indicar sempre a esperança pelo melhor. A incessante busca empreendida por sua mulher, Maria, e toda a teia de “amigos” que se solidarizam e procuram notícias do protagonista Domingos parecem aliviar a tensão que está pre- sente no contexto do cárcere e da tortura que avança na sua intensidade e fatalidade. Nas memórias da personagem Graciliano que narra a sua própria experiência dentro do cár- cere, observamos a sufocação pela ausência de acontecimentos externos à prisão ao lon- go da narrativa. Os encontros com a mulher Heloísa, as poucas notícias que chegam de fora da prisão e a incerteza que se mantêm quanto à percepção que a população possa ter do preso político são elementos que ajudam a manter um clima sinistro e solitário. Além disso, o narrador tem sempre à sua frente a ameaça da extinção, a iminência do flagelo fatal, ora com as promessas verbais de oficiais (caso do general e do tenente), ora com as mazelas que presencia como o retorno dos farrapos humanos da Colônia. Ou ainda a sua própria decadência física, as suas dores, a sua tosse, a aparência senil con- firmada na sua indicação para organizar as filas e a idade apontada: 65 anos quando contava apenas 43 anos de vida. A morte da personagem protagonista, Domingos Xavier, é emblemáti- ca no desenrolar da narrativa, pois aponta para a exemplaridade do acontecimento. De um lado o tratorista é posto como exemplo pelos agentes policiais aos seus pares como um sujeito subversivo, bandido que personifica a ameaça da luta de libertação nacional contra a administração colonial, e por isso é punido severamente. Contudo, ainda que seja colocado como exemplo negativo e condenável, a sua sina representa aos seus compatriotas e companheiros de luta a redenção da verdade almejada, a liberdade naci- onal, a valorização de suas tradições comprovada e reiterada pelo martírio de Domingos Xavier. A sua morte é narrada com uma intensa poeticidade, o que entendemos ser a chave para a elevação do protagonista à condição de mártir.
  • 69. 69 Domingos sorriu dentro de si. Pensou sim, que era verdade, ia mor- rer. Iam matar-lhe. Já estava morto mesmo, as pernas partidas nos joelhos eram a única dor que ainda lhe incomodava. Sorriu, sorriu en- quanto o sangue saía na boca, no nariz, nos ouvidos, ensopava a camisa rota, o corpo, o chão, salpicava o agente, as paredes, tudo. E era bom sentir-lhe correr assim, livremente, se sentir vazio e leve. A alegria grande por não ter falado saía nas lágrimas salgadas, no mijo, não podia deter-lhe, correu pelas pernas abaixo e espalhou o seu cheiro acre e quente em toda a sala. Lá fora tinha estrelas sobre a paisagem quente, um vento fresco cor- ria por cima da noite e trazia a mensagem da vida para dentro dos muros. Domingos Xavier não ia trair essa vida. Pensou ainda, se sen- tindo muito longe, boiando nas águas verdes do rio que lhe vira nas- cer e que corria levando-lhe no mar. As pernas boiavam partidas, os braços caíam livremente e a água corria dos seus olhos, rio abaixo. E já nem se sentiu afundar em cima dos outros corpos adormecidos, depois de o cipaio ter lhe arrastado pelo quintal fora, deixando-lhe um rasto de sangue que, no dia seguinte, outro cipaio ia lavar antes que 120 o primeiro preso saísse no recreio. A morte que se mostra significativa na narrativa de Graciliano é a de uma personagem secundária, Domínio Fernandes, um chauffeur já doente que o narra- dor conhece no porão do Manaus.121 A percepção clara da morte como destino fatal e circunstância banal no meio sórdido do cárcere coloca o narrador diante da concretiza- ção física e real de todas as ameaças havidas até então apenas na esfera verbal e retóri- ca. Ao presenciar a retirada do corpo do colega de prisão, o narrador percebe a morte também perto de si, como no trecho que segue: Domício Fernandes, o chauffeur que viajara comigo no porão do Ma- naus, morreu à noite. De manhã, quando se varria o alojamento e os presos arejavam no curral de arame, o cadáver foi retirado, em cima de uma tábua. Vi de longe o embrulho fúnebre; não se percebia ne- nhuma parte do corpo; fora envolto provavelmente no cobertor ou na rede. Iam enterrá-lo assim. Virei-me, afastei-me daquilo. Apesar de viver numa espécie de anes- tesia, abalei-me, senti a morte avizinhar-se de mim. As dores no pé da barriga cresceram, a tosse me deu a certeza de que os pulmões se decompunham. Iriam levar-me qualquer dia enrolado no lençol tinto, vermelho de hemoptises. Era coisa prevista, imaginada sempre, mas o jeito de fazer o enterro, a mudança de uma criatura humana em pacote jogado fora sem quebra da rotina, expôs-me com horrível 122 clareza a insignificância das nossas vidas. 120 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, 2004, p. 89. 121 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 146. 122 Ibidem, vol. 2, p. 131.
  • 70. 70 Contudo, apesar da perspectiva pessimista que possa haver em razão da forma como a morte se abate sobre as personagens acima declinadas, essa fatalidade não consegue se sobrepor às forças que se movimentam nas narrativas para enaltecer uma causa maior que encerra em seu cerne a esperança e a vida. Se de um lado temos uma causa política que congrega uma coletividade em prol de um desejo comum, a li- bertação nacional, na narrativa de Graciliano encontramos o enaltecimento das pequeni- nas qualidades percebidas no cotidiano das personagens e que valorizam a vida e digni- dades humanas ainda que sob as mais adversas circuntâncias. Percebemos no romance angolano, principalmente na fala de Domin- gos Xavier, o tratorista preso e torturado até a morte, a existência de uma articulação libertária comum a muitos independentemente de raça ou classe social. Domingos conta a um amigo sobre o engenheiro Silvestre, branco simpatizante do movimento nacional. Assim mesmo como eu estou te a falar, Sousa. Um dia pôs a mão no meu ombro e disse: Domingos, você é um bom tractorista. Mas o que você é mais é um bom homem, um bom angolano. Palavra, mano Sousa, palavra! Meu coração ficou pequenino, pequenino com essa palavra! Nunca tinha-lhe ouvido falar assim na boca dum branco. Depois, já estava ir embora, me disse baixinho: sabe, Domingos, também sou angolano. Estuda! Se você pode, estuda, Você vai ser um grande engenheiro. E saiu com depressa, aquele jeito dele. Não 123 posso esquecer, mano Sousa, não posso! (grifos nossos) Para combater esta ameaça ao domínio colonial, Portugal impõe uma repressão política de tal ordem violenta, que permite à máquina policial ampla ingerên- cia de seus agentes na prática de prisões arbitrárias, tortura e execução sumária. O momento vivido pelos protagonistas das obras aqui analisadas – Domingos Xavier e Graciliano Ramos – se passa na prisão, e cuja motivação é política, e que se apresenta como um ponto de contato entre os textos. Apesar do romance e das memórias pertencerem a épocas distintas (anos 60 em Angola e anos 30 no Brasil res- pectivamente), ambos os países encontram-se dominados por uma ditadura, com a existência de perseguição política intensa que visa manter os regimes totalitários de ca- ráter fascista. No entanto, a perseguição apresentada tanto em um país quanto em outro apresenta as suas peculiaridades. Enquanto no Brasil o regime repressor julgava mais
  • 71. 71 ameaçadores os intelectuais como é o caso de Graciliano, em Angola, colônia de Portu- gal, a perseguição se apresentava determinada a alcançar os envolvidos em movimentos contra o domínio português e em prol da Independência do país, indistintamente. Quando nos debruçamos sobre textos cuja narrativa nos aproxima de fatos tão notórios em sua época, e ao mesmo tempo tão próximos da vida de cada um dos autores, a tentação é imediata e a análise se volta a todo instante e sempre à linha biográfica. Percebemos o quão perigosa é esta justaposição (vida e obra), havendo o risco de empobrecimento ou até de invalidação de todo um trabalho. No entanto, não podemos deixar de ter a vida dos autores como contraponto, visto que muitas vezes a imaginação do autor parece abeberar-se das recordações do escritor. Isto talvez se dê em razão da necessidade do testemunho, do depoimento que se sobrepõe em determinado momento, à necessidade de invenção do escritor. Neste estudo comparado temos de um lado a narrativa de José Luan- dino Vieira para a qual o autor escolheu o terreno da ficção e foi construída tendo como centro um acontecimento real, como confessado em entrevista concedida a Michel La- ban. O enredo de A vida verdadeira de Domingos Xavier prossegue sem atribuir às per- sonagens nomes que remetessem às pessoas que na realidade, fora do âmbito ficcional, protagonizaram os fatos. De outro lado temos a partir de Graciliano Ramos uma narrati- va memorialística povoada de inúmeras personagens pinçadas de uma dimensão real e conhecida do leitor que foi a Era Vargas. Mas independentemente de estarmos no cam- po da ficção, as obras carregam do começo ao fim uma característica sua muito própria e relevante, que é o seu caráter de denúncia e de formação, alcançando seus leitores com as informações necessárias para melhor compreender o processo social e político que dominou o seu país em certo momento da história. Ao refletir sobre as relações entre a Literatura e a construção da iden- tidade do sujeito, observamos que o percurso das personagens protagonistas poderia iluminar a importância da representação literária no processo de formação da identida- de. Entendemos que estas narrativas privilegiam espaços e circunstâncias biográficas, e por isso são capazes de construir significados relevantes aos atores sociais de carne e osso que anseiam pela consolidação de sua identidade. Acreditamos que este fenômeno 123 VIEIRA, José Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Lisboa: Caminho, p. 23-24.
  • 72. 72 se daria pela possibilidade de conexão produzida pela representação literária entre a memória pessoal das personagens, o presente histórico em que atuam-vivem e sua ex- pectativa de um futuro ideal. Assim, buscando entender a questão da construção da identidade do sujeito, imerso no âmbito prisional, analisamos os momentos vivenciados pelos prota- gonistas no cárcere – Domingos e Graciliano – para iluminar as questões relativas à identidade individual e coletiva. Para ressaltar essa perspectiva na leitura das narrativas, o espaço eleito para a análise pretendida foi o cárcere, território exíguo e restrito ao qual as personagens protagonistas estavam submetidas. Este elemento comum nas narrativas angolana e brasileira remete em ambos os casos a um panorama biográfico, aqui enten- dido como referências históricas e circunstanciais das biografias dos escritores e que encontramos plasmadas na ficção. O cárcere que Domingos Xavier conhece na narrativa angolana é constituído de uma prisão solitária e definitiva, e possui um caráter de perpetuidade uma vez que se estenderá pelo pouco de vida que lhe resta. A narrativa em terceira pessoa do romance angolano, caracterizando um narrador heterodiegético, nos apresenta a história de Domingos António Xavier, um operário negro que vive com a sua família num acampamento perto do estaleiro onde trabalha, e parece estar envolvido com o movi- mento de libertação nacional angolana, ainda que não participe diretamente de nenhuma atividade militante ou simpatizante. Este romance apresenta-nos o conhecimento e a perspectiva que cada personagem ou grupo de personagens tem da história da prisão e morte de Domingos Xavier. A narrativa é contada a partir do ângulo de várias persona- gens, em geral, por um narrador em terceira pessoa, que adere à perspectiva de cada uma dessas personagens que vêem o desenrolar da história. Podemos dizer que estas perspectivas são divididas em três linhas narrativas que são: os fatos que sucedem ao protagonista que se encontra sob a custódia da polícia, a busca que a mulher de Domin- gos realiza pelos postos policiais e administrativos com a ajuda de amigos e as movi- mentações dos colaboradores e militantes da luta pela libertação nacional que se preo- cupam com as razões e conseqüências dessa prisão. Neste romance José Luandino Vieira nos mostra a realidade do ango- lano, em especial do negro, oprimido pelo preconceito racial, social e também político,
  • 73. 73 e da forma como se dava a mobilização dos filhos do país na luta pela Independência da nação angolana e na defesa do seu modo de viver. Ao final Domingos não sobrevive às torturas que lhe são infligidas e consegue permanecer calado até o fim, protegendo as pessoas do seu relacionamento envolvidas com o movimento de libertação (Engenheiro Silvestre e Sousinha). A narrativa brasileira se dá, em razão da forma memorialística, em primeira pessoa, caracterizando um narrador autodiegético, que contará em primeiro plano o percurso do protagonista desde a perseguição sofrida por sua conduta suposta- mente subversiva e as possíveis causas de sua prisão, até o caminho que se seguiu en- volvendo alguns estabelecimentos prisionais. A prisão que ocorreu em 03 de março de 1936, é arbitrária em vista da absurda ausência de motivação e até mesmo de uma acu- sação formal, e estende-se até janeiro de 1937. Neste período de detenção e desloca- mentos que durou dez meses e dez dias, Graciliano passou por quartéis em Maceió e Recife, foi transferido para o Rio de Janeiro, num porão de navio – o Manaus – ficou preso alguns meses na Casa de Detenção na Rua Frei Caneca, alguns dias na Colônia Correcional de Dois Rios na Ilha Grande, regressando então à polícia central no Rio, onde permaneceu internado na Casa de Correção, nas proximidades do primeiro presí- dio. Ao pensarmos sobre a caracterização da prisão pela narrativa de Gra- ciliano Ramos, percebemos, após a primeira detenção que ainda não anuncia a longa jornada que se seguirá a partir do porão do Manaus, que o protagonista estará sempre inserido em coletividades prisionais, experimentando as dificuldades impostas pela bus- ca da sua sobrevivência em meio às hierarquias criminal e prisional que são descritas. O narrador contará então, em segundo plano, diversas histórias de per- sonagens como Gaúcho, Cubano, e outros. No ambiente carcerário vemos tantos outros militares, políticos e intelectuais que como o protagonista, “ameaçavam” a ordem e os bons costumes no regime ditatorial de Getúlio Vargas. Além disso, percebemos que o protagonista busca entender a intrincada relação de poder e submissão no ambiente car- cerário, mas principalmente as atitudes de bondade e solidariedade que admira e não compreende. Como testemunha dos horrores da prisão, traz ao público leitor a denúncia em forma de memórias que o próprio Graciliano Ramos diz serem da cadeia e não suas.
  • 74. 74 Deste modo, nas considerações que fazemos a respeito da identidade em relação aos protagonistas Domingos e Graciliano, verificamos a necessidade que há em delimitar o seu aspecto que mais se aproxima da análise que se coloca. Afinal, como nos diz Zilá Bernd, trata-se de um “conceito operatório de larga utilização em ciências humanas, sobretudo a partir dos anos 60, quando se passa do conceito de identidade individual ao de identidade cultural (coletiva)”, e ainda que, “o conceito de identidade torna-se recorrente no domínio dos estudos literários a partir do momento em que as literaturas minorizadas no interior dos campos literários hegemônicos recusam a classi- ficação de literaturas periféricas, conexas e marginais e reivindicam um estatuto autô- nomo no interior do campo instituído.”124 Assim, podemos pensar em definir/congelar os aspectos identitários pertinentes aos protagonistas destacados para facilitar a perspectiva de análise, e de pronto percebemos dois pontos importantes. Primeiramente, temos a ocorrência de afirmação da própria existência e identidade de cada personagem na sua reclusão, em razão da iminência do aniquilamento do indivíduo abrangendo seus aspectos físico e psicológico, o que enseja um desmonte completo do sujeito. Todavia, cada caso tem a sua peculiaridade em vista dos contextos próprios de cada efabulação. Por isso, perce- bemos no caso angolano os resultados de uma repressão policial dura e incontrolada com o uso de tortura, permitida pelos mecanismos da dominação colonial exercida pela metrópole portuguesa durante a ditadura salazarista. E no contexto brasileiro, vemos o exercício de uma perseguição que não pretende o extermínio imediato do elemento ofensor às regras do regime ditatorial de Vargas, exemplificadas pela Lei de Segurança Nacional de quatro de abril de 1935, mas sim o enfraquecimento lento e sem fim do sujeito, desmontando-o em etapas, cada qual mais intensa e longínqua, lembrando uma descida a camadas infernais cada vez mais profundas. Nesse passo, a seqüência de protocolos que constatamos em cada pro- cesso de afirmação das referências identitárias dos protagonistas, permite iluminar uma dinâmica apontando para sentidos opostos, que encontramos em ambas as narrativas, e nas quais percebemos uma ordem inversa entre a individualidade e a coletividade. As dinâmicas existentes para cada personagem se contrapõem na medida em que determi-
  • 75. 75 nam um caminho oposto e contraditório à situação do sujeito enquanto está preso. No romance angolano temos um indivíduo solitário pela estratégia de reclusão imposta, à beira da morte pela tortura sofrida, e cujo pensamento adere à identidade coletiva como realidade possível. No caso brasileiro temos o indivíduo inserido numa comunidade prisional, que muito embora pareça uma coletividade, apresenta sim trajetórias indepen- dentes que ressaltam a individualidade, o que predispõe o leitor a ver o protagonista num caminho individual. Em se tratando da personagem Domingos, percebemos um movimento de afirmação de si próprio através da utilização de referenciais identitários coletivos, notadamente nacionais e diretamente ligados à questão do enfraquecimento da domina- ção colonial portuguesa. Dessa forma, o indivíduo tenta resistir à sua aniquilação ao consolidar o seu pertencimento a uma comunidade imaginada, como conceituada por Benedict Anderson, e que no caso em questão reporta-se à nação angolana e se materia- liza com a resistência que se empreende através do silêncio. Ao resistir à tortura e calar- se, Domingos não denuncia os seus companheiros, ao mesmo tempo em que reafirma a sua identidade como angolano. No caso da personagem Graciliano, o sujeito está inserido quase sem- pre numa coletividade prisional que contém uma variedade de indivíduos convivendo sob tensão permanente, que se dá em certa medida pelo destino incerto e pela multipli- cidade de grupos existentes na convivência carcerária. Embora Graciliano partilhe a mesma cela com vários indivíduos, percebemos em alguns momentos a sua necessidade em isolar-se para manter a identidade, reafirmando a sua existência individual como ser humano digno e detentor de direitos. Parece-nos que a atitude de escrever, insistindo em tomar notas e tentar narrar os acontecimentos vivenciados ainda no período em que está preso, serve de objetivo para resistir ao próprio aniquilamento ao afirmar/salvaguardar a sua identidade individual. Ao tomarmos emprestada mais uma perspectiva de Zilá Bernd, podemos dizer que “a identidade não poderia ter outra forma do que a narrativa, pois definir-se é, em última análise, narrar. Portanto, a construção da identidade é indis- sociável da narrativa e conseqüentemente da literatura.”125 124 BERND, Zilá. Literatura e identidade nacional. 2ª ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003, p. 15. 125 BERND, Zilá. Literatura e identidade nacional. 2ª ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003, p. 19.
  • 76. 76 Após colocarmos em destaque estas primeiras reflexões, verificamos que a narrativa ficcional angolana traz em seu bojo a afirmação de uma identidade cole- tiva, representando uma resistência ao jugo do colonizador e que é materializada pelo silêncio, pela ausência da fala. De outro lado, a narrativa memorialística brasileira evi- dencia uma identidade possível de um indivíduo na condição de preso, em que o ato de tentar escrever significa resistir, manter a sua dignidade através da escrita que registra para o futuro os acontecimentos que testemunha. Em que pese a infinita solidão que encerra a escrita e o testemunho para o protagonista dentro do cárcere, Graciliano Ra- mos retoma a tarefa de registro da memória possível quase dez anos após a sua liberta- ção, o que parece demonstrar a dificuldade em voltar aos “porões” reais e metafóricos em que esteve. Entendemos que narrativas como estas, em que é possível encontrar significativas circunstâncias biográficas que representam, ademais, referências da reali- dade histórica, além de obras literárias relevantes, podem influenciar a tomada de posi- ção ativa dos leitores frente à sociedade em que vivem. Este realismo trabalhado pelo autor Luandino parece acompanhar de perto o movimento em que está inserido o autor Graciliano, ou seja, um realismo social exemplificado pelo trabalho da Geração de 30 no Brasil. É preciso repisar que, como nas palavras de Benjamin Abdala Júnior em seu trabalho sobre a escrita neo-realista, “... a realidade não é um caos desordenado, mas motivada por processos históricos passíveis de serem objetivados no texto.”126 E isto é o que percebemos nas narrativas apontadas, em que é possível o encontro entre o texto literário e o processo histórico no qual esteja inserido, e que permite também deste modo, uma relação íntima entre a obra literária e o leitor implícito ou narratário. Deve- mos lembrar, a bem da análise crítica robusta e objetiva, que “o livro não existe em si, mas sim em cadeia comunicativa com o leitor.” Na esteira dessa reflexão acerca da problematização do escritor que escreve para um público iletrado, como é o caso de Luandino, recorremos às palavras de José Luiz Cabaço em seu artigo “A questão da diferença na literatura moçambicana”127 em que fala sobre a dupla dificuldade que encontra o escritor inserido num contexto de 126 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. A escrita neo-realista. São Paulo: Ática, 1981, p. 2-3. 127 CABAÇO, José Luís. “A questão da diferença na literatura moçambicana”. In: Vários. Via Atlântica, n. 7, São Paulo: FFLCH/USP, p. 61-70, out-2004.
  • 77. 77 oralidade como é o caso de Moçambique – e que estendemos a Angola – onde mesmo depois de resolver as dificuldades com identidades múltiplas, ainda se depara com a indefinição de um público possível. Assim, coloca-se a questão de voltar-se aos leitores representados pela minoria letrada do seu país e para o público de língua portuguesa extra-fronteiras, que possam constituir narratários possíveis. A importância deste vínculo possível entre os atores sociais de carne e osso referidos no início deste ensaio, e a construção ou afirmação identitária permitida pela escrita pode ser pensada a partir da decodificação do texto literário pelo leitor real implícito. A partir desse processo este leitor implícito pode se deslocar da posição imo- bilizada que ocuparia inicialmente para aquela de “um sujeito ativo da comunicação literária.”128 Na perspectiva do papel social que entendemos caber à Literatura, na me- dida em que a mesma se volta para o contexto que a produziu, vemos as narrativas aqui em análise como exemplos da possibilidade de construção/afirmação de identidades que dialogam com um público leitor implícito que pode assumir uma posição atuante frente às questões ligadas à identidade. 5. Literatura e Direitos Humanos A importância da relação entre a Literatura e os Direitos Humanos, bem como o papel social exercido pelo escritor como intelectual, guiaram, desde o prin- cípio, a nossa pesquisa em torno da obra dos romancistas José Luandino Vieira e Graci- liano Ramos. Quando refletimos sobre uma possível ligação entre a Literatura e o Di- reito, não podemos esquecer de Antonio Candido, em seu ensaio intitulado “O direito à literatura”, em que demonstra a importância do entrelaçamento entre os caminhos da Literatura e do Direito, como podemos depreender do seguinte trecho: “Uma sociedade justa pressupõe o respeito dos direitos humanos, e a fruição da arte e da literatura em todas as modalidades e em todos os níveis é um direito inalienável.”129 128 ABDALA JÚNIOR, Benjamin. A escrita neo-realista. São Paulo: Ática, 1981, p. 7. 129 CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 3ª ed. rev. e ampliada. São Paulo: Duas Cidades, 1995, p. 263.
  • 78. 78 Desde a primeira leitura observamos que ambas as obras selecionadas, A vida verdadeira de Domingos Xavier e Memórias do cárcere dialogam com os Di- reitos Humanos em pelo menos duas vertentes distintas. De um lado, a Literatura se traduz numa necessidade universal de contar histórias, perpetuar experiências,130 que pode transformar intelectualmente e ideologicamente o indivíduo. Por outro lado, a Li- teratura pode igualmente ser tomada como um poderoso instrumento de conscientização e denúncia. A livre fruição da literatura pode colaborar para o crescimento e a humani- zação do indivíduo, e em razão disso, harmonizar a sua relação com a natureza, a socie- dade e o seu semelhante. É possível através da Literatura o apontamento veemente da restrição de direitos ou da negação deles, expondo a miséria, a servidão, a tortura ou a desigualdade social. Visualiza-se uma possível relação – muita próxima e afinada – en- tre a Literatura e os Direitos Humanos, e cremos poder dizer que ambos podem ser ins- trumentos significantes para a inclusão social do ser humano. No tocante às obras em foco, A vida verdadeira de Domingos Xavier, de José Luandino Vieira e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos, a denúncia é característica determinante. A Literatura fundamenta-se na experiência humana, reme- tendo o leitor a situações diversas, muitas das quais completamente distantes da sua realidade mais imediata. Nessas duas obras a Literatura se mostra essencialmente hu- manística, possibilitando a conquista de uma consciência coletiva acerca da necessidade humana. Com todos os avanços havidos nas sociedades através de debates, de regulamentação nacional e internacional relativas às garantias individuais, percebemos um aprimoramento da normatização dessas garantias, hoje largamente chamadas de direitos humanos. Podemos dizer que surgiram em sua primeira geração no final do sé- culo XVIII, com a Declaração de Virgínia nos Estados Unidos e a Declaração Francesa, documentos esses elaborados em 1789. Reconhecem os direitos inerentes ao indivíduo como direitos naturais, uma vez que precedem o contrato social, tais como a vida, a li- berdade, entre outros. A preocupação com a proteção da dignidade humana se materiali- 130 Na acepção do narrador “benjaminiano” que aponta para duas características privilegiadas por Walter Benjamin: o narrador depositário das histórias e das tradições e aquele portador do saber do Outro. BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1985, v. 1, p. 200-201.
  • 79. 79 za com maior intensidade a partir do final da Segunda Guerra Mundial sob os reflexos do genocídio sem precedentes havido na Europa. São criados instrumentos legais de alcance supranacional como tratados e acordos internacionais que possam garantir a proteção dos direitos individuais. A partir desse primeiro passo cabe aos países aderirem ratificando tais diplomas legais, providenciando a necessária regulamentação interna para a aplicação em sua sociedade dos princípios garantidores da dignidade humana. Desta instrumentalização legal em curso durante o século XX e com a ampliação dos bens abrigados no princípio maior de proteção ao Homem, os direitos humanos puderam ser classificados em gerações. Nesta ordenação dizemos que aqueles direitos naturais elencados em 1789 são os chamados direitos humanos da primeira ge- ração. Com o fim do totalitarismo e a queda das ditaduras militares no decorrer da se- gunda metade do século XX consolida-se uma segunda geração que privilegia os direi- tos sociais, elencados na Declaração Universal dos Direitos do Homem em 1948.131 A partir do crescimento da preocupação mundial em relação à proteção das mulheres, das crianças e das minorias étnicas, durante as duas últimas décadas, houve uma expansão de entidades não governamentais empenhadas na luta pelos interesses destes segmentos e em especial pelos direitos humanos em geral. Esse movimento social culminou no nascimento dos direitos humanos que estão sendo intitulados pela Organização das Na- ções Unidas como os de terceira e quarta geração. Estes direitos têm como titular não o indivíduo, mas grupos de seres humanos como a família, o povo, a nação, coletividades regionais ou étnicas e a própria humanidade. Entre outros temos o direito à autodeter- minação dos povos, à paz e ao desenvolvimento, que tem se mostrado de suma impor- tância na questão da descolonização e independência dos países africanos, bem como do desenvolvimento e crescimento dos países do Terceiro Mundo. Para o estudo comparado que empreendemos entre A vida verdadeira de Domingos Xavier e Memórias do cárcere, interessa-nos em especial a violência exercida pela tortura e a conseqüência da morte assim motivada. A concepção de tortura ultrapassa o âmbito físico, alcançando também os âmbitos mental e psicológico. Já no século XVIII (1763) a tortura foi repudiada por Cesare Beccaria,132 que se insurgiu contra a tradição jurídica européia daquela época descrita pelo jurista como “fragmentos 131 Os direitos sociais foram contemplados no território nacional brasileiro tardiamente, somente com a Constituição Federal de 1988, após o fim da ditadura militar que se estendia desde a década de 1960.
  • 80. 80 da legislação de antigo povo conquistador, compilados por ordem de um príncipe que reinou, em Constantinopla, há doze séculos, combinados depois com os costumes dos lombardos e amortalhados em um volumoso calhamaço de comentários pouco inteligí- veis (...).”133 Por conta de seu discurso humanista Beccaria foi acusado de heresia, e acredita-se que somente escapou das mãos do Santo Ofício em razão da amizade que mantinha com o Conde Firmiani, governador de Milão, o que lhe garantiu proteção e impediu a sua condenação. Observando-se como está sendo tratado o assunto tortura entre os le- gisladores brasileiros, temos na mais recente Constituição Federal do Brasil, promulga- da em 1988, após vinte e quatro anos de ditadura militar, a tortura enquadrada como crime hediondo, inafiançável e insuscetível de graça ou anistia. No entanto a previsão constitucional do crime de tortura somente foi regulamentada e, portanto, possibilitada a sua aplicação, após quase uma década, em abril de 1997, ainda que o Brasil já tivesse ratificado, em 28 de setembro de 1989, a Convenção contra a Tortura e outros Trata- mentos ou Penas Cruéis, Desumanas ou Degradantes, de 1984, e, em 20 de julho de 1989 a Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura, de 1985, assumin- do o compromisso internacional de considerar delito qualquer ato de tortura e a tentativa de praticar ato dessa natureza. A lei da tortura, como é conhecida, objetiva proteger a dignidade hu- mana, protegendo a liberdade física e psíquica do indivíduo, e é classificada como crime hediondo, ou seja, a conduta humana voluntária que causa repugnância. A tortura é o sofrimento físico ou mental causado a alguém, com emprego de violência ou grave ameaça, com o fim de obter informação, declaração ou confissão da vítima ou de tercei- ra pessoa, para provocar ação ou omissão de natureza criminosa, ou em razão de discri- minação racial ou religiosa, descrição esta contida na lei brasileira (artigo 1º, incisos I e II e parágrafos 1º e 2º da Lei nº 9.455/97). Em nossa leitura, infelizmente apresentou-se tênue o desempenho do legislador brasileiro que limitou a tipificação da tortura à dis- criminação racial e religiosa. Uma análise mais abrangente mostra a deficiência de abordagem das discriminações políticas e ideológicas, por exemplo. De acordo com a legislação brasileira, entendemos que o discriminado socialmente ou politicamente não 132 Jurista Italiano que fez parte do conselho que reformou as normas penais na Itália por volta de 1791. 133 BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das penas. São Paulo: Martin Claret, 2000, p. 11.
  • 81. 81 será vítima de tortura, mas apenas de lesão corporal, o que em nosso sistema penal si- gnifica apenar de forma muito mais branda o agente do delito. Uma análise detida mostra que melhor teria sido se o legislador pátrio tivesse adotado o conceito de tortura estabelecido pela ONU – Organização das Nações Unidas, pelo qual a tortura é a prática de “qualquer ato pelo qual dores ou sofrimentos agudos, físicos ou mentais são infligidos intencionalmente a uma pessoa”. Porém, infe- lizmente, a lei da tortura no Brasil ainda não é aplicada de forma eficaz como podemos ver nas denúncias efetuadas diariamente. A organização não governamental Human Rights Watch tem costumeiramente apontado, em seus relatórios dos mais recentes anos,134 que a violência policial, a execução sumária, as condições de detenção, a vio- lência no campo e a impunidade continuam sendo os mais graves problemas relaciona- dos às questões de direitos humanos no Brasil.135 No entanto, apesar de persistirem tantos aspectos negativos, notadamente atos de tortura e de abuso de autoridade repeti- damente praticados por policiais, o Brasil tem sido elogiado pela observação de algumas recomendações como a abertura dos arquivos militares ao público e o início da implan- tação de ouvidorias para o recebimento de reclamações sobre abusos cometidos por po- liciais e o monitoramento de suas ações. Em Angola a matéria ainda é incipiente posto que apesar do amparo constitucional, o governo angolano não implementa o processo necessário para a aplica- ção eficaz da lei, conforme verificamos em relatórios recentes do Human Rights Watch. Somente órgãos não governamentais têm promovido mobilizações internas e externas para combate às atrocidades da guerra civil que assolou aquele país nas últimas quatro décadas. Embora o governo angolano tenha amparado vários direitos individuais sob o título “Direitos, Liberdades e Garantias Individuais”, na II Parte do seu texto constituci- onal, o tratamento desse tema ainda se mostra muito genérico e pontual. Muito embora a Constituição daquele país tenha sido revista numa conferência multipartidária realiza- da em Luanda, em janeiro de 1992, a retomada dos conflitos que implicaram na conti- 134 Relatórios disponíveis no endereço http://www.hrw.org/portuguese e acessados em 25/04/2006. 135 Existem dois processos contra o Brasil no Tribunal Inter-Americano de Direitos Humanos. Um deles diz respeito ao caso de um jovem paciente psiquiátrico torturado até a morte quando se encontrava sob a custódia do estado em 1999, e o outro se refere a um advogado do Rio Grande do Norte, que foi assassi- nado por um esquadrão da morte em 1996.
  • 82. 82 nuação da Guerra Civil prejudicou o avanço que poderia ter havido em relação aos di- reitos sociais e garantias de liberdade do indivíduo. Ressaltamos como um dos avanços mais significativos ocorridos no final do século XX, a ampliação da concepção atribuída aos direitos e garantias indivi- duais, que atualmente abrange muito mais do que apenas o repúdio à violência. Hoje podemos dizer que os direitos humanos alcançam, inclusive, as garantias necessárias à cidadania do indivíduo, referindo-se até mesmo à proteção da sua tradição cultural. Di- reitos humanos, direitos do Homem, direitos fundamentais, garantias individuais, enfim, são todos direitos inerentes à vida e à segurança individual. Portanto, são bens que au- xiliam na preservação da existência do ser humano ao delimitar as dignidades humanas frente à avalanche das atribuições do mercado em tempos de requintada globalização. Pensamos quão relevantes são os pensamentos de Kant quanto à definição da dignidade e a sua importância na atualidade. O pensador alemão dizia que tudo tem um preço ou uma dignidade. Desta feita, aquilo que tem preço poderia ser substituído, mas o que não tem não admitirá equivalente, visto que possui dignidade. A nosso ver, esse entendi- mento tornou-se um princípio maior de extrema importância para a valorização do Ho- mem. Lembramos como, paulatinamente, o Homem se viu substituído pela máquina com o advento da industrialização e da automação dos meios de produção. Processo esse de substituição que caminhou progressivamente durante o último século extinguindo vidas ou apenas diminuindo as condições de sobrevivência de grupos con- trolados pelos interesses das grandes potências mundiais que ditam as regras do merca- do e o aperfeiçoamento da globalização. Nesse aspecto, a dignidade humana vem sendo vilipendiada cada vez mais e a sua intermitente perda tem de ser medida e pesada. A vigília pela dignidade humana se faz imprescindível e é um elemento fundamental para a manutenção e o avanço dos direitos humanos, tendo em vista que se trata do elemento que ampara todos os direitos do Homem, que é caracterizado no seu âmago como ser não substituível. A vida, a dignidade e a liberdade são os pilares universais que susten- tam a determinação de regras à convivência entre os seres humanos. E, por isso, na anti- guidade já encontrávamos noções de direitos humanos, muitas vezes embasados em
  • 83. 83 princípios religiosos que pregavam a supremacia do direito e da justiça, e o ensino da fraternidade e da generosidade. A Literatura ao longo dos tempos através de seu papel social, político e cultural também deu a sua contribuição para a formação do homem e a denúncia de suas atrocidades. 5.1 A violência No acompanhamento da trajetória dos protagonistas de Memórias do cárcere e de A vida verdadeira de Domingos Xavier procuramos entender quais seriam os efeitos da violência sobre a forma de representação da experiência do indivíduo e da coletividade subjugada. A violência,136 especialmente a tortura, se evidencia como um mecanismo poderoso para a desumanização de indivíduos inseridos em experiências de regimes autoritários. Seus efeitos se propagam para além da imposição de determinadas forças sociais e políticas, perpetuando-se na linha do tempo ao impregnar o imaginário individual e coletivo das conseqüências do seu impacto. Dos fios de sua memória Graciliano tece uma narrativa a partir da sua prisão em março de 1936, e da qual surge um relato, um testemunho dos bastidores car- cerários na ditadura de Getúlio Vargas (1930-1945). Nestas memórias da cadeia temos um narrador perplexo que para além de descrever os comportamentos que desfilam a sua frente, questiona-os, contempla-os com o benefício da dúvida, e parece demonstrar uma precariedade ao proferir julgamentos sobre o que acontece à sua volta. O protago- nista Graciliano sempre tem um pronto julgamento que é proferido segundo valores morais sólidos, para logo a seguir o Graciliano autor-narrador lançar um olhar crítico distanciado pelo tempo, liberto das amarras de preconceitos e de valorações precipitadas suscitadas pelo calor da hora, e assim compreender atitudes e situações próprias da ca- deia. A narrativa segue mostrando, de um modo cada vez mais intenso, quadros de vio- lência e de desumanização, seja através do silêncio das autoridades que em momento algum justificam seus atos, seja através das transferências aleatórias e sem sentido, da redução do acesso às condições mínimas de higiene, acomodação e alimentação, entre outras estratégias de aniquilamento do sujeito. 136 Adotamos a acepção tomada por Yves Michaud e Hannah Arendt para contemplar a violência em seus vários aspectos.
  • 84. 84 Neste passo, parece que o narrador usa o recurso de jamais nomear os agentes dos atos de violência e aniquilação forçada, em resposta à sua própria desuma- nização, pois lhe são subtraídos quase todos os seus hábitos civilizatórios. Os algozes nunca recebem nome, são seres relegados ao anonimato, por certo como punição, por não merecerem qualquer reconhecimento de urbanidade, visto que se comportam como animais tomados pela ira bestial. Poucos se redimem e alcançam a sua identificação humana como acontece em Memórias do cárcere com o soldado cafuzo que se torna Alfeu. Enquanto sacudia violentamente o “primeiro sujeito da fila vizinha” na formatura geral, o soldado é denominado apenas por “cafuzo”, sendo o protagonista de uma agres- são desmedida e sem razão aparente. No entanto, ao se postar diante do narrador, o sol- dado sem jeito e com palavras sem nexo a pedir a redação de um discurso, recebe um nome, é elevado à condição humana. Assim como os algozes impõem a desumanização das suas vítimas, das criaturas sob a sua custódia, o narrador parece lhes impor esta pena, nenhuma identificação civilizada além da denominação da sua bestialidade, o que parece indicar entre outras possíveis leituras a tentativa de desautorizar o discurso do outro. Um dos primeiros indícios que encontramos a respeito desta estratégia utilizada em suprimir o nome de determinadas personagens em Memórias do cárcere está no prefácio à obra e escrito por Nelson Werneck Sodré. No trecho que transcreve- mos abaixo, o autor do prefácio discorre sobre as qualidades da narrativa em razão da sensatez do escritor no cuidado com os excessos da retórica e da adjetivação: Havia asperezas – contá-las com arte, permitiu reconstituí-las sem muito adjetivo, sem abuso da retórica, sem desmandos, sem desco- medimentos. Raro o qualificativo que se pega à criatura como um es- paradrapo fica a marcá-la. Do idiota que pretendia fuzilá-lo, conforme conta no primeiro volume, lá longe, no segundo, aparece o adjetivo “grotesco”, e mais nada. E que era aquele sub-homem senão isto, grotesco? Adjetivá-lo de outra forma, denunciar-lhe a maldade, a ig- norância e estupidez, seria demasiado. Ao falar como falou ao romancista preso estava sendo precisamente grotesco e nada mais do que isso. O adjetivo não tem substituto. Não havia razão para afirmá-lo dono de outras deficiências. Demais, nem o seu nome aparece. O que foi um traço de inteligência, retirando ao imbecil a única oportunidade de entrar para a eternidade. Para que
  • 85. 85 guardar-lhe o nome? Representava apenas um símbolo e como sím- 137 bolo era grotesco. Nada mais do que isso, que já foi excessivo. Este aspecto da ausência de nomeação, de atribuição de nome próprio às personagens que possuem destaque nos atos de violência, opressão ou dominação dentro da narrativa, parece mostrar a iniciativa de exclusão, do apagamento do indiví- duo que está sendo colocado à sombra, e assim a imposição do silenciamento de sua voz. Corrobora esta impressão a colocação feita por Lévi-Strauss,138 em que o nome próprio é formado pela fragmentação da espécie e pelo levantamento de um aspecto parcial. Deste modo, o nome próprio caracteriza-se por ser uma marca de individualiza- ção ao identificar o sujeito que é nomeado. Além desse aspecto, o nome próprio indica, outrossim, o pertencimento do sujeito a uma classe predeterminada (família, classe so- cial, clã, meio cultural, nacionalidade, etc.), ou seja, a sua inclusão em um grupo especí- fico. Por isso, “o nome próprio é a marca lingüística pela qual o grupo toma posse do indivíduo,”139 e a falta desta marca importa em exclusão, em banimento, destacando a supremacia da autoridade e poder do grupo. A vida verdadeira de Domingos Xavier é um romance que tematiza o período imediatamente anterior à irrupção da luta armada em Angola (1961), e se traduz numa narrativa bruxuleante no tempo, indo e vindo pela cronologia dos acontecimentos conforme o narrador se desloca entre os grupos de personagens que distinguimos ao longo do texto. A partir do eixo principal do enredo – a prisão do operário negro Do- mingos Xavier – encontramos num primeiro plano a situação social e política em Luan- da que é de intensa repressão em razão da recente instalação da polícia política portu- guesa, à época denominada por PIDE. Este órgão policial tinha entre outras finalidades a função de enfraquecer e extinguir o movimento de libertação colonial organizado por um grupo heterogêneo composto por brancos, mestiços e negros, segmento formado por angolanos, em razão da crescente consolidação de um sentimento nacionalista fomenta- do pela elite e pela intelectualidade luandense. 137 SODRÉ, Nelson Werneck. Prefácio. In: RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 1, p. 16-17. 138 Apud MACHADO, Ana Maria. Recado do nome: leitura de Guimarães rosa à luz dos nomes de seus personagens. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003, p. 25 et. seq.
  • 86. 86 Em segundo plano percebemos o desenrolar cotidiano da vida dos mo- radores dos musseques de Luanda, com a participação, ainda que pequena, mas nem por isso menos importante, de figuras como a da criança e do velho, representadas respecti- vamente pelo menino Zito e pelo velho Petelo, nos assuntos do movimento de libertação e a solidariedade entre os pares para o enfrentamento das agruras impostas pelo sistema colonial português como a miséria e o racismo, e a intensa perseguição política. Temos aqui também a bestialidade do algoz, a fúria a conduzir o epi- sódio da violência física no seu mais alto grau, culminando na morte da vítima. A per- sonagem Domingos tem consciência desde a sua prisão de que será compelido a confes- sar os nomes daqueles que estão envolvidos com os “assuntos angolanos”, e desde o princípio toma uma postura heróica mantendo-se fiel aos seus companheiros ao suportar os açoites de “cavalmarinho,”140 os pontapés e o ardume do “jindungo”141 em suas feri- das. Apesar de desejar retornar à sua família e ter a sua vida de volta, a personagem Domingos demonstra reconhecer a importância do seu silêncio naquela situação de pri- são e tortura, pois além de preservar as informações e fortalecer o grupo, Domingos estaria dando um valioso passo em direção ao fim do sofrimento da sua gente, submeti- da à exploração e aniquilação imposta pelo sistema colonial português. Assim como em Memórias do cárcere, percebemos neste romance de Luandino a ausência da nomeação do algoz, do agente dos atos de violência durante os interrogatórios, sendo designado apenas como o “cipaio”, o “agente”, o “chefe”. Por ocasião da prisão de Domingos na Administração – localizada na vila próxima à barra- gem – os cipaios são referidos como executores da tortura sem um maior detalhamento. Numa etapa posterior da narrativa a situação se reverte e eles são nomeados em con- texto de desaprovação por parte de Maria e Domingos, como aqueles que pertencem ao seu povo e que vivem na mesma comunidade, Toneto, João e Mandombe. Quando Do- mingos é transferido para o Posto dos musseques em Luanda, temos o chefe de brigada, português, que não recebe nome, apenas patente, o cipaio que é chamado por “Vinte- Sete” pelo chefe, e o agente de polícia, Pereira da Cunha. Vale notar que, nesse espaço, o cipaio é um ajudante para pequenos serviços. O carcereiro que toma conta das chaves 139 Apud MACHADO, Ana Maria. Recado do nome: leitura de Guimarães rosa à luz dos nomes de seus personagens. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003, p. 25 et. seq. 140 Cavalo-marinho: chicote feito de couro de hipopótamo. 141 Espécie de pimenta usada como condimento.
  • 87. 87 é branco e o interrogatório realizado mediante tortura é conduzido pelo agente, também branco. Porém, o procedimento é conduzido principalmente pelo próprio chefe de bri- gada, responsável como superior hierárquico e executor dos golpes fatais desferidos contra Domingos. Voltando-nos à apreciação da natureza da violência podemos dizer que esta se apresenta em diferentes formas, dificultando a construção de uma única de- finição, pois existem diversas leituras em razão da sua contextualização. Segundo Yves Michaud, uma conceituação possível na tentativa de sanar este problema seria de que “há violência quando, numa situação de interação, um ou vários atores agem de maneira direta ou indireta, maciça ou esparsa, causando danos a uma ou várias pessoas em graus variáveis, seja em sua integridade física, seja em sua integridade moral, em suas posses, ou em suas participações simbólicas e culturais.”142 Desta forma seria possível dar conta das várias faces que compõem a violência. Uma delas, a interação da máquina adminis- trativa que dilui responsabilidades ao multiplicar os participantes; o modo de sua produ- ção, que com o avanço tecnológico está cada vez mais indireto e “limpo”; ou ainda, a sua distribuição, que pode ser maciça ou gradual. Temos também que ressaltar que a violência é capaz de provocar os mais diferentes tipos de danos de ordem física, psíqui- ca, moral, patrimonial e até mesmo cultural. Essa dificuldade de definição da violência é atribuída ao elemento de imprevisibilidade total que se encontra na execução ou implementação da mesma, cos- tumeiramente marcada pela ausência de forma e regramento. No caso em tela, qual seja a situação de repressão política e violência descrita nas obras estudadas, visualizamos uma categoria de violência que é imposta pelo próprio Estado para manter o poder polí- tico, afirmando a sua supremacia, ainda que tenha de ignorar as limitações legais que regem a instituição do poder. Neste ponto percebemos a instauração de um paradoxo, uma vez que o Estado precisa das limitações legais para ser reconhecido como Estado soberano e não sofrer represálias por seus pares no cenário internacional, Todavia, o Estado necessita neutralizar ou controlar toda e qualquer instituição que ameace a cen- tralização dos três poderes apenas no âmbito do Executivo. Deparamo-nos com o “Esta- 142 MICHAUD, Yves. A violência. São Paulo: Ática, 2001, p. 10.
  • 88. 88 do fora-da-lei”,143 para usar uma expressão de Walnice Nogueira Galvão, que através de artifícios “pseudo-legais” como estado de sítio, estado de emergência, tribunais de ex- ceção, lei marcial, etc. transforma a vida política em prática clandestina, com a conse- qüente modificação de estatuto do cidadão cumpridor da lei e da ordem, que vivencia a inversão dos papéis, passando de mocinho a bandido. Michaud ressalta a surpreendente generalização da tortura no século XX que se reveste de nova roupagem através do terror imposto pelo Estado, colocando os cidadãos sob a ameaça do risco de tortura se forem presos. Interessante notar a mu- dança que houve quanto à natureza da tortura desde o século XVIII. Como podemos ver a partir de Beccaria,144 a tortura naquele tempo tinha a específica e isolada finalidade de obter a confissão. Durante o século XX encontramos a tortura como um instrumento que ainda é utilizado em interrogatórios para promover a confissão do acusado. Contu- do, notamos que a sua natureza foi ampliada no sentido de imprimir à sua vítima a hu- milhação e a noção de precariedade da vida, não existindo necessariamente o objetivo da confissão. Em Memórias do cárcere temos a violência que surge para sustentar o poder. Percebemos além do emprego da força física, a violência como intimidação mo- ral que se realiza com a inobservância da ética e da lei, um excesso incentivado pelo Estado, com as prisões arbitrárias, mas também a crueldade nos relacionamentos inter- pessoais, em que, por exemplo, o soldado carcereiro impõe a disciplina aos presos com a humilhação (braços cruzados) e a aniquilação (surras, fome, trabalho forçado). Como salienta Alfredo Bosi, a “violência ou solidariedade podem irromper de modo aleatório, a qualquer momento, no anonimato do cárcere. O que oprime o sujeito, aqui tornado objeto, é não saber de quem virão, nem quando, nem como, nem por quê.”145 No romance angolano, a personagem Domingos demonstra uma ale- gria incontida ao perceber que está próxima a sua morte, e mesmo assim consegue manter em segredo a identidade de seus companheiros. A morte é um bálsamo que si- 143 Expressão utilizada por Walnice Nogueira Galvão em palestra “Os fora-da-lei da literatura”, proferida no dia 05 de junho de 2004 no Centro Cultural Banco do Brasil (São Paulo), durante o evento “Novos olhares sobre a Literatura”. 144 Cf. BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das penas. São Paulo: Martin Claret, 2000. 145 BOSI, Alfredo. “A escrita do testemunho em Memórias do cárcere”. In: ______. Literatura e resistên- cia. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 231.
  • 89. 89 gnifica muito mais do que o término do suplício físico: é uma afirmação da força e da vitalidade do movimento de libertação que continua mais forte depois da sua morte como percebemos pela aclamação feita pela personagem Mussunda no capítulo final do romance. Neste caso temos um exemplo do fenômeno da fraternidade no campo de ba- talha descrito por Frantz Fanon, em que a violência coletiva engendra uma cumplicida- de trazendo a morte individual como elemento vitalizador da imortalidade do grupo (mesmo que contraditório visto que a morte é a experiência mais antipolítica que exis- te). Ambos os escritores retratam a violência através de uma narrativa marcada por movimentos temporais em que o narrador se desloca do presente ao passa- do. Enquanto no romance de Luandino vemos inúmeras analepses, em seu livro de me- mórias, Graciliano apresenta um narrador que constantemente menciona fatos do pre- sente do seu narrar, quando se afasta da continuidade da narração para dizer sobre algo que o inquieta no momento presente da escrita. Esta característica das narrativas estuda- das parece demonstrar uma dificuldade na superação dos acontecimentos violentos que permeiam cada uma das obras. A par dessa diferenciada narração, percebemos em am- bas as personagens centrais a perda da noção de duração temporal dos episódios de vi- olência a que ficam submetidas. A princípio, podemos achar que a repetição de episódios traumáticos através da ficção demonstre a não superação do trauma, todavia, a escrita pode signifi- car justamente a saída para o afastamento da desumanização imposta pelo efeito causa- do pela violência. Afinal, parece que é por meio da tensão entre a linguagem e a violên- cia que o escritor poderá buscar a superação do trauma, ao criar uma forma de resistên- cia ao silêncio e a morte. Os escritores em questão – Graciliano e Luandino – parecem ter cumprido o seu destino, como intelectuais, qual seja, de enunciar a história dos con- flitos de sua sociedade. Para refletirmos quanto aos efeitos da violência sobre a forma de re- presentação literária da experiência do indivíduo ou da coletividade subjugada, aponta- mos algumas pistas que indicam uma certa instabilidade na construção das efabulações nas obras citadas. Temos inicialmente que voltar-nos para o caso do narrador fragmen- tado que surge em Memórias do cárcere como uma mescla entre autor, narrador e per-
  • 90. 90 sonagem, e traz o leitor a um “presente” comum quando realiza intervenções como refe- rências ao presente da escrita ou caminhos para a leitura. Em A vida verdadeira de Do- mingos Xavier, o narrador movimenta-se entre a terceira e a primeira pessoa, colando-se a alguma das personagens para expressar divagações e pensamentos. Outra pista seria a ruptura com a continuidade temporal que, a nosso ver, pode ter sido causada pelo im- pacto traumático da violência e de perdas vividas. Essa descontinuidade pode ser verifi- cada também na voz narrativa, que se interroga e se desloca. Ambos os casos possuem a ruptura com a continuidade temporal. A violência, mais do que simplesmente descrita, impregna de modo indelével o foco narrativo, atingindo assim um grau diferenciado na sua representação. Entendemos que ao tratar a violência como matéria para a sua criação literária, Luandi- no e Graciliano imprimem ao seu texto um caráter ético e moral para desautorizar uma eventual legitimidade dessa violência. Esta reflexão nos leva ao encontro da colocação de Roberto Schwarz pela qual “a fratura da forma aponta para impasses históricos,”146 e corrobora a perspectiva em que a ruptura aponta para a existência de tensões que per- meiam a obra ficcional, indicando um contexto sócio-político problemático enfrentado pelo escritor em dado momento. Refletindo um pouco mais acerca da ruptura da forma, e tentando ir além, voltamos ao encontro dos autores estudados, Luandino e Graciliano. Tanto no romance angolano (A vida verdadeira de Domingos Xavier) quanto nas memórias (Me- mórias do cárcere) existe um contexto sócio-político tenso e problemático, mas perce- bemos que existem posturas diferenciadas dos escritores para fazer frente a esta tensão. Luandino adota a forma romance com uma mudança de perspectiva narrativa, ora onis- ciente, ora colado a uma personagem, variando assim em todo o romance (panorama das personagens dando voz à mulher, a criança, ao velho). Traz em suas linhas a terrível descrição dos momentos de violência, em especial da tortura do protagonista, Domingos Xavier. Entendemos que há um distanciamento do autor em relação a esta violência, e um certo “juízo racional” em esmiuçá-la. Ousamos dizer que o fato do escritor não ter vivenciado esta violência – o romance foi escrito antes da sua prisão – o deixou mais 146 SCHWARZ, Roberto. “Questões de forma”. In: ______. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2000, p. 182.
  • 91. 91 livre para se movimentar no campo ficcional e trabalhar o contexto sócio-político de Angola no período de irrupção da luta armada pela libertação nacional. Por outro lado temos Graciliano, um escritor imerso em todas as vicis- situdes da ditadura de Getúlio Vargas na década de 1930: o ambiente desconfortável da repartição pública, as relações políticas corroídas pelo tráfico de influência e pela cor- rupção, o desrespeito aos direitos básicos de cidadania, etc. Parece-nos que estas cir- cunstâncias tiveram força o suficiente a ponto de influenciar o escritor na decisão de adotar a forma memorialista para tratar de um assunto tão abjeto e que tanto o pertur- bou. No entanto, se compararmos as cenas que poderiam ser classificadas como relati- vas à violência, Graciliano dá um tratamento mais velado, não se permitindo cair em descrições sangrentas. Adota um certo decoro literário, pois não precisa do grotesco para causar impacto no seu leitor, posto o caráter de indignidade e ironia que perpassa toda a sua narrativa. Acreditamos que este impasse, somado ao receio da perseguição do DEOPS – Delegacia de Ordem Política e Social, foi responsável pela retenção de Gra- ciliano por tão longo período para escrever algo sobre aquele período traumático para tantos brasileiros. Junte-se a esta reflexão a promessa/ameaça de contar o horror e a ignomínia vivida no interior da Colônia Correcional: — Que beleza, doutor! Que maravilha! Chegávamos à cancela. E experimentei de chofre a necessidade im- periosa de expandir-me numa clara ameaça. A desarrazoada tenta- ção era tão forte que naquele instante não me ocorreu nenhuma idéia de perigo. — Levo recordações excelentes, doutor. E hei de pagar um dia a hospitalidade que os senhores me deram. — Para como? Exclamou a personagem. — Contando lá fora o que existe na ilha Grande. — Contando? — Sim, doutor, escrevendo. Ponho tudo isso no papel. O diretor suplente recuou, esbugalhou os olhos e inquiriu carrancudo: — O senhor é jornalista? — Não senhor. Faço livros. Vou fazer um sobre a Colônia Correcio- nal. Duzentas páginas ou mais. Os senhores me deram assunto magnífico. Uma história curiosa, sem dúvida. O médico enterrou-me os olhos duros, o rosto cortante cheio de som- bras. Deu-me as costas e saiu resmungando: — A culpa é desses cavalos que mandam para aqui gente que sabe 147 escrever.
  • 92. 92 Esta passagem demonstra o firme e determinado propósito de produzir o depoimento sobre as experiências vividas na prisão, que até então era somente indica- do pelas anotações escondidas ou perdidas, e que surgem no decorrer da narrativa. O diretor da Colônia teme que o preso seja um jornalista, mas se tratava sim de um artesão da palavra, que não se contentaria com a simples descrição dos horrores como fez Newton Freitas.148 A busca iniciada desde o início da prisão era do tom mais acertado, do texto mais adequado; não se sentia a vontade para construir um romance, todavia não se permitia também a singela descrição do jornalista. Percebemos que existem “necessidades históricas” distintas em rela- ção aos contextos nos quais estão inseridos Luandino e Graciliano. Em Angola, havia a necessidade da afirmação da identidade nacional, e nesse passo, a consolidação da lite- ratura angolana como um sistema literário nacional. Essa condição impunha aos escrito- res uma busca pelo aperfeiçoamento da forma literária e uma produção intensa que era divulgada em periódicos e em cópias mimeografadas em razão das dificuldades de edi- ção das obras. A vida verdadeira de Domingos Xavier é o primeiro romance escrito por Luandino que até então havia escrito apenas contos. No Brasil, podemos dizer que essa “necessidade histórica” se caracteriza por uma circunstância que atravessa a fase da Geração de 30, os desmandos da ditadura de Getúlio Vargas. Além disso, existe a parti- cularidade das exigências feitas pelo meio literário e pelo próprio Partido Comunista Brasileiro, que esperam a perpetuação da História em depoimentos pessoais. 5.2 O autoritarismo e o testemunho O que vemos nas obras em análise é um panorama de uma situação política e governamental que muitos classificam precipitadamente de autoritarismo. Em verdade ao compulsarmos um dicionário constatamos que este vocábulo se presta a in- dicar um sistema político que concentra o poder nas mãos de uma só autoridade ou mesmo de uma pequena elite. Segundo Houaiss o autoritarismo existe desde 1877. Esse termo é sinônimo de arbitrário (datado de 1544), e significa aquele que não segue regras ou normas, que é abusivo, despótico e violento. Todavia, o século XX trouxe consigo 147 RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio, S.Paulo: Record, 1984, vol. 2, p. 158.
  • 93. 93 novas formas de poder e assim descobrimos o totalitarismo. Este conceito se mostra mais abrangente para dar conta dos sistemas políticos que surgiram a partir da queda do poder monárquico e a ascensão da república. No verbete do Houaiss o totalitarismo nas- ce em 1931 e se coloca como o conceito político do homem como servo do Estado, ou seja, o cidadão dominado e manipulado em favor do Estado. Aponta também para o poder que não admite divisão ou qualquer forma legal de oposição, o que implica na existência de partido único que controla todas as instituições que compõem o Estado.149 Temos assim uma classificação mais apropriada aos regimes de exce- ção que grassam pelo mundo contemporâneo. Hannah Arendt foi uma estudiosa incan- sável das questões políticas do século XX e por isso procuramos refletir, a partir de seus ensinamentos, sobre as condições totalitárias de poder que vimos nos contextos angola- no e brasileiro descritos nas obras em análise. Ao se debruçar sobre a natureza do regi- me totalitário nas sociedades contemporâneas, Hannah Arendt destaca o papel das mas- sas no cenário político caracterizado pelo enfraquecimento da participação dos cida- dãos. Para a pensadora, “o termo massa só se aplica quando lidamos com pessoas que, simplesmente devido ao seu número, ou à sua indiferença, ou a uma mistura de ambos, não se podem integrar numa organização baseada no interesse comum, seja partido po- lítico, organização profissional ou sindicato de trabalhadores.”150 Essa debilidade apon- tada é o ponto central que determina a possibilidade da instalação do poder totalitário. Com a exclusão dos cidadãos do processo político não há oposição que impeça que o Estado proceda a todas as manipulações que lhe sejam favoráveis. Outro ponto importante que devemos ressaltar nas reflexões de Han- nah Arendt é a distinção que se coloca entre regime totalitário e movimento totalitário. Essa diferenciação cabe para demonstrar que até mesmo uma sociedade democrática não está imune às mazelas do totalitarismo. Quando falamos em regime, a noção que vem à tona é a de um estado político constituído inteiramente. Contudo, existem fatores como o enfraquecimento das massas que indicam a movimentação política numa dire- ção específica que pode determinar uma trajetória totalitária. Mesmo a mais democráti- ca das sociedades pode ser destruída por movimentos extremistas que se valem da livre 148 Cf. Anexo C deste trabalho. 149 As consultas ao Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa foram todas efetuadas em sua versão ele- trônica disponível através da web no endereço http://houaiss.uol.com.br. 150 ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 361.
  • 94. 94 manifestação, instituição basilar da democracia, para assim “legalizar” um movimento totalitário. Como nos aponta Newton Bignotto, “nunca é demais lembrar que Hitler chegou ao poder por meios legais. As massas, no entanto, até mesmo por suas caracte- rísticas, só se tornam ativas quando conduzidas por um líder, que lhes empresta um rosto e confere um sentido para suas ações.”151 Guardadas as devidas proporções, temos no contexto das obras ficcionais que estudamos a presença de ditadores, António Sala- zar em Portugal, e indiretamente pela via da Administração Colonial em Angola, e Ge- túlio Vargas no Brasil, que também foram líderes, assim vistos por seu carisma e atua- ção populista. Interessante notar que a propaganda de governo nasceu com o totalita- rismo. Para manter-se a legitimidade desse Estado totalitário, os líderes tomam a propa- ganda como instrumento para forjar uma realidade encantatória às massas, o que se im- põe haja vista a implementação de recursos limitadores da liberdade de expressão como a censura. Não havendo o confronto de posições, as massas seguem encantadas por es- ses líderes, tendo como horizonte real e coerente a sua propaganda que se reveste de caráter científico, superando eventuais contradições com a realidade vivida. Neste cená- rio, permanece latente, mas quase sempre encoberto, o elemento essencial à existência do totalitarismo, que nas palavras de Hannah Arendt, é o terror: “se a lei é a essência do governo constitucional ou republicano, o terror constitui aquela do governo totalitá- rio”.152 Esse foi o principal elemento da estratégia política que atravessou o século XX chegando até os nossos dias. Da mesma forma que temos esse encadeamento de forças pelo qual o Estado institucionaliza a violência, e, portanto, podemos dizer que ele próprio incentiva o terror para a sustentabilidade do totalitarismo, acreditamos que exista uma contrapar- tida no campo intelectual, e, por conseguinte, na literatura. A primeira metade do século XX foi varrida por genocídios que repercutiram na Literatura com o surgimento dos depoimentos dos sobreviventes do extermínio nazista. Esse movimento foi seguido pe- los testemunhos dos sobreviventes nas ditaduras militares na América do Sul. Muito embora Antonio Candido considere as memórias da cadeia de Graciliano apenas como 151 BIGNOTTO, Newton. “O totalitarismo hoje?”. In: AGUIAR, Odílio Alves et al. Origens do totalita- rismo: 50 anos depois. Rio de Janeiro, Fortaleza: Relume Dumará / Secretaria da Cultura e Desporto, 2001, p. 39. 152 ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 101.
  • 95. 95 um documento humano, “depoimento, relato que se esforça por ser direto e desataviado, testemunho sobre o mundo da prisão, visto do ângulo da sua experiência pessoal,”153 consideramos relevante a dedicação cada vez mais presente entre os críticos literários de uma nova modalidade possível de gênero, o testemunho. Alfredo Bosi destaca essa nova concepção de tratamento da forma com a utilização da memória de fatos históricos para a construção literária, mas tentando preservar algum compromisso com a realidade ob- jetiva.154 Conhecida como literatura de testemunho, trata-se de uma escrita situada na linha da fronteira entre a ficção e a historiografia, entre a memória e o engajamento. Documento para alguns, testemunho para outros, o fato é que Memórias do cárcere dão o tom do paradoxo testemunhal em que o autor permanece dividido entre a mimese e a mediação dos fatos experimentados. A questão do realismo parece-nos um item de destacada importância no avanço de nossa pesquisa no estudo comparado entre Luandino Vieira e Graciliano Ramos, principalmente em razão de nosso objetivo em analisar mais profundamente os aspectos de denúncia e testemunho existentes nas obras escolhidas. Para empreender uma análise que se mostre consistente e passível de ampliação, percebemos que mais do que apontar o momento histórico específico do qual emergem as obras ficcionais em questão, é imprescindível a recolha de pistas quanto à forma das mesmas, analisando exaustivamente as personagens, o foco narrativo, o enredo, enfim, as tensões que as permeiam, o que pretendemos esboçar neste momento. A existência de uma contraposição entre o homem e a experiência do mundo moderno parece representar o cerne da possibilidade de compreensão do roman- ce que é sempre resultado de seu tempo histórico. Por essa razão o romance é um gêne- ro de características flexíveis que exige técnicas narrativas que se conformem à realida- de a ser representada. Assim, é possível consolidar na forma literária do romance a ex- periência histórica de uma situação nova. Davi Arrigucci Jr. nos dá a medida dessa questão de forma no seu ensaio crítico sobre O Quinze de Rachel de Queirós: “Esse processo (de modernização do país) mais amplo se exprime na novidade formal do ro- mance, cujo modo de ser inclui a dimensão problemática da experiência a que ele dá 153 CANDIDO, Antonio Candido. Ficção e confissão: ensaios sobre a obra de Graciliano Ramos. São Paulo: Editora 34, 1992, p. 88. 154 BOSI, Alfredo. “A escrita do testemunho em Memórias do cárcere”. In: ______. Literatura e resistên- cia. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 221.
  • 96. 96 forma, permitindo, ironicamente, por sua expressão rica e contraditória, uma visão críti- ca do próprio processo histórico que de algum modo o condiciona.”155 Um ponto crucial para o avanço da reflexão acerca do realismo parece ser o questionamento da sua capacidade de transcrição da realidade. Para Aristóteles a imitação pode representar a construção de uma versão provável, verossímil que permite refletir sobre o real, ao dizer que “a obra do poeta não consiste em contar o que aconte- ceu, mas sim coisas que podiam acontecer, possíveis no ponto de vista da verossimi- lhança ou da necessidade.”156 Mas então quais seriam as mediações capazes de tal re- sultado? Theodor W. Adorno ao refletir sobre a recepção da obra de Paul Valéry na Alemanha fala da degradação da arte com a adoção da mediação “fácil” que se dê atra- vés da forma menos resistente e do discurso “simplório,” na busca pelo imediatismo acessível às massas.157 Para a preservação da coerência e da lógica da obra de arte seria necessária uma postura antitética, contra aquilo que se pensa que é a realidade, mas que na verdade é apenas fachada. A arte, pois, deve ser a figura da contradição do modo de se ver o mundo, e a realidade efetiva do conteúdo das obras de arte não tem, assim, o mesmo sentido da realidade concreta, o que se tem é uma construção formal que cria um outro mundo possível. Ao referirmo-nos a esta classificação – literatura de testemunho – con- sideramos a acepção tomada pelos membros do Júri do Prêmio “Casa de las Américas” de 1969, ocasião em que foi sugerida a criação da categoria “testimonio”, a partir da constatação de que vários textos em julgamento escapavam ao padrão do romance, pois tomavam a prosa para narrar a participação em ações revolucionárias. Assim, em razão das considerações do júri do referido prêmio, nesta forma narrativa podemos verificar a existência de vínculo entre o testemunho e o compromisso social, bem como a possibi- lidade de uma segunda versão para a história oficial. Segundo Valéria De Marco,158 esta concepção de grande flexibilidade quanto à forma do texto somada a experiências de embate ideológico, possibilita anali- 155 ARRIGUCCI JR., Davi. “O sertão em surdina: ensaio sobre O Quinze”. In: Vários. Literatura e socie- dade. São Paulo: USP/FFLCH/DTLLC, n. 1, 1996, p. 111. 156 ARISTÓTELES, “Poética”. In: Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996, p. 39. 157 ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades / Editora 34, 2003, p. 163. 158 MARCO, Valéria De. “Questões sobre a literatura de testemunho”. In: Vários. Revista de Língua e Literatura, São Paulo, n. 25, 1999, p. 157.
  • 97. 97 sar uma tendência da produção literária que ultrapassa os limites geográficos da Améri- ca Latina, alcançando todo o território global solapado pela barbárie da “era dos extre- mos” de Hobsbawn. O testemunho enfrenta uma questão crucial para a sua existência que é a delicada relação entre linguagem e violência. O escritor fala daquilo que vi- veu/experimentou na precariedade do agora, de um presente marcado pelo movimento do trauma, no qual escrever é conviver com a incapacidade de dizer, a dificuldade de moldar a linguagem para que o seu discurso seja a representação de resistência ao reco- lhimento, ao silêncio e à morte. Assim é necessário reproduzir o paradoxo que ocorre entre o momento do fato narrado e a linguagem da permanência, ou seja, a tensão exis- tente entre o passado e o presente. Cumpre destacar a importância de se delimitar a diferença entre vi- vência e experiência, pois enquanto a vivência da barbárie do século XX atingiu alguns milhões de seres humanos, a experiência de extermínio coube a todos nós. Deste modo, entendemos que com a ocorrência de desastres como as duas grandes guerras mundiais entre outros, a literatura contemporânea ficou diante de um impasse específico e global, impondo a necessidade de uma nova forma de representação das experiências vividas. Ainda que tenhamos ciência de que há a necessidade de um aprofun- damento teórico para a consolidação e robustez das reflexões empreendidas, inclinamo- nos cada vez mais pelo entendimento de que o testemunho, como opção formal literária, obteve um destaque crescente ao longo do século XX, surgindo como resposta à neces- sidade de se dizer algo novo como o aniquilamento do ser humano, sem o intuito de resgatar ou explicar, mas simplesmente de registrar aquilo que se perdeu. Assim, vislumbramos uma nova possibilidade de justaposição de obras literárias a partir do testemunho, haja vista a tendência observada por todo o sé- culo XX no crescente número de escritores que tentam se colocar diferentemente quanto à sua criação. O depoimento e o testemunho não estão adstritos à autobiografia e nem ao registro histórico através da ficção, tomando meias formas como em Memórias do cár- cere, especialmente em razão da urgência do tempo. Como Luandino nos fala na sua entrevista, a experiência vivida ou vivenciada no seu tempo não tem melhor lugar para ser trabalhada do que na própria ficção. No entanto, muitos escritores se debruçam so- bre o presente como matéria de sua “ficção” seja pela urgência do depoimento ou mes-
  • 98. 98 mo pela necessidade pessoal de catarse da experiência vivenciada pela escrita. A falta de distanciamento entre a escrita e a experiência da catástrofe parece-nos configurar uma nova tentativa expressão formal da realidade, o que alguns críticos chamam de testemunho, e assim, melhor compreender a relação possível entre a literatura e as expe- riências contemporâneas do ser humano. 6. Considerações Finais Uma das características mais latentes, e que entendemos comum aos dois escritores nas obras comparadas, é a utilização de uma linguagem objetiva e clara, materializada nas respectivas escritas. Luandino e Graciliano optaram por formas dife- rentes ao eternizarem seus libelos de defesa da vida e da dignidade humana, no entanto, cuidaram para que os seus discursos alcançassem um determinado leitor. Arriscamos dizer que se trata do leitor comum, e não apenas do seu tempo. A representação do hor- ror derivada da necessidade do depoimento, do testemunho foi realizada buscando uma validade literária que não seria possível por um singelo relato com ares de reportagem. Nesse ponto ressaltamos a opinião de Graciliano Ramos sobre o que pode fazer diferen- ça no tratamento formal e literário da representação da catástrofe: Newton Freitas não é ficcionista. Fazendo reportagem, procura ser ri- gorosamente escrupuloso – e se algum pecado comete, é por tornar- se às vezes conciso demais. Isto leva-o a deixar na sombra coisas que, na situação em que ele se achava, eram vulgares, mas que aqui fora causariam espanto. O autor só nos mostra a parte externa dos indivíduos. As suas perso- nagens andam bem, falam, mexem-se. Notamos os seus movimentos e vemos onde elas pisam, mas não percebemos o interior delas. Es- tão atordoadas, evidentemente, não podem pensar direito, mas teria sido bom que os acontecimentos se apresentassem refletidos na- queles espíritos torturados. Seria preferível que, em vez de vermos um soldado empurrando brutamente os presos por uma escada com o cano duma pistola, sentíssemos as reações que o soldado, a pistola e a escada provocaram na mente dos prisioneiros. Tendo da multidão que nos descreve uma visão puramente objetiva, Newton esgotou o 159 assunto depressa e a narrativa saiu curta.
  • 99. 99 Luandino Vieira, por sua vez, também externa a sua preocupação com a forma da realização do testemunho através da criação literária, como vimos em re- cente entrevista à autora: O mesmo tipo de reflexão sobre a prisão agora? Penso que sim. Se conseguisse um bom nível literário, porque independentemente disso, as Memórias do cárcere é um livro extremamente bem construído e bem escrito. Ou um livro como Se isto é um homem, do Primo Levi. Se eu sentisse que posso fazer com essa dignidade literária, eu faço. Só para deixar testemunho não sei, há testemunhos, testemunhos desses não faltam. [...] Porque se é só do ponto de vista literário, também há a ficção em que a nossa experiência sempre se incorpora. O melhor que se possa ti- rar dessa experiência, entra na ficção, não é preciso escrever as 160 memórias. As obras que serviram de objeto para este estudo comparatista foram tomadas em razão da sua proximidade em relação à posição de seus autores no campo intelectual. Luandino e Graciliano, inseridos em um contexto de extrema repressão, ain- da que representada por momentos históricos distintos, se empenharam no registro de acontecimentos de horror vivenciados, cada qual norteando a sua criação literária de modo a atender uma demanda específica da sua realidade. Entendemos que a opção feita pelos escritores espelha uma preocupação com essa demanda, ainda que inconsciente- mente. Em se tratando da narrativa de Luandino Vieira, a demanda consistia na necessidade de consolidação da identidade nacional angolana, cujos símbolos foram fixados pela ficção com a produção literária e cultural realizada pela jovem intelectuali- dade luandense. Para além da denúncia da violência que o colonizador português utili- zava para administrar a colônia, a criação literária foi uma importante seara para a afir- mação identitária, a chamada angolanidade. Quanto à narrativa de Graciliano Ramos, percebemos que a mesma foi impulsionada por uma demanda diferenciada, tendo em vista que o contexto brasileiro não estava numa fase de afirmação da coletividade. O que vemos é a necessidade de oposição ideológica que se manifesta através de depoi- 159 Cf. Anexo C deste trabalho. RAMOS, Graciliano. Linhas tortas. Rio de Janeiro: Record, 2005. 160 Cf. Anexo B deste trabalho.
  • 100. 100 mentos e relatos jornalísticos que buscam defender a dignidade do indivíduo, do cida- dão. Em relação à adequação do gênero escolhido pelos escritores e as pro- postas ficcionais que resultaram de suas criações literárias, entendemos que houve com- patibilidade bastante para dar conta das demandas que se apresentavam à altura. Ressaltamos, sobretudo, a relevância da Literatura que espelha a força inerente ao ser humano no sentido da sobrevivência digna da espécie, singelamente re- presentada pela epígrafe que escolhemos para este trabalho: “Eu não tenho hora pra morrer, por isso sonho”. Essa é a leitura contemporânea e popular que encerra o caráter de busca permanente da garantia dos direitos básicos para a sobrevivência digna do ser humano. E podemos dizer que neste bojo estão incluídos também institutos como a ci- dadania, a cultura, o pertencimento a uma comunidade imaginada, a autodeterminação dos povos. Em certa medida é o que encontramos nas narrativas escolhidas para a elabo- ração desse estudo comparado. Os protagonistas Domingos e Graciliano não se entre- gam nunca à desesperança e à morte, ainda que esta esteja à porta. São exemplares os momentos que narram a morte de Domingos e Domício. No caso do romance de Luan- dino, até o último minuto vemos a exaltação da alegria da vitória da nação angolana que tem naquela morte, naquele momento de extinção e desgraça, a glória de um caminho que se mantém pelo congraçamento dos que se alinham pela libertação angolana. Quanto à morte da personagem Domício, muito embora o protagonista Graciliano se sinta completamente arrasado inicialmente ao presenciar a retirada do corpo enrolado no lençol imundo, logo está enredado nas histórias de Cubano e na determinação de João Francisco em sair vivo daquele inferno. A vida movida pelo impulso da sobrevivência e da preservação, mantém a partir de uma postura utópica em almejar um devir histórico melhor e mais justo, uma chama que teima e se acende repetidamente através de inicia- tivas revolucionárias capazes de mudança. 7. Levantamento bibliográfico
  • 101. 101 7.1 Dos Autores RAMOS, Graciliano. Alexandre e outros heróis. 9ª ed. São Paulo: Livraria Martins, 1972. 207p. ______. Angústia. Rio de Janeiro, São Paulo: O Globo, Folha de São Paulo, 2003. 222p. ______. Caetés. Posfácio de Wilson Martins. Ilustrações de Poty. 29ª ed. Rio de Janei- ro, São Paulo: Record, 2002. 239p. ______. Cartas. 7ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1992. 225 p. ______. Cartas à Heloísa. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura / PMSP, 1992. 85p. ______. Infância. Posfácio de Octávio Faria. Ilustrações de Darcy Penteado. 34ª ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2000. 272p. ______. Insônia. 22ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1987. 175 p. ______. Linhas tortas: obra póstuma. 16ª ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1994. 270 p. ______. Memórias do cárcere. Prefácio de Nelson Werneck Sodré. Ilustrações de Percy Deane. 19ª ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1984. 2v. ______. São Bernardo. Posfácio de João Luiz Machado Lafetá. Ilustrações de Darel. 66ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1996. 224p. ______. A terra dos meninos pelados. 13ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1990. 61 p. ______. Viagem. 14ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1984. 193 p. ______. Vidas secas. Posfácio de Álvaro Lins. Ilustrações de Aldemir Martins. 78ª ed. Rio, São Paulo: Record, 1999. 160p. ______. Viventes das alagoas: quadros e costumes do nordeste (obra póstuma). Capa de Clóvis Graciano. 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins, 1967. 189 p. VIEIRA, José Luandino. A cidade e a infância: contos. Lisboa: Casa dos Estudantes do Império, 19--. 78 p.
  • 102. 102 ______. João Vêncio: os seus amores. Prefácio por Fernando J. B. Martinho. Lisboa: Edições 70, 1979. (Coleção Autores Angolanos). 142 p. ______. Lourentinho, Dona Antónia de Sousa Neto & eu. Lisboa: Edições 70, 1981. 154 p. ______. Luuanda: estórias. São Paulo: Ática, 1982. (Série Autores Africanos, v. 10). 127p. ______. Macandumba. 2ª ed. Lisboa: União dos Escritores Angolanos - UEA, 1989. 183 p. ______. No antigamente, na vida: estórias. 3ª ed. Lisboa: Edições 70, 1977. 200p. ______. Nós, os do Makulussu. 4ª ed. Lisboa: Edições 70, 1985. 159p. ______. Nosso musseque. Ilustração de Monginho. Luanda, Lisboa: Nzila, Caminho, 2003. 191p. ______. Velhas estórias. 3ª ed. Luanda, Lisboa: União dos Escritores Angolanos-UEA, 1989. 213p. ______. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Prefácio de Fernando Augusto Albu- querque Mourão. Ilustração de Mário Cafiero. São Paulo: Ática, 1980. (Série Autores Africanos, v. 1º). 96p. ______. Vidas novas. Desenhos de José Rodrigues. 5ª ed. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1985. 167p. 7.2 Sobre Graciliano Ramos ABDALA JÚNIOR, Benjamin. Representação e participação: a dinâmica do concreto nos romances de Carlos de Oliveira e Graciliano Ramos. 1977. 208 f. Tese (Doutorado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. A escrita neo-realista: análise sócio-estilística dos romances de Carlos de Oli- veira e Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1981. ______. “Eça de Queirós e Graciliano Ramos”. In: Vários. 150 anos com Eça de Quei- rós. São Paulo: FFLCH-USP, 1997, p. 122-130.
  • 103. 103 BASTOS, Hermenegildo. Memórias do cárcere, literatura e testemunho. Brasília: UnB, 1998. BOSI, Alfredo. “Céu, inferno”. In: ______. Céu, inferno: ensaios de crítica literária e ideológica. 2ª ed. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2003. (Coleção Espírito Crí- tico). 496p. ______. “A escrita do testemunho em Memórias do cárcere”. In: ______. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 221-237. BULHÕES, Marcelo Magalhães. Literatura em campo minado: a metalinguagem em Graciliano Ramos e a tradição literária brasileira. 1993. 178 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. BUMIRGH, Nádia Regina Marques Coelho. Graciliano Ramos e a Revista Cultura Política: pequena abordagem interpretativa na proposta de edição crítica de Vi- ventes das Alagoas. 2003. 2 vol. + anexos. Tese (Doutorado em Literatura Bra- sileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. São Bernardo de Graciliano Ramos: proposta para uma edição crítica. 1998. 341 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre a obra de Graciliano Ramos. São Paulo: Editora 34, 1992. ______. Graciliano Ramos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Agir, 1996. 130 p. (Coleção Nossos Clássicos, nº 53). CARELLI, Fabiana Buitor. Porões da memória: ficção e história em Jorge Amado e Graciliano Ramos. 1997. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. CARPEAUX, Otto Maria. “Visão de Graciliano Ramos”. In: GARBUGLIO, José Car- los et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 243-247. (Coleção Es- critores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). CARVALHO, Lucia Helena de Oliveira Vianna. Mulher em cena: cenas de amor e morte na ficção brasileira. 1990. 240 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasilei- ra) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. CARVALHO, Luciano Ribeiro de. Reflexos da revolução russa no romance brasileiro dos anos trinta. 2000. 139 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) - Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. CASTRO, Gilberto de. Uma análise bakhtiniana do discurso citado em Infância e São Bernardo de Graciliano Ramos. 2001. 146 f. Tese (Doutorado em Semiótica e Lingüística Geral) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo.
  • 104. 104 CORRÊA JUNIOR, Angelo Caio Mendes. Graciliano Ramos e o Partido Comunista Brasileiro: as Memórias do cárcere. 2000. 123 f. Dissertação (Mestrado em Li- teratura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. CORVACHO, Suely. Caetés: decifra-me ou devoro-te (transfigurações da antropofagia em Caetés de Graciliano Ramos). 2004. 177 f. Tese (Doutorado em Teoria Lite- rária e Literatura Comparada) – Faculdade de Letras, Universidade de São Pau- lo. CRISTÓVÃO, Fernando Alves. “Graciliano Ramos: estrutura e valores de um modo de narrar”. In: GARBUGLIO, José Carlos et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 243-247. (Coleção Escritores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). FALLEIROS, Marcos Falchero. Retórica do seco. 1990. 151 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. FARIA, Octavio de. “Graciliano Ramos e o sentido do humano”. In: RAMOS, Gracili- ano. Infância. 34ª ed. Rio, São Paulo: Record, 2000. p. 249-265. FÁVERO, Afonso Henrique. Aspectos de memorialismo brasileiro. 1999. 370 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. FELDMAN, Helmut. “Graciliano Ramos: reflexos de sua personalidade na obra”. In: GARBUGLIO, José Carlos et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 275-279. (Coleção Escritores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). FELINTO, Marilene. Graciliano Ramos: outros heróis e esse Graciliano. São Paulo: Brasiliense, 1983. 78 p. (Coleção Encanto Radical, nº 30). GARBIERI, Marisa. Caminhos cruzados: um estudo comparativo entre São Bernardo e Casa na duna. 2000. 146 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. GARBUGLIO, José Carlos et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. (Coleção Escritores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). GARBUGLIO, José Carlos. “Graciliano Ramos: a tradição do isolamento”. In: ______ et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 366-385. (Coleção Escrito- res Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). GONÇALVES, Floriano. “Graciliano Ramos e o romance: ensaio de interpretação”. In: GARBUGLIO, José Carlos et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 248-253. (Coleção Escritores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). HAMUD, Munira Mustafá. Grapes of wrath de John Steinbeck e Vidas secas de Graci- liano Ramos. 1970. 68 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Comparada) - Fa- culdade de Letras, Universidade de São Paulo.
  • 105. 105 LAFETÁ, João Luiz. “O mundo à revelia”. In: RAMOS, Graciliano. São Bernardo. 66ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1996. p. 192-217. ______. “O porão de Manaus”. In: AGUIAR, Flávio (org.). Gêneros de fronteira. São Paulo: Xamã, 1997. LEBENSZTAYN, Ieda. Caetés: os incapazes de propriedade - vencedores e vencidos na forma criada por Graciliano Ramos. 2003. 201 f. Dissertação (Mestrado em Teo- ria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. LIMA, Valdemar de Souza. “O literato”. In: GARBUGLIO, José Carlos et alii. Gracili- ano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 333-340. (Coleção Escritores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). LINS, Álvaro. “Valores e misérias das vidas secas”. In: RAMOS, Graciliano. Vidas secas. 78ª ed. Rio, São Paulo: Record, 1999. p. 127-155. LORENCATO, Arnaldo Marcílio Monteiro. Paulo Honório/Madalena: um contrato de alto risco – análise da adaptação do romance São Bernardo para o cinema. 1994. 242 f. Dissertação (Mestrado em Cinema) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo. MARINHO, Maria Celina Novaes. A imagem da linguagem na obra de Graciliano Ra- mos: uma análise da heterogeneidade discursiva nos romances Angústia e Vidas secas. São Paulo: Humanitas, 2000. 110 p. MARTINS, Wilson. “Graciliano Ramos, o Cristo e o grande inquisidor”. In: RAMOS, Graciliano. Caetés. 29ª ed. Rio, São Paulo: Record, 2002. p. 221-236. MATTALIA, Eliane Jacqueline. Infância de Graciliano Ramos: gênese, trabalho esti- lístico. 1996. 537 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) - Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. A selva da seca: uma poética em Infância de Graciliano Ramos. 2003. 276 f. + anexos. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Uni- versidade de São Paulo. MERCADANTE, Paulo. Graciliano. São Paulo: Ática, 1979. MIRANDA, Wander de Melo. Contra a corrente: a questão autobiográfica em Gracili- ano Ramos e Silviano Santiago. 1986. 288 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. Graciliano Ramos. São Paulo: Publifolha, 2004. 88 p. (Folha Explica). ______. Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo, Belo Hori- zonte: Edusp e UFMG, 1992. 176 p.
  • 106. 106 MONTEIRO, Adolfo Casais. “Graciliano Ramos”. In: GARBUGLIO, José Carlos et alii. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987. p. 269-274. (Coleção Escritores Brasileiros, Antologia & Estudos, vol. 2). MORAES, Denis de. O Velho Graça. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992. MOURÃO, Rui. Estrutura: ensaio sobre o romance de Graciliano. 3ª ed. revista e am- pliada. Curitiba: UFPR, 2003. 205 p. (Série Clássico, nº 7). MUNERATTI, Eduardo. Atos agrestes: uma abordagem geográfica na obra de Gracilia- no Ramos. 1994. 134 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Fa- culdade de Letras, Universidade de São Paulo. PESSOA NETO, Anselmo. Paisagens do neo-realismo em Graciliano Ramos e Carlos de Oliveira. 1999. 155 f. Tese (Doutorado em Estudos Comparados de Literatu- ras de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. PINTO, João Pereira. A literatura como questionamento do sujeito da modernidade: Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos e A Peste, de Albert Camus. 2003. 000 f. Tese (Doutorado em Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. PINTO, Rolando Morel. Graciliano Ramos: autor e ator. 1960. 190 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. PUCCINELLI, Lamberto. Graciliano: figura e fundo. 1972. 157 f. Dissertação (Mestra- do em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. RABECCHI, Ana Lúcia Gomes da Silva. Casa-figuração do espaço/tempo em "Ilustre Casa de Ramires" e "São Bernardo". 2002. 145 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Le- tras, Universidade de São Paulo. RAMOS, Clara. Cadeia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992. ______. Mestre Graciliano: confirmação humana de uma obra. Rio de Janeiro: Civili- zação Brasileira, 1979. Coleção Retratos do Brasil, vol. 134. RAMOS, Ricardo. “Explicação final”. In: RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1984. p. 317-319. ______. Graciliano: retrato fragmentado. São Paulo: Siciliano, 1992. RODRIGUES, Marco Antonio. Não só, mas também: criminologia positiva em Angús- tia, de Graciliano Ramos. 2004. 106 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Bra- sileira) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. ROJAS, Yenny Marlene Molina. O realismo crítico de Graciliano Ramos. 1997. 100 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Univer- sidade de São Paulo.
  • 107. 107 SANTOS, Rubens Pereira dos. Vidas secas e Os flagelados do vento leste: insulamento e tragédia. 1995. 224 f. Tese (Doutorado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. SODRÉ, Nelson Werneck. “Memórias do cárcere”. In: RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 19ª ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1984. p. 7-30. VAZ, Susana Regina. História, memória, ficção: um estudo comparado de Memórias do cárcere e O ano da morte de Ricardo Reis. 1998. 126 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ZIMBER, Karola Maria Augusta. O Brasil de S. Bernardo de Graciliano Ramos em tradução alemã. 2004. 554 f. + anexos. Tese (Doutorado em Língua e Literatura Alemã) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. 7.3 Sobre José Luandino Vieira Entrevista de Luandino Vieira: Fascinam-me o crioulo e o vosso português eivado de arcaísmos. In Tribuna n. 14, ano IV, II série, p. 20-21, Praia (Cabo Verde), 16 de março de 1989. Entrevista de Luandino Vieira. Littérature angolaise. Le “luandais” tel qu´il se parle. Le Nouvel Afrique Asie, Paris, n. 9, p. 60-61, junho de 1990. ANDRADE, Mário Pinto de. “Uma nova linguagem no imaginário angolano”. In: LABAN, Michel. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, tes- temunhos, entrevistas). Lisboa: Edições 70, [s/d]. (Coleção Signos, vol. 32). BARROS, Liliane Batista. O sertão e o musseque: um estudo comparativo entre Saga- rana e Luuanda. 2002. 111 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literatura de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. BASTOS, Antelene Campos Tavares. Memória, travessia e alteridade em Nós, os do Makulussu. 1998. 96 f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura) – Facul- dade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais. CANIATO, Benilde Justo. “Aculturação lingüística em Luandino Vieira”. In: ______. Percursos pela África e por Macau. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2005. CARELLI, Fabiana Buitor. Ruína e construção: oralidade e escritura em João Guima- rães Rosa e José Luandino Vieira. 2003. 2 vol. + anexos. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo.
  • 108. 108 CHAVES, Rita de Cássia Natal. Entre intenções e gestos: a formação do romance an- golano. 1993. 257 f. Tese (Doutorado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. “José Luandino Vieira: consciência nacional e desassossego”. Revista de Le- tras. São Paulo, v. 40, p. 77-98, 2000. CUSTÓDIO, André. Interferência da linguagem local em Sagarana e em Luuanda. 2005. 130 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo, 2005. DIL, Fernando. Entrevista de Luandino Vieira. “Quando os mosquitos fazem parte da pena...”. Vida mundial, Lisboa, n. 1829, p. 35-41, 03 out 1974. DUTRA, Ivan Cupertino. A ilusão de totalidade no discurso amoroso de "João Vêncio: os seus amores". 1997. 000 f. Dissertação (Mestrado em Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. FIGUEIREDO, Eduardo. “Petição de Recurso nº 7070 pela Sociedade Portuguesa de Escritores”. In: Revista de Cultura, Lisboa, nº 09/10, ano IV, Editora Fon-Fon e Seleta, 1966. HORTA, Maria Teresa. “Entrevista com Luandino Vieira”. A Província de Angola, Luanda, 11 dez 1974, p. 13-14. ______. “Entrevista com Luandino Vieira – Escrever é reorganizar o caos”. Diário de Notícias, 27 set 1992, p. 2-3. EVERDOSA, Carlos. “Cartas do Tarrafal”. In: LABAN, Michel. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, testemunhos, entrevistas). Lisboa: Edi- ções 70, [s/d]. (Coleção Signos, vol. 32). GONÇALVES, Virgínia Maria. Arquétipos e a ruptura dos estereótipos na produção literária de Luandino Vieira. 1986. 175 f. Tese (Doutorado em Literatura Portu- guesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. LABAN, Michel. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, testemu- nhos, entrevistas). Lisboa: Edições 70, [s/d]. (Colecção Signos, vol. 32). ______. “Encontros com Luandino Vieira em Luanda”. In: ______. LUANDINO: José Luandino Vieira e a sua obra (estudos, testemunhos, entrevistas). Lisboa, Edi- ções 70, [s/d]. (Colecção Signos, vol. 32). ______. “Encontro com Luandino Vieira”. In: ______. Angola: encontro com escrito- res. I vol. Lisboa: Fundação Eng. Antonio de Almeida, [s/d]. p. 411-435. LARANJEIRA, Pires. “Especial Luandino Vieira – A Infância no Musseque da Pátria”. Jornal de Letras, Artes e Idéias, Lisboa, Ano XXIII, nº 850, de 30 abr 2003.
  • 109. 109 MACEDO, Tânia Celestino. Da fronteira do asfalto aos caminhos da liberade: imagens do musseque na literatura angolana contemporânea. 1990. 220 f. Tese (Doutora- do em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. Da Inconfidência à Revolução: trajetória do trabalho artístico de Luandino Vi- eira. 1984. 160 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo. ______. Angola e Brasil: estudos comparados. São Paulo: Arte & Ciência, 2002. MONTEIRO, Fernando. Entrevista de Luandino Vieira: Os escritores angolanos vão escrever sobre a paz. In Tribuna n. 14, ano IV, II série, p. 20-21, Praia (Cabo Verde), 01 a 15 de abril de 1989. OLIVEIRA, Maura Eustáquia. Vida nova em velhas estórias: o desanoitecer da lingua- gem em Luandino Vieira e Mia Couto. 2004. 000 f. Tese (Doutorado em Lite- raturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. OLIVEIRA, Rosa de Souza. Olhares epifânicos: a epifania nos contos "Amor" de Clari- ce Lispector e "À sexta-feira" de Luandino Vieira. 2000. 120 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Fa- culdade de Letras, Universidade de São Paulo. RIBEIRO, Leo Gilson. “A África e a liberdade de Luandino Vieira”. In: Jornal da Tar- de. Caderno de Programas e Leituras. Sábado, 03 de janeiro de 1987, p. 05. SANTILLI, Maria Aparecida. “João Guimarães Rosa e José Luandino Vieira, criadores de linguagens”. In: ______. Paralelas e tangentes: entre literaturas de língua portuguesa. São Paulo: Arte & Ciência, 2003. p. 91-108. ______. “No limiar do drama: contos de José Saramago, José Luandino Vieira, Mia Couto e Guimarães Rosa”. In: ______. Paralelas e tangentes: entre literaturas de língua portuguesa. São Paulo: Arte & Ciência, 2003. p. 159-174. TRIGO, Salvato. “Escola e prisão na escrita africana lusófona”. In: ______. Ensaios de literatura comparada afro-luso-brasileira. Lisboa: Vega, [s/d], p. 147-159. VIEIRA, José Luandino. Entrevista – “Toda a Literatura é uma Literatura Crítica”. Jornal Angolê, Luanda, Julho de 1988. VIEIRA, José Luandino. Entrevista para o Jornal O Estado de São Paulo – “A África e a Liberdade de Luandino Vieira”. São Paulo, 03/01/1987. XAVIER, Carmen Luiza Rabelo. Apropriação do código lingüístico do outro: a escrita literária de Luandino Vieira. 1997. 119 f. Dissertação (Mestrado em Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.
  • 110. 110 7.4 Geral ABDALA JR., Benjamin. Literatura, história e política: literaturas de língua portugue- sa no século XX. São Paulo, Brasília: Ática, CNPq, 1989. 199p. (Série Ensaios, v. 130). ______. Fronteiras múltiplas, identidades plurais: um ensaio sobre mestiçagem e hibri- dismo cultural. Coord. Lourenço Dantas Mota. São Paulo: Senac, 2002. 179p. (Série Livre Pensar, v. 13). ______. De vôos e ilhas: literatura e comunitarismos. Cotia(SP): Ateliê Editorial, 2003. 312p. (Coleção Estudos Literários, v. 15). ______. “Crioulidade e identidade nas literaturas de língua portuguesa”. In: SOUZA, Eneida Maria de, PINTO, Júlio César Machado (orgs.). Anais – 1º e 2º Simpó- sios de Literatura Comparada. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade Fede- ral de Minas Gerais, 1987, p. 36-43. ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades / Editora 34, 2003. 173p. ______. “Une réconciliation extorqué”. In: ______. Notes sur la littérature. Paris: Flammarion, 1974, p. 27-52. ALMEIDA, Fernando. Teoria Geral dos Direitos Humanos. São Paulo: [s/e], 1999. AMSELLE, Jean-Loup et M´BOKOLO, Elikia. Au coeur de l´ethnie. Paris: Éditions la Découverte, 1985. ANDERSON, Benedict. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática, 1989. ANDRADE, Mário Pinto de. Origens do nacionalismo africano, continuidade e ruptura nos movimentos unitários emergentes da luta contra a dominação colonial por- tuguesa: 1911-1961. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997. APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai. A África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. ______. As crises da república. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1999. ______. Entre o passado e o presente. 5ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2003. ARISTÓTELES. “Poética”. In: Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996. 320p. ARRIGUCCI JR, Davi. “O sertão em surdina: ensaio sobre O Quinze”. In: Vários. Lite- ratura e sociedade. São Paulo: USP/FFLCH/DTLLC, n. 1, 1996, p. 108-119.
  • 111. 111 AUERBACH, Erich. “Na mansão de la Mole”. In: ______. Mimesis. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. ______. “Germinie Lacerteux”. In: ______. Mimesis. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. AULETE, Caldas. Dicionário de Língua Portuguesa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Editora Delta, 1958. BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das penas. São Paulo: Martin Claret, 2000. BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1985. (Obras escolhidas, v. 1). 253p. BERND, Zilá. Literatura e identidade nacional. 2ª ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003. BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998. BIGNOTTO, Newton. “O totalitarismo hoje?”. In: AGUIAR, Odílio Alves et al. Ori- gens do totalitarismo: 50 anos depois. Rio de Janeiro, Fortaleza: Relume Duma- rá / Secretaria da Cultura e Desporto, 2001, p. 37-46. BITTENCOURT, Marcelo. Dos jornais às armas: trajetórias da contestação angolana. Lisboa: Veja Editora, 1999. BOBBIO, Norberto. Direito e Estado no pensamento de Emanuel Kant. 3ª ed. Brasí- lia(DF): Universidade de Brasília, 1995. 168p. ______. Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções dos homens de cultura na socieda- de contemporânea. Título original: Il dubbio e la scelta, Intelletuali e potere nella società contemporânea. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Unesp, 1997. (Biblioteca Básica). 187p. ______. Norberto Bobbio: o filósofo e a política: antologia. Rio de Janeiro: Contra- ponto, 2003. 520p. BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 4ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 420p. ______. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 297p. BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974. BOVERO, Michelangelo e BOBBIO, Norberto. Sociedade e Estado na Filosofia Políti- ca Moderna. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1996. 179p. BRIGMANN, Arcanjo Pedro. “Cidadania e Linguagem”. In: VÁRIOS. Educando para a cidadania: os direitos humanos no currículo escolar. Porto Alegre: Seção Bra-
  • 112. 112 sileira da Anistia Internacional e Centro de Assessoramento a Programas de Educação e Cidadania, 1992. CABAÇO, José Luís. “A questão da diferença na literatura moçambicana”. In: Via Atlântica, n. 7, São Paulo: FFLCH/USP, p. 61-70, out.2004 CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975. ______. Literatura e Sociedade. São Paulo: Nacional, 1985. ______. “A personagem do romance”. In: VÁRIOS. A personagem de ficção. 10ª ed. São Paulo: Perspectiva, p. 51-80, 2002. ______. Vários escritos. 3ª ed. revisada e ampliada. São Paulo: Duas Cidades, 1995. ______. Realidade e realismo (via Marcel Proust). In: ______. Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. ______. “Degradação do espaço”. In: ______. O discurso e a cidade. São Paulo: Livra- ria Duas Cidades, 1993. ______. “Aparecimento da ficção”. In: ______. Formação da Literatura Brasileira, 2º vol. 2ª ed. São Paulo: Ed. Martins, 1964. CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura Comparada. São Paulo: Ática, 1986. CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001. CHAVES, Rita. “Angola e Brasil: um diálogo de diferenças”. In: Vários. Boletim Bibli- ográfico. Biblioteca Mário de Andrade. São Paulo, v. 48, p.27-33, 1991. ______. “Geografia da memória na ficção angolana”. In: Anais. Belo Horizonte: Asso- ciação Brasileira de Literatura Comparada, 1991. v. 2, p.309-315. ______. “Brasil e Angola: história, literatura e consciência nacional”. In: Anais. Reuni- ão Anual da SBPC, 47. São Paulo: Sbpc, 1995, v.1, p.163. ______. “A literatura brasileira em contextos nacionalistas africanos”. In: Coleção Via Atlântica, v. 2. São Paulo: FFLCH-USP, 2002. p. 505-515. ______. “O passado presente na literatura africana”. In: Coleção Via Atlântica. São Paulo, n. 7, p. 147-161, 2004. COMPARATO, Fábio Konder. A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva, 1999. CORTÁZAR, Júlio. Valise de Cronópio. São Paulo: Perspectiva, 1974. DALARI, Dalmo. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, 1999.
  • 113. 113 DENIS, Benoît. Literatura e engajamento: de Pascal a Sartre. Bauru(SP): Edusc, 2202. FANON, Frantz. Os condenados da terra. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979. 275p. (Coleção Perspectivas do Homem, v. 42, Série Política). FAUSTO, Boris. A revolução de 1930: historiografia e história. 16ª ed. revista e ampli- ada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 159p. FISCHER, Ernst. A Necessidade da Arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1976. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 29ª ed. Petrópolis: Vozes, 2004. 262p. GEFFRAY, Christian. A causa das armas. Antropologia da guerra contemporânea em Moçambique. Porto: Edições Afrontamento, 1991. GINZBURG, Jaime. “Autoritarismo, violência, melancolia”. Revista de Letras, São Paulo, vol. 43, n. 1, jan-jun 2003, p. 57-70. GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. São Paulo: Círculo do Livro, s/d. ______. Literatura e vida nacional. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 273 p. ______. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasi- leira, 1991. 244p. GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. GUIBERNAU I BERDUN, Maria Montserrat. Nacionalismos: o estado nacional e o nacionalismo no século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1997. GUILLÉN, Cláudio. Entre lo uno y lo diverso: introdución a la literatura comparada. Barcelona: Editorial Crítica, 1985. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7ª ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003. HOBSBAWN, Eric J. Era dos Extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. ______. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002. 230p. JAMES, Henry. A Arte da Ficção. São Paulo: Imaginário, 1995. JAMESON, Fredric. O Inconsciente Político: a narrativa como ato socialmente simbóli- co. São Paulo: Ática, 1992. LAFER, Celso. A Reconstrução dos Direitos Humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
  • 114. 114 LÉVI-STRAUSS, Claude. La pensée sauvage. Paris: Ed. Plon, 1962. LEVINE, Robert M. Pai dos pobres? O Brasil e a era Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 278p. LÉVY, Bernard-Henri. Elogio dos intelectuais. Rio de Janeiro: Rocco, 1988. 102 p. LIMA-REIS, Eliana Lourenço de. Pós-colonialismo, Identidade e Mestiçagem Cultural, a literatura de Wole Soyinka. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, Fundação Cultu- ral do Estado da Bahia, 1999. LOURENÇO, Maria Cecília França. Direitos Humanos em Dissertações e Teses da USP 1934-1999. São Paulo: EDUSP, 2000. LUBBOCK, Percy. A técnica da ficção. São Paulo: Cultrix, Edusp, 1976. LUKÁCS, Georg. Realismo crítico hoje. Brasília-DF: Coordenada Editora de Brasília, 1969. (Coleção Coordenada-Idéias, v. 1). 205p. ______. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2003. (Coleção Espírito Crítico). 240p. ______. “Narrar ou descrever”. In: Ensaios sobre literatura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. MACHADO, Ana Maria. Recado do nome: leitura de Guimarães Rosa à luz dos nomes de seus personagens. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003. MARCO, Valéria De. “A literatura de testemunho e a violência de Estado”. In: Vários. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, n. 62, 2004, p. 45-68. ______. “Literatura de testemunho: aproximação a Ferreira Gullar”. In: Vários. Anais do Seminário Brasileiro de Crítica Literária, Jornada Internacional de Narra- tologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001, p. 47-70. ______. “Questões sobre a literatura de testemunho”. In: Vários. Revista de Língua e Literatura, São Paulo, n. 25, 1999, p. 153-167. MARGARIDO, Alfredo. Estudos sobre literaturas das nações africanas de língua portuguesa. Lisboa: A regra do jogo, 1980. MATEUS, Dalila Cabrita. A luta pela independência: a formação das elites fundadoras da FRELIMO, MPLA, PAIGC. Lisboa: Inquérito, 1999. MEMMI, Albert. O retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. 127p. (Coleção O mundo hoje, v. 20). MICELI, Sérgio. “A força do sentido” (prefácio). In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.
  • 115. 115 MICHAUD, Yves. A violência. São Paulo: Ática, 2001. NITRINI, Sandra. Literatura comparada: história, teoria e crítica. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2000. 312p. (Coleção Acadêmica, v. 16). PAZ, Octavio. Signos em rotação. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2003. 316p. (Coleção Debates – Crítica). PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. São Paulo: Max Limonad, 1996. RIBAS, Óscar. Dicionário de Regionalismos Angolanos. Matosinhos (Portugal): Con- temporânea, 1994. RUSSELL, G. Hamilton. Literatura Africana. Literatura Necessária. I-Angola. Lisboa: Edições 70, 1975. SAID, Edward W. Cultura e política. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. 170p. ______. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. 351p. SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura? São Paulo: Ática, 1989. 231p. SANTILLI, Maria Aparecida. Africanidade. São Paulo: Ática, 1985. SCHWARZ, Roberto. “Questões de forma”. In: ______. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2000. 256 p. SERRANO, Carlos Moreira Henriques. “A Afro-América (História e Antropologia na pesquisa do mesmo espaço)”. In: Gazetta – Suplemento Cultural do Jornal de Brasília (UnB, n. 89). Brasília-DF, 03 de fevereiro de 1985. ______. “Angola: o discurso do colonialismo e a antropologia aplicada”. In: Vários. África: Revista do Centro de Estudos Africanos (USP). São Paulo, 14-15(1), p. 15-36, 1991-1992. ______. Angola: nasce uma nação - um estudo sobre a construção da identidade nacio- nal. 1988. 352 f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade de São Paulo. ______. “Discurso autonomo angolano: la repercución de la palabra”. In: Vários. Re- vista da Africa e Medio Oriente Habana, v. 7 , n. 1 , p. 33-42, 1990. ______. “Etnicidade, mobilização e recrutamento da luta de libertação de Angola”. In: NEVES, Fernando Santos (org.). A globalização societal contemporânea e o es- paço lusófono: mitideologias, realidades e potencialidades. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, [s/d]. ______. “Os ‘homens do comércio’ e a etnografia empírica em Angola (do século XIX ao primeiro quartel do século XX)”. In: CUSATI, Maria Luisa (org.). Anais do
  • 116. 116 Congresso Internacional Portugal e os mares: um encontro de culturas. Napoli: Instituto Universitário Oriental, 1994, p. 197-205. ______. “A luta de libertação nacional na África de língua portuguesa e a crise do fas- cismo português”. In: COGGIOLA, Osvaldo (org.). Espanha e Portugal: o fim das ditaduras. São Paulo: Xamã, 1995. p. 99-110. ______. “Na raiz das coisas: a formação do jovem escritor ou todos bebemos na mesma fonte”. In: Vários. África: Revista do Centro de Estudos Africanos (USP). São Paulo, 16-17(1), p. 15-36, 1993-1994, p. 195-198. ______. “O romance como documento social: o caso de Mayombe”. In: Via Atlântica, nº 3, São Paulo, p. 132-139, 1999. ______. Os senhores da terra e os homens do mar: antropologia política de um reino africano. São Paulo: FFLCH-USP, 1983. 175 p. ______. “O trajeto de homens, plantas e saberes no Atlântico Sul”. In: CONSENTINO, Francisco Carlos (org.). 1500/2000: Trajetórias. Belo Horizonte: Centro Univer- sitário Newton Paiva, Curso de História, 1999, p. 33-42. SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990. VENÂNCIO, José Carlos. Literatura e Poder na África Lusófona. Lisboa: Ministério da Educação. Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1992. 8. Anexos 8.1 Anexo A - “Quando os mosquitos fazem parte da pena” (1974) Entrevista conduzida por Fernando Dil e publicada na Revista Vida Mundial n. 1829, 03 de outubro de 1974, p. 35-41, Lisboa. LUANDINO VIEIRA: QUANDO “OS MOSQUITOS FAZEM PARTE DA PENA...” Luandino, “Luuanda”, Luanda. Era o tema. Acertamos para conversar sobre o “antiga- mente” da vida. Foi na hora das seis horas. E vinha Luandino, que eu não conhecia, lera, de olhos e todo ele saído da prisão. Foi há mais tempo, foi. Mas só agora podia abrir a
  • 117. 117 boca em liberdade. Passara o 25 de Abril. Luanda marcou-lhe a vida, “Luuanda” tam- bém: a vavó Xíxi e o Zeca Santos, os musseques, sambizanga, as brigas entre mulheres por causa de um ovo de galinha, o Turito e a Xaninha, mas também o director da prisão: “os mosquitos fazem parte da pena”, dizia ele, ao proibir o uso de uma rede na cela. E o Tarrafal, oito anos dos catorze, condenado por lutar contra o colonialismo português. Tem 39 anos, o José Luandino Vieira. Nasceu ao pé de Fátima. E escreve. Mas “não se limita a fixar as expressões verbais do povo de Luanda”, diz o Assis Pacheco. Inova essa linguagem (linguagem-ser dos musseques, musseques em todas as suas estórias) como o Guimarães Rosa “ampliou” os boiadeiros dos sertões de Minas Gerais. “Nós não podemos narrar a mais pequena história de Luanda que não seja forçosamente política”, diz Luandino, por entre um pigarro na garganta, marca que lhe ficou de um período numa cadeia de prostitutas. Mas está aí o MPLA. Por defendê-lo foi condenado. E “Luuanda” acusado de ser um livro político. Premiado, lido, esgotado, foi a ponta-de- lança para um ataque do colonialismo a todos os movimentos culturais angolanos e, em Lisboa, assaltada, fechada e proibida a Sociedade Portuguesa de Escritores. Só muito depois, Luandino viria a ter em mãos o livro que na prisão escrevera. Em 72 foi reeditado; e novamente proibido. Em 74, dele e com o seu autor podemos falar. Ano em que também publica “No Antigamente, na vida”, nos fala do que pensa e do que passou por esse pensar... V.M. – Ser escritor, ser militante político: relações de trabalho nos dois campos. LUANDINO VIEIRA – Nunca reflecti muito sobre estes problemas que são, de certo modo, problemas de natureza teórica. Até porque, lá em baixo, em Angola, as coisas faziam-se um bocado por intuição, entusiasmo, sobretudo quem começou numa base sentimental, como quase todos nós começámos. Quer dizer: começámos por ser as coi- sas antes de sabermos o que eram. Portanto, o trabalho literário e o outro trabalho, di- gamos, político, as relações entre os dois não me parecem que sejam assim relações muito directas. E eu digo directas por isto: porque se podia pensar que o trabalho literá- rio era já feito com uma finalidade política; portanto, eu vou escrever desta e desta ma- neira, estes e estes temas porque é a maneira política mais eficaz de alertar ou de denun- ciar, ou de formar ou deformar; mas 90 e tal por cento da população de Angola é anal- fabeta. Portanto, um bocado inconscientemente e depois, mais tarde, já conscientemen- te, a articulação entre o político e o literário, no meu caso, foi assumindo uma expressão
  • 118. 118 literária, quer nos temas quer na forma, que fosse a expressão de uma diferenciação cultural. Ou seja: eu, demonstrando a existência de uma diferenciação cultural, numa determinada área cultural, que se queria forçosamente portuguesa, lusitana, metropolita- na, demonstrava que a consciência nacional tinha uma base cultural... ou pelo menos determinado tipo de argumentos de natureza consciência nacional”, nacionalidade” não eram puras ficções, e que era possível, portanto, contar um tema da área cultural de Luanda, quer dizer, Angola, numa linguagem que era também a linguagem dessa área cultural; esse escrito resultava num escrito que provocava estranheza em qualquer outro português, e até mesmo nos brasileiros. Essa era a maneira de inserir o meu trabalho literário no político. Claro que a situação que eu conheço desde criança, portanto, Luan- da, é uma situação explicitamente política; nós não podemos narrar a mais pequena história de Luanda, nem a mais pequena anedota, que ela não seja forçosamente políti- ca; não se fica pelo aspecto anedótico ou o nível sociológico não tapa os outro níveis; ressalta logo a componente política. Daí que o livro “Luuanda”, que não tem nenhuma referência política, expressamente, a não ser num caso em que alguém diz a palavra terrorista, teria sido perseguido por se tratar de um livro perigosamente político... V.M. – Será esse o processo de trabalho a continuar? LUANDINO VIEIRA – No meu caso, eu posso responder que sim. Quer dizer: eu pos- so agora ser mais explícito. Tenho que converter a linguagem numa linguagem de maior liberdade, mais directa. Mas também tenho que forçar agora um pouco mais o leitor a entender essa diferenciação cultural, que já é tão grande que, se a levar a extremas con- seqüências, ela se torna quase ilegível para um leitor português metropolitano. ?Esse é um dos meios, mas eu acho que há varias maneiras de inserir o literário no político. Maiakovski fazia um cartaz que era um “hai-kai” e ao mesmo tempo um poema de dois versos exclusivamente político. Há a maneira do Éluard e do Aragon e penso que nin- guém acusará João Guimarães Rosa de ser um escritor reaccionário porque ele contri- buiu pra desmontar a linguagem que seria a uma classe, a uma época, a uma fase... V.M. – Como vê a questão das estruturas tribais? LUANDINO VIEIRA – A desagregação étnica, quer dizer, a desagregação das estrutu- ras tribais, é um facto; é um facto não só por dinamismos próprios que foram bloquea-
  • 119. 119 dos com a colonização, mas que se continuaram a exercer em certo sentido, e ainda por- que a colonização introduziu novos elementos de ruptura nessas relações. Por outro lado a colonização portuguesa não fez tanto como outros paises noutros sítios mas também fez o possível para manter essas estruturas tribais porque era sempre uma maneira de não permitir uma unidade, portanto de manter as populações divididas. Isso é já uma herança, quer dizer: qualquer movimento, qualquer partido que passe a dirigir Angola, terá essa herança que é um dado da realidade social angolana. Há grupos étnicos que mantêm numa maneira real ou na sua memória colectiva razões de afrontamento com outros grupos étnicos; para que essas diferenças não se transfor- mem em antagonismos será necessário a alfabetização e a conseqüente politização do povo angolano de uma forma superior. ANGOLA-61: EU ESTAVA LÁ! V.M. – E no que diz respeito aos colonos brancos? LUANDINO VIEIRA – Talvez seja ainda muito cedo para distinguir entre uns e outros colonos de Angola. Há uma camada de colonos de longa data, e há aqueles que começa- ram a chegar após a segunda guerra mundial e depois da guerra colonial. Não têm todos o mesmo grau de radicalismo e quando digo radicalismo não são todos. Há alguns sim- patizantes que acolhem o programa dos movimentos de libertação ou um programa de independência tipo Rodésia. É difícil ainda separarmos e dizer que estes são minoria e aqueles são maioria. A evolução real de Angola é que vai atirar com uns para um lado ou para outro. Penso que se pode confiar na sinceridade dos movimentos em relação aos brancos que estão em Angola, os portugueses e os brancos que nasceram e são de Angola; portanto, aqueles que o movimento considera tão do povo angolano como um angolano de outra etnia. V.M. – Que diria sobre os acontecimentos de Luanda, em 61? LUANDINO VIEIRA – Eu estava lá. São acontecimentos que não esqueço mais. Aquela cidade viveu momentos de terror para as populações que habitavam os musse- ques. Quando o MPLA fez o ataque de 4 de Fevereiro qualquer pessoa que não estives-
  • 120. 120 se intoxicada pela ideologia corrente fascista, colonialista, que tivesse o mínimo de re- flexão, tinha visto logo as características nítidas do ataque. Foi um ataque só feito a ca- deias e dirigido exactamente às autoridades que eram o símbolo da repressão. Os militantes de 4 de Fevereiro, inclusivamente eu sei por um deles que esteve comigo na cadeia, encontraram pelo caminho vários europeus, passaram por eles naturalmente e prosseguiram em busca do seu objectivo que tinha uma finalidade política expressa. Não se tratou de um ataque terrorista no sentido que se dá à palavra terrorista. Não, foi um ataque perfeitamente político, e com um fim: o de atacar as cadeias para libertar os presos políticos do MPLA. A população branca só esperava aquele rastilho, estava pre- parada, os governadores tinham feito discursos muito inflamados, tinham convidado a população à vigilância, às milícias e chegou-se ao ridículo de encontrar grupos, piquetes a tomarem conta dos prédios durante a noite, armados de vassouras e bombas de “Flit”. Até no meu prédio a porteira tinha uma bomba de “Flit” à porta. Os que não tinham bombas de “Flit” e vassouras, mas tinham armas, organizaram-se em milícias e fizeram durante Fevereiro e Março um morticínio naqueles musseques. Eu assisti a vários. Logo depois, em Agosto, vim para Lisboa e fui preso quando tentava ausentar-me para o estrangeiro, porque chegámos à conclusão de que era muito difícil nas condições de Luanda fazer qualquer coisa. Em Dezembro fui levado preso para Angola. V.M. – Que género de militância política fazia? LUANDINO VIEIRA – Nós fazíamos uma militância de esclarecimento, militância política, um bocado activa em determinados meios a que tínhamos acesso, portanto os meios intelectuais, defendendo os objectivos de imediato e a longo prazo do MPLA. Difundíamos a literatura do MPLA, defendíamos os pontos de vista do MPLA e por- tanto quando a Polícia pegou por um fio e conseguiu apanhar uma ponta dessa pequena rede, eu fui preso em Lisboa quando estava para me ausentar para o estrangeiro. Fomos acusados de ser membros do MPLA, eu e mais dois poetas, o António Jacinto e o Antó- nio Cardoso. V.M. – Mas você era membro do MPLA? LUANDINO VIEIRA – Não, não era. Para ser membro do MPLA teria que fazer o meu pedido formal de ingresso, seguir os trâmites que os estatutos determinam, nem sei bem
  • 121. 121 se pelo facto de eu ter nascido em Portugal podia ser membro, não sei, nunca me preo- cupei com esse aspecto. As acusações foram completamente forjadas. Os dois companheiros que me precederam na prisão foram torturados, e aquelas declarações completamente forjadas. O processo foi para Tribunal Militar e posso dizer que houve três juízes civis escolhidos, mas que esquivaram-se a julgar o processo. Um pediu licença, outro deu parte de doente, outro ausentou-se para Portugal. Finalmente apanharam um juiz natural de Cabo Verde que tinha treze filhos, de maneira que era um juiz que tinha uma situação socioeconômica muito delicada. Essa situação foi a que ele invocou mais tarde quando meu pai, num acesso de cólera, depois do julgamento, disse-lhe: Então você permite que se faça uma coisa daquelas? Agora fico sem os meus dois filhos: tenho um no Exército e o outro vai para a cadeia. E a resposta do juiz foi essa: o senhor tem dois, eu tenho treze. Houve outros factores que contribuíram para a pena. A PIDE pronunciou-se e o Tribu- nal depois aceitou em 24 anos de cadeia. Só as atenuantes é que fizeram com que tivés- semos 14, fomos condenados a 14 anos. Mas o Tribunal Militar de Luanda não queria aplicar uma pena tão pesada, de maneira que estivemos uma semana à espera de que o ministro do Exército resolvesse que pena nos deviam atribuir. A “CADEIA DOS FINS-DE-SEMANA” V.M. – Portanto, a acusação forjada da PIDE passou a ser reconhecida em tribunal... LUANDINO VIEIRA – A acusação era a de tentativa de separação de Angola da Mãe Pátria por meios violentos. Mas havia uma acusação de querermos importar bombas para espalhar o terror entre a população branca. A questão das bombas não era tão forjada como se possa parecer. A certa altura, a ma- tança, o genocídio era de tal ordem que àquele tipo de violência só se podia contrapor uma outra violência. De maneira que eu ia para o estrangeiro e pediram-me que trans- mitisse essa opinião. E no caso de as pessoas concordarem, portanto, que mandassem essas bombas que se destinavam apenas a produzir efeito psicológico; não eram bombas de grande potência para efeito terrorista. Claro que essa foi a parte mais explorada no processo. E daí a acusação de ser por meios fraudulentos, violentos, subversivos e ligação com o MPLA, ideologia marxista, etc.
  • 122. 122 Bom, o processo é muito longo, o libelo acusatório tem doze ou treze alíneas e portanto deu-se tudo por provado, evidentemente. V.M. – E os outros dois, o António Jacinto e o António Cardoso? LUANDINO VIEIRA – Fomos todos condenados na mesma pena, 14 anos de cadeia. Cumprimos essa pena todos juntos, nas mesmas cadeias. De início estivemos separados, depois juntaram-nos os três até sermos libertados; eu e o António Jacinto em 72 e o António Cardoso agora com a amnistia do Movimento de 25 de Abril. V.M. – Que condições davam aos prisioneiros? LUANDINO VIEIRA – Ficámos dois anos à espera de julgamento. Estávamos presos em Luanda, exactamente na cadeia da PIDE. É o Forte de São Paulo. Durante o período de informações, informação do processo, parece que é assim que se chama, depois de o processo ir para tribunal e enquanto se andava à procura de um juiz que fizesse o jeito, nós ficámos ali. Mas devido ao muito movimento daquela cadeia e ao facto de nós já termos o nosso processo elaborado, eles tinham que tirar um pouco da vigilância sobre nós. Evidentemente que com o tempo fomos adquirindo um determina- do tipo de regalias que reivindicámos e nos eram concedidas, como o tempo de recreio, a possibilidade de estarmos juntos os três, etc. Sucede que passámos a ser perigosos na cadeia, porque como não éramos vigiados muito directamente, pois, digamos assim, eles tinham “mais que fazer”, nós tínhamos a cadeia praticamente nas mãos. Conhecíamos, sabíamos quem era, quem não era, e fazíamos, evidentemente, tudo quanto estivesse ao nosso alcance para ajudar os camaradas que necessitassem de auxílio, qualquer que ele fosse. De maneira que às tantas tornou-se imperioso mudar-nos de cadeia; isso também durou meses, porque em nenhuma cadeia de Luanda, e não havia mais nenhuma cadeia onde houvesse presos políticos, eles nos queriam. Terminámos por cair na prisão das prostitutas, dos bêbados, dos vadios, a chamada “cadeia dos fins-de-semana”, que é quando a Polícia faz as rusgas e mete toda a gente à sexta, sábado e domingo, e na se- gunda-feira a Judiciária vai com um “jeep” buscar aquela gente e desta à porrada na- quilo tudo, faz três ou quatro autos, uns despacha-os com mais uma carga de porrada, outros manda-os com mais seis meses para a cadeia, outros um ano, outros despacha-os pra as colônias penais e é assim que se faz a justiça em sistema colonial.
  • 123. 123 Então nós tivemos que ir compartilhar essa cadeia. Claro, era um acadeia de passagem, não tinha nenhumas condições sanitárias, inclusivamente era paredes-meias com uma oficina de pintura de automóveis que funcionava quase todo o dia, a secção de pintura da Polícia de Segurança Pública. Meu companheiro António Jacinto deu cabo da gar- ganta lá, passou muito mal no Tarrafal sempre com problemas de garganta, eu mesmo tenho um pigarro também foi apanhado devido àquele dilueto celulósico que é utilizado na pintura. Tivemos que travar uma luta muito grande com as ratazanas, as baratas, os piolhos, os percevejos, etc. Do nosso bolso comprar insecticidas contra isso até que dois meses depois tínhamos uma certa tranqüilidade. Chegámos a fazer turnos à noite para um vigiar os outros dois por causa dos ratos, que eram de tamanho de coelhos. E claro, sexta, sábado e domingo não dormíamos porque as portas estavam constante- mente a abrir, entravam os tipos embriagados, os guardas saltavam ao chicote, cavalo- marinho, à porrada aos bêbados, metiam-nos debaixo do chuveiro para tomar banho, havia luta, havia berros, havia confusões, uma coisa horrível. E ainda tivemos á o pior tempo do clima de Luanda, que é o tempo do cacimbo. Aquilo é junto ao mar e nós so- fremos bastante com a humidade. O tempo do cacimbo é um tempo muito húmido e a nossa saúde estava dia a dia a ficar cada vez mais arruinada, até porque não tínhamos recreio. Enquanto estivemos lá na Polícia de Segurança Pública, que era o quartel mes- mo do comando, o quartel central no meio da Baixa, o comandante da Polícia recusou- nos sempre o recreio, dizendo às nossas famílias que aquela esquadra de Polícia, que é onde funciona a primeira esquadra e o comando, não tinha condições de segurança para três tipos desarmados como nós, descalços e de calção, poderem passear uma hora ao sol, quando aquilo estava cheio de polícias por todo o lado. Então nós, por nosso lado, e as famílias, cá fora, continuámos a fazer as nossas pressões, até que o Inspector-Geral dos Serviços Prisionais concordou em que fôssemos transferidos para a cadeia do Cacuaco, que é a cadeia para onde enviam os presos de delito comum, que tinha naquele tempo quando lá chegámos uma população à volta de 300 e tal presos. Deram-nos uma ala, só dos políticos, tinha várias celas, mas só três é que estavam ocupadas. Cada um de nós ocupou uma das celas, era um prédio novo que tinha sido feito para quartel, tinha portanto com certeza condições. Mesmo assim havia muito mosquito. Junto da cadeia passa a chamada “Vala da Cuca”, que eram as águas de despejo da fábrica de cerveja. De maneira que aquilo era mosquitos como nunca vi, nem no rio Cuanza vi mosquitos tão grandes , claro que nos defendemos. Pedimos à família para fazer um quadro com
  • 124. 124 rede mosqueteira que à noite púnhamos na janela, fechávamos a porta, deitávamos um pouco de “flit”, eliminávamos os mosquitos e dormíamos. Quando o director descobriu que o chefe dos guardas nos tinha permitido a rede, mandou-nos tirar as redes. Fez o despacho numa informação, que era o seguinte: “Os mosquitos também fazem parte da pena”. Isso é real. V.M. – E como aplicavam o vosso tempo, escreviam, tinham acesso a livros? LUANDINO VIEIRA – Enquanto estivemos na PIDE e depois passámos para as outras cadeias até chegarmos à Comarca ainda tínhamos uma certa liberdade quanto à recepção de livros e jornais. A PIDE actuava de uma maneira paternal nesse aspecto, dizia: isto já não vos faz mal, portanto pode entrar. De maneira que nós fomos estudando línguas; estudávamos italiano e quimbundo, foi na cadeia que eu aprendi quimbundo, não só a parte teórica, estudando pelos poucos livros que havia mas também com os outros com- panheiros de cadeia com quem tínhamos contacto. Não nos era permitido ter rádio, só os jornais de Luanda, os estrangeiros não nos eram permitidos e a comparar com as condições que eu mais tarde viria encontrar, isto era um paraíso. Eu estive cinco anos no Tarrafal sem poder receber o mais pequeno jornal. De maneira que nós passávamos o tempo a estudar, a conversar, a discutir nós os três. Está- vamos sempre juntos, mas éramos mantidos isolados dos outros. Quando havia um adolescente que estava preso por qualquer delito comum, e que o chefe dos guardas achava que era recuperável, então mandava-o para a ala dos presos políticos e pedia-nos o favor de vigiarmos o miúdo, vejam lá se ele perde o hábito da marijuana, aconselhem- no bem, etc. A certa altura na cadeia nós éramos assim uma espécie de sacerdotes. E pouco a pouco fomos entrando em contacto com o restante dos presos da cadeia, mesmo os de delito comum. Não nos coibíamos de fazer um trabalho de esclarecimento político a que eles eram muito receptivos. Por vezes demasiado receptivos. Mas os presos de delito comum, exactamente porque estão naquela situação, e são de um extracto social muito especial, exigem uma grande vigilância, grande cuidado na maneira como tudo se diz. O resultado é que um dos meus companheiros foi vítima desse seu excesso de con- fiança. Foi traído, denunciado, mandado para o segredo exactamente por uma coisa que ele, em oposição até a nós, achava que devia fazer com os presos de delito comum. Aquilo era confiança de mais; eles tiraram todo o partido da situação: em troca da de- núncia passaram a ser eles vigilantes, andar cá fora todo o dia, executar trabalhos de
  • 125. 125 limpeza que lhes permitia passar quase 24 horas ao ar livre. Certo dia, não sei até hoje por que razão, transferiram-nos para Cabo Verde. TARRAFAL: A DESTRUIÇÃO DO HOMEM V.M. – Certamente para o Tarrafal... LUANDINO VIEIRA – Sim, fomos para o campo de concentração do Tarrafal, onde eu e o António Jacinto ficámos oito anos e o António Cardoso cerca de dez. Nós os dois saímos em liberdade condicional. V.M. – E que imagens guarda do Tarrafal? LUANDINO VIEIRA – Tivemos várias fases no Tarrafal. Quando chegámos tínhamos um regime que era muito livre fisicamente e muito mais apertado psicologicamente. Dependia muito das características próprias de cada director. Nesse tempo nem o jornal “A Bola” entrava, não tinha qualquer espécie de jornais e os livros eram só os de estudo do primeiro ou segundo ciclos que cada um freqüentasse. Um isolamento completo. A correspondência, está claro, era toda censurada. O chefe dos guardas chegava ao re- quinte de cortar a palavra “beijos”, quando imaginava que era uma sigla etc., isso sou- be-se porque uma das cartas enviadas foi devolvida ao remetente. Como tinha saído e sido censurada eles entregaram-na novamente sem abrir. Foi aí que o preso pôde ver que tipo de censura era feita à sua carta. Esse chefe de guardas era um sádico: jogava exctamente nesse carácter da tortura psicológica. Nós sabíamos que quando chegava o correio as cartas eram carimbadas com o carimbo de censurado. Portanto, quando ouví- amos no gabinete dele o carimbo a bater, sabíamos que havia correio. Ora, se de manhã se batia com o carimbo, nós ficávamos todo o dia na expectativa de receber uma carta da família. Por vezes era ele que batia o carimbo num jornal velho, de prpósito, pra nos fazer estar o dia inteiro a sofrer. Às vezes levava o requente a outro tipo: nós víamos as cartas, ele mandava-nos chamar por qualquer motivo ao gabinete, víamos a carta que era para nós em cima da secretária, que ele punha à vista, nós saíamos e cada vez que ele aparecia à porta do gabinete, pensávamos: é agora, é agora. E quando já estávamos na caserna ele abria a portinhola e dizia: fulano de tal; e, claro, a pessoa corria logo para receber a carta. Aí ele dizia: a senhora fulana de tal é sua esposa? Muito obrigado, é
  • 126. 126 para fazer o registo. Tornava a fechar e ia-se embora com a carta. Só vinha confirmar que tinha uma carta pra nós. Quando ele estava bem disposto para esse tipo de actuação sádica, viamo-lo sair e a carta estava desde as oito da manhã no gabinete dele. V.M. – Como vê, psicologicamente, um homem como esse? LUANDINO VIEIRA – Um homem desses é com certeza um ser humano muito trau- matizado. Eu já não digo que tenha sido apenas traumatizado por uma carga ideológica desde a adolescência, portanto, pela inserção num quadro que é forçosamente represivo e anti-humano como é o quadro prisional, qualquer que seja o quadro prisional. Um homem muito sensível à ideologia de prisão que lhe incutiram, portanto, ao treino até chegar a chefe de guardas, que ele tinha muito orgulho; punha as divisas e a farda, an- dava sempre aperaltado. Penso que tem coisas até mais fundas, que isto deve vir de traumatismos de infância, portanto, uma situação inicial, uma situação à partida de in- fância, adolescência e frustrações na vida, conscientes ou inconscientes ou subcons- cientes que depois o tornam facilmente presa de um tipo de propaganda de ensinamento ou de instrução, como é a instrução que se dá aos guardas prisionais. Aquilo é um sis- tema repressivo, é um sistema montado para destruir as pessoas, não é só para as confi- nar a um espaço físico, é para as destruir. As pessoas que levassem a sério aquilo que lhe era ensinado como guarda prisional eram pessoas que estavam ali com um fim: “destruir estes tipos”. V.M. – Destruição que as péssimas condições de vida apressavam... LUANDINO VIEIRA – Sim, tínhamos muito más condições. Não tínhamos esgotos, nem casa de banho. Fazíamos todas as nossas necessidades em penicos, durante a noite, que enchiam e transbordavam. No dia seguinte íamos despejar aquilo numa fossa. Ocupávamos instalações que nem tinha água canalizada nem luz eléctrica, nem sanitári- os. Foi assim que estivemos de 65 a 68. Em 65 chegou também um grande grupo de africanos da Guiné, cento e tal. Vinham do campo de concentração da Ilha das Galinhas em condições indescritíveis, alguns totalmente nus. Foram metidos no mesmo tipo de caserna que ocupávamos; numa caserna para 35 homens foram jogados cento e tal. A alimentação deles era arroz com pedacinhos de carne e um bocado de molho feito de um óleo. Era isso durante dias e dias repetidos, sem vegetais nem fruta. Foram mantidos muito tempo no chamado regime de observação e naquelas condições sobreveio uma
  • 127. 127 anemia geral; dois morreram. Depois passaram a ter recreio e uma distribuição diária de uma mão-cheia de amendoim. Com aquele suprimento de ferro e o ar livre, eram quase todas pessoas do interior, camponeses, resistentes, basicamente saudáveis, de maneira que recuperaram logo. Eram todos políticos e muitos militantes do PAIGC. Eram, de certo modo, mais politizados que os angolanos, e tinham um comportamento mais polí- tico, uma consciência política muito mais moderna, mais elaborada do que a consciência política dos angolanos. Os guineenses dormiam em cima do arame das camas que eles tinham trazido da Ilha das Galinhas. O colchão era de arame, arames cruzados, e era ali em cima que eles dor- miam. UMA JUSTIÇA POLÍTICA V.M. – ...E para vocês, em especial, o cerco aos livros e jornais... LUANDINO VIEIRA – Esse cerco psicológico nunca desapareceu. No princípio só deixavam entrar “A Bola”, só um exemplar, a determinado preso que era benfiquista. Exemplar que era para todos. Depois fizemos um certo tipo de pressões, de maneira que se começou a permitir a entrada de suplementos literários e já alguns romances e depois livros de estudo de quimbundo. Nessa altura, eu estava a estudar russo e ao fim de um ano e tal foram-me permitidos os livros. Mais tarde, um outro director alterou em muito as condições físicas, portanto, as instalações, e conseguimos obter a autorização para a leitura de jornais. Um jornal de Luanda e um jornal de Lisboa, mas que não entravam para a caserna. Uma pessoa lia o jornal numa sala, que eles chamavam biblioteca, e de- pois eliminado, acabou. Ficámos reduzidos à “Bola” e ao jornal do Centro de Turismo de Cabo Verde, uma folhinha, que mesmo assim ainda levava cortes. Certa vez recebe- mo-lo com um buraco na primeira página. Ficámos espantados. Tinham cortado umas sete ou oito linhas de uma “conversa em família” do Marcelo Caetano, nem esse esca- pava ao director. Sobre “A Bola” também recebemos uma ameaça: bem, enfim, vocês continuam a receber a “Bola” mas se a “Bola” continua a ocupar-se de política, será suspenso. A política era afinal uma crónica eu começava por estas palavras: “No mo- mento em que o Benfica defronta o Trieste, o presidente Nixon aperta a mão de Mao Tsé Tung, em Pequim”. Considerou o director que isso era informação política e que se assim continuasse teria de nos cortar o “Bola”.
  • 128. 128 V.M. – Acredita na possibilidade de uma sociedade racial mista em Angola? LUANDINO VIEIRA – Eu penso que para essa sociedade há mais que contar com a posição das massas africanas do que com as massas européias. Quer dizer, eu acredito que aquelas declarações de princípio do MPLA e de outros partidos, que defendem esse tipo de relações, são declarações de princípios e não são tácticas. São profundas, verda- deiras e correspondem exactamente àquilo que desejam e que acham que é a justiça histórica. Isto é, para as pessoas isentas de crimes de colonialismo, não há motivo para serem castigadas da mesma maneira como são aquelas que são tidas, conhecidas e reco- nhecidas por criminosas. V.M. – É de se considerar, portanto, que veremos em breve uma justiça desse género? LUANDINO VIEIRA – Não sei se vai haver, sei é que se não houver é mau. Pessoal- mente, sou por uma justiça política de natureza a não poupar ninguém que tenha culpa, porque isso é uma satisfação que se dá a cada pessoa que sofreu e no geral ao povo que sofreu. Se os futuros dirigentes não fizerem isso alienam uma parte da simpatia do povo. Mas uma coisa me parece essencial: é que essa justiça nunca apareça e nunca te- nha o carácter de vingança, que é a primeira maneira de elevar logo o nível político do povo em geral. Não é necessária a vingança, as razões que o povo angolano tem para exigir uma reparação são de tal ordem que bastava um décimo dessas razões para que toda a justiça lhe fosse permitida. V.M. – Gostaria que falássemos do “Luuanda”. Penso que foi escrito na prisão, não foi? LUANDINO VIEIRA – Eu escrevi “Luuanda” em 62 e 63, em Luanda, estava à espera de julgamento. Duas das histórias foram escritas antes do julgamento, uma, depois do julgamento; foram escritas na PIDE e outra na tal cadeia das prostitutas. Essas histórias foram primeiro histórias que eu contei aos meus companheiros. Começávamos a falar, a lembrar coisas: lembras-te do caso da mulher que tem uma galinha, e que depois a gali- nha põe um ovo, e depois há aquelas discussões e as mulheres lutam e depois chamam as outras para ver quem é que tem razão? Depois quando me sentava à mesa para tra- balhar tomava esses apontamentos, e depois essas pequenas conversas de porta de cela
  • 129. 129 foram-se organizando em estruturas literárias e depois eu passava-as para o papel. “Luuanda” era um conjunto de dez histórias. Eu publiquei só essas três, porque quando houve o concurso eu só tinha conseguido fazer sair da cadeia três. O livro foi dactilografado e enviado ao Concurso Mota Veiga, em Luanda, era o prémio mais importante, eram vinte contos. Ganhei esse prémio, mas fui mandado para o Tarra- fal, nessa altura. Editado em Luanda, o livro foi vendido rapidamente, desapareceu. Al- guns volumes chegaram a Lisboa e em 65 a Sociedade Portuguesa de Escritores atribui- lhe o grande prémio novelístico. Isso levantou aquele problema todo, com encerramen- to, ataque à Sociedade de Escritores, programas na televisão, minha mulher ainda foi por várias vezes insultada, pessoas que vinham garantir que me tinham visto no Norte a cortar cabeças e não sei quê, que era um terrorista. A televisão também contribuiu pas- sando filmes dos acontecimentos de 61, etc. Aliás, isso foi uma operação concertada. Pretendiam dar uma machadada nas actividades culturais em Angola, porque o movi- mento de libertação está intimamente ligado à cultura desde o início. O Agostinho Neto é um dos grandes poetas de Angola, o Viriato da Cruz, que já morreu, também era um grande poeta, assim como o António Jacinto, outros poetas como o Costa Andrade, o Manuel Lima, todos militam nos movimentos de libertação, e o movimento de liberta- ção é simultâneo com o movimento cultural. Eram pessoas que tinham uma clara con- cepção da dimensão política da cultura. E esse carácter manteve-se sempre, e ainda hoje se mantém, de tal modo que em Luanda havia duas pequenas associações de tipo cultu- ral, muito embora centradas nos democratas europeus e na parte dos povos assimilados africanos. Mas isso era um espinho cravado lá naquela cidade. De maneira que essa grande operação permitiu fechar a Sociedade Portuguesa de Escritores, a Sociedade dos Naturais de Angola, a Sociedade cultural de Angola, o Cine-Clube de Luanda e todos os organismos que tivessem a mais pequena expressão de cultura autónoma ou de cultura um pouco diferenciada... Só muito mais tarde deixaram-me ver o livro no Tarrafal... 8.2 Anexo B - “Aprender até morrer” (2006) ENTREVISTA
  • 130. 130 Conversa com o escritor angolano José Luandino Vieira, que gentilmente nos recebeu na tarde do dia 27 de fevereiro de 2006, em sua casa no Convento de San Payo, Vila Nova de Cerveira (Portugal).161 Débora Leite David e Susanna Ramos Ventura Débora David – Gostaria que contasse a respeito da sua leitura da obra de Graciliano Ramos, em especial, de Memórias do cárcere. Qual a sua apreciação sobre o regiona- lismo brasileiro da chamada “Geração de 30” e sobre uma possível influência desse regionalismo na literatura angolana? Luandino Vieira – Penso que foi por volta de 1955, meu primeiro contato com a obra de Graciliano Ramos. Portanto vão mais de cinqüenta anos. De minha memória, lem- bro-me do primeiro livro que li de Graciliano, Vidas secas, naturalmente. Então nossa proximidade, e digo “nossa” porque era da geração. Eu era ainda criança quando a mi- nha geração lançou o movimento da “Mensagem”, aquele movimento cultural que tinha um alcance, um fim, um objetivo político. Mas, em 1955, os mais-velhos desse movi- mento, sobretudo o António Jacinto, poeta e nacionalista, era o nosso principal fornece- dor de literatura, a nós, os mais novos... Ele tinha uma belíssima biblioteca, tinha de tudo, desde romances de capa e espada, até o que, na altura, chamávamos de literatura revolucionária, como a Mãe do Gorki, obviamente edição brasileira; e alguns outros livros, edições brasileiras, depois posso dizer o por quê. A essa altura, andava ainda no Liceu, escrevi um conto, ele leu, e disse “está muito bem, mas isso não serve. Estás aqui a contar a história de um mendigo, e passa-se na cidade do Porto? Nunca foste ao Porto, nunca viste um sem abrigo, quando tem tantas coisas que se passam aqui na nossa fren- te. Vou te emprestar uns livros”. O primeiro que emprestou foi As vinhas da ira, de Steinbeck. “Agora vou emprestar mais outros livros”. E depois emprestou-me um livro da Raquel de Queirós. E então é que saiu a literatura toda do nordeste, como nós cha- mamos talvez incorretamente, mas daquela gente do nordeste: José Lins do Rego, etc. E digo incorretamente porque o Érico Veríssimo também estava lá, ao lado de Jorge Amado, of course. Claro, nós, os mais novos, gostávamos mais de Jorge Amado e Érico Veríssimo, e eles que eram mais velhos do Érico Veríssimo, havia uma diferença de dez a quinze anos de idade, embora as duas “gerações” façam parte da mesma geração polí- 161 Entrevista no prelo do periódico Revista África, do Centro de Estudos Africanos (FFLCH/USP).
  • 131. 131 tico-literária, havia uma diferença, pois uns foram mestres e outros foram discípulos. Eles eram mais velhos e tinham outra formação, outra capacidade de leitura. Portanto, o meu amigo António Jacinto era pelo Graciliano, escritor, seco, de palavra só uma e aca- bou! Não vem cá com adjetivos e nem com advérbios. Para ele, o velho Graça é que era. Ele deu-me Vidas secas, e claro, gostei muito. Naquela idade lemos como se fosse uma esponja. Absorve tudo. Depois, mais tarde, é que alguns vão ficando pelo caminho, mas nunca esquecem, alguma coisa de todos esses autores me ficou. Não estou dizendo em minha obra, mas em toda aquela geração, toda a gente foi influenciada pelo Nordeste, pelo Brasil. E mais tarde outras ligações com o Brasil, havia ligações mais ou menos clandestinas, todo o material de natureza política, a formação política também veio do Brasil. Soube mesmo que nosso partido comunista angolano que foi fundado em 53, que os estatutos e todo o resto era tudo muito mais próximo do PCB do que de Portugal. As revistas que circulavam na época eram Manchete, Cruzeiro. Havia essa ligação. Depois até por barco, navios, o navio-escola Custódio de Melo, penso eu, brasileiro, que toca- vam os portos de Luanda, Benguela, etc. E havia lá um marinheiro, um brasileiro negro, que muitos anos mais tarde apareceu já depois da Angola independente, era funcionário da Odebrecht da Bahia. E levavam, não eram só panfletos ou documentos, às vezes era material literário que não tínhamos onde publicar. E traziam livros dos escritores brasi- leiros, do nordeste sobretudo, que tiveram grande papel na formação quer literária, quer política. Tudo isso tinha uma proximidade muito grande, não sei porquê. Porque nossa realidade era diferente, mas havia, há qualquer coisa, talvez fosse o uso da língua, da linguagem. Teve essa influência. Ainda hoje, o escritor João Melo, por exemplo, é de nova geração e, bom, não está muito longe disso, mas nele a influência inicial é de Jorge Amado. Mesmo ultimamente, no que vem escrevendo, há uma certa legitimação, não é ética nem moral, mas um certo desbocamento na prosa dele. A “legitimação” vem do Jorge Amado. Não é com o léxico que João Melo utiliza, mas as cenas cruas: Jorge pu- nha mais romantismo, João Melo põe uma ironia assim um bocado sarcástica. Portanto, é para dizer que foi muito, muito funda, não só foi muito grande, foi muito funda a in- fluência dos escritores do nordeste. Vamos então às Memórias do cárcere. O segundo livro que li foram as Memórias, três volumes, penso que em três volumes, edição do José Olympio, amarelo. E esse livro não foi só literatura. Quanto António Jacinto me deu as Memórias não foi só para eu apreciar aquele estilo, aquela qualidade arguta da observação, e, ao mesmo tempo, uma análise ética do que via. Foi essa idéia com que fiquei das Memórias, em que nunca relatou nada sem que, implícita ou explicitamente,
  • 132. 132 tivesse a análise um valor ético ou moral daquilo que estava relatando. E isso era revo- lucionário. E foi o que me marcou. Nunca tive as Memórias, nunca tive esse livro. Às vezes eu dizia: tenho que comprar as Memórias. Mas depois ficava qualquer coisa a dizer-me: não! eu li aqueles três (bom, o Jacinto é que mos emprestou), riscados, anota- dos, sobretudo naquelas partes de ensinamento, porque é um livro pedagógico, é um manual de como se comportar na cadeia com dignidade e sem querer ser herói. A inten- ção primeira do António Jacinto deve ter sido essa. Já estávamos todos, ele já estava metido na luta pela fundação do Estado Angolano, do partido de luta unida dos africa- nos de Angola, sei lá! Todas aquelas coisas que se faziam na época. E nós andávamos à beira deles, iam nos dando aqueles textos também, e dando conta de como poderia vir a ser difícil se houvesse situações de natureza das que os livros narravam e não eram ma- nuais de instrução, mas literatura. A literatura não só como arte, mas também como ma- nual ético, moral e político. Fiquei sempre do lado do Graciliano, embora por natureza gostasse de ler outros autores. A uma altura gostava muito de José Lins do Rego. Re- cordo quando fui trabalhar, fui trabalhar com 15 anos, portanto em 1950. O meu primei- ro vencimento foram oitocentos escudos. Assim que recebi o meu primeiro vencimento fui à livraria em Luanda, e comprei o meu primeiro livro com o meu dinheiro. E escrevi lá, “este é o primeiro livro que compro com o meu dinheiro”. Era Clarissa, do Érico Veríssimo! Ainda tenho esse livro. Ficou numa casa que minha mãe tinha, em Fátima, num monte de livros... Portanto, o Érico aparece aí no meio, mas eu gostava muito do Érico Veríssimo. Lia tudo, tudo o que era para ler, Tolstói, Gorki, outros autores russos de que ninguém fala hoje, como Vladimir Korolenko, lembro bem dum romance do Korolenko que era O músico cego. E nessas leituras se aprende muito. Era um livro, já não lembro bem o que era, só me lembro de coisas que devo ter aprendido com ele, como escrever um livro do ponto de vista não visual. Fiquei com a idéia de que tudo era referido aos sons, portanto o mundo todo era descrito em função não da imagem, mas do som. E há tempos um amigo meu veio me gabar um livro do Maupassant e mandou- mo. E eu pensei, “Já li isso, Maupassant deve ter lido Tchekov”. Porque isso está em A Estepe, de Anton Tchekov, que é a descrição de uma criança que sai com uma carroça, já não me lembro o porquê, para atravessar a estepe. Então é a estepe vista com os olhos de uma criança. Uma viagem maravilhosa. E só me dei conta de que aquilo é um texto maravilhoso para toda a vida, quando a primeira vez fui à Rússia, à U.R.S.S., e me leva- ram para ver a estepe. E pensei, “já vi isto, já ouvi isto”. Ora, na literatura! Não é a tele- visão, mas a literatura.
  • 133. 133 Débora David – Você planejou alguma vez escrever memórias de sua vida ou de sua experiência na prisão? Luandino Vieira – Tenho uma data, quando fizer oitenta anos vou começar a juntar os meus papéis. E depois vou ver se escrevo umas memórias. Pessoalmente não tenho muitos papéis guardados. Isto que está aqui é um baú inteiro de papéis. Não estava co- migo, estava com a minha primeira mulher que achou por bem me entregar. Mas como este, há mais um, dois, três ou quatro que estão... Um está num apartamento em Luanda e tem uma coisa que gostei muito que é uma coleção de gravações em vídeo do Grande sertão: veredas com o Tony Ramos e a Bruna Lombardi como Diadorim. Faltam-me dois ou três episódios, mas eu acho que é muito bem feito e os atores bem escolhidos, principalmente a atriz Bruna Lombardi. Pois desde o primeiro episódio, na primeira vez que aparece, representa muito bem a ambigüidade da personagem. Então tenho lá esses papéis todos. E como tenho, (penso que ainda existe toda a minha correspondência da cadeia, sobretudo os oito anos do Tarrafal) o resto eu lembro muito bem, os meus cole- gas da cadeia também têm muitas coisas. Mas, os oito anos no Tarrafal criaram rotinas, e custa muito dizer isso, mas a gente se habitua. E habituando, quando a gente se habi- tua, muita coisa escapa, não está alerta constantemente. Eu escrevia todos os dias um pouco porque os correios eram de quinze em quinze dias. Para não ter que escrever no último dia antes de ir entregar, porque as cartas eram censuradas. Fazia três ou quatro linhas por dia, respondendo as cartas que a minha mulher mandava ou escrevendo um tema novo. Eu lembro muito bem que tentava sempre, já que não podia contar os factos, mas tentava sempre pôr na carta qualquer coisa que, mais tarde, me servia como santo- e-senha. Lembro muito bem uma vez escrevi que em nosso refeitório a luz... Lembro muito bem porque foi num dia em que nos deram uma sopa intragável. E depois o dire- tor ainda foi lá e disse, “Então meus senhores, a sopa está boa?” Ficámos calados, pois não valia a pena estar a levantar problema, afinal de contas. Mas ele insistiu! Estava lá o Ilídio Machado, “Então, o senhor que é o chefe da caserna, a sopa está boa ou o quê?”, “Está quente seu Diretor”, foi a resposta e foi para o castigo porque disse que estava quente. Bom, eu não podia contar essa cena, mas lembro muito bem como estávamos sentados e como, na verdade, a luz entrava pelas grades, e isto, quando eu encontrar na carta essa pequena descrição do nosso refeitório, já sei que foi nesse dia, foi assim que o Ilídio respondeu. Então as cartas estão cheias dessas pistas, fazer o sinal nas costas do
  • 134. 134 polícia... E se isso valer a pena, eu escrevo. Naquilo que possa ter interesse, a gente conta aquilo que pode ter um valor, sobretudo moral. Ou alertando contra qualquer coi- sa, barbaridade que veja ou que se faça, ou então pondo nosso juízo sobre as coisas que estão passando. Disse que aos oitenta anos, mas pode ser oitenta, pode ser noventa... Débora David – Mas hoje, pensando nisso, valeria a pena para você escrever Memórias do cárcere. Sem considerar a questão da idade. Luandino Vieira – Estou a ver! O mesmo tipo de reflexão sobre a prisão agora? Penso que sim. Se conseguisse um bom nível literário, porque independentemente disso, as Memórias do cárcere é um livro extremamente bem construído e bem escrito. Ou um livro como Se isto é um homem, do Primo Levi. Se eu sentisse que posso fazer com essa dignidade literária, eu faço. Só para deixar testemunho não sei, há testemunhos, teste- munhos desses não faltam. E há testemunhos de situações que não tem qualquer compa- ração com a nossa. Eu saí vivo e com saúde. Houve alguns que faleceram lá, outros não saíram com tanta saúde, há também fatores individuais nisso tudo, mas não podemos comparar com relatos que nós vemos hoje, em que todo mundo é campeão dos direitos humanos, coisas como se passam em Guantanamo. Uma pessoa fica mais modesta para contar os grandes sofrimentos entre aspas, que eram na verdade para a época. Pois nós levamos com o “melhor” do que a época tinha em matéria de repressão. Agora, cin- qüenta anos depois, ou trinta anos depois, a gente narrar isso? Se narrar factualmente só, as pessoas que lerem dirão, “isso é brincadeira de criança. Vocês estão a se queixar de quê?” Então é difícil essa decisão. Porque se é só do ponto de vista literário, também há a ficção em que a nossa experiência sempre se incorpora. O melhor que se possa tirar dessa experiência, entra na ficção, não é preciso escrever as memórias. Talvez na data em que eu saí, 1972, quando me puseram em Lisboa com residência vigiada, talvez nes- sa altura, sim, se justificasse. Mas a essa altura a gente fica a pensar que ainda vai é continuar a fazer muitas coisas. Continuar a luta que tinha começado, conseguir a Inde- pendência. Quando acabou, quando obtivemos a Independência havia tanto o que fazer, vou me por a escrever memórias? E me mandaram para a televisão, “vais tomar conta da televisão”, fui nomeado Presidente do Conselho da Administração. E nunca, não é questão de nunca ter visto um gravador de vídeo ou uma câmera de vídeo, é que eu nun- ca tinha ouvido a palavra vídeo, isso em 1975. E então fui lá. “Mandem-me para um jornal”, pedi; “não, vais para lá”, “não percebo nada daquilo”, “ninguém percebe nada
  • 135. 135 de nada”, “não há mais ninguém”, “não vamos entregar um órgão de informação, de propaganda”, um órgão de defesa na guerra que havia, invasão do nosso território, “va- mos entregar a quem?” Participei da fundação da televisão, na organização do sistema de informação nacional, que ainda hoje é mais ou menos o mesmo: televisão, rádio, jornal. Algumas partes já foram privatizadas, mas o Estado não privatizou, o que era estatal permanece, e abriu licenças para rádios e televisões privadas. Mas esse sistema de informação ligado ao Estado permanece, editora, agência de notícias, rádio, televi- são. Se calhar, é um modelo já ultrapassado, mas durou já trinta anos. É o que às vezes digo, sem orgulho, mas o que nós fizemos, fizemos muitas burradas, mas algumas coi- sas ficaram. O sistema funciona, as fronteiras, vê lá se alguém mexeu alguma coisa nas fronteiras? Com guerra civil, partiram o país? Tentaram partir o país em três bocados, e depois em dois bocados, mas alguém disse que não era angolano? Consciência nacional, soberania nacional, as fronteiras, trinta anos, no meio de uma guerra que começou em 1961. Pronto, há miséria. Não estou a tentar branquear, os erros foram muito mais do que as virtudes. Agora é preciso ter em conta que esvaziaram o país. Primeiro esvazia- ram; depois não conseguiram, fizeram duas grandes invasões e uma guerra, não conse- guiram; armaram um grupo de oposição e fizeram oposição com esse grupo, não conse- guiram. Alguma coisa estava certa no programa que nós delineamos nos anos 50. A prova da História foram esses anos todos, o fundamental ficou grande tempo. Susanna Ventura – Então a identidade nacional foi colocada programaticamente como um reforço para a luta contra o colonizador? Luandino Vieira – Sim. Mas já existia, foi se forjando desde 1400 e tal. Houve uma altura em que o processo teve um paralelo com a formação da consciência brasileira até o século XIX. E ficou também sempre isso. O vosso acordo para a Independência, pare- ce que o ponto quinto diz que de nenhum modo, e em nenhuma altura o Brasil reivindi- cará a legitimidade pela posse de Angola e não sei mais quê. Ficou lá escrito. Porque estavam tão ligados, que praticamente um não existia sem o outro. A Coroa Portuguesa concordou. Eu li esse documento num livro brasileiro, mas não me lembro qual. Logo no número cinco, artigo quinto, isto era muito importante. Mas também os brasileiros não vão dizer que Angola é deles. Esse mesmo processo deu origem a uma consciência nacional que no fim do século XIX já se traduzia em dezenas, se expressava em dezenas de jornais, e alguns em línguas nacionais, em kimbundo. Depois, durante a primeira
  • 136. 136 metade do século XX, depois da Primeira Guerra Mundial, Portugal alterou a política, da República, alterou a política das colônias. A República, a famosa Primeira República Portuguesa que também só fez burrada, mas enfim. E depois com a Segunda Guerra Mundial, Salazar com a nova política de imigração maciça, criação de colonatos, ocu- pação do território, e mais tarde já estavam durante os últimos anos da luta de liberta- ção, já estava a haver muita fricção entre os interesses dos blocos locais, os colonos, e os da Metrópole. Mas essa era já tinha passado, dessa possibilidade dos colonos, como no Brasil, já tinha passado. Mas os colonos de Angola tiveram sempre ao longo do sé- culo XX movimentos de reclamação, não expressamente, mas das medidas, sobretudo econômicas, econômico-sociais e financeiras, estava sempre implícita a idéia de que “nós tomamos conta muito bem de nós próprios, pois nós é que estamos mandando di- nheiro para vocês fazerem os bairros de Lisboa”. A luta armada foi muito violenta e essa expressão desses interesses não emergiu, porque não tinha chance nenhuma. Quan- do foi aquele período de 25 de Abril até à proclamação da Independência, ainda tenta- ram, apareceu um partido democrático de Angola, mas não tinha base, não tinha base social, porque, entretanto, com a propaganda e com ações mesmo claras, esvaziaram o país dos colonos. Os Estados Unidos até mandam os aviões para fazer a ponte aérea, tiraram toda a gente. O intuito não era tirar os brancos, era tirar os quadros, que era para que o movimento não conseguir pôr autoridade, o país a funcionar, não tem experiência de gestão de um território, e eles hão de se render. Ficam com o país e depois não sabem governar. Tudo quanto sabia ler e escrever, contar, foi embora. Mas a consciência naci- onal, nós já a encontramos. Às vezes leio um historiador do século XVII, um historiador português que de si próprio diz que é cidadão de Luanda, natural de Vila Viçosa, mas cidadão de Luanda. E lido hoje, depois da experiência histórica do Brasil, e tudo isso, já se encontra ali o germe de uma consciência nacional. Há coisas que, na maneira como ele relata, como faz a diferença entre o que era a tropa, e os conquistadores, os morado- res, os gentios e seus descendentes. A gente percebe como tudo aquilo estava a criar uma nação. Até se chegar à grande batalha de Ambuíla. Foi um general, um capitão-mor que comandou o exército que destruiu o exército do Rei do Congo, e que acabou com a separação entre o Congo e Angola, e juntou ficou tudo Angola. Depois, o século XVIII. Quando aí nos anos 47 e 48 do século XX os jovens leram os jornais do fim do século XIX e se aperceberam de todo aquele movimento e as próprias famílias desses jovens eram pessoas que tinham nostalgia daqueles tempos. E que tinham suas próprias associ- ações, seus jornais. É evidente que se referiam a eles próprios como cidadãos, e os cam-
  • 137. 137 poneses como gentios que era preciso subjugar. Portanto à parte as revoltas populares, já havia ali uma nítida noção de classe. Era uma burguesia local. Portugueses, descen- dentes de portugueses, e os assimilados ao longo de cinco séculos, que era uma camada que tinha expressão, tinha poder e que queria autonomia. Mas a gente lê nos jornais do final do século XIX, e o que quer dizer autonomia naquela altura? Não é com certeza o mesmo conceito que... autonomia, autodeterminação de hoje. Claro que para se defender diziam a mãe pátria, mas queriam que houvesse jornais em kimbundo, que as línguas fossem cultivadas, fossem dignificadas... Débora David – E qual o nome desse historiador do século XVII? Luandino Vieira – António de Oliveira Cadornega. Cadornega lido palavra a palavra tem de tudo. Para já, não vejo nenhum escritor angolano, nem todos os escritores ango- lanos do século XX juntos não deram relato à metade das palavras, de neologismos de- rivados do kimbundo como no século XVII já existiam e estão no livro do Cadornega. O léxico de neologismos tirados da relação entre conquistadores e seus descendentes e os negros angolanos, e que eram da linguagem corrente... O soba tinha que ser undado, e tinha que fazer uma cerimônia que era bakulamento. Bakula é prestar vassalagem. Os documentos dizem bakulamento e não dizem prestar vassalagem. O Cadornega escreve bakulamento como quem está assim a falar correntemente. Estavam ali os sobas, os gentios e os bakulados do outro lado. Se fizer toda a lista das palavras que já utilizei, não é a metade das do Cadornega. E isso é um sinal, pois a língua é fundamental na cri- ação de uma consciência nacional. E vem de longe, cinco séculos. Uma vez prenderam um pequeno bandido, a televisão passou a reportagem. Ele tinha ocupado à força uma casa. Então foi lá a polícia e o tirou. Como sempre, tem que tirar à força. “Então fize- mos a Angola, veio a Independência, a casa era do colono e eu não posso ocupar a casa?” Camarada pra cá, camarada pra lá, e ele remata: “Eu há mais de cinco séculos que estou a sofrer, sem casa”. Bom, isto pode ser discurso político... cinco séculos, ele interiorizou como coisa pessoal. Como a noção do tempo histórico nas sociedades an- golanas ainda hoje, não é do relógio e nem é segundo o calendário gregoriano. Tudo está misturado, o mito com a História. “Meu avô conheceu a Rainha Jinga”, “não pode ter conhecido”, “como é que seu avô pode ter conhecido a Rainha Jinga?”, “sim, se- nhor”. E não está a dizer aquilo por jactância, nem para nos estar a enganar. A noção do tempo histórico é aquela, as coisas são em camadas, umas com as outras. Portanto, falar
  • 138. 138 da Rainha Jinga... Eu tinha um colega de cadeia, que era o mais novo, quando todos nós fomos presos, ele foi preso com dezessete anos. Então era o mais jovem. E às vezes havia discussões das pessoas mais-velhas, sobretudo aquelas da missão evangélica, an- tes do culto. Aquelas conversas... E ele metia-se na conversa, e eu dizia, “não se deve, uma pessoa mais nova não se deve meter na conversa dos mais velhos”. Porque isso não é só uma questão de educação, mas uma questão angolana muito importante. Mais- velho é mais-velho. E ele sempre dizia, entrava na conversa e dizia, “Não, é assim, as- sim, assim”. “Mas como é que tu sabes?”. “Senhor Fulano, eu vi”. “Mas como é que tu viste?”. “Quando o avião aterrou pela primeira vez no campo de algodão lá em Catete, em 1905 ou por aí”. “Como é que tu viste?”. “Vi, vi”. “Como é que tu viste, se tu nas- ceste em 1940 e não sei quê?”. Portanto, a transmissão histórica por via oral, é uma forma de passar o tempo histórico para outra pessoa, mas sem que essa pessoa fique com a consciência de que há esse tempo histórico mensurável e que, portanto, torna impossível ele ter participado. Convictamente e verdadeiramente segundo a sua menta- lidade, ele estava lá. Chegamos a 1975, mas estamos a fugir do Graciliano. Tudo isso faz parte do contexto, e aprendemos muito. Eu lembro o último livro em que posso dizer que aprendi, assim conscientemente, alguma coisa que o Brasil me ensinou. Foi um su- plemento literário do Jornal de Minas Gerais, Belo Horizonte, não sei como se chama o jornal. Sei que tinha, nos anos 60, um belo suplemento literário. Muito bom. E aí vem lá uma pequena recensão a um livro de um acadêmico de Minas chamado Aires da Mata Machado Filho. Nunca me esqueci desse nome. Esse nome não é fácil, não é? E o livro chamava-se O negro e o garimpo em Minas Gerais. Essa recensão dizia que o livro fez o levantamento e a recolha de algumas canções de trabalho, tradições, e instrumentos, etc. No tempo do garimpo em Diamantina ou em Mariana. O autor parece que era pro- fessor primário, Aires da Mata Machado Filho. E eu fiquei com aquilo. Então, não tí- nhamos muito o que fazer, e no campo de concentração escrevi para a Livraria Portugal em Lisboa e disse se me podiam arranjar aquele livro. O livro, passados muitos meses apareceu à cobrança do correio no Tarrafal. Era um livro pequenino. O diretor leu aquilo, não tinha mal nenhum, política nenhuma, deixou que o livro entrasse. O livro transcrevia canções de trabalho da mineração do ouro, das pedras, em umbundo e em kimbundo. Estávamos todos convencidos no Campo, todos que lá estavam, que os do Congo sim, os bacongos, sabíamos, e ali da região de Luanda, que tinham saído escra- vos para o Brasil, sobretudo congos, ambundos. Fica tudo misturado na nação Congo do ponto de vista do Brasil. Mas nunca nos passou pela cabeça que os camponeses umbun-
  • 139. 139 dos do planalto tivessem ido fazer a mineração em Minas. E era isso, canções de traba- lho... Aprender até morrer. Aprender nesse sentido, que foi tão vivo aquilo, que até hoje eu guardei. E costumam perguntar: “Como é que tu viste isso”. Calhou, naquele suple- mento. Tudo isto vem dar no processo durante alguns séculos, e seguiu mais ou menos o mesmo modelo, conquistas, guerras, ocupação. E nesse processo violento foi se for- mando uma nação, ou pelo menos a consciência de nação, ou da possibilidade de uma nação. Uma vez, penso que foi uma brasileira de São Paulo, já não me lembro muito bem quem foi, que disse assim: “Foi a Inconfidência Mineira que deu certo”. Poetas a fazer uma revolução, e deu certo: Agostinho Neto, António Jacinto, Viriato da Cruz. “A Inconfidência Mineira que deu certo”. Está bom. Mal comparado, mas literariamente tem um certo charme. Débora David – A prisão tem um papel especial na sua ficção? Que efeito tem a expe- riência da prisão na sua escrita? No seu processo de criação? Luandino Vieira – Tem uma influência nefasta. Lembro-me que antes de ser preso tinha uma noção do tempo diferente que me fazia pensar num assunto, e que ia escrever um conto, e trabalhava todos os dias, tentava escrever, era capaz de rasgar, deitar fora, voltar a escrever. Foi assim que eu escrevi Domingos Xavier, por exemplo. Foi escrito antes de ser preso, uns dias antes eu o acabei, quando fui preso pela segunda vez. E isso eu perdi. O estar preso, e saber que eram quatorze anos, mais três, mais três, mais três. Para que estou com pressa? Então fiquei literariamente preguiçoso. E ainda hoje é assim que eu trabalho. Isso cristalizou em minha maneira de trabalhar. Não sou capaz de me levantar todos os dias, sentar ali e escrever alguma coisa. Às vezes são meses e meses com o caderninho no meu bolso. E às vezes ando a passear na montanha lembro uma frase, uma palavra, um assunto, uma imagem, e tomo nota. E os papéis vão se acumu- lando durante anos, sem uma urgência qualquer, pessoal, nunca mais senti essa urgên- cia. Às vezes o editor diz “Era bom fazer um livro”. “Ah, eu gostava um texto para aquele livro”. Então, eu vou escrevendo. Mas só vou escrever quando já está escrito em mim. Então é terrível! Tenho um romance na minha cabeça há mais de quinze anos. Todo. Nem me preocupo. Já não tenho medo que desapareça. Nada. Está lá. Mas não consegui escrever, se calhar fiz um terço, uma partezinha. Porque agora está sol, agora está a chover, agora vou ao pinhal, assim que entrar a primavera... E isso foi a prisão. Longa, muito longa. A vantagem é que tudo que surgia era pensado e repensado, posto à
  • 140. 140 prova dentro de mim mesmo, cozido e recozido. Claro, depois um cozido assim não sai bom, está demasiado cozido. Mas com essa maneira de trabalhar, como depois vi que não tinha perdido a mão, continuo a escrever, dá-me uma grande dose de autoconfiança. Quando chegar o dia eu escrevo, não tem problema. Porque tudo já apareceu com aquele brilho... Aprendi no Campo do Tarrafal, quando nos abriam a porta para o re- creio (que era geralmente, meio dia estávamos fechados nas casernas e o outro meio dia saíamos, umas vezes de manhã, às vezes à tarde, alternando com os da Guiné) era nesse intervalo que nós íamos lavar a roupa, fazer a nossa horta, cuidar de umas galinhas para ter uns ovos. E depois disso tudo tomar um banho e dar uma volta no Campo que tinha um perímetro de quinhentos metros talvez. Dar ali dez voltas, vinte voltas, sempre a caminhar e a conversar. A resolver todos os problemas de Angola para o futuro! Ali tudo ficava resolvido! Não havia nenhum problema. E depois, caminhando sozinho, as coisas vão surgindo, e isso marcou o meu processo de trabalho. Já não era uma pessoa muito disciplinada. Nas questões da vida sou disciplinado, mas nas questões da escrita não sou muito disciplinado. Então fiquei assim, preguiçoso literariamente. Débora David – Muitos esperam ainda que você surpreenda com algum escrito revolu- cionário que supere toda a sua obra já publicada. O que você pensa dessa expectativa? Você tem planos para publicar algo em breve ainda inédito? Luandino Vieira – Os primeiros dez anos não pensava sequer em escrever. Foi a União dos Escritores, a Televisão, aquilo tudo a organizar. A União dos Escritores chegou a ter uma projeção enorme com as edições. Depois disso, comecei a pensar em voltar à es- crita. Mas aí tinha um pormenor que era depois da Independência escrever sobre o quê? Todos os meus colegas, todos eles escreveram, Manuel Rui, por exemplo, Quem me dera ser onda, ainda bem que ele escreveu naquela altura, porque se fosse hoje não saia com aquela frescura. Enquanto os assuntos ainda são compreensíveis, factualmente eu não sou capaz de ficcionar. Talvez porque na minha formação, a questão social prevale- ce sempre sobre a questão literária. Portanto talvez haja uma resistência de passar à lite- ratura uma questão que é dolorosamente social ainda. É preciso distanciamento. Mas também porque sou muito desconfiado. Porque aquilo que parece não é aquilo que é. Então às vezes a gente sabe que não é mas custou a ver o que é. Não, não é isso, mas não sei ainda o que é. E isso a gente só vê quinze anos depois. E isso faz uma resistência a escrever sobre aquilo que se chama atualidade. Ainda não sou capaz de pensar, litera-
  • 141. 141 riamente, de uma maneira arquitetônica, de uma maneira estrutural, por exemplo, sobre estes primeiros quinze, vinte anos da República de Angola. Já começo, mas aquilo que vejo, que eu consigo arquitetar ainda não tem peso humano, nem dramático, que esses anos tiveram. Então acho que ainda é cedo, para mim. Obviamente que é um caso muito pessoal. Mas, por exemplo, a guerrilha, a guerra de guerrilhas, é esse romance que anda aqui na minha cabeça. Talvez o primeiro volume é possível que saia este ano se eu con- seguir acabar o segundo. Que não vou autorizar que publiquem o primeiro sem acabar o segundo. Como sei que sou preguiçoso, publica-se o primeiro depois que acabar o se- gundo. Mas sai ainda esse ano, penso eu. Também comecei a fazer contas, sei muito bem em que ano nasci. Portanto, sei qual é a minha idade. Porque na verdade aquilo que me marcou, é a época que me marcou e a época que eu vivi, já está tudo naqueles dez livros que escrevi. Não vou conseguir escrever nada de novo. Por um lado espero bem que não seja nada de novo; mas por outro lado também não é justificação para fazer um livro que não acrescenta nada a nada. Essa dúvida, eu ainda tenho. Já perguntei a três amigos... Eu vou aceitar o veredicto deles, porque são pessoas de muita capacidade crí- tica e comparativa. Minha única desconfiança é que são professores de universidade, são acadêmicos. A gente nunca sabe! Depois, que o tempo também é muito, e eu gosto muito de passear pela montanha, andar muito, os tais dias que não ficava fechado, ia fazer qualquer coisa, rolar pedras num ribeiro, qualquer coisa. Por um lado chega a vontade de escrever, mas depois quando vem, ah, dá muito trabalho. António Jacinto dizia assim, “Eu não percebo como é que se consegue escrever um romance. Um poe- ma, umas linhas. Agora, ali um romance, aquelas páginas”. Mas ele escreveu contos, novelas. E alguns muito importantes para mim. Débora David – Quais, por exemplo? Luandino Vieira – Vovô Bartolomeu. Se o meu livro Luuanda tem antecedentes, se tem antecessores, um é Nga Muturi, do Troni, e outro é Vovô Bartolomeu, de António Jacinto. Não há mais nada, antes. Lembro-me que quando pensei, quando andava a ar- quitetar aquele livro, aquelas estórias... Há muitas razões que me levaram ao livro, mas uma delas também foi porque li uma coisa que se chamava Aiuê, um conto de um es- critor chamado Cochat Osório. E pensei: “isso não se faz, é uma indignidade”. A repro- dução, é que se ainda fosse uma reprodução magnetofônica de um relato, mas era uma reprodução da cabeça dele de como uma lavadeira falava. Portanto, duas razões positi-
  • 142. 142 vas e uma razão negativa; ou o contrário, uma negativa que era não deixar continuar a escrever daquela maneira, e duas influências positivas. Susanna Ventura – Gostaria que falasse sobre o seu romance mais recente que você publicou, Nosso musseque. É um texto antigo, não é? Luandino Vieira – Rigorosamente foi escrito daquela maneira, em 1961-1962. Aquele texto foi escrito depois de Domingos Xavier e antes de Luuanda. Susanna Ventura – Grande parte dos seus narradores tem muita saudade de uma certa atmosfera. A narração é de uma realidade muito difícil, mas especialmente o narrador de Nosso musseque está cheio de nostalgia. Você poderia falar sobre essa característica? Luandino Vieira – Eu sinto nostalgia de tudo quanto foi bom e também do que foi mau. Nostalgia do vivido. Talvez seja saudade, uma antecipação, como posso dizer? Não é saudade do passado, sinto é pena porque o bom que aquilo tinha nunca pode ser salvo. Está sempre ligado a tanta coisa, que faz com que aquilo, no seu conjunto, seja mau. E por isso tinha que desaparecer. E o que é pena é que desapareça a criança com a água do banho. É isso. Portanto, a nostalgia não é um artifício narrativo, contar aquela estória, não, é da minha própria natureza. Susanna Ventura – A nostalgia não é absolutamente transparente para o leitor, mas é subjacente. Então existe num determinado plano o sentimento. Luandino Vieira – O narrador perdeu aquilo, perdeu aquela viagem. Ganhou o conhe- cimento das estrelas, mas perdeu aquilo, aquela viagem nunca mais pode ser feita. Pode se narrar isso sem que esse sentimento fique lá expresso. Na altura em que eu escrevi, ainda não sabia ainda escrever com ou sem sentimento expresso, distanciamento. Ainda não tinha lido Brecht, só depois que li todos os seus livros na cadeia. Não queria publi- car. Guardei aquilo mas surgiu a oportunidade. Mudei de editora. Disse: “não quero mais nenhum editor, estou farto de editores”. E comecei com uma idéia muito estúpida que era eu próprio editar meus livros. Aliás propus editar estória a estória. Acho que muitas delas – agora desculpem a vaidade – perdem por estarem três ou quatro estórias num só livro. Porque o modo de escrever que desenvolvi é um método muito concentra- do. Não é muito concentrado nas palavras, uso aquela linguagem do Luuanda não só no
  • 143. 143 sentido literário e lingüístico, é, sobretudo, no sentido cultural. Então, cada palavra da- quelas é às vezes uma explosão, tem várias conotações, umas estão implícitas no pró- prio texto, e outras são do contexto, e outras que são do fundo cultural dos personagens. Então, o texto fica realmente muito compacto, e aí dou totalmente razão aos leitores que se afastam. Vendo trezentos ou quatrocentos e fico muito satisfeito. Ainda há quatro- centos que lêem isso. Muito bem. Ok. Dei-me conta que talvez estória a estória, o pro- cesso da leitura fosse muito fácil para um leitor menos avisado, portanto, um leitor mais comum agüenta uma estória, não agüenta as três. Então pensei em reeditar. Débora David – Isso foi feito em 1997 com a estória À espera do luar, durante a XVIII Feira do Livro em Viana do Castelo? Luandino Vieira – Não, isso foi a Feira que fez. E queriam fazer para homenagear-me. Se o editor concordar eu não ponho reservas. Mas esses contos de Vidas novas são mais leves, não é no sentido light, estilisticamente, foram escritos mesmo para demonstrar cada uma daquelas coisas, portanto são contos políticos. Aliás, um livro que estava na minha cabeça, subjacente à Vidas Novas é o livro Jews without money, de Michael Gold, um neo-realista americano do tempo de Sinclair Lewis. Michael Gold, Caldwel, que eu li também esses americanos todos. Mas era esse livro, Judeus sem dinheiro, ou uma antologia de contos em que o primeiro conto começava assim, “Muitos dos meus amigos dizem que tenho um diploma pela Universidade de Boston. Mentira. Apenas trabalhei no depósito de lixo dessa cidade”. E depois conta a história. E gostei muito desse livro de contos. Aliás, como os americanos são bons em contar short stories. São mesmo bons. E, portanto, o Vidas novas foi feito assim quase com essa determinação, ninguém me encomendou. Mas estava lá no Pavilhão Prisional de São Paulo, pensei vou fazer seis ou sete estórias, uma é esta, tem uma prostituta que não sei quê, o outro é um pescador, o outro é um miúdo que não denuncia, e o outro tal. Má literatura, mas a in- tenção era boa. Susanna Ventura – Voltando a falar da nostalgia dos narradores e a publicação do Nosso musseque. Luandino Vieira – Então àquela altura guardei, e estava guardado. Quando mudei de editora, para a “Caminho”, o editor disse: “ah, mas era bom a gente agora publicar um
  • 144. 144 livro novo”. E eu disse: “Pode tirar o cavalo da chuva. Não vou escrever um livro à pressão”. Os editores pressionam, pressionam, pressionam, e às vezes, os escritores que podiam ter, com mais seis meses, lido de novo o livro, e melhorado alguma coisa, não o fazem... Sente-se que o livro está falhado, falta qualquer coisa. E às vezes bastava tem- po. E então eu guardei o livro. Disse, não, não vou publicar. Mas depois fiz uma exi- gência. Vamos fazer um contrato noutras condições e queria de uma assentada x mil euros para construir uma casita para guardar os papéis. “Está bem, mas veja lá se nos dá...” Bom, uma mão lava outra. Peguei nos papéis, comecei a ler aquilo tudo. Gosto muito do Capitão Abano que eu conheci mesmo e era muito meu amigo. Capitão Bento Abano. E ao ler aquilo, estava aí sentado no chão a tirar os papéis, dei comigo comovi- do. Mas como também já choro quando ouço Caetano Veloso, aí também não é sinal de nada! Vi que estava mais ou menos datilografado. O editor veio à Povoa, e eu fui lá e disse, “Você não quer começar com este texto antigo?”. “Põe-se aqui uma nota que isto é de 1961”. Fiz alguns cortes. Não acrescentei nada. E Zeferino achou um bom livro. E publicou. O livro seguiu sua carreira normal. Penso que já esgotou a edição em Mo- çambique, em Angola. Por ser novidade, anunciaram que era um livro novo. Ainda hoje não tenho uma idéia segura, própria, do que representa o livro no conjunto dos livros que escrevi, porque não consigo ler sem emoção... Susanna Ventura – Nosso musseque é um livro muito emocional, com uma densidade diferenciada, contendo uma humanidade muito viva. Luandino Vieira – Eu que sou parte interessada no assunto, quando leio fico comovi- do. Posso dizer isso sem problemas. Penso que todo escritor admite os seus antepassa- dos. Os meus são tantos que tanto faz falar do Gorki como falar do Shakespeare. Esse livro, quando estava no Pavilhão Prisional, pensei em escrever. Fiz aquelas estórias. Lembro que a primeira estória que fiz, nem saiu no livro. É uma estória de um ajudante de sapateiro que é metido a ridículo por um dos miúdos. Saiu num jornal, está publicado em jornal. Vários dos capítulos saíram como contos separados no jornal, porque foi no início da detenção, e ainda não tínhamos sido julgados pelo Tribunal. Então, fazia sair isso para publicar no jornal, porque nós temíamos pela nossa vida. Sempre mantinha um nome, e a atenção das pessoas que liam. Porque se fossemos pura e simplesmente des- conhecidos era muito mais fácil fazer-nos mal. Assim, era mesmo um intuito de defesa, cobrir a retaguarda. Portanto, depois escrevi o livro todo, mas o que estava na minha
  • 145. 145 cabeça – lá vêm os americanos outra vez! – é um livro, Georgia Boy (1943), de Erskine Caldwell. Mas sei que li tanto americano porque aprendi inglês muito cedo. Que depois agora já baralho. Mas é um desses romances, não é Mark Twain, Adventures of Huckle- berry Finn, é Georgia Boy, de Caldwell. Um romance, uma coisa muito simples a con- tar uma infância em que não se passa nada, e há ali dramas. Vi, há dias, na televisão uma máquina a tirar as barracas na Quinta do Mocho, em Lisboa. Não mudou nada. E, portanto, não era tanto a descrição disso nem da miséria. É também a questão da reação aos sentimentos das pessoas porque, perder aquilo tudo, e aquilo que para as pessoas representava a sua vida, as suas coisas... E isso desdignifica as pessoas, que é uma questão da dignidade das pessoas, expor, sobretudo, a pobreza, expor assim, essa a his- tória de Nosso musseque. Susanna Ventura – Os dois personagens que tem nome em kimbundo, o Silva Xalado e o Xoxombo, são os personagens que desaparecem no romance. Luandino Vieira – Silva Xalado que era um sapateiro. Falta esse capítulo em que era personagem. Fazia assim uns versos, era um apaixonado platônico, e o miúdo, claro as crianças com a sua crueldade, Xoxombo fazia pouco dele, troçou dele, já não lembro o que é que foi, mas deve ter feito uma daquelas coisas que o Xoxombo deve ter levado uma carga de pancadas, ficou uns meses sem levantar... Susanna Ventura – O fato de ter sido o Xoxombo o miúdo que morre é muito simbóli- co, visto ser o único a não ter nome português. Luandino Vieira – Xoxombo morreu mesmo. Não foi com o corno de cabra, foi tétano ou de outra coisa qualquer. Experiência essa do tétano que aparece em João Vêncio, a morte por tétano, digo, por raiva, o cão que mordeu o Ninito e têm que lhe dar um tiro. Susanna Ventura – Sobre o romance João Vêncio: seus amores, é um livro que trata dos amores, mas tangencialmente. A pretexto do amor todos os outros assuntos estão presentes na história. Você pensa naquele interlocutor para quem o João Vêncio fala como um preso político?
  • 146. 146 Luandino Vieira – Sim, era eu. Vinham falar conosco sempre com mentiras, com mi- tos, e coisas que inventam porque estavam a falar com os “políticos”, vinham com aquelas estórias. Estavam sempre a querer confirmar tudo o que diziam conosco, e con- forme a gente confirmava ou não confirmava, nessa interlocução eles iam ganhando legitimidade para certas coisas. Penso que alguns mudaram de personalidade e de pro- cedimento. Legitimados pela força dos “políticos”. João Vêncio, a questão das histórias dos amores, não é bem um pretexto, apesar de que a história é os seus três amores que são quatro. Se fosse só para contar isso, se calhar não escrevia. Mas como disse, há al- gumas palavras que irradiam, e depois saem estrelas. A história de João Vêncio também é a história da linguagem. E é também a estória da educação de uma criança sujeita, por um lado a educação dos padres e depois a da vida, e como daquilo tudo ela absorve. No fundo, é também a história de um processo histórico em que as pessoas vão absorvendo como uma esponja, e algumas coisas ficam, e depois o resultado, aquele texto não tem correspondência com realidade nenhuma. Mas os elementos que estão ali existem na cultura angolana. Não há uma pessoa que fala daquela maneira. Havia aquele preso que tinha, algumas das frases são ipsis verbis, porque ele tinha sido marinheiro, portanto sabia algumas palavras de italiano. E depois para ganhar estatuto aos olhos do político que era eu, de vez em quando dizia “remembro” e eu dizia “remembro, que é isso?”, “o companheiro não sabe italiano?, remembrar, quer dizer lembrar”, eu dizia “está bom”. Essas pequenas coisas serviram porque, no fundo, é um personagem que não tem exis- tência física, ele tem existência lingüística. Ele é a fala dele. Como é que ele era? Baixo, alto? António Ole fez um desenho para a capa do romance, e ele disse “Tinha que ser assim, o mulato do cabelo ao meio, assim”. E aí está muito correcto, está muito limpo, mas a cobra à volta do pescoço. João Vêncio. Portanto, aqui está também a resposta à questão da prisão, para além do convívio humano. Débora David – Sim, você tem uma galeria de personagens que estão presos, Lucas Matesso, Domingos Xavier, João Vêncio, Jacó da Estória do Ladrão e do Papagaio. Luandino Vieira – Esses entraram numa noite, acordaram-me, fiquei furioso. Sábado à noite. Um barulho dos diabos. “Estava a roubar patos”. A roubar patos, todo aleijado? Depois desapareciam, traziam-nos no fim de semana, segunda-feira iam ao juiz que dava-lhes uma pena qualquer. Desapareciam. Fim de semana para dormir era o diabo. Toda a noite abre portas, fecha portas. Não era para a nossa “sala”, as outras dos lados,
  • 147. 147 eram as prostitutas, os bêbados, uma confusão. Mas se não durmo fico aqui a ver pensa- va eu. Perguntava: “Então qual é o teu caso?”, “Ah, meti-me com uma miúda, os pais dela ....”. Isso era um crime viril, dava estatuto. Agora roubar três ou quatro patos, dois farolins de bicicleta... Um exemplo, quando tinha nove anos meus pais tiveram um co- zinheiro. Eu tinha nove, portanto, ele teria assim os seus dezesseis ou vinte. Era um adulto e eu era uma criança. Ficou um ano ou coisa assim, depois desapareceu, nunca mais o vi. E aliás, naquela sociedade conhecíamo-nos todos uns aos outros, naquela camada daquele bairro... Meu pai como era sapateiro tinha os mestres, os oficiais e os aprendizes, e ele era o “Sô Mestre”. Era uma organização ainda medieval... E eu... Uns ficaram, outros não ficaram. Ficou-me aquela imagem de António Lamba, era cozinhei- ro. Passou-se, tinha eu então nove anos. Mais tarde eu o encontrei na Casa da Reclusão, em 1961. Eu tinha 26, e ele era um homem seco, velho, cabelo já uma carapinha branca. Todos presos, conversa puxa conversa. “Eu sou António Lamba”. “Como é seu nome? António Lamba?”. Um dia continuámos a conversar e era ele. E ele disse “Quando o menino era pequeno”, tratava-me por menino, “Sô Lamba, não sou menino”, “Ah, já sou um mais-velho, trato-te por menino”. Eu fiquei com isso em minha consciência, não uma metáfora, mas um símbolo do desenvolvimento da consciência nacional angolana. O que se passou? Depois ele foi tirado dali, porque pertencia a um daqueles processos administrativos, não iam a tribunais. Era seguramente assimilado, mas, para facilitar, para aplicarem aquelas leis administrativas e não ter tribunais com julgamento. Mas fiquei a pensar: vejam lá, tinha eu nove anos, ele era cozinheiro; a vida separou-nos; tantos anos depois estamos os dois na mesma cadeia pela mesma coisa, do mesmo lado. Ora, isso não era mandado pela União Soviética, nem era a mando de potências estran- geiras, nem são entidades corruptoras que vêm pagar às pessoas para fazer as coisas. Está aqui uma razão outra para duas pessoas tão diferentes, de repente, a História colo- ca-os nessa posição. Se os coloca nessa posição, alguma coisa havia antes e tem de ha- ver alguma coisa depois. Senão, não é possível. Fiquei sempre com essa impressão, po- demos dizer que é o destino. Mas tem uma leitura no processo de criação da nação an- golana, que continua. Por exemplo, esta guerra, a guerra de 1975 a 1979 foi um dos elementos que mais contribuiu para o reforço da unidade nacional. Aquele exército feito com gente de todo lado, tudo ali, tudo aprendendo. Os que deviam falar a língua mater- na hoje já quase não falam. Porque foram para a tropa, exército, sessenta mil, sei lá, cento e cinqüenta mil? E depois a língua portuguesa e as tecnologias... Na Televisão chegámos a ter três fornadas de técnicos de electrónica, formados na Hungria, na União
  • 148. 148 Soviética, em outros sítios. Voltavam dos cursos para os estúdios, para a reparação das câmeras, para toda a electrónica de uma Televisão e eram logo chamados para o Exér- cito. Uma vez fui reclamar, falei ao Ministro da Defesa: “Não pode ser, eu formo os quadros e tu mos tiras”, “Que é que tu queres? Queres lá os teus quadros a regular a Televisão, e os Migs e os Mirages da União Sul-Africana virem bombardear-te, ou os queres lá nas baterias de radar na fronteira para não os deixar passar”. Essas pessoas não só aprenderam português como entraram assim no mundo da electrónica. Há um filme angolano muito interessante, um documentário do Ruy Duarte de Carvalho. Não sei se ele já mostrou os documentários dele no Brasil, devia mostrar. É uma série de pequenos documentários que se chama “É a vez da voz do povo”, o que é um belo título. Então o Ruy tem um que é muito simples, é apenas de um piloto de jato a chegar à sua aldeia, despe-se, chegou à aldeia dele e vai viver da mesma maneira que o irmão mais novo ou mais velho, que ficara. Vai lá visitar o irmão... Veste aquela saia de couro, vai participar da festa do boi sagrado, vai matar um boi. Está ali o irmão, que não fala português. Os dois são da mesma geração, a fazer a mesma coisa, a mesma tradição, o irmão não fala português, ele fala português, fala um pouco de inglês e é piloto de jato. Queriam que esse país desse certo logo? O documentário é lindo, devia fazer pensar as pessoas. A nação ainda está a se fazer, mas já estava feita também, senão não resultava... Penso que o Carlos Serrano, ele vai ouvir? Se ele vai ouvir vai dizer: “O Luandino está a ficcio- nar”. Ele chama o Ruy para passar essa série de documentários “A vez da voz do povo”... Débora David – Ainda falando dos antepassados em suas obras, como é o caso do livro No antigamente, na vida? Luandino Vieira – No antigamente, na vida é um livro muito... Eu disse que aquele (Nosso musseque) era muito nostálgico, mas este é muito dolorido, muito duro. Sobre- tudo, a segunda estória é muito dura. Primeiro, “Lá em Tetembuatubia”, tem um pouco de nostalgia; mas também é muito crua a “Estória da água gorda”; no meio daquela poe- sia toda, a última é uma homenagem ao meu lugar de infância e à Bíblia. Aquele livro foi escrito numa altura muito, muito má. Aquele livro foi escrito entre 1967 e 1969. Houve a Primavera de Praga. Nós no campo de concentração não tínhamos muita in- formação; mas tudo quanto era “mal” para o mundo socialista, eles não cortavam, dei- xavam entrar. Foi a morte de Guevara. Foi a morte do nosso melhor Comandante, mor-
  • 149. 149 reu na Frente Leste, no ataque a Karipande, talvez sucessor de Agostinho Neto, era um jovem fora de série. Então isso tudo coincidiu também com uma fase muito difícil no Campo. O Diretor que era cristão, mas daqueles fundamentalistas, tinha seguido cursos de cristandade... Começamos a passar mal. Apertaram muito as medidas de segurança, de maneira que o convívio, nós tínhamos convívio clandestino com os da Guiné, por exemplo, tínhamos um Posto Médico, com enfermeiro diário, que estava lá sempre, e o médico ia uma vez por semana, porque era o mesmo que ia ao Destacamento Militar que guardava o Campo. Então havia lá o alferes médico ou um tenente médico... Como alferes e tenente não eram tropas do quadro, eram tropas milicianas, tiradas da universi- dade para cumprir o tempo, ainda bem que iam parar ali e não nas zonas de combate em Angola e Moçambique. E os presos do Tarrafal? Tarrafal? Os presos do Tarrafal, os presos políticos angolanos, os poetas, os escritores, alguns são brancos. E eles chega- vam ali, não ficavam do nosso lado, mas ganhavam uma visão um pouco mais comple- xa, humana, para tratar conosco. A ponto de chegarmos lá queixando-nos de dor de dente... Todos os anos, o Campo fazia ir um médico do Hospital da Cidade da Praia, oitenta e cinco quilômetros, e ia lá um dia ao Campo para arrancar dentes. Mas só para arrancar. Então esses médicos foram criando no Campo o hábito de nos mandar à con- sulta externa, era uma maneira de a gente ir até a cidade. É claro que íamos com os guardas armados e tal, mas a gente ia fazer uma viagem. Na cidade éramos depositados no hospital, não podíamos sair de lá, mas víamos as pessoas. Assim, durante uns anos arranjamos a nossa rede... Quando esse Diretor chegou acabou com isso, argumentando com o gasóleo, a ajuda de custo aos guardas, aquelas velhas justificações... O que ele queria é que a gente não fosse, ninguém nos visse, e nós não víssemos ninguém. Então esses anos foram muito difíceis. A PIDE, também não sei porquê, intensificou a pressão sobre as famílias em Luanda. Eu cheguei a estar seis ou sete meses sem correspondên- cia. Houve assim um endurecimento. Penso que escrevi essas estórias um pouco para ir buscar algo, como em “Ao sol de Kinaxixe”, memória narrativa, fui buscar qualquer coisa de belo no meio de todas aquelas coisas. Porque acho que é uma estória sobre a beleza. Escrevi com essa intenção, vou pôr aqui essa beleza que está ligada à imagem da infância. Uma menina que eu via numa cancela de uma casa de madeira. Naquelas ca- sas, como há ainda na Jamaica, que em Angola a certa altura foram importadas para os funcionários do Caminho de Ferro. Faziam assim um pequeno bairro, junto de uma la- goa, e a gente passava ali a caminho da escola e via as casas dos funcionários. E havia aquelas meninas inacessíveis para nós, os pés descalços da escola e sujos, fisga nos bol-
  • 150. 150 sos... Mas eu lembro muito bem que ficava a ver a menina lá na cancela. A desenterrar essas coisas para agüentar o choque daqueles anos, essas coisas acabaram por passar para a estória. Houve facto que sucedeu, o de termos encontrado dois jovens do Liceu dos últimos anos, dezessete ou dezenove anos, um rapaz e uma rapariga a namorarem no meio das árvores, do capim, uma coisa que deu obviamente chacota, anedotas, e a proximidade de pornografia, enfim ao pequeno grupo nosso de nove, dez, onze anos. Mas que em mim ficou gravado como penso que consegui pôr na estória. Sobretudo, numa altura o moço está com m maiúsculo. E depois quando o narrador vê a atuação dele, bruta, sem respeito sequer pela beleza que estava ali, a namorada, ele passa a pôr m minúsculo. Estragou aquilo tudo. E, sobretudo, está fugindo, fugiu mesmo. E nós ficamos ali. Pronto, o final é inventado para redimir a situação toda, para fazer de novo a harmonia entre o que nós pensávamos e o que se passou... E fui desenterrando essas coisas, mas também desenterrei as coisas más, na “água gorda”. Que era um colega nos- so, que era órfão de pai e a mãe prostituía-se. Tanto que é aquela história, não sei se era assim que ele pensava, mas a situação dura que nós estávamos a atravessar ali no Cam- po, transformou-se na capacidade de ficar no lugar dele com a sensibilidade que ele tinha. Estou a falar de mim como personagem porque isso já tem quase cinqüenta anos, já posso falar desse que estava lá como um outro. Não é vaidade nem nada. Estou a re- memorar e a procurar, já que me falou disso... Aquela situação geral de sofrimento, cla- ro, mas como é que extravasa cá para fora? Vamos ver que acabou por passar para o pobre do Ninito, que tinha os olhos amarelos. Há com certeza no Brasil essa doença, biliosa, que é uma hepatite. Nos olhos muito claros, ficava tudo amarelo, e o pai dele tinha andado a explorar ouro. A forma, já não sei mais porque fiz aquilo com os parên- teses. Há também outra coisa. A essa altura tinha recebido, também foi uma das coisas que suavizou esse período, um álbum do Rousseau, que uma amiga de Lisboa mandou- me para suavizar os dias no cárcere. E há lá um quadro de uma criança com uns olhos ferozes, e há uma menina com uma sombrinha, um gato e um novelo. Esses contos são dessa altura quando recebi esse álbum. Mais tarde ao ver o álbum, pensei: isto deve ter me influenciado. Há qualquer coisa, sobretudo, aquela criança com os olhos duros. Pode ser. Eram tão poucas as coisas que tínhamos lá que é muito fácil recordar por que razão teria eu ficado com a apetência para fazer estórias daquela maneira. Só podem ter sido essas coisas, dois ou três objetos, mais nada.
  • 151. 151 8.3 Anexo C - “Porão” (1937) Essa história que Newton Freitas está publicando em jornal e certa- mente vai publicar em volume poderia ser um dramalhão reforçado, com muita metáfo- ra e muito adjetivo comprido. O assunto daria para isso. E até julgo que pouca gente no Brasil resistiria à tentação de pregar ali uns enfeites vistosos, que agradariam com certe- za os leitores bisonhos, mas estragariam a narrativa.162 Não aconteceu semelhante desastre. Newton Freitas conta uma histó- ria pavorosa em linguagem simples. Alguns idiotas que admiram o palavreado ficarão surpreendidos, mas a gente sensata lerá o livro com interesse, achará nele a expressão justa que produz emoção e convence. Digamos que não se trata de literatura. Esta palavra no mundo inteiro exprime qualquer coisa séria, mas aqui se acanalhou, desgraçadamente. Porão é muito boa literatura, mas, para não prejudicá-lo, convençamos o público de que é apenas re- portagem. Sendo reportagem, está claro que não venho fazer crítica literária. Não venho. Não sou crítico, e o que desejo é trazer a Newton um depoimento. Dos indivíduos que escrevem neste país (se é vaidade, perdoem) sou um dos que podem atestar as misérias, as infâmias que aqui se praticaram em 1936. Não há exagero nenhum na história que Newton Freitas nos conta. Ele até foi muito parcimonioso, não disse o que se passou na colônia correcional de Dois Rios, e isto dá livros, livros que poderão ser escritos por ele, por Chermon Filho, Aris- tóteles Moura, outros que lá viveram. Não sei como essas pessoas foram mandadas para semelhante lugar. Um dia, na véspera da minha saída, vi um funcionário importante daquele monturo ad- mirar-se por lhe remeterem indivíduos que escrevem. Esse funcionário tinha razão. Se- ria bom que Newton Freitas fosse analfabeto. Está claro que o governo não tem culpa de 162 Crônica incluída na nova edição organizada por Wander M. Miranda. RAMOS, Graciliano. Linhas tortas. 21ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.
  • 152. 152 ele não ser analfabeto. Seria bom que fosse – e tudo se simplificaria. Mas não sendo, erraram mostrando-lhe certas inconveniências. Mostraram sem nenhuma cerimônia: o tratamento que dispensam aos malandros e aos vagabundos foi apresentado sem disfarce aos intelectuais, que durante um ano se confundiram com vagabundos e malandros, numa promiscuidade nunca vista por estas bandas. Foi excelente, e todos devem estar satisfeitos. Sem essa aproximação, não conheceríamos nunca a verdadeira desgraça. Andamos muito tempo fora da realidade, copiando coisas de outras terras. Felizmente nestes últimos anos começamos a abrir os olhos, mas certos aspectos da vida ficariam ignorados se a polícia não nos oferecesse inesperadamente o material mais precioso que poderíamos ambicionar. Seria ótimo que todos os romancistas do Brasil tivessem passado uns meses na colônia correcional de Dois Rios, houvessem conhecido as figuras admiráveis de Cubano e Gaúcho. Podem tomar isto como perversidade. Não é. Eu acharia bom que os meus melhores amigos demorassem um pouco naquele barracão medonho. É verdade que eles sofreriam bastante, mas talvez isto minorasse outras dores complicadas que eles inventam. Existe ali uma razoável amostra do inferno – e, em contato com ela, o ficcionista ganharia. Newton Freitas não é ficcionista. Fazendo reportagem, procura ser ri- gorosamente escrupuloso – e se algum pecado comete, é por tornar-se às vezes conciso demais. Isto leva-o a deixar na sombra coisas que, na situação em que ele se achava, eram vulgares, mas que aqui fora causariam espanto. O autor só nos mostra a parte externa dos indivíduos. As suas perso- nagens andam bem, falam, mexem-se. Notamos os seus movimentos e vemos onde elas pisam, mas não percebemos o interior delas. Estão atordoadas, evidentemente, não po- dem pensar direito, mas teria sido bom que os acontecimentos se apresentassem refleti- dos naqueles espíritos torturados. Seria preferível que, em vez de vermos um soldado empurrando brutamente os presos por uma escada com o cano duma pistola, sentísse- mos as reações que o soldado, a pistola e a escada provocaram na mente dos prisionei-
  • 153. 153 ros. Tendo da multidão que nos descreve uma visão puramente objetiva, Newton esgo- tou o assunto depressa e a narrativa saiu curta. Talvez isto se explique por ele ter querido ser honesto demais. Como as suas personagens são reais, é possível que tenha receado enganar-se olhando-as por dentro. Apesar disso, a descrição que nos dá é excelente. Mas precisa conti- nuação. Encerra apenas os sucessos de dois dias, e Newton passou meses na colônia correcional, conheceu as galerias da detenção, o pavilhão dos militares, o pavilhão dos primários e o depósito da Polícia Central. Viu coisas que, sem serem ampliadas, causa- rão arrepios cá fora. Naturalmente irá contá-las. 29 de julho de 1937 8.4 Anexo D - “Os amigos do povo” (1945) O meu prezado José Lins, grande romancista José Lins do Rego, teve há dias, em artigo na imprensa vespertina, um grito de sinceridade, natural no homem que forjou o Ciclo da cana-de-açúcar e a figura inesquecível de Vitorino Papa-Rabo. Esse grito deve ter ecoado – longe – e é inútil mencionar tudo quanto encerra o artigo, certamente lido com amargura e raiva por muito político vaidoso.163 É a confissão espontânea de que o partido a que se filia o escritor ruiu fragorosamente por ser uma confusa mistura de paixões e interesses diversos. Andou “às tontas”, “sem contato com as massas”, e, “num pleito livre, admirável espetáculo de civismo”, perdeu em vinte e quatro horas todos os sonhos acariciados em longos meses de cegueira voluntária, cegueira que o autor de Bangüê, depois dessa louvável franque- za, tenta inexplicavelmente prolongar. 163 Crônica incluída na nova edição organizada por Wander M. Miranda. RAMOS, Graciliano. Linhas tortas. 21ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.
  • 154. 154 Aí José Lins se embaraça em contradições. Afirma que só os comu- nistas têm um “plano estabelecido, com palavras de ordem, firmeza de ação para deter- minar fins”. “Esses homens são um bloco e rolam como um bloco sobre os fatos.” Que devemos concluir? José Lins diz quatro vezes que essas forças batidas representam a democracia – asserção duvidosa – e conclui: “Por tudo isso cada vez mais se faz urgente a fundação de um partido democrático que uma o Brasil, que seja o verdadeiro amigo do povo, um complexo de idéias generosas, de compromissos com a dignidade humana, sem sectarismo, a bem de nossa terra e de nossa gente.” Reproduzi o período inteiro, a fim de notarmos a incongruência do nosso querido romancista. Quem vai estruturar esse partido? Naturalmente os mesmos homens que se revelam agora incapazes, com certeza pouco dispostos a visitar favelas, pichar muros, viajar centenas de léguas para dizer quatro palavras a algumas dúzias de operári- os. Assevera José Lins que apesar de terem os “melhores propósitos, a consciência lim- pa”, não conseguiram chegar às massas. Como poderiam chegar? Não nos interessam os bons propósitos e a consciência limpa de certos privilégios que rodam nos automóveis, infinitamente longe de nós. Basta que um desses cavalheiros, em momento de enjôo, se refira à canalha dos morros, à malta dos desocupados para se desvanecerem todos os bons propósitos. Vi- vem na superfície, reciprocam amabilidades, incham em demasia – e supõem que atrás deles há multidões embasbacadas esperando milagres impossíveis. Nesse período citado integralmente, José Lins, depois de ter sido tão honesto, cai na demagogia e nas promessas vagas. “Um partido que seja o verdadeiro amigo do povo, um complexo de idéias generosas, de compromissos com a dignidade humana.” Linguagem diferente da linguagem ordinária do criador de Fogo morto. Pala- vras, nada mais.
  • 155. 155 Isso que José Lins deseja fundar, sem indicar os meios, já existe, se- gundo ele próprio declara: “Só o Partido Comunista foi um órgão inteiriço em todo o território nacional.” Diabo! Não é suficiente? Ou será que não somos amigos do povo, não possuímos idéias generosas nem dignidade humana? José Lins não admite semelhante coisa. Observador por índole e por ofício, sabe perfeitamente isto, o único amigo do povo é o povo organizado; temos idéias bem claras, e as idéias generosas dos amigos da onça nos deixam de orelha em pé; a nossa dignidade é pouco mais ou menos igual à dos outros bichos que a humanidade produz. Sinto discordar do meu velho amigo José Lins, grande cabeça e enor- me coração. Discordo. Penso como Vitorino Papa-Rabo, notável sujeito que deixou de ser personagem de romance e a esta hora deve fazer discursos numa pequena célula re- mota, no interior da Paraíba. 7 de dezembro de 1945 8.5 Anexo E - Excertos da legislação portuguesa na Administração das Colônias Ministério das Colónias Decreto n. 18.570 – Aprova o Acto Colonial, em substituição do título V da Constitui- ção Política da República Portuguesa de 1911. Terça-feira, 8 de julho de 1930 Diário do Governo, I Série, n. 156, p. 1307-1308 [...]
  • 156. 156 Portugal entrou na guerra por causa do seu património ultramarino. Depois dela, dois factos avultam. De um lado, certas correntes internacionais propendem a agitar ou esta- belecer ideas mais ou menos desfavoráveis aos dogmas tradicionais da soberania colo- nial das metrópoles, revestindo-se muitas vezes com razões de humanidade os desígnios de imperialismo. De outro, a própria desorganização da administração pública, provo- cada pela conflagração mundial, pela acção reflexa das novas tendências estranhas e pelas condições dos regimes governativos, trouxer situações anormais. [...] Portugal, diz-se aí, tem a função histórica e essencial de possuir, civilizar e colonizar domínios ultramarinos e de exercer a influência moral que lhe é adstrita pelo Padroado do Oriente. [...] A soberania de Portugal no ultramar tem sido dominada através da história pelos mais altos princípios de civilização cristã. A sua acção foi sempre superiormente guiada por um sincero pensamento universal. No texto das leis e na mente dos governantes prepon- derava a Idea da igualdade humana e a aspiração geral de defender, proteger e educar os indígenas. Esta realidade não é obliterada nem pelos costumes contrários, nem pelos abusos, nem pelas contemporizações a que terá sido forçada a autoridade pública pela pressão das circunstâncias. [...] Ministério do Ultramar Decreto-lei n. 43.893 – Revoga o Decreto-Lei n. 39.666, que promulga o Estatuto dos Indígenas Portugueses das Províncias da Guiné, Angola e Moçambique. Quarta-feira, 6 de setembro de 1961 Diário do Governo, I Série, n. 207, p. 1101
  • 157. 157 O problema do Estatuto dos Indígenas assume grande relevância na conjuntura política actual, e porque, tal diploma nem sempre tem sido entendido de modo a fazer-se justiça às razões e intenções que o determinaram, há vantagem nalgumas considerações sobre os motivos que deram origem à já tradicional existência, no direito português, de um diploma que especialmente se ocupasse da situação jurídica dos chamados indígenas. Em primeiro lugar deve salientar-se a tradição portuguesa de respeito pelo direito priva- do das populações que foram incorporadas no Estado a partir do movimento das desco- bertas e a quem demos o quadro nacional e estadual que desconheceriam e foi elemento decisivo da sua evolução e valorização no conjunto geral da humanidade. A permanente atitude respeitadora do direito privado corresponde à convicção de que tal direito exprime os valores fundamentais de qualquer comunidade e nunca lhe pusemos outros limites que não fossem os derivados dos princípios superiores da moral que mais tarde foram reconhecidos pelas Declarações Universais dos Direitos do Homem. [...]

×