Tecnologia Educativa

5,028 views
4,705 views

Published on

Tecnologia Educativa

Published in: Education
1 Comment
9 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
5,028
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
271
Actions
Shares
0
Downloads
125
Comments
1
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tecnologia Educativa

  1. 1. 08/11/2013 TECNOLOGIAS EDUCATIVAS Evolução e Tendências Adelina Moura – linade@gmail.com
  2. 2. Tecnologia • O termo tecnologia vem do grego technê (arte, ofício) e logos (estudo de). • A relação do homem com a natureza foi sempre mediada pela tecnologia. Nos sistemas tecnológicos do amanhã – rápidos, fluidos e auto-reguladores - as máquinas lidarão com o fluxo de materiais físicos: os homens com o fluxo de informação e perceção. Máquinas realizarão, cada vez mais, as tarefas rotineiras; os homens, as tarefas intelectuais e criativas. As máquinas, assim como os homens, em vez de ficarem concentradas em fábricas gigantescas e cidades industriais, estarão espalhadas através do globo, ligadas por um sistema de comunicação, impressionantemente sensível, quase instantâneo. O trabalho humano sairá da fábrica e do escritório massificado, para a comunidade e o lar. Alvin Toffler, O choque do futuro (1970)
  3. 3. Como surge a Tecnologia Educativa (TE)? • Didáticas Tecnológicas versus Didáticas Clássicas (Blázquez, 1985) A TE surge: • Porque o homem deve ser educado para atuar conscientemente num ambiente tecnológico; • Como uma ciência aplicada capaz de contribuir para tornar o processo educativo mais eficaz.
  4. 4. TE - Conceito O significado de tecnologia educativa tem tido uma interpretação errada, muitos pensam que são apenas as ferramentas com que se trabalha atualmente na educação, mas “é qualquer meio que permita chegar a  um fim”. Na educação o desenvolvimento científico foi influenciado pela filosofia, sociologia, e psicologia que marcaram as bases teóricas e metodológicas que determinaram as investigações educativas.
  5. 5. Tecnologia Educativa: Definição • Etienne Brunswic (1980) define TE como, “o conjunto  dos meios novos saídos da revolução dos meios de  comunicação e que podem ser utilizados com fins  pedagógicos”. • Lachance (1970), Lapointe (1978) e Marton (1978) : “A  tecnologia educativa integra as diversas funções do  processo educativo. Pretende, por um lado, analisar  os problemas ligados ao ensino e à aprendizagem,  e por outro, elaborar, implantar e avaliar as soluções  a estes problemas, através do desenvolvimento e  exploração dos recursos educacionais”
  6. 6. Tecnologia Educativa: Definição “A tecnologia educativa é o estudo científico das práticas educacionais, técnica-prática fundada no conhecimento científico, dado que a tecnologia pretende apagar essa distância entre a eficácia infundada e o saber científico, ao servir de ponte entre a técnica e a ciência” (Quesada Castillo, 1990). “Tecnologia Educativa é a teoria e prática do planeamento, desenvolvimento, utilização, gestão e avaliação de processos e recursos para a aprendizagem”
  7. 7. Evolução do conceito Definição genérica • “aplicação de princípios científicos na resolução de problemas educativos”. Definição específica • Construção e desenvolvimento de sistemas de ensino-aprendizagem, para resolução de problemas educativos, para uma melhor aprendizagem.
  8. 8. O que significa falar de TE? • Conjunto de técnicas, métodos, instrumentos, meios; • Tornar o processo educativo mais eficaz. Falar em eficácia significa melhorar a aprendizagem. • O domínio de estudo da TE consiste na construção de sistemas de ensino-aprendizagem capazes de provocar mudanças educativas significativas.
  9. 9. Etapas da evolução da TE Blanco (1983) assinala três fases: 1- Modernização (os aparelhos são ajudas para o ensino ) 2- Otimização do processo (ajudas para a educação – recursos para a aprendizagem) 3- Mudança (focagem sistémica)
  10. 10. Evolução TE em Portugal • Arranque – meios audiovisuais (telescola - 1964); • Afirmação – década de 70 e 80 – integração curricular da TE na formação de professores; - Projeto MINERVA . - Reforma educativa – 2 relatórios referentes à TE Desenvolvimento – a partir da década 90 - a TE é uma das componentes das Ciências da Educação – está presente em todas as modalidades de formação de professores. Lançamento de cursos de pós-graduação. Universidade Aberta.
  11. 11. Investigação em TE em Portugal Linhas de investigação • • • • • • Aplicação das teorias de aprendizagem à estruturação do conhecimento; Desenvolvimento de métodos, estratégias e técnicas de ensino-aprendizagem; Exploração dos recursos tecnológicos da informação e da comunicação (TIC); • Utilização de sistemas de planificação, de gestão e de avaliação na análise dos problemas e soluções educativas.
  12. 12. A TE em Portugal  A Tecnologia Educativa (TE) em Portugal desenvolveu-se em meados da década de 70, integrando os currícula dos cursos de formação inicial de professores e pós-graduação;  Começaram a surgir alguns trabalhos de investigação na área;  Projecto de investigação (Coutinho, 2005) - 460 artigos científicos desenvolvidos no âmbito da TE e publicados por autores portugueses em revistas e actas de reuniões científicas entre 1985 e 2000.  Os resultados fornecem-nos importantes pistas para uma reflexão sobre o futuro e o rumo que deverá tomar a TE no nosso país. • http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/6377
  13. 13. 2 estudos focalizam a análise no desenvolvimento de Centros de Recursos Educativos (Canário, Barroso, Oliveira & Pessoa, 1995; Oliveira, 1999); 2 contextualizam a formação inicial de professores num ambiente de aprendizagem colaborativa (Correia & Calafate, 1999) e na Internet (Bettencourt, 2000); 3 perspectivam a utilização do computador na criação de uma rede de escolas europeias (Ramos, 1999), e a utilização do ecrã como suporte para a prática da pintura de expressão livre (Martins & Chaves, 2000).  Fazer um levantamento sistemático da produção científica para que o domínio se afirme e defina o seu espaço dentro das Ciências da Educação em Portugal;
  14. 14. A tecnologia na educação A tecnologia educativa sempre existiu. No início como material de apoio à docência e depois como meios didáticos e audiovisuais para o ensino. Atualmente acompanhando os desenvolvimentos tecnológicos torna-se impossível resistir às mudanças. Tem havido mudanças importantes na educação, nos seus objetivos, estrutura e funcionamento. A educação tem acompanhado os avanços científicos. Procurando desenvolver o processo educativo de forma mais viável e adequada à sociedade e cultura.
  15. 15. Funções As tecnologias da informação podem contribuir para desenvolver ambientes de aprendizagem mais interativos. A integração bem planificada de uma aprendizagem com meios tecnológicos (computador, dispositivos móveis, softwares, audiovisuais, multimédia), pode reduzir a pressão sobre os docentes. Os avanços no campo das TIC mudaram os papéis dos docentes e alunos nos processos de ensinoaprendizagem.
  16. 16.  Do professor vai depender a capacidade para estimular a criatividade e o espírito crítico dos alunos;  A tecnologia na educação deve ser utilizada pelo seu valor educacional e não por pressão social;  Os professores aceitam as inovações tecnológicas se as considerarem como recursos auxiliares;  O grau em que o computador responde a estes critérios depende de como os professores percebem a sua utilidade.
  17. 17. Papel da tecnologia na educação? Romper um pouco com a resistência; Automatizar os processos administrativos; Proporcionar novas formas de comunicação; Manter os nossos conhecimentos atualizados; Tornar os processos docentes mais interativos e participativos; Criar novos espaços para a utilização dos recursos tecnológicos na educação.
  18. 18. Currículo e tecnologia educativa  A tecnologia está aqui e faz parte do nosso quotidiano;  A nossa tarefa é certificarmo-nos de que estará na sala de aula por sábias e prudentes razões políticas, económicas e educacionais e não apenas porque alguns grupos de poder desejam novamente redefinir os objectivos da educação de acordo com os seus interesses;  Não devemos deixar nunca de questionar o que há de crítico nas tecnologias educativas. • Paraskeva, João M., Oliveira, Lia R., (2011). Currículo e Tecnologia Educativa _ Volume 2
  19. 19. A TE hoje  Quando pensamos no uso de tecnologias nas escolas não falamos simplesmente no uso de “aparelhos tecnológicos digitais”, mas sim no conjunto de técnicas, processos e métodos específicos para o ofício de ensinar!  A escola que hoje convive com as tecnologias digitais, já viveu séculos sem elas e viverá muitos outros séculos com tecnologias que ainda serão inventadas;  As tecnologias mudam, a escola adequa-se ao seu tempo e usa essas tecnologias, mas a escola não é uma aplicação da tecnologia em si.
  20. 20. Tecnologias digitais na educação
  21. 21. Plano tecnológico para a educação Enquadramento
  22. 22. Plano tecnológico para a educação Base de atuação
  23. 23. Plano tecnológico para a educação Projetos
  24. 24. Plano tecnológico para a educação
  25. 25. Referencial de Competências TIC (profs)   Objetivos • Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos na utilização das TIC • Reconhecimento de competências já adquiridas • Aquisição de novas competências • Formação e Certificação de docentes • Competências Digitais • Competências Pedagógicas com TIC • Competências Pedagógicas com TIC de Nível Avançado • Formação e Certificação de pessoal não docente • Competências Digitais • Competências Profissionais com TIC
  26. 26. Referencial de Competências TIC (profs)   • Nível 1: Certificado de Competências Digitais – Conhecimento de ferramentas e de procedimentos. – Capacidades técnicas. ------------------------------------• O professor demonstra ter conhecimentos básicos das ferramentas TIC e da sua utilização no contexto de trabalho. • O professor utiliza instrumentalmente as TIC como ferramentas funcionais no seu contexto profissional.
  27. 27. Referencial de Competências TIC (profs) • Nível 2: Certificado de Competências Pedagógicas com TIC – Integração da tecnologia e da pedagogia. ------------------------------• O professor demonstra ter conhecimentos fundamentados das ferramentas TIC relativas às disciplinas e/ou áreas disciplinares que leciona. • O professor compreende as vantagens da utilização das TIC como meio para melhorar as práticas pedagógicas e as aprendizagens dos alunos.
  28. 28. Referencial de Competências TIC (profs) • Nível 3: Certificado de Competências Pedagógicas com TIC de Nível Avançado – Inovação, Criação, Investigação. ----------------------• O professor inova práticas pedagógicas com as TIC, mobilizando as experiências e reflexões, num sentido de partilha e colaboração com a comunidade educativa numa perspectiva investigativa. • O professor demonstra amplo conhecimento das ferramentas TIC e compreende o seu potencial no desenvolvimento profissional e na inovação pedagógica.
  29. 29. Erros concetuais – Tecnologias Digitais/Tecnologias educacionais Ideológicos Foco na tecnologia e não na pedagogia. O foco correto deve ser no processo de ensino e aprendizagem (currículo, metodologias, estratégias, etc.) e as TDs têm de ser inseridas como ferramentas de apoio às TEs onde for viável fazê-lo.
  30. 30. Estratégicos Busca de atividades e projetos que possam ser desenvolvidos com as TDs. Pressuposto de que é preciso estabelecer projetos específicos para o uso das TDs. O foco correto deveria ser a busca de TDs que facilitem o processo de ensino e aprendizagem e o uso da tecnologia para o ensino e não do ensino para a tecnologia.
  31. 31. Práticos Formação de professores para o uso de softwares e TDs. Compartimentação do conhecimento (TDs X TEs). Planeamento de aulas voltado para o uso de TDs. O foco correto deveria ser a inclusão digital dos professores e alunos (uso efetivo das TDs nas atividades do quotidiano). Disponibilização de recursos, oportunidades e valorização da inovação que leva à melhoria da qualidade do ensino.
  32. 32. Projetos de aprendizagem e tecnologias digitais Para evitar os erros apresentados antes devese procurar inserir as TDs num contexto em que se disponha de: Tecnologia comprovadamente eficaz; Estratégias conhecidas e adequadas; Práticas eficazes e sustentáveis.
  33. 33. Projetos de Aprendizagem São Projetos Educacionais que possuem tecnologias bem estabelecidas  Sabemos como e por que motivo os utilizámos. Sabemos planeá-los e executá-los. Temos objetivos para utilizá-los e estratégias para os conduzir. Tudo isso nos dá segurança para os desenvolver;  Permitem a ação de múltiplos agentes (interdiscilinaridade, transdiciplinaridade). Isso permite-nos atingir um número maior de atores potenciais para o uso das TDs e facilitam a aprendizagem colaborativa de alunos e professores.  Permitem o uso natural de diferentes TDs;  Projetos com várias etapas, atores e muitas ações simultâneas ou não. Tudo isso permite que diferentes recursos tecnológicos sejam usados em diferentes momentos e situações. Projetos geram oportunidades de uso das TDs;
  34. 34. Projetos de Aprendizagem  São focados no processo e não nos resultados finais. Aqui as TDs têm a característica natural delas: apoio ao desenvolvimento, à aprendizagem, ao “fazer”; são “instrumentos para potenciar as ações” e não objetivos em si mesmas. As TDs enriquecem o processo e não são objetivos finais.  Promovem a aprendizagem colaborativa. É no “aprender a aprender” e no “aprender a fazer” que as TDs são aprendidas, e a aprendizagem colaborativa é fundamental para esses processos. Os projetos têm naturalmente a característica de aprendizagem colaborativa e permitem que não apenas os alunos aprendam colaborativamente, mas também os professores.
  35. 35. Como implementar as TDs em Projetos de Aprendizagem? Dispor de recursos tecnológicos (TDs) e facilitar o seu acesso; Planear a inserção das TDs nas diferentes atividades do projeto em função de sua utilidade e disponibilidade, visando sempre a melhoria da qualidade dos processos ou produtos; Documentar, relatar, analisar e registar o uso das TDs e o seu impacte nos Projetos de Aprendizagem.
  36. 36. Partilhar experiências e aprendizagens (reuniões pedagógicas, formações, dia-a-dia, etc.); Promover uma política de inovação constante, dar continuidade aos projetos e procurar envolver cada vez mais os diferentes agentes; Incentivar, valorizar, expor, divulgar e premiar as inovações que produzem bons resultados; Repensar o modelo de professor para incorporar um novo perfil profissional: o perfil do “Professor Digital“. • http://professordigital.wordpress.com
  37. 37. A tecnologia de hoje  Tecnologia educativa hoje está num constante processo de renovação face às novas exigências;  Tem de ser incorporada nas escolas e os professores devem ser preparados para a sua integração;  Atualmente, os custos para incorporar e utilizar a tecnologia de forma adequada não são muito elevados.  A grande maioria das ferramentas Web 2.0 são gratuitas.
  38. 38. O docente No que respeita à formação de professores ela é a chave para o sucesso da introdução de tecnologias na escola; Dificilmente podemos ter sucesso na integração de tecnologias na educação, se os professores que as vão usar não estão preparados para o seu uso.
  39. 39. Da pedagogia à tecnologia • O uso da tecnologia na educação deve ser a sua progressiva integração na vida escolar no currículo e seguindo a prática pedagógica.
  40. 40. Evolução da tecnologia educativa: calculadoras gráficas: ábaco tábuas de logaritmos máquinas de calcular mecânicas calculadoras científicas computador ENIAC calculadoras gráficas
  41. 41. Perfil do utilizador
  42. 42. Objetos de Aprendizagem O conceito de objeto de aprendizagem (AO) surgiu nos anos 90. Os objetos de aprendizagem são definidos por Wiley (2000) como quaisquer recursos digitais, que podem ser reutilizados digitais para assistir à aprendizagem e que podem ser distribuídos pela rede, sob demanda, independentemente do tamanho. rede tamanho Para este autor OA são elementos digitais de um novo tipo de instrução, que podem ser reutilizados em diferentes contextos pedagógicos e por várias pessoas. pessoas Foi adotado como uma representação do conceito de reutilização de e-conteúdos educativos (Polsani, 2003)
  43. 43. Conclusão É fundamental compreender que as tecnologias próprias da Educação, como a pedagogia, a didática, a prática de ensino e as diversas metodologias próprias de cada área do saber, não são substituíveis pelas tecnologia digitais ou por qualquer outra tecnologia. A tecnologia educativa deve variar de acordo com as necessidades sociais e deve ser uma resposta a essas necessidades.
  44. 44. Discussão ? Actualmente os educadores têm o imperativo de : Aprender a utilizar a tecnologia; Aprender a ensinar com recurso às tecnologias educativas; e principalmente, Aprender a saber utilizar a tecnologia para benefício do processo de ensino e aprendizagem dos alunos.
  45. 45. Bibliografia • António, José Carlos. Projetos de Aprendizagem e Tecnologias Digitais, Professor Digital, SBO, 04 maio 2009. Disponível em: http://professordigital.wordpress.com/2009/05/04/projetos-educacionais-e-tecnologias- • Pereira Coutinho, C. (2006). A investigação em "meios de ensino" entre 1950 E 1980: expectativas e resultados. Revista Portuguesa de Educação, ano/vol. 19, número, vol.19, no.1, p.153-174 Pereira Coutinho, C. & Chaves, J.H. (2002). O estudo de caso na investigação em Tecnologia Educativa em Portugal. Revista Portuguesa de Educação, 15(1), pp. 221243 Blanco, Elias & SILVA, Bento (1993). Tecnologia Educativa em Portugal: conceito, origens, evolução, áreas de intervenção e investigação. Revista Portuguesa de Educação, vol. 6, nº 3, 37-55. Toffler, A. (1970). O Choque do futuro. Lisboa : Edição Livros do Brasil. Paraskeva, João M., Oliveira, Lia R., (2011). Currículo e Tecnologia Educativa _ Volume 2 Eurydice. (2007). O Sistema Educativo em Portugal. Disponível em: http://www.eurydice.org. Santos Guerra, Miguel. (2003). No coração da escola. Porto: Edições ASA. Sousa, Jesus. (2000). O Professor como Pessoa. Porto: Edições ASA. • • • • • •

×