Folclore

4,952 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,952
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Folclore

  1. 1. Folclore Brasileiro<br />LENDAS CRENÇAS DANÇAS BRINCADEIRAS INFANTIS SIMPATIAS<br />
  2. 2. Folclore é um gênero de cultura de origem popular, constituído pelos costumes, lendas, tradições e festas populares transmitidos por imitação e via oral de geração em geração. Todos os povos possuem suas tradições, crendices e superstições, que se transmitem através de lendas, contos, provérbios e canções.<br />
  3. 3.
  4. 4. Boto<br />Curupira<br />Cobra grande<br />Macunaíma<br />Vitória <br /> Régia<br />
  5. 5. Matinta Pereira<br />Mapinguari<br />Iara<br />Boitatá<br />
  6. 6. Uirapuru<br />Saci-pererê<br />Caipora<br />Muiraquitã<br />Peixe boi<br />
  7. 7. LOBISOMEM<br />
  8. 8. Lendas<br />Labatut é um bicho pior que o Lobisomem, pior que a Burrinha, pior que a Caipora e mais terrível que o Cão-Coxo. Ele mora, como dizem os velhos, no fim do mundo, e todas as noites percorre as cidades, para saciar a fome, porque ele vive eternamente esfaimado. Anda a pé; os pés são redondos, as mãos compridas, os cabelos longos e assanhados, corpo cabeludo, como o porco-espinho, só tem um olho na testa como os ciclopes da fábula e os dentes são como as presas do elefante! Ele gosta muito mais de meninos, porque são menos duros que os adultos! Ao sair da lua, ele, que anda ligeiro, entrará pelas ruas num trote estugada, pairando às portas para ouvir quem fala, quem canta, quem assobia e quem ressonar alto e zás! Devorar.Os cães dão sinal, latindo-lhe atrás!”<br />
  9. 9. PERSONAGENS DO FOLCLORE<br />NORDESTINO<br />
  10. 10. Civilização do Couro<br />O escritor Euclides da Cunha, em seu livro “Os Sertões”, descrevia o vaqueiro como um “guerreiro antigo exausto da refrega”. Sua roupa, o gibão, seria uma espécie de armadura. “É a forma grosseira de um campeador medieval desgarrado em nosso tempo”, contava Cunha, na obra de 1902.<br />
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13. Folguedos e danças<br />
  14. 14. Os folguedos são festas de caráter popular cuja principal característica é a presença de música, dança e representação teatral. Alguns dos principais folguedos da cultura popular brasileira são:<br />Afoxé, (Bahia), Bumba-Meu-Boi (Norte, Nordeste e todo Brasil), Cavalhada (Sudeste e Centro-Oeste), Maracatu (Pernambuco), Marujada e Reisado (Nordeste).<br />Frases de vaqueijada<br />A pinga é filha da cana e neta do Satanás, acaba o pai de família e desmoraliza o rapaz , 70 capeta juntos num faz o que a pinga faz! Quem bebe pinga é corno e quem num bebe é muito mais!!!<br />Autor: Eduardo<br />Família, minha razão!Deus, minha direção!Vaquejada, minha paixão!!!<br />Autor: Amanda Ferreira<br />
  15. 15. A morte do vaqueiro - Luiz Gonzaga http://www.youtube.com/watch?v=jSWwftxuSQQ<br />
  16. 16. COMO SE FAZ UM CORDEL<br />O cordel é geralmente escrito em sextilha (estrofe com seis versos), ou septilhas (estrofe com sete versos), com sete sílabas poéticas.<br />Veja um exemplo de sextilha de sete sílabas, do cordel Nos caminhos da educação, de minha autoria. Note que o segundo, o quarto e o sexto versos rimam. Os demais versos não rimam:<br />É/ que os/ cor/déis/ sem/pré/ são<br />His/tó/rias/ bem/ tra/ba/lha/das,<br />Pos/su/em/ lin/gua/gem/ fá/cil,<br />Es/tro/fes/ sem/pre/ ri/ma/das,<br />Ver/sos/ sem/pre/ bem/ me/di/dos,<br />Pa/la/vras/ Ca/den/ci/a/das. <br />Em versos metrificados só se conta até a última sílaba forte. <br />
  17. 17. A Moça que Dançou Depois de Morta<br />http://portacurtas.org.br/Filme.asp?Cod=3144#<br />Juro que Vi: O Curupira<br />http://www.portacurtas.com.br/Filme.asp?Cod=2844 <br />O Lobisomem e o Coronel<br />http://www.portacurtas.com.br/Filme.asp?Cod=1518<br />
  18. 18. LENDAS NORDESTINAS<br />ANA JENSEN<br />Mulher que judiava de escravos.Agora, aparece nas ruas de São Luís, Maranhão, em carruagem tomada pelo fogo e puxada por cavalos sem cabeça.<br />ALAMOA<br />É o vulto branco de mulher linda, nua, loura, que aparece a dançar na praia, iluminada pelos relâmpagos de tempestade próxima.Reside em um dos picos da ilha, para onde leva os homens que se apaixonam por ela.Aí transforma-se em caveira.<br />BARBA RUIVA<br />Homem encantado.Tem cabelos e barbas avermelhados, ruivos.Costuma aquecer-se ao sol, deitado na areia da lagoa.Quando sai da água, apresenta barba, unhas e peito cobertos de lodo e lama.Gosta de pegar mulheres para abraçar e beijar.Não faz mal a ninguém.Vive na lagoa de Paranaguá, no Piauí.<br />BICHO HOMEM<br />Grande, atlético, feroz, com um olho só e apenas um pé, que forma no chão uma pegada redonda.Tem dedos monstruosos e aguçadas unhas.<br />É capaz de derrubar a murros uma montanha, beber rios e transportar florestas.Vive escondido nas serranias.É devorador de homens.Corrente, em variantes, no Brasil inteiro.Habita as serras e penhascos do Ceará.<br />PRINCESA JERICOACOARA<br />É uma princesa que mora em uma gruta, cheia de riquezas.Está transformada em serpente, com a cabeça e pés femininos, coberta de escamas de ouro.Só poderá ser desencantada com sangue humano, fazendo-se uma cruz sobre o seu dorso.Aí, ao lado da princesa, aparecerão tesouros e maravilhas da cidade onde ela mora.No Ceará, praia de Jericoacoara.<br />
  19. 19. LENDAS BRASILEIRAS - DIVERSAS<br />BOITATÁ<br />Serpente de fogo, que reside na água.Cobra grande que mata os animais, comendo-lhe os olhos; por isso fica cheia de luz de todos esses olhos.<br />Touro ou boi que solta fogo pela boca.Espírito de gente ruim, que vaga pela terra, tocando fogo nos campos ou saindo que nem um rojão ou tocha de fogo, em variantes diversas.<br /> <br />O CORPO-SECO<br />Homem que passou pela vida semeando malefícios e que sevidiou a própria mãe.Ao morrer, nem Deus nem o Diabo o quiseram, e a própria terra o repeliu enojada de sua carne, e um dia, mirrado, defecado, com a pele engelhada sobre os ossos, da tumba se levantou em obediência ao seu fado, vagando e assombrando os viventes na calada da noite.<br />Boto, Bicho-Papão, Curupira, Chupa-Cabras, Iara D’Água, Jurupari, Lobisomem, Mula-Sem-Cabeça, Saci Pererê<br />
  20. 20. DANÇAS POPULARES<br /> <br />Danças e bailados:Bate-coxa, batuque, capoeira, Catira, chula, jongo, maculelê, samba-lenço, pastoril, pericom, pezinho, quadrilha e ticumbi.<br /> <br />Danças interior paulista: Caranguejo, chapéu, chimarrita, ciranda, inháninha, marrafa, panela de arroz, pinheiro, pombinha branca, quadrilhas juninas, quero bem, sinsará, tontinhas.<br /> <br />Folguedos:Boi-de-mamão, boi-na-vara, caiapós, cavalhadas, carreira-de-cavalos, congadas, cordão-de-bichos, folias-de-reis, folias paulistas, moçanbique, quilombos.<br /> <br />Festas: A doma, o rodeio; congadas e moçambique; festas junias; folia do divino; irmãos da canôa, festa do divino; procissão, nossa Srª dos navegantes; reisado, folia de reis. <br />

×